SlideShare uma empresa Scribd logo
HORTALIÇAS: Alimento Seguro e
Saudável
RESÍDUOS DE AGROTOXICOS EM
HORTALIÇAS
Eng. Agrônomo Sr. Ossir Gorenstein
Centro de Qualidade Hortigranjeira
SECQH-CEAGESP
Registro – 11 março 2011
SEGURANÇA DO ALIMENTO
• PERIGOS:
• FISICOS: Sujidades, insetos, pedriscos,
materiais diversos.
• QUÍMICOS: Metais pesados,
pesticidas, produtos tóxicos.
• BIOLÓGICOS: Parasitos, Toxinas,
Microrganismos patogênicos
• APPCC-HAZAP
CONTAMINAÇÃO MICROBIANA
• FITOPATOGENICOS: DETERIORANTES
• Podridões, Manchas foliares, Sistema
Vascular
• PATOGÊNICOS AO HOMEM: Doenças,
Intoxicações Alimentares, Parasitoses
Microorganismos Patogênicos
• BACTÉRIAS:
-- Salmonella: disturbios gastrointestinais,
vomito, septicemia
-- Listeria: meningite, septicemia, aborto
-- E. coli: colite hemorrágica, disfunções renais
-- Vibrio Colerae: colera, diarreia, desidratação e
morte; toxicogenica
-- Shigella: toxicogenica, desinteria, vomitos
Microorganimos Patogênicos
• PROTOZOARIOS
Crytosporidium: gastroenterite, diarreia
Giardia: infecções intestinais, diarreias
- HELMINTOS: : verminoses intestinais
Microrganismos Fitopagênicos
• FUNGOS: Botrytis, Monilinea, Rhizopus,
Colletotrichum, Alternaria, Penicillium,
Aspergillus, Fusarium, Phitophtora,
Rhizoctonia, Pythium, Septoria,
• BACTÉRIAS: Erwinia, Pseudomonas,
Xanthomonas.
• VIRUS: Mosaicos
PERIGOS QUÍMICOS
• AGROTOXICOS, DEFENSIVOS,
PESTICIDAS, AGROQUÍMICOS,
PRODUTOS FITOFARMACEUTICOS.
• METAIS PESADOS: Cu, Hg, Pb, Li, Cd
• MICOTOXINAS: Aflatoxina, Ocratoxina
PARACELSUS (1493 – 1541)
A BASE DA TOXICOLOGIA MODERNA
A dose é que faz o veneno
Horticultura Comercial – uso de pesticidas:
produtividade e qualidade
Segurança do Alimento = Inocuidade
Alimento seguro: ausência ou conformidade com
tolerância.
ALIMENTOS SEGUROS
AGROTÓXICOS – ÁREAS DE ATUAÇÃO
AGRICULTURA – MAPA
Eficácia e praticabilidade agronômica
SAÚDE – ANVISA
Classificação Toxicológica e Avaliação
Toxicológica: estudos toxicidade aguda, sub-
aguda, sub-crônica, crônica: mutagênicos,
teratogênicos, carcinogênicos e reprodutivos.
MEIO-AMBIENTE – IBAMA
Características Físico-químicas, Toxicidade
organismos não-alvo, Comportamento no solo,
Toxicidade Animais Superiores
Estabelecimento dos Limites Máximos
de Resíduos (LMRs)
Objetivos:
• Estabelecer limites legais visando a proteção da saúde
humana.
• Parâmetros nacionais e internacionais para
comercialização de produtos agrícolas
Realização:
• Estudos de Resíduos
Limites Máximos de Resíduos
(LMR’s)
• Quantidade máxima de agrotóxico legalmente
aceita no alimento,em decorrência da aplicação
adequada numa fase específica, desde sua
produção até o consumo.
• Expresso em miligramas de resíduos por
quilograma de alimento (mg/kg) ou ppm.
Monitoramento possibilita
• Verificar correta utilização dos agrotóxicos;
• Avaliar a exposição do consumidor e
trabalhador;
• Identificar as culturas mais afetadas;
• Mapear as áreas de produção de alimentos
mais problemáticas.
• Orientar políticas públicas para correção
das distorções e irregularidades
ABRANGENCIA DO ENTREPOSTO TERMINAL DE SÃO PAULO
• 1.480 MUNICIPIOS
• 24 ESTADOS
• 14 PAISES
• 25.000 PRODUTORES/ANO
• 3.200.000 TONELADAS/ANO
• 12.000 TONELADAS/DIA
• 12,5 % Produção Nacional de Frutas e Hortaliças
• 25% do Volume comercializado pelas CEASAs
MONITORAMENTO DE RESÍDUOS EM FRUTAS E
HORTALIÇAS FRESCAS
Início 1978 – Convênio CEAGESP-IB-CATI
Exploratório: sem finalidade fiscal – orientação ao atacadista/produtor
2003 – Centro de Qualidade Hortigranjeira
Rastreabilidade – Nota Fiscal de Produtor e Rotulagem
SIRAH – Sistema de Informações de Resíduos de Agrotóxicos em
