SlideShare uma empresa Scribd logo
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 1 de 11
Resumo – Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Sumário
Sumário ............................................................................................................................. 1
01. A Seguridade Social e a Legislação Previdenciária. ............................................................. 1
02. A Previdência Social. ...................................................................................................... 2
03. O Financiamento da Seguridade Social. ............................................................................ 3
04. O Salário de Contribuição. .............................................................................................. 4
05. A Arrecadação e o Recolhimento das Contribuições Sociais. ................................................ 4
06. A Filiação, a Inscrição e o Período de Carência................................................................... 5
07. Os Benefícios Previdenciários. ......................................................................................... 6
08. O Cálculo e a Acumulação dos Benefícios Previdenciários. ................................................... 8
09. As Reformas Constitucionais da Previdência Social. ...........................................................10
10. A Assistência Social (LOAS)............................................................................................10
01. A Seguridade Social e a Legislação Previdenciária.
- Até meados do século XIX (1850), a proteção social era ofertada ao cidadão pela sua própria família
(sem a participação do Estado).
- No final do século XIX (1880 - 1900), o Estado começou a ser mais participativo. Em alguns países
(Europa) começaram a nascer as primeiras normas protetivas aos trabalhadores.
- A Lei Eloy Chaves (LEC), de 1923, é o marco inicial da Previdência Social no Brasil. Este ato
normativo previa que cada empresa de estradas de ferro deveria ter a sua própria Caixa de
Aposentadoria e Pensão (CAP).
- As CAPs foram estendidas para outras empresas, sendo que em 1930 o governo Getúlio Vargas
decide unir as CAPs em Institutos de Aposentadoria e Pensão (IAP), sendo um IAP para cada
categoria profissional (e não mais uma CAP para cada empresa).
- Em 1960 é publicada a Lei Orgânica da Previdência Social (unificou a legislação dos IAPs).
- Em 1966 é criado o Instituto Nacional da Previdência Social (INPS).
- Em 1990 nasce o INSS (INSS = INPS + IAPAS - Instituto de Administração Financeira da
Previdência e Assistência Social).
- Em 2004 a parte de custeio é retirada do INSS e repassada para a Secretaria da Receita
Previdenciária (SRP), criada naquele ano.
- Em 2007, a SRP é fusionada à Secretaria da Receita Federal (SRF) e nasce a Receita Federal do
Brasil (RFB). Atualmente, a RFB é o órgão responsável por toda parte de custeio da previdência
Social, enquanto que o INSS é responsável por toda parte de benefícios.
- Seguridade Social = Previdência Social + Assistência Social + Saúde (SS = P + A + S).
- Princípios Constitucionais da Seguridade Social:
- Universalidade da Cobertura e do Atendimento (UCA).
- Uniformidade e Equivalência dos Benefícios e Serviços às populações urbanas e rurais
(UEBS).
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 2 de 11
- Seletividade e Distributividade na prestação dos Benefícios e Serviços (SDBS).
- Irredutibilidade do Valor dos Benefícios (IRRVB).
- Equidade na Forma de Participação no Custeio (EFPC).
- Diversidade da Base de Financiamento (DBF).
- Caráter Democrático e Descentralizado da administração, mediante gestão Quadripartite,
com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos
órgãos colegiados (DDQ).
- As contribuições sociais podem ser cobradas após 90 dias da data da publicação da lei que as
houver instituídas ou modificadas.
- A Saúde é direito de todos e dever do Estado (qualquer pessoa pode usar a saúde pública).
- A Previdência Social é contributiva, só pode usar quem contribui.
- A Assistência Social é devida para quem dela necessitar (caráter assistencial).
- Aos benefícios previdenciários é assegurado o reajustamento permanente com intuito de preservar
o valor real dessas benesses.
- Fontes Principais do Direito Previdenciário: Constituição, Emendas, Leis (Complementares,
Ordinárias e Delegadas), Medidas Provisórias, Resoluções do Senado e da Câmara e os Tratados
Internacionais recepcionados como Lei Ordinária.
- Fontes Secundárias do Direito Previdenciário: Decretos, Portarias, Instruções Normativas, Ordens
de Serviço e demais atos infralegais.
02. A Previdência Social.
- Previdência Social = Regime Geral (RGPS) + Regimes Próprios (RPPSs).
- Segurados Obrigatórios: Contribuintes Individuais, Trabalhadores Avulsos, Empregados
Domésticos, Empregados e Segurados Especiais (CADES). Ainda temos os Segurados Facultativos
(F).  CADES F
- Empregados:
- Aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural a empresa, em caráter não eventual,
sob sua subordinação (jurídica) e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado.
- O bolsista e o estagiário que prestam serviços à empresa, em desacordo com a Lei n.º
11.788/2008 (Lei do Estágio).
- O servidor público não amparado por RPPS (normal em muitos municípios pequenos).
- O menor aprendiz, a partir dos 14 anos.
- Domésticos: Trabalha de forma contínua, no âmbito residencial do contratante, em atividades sem
fins lucrativos.
- Contribuintes Individuais:
- Quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais
empresas, sem relação de emprego.
- A pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana,
com fins lucrativos ou não.
- O condutor autônomo.
- O médico residente (médico plantonista  empregado).
- Trabalhadores Avulsos: presta serviço a diversas empresas sem vínculo com essas, com
intermediação de Órgão Gestor de Mao de Obra (OGMO) ou do Sindicato da categoria.
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 3 de 11
- Segurados Especiais: Pessoa física residente em área rural que trabalha de forma individual ou em
regime de economia familiar com produção rural ou pesca artesanal.
- Segurado Facultativo: Não trabalha mas quer participar do RGPS. A idade mínima de filiação é de
16 anos (em regra) ou de 14 anos (se a questão citar expressamente a Lei n.º 8.212 ou n.º 8.213).
- Em regra, o servidor público estatutário não pode participar como Facultativo (F) no RGPS.
Entretanto, se estiver afastado do RPPS e sem contribuir com este, pode sim ser F no RGPS.
- A legislação garante a manutenção da qualidade de segurado pelos seguintes prazos:
- Sem limite de prazo: Em gozo de benefício.
- Até 12m: Após cessar benefício por incapacidade.
- Até 12m: Após a cessação das contribuições para o RGPS (não exerce mais atividade
remunerada).
- Se tiver mais de 120 contribuições, recebe mais 12m.
- Se o desemprego for involuntário, recebe mais 12m.
- PG = Não contribui, mas mantém a qualidade de segurado
- Até 12m: Após cessar a segregação compulsória (doença).
- Até 12m: Após livramento do detido ou recluso.
- Até 3m: Após licenciamento, o segurado incorporado às Forças Armadas.
- Até 6m: Após a cessação das contribuições do Segurado Facultativo.
- Classes de Dependentes:
- 1.ª classe: O cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer
condição, menor de 21 anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou
deficiência grave.
- 2.ª classe: Os pais.
- 3.ª classe: O irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido
ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave.
03. O Financiamento da Seguridade Social.
- A seguridade social é financiada por toda a sociedade, de forma direta (contribuições sociais) e
indireta, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal,
dos Municípios e de contribuições sociais.
- A contribuição do segurado empregado (E), inclusive o doméstico (D), e do trabalhador avulso (A)
é calculada mediante a aplicação da correspondente alíquota, de forma não cumulativa, sobre o seu
salário de contribuição mensal, de acordo com a seguinte tabela (não precisa decorar!):
Salário de contribuição CS (%)
Até R$ 1.556,94 8,0
De R$ 1.556,95 até R$ 2.594,92 9,0
