SlideShare uma empresa Scribd logo
Aula 2
O CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS
Introdução
A humanidade chegou à década de 50 utilizando intensivamente plantas medicinais,
com resultados comprovados. Com o advento da indústria farmacêutica e a síntese de
muitos princípios ativos em laboratório, o homem vem se distanciando de suas origens.
Os efeitos colaterais das plantas, quando comparados aos dos remédios químicos,
são mínimos. Essa vantagem, além do custo mais baixo e dos resultados já comprovados
cientificamente, tem impulsionado o crescimento do uso de plantas medicinais.
A agricultura orgânica é a mais indicada para esse tipo de cultivo porque permite
um maior equilíbrio entre a produção e o meio ambiente, evitando a contaminação do solo
com agroquímicos (que podem alterar a composição dos princípios ativos das plantas
medicinais, bem como contaminá-las com resíduos tóxicos ao homem.).
Fatores que interferem na concentração de Princípios Ativos
As plantas tem seu crescimento, desenvolvimento, forma, taxa de fotossíntese,
floração, e de formação de princípios ativos, dependente de diversos fatores ambientais.
Por isso é de extrema importância conhecer a origem de cada espécie que se deseja
cultivar, para aclimatá-las da melhor maneira o possível, e assim obter uma concentração
ótima de princípio ativo.
Temperatura
Existe uma curva de crescimento onde existe uma temperatura mínima, uma
temperatura máxima e uma faixa de temperatura ótima para o desenvolvimento de cada
espécie.
A diferença entre a temperatura do dia e da noite, é outro fator que interfere no
desenvolvimento das plantas. Muitas delas só se desenvolvem de maneira ótima quando
ocorre uma diferença mínima de temperatura (plantas de clima temperado, por exemplo,
reduzem seu crescimento e floração se a diferença entre a temperatura entre dia e noite não
atingir 7°C)
Luz
A luz influencia na fotossíntese, bem como no crescimento, desenvolvimento e
forma das plantas (folhas expostas ao sol são geralmente menores que as que ficam em
locais sombreados).
As plantas também respondem às modificações na proporção de luz e escuridão
num período de 24 horas.
Umidade
Supõe-se que em ambientes mais úmidos a produção de princípios ativos seja maior.
Porém nem sempre isso é verdade. Diversas experiências mostram que a água reduz o teor
de alcalóides produzidos.
Por outro lado, plantas irrigadas podem compensar o menor teor de princípios ativos
com uma maior produção de biomassa, o que resultará num maior rendimento final de
princípios ativos/área.
Altitude
A medida que aumenta a altitude, diminui a temperatura e aumenta a insolação,
interferindo no desenvolvimento das plantas e na produção de princípios ativos.
Plantas produtoras de alcalóides, quando em baixas altitudes, apresentam maior teor
de princípios ativos, possivelmente devido a maior atividade metabólica em virtude das
temperaturas maiores. Outras plantas, e, altitudes maiores, tem um aumento de produção de
carboidratos e glicosídeos, pois a maior intensidade luminosa estimula a fotossíntese.
Latitude
Teoricamente plantas cultivadas em latitudes equivalentes (norte e sul),tenderiam a
ter o mesmo comportamento em relação ao desenvolvimento, época de floração e teor de
princípios ativos.
Contudo, estudos demonstram que plantas cultivadas em latitudes sul, são mais ricas
em alcalóides que as cultivadas em latitude norte equivalente. Tais diferenças estão
relacionadas com a inclinação da Terra e a influência das correntes marítimas sobre a
temperatura.
Solo
É necessário o estudo correto do solo, para corrigir sua acidez e fornecer nutrientes
para o cultivo adequado de cada espécie de planta medicinal. Essa correção pode ser feita
por diversos tipos de adubação a se saber:
a)Química: o uso de adubos químicos deve ser restrito a suprir deficiências de nutrientes no
solo.
b)Orgânica: Adubo orgânico é todo produto proveniente da decomposição de resíduos de
origem vegetal, animal, urbano ou industrial, que apresente elevados teores de componentes
orgânicos – compostos de carbono degradáveis- e que vai constituir a parte orgânica do
solo: o húmus.
Os adubos orgânicos mais utilizados são:
 Estercos animais: dejetos sólidos e líquidos de animais domésticos que são curtidos
e então utilizados como adubos;
 Restos de cultura: restos de cultura do plantio anterior e que permanecem na área
cultivada podem ser incorporados ou mantidos como cobertura morta.
 Húmus de minhoca: ainda não é largamente utilizado devido a sua pouca
divulgação,porém representa uma opção altamente interessante, pois é um adubo
orgânico muito rico em nutrientes;
 Composto orgânico: obtido a partir do lixo, restos de culturas e dejetos animais;
 Adubação verde: são vegetais que, plantados no local da cultura desejada, tem sua
massa verde incorporada ao solo, melhorando-o em diversos aspectos, inclusive
nutricionais.
Colheita
É importante que a colheita seja feita no estágio de maior teor de princípios ativos,
que varia com o estágio de desenvolvimento de cada espécie. Por exemplo: a extração de
óleos essenciais das mentas deve ser feita em plena floração, já a maior concentração de
princípios ativos da babosa é no verão.
A hora do dia em que se faz a colheita também influi na qualidade do material.
Conforme o tipo dos princípios ativos, há uma variação durante o dia no seu teor. Por
exemplo: o teor de alcalóides e óleos essenciais é maior no período da manhã, já o teor de
glicosídeos é maior no período da tarde.
A colheita deve ser feita com tempo seco e após a seca do orvalho. Também não se
recomenda a colheita logo após um período de chuvas prolongadas, pois o teor de
princípios ativos pode diminuir em função do aumento do teor de umidade da planta. Além
disso, esse aumento de umidade dificultará a secagem e aumentará a possibilidade de
aparecimento de fungos no produto.
Depois de colhido, o material deverá ser transportado rapidamente para o local de
beneficiamento, e nesse processo, o material deverá ser protegido do sol, para evitar
fermentação e degradação.
Beneficiamento adequado
A secagem tem por finalidade reduzir a ação das enzimas pela desidratação,
permitindo a conservação das plantas por mais tempo. Além disso, a eliminação da água
aumenta o percentual de princípios ativos em relação ao peso.
O processo de secagem deve iniciar no mesmo dia da colheita. O local deve ser bem
ventilado e protegido da poeira e de insetos ou outros animais. Deve ser feita em galpões
próprios para essa finalidade, à temperatura ambiente ou com ar aquecido.
Armazenagem apropriada
Cada planta deve ser armazenada em embalagem própria, devidamente identificada
com o nome da espécie, parte colhida, data da colheita e do término da secagem, e nome do
produtor.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem domésticaFolder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Andre Santachiara Fossaluza
 
