SlideShare uma empresa Scribd logo
MORTE E VIDA NA ARENA ROMANA: A
CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA SOCIAL
CONTEMPORÂNEA*
Renata Senna Garraffoni**
Universidade Federal do Paraná – UFPR
resenna93@hotmail.com

Pedro Paulo A. Funari***
Universidade Estadual de Campinas – Unicamp
ppfunari@uol.com.br

RESUMO: Nos últimos anos, no contexto das discussões sobre o caráter heterogêneo e multifacetado das
sociedades, o estudo do mundo antigo tem passado por reflexões críticas aos modelos normativos, que
tendiam à homogeneidade e à ênfase no consenso social. O estudo dos espetáculos de vida e morte nas
arenas romanas mostrou-se campo de reflexão privilegiado para a crítica aos modelos normativos. A
partir de estudo de documentação arqueológica original, mostramos como morte e vida assumem
contornos pouco usuais, vistos à luz das reflexões epistemológicas recentes.
ABSTRACT: In the last few years, in the context of discussing the heterogeneous and varied character of
social life, the study of the ancient world has been submitted to a critical assessment of normative
interpretive models. These models were keen to emphasize homogeneity and social cohesion. The study
of Roman shows in the arena is a particularly good subject to criticize normative models. Studying
original archaeological evidence, we show how life and death can be interpreted through the lenses of
updated epistemological standpoints.
PALAVRAS-CHAVE: Gladiadores – Império Romano – Morte e Vida
KEYWORDS: Gladiators – Roman Empire – Life and Death

*

Este artigo, com algumas alterações, foi originalmente apresentado no III Seminário Internacional
Archai – Morte e vida às origens do Pensamento Antigo, realizado de 7 a 9 de dezembro de 2005, na
UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro).
Agradecemos aos organizadores do Seminário Internacional Archai, em particular ao Prof. Dr. Gabriele
Cornelli, assim como a Monique Clavel-Lévêque e a Richard Hingley. Agradecemos, ainda, o apoio
institucional do CNPq, FAPESP, NEE/UNICAMP, CPA/IFCH/UNICAMP, UFPR, Universidad de
Barcelona. A responsabilidade pelas idéias restringe-se aos autores.
**
Pesquisadora-Associada do Núcleo de Estudos Estratégicos (NEE/UNICAMP).
***
Coordenador-Associado do Núcleo de Estudos Estratégicos (NEE/UNICAMP), PesquisadorAssociado da Illinois State University e Universidad de Barcelona.
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

2

Introdução
Nas últimas décadas, a História tem passado por uma profunda revisão
epistemológica. A partir dos questionamentos dos anos de 1960, diversos intelectuais,
entre eles Michel Foucault, propuseram outras maneiras de se pensar e escrever a
História. Buscando métodos e fontes que pudessem manifestar a pluralidade das
relações sociais, estes estudiosos combateram a narrativa dos acontecimentos e
buscaram meios de se interpretar o cotidiano de diferentes camadas da população.
O estudo da Antigüidade Clássica não ficou alheio a estes acontecimentos.
Embora predomine entre os estudos clássicos uma perspectiva mais tradicional, ao
longo dos últimos anos, arqueólogos e historiadores, a partir de uma postura
interdisciplinar, têm procurado por caminhos alternativos para interpretar o passado
romano. Inspirados pela busca de perspectivas mais dinâmicas que sensibilizassem os
homens que os elementos do presente do pesquisador são fundamentais no processo de
escrita do passado, estes estudiosos têm propiciado um repensar do mundo antigo e
enfatizado a urgência de se rever os conceitos e modelos interpretativos para que seja
possível perceber a experiência de outros sujeitos históricos, além dos membros da elite
romana que esteve em cena por todos estes anos.
Neste sentido, a presente reflexão se insere em um contexto crítico da idéia de
neutralidade e da universalidade do conhecimento histórico. Dito de outra maneira
procuramos, nas páginas seguintes, caminhos alternativos para entender uma prática
comum aos romanos e que nos causa um profundo estranhamento: as lutas de
gladiadores. Para tanto, organizamos nossas reflexões em dois eixos principais. Em um
primeiro momento procuraremos apresentar uma discussão epistemológica sobre como
concebemos o conhecimento histórico para, em seguida, tratar do tema específico as
lutas de gladiadores e as concepções de vida e morte entre os romanos. Esta estratégia
possibilita uma reflexão teórico-metodológica evidenciando nossa preocupação em
construir modelos interpretativos mais fluidos que enfatizem as diferenças e as
descontinuidades. Iniciemos, então, com uma reflexão sobre a escrita da História.