Horticultura
2006/2007 – LARP/ESALQ/USP – 240 amostras
2008 – MAPA/PNCRC – 164 amostras – Mamão e Maçã
2009/2010 - MAPA/PNCRC – 450 amostras - Frutas e Hortaliças
Agrotoxicos em Hortaliças.ppt
Produtos Numero Amostras SD Amostras CD Detec/
coletados amostras Numero % Numero % < LMR % >LMR % SR % TOTAL Amostra
Abacaxi 30 21 70 9 30 3 30 5 50 2 20 10 0,3
Alface 30 14 47 16 53 14 54 4 15 8 31 26 0,9
Banana 30 16 53 14 47 26 100 26 0,9
Batata 30 18 60 12 40 12 100 12 0,4
Limão 30 9 30 21 70 33 92 3 8 36 1,2
Maçã 90 9 10 81 90 183 97 3 2 3 2 189 2,1
Mamão 90 10 11 80 89 159 91 10 6 5 3 174 1,9
Manga 15 11 73 4 27 3 75 1 25 4 0,3
Melão 30 24 80 6 20 3 50 3 50 6 0,2
Morango 30 9 30 21 70 25 71 10 29 35 1,2
Tomate 30 5 17 25 83 63 98 1 2 64 2,1
Uva 15 9 60 6 40 6 100 0 6 0,4
TOTAL 450 155 34 295 66 530 90 22 4 36 6 588 1,3
Notas explicativas:
SD: Sem detecção de residuos; CD: Com detecção de residuos;
<LMR=abaixo do Limite Maximo de Residuos;
>LMR=acima do Limite Maximo de Residuos;
SR=Sem registro para a cultura.
FONTE: SIRAH - Sistema de Informações de Resíduos de Agrotóxicos em Horticultura.
Seção do Centro de Qualidade Hortigranjeira - SECQH/CEAGESP
Eng. Agro. Ossir Gorenstein - 22/09/2010.
Numero de detecções de residuos
CEAGESP-SECQH/MAPA-SDA-PNCRC
TABELA 1. RESULTADOS GERAIS DAS ANALISES DE AGROTOXICOS - 2009/2010
Resíduos de Agrotóxicos em Hortaliças. CEAGESP/SIRAH – 1994 a 2007
Culturas Nº amostr Nº detecç. I.Ativo Resultado
Abobrinha 8 ND
Berinjela 31 4 clorotalonil Abaixo LMR
2 metamidofos NA
1 acefato NA
1 captana NA
Beterraba 38 4 tiofanato-metilico NA
4 clorotalonil NA
2 endossulfam NA
1 captana NA
Chuchu 10 ND
Jiló 18 3 carbendazim NA
2 ditiocarbamato NA
1 endossulfam NA
Pepino 29 1 procimidona NA
1 clorpirifos NA
Acelga 3 1 ditiocarbamato NA
Agrião 1 ND
Alho-poró 1 ND
Cebolinha 1 ND
Chicoria 6 1 clorotalonil NA
Coentro 7 2 clorotalonil NA
2 ditiocarbamato NA
1 tiabendazol NA
Couve 5 1 ditiocarbamato Abaixo LMR
Repolho 43 6 ditiocarbamato Abaixo LMR
5 clorotalonil NA, Acima
3 captana NA
2 metamidofos NA
2 vinclozolina NA
1 acefato NA
Resíduos de Agrotóxicos em Alface.
CEAGESP/SIRAH 2003-2011
Nº de amostras Nº detec. < LMR > LMR SR
120 87 24 5 58
100% 27,6 5,7 66,7
Ingrediente ativo Nº detecções
acefato 5
carbaril 1
carbendazim 2
clorotalonil 9
clorpirifós 2
ditiocarbamato 8
endossulfam 1
esfenvalerato 1
espinosade 1
fentoato 2
imazalil 1
metalaxil-M 2
metamidofós 9
metomil 1
ometoato 1
piraclostrobina 1
tebuconazol 1
tiabendazol 2
vinclozolina 8
58
Resíduos de Agrotóxicos em Hortaliças
ANVISA/PARA – 2009
Culturas Nº amostras
analisadas total % NA % Ac LMR % NA + AcLMR %
20 culturas 3130 907 29 744 23,8 88 2,8 75 2,4
ALFACE 138 53 38,4 52 37,7 0 0 1 0,7
COUVE 129 57 44,2 42 32,6 8 6,2 7 5,4
REPOLHO 166 34 20,5 34 20,5 0 0 0 0
BETERRABA 172 55 32,0 55 0 0 0 0 0
PEPINO 146 80 54,9 75 51,4 3 2,1 2 1,4
PIMENTÃO 165 132 80,0 107 64,8 5 3,0 20 12,1
NOTAS: ANVISA/PARA=Programa de Analise de Residuos de Agrotoxicos da ANVISA
NA = não autorizado para a cultura
Ac LMR = acima do limite maximo de residuo
Numero de amostras Irregulares
PRODUTOS COM SUPORTE
FITOSSANITÁRIO INSUFICIENTE
- Inexistência de IA sintéticos registrados:
8 FRUTAS: amora, atemóia, carambola, cereja,
gravíola, jabuticaba, kiwi.
16 HORTALIÇAS: acelga, agrião, aipo, cebolinha,
coentro, escarola, rúcula, salsa, batata-doce, cara,
gengibre, inhame, mandioquinha, maxixe, nabo,
rabanete.
- Apenas 1 (um) IA registrado - 6: almeirão,
espinafre, jiló, nêspera, pinha, pimenta.
- Apenas 2 (dois) IA registrados: caju e caqui.
PRODUTOS COM SUPORTE
FITOSSANITÁRIO INSUFICIENTE
