SlideShare uma empresa Scribd logo
A CONSULTA MÉDICA DO
ADOLESCENTE
MD. Milene Saalfeld de Oliveira
Esp. Medicina do Adolescente-Hebiatria
“O adolescente é uma pessoa;
A adolescência é um conceito.”
 Periodo da vida humana onde ocorrem
intensas transformações biológicas -
principalmente intenso crescimento e
desenvolvimento, maturação sexual e
consequente transformações emocionais para
se adaptar a essas mudanças.Torna-se capaz
de procriar, busca sua identidade adulta com
novas relações com a familia e grupos,
procurando autonomia e independência rumo
a vida adulta.
HEBE: deusa da juventude
 OMS- faixa etária entre 10 e 19 anos
 SBP e AMB- área de atuação-abril/1999
 ECA- lei n°8.069 – 13/07/1990: individuo
entre 12 e 18 anos.
TAREFAS DA ADOLESCÊNCIA
 Assumir o novo corpo;
 Assumir valores e estilos de vida;
 Escolha profissional;
 Independência econômica.
Por que hebiatria?
 Tabu- adolescência-”doença de bom prognóstico”
 Questionamento de valores, novas experiências,
testam atitudes, situações de risco que podem
ameaçar sua saúde.
 21,84% População brasileira
 Morbimortalidades específicas
 acidentes de transporte,
 homicídios, suicídios,
 AIDS, gravidez
 Drogas lícitas e ilícitas
CONDIÇÕES BÁSICAS
• gostar de adolescentes;
• conhecimento e estar atento as amoções;
• postura ética ;
• não julgar ou ser preconceituoso;
• disponibilidade e acolhida cordial;
• garantia de confidência e sigilo.
Quem tem medo do adolescente???
 Falta de privacidade na consulta
 Estar desatento, excesso de anotações
 Dirigir-se a mãe
 Uso de gírias para se aproximar
 Projeção da nossa adolescência
 Assumir papel de juiz
 Conversar sozinho com a familia
 Presunção de que todo adolescente é
sadio
 Deixar de falar do sigilo médico
Ética e Sigilo médico
 Reconhecer como individuo progressivamente
capaz
 Respeitar individualidade e pudor
 Capaz de avaliar seu problema e solucionar
 Direito de ser atendido sem os pais
 Participação da família é desejável
 Quebra de sigilo deve ser informada e
justificada.
LIMITE DA CONFIABILIDADE
 Risco de morte para o paciente ou terceiros:
 suicídio, doenças, fuga de casa;
 procedimentos, notificação obrigatória - maus
tratos;
 intenção de abortar;
 gravidez;
 uso de drogas;
 anorexia e bulimia nervosa;
 ferimentos de cunho criminoso, atos violentos;
 ameaça de homicídio.
CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA
Capítulo IX – Segredo Médico – artigo 103:
“É vedado ao médico: revelar segredo profissional
referente a paciente menor de idade, inclusive a seus
pais ou responsáveis legais, desde que o menor tenha
a capacidade de avaliar seu problema e de conduzir-se
por seus próprios meios para solucioná-los, salvo
quando a não revelação possa acarretar danos ao
paciente”.
Por que o adolescente vem a
consulta?
 queixas físicas, reais ou imaginárias;
 dificuldades de ajustamento social na
escola, no trabalho, com companheiros,
 transtornos de conduta;
 mau rendimento escolar;
 dificuldades na área da sexualidade,
 queixas psicológicas- preocupações,
angústias, distúrbios do sono, da
alimentação, do humor.
Anamnese
 O que gosta de fazer nas horas de
folga?
 O que mais gosta e o que menos
gosta na escola?
 É praticante de esportes
competitivos?
 Que sonhos e desejos têm para o
futuro?
itens da anamnese
 Família: estrutura e dinâmica familiar;
 Educação: escolaridade, problemas;
 Trabalho: profissão, horas, problemas;
 Alimentação: tipo, alergias, peso;
 Sexualidade: puberdade, atividade sexual,
dúvidas, tabus, preconceitos;
 Afeto: relacionamentos, filhos;
 Ambições: projetos futuros - vida e profissão;
 Uso/abuso de drogas lícitas/ilícitas;
 Pensamento ou tentativa suicídio.
Exame físico
 Roupões-pudor, despir
 Privacidade-porta fechada
 Presença dos pais ou enfermagem
 Maca de tamanho adequado
EXAME FÍSICO-Nem sempre é possível fazê-lo
completo na 1ª consulta!
Itens obrigatórios
 Estágio de desenvolvimento puberal-critérios de
Tunner;
 Avaliação do estado nutricional-IMC, Peso, altura;
 Inspeção o mais completa possível-saúde bucal,
pele e mucosas ;
 Coluna vertebral;
 Mamas;
 Tireóide;
 PA;
 Genitais.
Critérios de Tunner
objetivos
 Promoção à saúde integral
 Identificar comportamentos de risco
 Síndrome da adolescência normal
 Verificar imunização
 Desenvolver vínculos para o diálogo
Queixas frequentes:
Obesidade
Ingesta excessiva
Hábitos familiares inadequados
Sedentarismo
Geração fastfood
Consumo de doces e guloeimas
Risco cardiovascular
 Historia familiar positiva
 HAS
 Dislipidemias
 Diabete melitus
 Tabagismo
 Estresse emocional.
ANEMIAS
 Ferropriva- rápida expansão do volume,
hábitos nutricionais perdas menstruais;
 Falciforme- jovens negros e mestiços;
Doenças psicosocias
 Depressão
 Bulimia
 Anorexia nervosa
CAUSAS GINECOLÓGICAS
 Ciclos irregulares-ovulação irregular-
imaturidade liberação(FSH)
 Dismenorréias
 Vulvovaginites
 HPV
OUTRAS
 Ginecomastia- 50% dos adolescentes; vergonha,tabu-
masturbação
 Enxaqueca- 10% meninas 5% meninos
 Doença de Osgood Schlatter-osteocondrose mais
frequente acomete tuberosidade anterior da tibia.
 Dor torácica-anterior- dor da faixa dos 6 dermátomos
posterior- lombalgia- escoliose
 Mononucleose infecciosa- maior incidência 15-19
anos
 DST-AIDS
lembrar
os adolescentes costumam construir
no imaginário, hipertrofias
deformadoras de suas dificuldades,
demandando gastos inúteis de
energia, sofrimento e conseqüências
catastróficas para si próprios.
DIFICULDADES
 recusa em comparecer a consulta;
 confundir hebiatra como psicologo;
 dificuldades ou recusa em verbalizar os
problemas;
 comunicação extraverbal – gestos,
olhares, atitudes;
 receio de que a consulta sirva para
descoberta de “segredos” pelos pais;
 recusa em cumprir prescrições e de
retornar às consultas e seguimentos.
Consideração final
 A maior habilidade de um médico de
adolescente é não se deixar manipular neste
jogo de tensões e busca de alianças que
constitui o relacionamento de pais e filhos na
crise puberal.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a adolescencia.ppt

Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
yolandasergia
 
Miguel esteves catarina
Miguel esteves catarinaMiguel esteves catarina
Miguel esteves catarina
navegananet
 
Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
Elenildo Allman
 
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
Van Der Häägen Brazil
 
Abuso sexual
Abuso sexualAbuso sexual
Abuso sexual
Ricardo Goulart
 
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescenteAula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Joelma Alves
 
A obesidade é uma situação grave
A obesidade é uma situação graveA obesidade é uma situação grave
A obesidade é uma situação grave
Van Der Häägen Brazil
 
O Jeito Prader-Willi
O Jeito Prader-WilliO Jeito Prader-Willi
O Jeito Prader-Willi
Gustavo Mini
 
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescênciaSexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
AnaMoura323023
 
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovensSexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
AnaMoura323023
 
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Van Der Häägen Brazil
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Cláudio Costa
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Cláudio Costa
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
Lilia Braga
 
04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx
04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx
04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx
Nathalialvares1
 
Conversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologista
Conversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologistaConversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologista
Conversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologista
Van Der Häägen Brazil
 
Gravidez na adolencia falta de informação
Gravidez na adolencia  falta de informaçãoGravidez na adolencia  falta de informação
Gravidez na adolencia falta de informação
Thais Estrela
 
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisaaula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
dragiovannadourado
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
Stefania Feliz
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
Bruno Morais Lopes
 

Semelhante a adolescencia.ppt (20)

Saúde do Adolescente
Saúde do AdolescenteSaúde do Adolescente
Saúde do Adolescente
 
Miguel esteves catarina
Miguel esteves catarinaMiguel esteves catarina
Miguel esteves catarina
 
Drogas como podemos agir
Drogas como podemos agirDrogas como podemos agir
Drogas como podemos agir
 
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
DIAGNÓSTICO DE BAIXA ESTATURA (ALTURA); DESDE O DESENCADEAMENTO NA FASE CRIAN...
 