A historiografia como parte da História
O estudo da História, com esse nome, começou com os gregos, quando
Heródoto de Halicarnasso dedicou-se a escrever suas pesquisas (em grego, historia)
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

3

sobre o conflito entre gregos e persas e suas origens mais remotas. Heródoto ligava o
presente ao passado de forma muito direta, em uma busca das causas dos embates entre
os povos mediterrâneos. A escrita da História, ou historiografia, constituiu-se como um
gênero literário, uma maneira elaborada de se tratar de eventos recentes e menos
recentes. Os historiadores antigos, mesmo quando afirmavam que desejam ser
imparciais, escrever sine ira et studio (sem raiva e sem amor), na famosa frase do
historiador romano Tácito, não deixavam de ressaltar que não era possível descrever, de
forma neutra, sem seus interesses subjetivos, o passado. Para esses historiadores, não
havia passado que não fosse ligado ao presente, prenhe de significado e lições, a
História magistra uitae (mestre da vida).
Toda essa tradição literária e subjetiva viria a ser questionada modernamente,
quando do surgimento da ciência positivista, no início do século XIX, com o início da
ciência histórica. Desde o século XVIII, o racionalismo e o iluminismo começavam a
revolucionar o cenário das universidades. Surgidas em plena Idade Média, serviam a
uma formação de cunho religioso cristão, católico ou protestante, universalista. A
História, gênero literário, era encarada sob o prisma de uma leitura literal do texto
bíblico, com a criação do mundo, Adão e Eva, o Dilúvio universal e a intervenção direta
de Deus na História. A revolução humanista em curso na passagem do século XVIII
para o XIX contrapunha-se a essa presença divina e procurava explicar a História pela
ação humana apenas. Em 1823, Leopold von Ranke definiu os termos dessa disciplina
nascente, a História, como aquele que busca os fatos verdadeiros, tais como eles
efetivamente aconteceram wie es eigentlich gewesen, na expressão que se tornou
clássica. A ênfase da famosa assertiva estava tanto no verbo “ser” (“aquilo que foi”),
como no advérbio eigentlich (“propriamente”), derivado da quintessência da
modernidade, o “próprio” (eigen), do qual deriva a noção mesma de “propriedade”
(Eigentum). O individual, próprio, como critério de existência, objetiva, do passado
adquiria importância decisiva.
Neste momento, o presente foi separado, radicalmente, do passado. O
historiador, neutro e distante, deveria restabelecer os fatos, as verdades, aquilo que
qualquer observador isento podia constatar como acontecimento. Essa segurança ficou
conhecida como ‘objetividade positivista’. Essa certeza na objetividade dos fatos
históricos relegaria o presente a uma mera contingência, um detalhe irrelevante ou
mesmo nocivo. Aquele que se debruça sobre o passado deveria despir-se de sua época,
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

4

imparcial observador. Essas posturas, ainda que nuançadas e modernizadas, continuam
a fazer-se sentir entre os historiadores.
Tudo que dizemos ou escrevemos sobre o passado é um discurso, uma
interpretação, no presente, mesmo quando pretendemos que nada fazemos, senão
recriarmos o que aconteceu.1 Ao positivismo, seguiu-se uma reação subjetivista, que
colocava no centro de qualquer visão sobre o passado o autor dessa visão, que vê de
determinada posição social, econômica, histórica, de gênero (homem, mulher). Seria
possível despir-se dessas subjetividades e descrever uma ‘verdadeira História’? Seria
possível sair do presente e ir direto ao passado? Parecem perguntas retóricas, mas estão
profundamente relacionadas com a maneira como encaramos a vida e a morte. A vida e
a morte não são somente fenômenos naturais, biológicos, mas revestem-se de
construções inseridas na História e na diversidade e heterogeneidade dos grupos sociais,
a cada momento em constante mutação. A História é uma construção, um discurso, com
autoria e há, assim, muitas histórias sobre a vida e a morte.

