SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Doenças emergentes são consideradas aquelas cuja incidência em
humanos aumentou em nas últimas duas décadas ou cuja
incidência ameaça aumentar no futuro próximo.
O ressurgimento consiste no reaparecimento de uma doença
conhecida após uma diminuição significativa em seu incidência.
Os fatores causais relacionados ao surgimento de infecções
• Fatores demográficos e comportamentais.
• Fatores tecnológicos e industriais.
• Fatores derivados do desenvolvimento econômico e do uso da terra.
Comércio internacional.
• Adaptação e mudança de microrganismos.
• Políticas Públicas de Saúde.
• Ameças emergentes e reemergentes de
doenças infecciosas podem ser subdivididas
em
– Infecções agudas Respiratorias
– Doenças diarréicas
– Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses
– Outras:
Infecções agudas Respiratorias
• Metapneumovirus humano
– Descoberta em 2001 como causa de IRA pediatrica
• SARS-Cov – Sindrome de Dificuldade Respiratória
Severa
– Epidemia em 2002, Hong Kong, China, Taiwan, Canda,
Singapore
• MERS-Cov - Sindrome Respiratorio do Medio Oriente
• Gripe por H5N1
• Gripe por H1N1
• COVID-19: Coronavirus Disease 2019 causada por
SARS-Cov 2
Doenças diarréicas
• Salmonella species
• Shigella species
• Cryptoporidium parvum
• Vibrio cholerae O139
• E. coli O157-H7
Doenças Transmitidas por Vetores e
Zoonoses
• Dengue
– Venezuela, Colombia, Brazil, etc.
• West Nile Virus
– Descoberta em 1937
– Epidemias em Romenia, Russia, Israel, EUA, e
Canada
• Virus de Hendra e Virus de Nipah
– 1994 em Australia, epidemia em cavalos e seus
trainadores
HIV, Tuberculose e Malaria
• HIV
• Malária
• Resistência antimicrobiana
– Mycobacterium tuberculosis
– Staphylocccus aureus
– Enterococcus faecalis and E. faecium
– Streptococcus pneumoniae
– Neisseria gonorrhoeaea
Ebola
• As infecções por vírus Ebola originários da África
causar uma doença grave em humanos, a doença
do vírus Ebola (EVD)
• Em 1976, houve o primeiro surto de EVD no Zaire
(atual: a República Democrática do Congo),
• Existem cinco espécies do gênero Ebolavirus
(família Filoviridae) identificados em humanos e
primatas
– Ebolavirus do Zaire, Ebolavirus do Sudão, Ebolavirus
de Reston, Ebolavirus Floresta Tai e Ebolavirus
Bundibugyo
Ebola
• Vírus da Ebola é classificado como sendo
patógeno do nível de biossegurança 4 (BSL-4;
grupo de risco 4)
• Este vírus requere medidas especiais de
contenção e protecção de barreira, em
particular para os trabalhadores da saúde
• O mapa abaixo mostra a distribuição
geográfica dos surtos de Ebola 1976-2011 em
África
Ebola - Modo de transmissão
• Vírus Ebola é altamente transmissível por contato
direto com sangue contaminado, secreções,
tecidos, órgãos ou outros fluidos corporais de
mortos ou pessoas infectadas
• Transmissão por via aérea não tem sido
documentado
• Transmissão de pessoa a pessoa é considerada o
principal modo nos surtos em humanos,
independentemente de como o caso índice foi
infectado
Ebola - Modo de transmissão
Ebola - Risco de Exposição
Ebola - Risco de Exposição
• O hospedeiro natural de ebolaviruses, e modo
transmissão deste vírus para os seres humanos
permanecem desconhecidos
• Isso faz com que a avaliação de risco em áreas
endêmicas seja difícil
• Com expceção de alguns casos de contaminação
de laboratório (um na Inglaterra e dois na Rússia),
todos os casos de doença humana ou morte ter
ocorrido em África
Ebola - Quadro Clínico
• O período de incubação é geralmente 4-10
dias, mas pode variar de dois a 21 dias
• A letalidade para Ebolavirus de Zaire infecções
é estimado em entre 50% e 90%
• O início da EVD é súbito e sintomas iniciais
Ebola - Quadro Clínico
• Período Febril Inespecífico – I semana
–Febre, calafríos, artralgias, mialgia,
vómitos, diarreia, astenia, fadiga, cefaleia,
dor abdominal
• Período Febril Hemorrágico – Após a I
semana
–Sintomas do período anterior mais o