Consultas Públicas: 20/2006, 55/2006 e 94/2008
INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1, DE 23
DE FEVEREIRO DE 2010 – “MINOR CROPS”
LMRs por grupos e sub-grupos de culturas
Extrapolação por 2 anos
Culturas representativas de grupos e sub-grupos:
1-Frutas com casca não comestível; 2- Frutas com
casca comestível; 3- Raízes, tubérculos e bulbos;
4- Hortaliças folhosas; 5-Hortaliças não folhosas.
Estudos de eficiência agronômica e de resíduos.
Resíduos de Agrotóxicos Não-autorizados com Maiores Ocorrencias em
Hortaliças Selecionadas – ANVISA/PARA – 2009
Ingrediente Ativo Grupo Quimico Alface Couve Repolho BeterrabaPepino Pimentão
Ditiocarbamato (cs2) Ditiocarbamato (cs2) 27 0 0 0 0 0
Carbendazim Benzimidazol 15 5 2 20 0 4
Deltametrina Piretroide 13 0 0 2 0 0
Metamidofos Organofosforado 12 9 0 1 3 22
Clorotalonil Isoftalonitrila 7 0 0 0 0 0
Lambda-cialotrina Piretroide 6 0 0 6 0 27
Azoxistrobina Estrobirulina 0 8 1 0 0 0
Indoxacarbe Oxadiazina 0 7 0 0 0 0
Piriproxifem eter piridoxipropilico 0 6 0 0 0 0
Procimidona Dicarboximida 0 2 24 3 0 17
Tebuconazol Triazol 2 5 5 2 0 1
Clorpirifos Organofosforado 0 3 0 9 11 23
Permetrina Piretroide 0 0 0 9 4 22
Piraclostrobina Estrobirulina 0 2 0 9 0 0
Endossulfam Clorociclodieno 2 1 0 7 50 22
Metalaxil Acilalaninato 0 1 0 0 12 0
Clorfenapir Analogo de pirazol 1 0 0 2 9 0
Metomil Metilcarbamato de oxima 3 0 0 0 5 20
O ESTIGMA DO AGROTOXICO
NR 31 – Norma Regulamentadora de
Segurança e Saúde do Trabalho na Agricultura
- Capacitação – Proteção Individual e
Equipamentos de Aplicação
NRR 5– Produtos Químicos – Agrotóxicos
- Aplicador certificado – profissional
habilitado
Agentes de Controle Biológico
– Bacillus Thuringiensis
-- Trichogramma
-- Trichoderma
-- Metarhizium
-- Cotesia Flavipes
Segurança do Alimento = Inocuidade
BPA= Boas Praticas Agrícolas
Técnicas e Procedimentos:
Evitar,
Reduzir,
Eliminar
Contaminações a níveis aceitáveis em
conformidade com normas de CERTIFICAÇÃO
SUSTENTABILIDADE
ALIMENTOS SEGUROS
BPA – PRINCIPAIS PONTOS
• Ambiente produção
• Qualidade sementes
• Qualidade da água
• Adubação Inorgânica
• Adubação Orgânica
• Manejo do solo
• Agrotóxicos
• Manejo Integrado
• Cultivo e colheita
• Limpeza , Sanificação
• Trattos pós-colheita
• Resfriamento rápido
• Armazenamento
• Transporte
• Saúde e higiene
• Rastreabilidade
INCA – Instituto Nacional de Cancer
• FATORES DE RISCO: Ambientais (80%)
• Hábitos Alimentares: gorduras, nitratos/nitritos –
nitrosaminas, sal, aflatoxinas.
• Fatores Ocupacionais: agrotóxicos
• FATORES DE PROTEÇÃO: fibras, frutas,
legumes e verduras
CONCENTRAÇÕES DE DETECÇÃO DE RESIDUOS
MEDIDAS DE POSIÇÃO (ppm) - 3950 AMOSTRAS
Ocorrencias < LMR > LMR SR
Total 2259 1515 90 654
Media 0,44 0,30 1,93 0,57
Mediana 0,09 0,08 0,80 0,09
Moda 0,01 0,01 0,30 0,01
Minimo 0,01 0,01 0,02 0,01
Maximo 16,00 16,00 14,69 11,53
DesPad 1,22 0,88 2,83 1,39
MORANGO - 515 AMOSTRAS
Total 399 220 7 172
Media 0,84 0,90 2,82 0,68
Mediana 0,28 0,37 0,18 0,18
Moda 0,01 0,01 0,01 0,01
Minimo 0,01 0,01 8,69 0,01
Maximo 14,64 14,64 ND 10,80
DesvPad 1,61 1,73 2,76 1,32
Fonte: Sistema de Residuos de Agrotoxicos em Horticultura
SIRAH - Periodo dos dados: janeiro 1994 a agosto 2010.
CQH/CEAGESP - Eng. Agro. Ossir Gorenstein
Ajuste da Distribuição Exponencial Negativa
Agrotoxicos em Hortaliças.ppt
Agrotoxicos em Hortaliças.ppt
Agrotoxicos em Hortaliças.ppt
Agrotoxicos em Hortaliças.ppt
OBRIGADO!!!
Eng. Agrº Sr. Ossir Gorenstein
SECQH/CEAGESP
Av. Gastão Vidigal 1946
05316-900-São Paulo-SP
Fone: 011 3643 3825
ogorenst@ceagesp.gov.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Agrotoxicos em Hortaliças.ppt

Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Oxya Agro e Biociências
 
Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...
Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...
Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...
PIFOZ
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Oxya Agro e Biociências
 
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
RaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadilRaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
Vinicius Ramos
 
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
Oxya Agro e Biociências
 
Brasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçao
Brasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçaoBrasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçao
Brasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçao
Projeto Golfinho Rotador
 
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de AnálisesApresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
adribender
 
Manual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdf
Manual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdfManual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdf
Manual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdf
DedeFerreira1
 
Rosilene moura
Rosilene mouraRosilene moura
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
PIFOZ
 
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
Oxya Agro e Biociências
 
Apresentação cultivo orgânico de hortaliças
Apresentação   cultivo orgânico de hortaliçasApresentação   cultivo orgânico de hortaliças
Apresentação cultivo orgânico de hortaliças
Edilson Emater-MG
 
Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1
Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1
Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1
João Siqueira da Mata
 
Agrotóxicos e saúde
Agrotóxicos e saúdeAgrotóxicos e saúde
Agrotóxicos e saúde
João Siqueira da Mata
 
Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...
Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...
Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...
Ministério Público de Santa Catarina
 
Adriano riesemberg
Adriano riesembergAdriano riesemberg
Adriano riesemberg
Boas Práticas Agrícolas
 
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
Oxya Agro e Biociências
 
Palestra angela embrapa analise risco
Palestra angela embrapa analise riscoPalestra angela embrapa analise risco
Palestra angela embrapa analise risco
Agropec Consultoria
 
Agrotoxicos
AgrotoxicosAgrotoxicos
Agrotoxicos
João Junior
 

Semelhante a Agrotoxicos em Hortaliças.ppt (20)

Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
Enfisa 2015 - Assistência Técnica e Extensão Rural - impacto sobre o uso adeq...
 
Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...
Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...
Tatiane Nascimento - “Monitoramento, controle de agrotóxicos e segurança do a...
 
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na AnvisaSituação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
Situação atual dos processos de reavaliação de agrotóxicos na Anvisa
 
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
RaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadilRaivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
Raivaemherbivorossituacaonoestadodesaopaulofadil
 
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
IV WSF, Vilhena -Valmr Duarte - Diagnóstico Fitossanitário no Contexto da Def...
 
Brasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçao
Brasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçaoBrasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçao
Brasilrodriguez2+gerencia+anvisa+reavaliaçao
 
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
Lições Aprendidas na Estrutura do Sistema de Vigilância e Prevenção de Pragas...
 
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de AnálisesApresentação Toxilab Laboratório de Análises
Apresentação Toxilab Laboratório de Análises
 
Manual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdf
Manual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdfManual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdf
Manual-videira-Guarrido-2008.PDF.....pdf
 
Rosilene moura
Rosilene mouraRosilene moura
Rosilene moura
 
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
Rosilene Moura - “Histórico E Situação Atual Da Produção Integrada Da Cadeia ...
 
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
III WSF, Campinas – Ériko Tadashi Sedoguchi - Medidas legislativas federais p...
 
Apresentação cultivo orgânico de hortaliças
Apresentação   cultivo orgânico de hortaliçasApresentação   cultivo orgânico de hortaliças
Apresentação cultivo orgânico de hortaliças
 
Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1
Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1
Relatório+para+2011 12+-+30 10-13_1
 
Agrotóxicos e saúde
Agrotóxicos e saúdeAgrotóxicos e saúde
Agrotóxicos e saúde
 
Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...
Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...
Apresentação de propostas para reduzir impacto do uso de agrotóxicos realizad...
 