Subjetividades e identidades sociais: a variedade de vidas e mortes
Aristóteles, o filósofo grego do século IV a.C., considerava que o ser humano é
definido por viver em coletividade (“o homem é um animal político”, entendido político
como pertencente a uma cidade, polis). O mesmo Aristóteles utilizava-se do conceito de
comunidade (koinonia, em grego), para dizer que as pessoas partilhavam coisas comuns
(origens, língua, costumes, crenças) e, por isso, formavam uma comunidade. Essas
pessoas que compartilhavam um ethos (caráter, índole, costume) formulariam suas
próprias leis para que essa comunidade pudesse funcionar em ordem. A norma (nomos)
leva à ordem social (taxis) e, como toda regra tem exceção, o desrespeito à norma ou
sua ausência (anomia) leva à desordem (ataxia). Aristóteles tratava da vida e da morte,
em associação com a sujeição social, ao afirmar que “[...] o escravo é uma ferramenta
viva, e a ferramenta é um escravo sem vida. Não pode haver portanto amizade em
relação a um escravo enquanto escravo”. (ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco, 1161a)
Os conceitos de compartilhamento de valores viriam a ser importante também
em modelos interpretativos de nossa época e não cabe dúvida que sua influência
1

Sobre esta questão e sua repercussão no mundo antigo, confira, por exemplo, FUNARI, P. P. A. A
Antigüidade Clássica, a História e a Cultura a partir dos documentos. 3. ed. Campinas: Ed.
Unicamp, 2003; GARRAFFONI, R. S.; FUNARI, P. P. A. História Antiga na sala de aula. Campinas:
IFCH/UNICAMP, 2004.
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

5

continuaria mesmo em autores muito recentes.2 A vida associada à táxis, à rigidez da
estrutura social, enquanto a morte foi associada, muitas vezes, tanto à submissão como
ao desfecho de uma vida desonrosa. Vida e morte, pois, associadas à ordem social.
O estudo da sociedade, seu funcionamento e transformações desenvolveram-se
a partir de fins do século XIX, quando dos inícios das disciplinas Sociologia e
Antropologia. A primeira estava preocupada em explicar nossa própria sociedade,
aquela em que vivemos, enquanto a segunda voltou-se, de início, para o estudo das
sociedades dos outros, chamados de primitivos. Outros termos usados para diferenciar
nossas sociedades das outras foi definir as nossas com adjetivos enobrecedores, tais
como ‘sociedades complexas’, ‘civilizadas’, ‘ocidentais’, por oposição a ‘sociedades
simples’, ‘selvagens’, ‘orientais’. Em ambos os casos, uma primeira preocupação foi
entender e explicar como as sociedades funcionam e se reproduzem. Por isso, já se
diferenciavam muito da História, surgida para explicar a mudança e o caráter irrepetível
do fato histórico. Enquanto a História ocupava-se do ocasional, o estudo da sociedade
esforçava-se para formular teorias para explicar a manutenção de valores, costumes,
tradições. A Antropologia e a teoria social, em geral, contribuíram, de forma decisiva,
para o redimensionamento das questões históricas.3
As discussões da teoria social das últimas décadas foram importantes para
criticar os modelos normativos, ainda muito difundidos, em contribuição significativa
para os estudos também das sociedades do passado. Estudos empíricos e reflexões
teóricas apontaram para o caráter heterogêneo da vida social, da fluidez das relações, e
das contradições e conflitos sociais. No lugar de normas e desvios às normas, surge uma
pletora de comportamentos e visões de mundo. Outro aspecto importante, proveniente
das reflexões filosóficas e antropológicas, consiste no papel central dos conflitos na vida
social. À tendência de se enfatizar a reprodução social, contrapôs-se a atenção aos
conflitos. Na tradição marxista, já se havia ressaltado que as contradições de classe
eram o motor da História, na famosa assertiva do Manifesto Comunista de 1848.
Contudo, a tradição sociológica do século XX, tributária de Max Weber ou de Émile
Durkheim, havia relevado o conflito à categoria de anomalia, doença social, desvio da

2

3

Sobre esta questão: Cf. FUNARI, P. P. A. A Antigüidade, o Manifesto e a historiografia crítica sobre o
mundo antigo. In: COGGIOLA, O. (Org.). Manifesto Comunista, Ontem e Hoje. São Paulo: Xamã,
1999.
Cf. FUNARI, P. P. A.; ZARANKIN, A.; STOVEL, E. (Eds.). Global Archaeological Theory,
Contextual voices and contemporary thoughts. New York: Springer, 2005.
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

6

reta via. As últimas décadas do século XX, entretanto, testemunharam uma série de
lutas sociais, intensas, como a luta pelos direitos civis, contra a discriminação racial,
contra a guerra, pela diversidade sexual, pela emancipação feminina, mas também
movimentos em sentido contrário, como o fundamentalismo religioso e o nacionalismo
xenofobista. Sociedades dilaceradas pelo conflito armado ou civil multiplicaram-se e
muitos estudiosos não hesitaram em retomar e melhor explorar o caráter
intrinsecamente conflitivo das relações sociais. O mundo romano, em particular, tem
sido estudado a partir de uma crítica aos modelos normativos, com estudos sobre os
mais variados temas, da transgressão4 às identidades sociais.5