De R$ 2.594,93 até R$ 5.189,82 11,0
- Contribuinte Individual (em regra) e Facultativo contribuem com 20%.
- Contribuinte Individual que prestar serviço para empresa contribui com 11%. Se prestar serviço
para Entidade Beneficente de Assistência Social (EBAS) contribui com 20%.
- Produtor Rural Pessoa Física (PRPF) contribui com 2,0% + 0,1% (GILRAT).
- As empresas contribuem com 20% sobre a folha de salários (Empregados) e sobre as prestações
realizadas por Contribuintes Individuais e Avulsos.
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 4 de 11
- A contribuição do Empregador Doméstico é de 8,0% + 0,8% (SAT = GILRAT).
04. O Salário de Contribuição.
- Salário de contribuição (SC) é a base de cálculo tributável das contribuições sociais devidas pelo
segurado à Seguridade Social.
- Para boa parte dos segurados obrigatórios (CADE), em regra, o SC é o valor auferido mensalmente.
O Segurado Especial não tem SC, pois ele contribui sobre a receita de comercialização da sua
produção. O Segurado Facultativo contribui sobre o valor por ele escolhido.
- O SC respeita o limite mínimo (um salário mínimo) e o limite máximo (teto do RGPS).
- Existem parcelas integrantes (onde incide a contribuição) e parcelas não integrantes (onde não
incide a contribuição) do SC.
- Parcelas integrantes:
- O Salário Maternidade (único benefício que é SC).
- Terço Constitucional de Férias, segundo a legislação. A jurisprudência afirma que não é SC.
- As diárias que excedem 50% a remuneração mensal do trabalhador.
Parcelas não integrantes:
- Férias indenizadas.
- Valor recebido de Plano de Demissão Voluntária (PDV).
- Vale Transporte pago em passe. Se for pago em dinheiro, é SC para a legislação. Entretanto,
a jurisprudência entende que mesmo quando pago em dinheiro não é considerado SC.
- A participação do empregado nos lucros ou resultados da empresa, quando paga ou
creditada de acordo com lei específica (paga em no máximo 2 vezes no mesmo ano, sendo
que entre um pagamento e outro deve ter um intervalo mínimo de 1 trimestre).
05. A Arrecadação e o Recolhimento das Contribuições Sociais.
- A empresa é obrigada a recolher a sua cota patronal, bem como reter e recolher (substituição
tributária) as contribuições devidas pelos empregados, avulsos e contribuintes individuais ao seu
serviço. A substituição tributária deve ser repassada aos cofres públicos até o dia 20 do mês seguinte
com pagamento antecipado.
- A empresa, caso se encaixe nos parâmetros legais, pode deixar de recolher a cota patronal sobre
a folha de salários (empregados) para recolher um % sobre a receita bruta auferida mensalmente
(desoneração da folha de pagamentos).
- O empregador doméstico recolhe a sua cota patronal, bem como retém e recolhe a contribuição do
seu funcionário até o dia 7 do mês seguinte, com pagamento antecipado. Atualmente, essa logística
toda é realizada de maneira eletrônica (e-Social).
- Resumo dos prazos de recolhimento:
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 5 de 11
06. A Filiação, a Inscrição e o Período de Carência.
- A inscrição é o ato administrativo de registrar o segurado no RGPS, e não deve ser confundida com
a filiação, que é o momento em que o segurado passa a integrar, na condição de beneficiário, o
sistema previdenciário pátrio. A filiação cria direitos (aos benefícios previdenciários) e obrigações
(pagamento das contribuições previdenciárias) ao segurado.
- A filiação decorre automaticamente do exercício de atividade remunerada para os segurados
obrigatórios (CADES). Já para os segurados facultativos, a filiação é ato volitivo (que exige vontade).
- A inscrição dos dependentes deverá ser realizada somente no momento do requerimento do
benefício a que tiverem direito. Não existe a possibilidade de se realizar a inscrição dos dependentes
em outras situações senão essa.
- É importante ter em mente que o Período de Carência (PC) não se confunde com o Tempo de
Contribuição (TC). São dois institutos previdenciários distintos. Por exemplo, o segurado do sexo
masculino pode contar com o TC necessário para se aposentar por tempo de contribuição, que são
35 anos (para os homens), mas não contar com o PC necessário, que são 180 contribuições mensais.
- PC são todos os recolhimentos realizados sem atraso. Quando é pago sem atraso, a contribuição
conta para PC e para TC. Quando é paga em atraso, conta somente para TC.
- Cada benefício tem o seu PC. Observe:
Prazo: Forma:
DS do Empregado.
DS do Trabalhador Avulso.
DS do Contribuinte Individual.
Cota Patronal de 20%, em regra.
Contribuição de 15% - Coop. Trab.
Retenção de 11%.
Sobre a Aquisição de Produção de PRPF.
DS do Empregado.
DS do Trabalhador Avulso.
DS do Contribuinte Individual:
- por conta própria.
- trabalha para outro CI.
- trabalha para PRPF ou Missão Diplomática.
Cota Patronal de 8,0% + 0,8% (SAT).
DS do Empregado Doméstico.
11% - serviços prestados as empresas.
20% - serviços prestados à PF.
Gratificação Natalina (13.º Salário) dia 20 de Dezembro
Empregador
Doméstico
Cooperativa
de Trabalho
Casos Especiais dia 20
mês seguinte
Postecipado
Antecipado
Antecipado
Antecipado
Rescisão de Contrato
dia 15
mês seguinte
dia 7
mês seguinte
dia 20
mês seguinte
Contribuinte
Individual
Responsável: Contribuição Social:
Recolhimento:
Empresa Antecipado
EBAS Antecipado
dia 20
mês seguinte
dia 20
mês seguinte
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 6 de 11
Benefício PC
Aposentadoria por Idade 180
Aposentadoria por Tempo de Contribuição 180
Aposentadoria Especial 180
Aposentadoria por Invalidez 12
Auxílio Doença 12
Salário Maternidade
10
(Cont. Indiv., Seg. Especial, Facultativa)
Aposentadoria por Invalidez Acidentária 0
Pensão por Morte 0
Auxílio Reclusão 0
Auxílio Doença Acidentário 0
Auxílio Acidente 0
Salário Maternidade
0
(Empregada, Doméstica, Avulsa)
Salário Família 0
Reabilitação Profissional 0
07. Os Benefícios Previdenciários.
- Esses são os benefícios previdenciários previstos na legislação:
Aposentadoria Especial.
4
Aposentadoria por Idade.
Aposentadoria por Invalidez.
Aposentadoria por Tempo de Contribuição.
Auxílio Acidente.
3Auxílio Doença.
Auxílio Reclusão.
Salário Família.
2
Salário Maternidade.
Pensão por Morte. 1
- A Aposentadoria por Invalidez apresenta uma peculiaridade em relação às outras modalidades de
aposentadoria: caso o segurado necessitar de assistência permanente de outra pessoa será acrescido
de 25% o valor de seu benefício. Essa aposentadoria com acréscimo de 25% poderá ultrapassar o
limite máximo de valor do benefício (teto do RGPS).
- Aposentadoria por Idade:
Idade:
Homem 65 anos
Mulher 60 anos
Homem Rural 60 anos
Mulher Rural 55 anos
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 7 de 11
Homem Deficiente 60 anos + TC
Mulher Deficiente 55 anos + TC
- Aposentadoria por idade compulsória: 70 anos (homem) e 65 anos (mulher).
- Aposentadoria por Tempo de Contribuição:
TC
Homem 35 anos
Mulher 30 anos
Professor 30 anos
Professora 25 anos
Grau da Deficiência:
Grave: Moderada: Leve:
Homem Deficiente 25 anos 29 anos 33 anos
Mulher Deficiente 20 anos 24 anos 28 anos
- Aposentadoria especial é aquela devida ao trabalhador avulso, ao empregado e ao cooperado filiado
(contribuinte individual) que tenha trabalhado durante 15, 20 ou 25 anos, conforme o caso, sujeito
a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física.
- O Auxílio Doença será devido ao segurado que, após cumprida, quando for o caso, a carência de
12 contribuições mensais, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por
mais de 15 dias consecutivos.
- O Salário Família será devido, mensalmente, ao segurado empregado, inclusive o doméstico, e ao
trabalhador avulso que tenham SC inferior ou igual a R$ 1.212,64 (não precisa decorar esse valor!),
na proporção do respectivo número de filhos ou equiparados, na forma de cota.
- O Salário Maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 dias, com início 28
dias antes e término 91 dias depois do parto. Em casos excepcionais, os períodos de repouso anterior
e posterior ao parto podem ser prorrogados de mais 2 semanas, mediante atestado médico
específico. É o único benefício que é SC.
- O tempo de gozo do Salário Maternidade no caso de adoção ou obtenção da guarda judicial será