Adriano riesemberg
Adriano riesembergAdriano riesemberg
Adriano riesemberg
 
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
I WSF, Brasília - Abi S.A. Marques - Quarentena de germoplasma vegetal para p...
 
Palestra angela embrapa analise risco
Palestra angela embrapa analise riscoPalestra angela embrapa analise risco
Palestra angela embrapa analise risco
 
Agrotoxicos
AgrotoxicosAgrotoxicos
Agrotoxicos
 

Mais de jose dias de macedo junior

SOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgação
SOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgaçãoSOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgação
SOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgação
jose dias de macedo junior
 
dialogo diario de segurança saude e medicina do trabalho
dialogo diario de segurança saude e medicina do trabalhodialogo diario de segurança saude e medicina do trabalho
dialogo diario de segurança saude e medicina do trabalho
jose dias de macedo junior
 
sinalização de setores de trbalho placas
sinalização de setores de trbalho placassinalização de setores de trbalho placas
sinalização de setores de trbalho placas
jose dias de macedo junior
 
1. EXTINTORES.pdf
1. EXTINTORES.pdf1. EXTINTORES.pdf
1. EXTINTORES.pdf
jose dias de macedo junior
 
TREINAMENTO DE EPI FACE.ppt
TREINAMENTO DE EPI FACE.pptTREINAMENTO DE EPI FACE.ppt
TREINAMENTO DE EPI FACE.ppt
jose dias de macedo junior
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
jose dias de macedo junior
 

Mais de jose dias de macedo junior (6)

SOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgação
SOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgaçãoSOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgação
SOU-UMA-BOA-PESSOA livro evangelistico para divulgação
 
dialogo diario de segurança saude e medicina do trabalho
dialogo diario de segurança saude e medicina do trabalhodialogo diario de segurança saude e medicina do trabalho
dialogo diario de segurança saude e medicina do trabalho
 
sinalização de setores de trbalho placas
sinalização de setores de trbalho placassinalização de setores de trbalho placas
sinalização de setores de trbalho placas
 
1. EXTINTORES.pdf
1. EXTINTORES.pdf1. EXTINTORES.pdf
1. EXTINTORES.pdf
 
TREINAMENTO DE EPI FACE.ppt
TREINAMENTO DE EPI FACE.pptTREINAMENTO DE EPI FACE.ppt
TREINAMENTO DE EPI FACE.ppt
 
Apresentação2.pptx
Apresentação2.pptxApresentação2.pptx
Apresentação2.pptx
 

Último

Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Marco Zero Conteúdo
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
tyciavilela
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Geagra UFG
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
viictorrkk
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
DeboraGomes73
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Ademir36
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Marco Zero Conteúdo
 

Último (7)

Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdfMuro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
Muro Auto de Infração Sec. Patrimônio da União.pdf
 
Melhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatísticaMelhoramento animal genética e estatística
Melhoramento animal genética e estatística
 
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptxManejo de insetos-pragas sugadores .pptx
Manejo de insetos-pragas sugadores .pptx
 
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdfCIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
CIGAROSS DRA_SANDRA_DA_SILVA_MARQUES.pdf
 
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdfEconomia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
Economia Circular na Produção de Filmes e Revestimentos Comestíveis.pdf
 
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdfApostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
Apostila FEV-2008 - Micromorfologia de Solos.pdf
 
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdfMuro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
Muro Relatório de Fiscalização SPU 2024.pdf
 

