SlideShare uma empresa Scribd logo
Jogos Olímpicos
   Marco inicial da hospedagem, para a maioria dos
  autores, os Jogos Olímpicos foram de imensurável
importância ao desenvolvimento do Turismo Mundial.
Na Grécia Antigas, visitantes de várias localidades iam à
Olímpia assistir aos jogos Olímpicos, competições essas
                   que duravam dias.
   Para esses eventos, foram construídos o estádio
    e o pódio, onde se homenageavam os
    vencedores e ficava a chama olímpica. Mais
    tarde foram acrescentados os balneários e uma
    hospedaria, com cerca de 10 mil metros
    quadrados, com o objetivo de abrigar os
    visitantes. Essa hospedaria teria sido o
    primeiro hotel que se tem notícia.
A história da hotelaria
   Para que haja uma hospedagem é necessário que haja
    primeiro um deslocamento. Baseando-se nesse
    conceito, muitos autores identificam os grandes
    deslocamentos do Povo Romano como outro marco
    de extrema importância para o desenvolvimento dos
    meios de hospedagem.
                     Centum Cellas - Portugal
   Outros fatos históricos que influenciaram muito no
    desenvolvimento da Hotelaria e da hospedagem foram as
    cruzadas, guerras essas que ocorreram entre territórios
    dominados pela Igreja Católica e territórios dominados pela
    religião Islâmica. Depois de séculos de guerras, as religiões
    começaram a recuperar os lugares santos com objetivo de
    proteção de peregrinos. Esses locais eram chamados de
    hospitais, "Esse fato propiciou a fundação de hospitais (cuja
    raiz latina é hospes, que significa hóspede), que se
    multiplicaram posteriormente entre os povos ocidentais da
    Europa." .
    Inicialmente esses Hospitais, que abrigavam velhos,
    enfermeiros e peregrinos, não possuíam fins lucrativos. Mas
    com o passar dos anos os hospitais (que eram, muitas vezes
    mosteiros) passaram a cobrar para estadia dessas pessoas.
    Muitos desses mosteiros até os dias de hoje são meios de
    hospedagem muito utilizados e visitados, principalmente na
    Europa Ocidental.
CRAC DOS CAVALEIROS




Fica na Síria perto da fronteira do
Líbano. Foi uma das grandes senão a
maior fortaleza dos Cruzados na
Terra Santa, um castelo dos
Hospitalários que tinha, no seu
apogeu, uma guarnição de 2,000
homens.
   Os primeiros estabelecimentos de hospedagem com
    o propósito exclusivamente comercial surgiram no
    final da Idade Média na Europa. Eram as tabernas e
    as pousadas.
   As pousadas eram públicas com fins lucrativos,
    localizadas em povoados onde se ofereciam
    alimentos, bebidas e albergues a viajantes, cavaleiros
    e carruagens.
   As tabernas tinham o mesmo objetivo das pousadas,
    mas geralmente estavam localizadas nas estradas ou
    fora dos povoados, a uma distância que poderia ser
    percorrida a cavalo durante o dia.
   ...tinham o mesmo objetivo das pousadas, mas
    geralmente estavam localizadas nas estradas ou fora
    dos povoados, a uma distância que poderia ser
    percorrida a cavalo durante o dia.
                              Gralheira é uma freguesia
                              portuguesado concelho de Cinfães,
                              distrito de Viseu, situada em
                              plena serra de Montemuro
   ... eram públicas com fins lucrativos,
    localizadas em povoados onde se ofereciam
    alimentos, bebidas e albergues a viajantes,
    cavaleiros e carruagens.
No século XII, as viagens na Europa voltavam a
 se tornar mais seguras, e rapidamente as
 hospedarias se estabeleceram ao longo das
 estradas. Aos poucos, diversos países
 implantavam leis e normas para regulamentar
 a atividade hoteleira, especialmente a França e
 a Inglaterra. A França, por exemplo, já
 dispunha de leis reguladoras dos
 estabelecimentos e serviços hoteleiros no ano
 de 1254 (século XIII), enquanto na Inglaterra
 isso aconteceu em 1446 (século XV).
No ano de 1514 (século XVI), os hoteleiros de
 Londres foram reconhecidos legalmente,
 passando de hostelers (hospedeiros) para
 innholders (hoteleiros).
A história da hotelaria
A história da hotelaria
Na medida em que foram construídas estradas de
rodagem e ferrovias que ligavam os grandes centros às
cidades portuárias, houve um grande aumento na
quantidade de hotéis, principalmente nessas cidades
portuárias. Ex: Bergen-Noruega
   Cesar Ritz é considerado pai da hotelaria moderna.
    Desde muito jovem ocupou todos os postos de
    trabalho possíveis em um hotel até chegar a gerente
    de um dos maiores hotéis de seu tempo. Melhorou
    todos os serviços do hotel, criou a figura do
    somellier, introduziu o banheiro nas unidades
    habitacionais (UHs) criando as suítes,
    revolucionando a administração. (Converteu os
    hotéis decadentes nos melhores da Europa, o que lhe
    gerou o pseudônimo de “mago”)
A história da hotelaria
A história da hotelaria
A história da hotelaria
A história da hotelaria
A história da hotelaria
A história da hotelaria