A diversidade de fontes para o estudo da vida e da morte
Desde o início do estudo científico da História, no século XIX, os documentos
são definidos como os escritos de uma época, aquilo que autores contemporâneos
escreveram sobre determinado tema. O estudo do mundo antigo centrou, por muito
tempo, na tradição literária, produto de uma elite letrada, às vezes muito distante, tanto
física como subjetivamente, dos homens e mulheres descritos, cujas sociabilidades
podiam ser muito diversas daquelas do escritor. Os vestígios materiais, ao contrário,
podem apresentar uma diversidade muito mais ampla, dados sobre o quotidiano e a vida
daqueles que nunca escreveram ou deixaram qualquer relato por escrito.6
A Arqueologia, à diferença das fontes escritas, não nos diz tanto, nem tão
diretamente, a respeito de eventos singulares e únicos, como, por exemplo, sobre a
morte de um gladiador, descrita em um documento com detalhes, ainda que fantasiosos.
Contudo, a Arqueologia permite-nos estudar as permanências, as séries, aquilo que se
repete, como as inscrições e pinturas parietais que se referem às lutas de gladiadores. A
Arqueologia é muito importante, também, para podermos, não tanto confirmar as fontes
escritas, como para, em primeiríssimo lugar, contrastar, contrapor e completar as
informações fornecidas pela tradição textual. Como categorias independentes, fontes

4

Cf. GARRAFFONI, R. S. Bandidos e Salteadores na Roma Antiga. São Paulo: Annablume, 2003.
Cf. DENCH, E. Romulus´ asylum. Roman identities from the age of Alexander. London: Routledge,
2005; HINGLEY, R. Globalizing Roman Culture. London: Routledge, 2005; com referências
abundantes e atualizadas em ambas as obras.
6
FUNARI, P. P. A.; ORSER, C. E.; SCHIAVETTO, S. N. O. Identidades, discurso e poder: estudos da
Arqueologia contemporânea. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2005.
5
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

7

materiais e escritas podem permitir uma discussão mais aprofundada e contextualizada
de um tema ou questão.
Neste sentido, a interdisciplinaridade torna-se uma estratégia profícua para
buscar interpretações menos normativas do passado romano, assim como possibilita
olhares multifacetados das concepções destes homens e mulheres sobre a vida e a morte.
Refletir sobre estes temas em uma sociedade plural como a romana significa estar atento
às diferentes relações que se estabelecem nos diversos contextos sociais. Assim,
acreditamos que tecer alguns comentários sobre as lutas de gladiadores seria um
caminho instigante para repensarmos este fenômeno particular do mundo romano e
perceber como as relações de vida e morte são construídas e reconstruídas em cada
arena espalhada pelos mais longínquos territórios.

Morte e vida nas arenas romanas no início do Principado
O estudo dos espetáculos romanos tem sido intensificado nos últimos anos e,
neste contexto, as interpretações sobre as lutas de gladiadores têm sido revistas, em
especial no que tange a questão da violência implícita a este tipo de competição.7 Talvez
a grande quantidade de interpretações e de estudos sobre o tema esteja vinculada com a
variedade de fontes que chegaram até nós sobre este aspecto da vida dos romanos. Se
pensarmos do ponto de vista das fontes escritas, muitos autores clássicos referem-se a
diferentes tipos de combates de gladiadores, seja como sátira, como registro histórico ou
como parte de pensamento filosófico, Sêneca, Petrônio, Juvenal, Suetônio, entre tantos
outros escritores romanos, nos deixam suas percepções sobre o mundo dos teatros e
anfiteatros.
Os gladiadores também ficaram imortalizados em fontes materiais: grafites
narrando suas vitórias e fracassos, seus desejos e conquistas amorosas, assim como suas
lápides funerárias, nos ajudam a repensar fragmentos de suas vidas. Ainda no campo
das fontes materiais, as pinturas de parede tão apreciadas em Pompéia, também
constituem ricas fontes para pensarmos os espetáculos públicos. Além disso, os próprios
anfiteatros e teatros de pedra remanescentes podem nos fornecer uma noção espacial do
âmbito em que tais espetáculos se transformaram, um dia, em explosões de cores e vida.