sangramento inexplicável
Ebola - Quadro Clínico
• Os pacientes no estágio final da doença
morrem com quadro clínico de taquipnéia,
anúria, choque hipovolêmico e falência de
múltiplos órgãos
Definição de Caso Ebola
• A definição de caso de ébola é composta por
criterios clínico, epidemiologicos e laboratoriais
• Critérios clínicos
– doença de início súbito, com os seguintes achados
clínicos:
– Uma febre> 40 ° C
– Um ou mais dos seguintes sinais ou sintomas:
• Cefaleia intensa, dor da garganta, mialgias, exantema
eritematosa maculopapular no tronco com
descamação fina 3 - 4 dias após o seu início, vómitos,
diarréia, dor abdominal, sangramento não relacionados
com lesão, Trombocitopenia
Definição de Caso Ebola
• Criterios (Ligação) Epidemiológicos
• Uma ou mais das seguintes exposições 3 semanas
antes do início dos sintomas:
– O contato com sangue ou outros fluidos corporais de
um paciente com vírus da Ébola (Caso confirmado)
– Residência em/ou viajar para uma área endêmica do
vírus da Ébola
– Trabalho num laboratório que processa amostras do
vírus da Ébola
– Exposição ao sémen de um caso confirmado de Ébola
na fase aguda ou convalescência 10 semanas antes de
início de sintomas
Definição de Caso Ebola
• Critérios laboratoriais para o diagnóstico
• Um ou mais dos seguintes resultados
laboratoriais:
– Detecção dos antígenos virais de Ébola no sangue por
enzyme linked Immunosorbent Assay (ELISA)
– Isolamento em cultura celular do vírus da Ébola no
sangue ou tecidos
– Detecção da sequência genética específica do vírus da
Ébola por transcrição reversa-reacção em cadeia da
polimerase (RT-PCR) no sangue ou tecidos
– Detecção de antígenos do vírus da Ébola em tecidos
por imuno-histoquímica
Hospital Temporário em Construção
em Africa Ocidental para Ebola
Ebola - Tratamento
• Tratamento standard para Ebola HF ainda é
limitado a terapia de suporte
• Este é constituído por:
– equilíbrio de fluidos e eletrólitos do paciente
– manter seu status de oxigênio e pressão arterial
– tratar para todas as infecções que complicam o
quadro clínico
Ebola - Prevenção
Ebola - Prevenção
• A prevenção de Ebola apresenta muitos
desafios.
• Porque ainda é desconhecido exatamente
como as pessoas estão infectadas com o vírus
Ebola HF
– são poucas as medidas de prevenção primária
estabelecidos.
Ebola - Prevenção
• Quando casos da doença aparecem, há
aumento do risco de transmissão dentro de
instituições de saúde
• Portanto, os profissionais de saúde devem ser
capazes de reconhecer um caso de Ebola
• Aplicar práticas de isolamento duma febre
hemorrágica viral ou técnicas de barreira da
enfermagem
Ebola - Prevenção
• Capacidade de solicitar exames de diagnóstico ou
preparar de amostras para transporte e teste em
outro lugar
• Técnicas de barreira de enfermagem incluem:
– uso de vestuário de protecção: máscaras, luvas, batas
e óculos
– o uso de medidas de controle de infecção:
esterilização de equipamentos completo e uso
rotineiro de desinfetante
– isolamento de pacientes Ebola do contato com as
pessoas desprotegidas
Ebola - Prevenção
• A finalidade da todas estas técnicas é de evitar o
contato com o sangue ou secreções de um
paciente infectado.
• Se um paciente com Ebola morre, é igualmente
importante que o contato direto com o corpo do
paciente falecido seja evitado
Virus de Zika
• O virus de Zika (VZ) causa doença do virus de
Zika e é transmitido pelo mosquito Aedes.
• O VZ foi descoberto em 1947 na floresta Zika
de Uganda
• Os primeiro casos da doença de VZ ocorreram
em 1952,
• Surtos de doença de VZ:
– Africa, Asia, Pacifico
Virus de Zika
• Maio de 2015 confirmados casos de doença
de VZ no Brazil
• Fevereiro de 2016, declarado pela OMS
emergência de saúde pública
• Sintomas comuns:
– Febre, erupção cutanea, mialigia, cefaleia,
artralgia e conjuntivitis
– Dias a uma semana depois da picada de mosquito
Aedes
Virus de Zika
Virus de Zika
Obrigado!