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O sistema de reservas
O sistema de reservasO sistema de reservas
O sistema de reservas
Claudia Célia Barbosa
 
Qualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoQualidade em destino turístico
Qualidade em destino turístico
Karyn XP
 
78258936 reservas-e-recepcao
78258936 reservas-e-recepcao78258936 reservas-e-recepcao
78258936 reservas-e-recepcao
Sidinei Da Silva Vidal
 
Operadores turísticos
Operadores turísticosOperadores turísticos
Operadores turísticos
Lua Soriano
 
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1   conceitos e fundamentos do turismoMódulo 1   conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
Raquel Melo
 
27674868 recepcao-hoteleira
27674868 recepcao-hoteleira27674868 recepcao-hoteleira
27674868 recepcao-hoteleira
Edilson Faria Lima
 
1708
17081708
1708
Pelo Siro
 
Módulo 10
Módulo 10Módulo 10
Módulo 10
Carlos Serra
 
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Aristides Faria
 
Planejamento e estrutura Hoteleira
Planejamento e estrutura HoteleiraPlanejamento e estrutura Hoteleira
Planejamento e estrutura Hoteleira
Marcos Alves
 
Historia do Turismo
Historia do TurismoHistoria do Turismo
Historia do Turismo
Alexandre Fernandes
 
Módulo 7 IAT
Módulo 7 IATMódulo 7 IAT
Módulo 7 IAT
Daniela Ramalho
 
TIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turisticoTIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turistico
teresam15
 
Housekeeping na Hotelaria
Housekeeping na HotelariaHousekeeping na Hotelaria
Housekeeping na Hotelaria
th2
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
abarros
 
01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
cursotiat
 
Produto Turistico
Produto TuristicoProduto Turistico
Produto Turistico
juliannigaby
 
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaModulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Carla Canhoto
 
Módulo+8 iat
Módulo+8   iatMódulo+8   iat
Módulo+8 iat
Tania Morais Morais
 
Tcat
TcatTcat
Tcat
Karyn XP
 

Mais procurados (20)

O sistema de reservas
O sistema de reservasO sistema de reservas
O sistema de reservas
 
Qualidade em destino turístico
Qualidade em destino turísticoQualidade em destino turístico
Qualidade em destino turístico
 
78258936 reservas-e-recepcao
78258936 reservas-e-recepcao78258936 reservas-e-recepcao
78258936 reservas-e-recepcao
 
Operadores turísticos
Operadores turísticosOperadores turísticos
Operadores turísticos
 
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1   conceitos e fundamentos do turismoMódulo 1   conceitos e fundamentos do turismo
Módulo 1 conceitos e fundamentos do turismo
 
27674868 recepcao-hoteleira
27674868 recepcao-hoteleira27674868 recepcao-hoteleira
27674868 recepcao-hoteleira
 
1708
17081708
1708
 
Módulo 10
Módulo 10Módulo 10
Módulo 10
 
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
Fundamentos do Turismo (I): aulas 12 a 14
 
Planejamento e estrutura Hoteleira
Planejamento e estrutura HoteleiraPlanejamento e estrutura Hoteleira
Planejamento e estrutura Hoteleira
 