7

Cf. GARRAFFONI, R. S. Gladiadores na Roma Antiga, combates e paixões cotidianas. São Paulo:
Annablume/FAPESP, 2005.
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

8

Imaginar estas cenas fere nossa sensibilidade moderna: pensar que milhares de
homens e mulheres se reuniram em diferentes arenas para assistir a espetáculos que
envolviam vida e morte é, para nós, no mínimo embaraçoso. É por este motivo que
estudiosos tem repensado os combates de gladiadores e procurado, nas últimas décadas,
compreendê-los dentro do contexto sócio-cultural romano, pois de nada adiantaria
simplesmente taxá-los de bárbaro ou sangrento. Neste sentido, perceber o aspecto
religioso no qual os combates estavam envolvidos, por exemplo, torna-se uma estratégia
importante para construir uma interpretação mais dinâmica do significado destes
espetáculos.
Clavel-Lèvêque, em seu livro O império em jogo afirma que os combates eram,
antes de tudo, um jogo e, por isso, se inserem em uma forma particular de relações dos
homens com seu mundo, expressando uma função simbólica, em especial quando
ligados a um culto.8 A alegria que se manifesta no jogo, segundo esta mesma autora, é
parte constitutiva da relação dos homens com seus deuses. No caso dos romanos, os
jogos fazem parte de sua religião e os combates de gladiadores seria seu grande
símbolo.
Se pensarmos a partir desta ótica, os combates deixam de ser crueldade
desmedida, como muitos classicistas já afirmaram,9 e adquirem outros significados
dentro da cultura romana e de suas concepções de vida e morte. Mais do que afirmar
que este controverso aspecto da vida cotidiana romana residia em simples gosto pelo
sangue ou práticas sádicas, esta perspectiva possibilita a compreensão combates de
gladiadores no início do Principado a partir de um outro ângulo. Neste sentido, é
possível interpretar tais combates como um tipo particular de espetáculo público e,
conseqüentemente, como um meio de comunicação entre aqueles que assistiam e os que
atuavam no centro das arenas.
Esta proposta, inspirada no trabalho de Clavel-Lèvêque, implica em um
constante diálogo com a Antropologia e nos introduz a uma série de reflexões sobre a
vida e morte na arena que não pode passar despercebida. Ao considerarmos os combates
um tipo particular de comunicação entre os indivíduos, abrimos um espaço para

8
9

Cf. CLAVEL-LÈVÊQUE, M. L’Empire en jeux – espace symbolique et pratique sociale dans le
monde Romain. Paris: Editions du Centre Nacional de la Recherce Scientifique, 1984.
Sobre esta questão, conferir, por exemplo: AUGUET, R. Crueldad y civilización: los juegos romanos:
Barcelona: Ediciones Orbis, 1985; GRANT, M. El Mundo Romano. Madrid: Ediciones Guadarrama,
1960; ______. Gladiators. London: The Trinity Press, 1967.
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

9

explorar seus sentimentos particulares e sua participação na construção de visões de
mundo. Neste processo, a diversidade de elementos está presente e atuaria de maneiras
diferentes nos distintos níveis sociais, expressando a complexidade do fenômeno que
inclui ciclos da vida individual, familiar, das práticas sociais e da relação com a morte.10
Além disso, teatros, anfiteatros e circos eram estruturas fundamentais na
ordenação do espaço urbano, assim como os calendários dos espetáculos no cotidiano
das cidades. No que concerne aos combates de gladiadores em específico, ClavelLèvêque afirma que o anfiteatro era um local de contradições sociais no qual se
expressavam práticas simbólicas, religiosas, míticas, cerimoniais e relações com a
Natureza em sua multiplicidade. Neste sentido, sua postura critica a concepção
universalizante dos combates e os situam no campo das diferenças: diferenças de
camadas sociais, de regiões, de origens e, portanto, de visões de mundo. Os combates,
em sua opinião, sempre foram acompanhados de contradições tanto em sua forma como
em seu conteúdo, expressando uma visão de mundo complexa e heterogênea.
Os argumentos de Clavel-Lèvêque são importantes na medida em que rompem
visões binárias dos combates e as multiplica, fazendo com que pensemos os combates
em um contexto mais amplo, isto é, nos campos sociais, políticos, simbólicos e culturais
que ultrapassam os limites dos anfiteatros. Para organizar um combate há uma
legislação que deve ser observada, é necessário doação de recursos financeiros por
particulares, há, por fim, uma mobilização das elites locais e camadas populares: há
propaganda, anúncios, pompas, preservação da memória com a lembrança da morte de
cidadãos romanos ilustres, homenagens aos deuses e, meio a isto tudo, relações
humanas, ou seja, amigos e magistrados se encontram e torcedores exaltam seus
gladiadores preferidos.
É esta multiplicidade que acreditamos ser fundamental destacar. Adotando uma
concepção dinâmica da malha social e cultural romana, é possível interpretar o
cotidiano dos gladiadores e as suas relações com o público que enchia as arquibancadas
de uma maneira menos estática e homogênea. Assim, mesmo que o universo dos
espetáculos seja maior e os combates sejam apenas um entre diversos outros tipos
presentes no cotidiano romano, a opção por esta perspectiva de análise é, também,