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a 7.Ameças emergentes e reemergentess de doenças infecciosas.pptx

Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
Dessa Reis
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
escola
 
Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008
galegoo
 

Semelhante a 7.Ameças emergentes e reemergentess de doenças infecciosas.pptx (20)

Doenças Infeciosas (Ébola) - Beatriz.pptx
Doenças Infeciosas (Ébola) - Beatriz.pptxDoenças Infeciosas (Ébola) - Beatriz.pptx
Doenças Infeciosas (Ébola) - Beatriz.pptx
 
ebola
 ebola ebola
ebola
 
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratóriaControle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
Controle Sanitário de Viajantes: doenças e agravos de transmissão respiratória
 
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptxMANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
MANEJO LABORATORIAL - TR COVID-19.pptx
 
Infecto contagiosas
Infecto contagiosasInfecto contagiosas
Infecto contagiosas
 
Ebola
EbolaEbola
Ebola
 
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdfCurso ACE - Arboviroses(1).pdf
Curso ACE - Arboviroses(1).pdf
 
Apresentação micróbios
Apresentação micróbiosApresentação micróbios
Apresentação micróbios
 
Tuberculose dots
Tuberculose dotsTuberculose dots
Tuberculose dots
 
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - InfectologiaEbola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
Ebola - 2019 - Alexandre Barbosa - Infectologia
 
Ebola.
Ebola.Ebola.
Ebola.
 
Sida
SidaSida
Sida
 
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumbaVaríola, rubéola, sarampo e caxumba
Varíola, rubéola, sarampo e caxumba
 
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
1.1Prevenção da Infeção_23_24.pptx
 
Trabalho de enfermagem - Grupo - Senac
Trabalho de enfermagem - Grupo - SenacTrabalho de enfermagem - Grupo - Senac
Trabalho de enfermagem - Grupo - Senac
 
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.pptFEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
FEBRE AMARELA - AULA 2 OK.ppt
 
Ebola - Biologia
Ebola - BiologiaEbola - Biologia
Ebola - Biologia
 
Tuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonarTuberculose pulmonar
Tuberculose pulmonar
 
Doencas em geral
Doencas em geralDoencas em geral
Doencas em geral
 
Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008Risco Ocupacional Elcio 2008
Risco Ocupacional Elcio 2008
 