Abuso sexual
Abuso sexualAbuso sexual
Abuso sexual
 
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescenteAula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
Aula 01 -_cuidados_com_a_saãºde_do_adolescente
 
A obesidade é uma situação grave
A obesidade é uma situação graveA obesidade é uma situação grave
A obesidade é uma situação grave
 
O Jeito Prader-Willi
O Jeito Prader-WilliO Jeito Prader-Willi
O Jeito Prader-Willi
 
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescênciaSexualidade e planeamento familiar na adolescência
Sexualidade e planeamento familiar na adolescência
 
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovensSexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
Sexualidade_e_planeamento_familiar.ppt jovens
 
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
Crescimento e desenvolvimento infanto juvenil , adolescente sofrem influência...
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentesResponsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
Responsabilidade parental na clínica psiquiátrica com crianças e adolescentes
 
A sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescênciaA sexualidade na adolescência
A sexualidade na adolescência
 
04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx
04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx
04 PROSAD_Saúde mental do adolescente (1).pptx
 
Conversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologista
Conversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologistaConversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologista
Conversando com o especialista endocrinologista e neuroendocrinologista
 
Gravidez na adolencia falta de informação
Gravidez na adolencia  falta de informaçãoGravidez na adolencia  falta de informação
Gravidez na adolencia falta de informação
 
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisaaula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
aula do instituto sirio libanes de ensino e pesquisa
 
Apresentação1
Apresentação1Apresentação1
Apresentação1
 
Drogas e família
Drogas e famíliaDrogas e família
Drogas e família
 

Último

Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
jenneferbarbosa21
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
FlorAzaleia1
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
FERNANDACAROLINEPONT
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MnicaPereira739219
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
jenneferbarbosa21
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
FlorAzaleia1
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
cleidianevieira7
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
jenneferbarbosa21
 

Último (8)

Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
Cards das Espécies da Coleção-Carpoteca Temática Itinerante sediada no Labora...
 
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
2-10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - LUZ E CORES.pdf
 
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.anatomia e fisiologia de peixes  CRMVCP.
anatomia e fisiologia de peixes CRMVCP.
 
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptxMÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
MÁQUINAS SIMPLES-ALAVANCAS-POLIAS-ENGRENAGENS.pptx
 
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
Taxonomia: é a ciência que classifica os seres vivos, estabelecendo critérios...
 
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
10-EF - 9º ANO - CIÊNCIAS - ONDAS ELETROMAGNÉTICAS - APLICAÇÕES TECNOLÓGICAS.pdf
 
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.pptAula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
Aula 1. Introdução ao estudo da célula.ppt
 
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
EVOLUÇÃO-EVOLUÇÃO- A evolução pode ser definida como a mudança na forma e no ...
 