10

Cf. CLAVEL-LÈVÊQUE, M. L’Empire en jeux – espace symbolique et pratique sociale dans le
monde Romain. Paris: Editions du Centre Nacional de la Recherce Scientifique, 1984, p. 87.
Fênix – Revista de História e Estudos Culturais
Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1
ISSN: 1807-6971
Disponível em: www.revistafenix.pro.br

10

inspirada na proposta de Horsfall,11 pois acreditamos que mais que reforçar a idéia de
uma massa com gostos sádicos e duvidosos, é necessário criar alternativas para
compreender o contexto sócio-cultural em que os combates se desenvolveram.
O fato de os romanos gostarem de banquetes e jogos nas arenas, por mais que
choque nossa sensibilidade moderna, não pode levar-nos a menosprezar ou julgar o
quotidiano destas pessoas. Pelo contrário, deveria estimular-nos a buscar meios
interpretativos alternativos para compreendermos tais fenômenos e, ao mesmo tempo,
ressaltar as diferentes formas de identidades e ações destes sujeitos pelos ambientes
plurais que compunham a sociedade romana no início do Principado.

Considerações finais
Os estudos sobre os combates de gladiadores constituem uma tradição que
remonta o século XIX. Há uma diversidade de análises sobre como se organizavam os
espetáculos e suas funções. Se no século XIX e início do XX as arenas foram
interpretadas como parte de uma política para alimentar e divertir a população ociosa,
nos anos de 1970 Veyne reinterpreta esta postura afirmando que estes espaços eram os
locais em que povo e Imperador se confrontavam. Mesmo que Veyne tenha proposto
uma interpretação em que as camadas populares tinham uma voz mais ativa, o foco de
análise seguia sendo o político. É somente nos anos de 1980 que os estudiosos passam a
buscar outro tipo de interpretação voltado mais para o aspecto cultural dos espetáculos.
É neste contexto que os estudos de Clavel-Lèvêque sobre a particularidade dos
espetáculos, da possibilidade de pensá-los como algo intrínseco a uma cultura militar e
escravista, abriram a possibilidade de interpretar as arenas de maneira menos unilateral.
Esta postura, atrelada a uma interpretação em constante diálogo com a
Arqueologia, tem proporcionado resultados instigantes, pois para além de trazer à tona
as vozes dispersas dos gladiadores e do público que assistia ou descrever realidades
objetivas. Este tipo de abordagem permite leituras menos monolítica e estática das
percepções de vida e morte entre os romanos.

11

Cf. HORSFALL, N. La Cultura della plebs romana. Barcelona: PPU, 1996.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]
Wagner Pires da Silva
 
Historiografia da História
Historiografia da HistóriaHistoriografia da História
Historiografia da História
Cristóvão Gomes
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Silvana Oliveira
 
Adolfo yanez casal cap.3 para uma epistemologia do discurso
Adolfo yanez casal   cap.3 para uma epistemologia do discursoAdolfo yanez casal   cap.3 para uma epistemologia do discurso
Adolfo yanez casal cap.3 para uma epistemologia do discurso
Raquel Marcelino Viegas
 
História e etnologia
História e etnologiaHistória e etnologia
História e etnologia
fewfwefw
 
A Historiografia E O OfíCio Do Historiador
A Historiografia E O OfíCio Do HistoriadorA Historiografia E O OfíCio Do Historiador
A Historiografia E O OfíCio Do Historiador
Gabriel
 
O tempo-da-historia-philippe-aries
O tempo-da-historia-philippe-ariesO tempo-da-historia-philippe-aries
O tempo-da-historia-philippe-aries
Felipe Viegas
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
1 historiografia
1   historiografia1   historiografia
1 historiografia
eiprofessor
 
Os annales e a história nova
Os annales e a história novaOs annales e a história nova
Os annales e a história nova
Mibelly Rocha
 