Agrotoxicos em Hortaliças.ppt

  • 1. HORTALIÇAS: Alimento Seguro e Saudável RESÍDUOS DE AGROTOXICOS EM HORTALIÇAS Eng. Agrônomo Sr. Ossir Gorenstein Centro de Qualidade Hortigranjeira SECQH-CEAGESP Registro – 11 março 2011
  • 2. SEGURANÇA DO ALIMENTO • PERIGOS: • FISICOS: Sujidades, insetos, pedriscos, materiais diversos. • QUÍMICOS: Metais pesados, pesticidas, produtos tóxicos. • BIOLÓGICOS: Parasitos, Toxinas, Microrganismos patogênicos • APPCC-HAZAP
  • 3. CONTAMINAÇÃO MICROBIANA • FITOPATOGENICOS: DETERIORANTES • Podridões, Manchas foliares, Sistema Vascular • PATOGÊNICOS AO HOMEM: Doenças, Intoxicações Alimentares, Parasitoses
  • 4. Microorganismos Patogênicos • BACTÉRIAS: -- Salmonella: disturbios gastrointestinais, vomito, septicemia -- Listeria: meningite, septicemia, aborto -- E. coli: colite hemorrágica, disfunções renais -- Vibrio Colerae: colera, diarreia, desidratação e morte; toxicogenica -- Shigella: toxicogenica, desinteria, vomitos
  • 5. Microorganimos Patogênicos • PROTOZOARIOS Crytosporidium: gastroenterite, diarreia Giardia: infecções intestinais, diarreias - HELMINTOS: : verminoses intestinais
  • 6. Microrganismos Fitopagênicos • FUNGOS: Botrytis, Monilinea, Rhizopus, Colletotrichum, Alternaria, Penicillium, Aspergillus, Fusarium, Phitophtora, Rhizoctonia, Pythium, Septoria, • BACTÉRIAS: Erwinia, Pseudomonas, Xanthomonas. • VIRUS: Mosaicos
  • 7. PERIGOS QUÍMICOS • AGROTOXICOS, DEFENSIVOS, PESTICIDAS, AGROQUÍMICOS, PRODUTOS FITOFARMACEUTICOS. • METAIS PESADOS: Cu, Hg, Pb, Li, Cd • MICOTOXINAS: Aflatoxina, Ocratoxina
  • 8. PARACELSUS (1493 – 1541) A BASE DA TOXICOLOGIA MODERNA A dose é que faz o veneno
  • 9. Horticultura Comercial – uso de pesticidas: produtividade e qualidade Segurança do Alimento = Inocuidade Alimento seguro: ausência ou conformidade com tolerância. ALIMENTOS SEGUROS
  • 10. AGROTÓXICOS – ÁREAS DE ATUAÇÃO AGRICULTURA – MAPA Eficácia e praticabilidade agronômica SAÚDE – ANVISA Classificação Toxicológica e Avaliação Toxicológica: estudos toxicidade aguda, sub- aguda, sub-crônica, crônica: mutagênicos, teratogênicos, carcinogênicos e reprodutivos. MEIO-AMBIENTE – IBAMA Características Físico-químicas, Toxicidade organismos não-alvo, Comportamento no solo, Toxicidade Animais Superiores
  • 11. Estabelecimento dos Limites Máximos de Resíduos (LMRs) Objetivos: • Estabelecer limites legais visando a proteção da saúde humana. • Parâmetros nacionais e internacionais para comercialização de produtos agrícolas Realização: • Estudos de Resíduos
  • 12. Limites Máximos de Resíduos (LMR’s) • Quantidade máxima de agrotóxico legalmente aceita no alimento,em decorrência da aplicação adequada numa fase específica, desde sua produção até o consumo. • Expresso em miligramas de resíduos por quilograma de alimento (mg/kg) ou ppm.
  • 13. Monitoramento possibilita • Verificar correta utilização dos agrotóxicos; • Avaliar a exposição do consumidor e trabalhador; • Identificar as culturas mais afetadas; • Mapear as áreas de produção de alimentos mais problemáticas. • Orientar políticas públicas para correção das distorções e irregularidades
  • 14. ABRANGENCIA DO ENTREPOSTO TERMINAL DE SÃO PAULO • 1.480 MUNICIPIOS • 24 ESTADOS • 14 PAISES • 25.000 PRODUTORES/ANO • 3.200.000 TONELADAS/ANO • 12.000 TONELADAS/DIA • 12,5 % Produção Nacional de Frutas e Hortaliças • 25% do Volume comercializado pelas CEASAs