de 120 dias, independentemente da idade da criança.
- O Auxílio Acidente será concedido, como indenização, ao segurado empregado, inclusive o
doméstico, ao trabalhador avulso e ao segurado especial quando, após a consolidação das lesões
decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultar sequela definitiva
- A Pensão por Morte será devida ao conjunto dos dependentes do segurado, aposentado ou não,
que falecer.
- O Auxílio Reclusão será devido nas mesmas condições da Pensão por Morte, aos dependentes do
segurado, obrigatório ou facultativo, que nesse caso, recolhido à prisão, não receba remuneração da
empresa nem estiver em gozo de Auxílio Doença ou de Aposentadoria (de qualquer espécie), desde
que o seu último SC seja igual ou inferior a R$ 1.212,64 (não precisa decorar esse valor!).
- Benefícios x Beneficiários (guarde com carinho!):
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 8 de 11
Benefício: Quem tem direito:
Apos. Idade CADES F
Apos. TC CADES F
Apos. Invalidez CADES F
Apos. Especial E, A e C (Cooperado)
Aux. Doença CADES F
Aux. Acidente E, D, A e S
Aux. Reclusão Dependentes do CADES F
Sal. Maternidade CADES F
Sal. Família
E, A, D e Trabalhador Rural
Aposentado
Pensão por Morte Dependentes do CADES F
08. O Cálculo e a Acumulação dos Benefícios Previdenciários.
- O Salário de Benefício (SB) é o valor básico utilizado para cálculo da Renda Mensal dos Benefícios
(RMB) de prestação continuada, exceto o Salário Família, a Pensão por Morte, o Salário Maternidade
e os demais benefícios de legislação especial. Do dispositivo legal podemos extrair que, em regra, a
renda dos benefícios previdenciários é calculada com base no SB.
- O cálculo do SB consiste na seguinte sequência:
- Levantar todos os Salários de Contribuição (SC) do trabalhador, atualizando-os até a data
do requerimento do benefício (Período Básico de Cálculo);
- Com todos os SC atualizados, descartar os 20% menores, ou seja, trabalhar apenas com
os 80% maiores SC, e;
- Realizar a média aritmética desses 80% maiores SC do trabalhador. Pronto, o SB está
calculado;
 No caso da Aposentadoria por Idade e de Aposentadoria por Tempo de Contribuição, o SB
supra encontrado será multiplicado pelo Fator Previdenciário (FP), sendo que a aplicação do
referido fator será facultativa para o benefício por idade e obrigatória (em regra) para o
benefício por tempo de contribuição, podendo sua aplicação ser afastada, caso o segurado
preencha os requisitos previstos na Regra 85/95  90/100.
- A Renda Mensal do Benefício (RMB) de prestação continuada que substituir o Salário de Contribuição
(SC) ou o rendimento do trabalho do segurado não terá valor inferior ao do salário mínimo e nem
será superior ao limite máximo do SC (teto do RGPS). Esse teto beneficiário excetua-se em caso de
Aposentadoria por Invalidez quando o segurado necessita de assistência permanente de outra
pessoa. Nesse único caso, o aposentado poderá contar com um acréscimo de 25% sobre seu
rendimento, ultrapassando, dessa maneira, o Teto do RGPS.
- RMB dos benefícios previdenciários:
Benefícios calculados diretamente sobre o SB do segurado:
Benefício: RMB:
Aposentadoria por Tempo de Contribuição: 100% x SB
Aposentadoria por Idade: (70% x SB) + 1% x SB (12 Contr.)
Aposentadoria por Invalidez: 100% x SB
Aposentadoria Especial: 100% x SB
Auxílio Doença: 91% x SB
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 9 de 11
Auxílio Acidente: 50% x SB
Benefícios sem correlação DIRETA com o SB do segurado:
Benefício: RMB:
Auxílio Reclusão: 100% x RMB Aposent. Inval.
Salário Maternidade Salário da segurada
Salário Família: Cota/filho
Pensão por Morte: 100% x RMB Aposent. Inval.
- Tabela de acumulação de benefícios previdenciários:
Apos.
Inv.
Apos.
Id.
Apos.
Tc.
Apos.
Esp.
Aux.
Doe.
Sal.
Fam.
Sal.
Mat.
Aux.
Acid.
Pensão
Morte
Aux.
Recl.
Abono
Perman.
Seguro
Desemp.
Benef.
Assist.
Apos.
Inv.
Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não
Apos.
Id.
Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não
Apos.
Tc.
Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não
Apos.
Esp.
Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não
Aux.
Doe.
Não Não Não Não Não Não
Não
(1)
Não Não Não
Sal.
Fam.
Não Não
Sal.
Mat.
Não Não Não Não Não
Aux.
Acid.
Não Não Não Não
Não
(1)
Não Não
Pensão
Morte
Não Não Não
Aux.
Recl.
Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não
Abono
Perman.
Não Não Não Não Não Não
Seguro
Desemp.
Não Não Não Não Não Não Não
Benef.
Assist.
Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não
(1) Mesma doença ou mesmo acidente
- Visão geral da parte de benefícios (guarde com carinho!):
Benefício:
1. Quem
tem
direito:
2. Requisitos para concessão:
3. RMB:
PC TC Id. Mín.
Apos. por Idade
(FP optativo)
P/Defic.:
FP favorável
CADES F 180 -
65-H e 60-H Rural
60-M e 55-M Rural
60-H Defic. + TC
55-M Defic. + TC
70% x SB
+ 1%/12CS
Apos. Por TC
(FP obrigatório)
P/Defic.:
FP favorável
CADES(1)
F 180
35-H e 30-H Prof.
30-M e 25-M Prof.
H Defic.:
25, 29 ou 33.
- 100% x SB
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 10 de 11
M Defic.:
20, 24 ou 28.
Apos. Invalidez CADES F
12 - regra
0 - Acident.
- - 100% x SB
Apos. Especial
E, A e
C (Coop)
180
15, 20 ou 25 anos
em ativ. Especial
- 100% x SB
Aux. Doença CADES F
12 - regra
0 - Acident.
- - 91% x SB
Aux. Acidente E, A e S 0 - - 50% x SB
Aux. Reclusão
Depend. dos
CADES F
0 - -
100% x RMB
Apos. Invalid.
Sal.
Maternidade
CADES F
10 (C, S, F)
0 (E, D, A)
- -
Sal. da Segurada
(limite - Teto do
STF)
Sal. Família
E, A e Trab.
Rural Apos.
0 - - Cota/filho
Pensão P/Morte
depend. dos
CADES F
0 - -
100% x RMB
Apos. Invalid.
09. As Reformas Constitucionais da Previdência Social.
- O Salário Família, desde a EC n.º 20/1998, é devido apenas para os dependentes do trabalhador
de baixa renda. Antes da referida Emenda, o benefício era devido para os dependentes do trabalhador
em geral, independentemente do valor da renda auferida pelo mesmo.
- Com o advento da EC n.º 20/1998, a Seguridade Social deixa de apresentar uma gestão tripartite
(trabalhadores, empresários e aposentados) para apresentar uma gestão quadripartite
(trabalhadores, empregadores, aposentados e Governo).
- No RGPS, o Garimpeiro deixou de ser classificado como Segurado Especial para ser classificado
como Contribuinte Individual (EC n.º 20/1998).
- As contribuições dos empregadores, com o advento da EC n.º 47/2005, poderão ter alíquotas (%)
ou bases de cálculo (BC) diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de
mão de obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho (PUMA).
10. A Assistência Social (LOAS).
- Conforme disposições constitucionais, a Assistência Social é um dos ramos da Seguridade Social a
qual é composta de três partes: Previdência Social, Assistência Social e Saúde. Diferentemente da
Previdência Social, que possui caráter contributivo, e da Saúde, que possui abrangência universal, a
Assistência Social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à
seguridade social.
- É garantido o Benefício de Prestação Continuada (BPC) no valor de 1 salário mínimo para as
seguintes classes:
- Ao idoso, com idade superior a 65 anos, cuja família tenha uma renda mensal de no máximo
1/4 de salário mínimo por pessoa, e;
- À pessoa portadora de deficiência, que deverá comprovar que a deficiência obstrui a sua
participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas
e, assim como os idosos, que sua família não perceba renda mensal superior a 1/4 de salário
mínimo por pessoa.
- A legislação prevê esse limite de 1/4 (25%) de salário mínimo por pessoa para mensurar a
miserabilidade do cidadão. Entretanto, a jurisprudência atual do STF diz que tal dispositivo é
Direito Previdenciário p/ INSS-2016
Resumo do Aulão
Prof. Ali Mohamad Jaha
Prof. Ali Mohamad Jaha
www.fb.com/amjahafp
“Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você”
www.estrategiaconcursos.com.br
Página 11 de 11
inconstitucional, ou seja, o cidadão pode receber mais de 25% de salário mínimo e ainda ser
considerado necessitado.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015
Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015
Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015
Estratégia Concursos
 