Historia do Turismo
Historia do TurismoHistoria do Turismo
Historia do Turismo
 
Módulo 7 IAT
Módulo 7 IATMódulo 7 IAT
Módulo 7 IAT
 
TIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turisticoTIAT - acolhimento turistico
TIAT - acolhimento turistico
 
Housekeeping na Hotelaria
Housekeeping na HotelariaHousekeeping na Hotelaria
Housekeeping na Hotelaria
 
Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia Tipos de turismo - Geografia
Tipos de turismo - Geografia
 
01 Conceitos Turismo
01    Conceitos  Turismo01    Conceitos  Turismo
01 Conceitos Turismo
 
Produto Turistico
Produto TuristicoProduto Turistico
Produto Turistico
 
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportivaModulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
Modulo 9-otet-empresasnimturdesportiva
 
Módulo+8 iat
Módulo+8   iatMódulo+8   iat
Módulo+8 iat
 
Tcat
TcatTcat
Tcat
 

Semelhante a A história da hotelaria

Metrô 2
Metrô 2Metrô 2
Brevehistoricodoturismoedahotelaria
BrevehistoricodoturismoedahotelariaBrevehistoricodoturismoedahotelaria
Brevehistoricodoturismoedahotelaria
Gabriela Otto
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
Carla Cristina
 
520
520520
Roteiro visita2
Roteiro visita2Roteiro visita2
Roteiro visita2
correia1234
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
Carla Freitas
 
Aula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos Tempos
Aula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos TemposAula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos Tempos
Aula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos Tempos
Karin Freitas
 
Tiago Morais
Tiago MoraisTiago Morais
Tiago Morais
saladosgatinhos5
 
FICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMOFICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMO
abarros
 
2 navegacoes
2 navegacoes2 navegacoes
2 navegacoes
Paulo Alexandre
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
cattonia
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos
 
As cidades medievais: comércio e cultura no Mediterrâneo
As cidades medievais: comércio e cultura no MediterrâneoAs cidades medievais: comércio e cultura no Mediterrâneo
As cidades medievais: comércio e cultura no Mediterrâneo
Alícia Saad
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
arqueomike
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
Vinicius Yamachita
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
Henrique Tobal Jr.
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
carloshistoriador
 
Ô GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTER
Ô GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTERÔ GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTER
Ô GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTER
Maria Claudia Pompeo
 
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Artur Filipe dos Santos
 
Património Histórico CP
Património Histórico CPPatrimónio Histórico CP
Património Histórico CP
EFA NS BALTAR
 

Semelhante a A história da hotelaria (20)

Metrô 2
Metrô 2Metrô 2
Metrô 2
 
Brevehistoricodoturismoedahotelaria
BrevehistoricodoturismoedahotelariaBrevehistoricodoturismoedahotelaria
Brevehistoricodoturismoedahotelaria
 
Mudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismoMudanças no feudalismo
Mudanças no feudalismo
 
520
520520
520
 
Roteiro visita2
Roteiro visita2Roteiro visita2
Roteiro visita2
 
Transformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiiiTransformações séc. xii e xiii
Transformações séc. xii e xiii
 
Aula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos Tempos
Aula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos TemposAula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos Tempos
Aula Nr 1 - Introdução a GHO - A Viagem Através dos Tempos
 
Tiago Morais
Tiago MoraisTiago Morais
Tiago Morais
 
FICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMOFICHA DE LEITURA - TURISMO
FICHA DE LEITURA - TURISMO
 
2 navegacoes
2 navegacoes2 navegacoes
2 navegacoes
 
A cultura da catedral contexto
A cultura da catedral   contextoA cultura da catedral   contexto
A cultura da catedral contexto
 
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos GaiteirosArtur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
Artur Filipe dos Santos - A Capela dos Reis Magos ou dos Gaiteiros
 
As cidades medievais: comércio e cultura no Mediterrâneo
As cidades medievais: comércio e cultura no MediterrâneoAs cidades medievais: comércio e cultura no Mediterrâneo
As cidades medievais: comércio e cultura no Mediterrâneo
 
Rota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - SagresRota al-Mutamid - Sagres
Rota al-Mutamid - Sagres
 
América Portuguesa
América PortuguesaAmérica Portuguesa
América Portuguesa
 
As grandes navegações
As grandes navegaçõesAs grandes navegações
As grandes navegações
 
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptxExpansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
Expansão Marítima e Comercial Europeia.pptx
 
Ô GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTER
Ô GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTERÔ GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTER
Ô GLÓRIA! – HISTÓRIA, CULTURA, BOEMIA E PAISAGENS (PARTE 1) _ O CLUSTER
 
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...Património cultural   o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
Património cultural o caminho de santiago aula 3 - artur filipe dos santos ...
 