adolescencia.ppt

  • 1. A CONSULTA MÉDICA DO ADOLESCENTE MD. Milene Saalfeld de Oliveira Esp. Medicina do Adolescente-Hebiatria
  • 2. “O adolescente é uma pessoa; A adolescência é um conceito.”  Periodo da vida humana onde ocorrem intensas transformações biológicas - principalmente intenso crescimento e desenvolvimento, maturação sexual e consequente transformações emocionais para se adaptar a essas mudanças.Torna-se capaz de procriar, busca sua identidade adulta com novas relações com a familia e grupos, procurando autonomia e independência rumo a vida adulta.
  • 3. HEBE: deusa da juventude  OMS- faixa etária entre 10 e 19 anos  SBP e AMB- área de atuação-abril/1999  ECA- lei n°8.069 – 13/07/1990: individuo entre 12 e 18 anos.
  • 4. TAREFAS DA ADOLESCÊNCIA  Assumir o novo corpo;  Assumir valores e estilos de vida;  Escolha profissional;  Independência econômica.
  • 5. Por que hebiatria?  Tabu- adolescência-”doença de bom prognóstico”  Questionamento de valores, novas experiências, testam atitudes, situações de risco que podem ameaçar sua saúde.  21,84% População brasileira  Morbimortalidades específicas  acidentes de transporte,  homicídios, suicídios,  AIDS, gravidez  Drogas lícitas e ilícitas
  • 6. CONDIÇÕES BÁSICAS • gostar de adolescentes; • conhecimento e estar atento as amoções; • postura ética ; • não julgar ou ser preconceituoso; • disponibilidade e acolhida cordial; • garantia de confidência e sigilo.
  • 7. Quem tem medo do adolescente???  Falta de privacidade na consulta  Estar desatento, excesso de anotações  Dirigir-se a mãe  Uso de gírias para se aproximar  Projeção da nossa adolescência  Assumir papel de juiz  Conversar sozinho com a familia  Presunção de que todo adolescente é sadio  Deixar de falar do sigilo médico
  • 8. Ética e Sigilo médico  Reconhecer como individuo progressivamente capaz  Respeitar individualidade e pudor  Capaz de avaliar seu problema e solucionar  Direito de ser atendido sem os pais  Participação da família é desejável  Quebra de sigilo deve ser informada e justificada.
  • 9. LIMITE DA CONFIABILIDADE  Risco de morte para o paciente ou terceiros:  suicídio, doenças, fuga de casa;  procedimentos, notificação obrigatória - maus tratos;  intenção de abortar;  gravidez;  uso de drogas;  anorexia e bulimia nervosa;  ferimentos de cunho criminoso, atos violentos;  ameaça de homicídio.
  • 10. CÓDIGO DE ÉTICA MÉDICA Capítulo IX – Segredo Médico – artigo 103: “É vedado ao médico: revelar segredo profissional referente a paciente menor de idade, inclusive a seus pais ou responsáveis legais, desde que o menor tenha a capacidade de avaliar seu problema e de conduzir-se por seus próprios meios para solucioná-los, salvo quando a não revelação possa acarretar danos ao paciente”.
  • 11. Por que o adolescente vem a consulta?  queixas físicas, reais ou imaginárias;  dificuldades de ajustamento social na escola, no trabalho, com companheiros,  transtornos de conduta;  mau rendimento escolar;  dificuldades na área da sexualidade,  queixas psicológicas- preocupações, angústias, distúrbios do sono, da alimentação, do humor.
  • 12. Anamnese  O que gosta de fazer nas horas de folga?  O que mais gosta e o que menos gosta na escola?  É praticante de esportes competitivos?  Que sonhos e desejos têm para o futuro?
  • 13. itens da anamnese  Família: estrutura e dinâmica familiar;  Educação: escolaridade, problemas;  Trabalho: profissão, horas, problemas;  Alimentação: tipo, alergias, peso;  Sexualidade: puberdade, atividade sexual, dúvidas, tabus, preconceitos;  Afeto: relacionamentos, filhos;  Ambições: projetos futuros - vida e profissão;  Uso/abuso de drogas lícitas/ilícitas;  Pensamento ou tentativa suicídio.
  • 14. Exame físico  Roupões-pudor, despir  Privacidade-porta fechada  Presença dos pais ou enfermagem  Maca de tamanho adequado
  • 15. EXAME FÍSICO-Nem sempre é possível fazê-lo completo na 1ª consulta! Itens obrigatórios  Estágio de desenvolvimento puberal-critérios de Tunner;  Avaliação do estado nutricional-IMC, Peso, altura;  Inspeção o mais completa possível-saúde bucal, pele e mucosas ;  Coluna vertebral;  Mamas;  Tireóide;  PA;  Genitais.
  • 17. objetivos  Promoção à saúde integral  Identificar comportamentos de risco  Síndrome da adolescência normal  Verificar imunização  Desenvolver vínculos para o diálogo
  • 18. Queixas frequentes: Obesidade Ingesta excessiva Hábitos familiares inadequados Sedentarismo Geração fastfood Consumo de doces e guloeimas
  • 19. Risco cardiovascular  Historia familiar positiva  HAS  Dislipidemias  Diabete melitus  Tabagismo  Estresse emocional.
  • 20. ANEMIAS  Ferropriva- rápida expansão do volume, hábitos nutricionais perdas menstruais;  Falciforme- jovens negros e mestiços;
  • 21. Doenças psicosocias  Depressão  Bulimia  Anorexia nervosa
  • 22. CAUSAS GINECOLÓGICAS  Ciclos irregulares-ovulação irregular- imaturidade liberação(FSH)  Dismenorréias  Vulvovaginites  HPV
  • 23. OUTRAS  Ginecomastia- 50% dos adolescentes; vergonha,tabu- masturbação  Enxaqueca- 10% meninas 5% meninos  Doença de Osgood Schlatter-osteocondrose mais frequente acomete tuberosidade anterior da tibia.  Dor torácica-anterior- dor da faixa dos 6 dermátomos posterior- lombalgia- escoliose  Mononucleose infecciosa- maior incidência 15-19 anos  DST-AIDS
  • 24. lembrar os adolescentes costumam construir no imaginário, hipertrofias deformadoras de suas dificuldades, demandando gastos inúteis de energia, sofrimento e conseqüências catastróficas para si próprios.
  • 25. DIFICULDADES  recusa em comparecer a consulta;  confundir hebiatra como psicologo;  dificuldades ou recusa em verbalizar os problemas;  comunicação extraverbal – gestos, olhares, atitudes;  receio de que a consulta sirva para descoberta de “segredos” pelos pais;  recusa em cumprir prescrições e de retornar às consultas e seguimentos.
  • 26. Consideração final  A maior habilidade de um médico de adolescente é não se deixar manipular neste jogo de tensões e busca de alianças que constitui o relacionamento de pais e filhos na crise puberal.