previdência social
previdência socialprevidência social
Pacotão questões cespe demonstração
Pacotão questões cespe demonstraçãoPacotão questões cespe demonstração
Pacotão questões cespe demonstração
Isabelly Sarmento
 
Direito previdenciário
Direito previdenciárioDireito previdenciário
Direito previdenciário
Katia Rsn
 
Curso de direito previdenciário fábio zambitte ibrahim - 2015
Curso de direito previdenciário   fábio zambitte ibrahim - 2015Curso de direito previdenciário   fábio zambitte ibrahim - 2015
Curso de direito previdenciário fábio zambitte ibrahim - 2015
ben11111
 
Benefícios Previdenciário -
Benefícios Previdenciário - Benefícios Previdenciário -
Benefícios Previdenciário -
Prof. Rogerio Cunha
 
Tipos de aposentadorias
Tipos de aposentadoriasTipos de aposentadorias
Tipos de aposentadorias
Luís Eduardo Borges Milhomem
 
Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016
Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016
Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016
Estratégia Concursos
 
Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)
Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)
Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)
Estratégia Concursos
 
Direito Previdenciário - Seguridade Social
Direito Previdenciário - Seguridade SocialDireito Previdenciário - Seguridade Social
Direito Previdenciário - Seguridade Social
Mentor Concursos
 
Manual da Previdência Social
Manual da Previdência SocialManual da Previdência Social
Manual da Previdência Social
FETAEP
 
Direito previdenciário
Direito previdenciárioDireito previdenciário
Direito previdenciário
elitimothy30
 
Legislação previdenciaria
Legislação previdenciariaLegislação previdenciaria
Legislação previdenciaria
Rosane Domingues
 
Panfleto Previdência Rural e INCRA
Panfleto Previdência Rural e INCRAPanfleto Previdência Rural e INCRA
Panfleto Previdência Rural e INCRA
FETAEP
 
Direito previdenciário 440 exercicios com gabarito
Direito  previdenciário 440 exercicios  com gabaritoDireito  previdenciário 440 exercicios  com gabarito
Direito previdenciário 440 exercicios com gabarito
mirelass1
 
Coletânea Dir. Previdenciário_ Demo
Coletânea Dir. Previdenciário_ DemoColetânea Dir. Previdenciário_ Demo
Coletânea Dir. Previdenciário_ Demo
Isabelly Sarmento
 
Material do professor conhecimentos especificos
Material do professor   conhecimentos especificosMaterial do professor   conhecimentos especificos
Material do professor conhecimentos especificos
arthurcjorge
 
Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015
Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015
Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015
Estratégia Concursos
 

Mais procurados (18)

Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015
Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015
Prova comentada de Seguridade Social do Concurso AGU 2015
 
previdência social
previdência socialprevidência social
previdência social
 
Pacotão questões cespe demonstração
Pacotão questões cespe demonstraçãoPacotão questões cespe demonstração
Pacotão questões cespe demonstração
 
Direito previdenciário
Direito previdenciárioDireito previdenciário
Direito previdenciário
 
Curso de direito previdenciário fábio zambitte ibrahim - 2015
Curso de direito previdenciário   fábio zambitte ibrahim - 2015Curso de direito previdenciário   fábio zambitte ibrahim - 2015
Curso de direito previdenciário fábio zambitte ibrahim - 2015
 
Benefícios Previdenciário -
Benefícios Previdenciário - Benefícios Previdenciário -
Benefícios Previdenciário -
 
Tipos de aposentadorias
Tipos de aposentadoriasTipos de aposentadorias
Tipos de aposentadorias
 
Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016
Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016
Prova Comentada Direito Previdenciário Concurso TCE-PA 2016
 
Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)
Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)
Prova Comentada Direito Previdenciário da CGE-PI (Cespe)
 
Direito Previdenciário - Seguridade Social
Direito Previdenciário - Seguridade SocialDireito Previdenciário - Seguridade Social
Direito Previdenciário - Seguridade Social
 
Manual da Previdência Social
Manual da Previdência SocialManual da Previdência Social
Manual da Previdência Social
 
Direito previdenciário
Direito previdenciárioDireito previdenciário
Direito previdenciário
 
Legislação previdenciaria
Legislação previdenciariaLegislação previdenciaria
Legislação previdenciaria
 
Panfleto Previdência Rural e INCRA
Panfleto Previdência Rural e INCRAPanfleto Previdência Rural e INCRA
Panfleto Previdência Rural e INCRA
 
Direito previdenciário 440 exercicios com gabarito
Direito  previdenciário 440 exercicios  com gabaritoDireito  previdenciário 440 exercicios  com gabarito
Direito previdenciário 440 exercicios com gabarito
 
Coletânea Dir. Previdenciário_ Demo
Coletânea Dir. Previdenciário_ DemoColetânea Dir. Previdenciário_ Demo
Coletânea Dir. Previdenciário_ Demo
 
Material do professor conhecimentos especificos
Material do professor   conhecimentos especificosMaterial do professor   conhecimentos especificos
Material do professor conhecimentos especificos
 
Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015
Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015
Prova comentada de Direito Previdenciário TCE-RN 2015
 

Semelhante a RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRIA E SOFTWARE NO CRUZEIRO DO SUL, CENTRO PAULA SOUZA E JOÃO XXIII VILA PRUDENTE SP.

09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx
09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx
09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx
gustavoengmine
 
A reforma previdenciária
A reforma previdenciáriaA reforma previdenciária
A reforma previdenciária
CIRINEU COSTA
 
Trabalho previdencia social v1
Trabalho   previdencia social v1Trabalho   previdencia social v1
Trabalho previdencia social v1
Ellen Mariano
 
Perguntas e-respostas,reforma da previdencia
Perguntas e-respostas,reforma da previdenciaPerguntas e-respostas,reforma da previdencia
Perguntas e-respostas,reforma da previdencia
hugo leonardo
 
Perguntas e-respostas
Perguntas e-respostasPerguntas e-respostas
Perguntas e-respostas
hugo leonardo
 
Cartilha inss
Cartilha inssCartilha inss
Cartilha inss
Cartilha inssCartilha inss
Aula 13 recursos humano
Aula 13 recursos humanoAula 13 recursos humano
Aula 13 recursos humano
Homero Alves de Lima
 
Guia previdenciario do inss edição 2016
Guia previdenciario do inss   edição 2016Guia previdenciario do inss   edição 2016
Guia previdenciario do inss edição 2016
Monique Quina
 
Cartilha do Instituto de Previdência de Messias
Cartilha do Instituto de Previdência de MessiasCartilha do Instituto de Previdência de Messias
Cartilha do Instituto de Previdência de Messias
MarcelaLeite100
 
Cartilha ei
Cartilha eiCartilha ei
Previdência Social
Previdência SocialPrevidência Social
Previdência Social
George Maia
 
Direitos trabalhistas
Direitos trabalhistasDireitos trabalhistas
Direitos trabalhistas
Denilson Bonfim
 
Aula tf 5 contribuições
Aula tf 5   contribuiçõesAula tf 5   contribuições
Aula tf 5 contribuições
Fernandinhaparisi
 
Casa previdenciario
Casa   previdenciarioCasa   previdenciario
Casa previdenciario
Christiano Morais
 
Panfleto impressao funpresp
Panfleto impressao funprespPanfleto impressao funpresp
Panfleto impressao funpresp
MartinLutherKing2014
 
Simulado 11
Simulado 11Simulado 11
Simulado 11
Isabelly Sarmento
 
Resumão direito previdenciário
Resumão direito previdenciárioResumão direito previdenciário
Resumão direito previdenciário
bugmelater
 
Tributos
TributosTributos
Tributos
Marcos Moraes
 
Donas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e DeveresDonas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e Deveres
Gleisi Hoffmann
 

Semelhante a RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRIA E SOFTWARE NO CRUZEIRO DO SUL, CENTRO PAULA SOUZA E JOÃO XXIII VILA PRUDENTE SP. (20)

09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx
09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx
09092016111737-slide.capacitacao.inss.previdencia.pptx
 