  • 15. MONITORAMENTO DE RESÍDUOS EM FRUTAS E HORTALIÇAS FRESCAS Início 1978 – Convênio CEAGESP-IB-CATI Exploratório: sem finalidade fiscal – orientação ao atacadista/produtor 2003 – Centro de Qualidade Hortigranjeira Rastreabilidade – Nota Fiscal de Produtor e Rotulagem SIRAH – Sistema de Informações de Resíduos de Agrotóxicos em Horticultura 2006/2007 – LARP/ESALQ/USP – 240 amostras 2008 – MAPA/PNCRC – 164 amostras – Mamão e Maçã 2009/2010 - MAPA/PNCRC – 450 amostras - Frutas e Hortaliças
  • 17. Produtos Numero Amostras SD Amostras CD Detec/ coletados amostras Numero % Numero % < LMR % >LMR % SR % TOTAL Amostra Abacaxi 30 21 70 9 30 3 30 5 50 2 20 10 0,3 Alface 30 14 47 16 53 14 54 4 15 8 31 26 0,9 Banana 30 16 53 14 47 26 100 26 0,9 Batata 30 18 60 12 40 12 100 12 0,4 Limão 30 9 30 21 70 33 92 3 8 36 1,2 Maçã 90 9 10 81 90 183 97 3 2 3 2 189 2,1 Mamão 90 10 11 80 89 159 91 10 6 5 3 174 1,9 Manga 15 11 73 4 27 3 75 1 25 4 0,3 Melão 30 24 80 6 20 3 50 3 50 6 0,2 Morango 30 9 30 21 70 25 71 10 29 35 1,2 Tomate 30 5 17 25 83 63 98 1 2 64 2,1 Uva 15 9 60 6 40 6 100 0 6 0,4 TOTAL 450 155 34 295 66 530 90 22 4 36 6 588 1,3 Notas explicativas: SD: Sem detecção de residuos; CD: Com detecção de residuos; <LMR=abaixo do Limite Maximo de Residuos; >LMR=acima do Limite Maximo de Residuos; SR=Sem registro para a cultura. FONTE: SIRAH - Sistema de Informações de Resíduos de Agrotóxicos em Horticultura. Seção do Centro de Qualidade Hortigranjeira - SECQH/CEAGESP Eng. Agro. Ossir Gorenstein - 22/09/2010. Numero de detecções de residuos CEAGESP-SECQH/MAPA-SDA-PNCRC TABELA 1. RESULTADOS GERAIS DAS ANALISES DE AGROTOXICOS - 2009/2010
  • 18. Resíduos de Agrotóxicos em Hortaliças. CEAGESP/SIRAH – 1994 a 2007 Culturas Nº amostr Nº detecç. I.Ativo Resultado Abobrinha 8 ND Berinjela 31 4 clorotalonil Abaixo LMR 2 metamidofos NA 1 acefato NA 1 captana NA Beterraba 38 4 tiofanato-metilico NA 4 clorotalonil NA 2 endossulfam NA 1 captana NA Chuchu 10 ND Jiló 18 3 carbendazim NA 2 ditiocarbamato NA 1 endossulfam NA Pepino 29 1 procimidona NA 1 clorpirifos NA Acelga 3 1 ditiocarbamato NA Agrião 1 ND Alho-poró 1 ND Cebolinha 1 ND Chicoria 6 1 clorotalonil NA Coentro 7 2 clorotalonil NA 2 ditiocarbamato NA 1 tiabendazol NA Couve 5 1 ditiocarbamato Abaixo LMR Repolho 43 6 ditiocarbamato Abaixo LMR 5 clorotalonil NA, Acima 3 captana NA 2 metamidofos NA 2 vinclozolina NA 1 acefato NA
  • 19. Resíduos de Agrotóxicos em Alface. CEAGESP/SIRAH 2003-2011 Nº de amostras Nº detec. < LMR > LMR SR 120 87 24 5 58 100% 27,6 5,7 66,7 Ingrediente ativo Nº detecções acefato 5 carbaril 1 carbendazim 2 clorotalonil 9 clorpirifós 2 ditiocarbamato 8 endossulfam 1 esfenvalerato 1 espinosade 1 fentoato 2 imazalil 1 metalaxil-M 2 metamidofós 9 metomil 1 ometoato 1 piraclostrobina 1 tebuconazol 1 tiabendazol 2 vinclozolina 8 58
  • 20. Resíduos de Agrotóxicos em Hortaliças ANVISA/PARA – 2009 Culturas Nº amostras analisadas total % NA % Ac LMR % NA + AcLMR % 20 culturas 3130 907 29 744 23,8 88 2,8 75 2,4 ALFACE 138 53 38,4 52 37,7 0 0 1 0,7 COUVE 129 57 44,2 42 32,6 8 6,2 7 5,4 REPOLHO 166 34 20,5 34 20,5 0 0 0 0 BETERRABA 172 55 32,0 55 0 0 0 0 0 PEPINO 146 80 54,9 75 51,4 3 2,1 2 1,4 PIMENTÃO 165 132 80,0 107 64,8 5 3,0 20 12,1 NOTAS: ANVISA/PARA=Programa de Analise de Residuos de Agrotoxicos da ANVISA NA = não autorizado para a cultura Ac LMR = acima do limite maximo de residuo Numero de amostras Irregulares
  • 21. PRODUTOS COM SUPORTE FITOSSANITÁRIO INSUFICIENTE - Inexistência de IA sintéticos registrados: 8 FRUTAS: amora, atemóia, carambola, cereja, gravíola, jabuticaba, kiwi. 16 HORTALIÇAS: acelga, agrião, aipo, cebolinha, coentro, escarola, rúcula, salsa, batata-doce, cara, gengibre, inhame, mandioquinha, maxixe, nabo, rabanete. - Apenas 1 (um) IA registrado - 6: almeirão, espinafre, jiló, nêspera, pinha, pimenta. - Apenas 2 (dois) IA registrados: caju e caqui.