7.Ameças emergentes e reemergentess de doenças infecciosas.pptx

  • 1.
  • 2. Doenças emergentes são consideradas aquelas cuja incidência em humanos aumentou em nas últimas duas décadas ou cuja incidência ameaça aumentar no futuro próximo. O ressurgimento consiste no reaparecimento de uma doença conhecida após uma diminuição significativa em seu incidência. Os fatores causais relacionados ao surgimento de infecções • Fatores demográficos e comportamentais. • Fatores tecnológicos e industriais. • Fatores derivados do desenvolvimento econômico e do uso da terra. Comércio internacional. • Adaptação e mudança de microrganismos. • Políticas Públicas de Saúde.
  • 3.
  • 4.
  • 5. • Ameças emergentes e reemergentes de doenças infecciosas podem ser subdivididas em – Infecções agudas Respiratorias – Doenças diarréicas – Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses – Outras:
  • 6. Infecções agudas Respiratorias • Metapneumovirus humano – Descoberta em 2001 como causa de IRA pediatrica • SARS-Cov – Sindrome de Dificuldade Respiratória Severa – Epidemia em 2002, Hong Kong, China, Taiwan, Canda, Singapore • MERS-Cov - Sindrome Respiratorio do Medio Oriente • Gripe por H5N1 • Gripe por H1N1 • COVID-19: Coronavirus Disease 2019 causada por SARS-Cov 2
  • 7. Doenças diarréicas • Salmonella species • Shigella species • Cryptoporidium parvum • Vibrio cholerae O139 • E. coli O157-H7
  • 8. Doenças Transmitidas por Vetores e Zoonoses • Dengue – Venezuela, Colombia, Brazil, etc. • West Nile Virus – Descoberta em 1937 – Epidemias em Romenia, Russia, Israel, EUA, e Canada • Virus de Hendra e Virus de Nipah – 1994 em Australia, epidemia em cavalos e seus trainadores
  • 9. HIV, Tuberculose e Malaria • HIV • Malária • Resistência antimicrobiana – Mycobacterium tuberculosis – Staphylocccus aureus – Enterococcus faecalis and E. faecium – Streptococcus pneumoniae – Neisseria gonorrhoeaea
  • 10. Ebola • As infecções por vírus Ebola originários da África causar uma doença grave em humanos, a doença do vírus Ebola (EVD) • Em 1976, houve o primeiro surto de EVD no Zaire (atual: a República Democrática do Congo), • Existem cinco espécies do gênero Ebolavirus (família Filoviridae) identificados em humanos e primatas – Ebolavirus do Zaire, Ebolavirus do Sudão, Ebolavirus de Reston, Ebolavirus Floresta Tai e Ebolavirus Bundibugyo
  • 11. Ebola • Vírus da Ebola é classificado como sendo patógeno do nível de biossegurança 4 (BSL-4; grupo de risco 4) • Este vírus requere medidas especiais de contenção e protecção de barreira, em particular para os trabalhadores da saúde • O mapa abaixo mostra a distribuição geográfica dos surtos de Ebola 1976-2011 em África
  • 12.
  • 13. Ebola - Modo de transmissão • Vírus Ebola é altamente transmissível por contato direto com sangue contaminado, secreções, tecidos, órgãos ou outros fluidos corporais de mortos ou pessoas infectadas • Transmissão por via aérea não tem sido documentado • Transmissão de pessoa a pessoa é considerada o principal modo nos surtos em humanos, independentemente de como o caso índice foi infectado
  • 14. Ebola - Modo de transmissão
  • 15. Ebola - Risco de Exposição
  • 16. Ebola - Risco de Exposição • O hospedeiro natural de ebolaviruses, e modo transmissão deste vírus para os seres humanos permanecem desconhecidos • Isso faz com que a avaliação de risco em áreas endêmicas seja difícil • Com expceção de alguns casos de contaminação de laboratório (um na Inglaterra e dois na Rússia), todos os casos de doença humana ou morte ter ocorrido em África
  • 17. Ebola - Quadro Clínico • O período de incubação é geralmente 4-10 dias, mas pode variar de dois a 21 dias • A letalidade para Ebolavirus de Zaire infecções é estimado em entre 50% e 90% • O início da EVD é súbito e sintomas iniciais
  • 18. Ebola - Quadro Clínico • Período Febril Inespecífico – I semana –Febre, calafríos, artralgias, mialgia, vómitos, diarreia, astenia, fadiga, cefaleia, dor abdominal • Período Febril Hemorrágico – Após a I semana –Sintomas do período anterior mais o sangramento inexplicável