A reforma previdenciária
A reforma previdenciáriaA reforma previdenciária
A reforma previdenciária
 
Trabalho previdencia social v1
Trabalho   previdencia social v1Trabalho   previdencia social v1
Trabalho previdencia social v1
 
Perguntas e-respostas,reforma da previdencia
Perguntas e-respostas,reforma da previdenciaPerguntas e-respostas,reforma da previdencia
Perguntas e-respostas,reforma da previdencia
 
Perguntas e-respostas
Perguntas e-respostasPerguntas e-respostas
Perguntas e-respostas
 
Cartilha inss
Cartilha inssCartilha inss
Cartilha inss
 
Cartilha inss
Cartilha inssCartilha inss
Cartilha inss
 
Aula 13 recursos humano
Aula 13 recursos humanoAula 13 recursos humano
Aula 13 recursos humano
 
Guia previdenciario do inss edição 2016
Guia previdenciario do inss   edição 2016Guia previdenciario do inss   edição 2016
Guia previdenciario do inss edição 2016
 
Cartilha do Instituto de Previdência de Messias
Cartilha do Instituto de Previdência de MessiasCartilha do Instituto de Previdência de Messias
Cartilha do Instituto de Previdência de Messias
 
Cartilha ei
Cartilha eiCartilha ei
Cartilha ei
 
Previdência Social
Previdência SocialPrevidência Social
Previdência Social
 
Direitos trabalhistas
Direitos trabalhistasDireitos trabalhistas
Direitos trabalhistas
 
Aula tf 5 contribuições
Aula tf 5   contribuiçõesAula tf 5   contribuições
Aula tf 5 contribuições
 
Casa previdenciario
Casa   previdenciarioCasa   previdenciario
Casa previdenciario
 
Panfleto impressao funpresp
Panfleto impressao funprespPanfleto impressao funpresp
Panfleto impressao funpresp
 
Simulado 11
Simulado 11Simulado 11
Simulado 11
 
Resumão direito previdenciário
Resumão direito previdenciárioResumão direito previdenciário
Resumão direito previdenciário
 
Tributos
TributosTributos
Tributos
 
Donas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e DeveresDonas de Casa, Direitos e Deveres
Donas de Casa, Direitos e Deveres
 

Mais de Antonio Inácio Ferraz

,Temer
,Temer,Temer
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
Antonio Inácio Ferraz
 
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
Antonio Inácio Ferraz
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
Antonio Inácio Ferraz
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
Antonio Inácio Ferraz
 
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
Antonio Inácio Ferraz
 
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
Antonio Inácio Ferraz
 
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
Antonio Inácio Ferraz
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
Antonio Inácio Ferraz
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
Antonio Inácio Ferraz
 
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
Antonio Inácio Ferraz
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
Antonio Inácio Ferraz
 
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
Antonio Inácio Ferraz
 
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
Antonio Inácio Ferraz
 
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
Antonio Inácio Ferraz
 
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Antonio Inácio Ferraz
 
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
Antonio Inácio Ferraz
 
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
Antonio Inácio Ferraz
 
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
Antonio Inácio Ferraz
 
MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
Antonio Inácio Ferraz
 

Mais de Antonio Inácio Ferraz (20)

,Temer
,Temer,Temer
,Temer
 
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
TERMO DE POSSE-LULA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRI...
 
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
A GRAVADORA CHANTECLER-ANTONIO INACIO FERRAZ,TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁ...
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL, ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCN...
 
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
DIREITO DA CRIANÇA ESPECIAL ARTIGOS 203 E 227 CF-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNI...
 
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
o direito da criança deficiente (especial). -ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO E...
 
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
DEFESA DE JOSÉ EDUARDO CARDOZO NA CAMARA REFERENTE A PRESIDENTE DILMA -ANTONI...
 
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
TELEVISOR COLORADO RQ- MODELO IGUAÇU-ANO 1973- LOJA BRASIMAC EM RANCHARIA NO ...
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
 
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
AMOR PLATÔNICO-ANTONIO INÁCIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRÔNICA, AGROPECUÁRIA E S...
 
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
FONTES DE LUZ ARTIFICIAIS-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROP...
 
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
RESUMO DE DIREITO CONSTITUCIONAL-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA...
 
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
DIREITO CANONICO ROMANO CATÓLICO PARTE I - ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ...
 
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
PROVA COMENTADA XIX EXAME DE ORDEM, 03/04/2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO...
 
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
GENESIS VI-PARTE III-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁR...
 
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
Direito civil pessoas e bens-antonio inacio ferraz-eletronica/agropecuária, c...
 
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
JURIDIQUES-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA, AGROPECUÁRIA E SOFTW...
 
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
COSAN, CORTE, CARREGAMENTO E TRANSPORTE CCT-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM...
 
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
COMEÇOU A SAFRA 16/17 REVISTA CANA ONLINE-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM E...
 
MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
MITO DA CAVERNA-FILOSOFIA JURÍDICA-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONI...
 

Último

12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
JohnnyLima16
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
ProfessoraTatianaT
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
todorokillmepls
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
joseanesouza36
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
SILVIAREGINANAZARECA
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
DECIOMAURINARAMOS
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
Eró Cunha
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
mamaeieby
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
MarcosPaulo777883
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
IACEMCASA
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
HisrelBlog
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
Manuais Formação
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
fran0410
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
ANDRÉA FERREIRA
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
Manuais Formação
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
DouglasMoraes54
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
silvamelosilva300
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
sjcelsorocha
 

Último (20)

12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
12072423052012Critica_Literaria_-_Aula_07.pdf
 
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGTUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
TUTORIAL PARA LANÇAMENTOGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGGG
 
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdfcronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
cronograma-enem-2024-planejativo-estudos.pdf
 
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
Educação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideiaEducação  trabalho HQ em sala de aula uma excelente  ideia
Educação trabalho HQ em sala de aula uma excelente ideia
 
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
1_10_06_2024_Criança e Cultura Escrita, Ana Maria de Oliveira Galvão.pdf
 
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptxRedação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
Redação e Leitura_7º ano_58_Produção de cordel .pptx
 
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...REGULAMENTO  DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
REGULAMENTO DO CONCURSO DESENHOS AFRO/2024 - 14ª edição - CEIRI /UREI (ficha...
 
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptxPP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
PP Slides Lição 11, Betel, Ordenança para exercer a fé, 2Tr24.pptx
 
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantilVogais Ilustrados para alfabetização infantil
Vogais Ilustrados para alfabetização infantil
 
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptxTreinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
Treinamento NR 38 - CORPO PRINCIPAL da NORMA.pptx
 
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptxTudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
Tudo sobre a Inglaterra, curiosidades, moeda.pptx
 
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptxSlides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
Slides Lição 12, Central Gospel, O Milênio, 1Tr24, Pr Henrique.pptx
 
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIASA SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
A SOCIOLOGIA E O TRABALHO: ANÁLISES E VIVÊNCIAS
 
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdfUFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
UFCD_6580_Cuidados na saúde a populações mais vulneráveis_índice.pdf
 
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
Telepsiquismo Utilize seu poder extrassensorial para atrair prosperidade (Jos...
 
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
A festa junina é uma tradicional festividade popular que acontece durante o m...
 
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdfUFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
UFCD_3546_Prevenção e primeiros socorros_geriatria.pdf
 
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
O Profeta Jeremias - A Biografia de Jeremias.pptx4
 
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdfO Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
O Mito da Caverna de Platão_ Uma Jornada em Busca da Verdade.pdf
 
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
Gênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9ºGênero Textual sobre Crônicas,  8º e  9º
Gênero Textual sobre Crônicas, 8º e 9º
 

RESUMO DIREITO PREVIDENCIÁRIO INSS 2016-ANTONIO INACIO FERRAZ, TÉCNICO EM ELETRONICA/AGROPECUÁRIA E SOFTWARE NO CRUZEIRO DO SUL, CENTRO PAULA SOUZA E JOÃO XXIII VILA PRUDENTE SP.