Património Histórico CP
Património Histórico CPPatrimónio Histórico CP
Património Histórico CP
 

Mais de Fatima Brambilla

Somos todos macacos
Somos todos macacosSomos todos macacos
Somos todos macacos
Fatima Brambilla
 
Gafes
GafesGafes
Trio elétrico
Trio elétricoTrio elétrico
Trio elétrico
Fatima Brambilla
 
Hoteis estranhos
Hoteis estranhosHoteis estranhos
Hoteis estranhos
Fatima Brambilla
 
Enxoval de hotel
Enxoval de hotelEnxoval de hotel
Enxoval de hotel
Fatima Brambilla
 
Maior menor recargado
Maior   menor  recargadoMaior   menor  recargado
Maior menor recargado
Fatima Brambilla
 
Estar
EstarEstar
Estadios
EstadiosEstadios
Facebook
FacebookFacebook
Familia
FamiliaFamilia
Fonetica
FoneticaFonetica
Corpo humano powe
Corpo humano poweCorpo humano powe
Corpo humano powe
Fatima Brambilla
 
Carnaval rio
Carnaval rioCarnaval rio
Carnaval rio
Fatima Brambilla
 
Novos países
Novos paísesNovos países
Novos países
Fatima Brambilla
 
Fazer
FazerFazer
Pequeño #
Pequeño #Pequeño #
Pequeño #
Fatima Brambilla
 
Bandera de uruguay
Bandera de uruguayBandera de uruguay
Bandera de uruguay
Fatima Brambilla
 
O povo uruguaio
O povo uruguaioO povo uruguaio
O povo uruguaio
Fatima Brambilla
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
Fatima Brambilla
 
Carnaval rio
Carnaval rioCarnaval rio
Carnaval rio
Fatima Brambilla
 

Mais de Fatima Brambilla (20)

Somos todos macacos
Somos todos macacosSomos todos macacos
Somos todos macacos
 
Gafes
GafesGafes
Gafes
 
Trio elétrico
Trio elétricoTrio elétrico
Trio elétrico
 
Hoteis estranhos
Hoteis estranhosHoteis estranhos
Hoteis estranhos
 
Enxoval de hotel
Enxoval de hotelEnxoval de hotel
Enxoval de hotel
 
Maior menor recargado
Maior   menor  recargadoMaior   menor  recargado
Maior menor recargado
 