História um só termo vários significados
História um só termo vários significadosHistória um só termo vários significados
História um só termo vários significados
José Ribeiro Neto
 
Super 100 história
Super 100 históriaSuper 100 história
Super 100 história
Isaquel Silva
 
Teoria da nova história
Teoria da nova históriaTeoria da nova história
Teoria da nova história
Ben Oliveira
 
Terry eagleton cultura
Terry eagleton   culturaTerry eagleton   cultura
Terry eagleton cultura
Carlos Alberto Monteiro
 
Teoria da história o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...
Teoria da história   o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...Teoria da história   o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...
Teoria da história o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...
Professor: Ellington Alexandre
 
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult CapituloA8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
fontesbibliotraficas2
 
Programa de Teoria e Metodologia da História
Programa de Teoria e Metodologia da HistóriaPrograma de Teoria e Metodologia da História
Programa de Teoria e Metodologia da História
TEORIA E METODOLOGIA DA HISTORIA - Prof. José Carlos Reis
 
Antropologia do colonialismo
Antropologia do colonialismoAntropologia do colonialismo
Antropologia do colonialismo
Zelinda Barros
 
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
Paul Ricoeur -  intencionalidade históricaPaul Ricoeur -  intencionalidade histórica
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
crislautert
 
Do antigo Oriente próximo a Roma
Do antigo Oriente próximo a RomaDo antigo Oriente próximo a Roma
Do antigo Oriente próximo a Roma
wsshist
 

Mais procurados (20)

História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]História cultural seminário[1]
História cultural seminário[1]
 
Historiografia da História
Historiografia da HistóriaHistoriografia da História
Historiografia da História
 
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessentaEntre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
Entre praticas e_representacoes_os_folhetins_nos_anos_sessenta
 
Adolfo yanez casal cap.3 para uma epistemologia do discurso
Adolfo yanez casal   cap.3 para uma epistemologia do discursoAdolfo yanez casal   cap.3 para uma epistemologia do discurso
Adolfo yanez casal cap.3 para uma epistemologia do discurso
 
História e etnologia
História e etnologiaHistória e etnologia
História e etnologia
 
A Historiografia E O OfíCio Do Historiador
A Historiografia E O OfíCio Do HistoriadorA Historiografia E O OfíCio Do Historiador
A Historiografia E O OfíCio Do Historiador
 
O tempo-da-historia-philippe-aries
O tempo-da-historia-philippe-ariesO tempo-da-historia-philippe-aries
O tempo-da-historia-philippe-aries
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
1 historiografia
1   historiografia1   historiografia
1 historiografia
 
Os annales e a história nova
Os annales e a história novaOs annales e a história nova
Os annales e a história nova
 
História um só termo vários significados
História um só termo vários significadosHistória um só termo vários significados
História um só termo vários significados
 
Super 100 história
Super 100 históriaSuper 100 história
Super 100 história
 
Teoria da nova história
Teoria da nova históriaTeoria da nova história
Teoria da nova história
 
Terry eagleton cultura
Terry eagleton   culturaTerry eagleton   cultura
Terry eagleton cultura
 
Teoria da história o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...
Teoria da história   o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...Teoria da história   o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...
Teoria da história o conhecimento histórico (positivismo, marxismo, annales...
 
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult CapituloA8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
A8 Chartier Prologo E Ult Capitulo
 
Programa de Teoria e Metodologia da História
Programa de Teoria e Metodologia da HistóriaPrograma de Teoria e Metodologia da História
Programa de Teoria e Metodologia da História
 
Antropologia do colonialismo
Antropologia do colonialismoAntropologia do colonialismo
Antropologia do colonialismo
 
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
Paul Ricoeur -  intencionalidade históricaPaul Ricoeur -  intencionalidade histórica
Paul Ricoeur - intencionalidade histórica
 
Do antigo Oriente próximo a Roma
Do antigo Oriente próximo a RomaDo antigo Oriente próximo a Roma
Do antigo Oriente próximo a Roma
 

Semelhante a 4 dossie da vida dos gladiadores

Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento históricoUm percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
Cesar Silva
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
dylan costa
 
3.as correntes históricas
3.as correntes históricas3.as correntes históricas
3.as correntes históricas
Jose Ribamar Santos
 
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaA teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
César Augusto de Oliveira
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
Joao Balbi
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
Ana Cristina F
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
André Augusto da Fonseca
 
História e crise dos paradigmas
História e crise dos paradigmasHistória e crise dos paradigmas
História e crise dos paradigmas
Paulo César dos Santos
 