  • 1. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 1 de 11 Resumo – Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Sumário Sumário ............................................................................................................................. 1 01. A Seguridade Social e a Legislação Previdenciária. ............................................................. 1 02. A Previdência Social. ...................................................................................................... 2 03. O Financiamento da Seguridade Social. ............................................................................ 3 04. O Salário de Contribuição. .............................................................................................. 4 05. A Arrecadação e o Recolhimento das Contribuições Sociais. ................................................ 4 06. A Filiação, a Inscrição e o Período de Carência................................................................... 5 07. Os Benefícios Previdenciários. ......................................................................................... 6 08. O Cálculo e a Acumulação dos Benefícios Previdenciários. ................................................... 8 09. As Reformas Constitucionais da Previdência Social. ...........................................................10 10. A Assistência Social (LOAS)............................................................................................10 01. A Seguridade Social e a Legislação Previdenciária. - Até meados do século XIX (1850), a proteção social era ofertada ao cidadão pela sua própria família (sem a participação do Estado). - No final do século XIX (1880 - 1900), o Estado começou a ser mais participativo. Em alguns países (Europa) começaram a nascer as primeiras normas protetivas aos trabalhadores. - A Lei Eloy Chaves (LEC), de 1923, é o marco inicial da Previdência Social no Brasil. Este ato normativo previa que cada empresa de estradas de ferro deveria ter a sua própria Caixa de Aposentadoria e Pensão (CAP). - As CAPs foram estendidas para outras empresas, sendo que em 1930 o governo Getúlio Vargas decide unir as CAPs em Institutos de Aposentadoria e Pensão (IAP), sendo um IAP para cada categoria profissional (e não mais uma CAP para cada empresa). - Em 1960 é publicada a Lei Orgânica da Previdência Social (unificou a legislação dos IAPs). - Em 1966 é criado o Instituto Nacional da Previdência Social (INPS). - Em 1990 nasce o INSS (INSS = INPS + IAPAS - Instituto de Administração Financeira da Previdência e Assistência Social). - Em 2004 a parte de custeio é retirada do INSS e repassada para a Secretaria da Receita Previdenciária (SRP), criada naquele ano. - Em 2007, a SRP é fusionada à Secretaria da Receita Federal (SRF) e nasce a Receita Federal do Brasil (RFB). Atualmente, a RFB é o órgão responsável por toda parte de custeio da previdência Social, enquanto que o INSS é responsável por toda parte de benefícios. - Seguridade Social = Previdência Social + Assistência Social + Saúde (SS = P + A + S). - Princípios Constitucionais da Seguridade Social: - Universalidade da Cobertura e do Atendimento (UCA). - Uniformidade e Equivalência dos Benefícios e Serviços às populações urbanas e rurais (UEBS).
  • 2. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 2 de 11 - Seletividade e Distributividade na prestação dos Benefícios e Serviços (SDBS). - Irredutibilidade do Valor dos Benefícios (IRRVB). - Equidade na Forma de Participação no Custeio (EFPC). - Diversidade da Base de Financiamento (DBF). - Caráter Democrático e Descentralizado da administração, mediante gestão Quadripartite, com participação dos trabalhadores, dos empregadores, dos aposentados e do Governo nos órgãos colegiados (DDQ). - As contribuições sociais podem ser cobradas após 90 dias da data da publicação da lei que as houver instituídas ou modificadas. - A Saúde é direito de todos e dever do Estado (qualquer pessoa pode usar a saúde pública). - A Previdência Social é contributiva, só pode usar quem contribui. - A Assistência Social é devida para quem dela necessitar (caráter assistencial). - Aos benefícios previdenciários é assegurado o reajustamento permanente com intuito de preservar o valor real dessas benesses. - Fontes Principais do Direito Previdenciário: Constituição, Emendas, Leis (Complementares, Ordinárias e Delegadas), Medidas Provisórias, Resoluções do Senado e da Câmara e os Tratados Internacionais recepcionados como Lei Ordinária. - Fontes Secundárias do Direito Previdenciário: Decretos, Portarias, Instruções Normativas, Ordens de Serviço e demais atos infralegais. 02. A Previdência Social. - Previdência Social = Regime Geral (RGPS) + Regimes Próprios (RPPSs). - Segurados Obrigatórios: Contribuintes Individuais, Trabalhadores Avulsos, Empregados Domésticos, Empregados e Segurados Especiais (CADES). Ainda temos os Segurados Facultativos (F).  CADES F - Empregados: - Aquele que presta serviço de natureza urbana ou rural a empresa, em caráter não eventual, sob sua subordinação (jurídica) e mediante remuneração, inclusive como diretor empregado. - O bolsista e o estagiário que prestam serviços à empresa, em desacordo com a Lei n.º 11.788/2008 (Lei do Estágio). - O servidor público não amparado por RPPS (normal em muitos municípios pequenos). - O menor aprendiz, a partir dos 14 anos. - Domésticos: Trabalha de forma contínua, no âmbito residencial do contratante, em atividades sem fins lucrativos. - Contribuintes Individuais: - Quem presta serviço de natureza urbana ou rural, em caráter eventual, a uma ou mais empresas, sem relação de emprego. - A pessoa física que exerce, por conta própria, atividade econômica de natureza urbana, com fins lucrativos ou não. - O condutor autônomo. - O médico residente (médico plantonista  empregado). - Trabalhadores Avulsos: presta serviço a diversas empresas sem vínculo com essas, com intermediação de Órgão Gestor de Mao de Obra (OGMO) ou do Sindicato da categoria.
  • 3. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 3 de 11 - Segurados Especiais: Pessoa física residente em área rural que trabalha de forma individual ou em regime de economia familiar com produção rural ou pesca artesanal. - Segurado Facultativo: Não trabalha mas quer participar do RGPS. A idade mínima de filiação é de 16 anos (em regra) ou de 14 anos (se a questão citar expressamente a Lei n.º 8.212 ou n.º 8.213). - Em regra, o servidor público estatutário não pode participar como Facultativo (F) no RGPS. Entretanto, se estiver afastado do RPPS e sem contribuir com este, pode sim ser F no RGPS. - A legislação garante a manutenção da qualidade de segurado pelos seguintes prazos: - Sem limite de prazo: Em gozo de benefício. - Até 12m: Após cessar benefício por incapacidade. - Até 12m: Após a cessação das contribuições para o RGPS (não exerce mais atividade remunerada). - Se tiver mais de 120 contribuições, recebe mais 12m. - Se o desemprego for involuntário, recebe mais 12m. - PG = Não contribui, mas mantém a qualidade de segurado - Até 12m: Após cessar a segregação compulsória (doença). - Até 12m: Após livramento do detido ou recluso. - Até 3m: Após licenciamento, o segurado incorporado às Forças Armadas. - Até 6m: Após a cessação das contribuições do Segurado Facultativo. - Classes de Dependentes: - 1.ª classe: O cônjuge, a companheira, o companheiro e o filho não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave. - 2.ª classe: Os pais. - 3.ª classe: O irmão não emancipado, de qualquer condição, menor de 21 anos ou inválido ou que tenha deficiência intelectual ou mental ou deficiência grave. 03. O Financiamento da Seguridade Social. - A seguridade social é financiada por toda a sociedade, de forma direta (contribuições sociais) e indireta, mediante recursos provenientes dos orçamentos da União, dos Estados, do Distrito Federal, dos Municípios e de contribuições sociais. - A contribuição do segurado empregado (E), inclusive o doméstico (D), e do trabalhador avulso (A) é calculada mediante a aplicação da correspondente alíquota, de forma não cumulativa, sobre o seu salário de contribuição mensal, de acordo com a seguinte tabela (não precisa decorar!): Salário de contribuição CS (%) Até R$ 1.556,94 8,0 De R$ 1.556,95 até R$ 2.594,92 9,0 De R$ 2.594,93 até R$ 5.189,82 11,0 - Contribuinte Individual (em regra) e Facultativo contribuem com 20%. - Contribuinte Individual que prestar serviço para empresa contribui com 11%. Se prestar serviço para Entidade Beneficente de Assistência Social (EBAS) contribui com 20%. - Produtor Rural Pessoa Física (PRPF) contribui com 2,0% + 0,1% (GILRAT). - As empresas contribuem com 20% sobre a folha de salários (Empregados) e sobre as prestações realizadas por Contribuintes Individuais e Avulsos.