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetaisFitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
FREDY TELLO
 
Compostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUSCompostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUS
GVinicius Silva
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
pief2
 
Beatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano eBeatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano e
4eprofessoravaleria
 
Trabalho de biorremediação microbiana
Trabalho de biorremediação microbianaTrabalho de biorremediação microbiana
Trabalho de biorremediação microbiana
Silenezé Souza
 
Xenobióticos no solo
Xenobióticos no soloXenobióticos no solo
Xenobióticos no solo
Jadson Belem de Moura
 
Projeto compostagem finalizado
Projeto compostagem   finalizadoProjeto compostagem   finalizado
Projeto compostagem finalizado
Paula Bonazzi
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do solo
VALDECIR QUEIROZ
 
Biorremediação - Melhoramento Genético
Biorremediação - Melhoramento GenéticoBiorremediação - Melhoramento Genético
Biorremediação - Melhoramento Genético
Bruno Djvan Ramos Barbosa
 
Amanada e m iqueias 4ºe
Amanada e m iqueias 4ºeAmanada e m iqueias 4ºe
Amanada e m iqueias 4ºe
4eprofessoravaleria
 
1 3 ii
1 3 ii1 3 ii
Biorremediacao
BiorremediacaoBiorremediacao
Biorremediacao
Jacqueline Thomé
 
