Biorremediação - Melhoramento Genético

1.982 visualizações

Publicada em

Quando ouvimos sobre as descobertas provenientes do uso de técnicas da biotecnologia, imaginamos organismos modificados geneticamente, seres transgênicos, animais ou plantas clonadas e inúmeras outras situações de acordo com o posicionamento a respeito do tema. Entre tantas possibilidades do incremento do uso da biotecnologia associada a seres vivos para a resolução de problemas, a biorremediação tem ganhado destaque atualmente.

Biorremediação consiste no uso de microrganismos ou plantas para a limpeza ou descontaminação de áreas ambientais afetadas por poluentes diversos. Antigamente, as soluções encontradas para a reconstituição das áreas afetadas consistiam na coleta e retirada de material contaminado sem saber que destino dar a ele. Essa prática, além de cara e perigosa, ocasionava outro problema, o risco de contaminação de outra área durante o transporte do material ou sua deposição em local provisório.

Outra ação promovida até nos dias atuais é o processo de esquecimento, isolando a área contaminada e aguardando que a natureza naturalmente decomponha as toxinas e promova sua limpeza. Seria como se isolássemos doentes em um galpão e esses só pudessem sair do local após estarem curados, sem que nenhuma intervenção fosse feita para isso. Uma situação irresponsável!

Desastres ambientais como liberação de petróleo no mar ou em rios, vazamento em postos de combustíveis que atingiram o lençol freático, contaminação das águas e do solo por substâncias tóxicas, ocorrência de esgoto e de lixões, dentre várias outras situações comuns que são ocasionadas pelo crescimento da atividade humana, são passíveis de terem suas consequências minimizadas pelo uso da técnica da biorremediação.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Biorremediação - Melhoramento Genético