  • 19. Ebola - Quadro Clínico • Os pacientes no estágio final da doença morrem com quadro clínico de taquipnéia, anúria, choque hipovolêmico e falência de múltiplos órgãos
  • 20.
  • 21. Definição de Caso Ebola • A definição de caso de ébola é composta por criterios clínico, epidemiologicos e laboratoriais • Critérios clínicos – doença de início súbito, com os seguintes achados clínicos: – Uma febre> 40 ° C – Um ou mais dos seguintes sinais ou sintomas: • Cefaleia intensa, dor da garganta, mialgias, exantema eritematosa maculopapular no tronco com descamação fina 3 - 4 dias após o seu início, vómitos, diarréia, dor abdominal, sangramento não relacionados com lesão, Trombocitopenia
  • 22. Definição de Caso Ebola • Criterios (Ligação) Epidemiológicos • Uma ou mais das seguintes exposições 3 semanas antes do início dos sintomas: – O contato com sangue ou outros fluidos corporais de um paciente com vírus da Ébola (Caso confirmado) – Residência em/ou viajar para uma área endêmica do vírus da Ébola – Trabalho num laboratório que processa amostras do vírus da Ébola – Exposição ao sémen de um caso confirmado de Ébola na fase aguda ou convalescência 10 semanas antes de início de sintomas
  • 23. Definição de Caso Ebola • Critérios laboratoriais para o diagnóstico • Um ou mais dos seguintes resultados laboratoriais: – Detecção dos antígenos virais de Ébola no sangue por enzyme linked Immunosorbent Assay (ELISA) – Isolamento em cultura celular do vírus da Ébola no sangue ou tecidos – Detecção da sequência genética específica do vírus da Ébola por transcrição reversa-reacção em cadeia da polimerase (RT-PCR) no sangue ou tecidos – Detecção de antígenos do vírus da Ébola em tecidos por imuno-histoquímica
  • 24. Hospital Temporário em Construção em Africa Ocidental para Ebola
  • 25. Ebola - Tratamento • Tratamento standard para Ebola HF ainda é limitado a terapia de suporte • Este é constituído por: – equilíbrio de fluidos e eletrólitos do paciente – manter seu status de oxigênio e pressão arterial – tratar para todas as infecções que complicam o quadro clínico
  • 27. Ebola - Prevenção • A prevenção de Ebola apresenta muitos desafios. • Porque ainda é desconhecido exatamente como as pessoas estão infectadas com o vírus Ebola HF – são poucas as medidas de prevenção primária estabelecidos.
  • 28. Ebola - Prevenção • Quando casos da doença aparecem, há aumento do risco de transmissão dentro de instituições de saúde • Portanto, os profissionais de saúde devem ser capazes de reconhecer um caso de Ebola • Aplicar práticas de isolamento duma febre hemorrágica viral ou técnicas de barreira da enfermagem
  • 29. Ebola - Prevenção • Capacidade de solicitar exames de diagnóstico ou preparar de amostras para transporte e teste em outro lugar • Técnicas de barreira de enfermagem incluem: – uso de vestuário de protecção: máscaras, luvas, batas e óculos – o uso de medidas de controle de infecção: esterilização de equipamentos completo e uso rotineiro de desinfetante – isolamento de pacientes Ebola do contato com as pessoas desprotegidas
  • 30. Ebola - Prevenção • A finalidade da todas estas técnicas é de evitar o contato com o sangue ou secreções de um paciente infectado. • Se um paciente com Ebola morre, é igualmente importante que o contato direto com o corpo do paciente falecido seja evitado
  • 31. Virus de Zika • O virus de Zika (VZ) causa doença do virus de Zika e é transmitido pelo mosquito Aedes. • O VZ foi descoberto em 1947 na floresta Zika de Uganda • Os primeiro casos da doença de VZ ocorreram em 1952, • Surtos de doença de VZ: – Africa, Asia, Pacifico
  • 32. Virus de Zika • Maio de 2015 confirmados casos de doença de VZ no Brazil • Fevereiro de 2016, declarado pela OMS emergência de saúde pública • Sintomas comuns: – Febre, erupção cutanea, mialigia, cefaleia, artralgia e conjuntivitis – Dias a uma semana depois da picada de mosquito Aedes