  • 4. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 4 de 11 - A contribuição do Empregador Doméstico é de 8,0% + 0,8% (SAT = GILRAT). 04. O Salário de Contribuição. - Salário de contribuição (SC) é a base de cálculo tributável das contribuições sociais devidas pelo segurado à Seguridade Social. - Para boa parte dos segurados obrigatórios (CADE), em regra, o SC é o valor auferido mensalmente. O Segurado Especial não tem SC, pois ele contribui sobre a receita de comercialização da sua produção. O Segurado Facultativo contribui sobre o valor por ele escolhido. - O SC respeita o limite mínimo (um salário mínimo) e o limite máximo (teto do RGPS). - Existem parcelas integrantes (onde incide a contribuição) e parcelas não integrantes (onde não incide a contribuição) do SC. - Parcelas integrantes: - O Salário Maternidade (único benefício que é SC). - Terço Constitucional de Férias, segundo a legislação. A jurisprudência afirma que não é SC. - As diárias que excedem 50% a remuneração mensal do trabalhador. Parcelas não integrantes: - Férias indenizadas. - Valor recebido de Plano de Demissão Voluntária (PDV). - Vale Transporte pago em passe. Se for pago em dinheiro, é SC para a legislação. Entretanto, a jurisprudência entende que mesmo quando pago em dinheiro não é considerado SC. - A participação do empregado nos lucros ou resultados da empresa, quando paga ou creditada de acordo com lei específica (paga em no máximo 2 vezes no mesmo ano, sendo que entre um pagamento e outro deve ter um intervalo mínimo de 1 trimestre). 05. A Arrecadação e o Recolhimento das Contribuições Sociais. - A empresa é obrigada a recolher a sua cota patronal, bem como reter e recolher (substituição tributária) as contribuições devidas pelos empregados, avulsos e contribuintes individuais ao seu serviço. A substituição tributária deve ser repassada aos cofres públicos até o dia 20 do mês seguinte com pagamento antecipado. - A empresa, caso se encaixe nos parâmetros legais, pode deixar de recolher a cota patronal sobre a folha de salários (empregados) para recolher um % sobre a receita bruta auferida mensalmente (desoneração da folha de pagamentos). - O empregador doméstico recolhe a sua cota patronal, bem como retém e recolhe a contribuição do seu funcionário até o dia 7 do mês seguinte, com pagamento antecipado. Atualmente, essa logística toda é realizada de maneira eletrônica (e-Social). - Resumo dos prazos de recolhimento:
  • 5. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 5 de 11 06. A Filiação, a Inscrição e o Período de Carência. - A inscrição é o ato administrativo de registrar o segurado no RGPS, e não deve ser confundida com a filiação, que é o momento em que o segurado passa a integrar, na condição de beneficiário, o sistema previdenciário pátrio. A filiação cria direitos (aos benefícios previdenciários) e obrigações (pagamento das contribuições previdenciárias) ao segurado. - A filiação decorre automaticamente do exercício de atividade remunerada para os segurados obrigatórios (CADES). Já para os segurados facultativos, a filiação é ato volitivo (que exige vontade). - A inscrição dos dependentes deverá ser realizada somente no momento do requerimento do benefício a que tiverem direito. Não existe a possibilidade de se realizar a inscrição dos dependentes em outras situações senão essa. - É importante ter em mente que o Período de Carência (PC) não se confunde com o Tempo de Contribuição (TC). São dois institutos previdenciários distintos. Por exemplo, o segurado do sexo masculino pode contar com o TC necessário para se aposentar por tempo de contribuição, que são 35 anos (para os homens), mas não contar com o PC necessário, que são 180 contribuições mensais. - PC são todos os recolhimentos realizados sem atraso. Quando é pago sem atraso, a contribuição conta para PC e para TC. Quando é paga em atraso, conta somente para TC. - Cada benefício tem o seu PC. Observe: Prazo: Forma: DS do Empregado. DS do Trabalhador Avulso. DS do Contribuinte Individual. Cota Patronal de 20%, em regra. Contribuição de 15% - Coop. Trab. Retenção de 11%. Sobre a Aquisição de Produção de PRPF. DS do Empregado. DS do Trabalhador Avulso. DS do Contribuinte Individual: - por conta própria. - trabalha para outro CI. - trabalha para PRPF ou Missão Diplomática. Cota Patronal de 8,0% + 0,8% (SAT). DS do Empregado Doméstico. 11% - serviços prestados as empresas. 20% - serviços prestados à PF. Gratificação Natalina (13.º Salário) dia 20 de Dezembro Empregador Doméstico Cooperativa de Trabalho Casos Especiais dia 20 mês seguinte Postecipado Antecipado Antecipado Antecipado Rescisão de Contrato dia 15 mês seguinte dia 7 mês seguinte dia 20 mês seguinte Contribuinte Individual Responsável: Contribuição Social: Recolhimento: Empresa Antecipado EBAS Antecipado dia 20 mês seguinte dia 20 mês seguinte
  • 6. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 6 de 11 Benefício PC Aposentadoria por Idade 180 Aposentadoria por Tempo de Contribuição 180 Aposentadoria Especial 180 Aposentadoria por Invalidez 12 Auxílio Doença 12 Salário Maternidade 10 (Cont. Indiv., Seg. Especial, Facultativa) Aposentadoria por Invalidez Acidentária 0 Pensão por Morte 0 Auxílio Reclusão 0 Auxílio Doença Acidentário 0 Auxílio Acidente 0 Salário Maternidade 0 (Empregada, Doméstica, Avulsa) Salário Família 0 Reabilitação Profissional 0 07. Os Benefícios Previdenciários. - Esses são os benefícios previdenciários previstos na legislação: Aposentadoria Especial. 4 Aposentadoria por Idade. Aposentadoria por Invalidez. Aposentadoria por Tempo de Contribuição. Auxílio Acidente. 3Auxílio Doença. Auxílio Reclusão. Salário Família. 2 Salário Maternidade. Pensão por Morte. 1 - A Aposentadoria por Invalidez apresenta uma peculiaridade em relação às outras modalidades de aposentadoria: caso o segurado necessitar de assistência permanente de outra pessoa será acrescido de 25% o valor de seu benefício. Essa aposentadoria com acréscimo de 25% poderá ultrapassar o limite máximo de valor do benefício (teto do RGPS). - Aposentadoria por Idade: Idade: Homem 65 anos Mulher 60 anos Homem Rural 60 anos Mulher Rural 55 anos
  • 7. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 7 de 11 Homem Deficiente 60 anos + TC Mulher Deficiente 55 anos + TC - Aposentadoria por idade compulsória: 70 anos (homem) e 65 anos (mulher). - Aposentadoria por Tempo de Contribuição: TC Homem 35 anos Mulher 30 anos Professor 30 anos Professora 25 anos Grau da Deficiência: Grave: Moderada: Leve: Homem Deficiente 25 anos 29 anos 33 anos Mulher Deficiente 20 anos 24 anos 28 anos - Aposentadoria especial é aquela devida ao trabalhador avulso, ao empregado e ao cooperado filiado (contribuinte individual) que tenha trabalhado durante 15, 20 ou 25 anos, conforme o caso, sujeito a condições especiais que prejudiquem a saúde ou a integridade física. - O Auxílio Doença será devido ao segurado que, após cumprida, quando for o caso, a carência de 12 contribuições mensais, ficar incapacitado para o seu trabalho ou para a sua atividade habitual por mais de 15 dias consecutivos. - O Salário Família será devido, mensalmente, ao segurado empregado, inclusive o doméstico, e ao trabalhador avulso que tenham SC inferior ou igual a R$ 1.212,64 (não precisa decorar esse valor!), na proporção do respectivo número de filhos ou equiparados, na forma de cota. - O Salário Maternidade é devido à segurada da Previdência Social, durante 120 dias, com início 28 dias antes e término 91 dias depois do parto. Em casos excepcionais, os períodos de repouso anterior e posterior ao parto podem ser prorrogados de mais 2 semanas, mediante atestado médico específico. É o único benefício que é SC. - O tempo de gozo do Salário Maternidade no caso de adoção ou obtenção da guarda judicial será de 120 dias, independentemente da idade da criança. - O Auxílio Acidente será concedido, como indenização, ao segurado empregado, inclusive o doméstico, ao trabalhador avulso e ao segurado especial quando, após a consolidação das lesões decorrentes de acidente de qualquer natureza, resultar sequela definitiva - A Pensão por Morte será devida ao conjunto dos dependentes do segurado, aposentado ou não, que falecer. - O Auxílio Reclusão será devido nas mesmas condições da Pensão por Morte, aos dependentes do segurado, obrigatório ou facultativo, que nesse caso, recolhido à prisão, não receba remuneração da empresa nem estiver em gozo de Auxílio Doença ou de Aposentadoria (de qualquer espécie), desde que o seu último SC seja igual ou inferior a R$ 1.212,64 (não precisa decorar esse valor!). - Benefícios x Beneficiários (guarde com carinho!):