  1. 1. BIORREMEDIAÇÃO Universidade de Pernambuco – UPE Campus III
  2. 2. CONCEITOS DE BIORREMEDIAÇÃO Processo de tratamento que utiliza ocorrência natural de microrganismos para degradar substâncias toxicamente perigosas em substâncias menos ou não tóxicas. Estratégia ou processo que emprega microrganismos para destoxificar contaminantes no solo e cursos de água. Processo ou estratégia que busca descontaminar o solo ou outros ambientes contaminados, fazendo uso de microrganismos (fungos, bactérias etc.).
  3. 3. OBJETIVO E BENEFÍCIO DA BIORREMEDIAÇÃO Inocular o solo com microorganismos com capacidade de metabolizar resíduos tóxicos propocionando maior segurança e menos pertubações ao meio ambiente.
  4. 4. TIPOS E ESTRATÉGIAS PARA BIORREMEDIAÇÃO DO SOLO PASSIVA Consiste na degradação natural pelos microrganismos indígenas do solo. BIOESTIMULADORA Consiste na adição de nutrientes como N e P para estimular os microrganismos indígenas, aumentando sua população. Promove o aumento da atividade metabólica na degradação de contaminantes.
  5. 5. BIOVENTILAÇÃO É uma forma de bioestimulação por meio da adição de gases estimulantes, como O2 e CH4, para aumentar a atividade microbiana decompositora.
  6. 6.  BIOAUMENTAÇÃO  Consiste na misturas específicas de microrganismos em ambientes contaminados para iniciar o processo da biorremediação. É a inoculação do local contaminado com microrganismos selecionados para degradação do contaminante.  
  7. 7. BIORREMEDIÇÃO IN SITU Visa tratar o solo no local de contaminação, com introdução de oxigênio, nutrientes e microrganismos em galerias e poços de infiltração.
  8. 8. BIORREMEDIÇÃO EX SITU O resíduo a ser tratado é transportado a outro local. Não correndo riscos de danos ao meio ambiente. O processo se inicia com a redistribuição do solo em camadas e irrigado com nutrientes e bactérias. Há controle rigoroso da lixiviação e escoamento superficial do material contaminado o que não ocorre no Iandfarming sendo, portanto, mais seguro e próprio para tratamento de solos contaminados.
  9. 9. CONTAMINANTES E ESPÉCIES DE MICRORGANISMOS PARA A BIORREMEDIAÇÃO Contaminantes Anéis Aromáticos Cádmio Cobre Cromo Enxofre Petróleo Espécie Utilizada Pseudomonas,Achromobact, Bacillus, Arthrobacter, Penicillum, Aspergillus, Fusarium, Phanerocheate. Staphlococcus, Bacillus, Pseudomonas, Citrobacter, Klebsiella, Rhodococcus Escherichia, Pseudomonas Alcaligenes, Pseudomonas Thiobacillus Pseudomonas, Proteus, Bacillus, Penicillum, Cunninghamella
  10. 10. TOXICANTES ORGÂNICOS DE MAIOR RELEVÂNCIA AMBIENTAL Hidrocarbonetos aromáticos policíclicos (HPA`s) Hidrocarbonetos de petróleo (BTX) Metil ter-butil éter (MTBE) Organoclorados: Dioxinas, Furanos, DDT, PCB e Pesticidas
  11. 11. VANTAGENS DA BIORREMEDIAÇÃO Mais barato que os tratamentos convencionais. Aplicável a uma grande variedade de contaminantes De grande aceitação pública Não utiliza água natural tratada, não se remove os compostos atóxicos da água, Não interfere nas operações que já estão sendo realizadas, podendo ser utilizado em locais de difícil acesso.
  12. 12. VANTAGENS DA BIORREMEDIAÇÃO Pode ser usada (in situ) reduzindo possibilidades de contaminação para os trabalhadores. Os microrganismos agem na redução dos contaminantes de petróleo transformando-os em subprodutos menos nocivos ao meio ambiente.
  13. 13. DESVANTAGENS DA BIORREMEDIAÇÃO Não é uma solução imediata. Os locais a serem tratados devem estar preparados para suportar a ação dos microorganismos.
  14. 14. FITORREMEDIAÇÃO Processo em que se emprega plantas para descontaminar solos e água. Descontaminação de água de chuveiro e cozinha. As plantas filtram os solutos dissolvidos na água.
  15. 15. MECANISMOS DA FITORREMEDIAÇÃO Fitoestabilização- os contaminantes orgânicos ou inorgânicos são incorporados à lignina da parede vegetal. Fitoestimulação-as raízes em crescimento promovem a proliferação de microrganismos. Fitovolatização- íons (mercúrio, selênio e arsênio), são absorvidos pelas raízes. Fitodegradação- os contaminantes orgânicos são degradados ou mineralizados.
  16. 16. MECANISMOS DA FITORREMEDIAÇÃO Rizofiltração- usa-se plantas terrestres para absorver, concentrar e/ou precipitar os contaminantes de um meio aquoso. Barreiras Hidráulicas- usa-se árvores de grande porte, particularmente aquelas com raízes profundas. Fitoextração - Envolve a absorção do contaminante pelas raízes, os quais são nelas armazenados ou são transportados e acumulados nas partes aéreas. É aplicada principalmente para metais.
  17. 17. ESPÉCIES VEGETAIS BRASILEIRAS UTILIZADAS NA FITORREMEDIAÇÃO Feijão-de-porco (Canavalia ensiformis) Milheto (Pennsetum glaucun) Mucuna-nã (Estizolobium duringianum) Mucuna-preta (Estizolobium eterrinun)
  18. 18. FITORREMEDIAÇÃO EM LAGOS
  19. 19. PLANTAS AQUÁTICAS UTILIZADAS NA FITORREMEDIAÇÃO Typha angustifolia Taboa Juncus acutus junco agudo Iris pseudacorus lírio amarelo Cyperus longus junça-longa Scirpus holoschoenus Phragmites australis caniço
  20. 20. TRATAMENTO DE ÁGUA COM AGUAPÉ O aguapé, Eichhornia crassipes tem sido a hidrófita mais estudada para o tratamento de água com plantas.
  21. 21. TRATAMENTO DE CHORUME POR FITORREMEDIAÇÃO
  22. 22. VANTAGENS DA FITORREMEDIAÇÃO Investimento e custos de operação baixos; Aplicável in situ; Aplica-se a uma grande variedade de poluentes; Aplicável em grande escala; Bem aceite socialmente.
  23. 23. DESVANTAGENS DA FITORREMEDIAÇÃO O crescimento das plantas depende: da estação, clima e solo; Resultados lentos; A concentração de substâncias contaminantes, pode ser tóxica incapaz de reduzir 100% a concentração do poluente; Aplica-se apenas à superfície do solo ou a águas superficiais.
  24. 24. A BIORREMEDIAÇÃO É UMA ALTERNATIVA ECOLOGICAMENTE CORRETA DO PONTO DE VISTA DA DESTINAÇÃO FINAL DE RESÍDUOS E REJEITOS. MAS ... MELHOR QUE A BIORREMEDIÇÃO É A PREVENÇÃO.
  25. 25. Equipe: Bruno Djvan Henrique Bernardino Mauritsstad de Souza Rodrigo Moura Valéria Amorim
  26. 26. OBRIGADO!!!

×