Biorremediação
BiorremediaçãoBiorremediação
Biorremediação
Fabíola Carmo
 
Biorremediação
Biorremediação Biorremediação
Biorremediação
Gabi Magalhães
 
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de AgrotoxicosDegradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Lucash Martins
 
1 2
1 21 2
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
Josimar Oliveira
 
Apostila materia organica
Apostila materia organicaApostila materia organica
Apostila materia organica
Vânia Figueiredo
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Agroecologia
 

Mais procurados (20)

Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem domésticaFolder de compostagem e vermicompostagem doméstica
Folder de compostagem e vermicompostagem doméstica
 
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetaisFitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
Fitorremediacão: Como despolir águas e solos utilizando vegetais
 
Compostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUSCompostagem G.VINICIUS
Compostagem G.VINICIUS
 
A compostagem
A compostagemA compostagem
A compostagem
 
Beatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano eBeatriz e evellyn 4ano e
Beatriz e evellyn 4ano e
 
Trabalho de biorremediação microbiana
Trabalho de biorremediação microbianaTrabalho de biorremediação microbiana
Trabalho de biorremediação microbiana
 
Xenobióticos no solo
Xenobióticos no soloXenobióticos no solo
Xenobióticos no solo
 
Projeto compostagem finalizado
Projeto compostagem   finalizadoProjeto compostagem   finalizado
Projeto compostagem finalizado
 
Adubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do soloAdubação orgânica para recuperação do solo
Adubação orgânica para recuperação do solo
 
Biorremediação - Melhoramento Genético
Biorremediação - Melhoramento GenéticoBiorremediação - Melhoramento Genético
Biorremediação - Melhoramento Genético
 
Amanada e m iqueias 4ºe
Amanada e m iqueias 4ºeAmanada e m iqueias 4ºe
Amanada e m iqueias 4ºe
 
1 3 ii
1 3 ii1 3 ii
1 3 ii
 
Biorremediacao
BiorremediacaoBiorremediacao
Biorremediacao
 
Biorremediação
BiorremediaçãoBiorremediação
Biorremediação
 
Biorremediação
Biorremediação Biorremediação
Biorremediação
 
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de AgrotoxicosDegradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
Degradação do Solo devido ao Uso de Agrotoxicos
 
1 2
1 21 2
1 2
 
Compostagem
CompostagemCompostagem
Compostagem
 
Apostila materia organica
Apostila materia organicaApostila materia organica
Apostila materia organica
 
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013Apresentação Ingrid de Barros   CBA-Agroecologia2013
Apresentação Ingrid de Barros CBA-Agroecologia2013
 

Semelhante a A2 o-cultivo-de-plantas-medicinais texto

001 fundamentos planta - apostila técnica
001   fundamentos planta - apostila técnica001   fundamentos planta - apostila técnica
001 fundamentos planta - apostila técnica
Saymon Acchile'
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Reichard Felipe Kampmann
 
a2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppt
a2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppta2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppt
a2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppt
AndrHenrique77
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Bruno Da Montanha
 
Emily e felipe 4 e
Emily e felipe 4 eEmily e felipe 4 e
Emily e felipe 4 e
4eprofessoravaleria
 
Thais e wagner 4ºe
Thais e wagner 4ºeThais e wagner 4ºe
Thais e wagner 4ºe
4eprofessoravaleria
 
Técnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptxTécnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptx
André Moreira
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
Emlur
 
4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo
4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo
4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo
Fattore
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
IFRO
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
mnmaill
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
João Siqueira da Mata
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
Lenildo Araujo
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
gimalucelli_bio
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Edson Talarico
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
Bruno Anacleto
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
sedis-suporte
 
X
XX
X
XX
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Luna Oliveira
 

Semelhante a A2 o-cultivo-de-plantas-medicinais texto (20)

001 fundamentos planta - apostila técnica
001   fundamentos planta - apostila técnica001   fundamentos planta - apostila técnica
001 fundamentos planta - apostila técnica
 
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativaAgroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
Agroecologia por uma agricultura sustentável e lucrativa
 
a2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppt
a2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppta2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppt
a2-O-cultivo-de-plantas-medicinais.ppt
 
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
Curso de olericultura organica (horta legumes etc..)
 