Estar
EstarEstar
Estar
 
Estadios
EstadiosEstadios
Estadios
 
Facebook
FacebookFacebook
Facebook
 
Familia
FamiliaFamilia
Familia
 
Fonetica
FoneticaFonetica
Fonetica
 
Corpo humano powe
Corpo humano poweCorpo humano powe
Corpo humano powe
 
Carnaval rio
Carnaval rioCarnaval rio
Carnaval rio
 
Novos países
Novos paísesNovos países
Novos países
 
Fazer
FazerFazer
Fazer
 
Pequeño #
Pequeño #Pequeño #
Pequeño #
 
Bandera de uruguay
Bandera de uruguayBandera de uruguay
Bandera de uruguay
 
O povo uruguaio
O povo uruguaioO povo uruguaio
O povo uruguaio
 
O povo brasileiro
O povo brasileiroO povo brasileiro
O povo brasileiro
 
Carnaval rio
Carnaval rioCarnaval rio
Carnaval rio
 

A história da hotelaria

  • 1. Jogos Olímpicos Marco inicial da hospedagem, para a maioria dos autores, os Jogos Olímpicos foram de imensurável importância ao desenvolvimento do Turismo Mundial. Na Grécia Antigas, visitantes de várias localidades iam à Olímpia assistir aos jogos Olímpicos, competições essas que duravam dias.
  • 2. Para esses eventos, foram construídos o estádio e o pódio, onde se homenageavam os vencedores e ficava a chama olímpica. Mais tarde foram acrescentados os balneários e uma hospedaria, com cerca de 10 mil metros quadrados, com o objetivo de abrigar os visitantes. Essa hospedaria teria sido o primeiro hotel que se tem notícia.
  • 4. Para que haja uma hospedagem é necessário que haja primeiro um deslocamento. Baseando-se nesse conceito, muitos autores identificam os grandes deslocamentos do Povo Romano como outro marco de extrema importância para o desenvolvimento dos meios de hospedagem.  Centum Cellas - Portugal
  • 5. Outros fatos históricos que influenciaram muito no desenvolvimento da Hotelaria e da hospedagem foram as cruzadas, guerras essas que ocorreram entre territórios dominados pela Igreja Católica e territórios dominados pela religião Islâmica. Depois de séculos de guerras, as religiões começaram a recuperar os lugares santos com objetivo de proteção de peregrinos. Esses locais eram chamados de hospitais, "Esse fato propiciou a fundação de hospitais (cuja raiz latina é hospes, que significa hóspede), que se multiplicaram posteriormente entre os povos ocidentais da Europa." . Inicialmente esses Hospitais, que abrigavam velhos, enfermeiros e peregrinos, não possuíam fins lucrativos. Mas com o passar dos anos os hospitais (que eram, muitas vezes mosteiros) passaram a cobrar para estadia dessas pessoas. Muitos desses mosteiros até os dias de hoje são meios de hospedagem muito utilizados e visitados, principalmente na Europa Ocidental.
  • 6. CRAC DOS CAVALEIROS Fica na Síria perto da fronteira do Líbano. Foi uma das grandes senão a maior fortaleza dos Cruzados na Terra Santa, um castelo dos Hospitalários que tinha, no seu apogeu, uma guarnição de 2,000 homens.
  • 7. Os primeiros estabelecimentos de hospedagem com o propósito exclusivamente comercial surgiram no final da Idade Média na Europa. Eram as tabernas e as pousadas.  As pousadas eram públicas com fins lucrativos, localizadas em povoados onde se ofereciam alimentos, bebidas e albergues a viajantes, cavaleiros e carruagens.  As tabernas tinham o mesmo objetivo das pousadas, mas geralmente estavam localizadas nas estradas ou fora dos povoados, a uma distância que poderia ser percorrida a cavalo durante o dia.
  • 8. ...tinham o mesmo objetivo das pousadas, mas geralmente estavam localizadas nas estradas ou fora dos povoados, a uma distância que poderia ser percorrida a cavalo durante o dia. Gralheira é uma freguesia portuguesado concelho de Cinfães, distrito de Viseu, situada em plena serra de Montemuro
  • 9. ... eram públicas com fins lucrativos, localizadas em povoados onde se ofereciam alimentos, bebidas e albergues a viajantes, cavaleiros e carruagens.
  • 10. No século XII, as viagens na Europa voltavam a se tornar mais seguras, e rapidamente as hospedarias se estabeleceram ao longo das estradas. Aos poucos, diversos países implantavam leis e normas para regulamentar a atividade hoteleira, especialmente a França e a Inglaterra. A França, por exemplo, já dispunha de leis reguladoras dos estabelecimentos e serviços hoteleiros no ano de 1254 (século XIII), enquanto na Inglaterra isso aconteceu em 1446 (século XV). No ano de 1514 (século XVI), os hoteleiros de Londres foram reconhecidos legalmente, passando de hostelers (hospedeiros) para innholders (hoteleiros).
  • 13. Na medida em que foram construídas estradas de rodagem e ferrovias que ligavam os grandes centros às cidades portuárias, houve um grande aumento na quantidade de hotéis, principalmente nessas cidades portuárias. Ex: Bergen-Noruega
  • 14. Cesar Ritz é considerado pai da hotelaria moderna. Desde muito jovem ocupou todos os postos de trabalho possíveis em um hotel até chegar a gerente de um dos maiores hotéis de seu tempo. Melhorou todos os serviços do hotel, criou a figura do somellier, introduziu o banheiro nas unidades habitacionais (UHs) criando as suítes, revolucionando a administração. (Converteu os hotéis decadentes nos melhores da Europa, o que lhe gerou o pseudônimo de “mago”)