  • 8. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 8 de 11 Benefício: Quem tem direito: Apos. Idade CADES F Apos. TC CADES F Apos. Invalidez CADES F Apos. Especial E, A e C (Cooperado) Aux. Doença CADES F Aux. Acidente E, D, A e S Aux. Reclusão Dependentes do CADES F Sal. Maternidade CADES F Sal. Família E, A, D e Trabalhador Rural Aposentado Pensão por Morte Dependentes do CADES F 08. O Cálculo e a Acumulação dos Benefícios Previdenciários. - O Salário de Benefício (SB) é o valor básico utilizado para cálculo da Renda Mensal dos Benefícios (RMB) de prestação continuada, exceto o Salário Família, a Pensão por Morte, o Salário Maternidade e os demais benefícios de legislação especial. Do dispositivo legal podemos extrair que, em regra, a renda dos benefícios previdenciários é calculada com base no SB. - O cálculo do SB consiste na seguinte sequência: - Levantar todos os Salários de Contribuição (SC) do trabalhador, atualizando-os até a data do requerimento do benefício (Período Básico de Cálculo); - Com todos os SC atualizados, descartar os 20% menores, ou seja, trabalhar apenas com os 80% maiores SC, e; - Realizar a média aritmética desses 80% maiores SC do trabalhador. Pronto, o SB está calculado;  No caso da Aposentadoria por Idade e de Aposentadoria por Tempo de Contribuição, o SB supra encontrado será multiplicado pelo Fator Previdenciário (FP), sendo que a aplicação do referido fator será facultativa para o benefício por idade e obrigatória (em regra) para o benefício por tempo de contribuição, podendo sua aplicação ser afastada, caso o segurado preencha os requisitos previstos na Regra 85/95  90/100. - A Renda Mensal do Benefício (RMB) de prestação continuada que substituir o Salário de Contribuição (SC) ou o rendimento do trabalho do segurado não terá valor inferior ao do salário mínimo e nem será superior ao limite máximo do SC (teto do RGPS). Esse teto beneficiário excetua-se em caso de Aposentadoria por Invalidez quando o segurado necessita de assistência permanente de outra pessoa. Nesse único caso, o aposentado poderá contar com um acréscimo de 25% sobre seu rendimento, ultrapassando, dessa maneira, o Teto do RGPS. - RMB dos benefícios previdenciários: Benefícios calculados diretamente sobre o SB do segurado: Benefício: RMB: Aposentadoria por Tempo de Contribuição: 100% x SB Aposentadoria por Idade: (70% x SB) + 1% x SB (12 Contr.) Aposentadoria por Invalidez: 100% x SB Aposentadoria Especial: 100% x SB Auxílio Doença: 91% x SB
  • 9. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 9 de 11 Auxílio Acidente: 50% x SB Benefícios sem correlação DIRETA com o SB do segurado: Benefício: RMB: Auxílio Reclusão: 100% x RMB Aposent. Inval. Salário Maternidade Salário da segurada Salário Família: Cota/filho Pensão por Morte: 100% x RMB Aposent. Inval. - Tabela de acumulação de benefícios previdenciários: Apos. Inv. Apos. Id. Apos. Tc. Apos. Esp. Aux. Doe. Sal. Fam. Sal. Mat. Aux. Acid. Pensão Morte Aux. Recl. Abono Perman. Seguro Desemp. Benef. Assist. Apos. Inv. Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Apos. Id. Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Apos. Tc. Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Apos. Esp. Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Aux. Doe. Não Não Não Não Não Não Não (1) Não Não Não Sal. Fam. Não Não Sal. Mat. Não Não Não Não Não Aux. Acid. Não Não Não Não Não (1) Não Não Pensão Morte Não Não Não Aux. Recl. Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Abono Perman. Não Não Não Não Não Não Seguro Desemp. Não Não Não Não Não Não Não Benef. Assist. Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não Não (1) Mesma doença ou mesmo acidente - Visão geral da parte de benefícios (guarde com carinho!): Benefício: 1. Quem tem direito: 2. Requisitos para concessão: 3. RMB: PC TC Id. Mín. Apos. por Idade (FP optativo) P/Defic.: FP favorável CADES F 180 - 65-H e 60-H Rural 60-M e 55-M Rural 60-H Defic. + TC 55-M Defic. + TC 70% x SB + 1%/12CS Apos. Por TC (FP obrigatório) P/Defic.: FP favorável CADES(1) F 180 35-H e 30-H Prof. 30-M e 25-M Prof. H Defic.: 25, 29 ou 33. - 100% x SB
  • 10. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 10 de 11 M Defic.: 20, 24 ou 28. Apos. Invalidez CADES F 12 - regra 0 - Acident. - - 100% x SB Apos. Especial E, A e C (Coop) 180 15, 20 ou 25 anos em ativ. Especial - 100% x SB Aux. Doença CADES F 12 - regra 0 - Acident. - - 91% x SB Aux. Acidente E, A e S 0 - - 50% x SB Aux. Reclusão Depend. dos CADES F 0 - - 100% x RMB Apos. Invalid. Sal. Maternidade CADES F 10 (C, S, F) 0 (E, D, A) - - Sal. da Segurada (limite - Teto do STF) Sal. Família E, A e Trab. Rural Apos. 0 - - Cota/filho Pensão P/Morte depend. dos CADES F 0 - - 100% x RMB Apos. Invalid. 09. As Reformas Constitucionais da Previdência Social. - O Salário Família, desde a EC n.º 20/1998, é devido apenas para os dependentes do trabalhador de baixa renda. Antes da referida Emenda, o benefício era devido para os dependentes do trabalhador em geral, independentemente do valor da renda auferida pelo mesmo. - Com o advento da EC n.º 20/1998, a Seguridade Social deixa de apresentar uma gestão tripartite (trabalhadores, empresários e aposentados) para apresentar uma gestão quadripartite (trabalhadores, empregadores, aposentados e Governo). - No RGPS, o Garimpeiro deixou de ser classificado como Segurado Especial para ser classificado como Contribuinte Individual (EC n.º 20/1998). - As contribuições dos empregadores, com o advento da EC n.º 47/2005, poderão ter alíquotas (%) ou bases de cálculo (BC) diferenciadas, em razão da atividade econômica, da utilização intensiva de mão de obra, do porte da empresa ou da condição estrutural do mercado de trabalho (PUMA). 10. A Assistência Social (LOAS). - Conforme disposições constitucionais, a Assistência Social é um dos ramos da Seguridade Social a qual é composta de três partes: Previdência Social, Assistência Social e Saúde. Diferentemente da Previdência Social, que possui caráter contributivo, e da Saúde, que possui abrangência universal, a Assistência Social será prestada a quem dela necessitar, independentemente de contribuição à seguridade social. - É garantido o Benefício de Prestação Continuada (BPC) no valor de 1 salário mínimo para as seguintes classes: - Ao idoso, com idade superior a 65 anos, cuja família tenha uma renda mensal de no máximo 1/4 de salário mínimo por pessoa, e; - À pessoa portadora de deficiência, que deverá comprovar que a deficiência obstrui a sua participação plena e efetiva na sociedade em igualdade de condições com as demais pessoas e, assim como os idosos, que sua família não perceba renda mensal superior a 1/4 de salário mínimo por pessoa. - A legislação prevê esse limite de 1/4 (25%) de salário mínimo por pessoa para mensurar a miserabilidade do cidadão. Entretanto, a jurisprudência atual do STF diz que tal dispositivo é
  • 11. Direito Previdenciário p/ INSS-2016 Resumo do Aulão Prof. Ali Mohamad Jaha Prof. Ali Mohamad Jaha www.fb.com/amjahafp “Quanto mais cedo você se comprometer com a vida, mais cedo ela sorrirá para você” www.estrategiaconcursos.com.br Página 11 de 11 inconstitucional, ou seja, o cidadão pode receber mais de 25% de salário mínimo e ainda ser considerado necessitado.