Emily e felipe 4 e
Emily e felipe 4 eEmily e felipe 4 e
Emily e felipe 4 e
 
Thais e wagner 4ºe
Thais e wagner 4ºeThais e wagner 4ºe
Thais e wagner 4ºe
 
Técnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptxTécnicas de Compostagem.pptx
Técnicas de Compostagem.pptx
 
1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo1. agroecologia e manejo do solo
1. agroecologia e manejo do solo
 
4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo
4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo
4ª apresentação do 5º horti serra gaúcha 24 5-2013 dr. gerônimo
 
Inoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da sojaInoculação e dessecação da soja
Inoculação e dessecação da soja
 
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas MedicinaisManua Cultivo de Plantas Medicinais
Manua Cultivo de Plantas Medicinais
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Cartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologicaCartilha agricultura ecologica
Cartilha agricultura ecologica
 
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010Agricultura ecológica   príncipios básicos 2010
Agricultura ecológica príncipios básicos 2010
 
Manejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia OrgânicaManejo da Materia Orgânica
Manejo da Materia Orgânica
 
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinaisC1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
C1 e2 ppt_o_cultivo_de_plantas_medicinais
 
X
XX
X
 
X
XX
X
 
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostosCompostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
Compostagem domestica –_uma_solucao_para_todos_os_gostos
 

Último

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 

Último (6)

Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 

A2 o-cultivo-de-plantas-medicinais texto

  • 1. Aula 2 O CULTIVO DE PLANTAS MEDICINAIS Introdução A humanidade chegou à década de 50 utilizando intensivamente plantas medicinais, com resultados comprovados. Com o advento da indústria farmacêutica e a síntese de muitos princípios ativos em laboratório, o homem vem se distanciando de suas origens. Os efeitos colaterais das plantas, quando comparados aos dos remédios químicos, são mínimos. Essa vantagem, além do custo mais baixo e dos resultados já comprovados cientificamente, tem impulsionado o crescimento do uso de plantas medicinais. A agricultura orgânica é a mais indicada para esse tipo de cultivo porque permite um maior equilíbrio entre a produção e o meio ambiente, evitando a contaminação do solo com agroquímicos (que podem alterar a composição dos princípios ativos das plantas medicinais, bem como contaminá-las com resíduos tóxicos ao homem.). Fatores que interferem na concentração de Princípios Ativos As plantas tem seu crescimento, desenvolvimento, forma, taxa de fotossíntese, floração, e de formação de princípios ativos, dependente de diversos fatores ambientais. Por isso é de extrema importância conhecer a origem de cada espécie que se deseja cultivar, para aclimatá-las da melhor maneira o possível, e assim obter uma concentração ótima de princípio ativo. Temperatura Existe uma curva de crescimento onde existe uma temperatura mínima, uma temperatura máxima e uma faixa de temperatura ótima para o desenvolvimento de cada espécie. A diferença entre a temperatura do dia e da noite, é outro fator que interfere no desenvolvimento das plantas. Muitas delas só se desenvolvem de maneira ótima quando ocorre uma diferença mínima de temperatura (plantas de clima temperado, por exemplo, reduzem seu crescimento e floração se a diferença entre a temperatura entre dia e noite não atingir 7°C) Luz A luz influencia na fotossíntese, bem como no crescimento, desenvolvimento e forma das plantas (folhas expostas ao sol são geralmente menores que as que ficam em locais sombreados). As plantas também respondem às modificações na proporção de luz e escuridão num período de 24 horas. Umidade Supõe-se que em ambientes mais úmidos a produção de princípios ativos seja maior. Porém nem sempre isso é verdade. Diversas experiências mostram que a água reduz o teor de alcalóides produzidos. Por outro lado, plantas irrigadas podem compensar o menor teor de princípios ativos com uma maior produção de biomassa, o que resultará num maior rendimento final de princípios ativos/área.
  • 2. Altitude A medida que aumenta a altitude, diminui a temperatura e aumenta a insolação, interferindo no desenvolvimento das plantas e na produção de princípios ativos. Plantas produtoras de alcalóides, quando em baixas altitudes, apresentam maior teor de princípios ativos, possivelmente devido a maior atividade metabólica em virtude das temperaturas maiores. Outras plantas, e, altitudes maiores, tem um aumento de produção de carboidratos e glicosídeos, pois a maior intensidade luminosa estimula a fotossíntese. Latitude Teoricamente plantas cultivadas em latitudes equivalentes (norte e sul),tenderiam a ter o mesmo comportamento em relação ao desenvolvimento, época de floração e teor de princípios ativos. Contudo, estudos demonstram que plantas cultivadas em latitudes sul, são mais ricas em alcalóides que as cultivadas em latitude norte equivalente. Tais diferenças estão relacionadas com a inclinação da Terra e a influência das correntes marítimas sobre a temperatura. Solo É necessário o estudo correto do solo, para corrigir sua acidez e fornecer nutrientes para o cultivo adequado de cada espécie de planta medicinal. Essa correção pode ser feita por diversos tipos de adubação a se saber: a)Química: o uso de adubos químicos deve ser restrito a suprir deficiências de nutrientes no solo. b)Orgânica: Adubo orgânico é todo produto proveniente da decomposição de resíduos de origem vegetal, animal, urbano ou industrial, que apresente elevados teores de componentes orgânicos – compostos de carbono degradáveis- e que vai constituir a parte orgânica do solo: o húmus. Os adubos orgânicos mais utilizados são:  Estercos animais: dejetos sólidos e líquidos de animais domésticos que são curtidos e então utilizados como adubos;  Restos de cultura: restos de cultura do plantio anterior e que permanecem na área cultivada podem ser incorporados ou mantidos como cobertura morta.  Húmus de minhoca: ainda não é largamente utilizado devido a sua pouca divulgação,porém representa uma opção altamente interessante, pois é um adubo orgânico muito rico em nutrientes;  Composto orgânico: obtido a partir do lixo, restos de culturas e dejetos animais;  Adubação verde: são vegetais que, plantados no local da cultura desejada, tem sua massa verde incorporada ao solo, melhorando-o em diversos aspectos, inclusive nutricionais. Colheita É importante que a colheita seja feita no estágio de maior teor de princípios ativos, que varia com o estágio de desenvolvimento de cada espécie. Por exemplo: a extração de óleos essenciais das mentas deve ser feita em plena floração, já a maior concentração de princípios ativos da babosa é no verão.
  • 3. A hora do dia em que se faz a colheita também influi na qualidade do material. Conforme o tipo dos princípios ativos, há uma variação durante o dia no seu teor. Por exemplo: o teor de alcalóides e óleos essenciais é maior no período da manhã, já o teor de glicosídeos é maior no período da tarde. A colheita deve ser feita com tempo seco e após a seca do orvalho. Também não se recomenda a colheita logo após um período de chuvas prolongadas, pois o teor de princípios ativos pode diminuir em função do aumento do teor de umidade da planta. Além disso, esse aumento de umidade dificultará a secagem e aumentará a possibilidade de aparecimento de fungos no produto. Depois de colhido, o material deverá ser transportado rapidamente para o local de beneficiamento, e nesse processo, o material deverá ser protegido do sol, para evitar fermentação e degradação. Beneficiamento adequado A secagem tem por finalidade reduzir a ação das enzimas pela desidratação, permitindo a conservação das plantas por mais tempo. Além disso, a eliminação da água aumenta o percentual de princípios ativos em relação ao peso. O processo de secagem deve iniciar no mesmo dia da colheita. O local deve ser bem ventilado e protegido da poeira e de insetos ou outros animais. Deve ser feita em galpões próprios para essa finalidade, à temperatura ambiente ou com ar aquecido. Armazenagem apropriada Cada planta deve ser armazenada em embalagem própria, devidamente identificada com o nome da espécie, parte colhida, data da colheita e do término da secagem, e nome do produtor.