  • 22. PRODUTOS COM SUPORTE FITOSSANITÁRIO INSUFICIENTE Consultas Públicas: 20/2006, 55/2006 e 94/2008 INSTRUÇÃO NORMATIVA CONJUNTA Nº 1, DE 23 DE FEVEREIRO DE 2010 – “MINOR CROPS” LMRs por grupos e sub-grupos de culturas Extrapolação por 2 anos Culturas representativas de grupos e sub-grupos: 1-Frutas com casca não comestível; 2- Frutas com casca comestível; 3- Raízes, tubérculos e bulbos; 4- Hortaliças folhosas; 5-Hortaliças não folhosas. Estudos de eficiência agronômica e de resíduos.
  • 23. Resíduos de Agrotóxicos Não-autorizados com Maiores Ocorrencias em Hortaliças Selecionadas – ANVISA/PARA – 2009 Ingrediente Ativo Grupo Quimico Alface Couve Repolho BeterrabaPepino Pimentão Ditiocarbamato (cs2) Ditiocarbamato (cs2) 27 0 0 0 0 0 Carbendazim Benzimidazol 15 5 2 20 0 4 Deltametrina Piretroide 13 0 0 2 0 0 Metamidofos Organofosforado 12 9 0 1 3 22 Clorotalonil Isoftalonitrila 7 0 0 0 0 0 Lambda-cialotrina Piretroide 6 0 0 6 0 27 Azoxistrobina Estrobirulina 0 8 1 0 0 0 Indoxacarbe Oxadiazina 0 7 0 0 0 0 Piriproxifem eter piridoxipropilico 0 6 0 0 0 0 Procimidona Dicarboximida 0 2 24 3 0 17 Tebuconazol Triazol 2 5 5 2 0 1 Clorpirifos Organofosforado 0 3 0 9 11 23 Permetrina Piretroide 0 0 0 9 4 22 Piraclostrobina Estrobirulina 0 2 0 9 0 0 Endossulfam Clorociclodieno 2 1 0 7 50 22 Metalaxil Acilalaninato 0 1 0 0 12 0 Clorfenapir Analogo de pirazol 1 0 0 2 9 0 Metomil Metilcarbamato de oxima 3 0 0 0 5 20
  • 24. O ESTIGMA DO AGROTOXICO
  • 25. NR 31 – Norma Regulamentadora de Segurança e Saúde do Trabalho na Agricultura - Capacitação – Proteção Individual e Equipamentos de Aplicação NRR 5– Produtos Químicos – Agrotóxicos - Aplicador certificado – profissional habilitado
  • 26. Agentes de Controle Biológico – Bacillus Thuringiensis -- Trichogramma -- Trichoderma -- Metarhizium -- Cotesia Flavipes
  • 27. Segurança do Alimento = Inocuidade BPA= Boas Praticas Agrícolas Técnicas e Procedimentos: Evitar, Reduzir, Eliminar Contaminações a níveis aceitáveis em conformidade com normas de CERTIFICAÇÃO SUSTENTABILIDADE ALIMENTOS SEGUROS
  • 28. BPA – PRINCIPAIS PONTOS • Ambiente produção • Qualidade sementes • Qualidade da água • Adubação Inorgânica • Adubação Orgânica • Manejo do solo • Agrotóxicos • Manejo Integrado • Cultivo e colheita • Limpeza , Sanificação • Trattos pós-colheita • Resfriamento rápido • Armazenamento • Transporte • Saúde e higiene • Rastreabilidade
  • 29. INCA – Instituto Nacional de Cancer • FATORES DE RISCO: Ambientais (80%) • Hábitos Alimentares: gorduras, nitratos/nitritos – nitrosaminas, sal, aflatoxinas. • Fatores Ocupacionais: agrotóxicos • FATORES DE PROTEÇÃO: fibras, frutas, legumes e verduras
  • 30. CONCENTRAÇÕES DE DETECÇÃO DE RESIDUOS MEDIDAS DE POSIÇÃO (ppm) - 3950 AMOSTRAS Ocorrencias < LMR > LMR SR Total 2259 1515 90 654 Media 0,44 0,30 1,93 0,57 Mediana 0,09 0,08 0,80 0,09 Moda 0,01 0,01 0,30 0,01 Minimo 0,01 0,01 0,02 0,01 Maximo 16,00 16,00 14,69 11,53 DesPad 1,22 0,88 2,83 1,39 MORANGO - 515 AMOSTRAS Total 399 220 7 172 Media 0,84 0,90 2,82 0,68 Mediana 0,28 0,37 0,18 0,18 Moda 0,01 0,01 0,01 0,01 Minimo 0,01 0,01 8,69 0,01 Maximo 14,64 14,64 ND 10,80 DesvPad 1,61 1,73 2,76 1,32 Fonte: Sistema de Residuos de Agrotoxicos em Horticultura SIRAH - Periodo dos dados: janeiro 1994 a agosto 2010. CQH/CEAGESP - Eng. Agro. Ossir Gorenstein
  • 31. Ajuste da Distribuição Exponencial Negativa
  • 36. OBRIGADO!!! Eng. Agrº Sr. Ossir Gorenstein SECQH/CEAGESP Av. Gastão Vidigal 1946 05316-900-São Paulo-SP Fone: 011 3643 3825 ogorenst@ceagesp.gov.br