987 10794-1-pb historia social
987 10794-1-pb historia social987 10794-1-pb historia social
987 10794-1-pb historia social
Gualberto Corcino Roliz
 
A escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismoA escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismo
Gisele Finatti Baraglio
 
2.introdução á história.14
2.introdução á história.142.introdução á história.14
2.introdução á história.14
Jose Ribamar Santos
 
História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
Ivanilton Junior
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
TlioLucena5
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
danielaleite59
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
DouglasElaine Moraes
 
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdfDesafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
williannogueiracosta
 
Reflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígenaReflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígena
Daniel Silva
 
His m02t05
His m02t05His m02t05
His m02t05
Andrea Cortelazzi
 
Roger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalRoger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História Cultural
Mariano Akerman
 
História - Introdução 2014 ok
História - Introdução 2014 okHistória - Introdução 2014 ok
História - Introdução 2014 ok
Fabio Salvari
 

Semelhante a 4 dossie da vida dos gladiadores (20)

Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento históricoUm percurso historiográfico do conhecimento histórico
Um percurso historiográfico do conhecimento histórico
 
Antropologia
AntropologiaAntropologia
Antropologia
 
3.as correntes históricas
3.as correntes históricas3.as correntes históricas
3.as correntes históricas
 
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologiaA teoria vivida e outros ensaios de antropologia
A teoria vivida e outros ensaios de antropologia
 
Cap 2 antropologia
Cap 2 antropologiaCap 2 antropologia
Cap 2 antropologia
 
O que e_a_historia
O que e_a_historiaO que e_a_historia
O que e_a_historia
 
Nova história cultural
Nova história culturalNova história cultural
Nova história cultural
 
História e crise dos paradigmas
História e crise dos paradigmasHistória e crise dos paradigmas
História e crise dos paradigmas
 
987 10794-1-pb historia social
987 10794-1-pb historia social987 10794-1-pb historia social
987 10794-1-pb historia social
 
A escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismoA escola dos annales e o positivismo
A escola dos annales e o positivismo
 
2.introdução á história.14
2.introdução á história.142.introdução á história.14
2.introdução á história.14
 
História, fontes e historiadores
História, fontes e historiadoresHistória, fontes e historiadores
História, fontes e historiadores
 
Antropologia (1).ppt
Antropologia (1).pptAntropologia (1).ppt
Antropologia (1).ppt
 
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências HumanasAntropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
Antropologia - Disciplina de Fundamentos de Filosofia e Ciências Humanas
 
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
24.02 atividade sociologia_3_b_douglas
 
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdfDesafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
Desafios para a historiografia frente à Diversidade cultural.pdf
 
Reflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígenaReflexões sobre a resistência indígena
Reflexões sobre a resistência indígena
 
His m02t05
His m02t05His m02t05
His m02t05
 
Roger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História CulturalRoger Chartier e a História Cultural
Roger Chartier e a História Cultural
 
História - Introdução 2014 ok
História - Introdução 2014 okHistória - Introdução 2014 ok
História - Introdução 2014 ok
 

Mais de Amanda Cardoso

Slides de aulas 2 semestre de 2013
Slides de aulas   2 semestre de 2013Slides de aulas   2 semestre de 2013
Slides de aulas 2 semestre de 2013
Amanda Cardoso
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
Saude1Saude1
Saude
SaudeSaude
Corpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e belezaCorpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e beleza
Amanda Cardoso
 
19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)
Amanda Cardoso
 
16 educação de meninas no final do xix
16    educação de meninas no final do xix16    educação de meninas no final do xix
16 educação de meninas no final do xix
Amanda Cardoso
 
15 a população negra na educação brasileira
15   a população negra na educação brasileira15   a população negra na educação brasileira
15 a população negra na educação brasileira
Amanda Cardoso
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
Amanda Cardoso
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
Amanda Cardoso
 
12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo
Amanda Cardoso
 
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
10   meninos e meninas -  expectativas corporais -10   meninos e meninas -  expectativas corporais -
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
Amanda Cardoso
 
9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni  9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni
Amanda Cardoso
 
7 constituição da teorias pedagogicas
7  constituição da teorias pedagogicas7  constituição da teorias pedagogicas
7 constituição da teorias pedagogicas
Amanda Cardoso
 
6 gladiadores romanos
6   gladiadores romanos6   gladiadores romanos
6 gladiadores romanos
Amanda Cardoso
 
5 gladiadores e representações
5   gladiadores e representações5   gladiadores e representações
5 gladiadores e representações
Amanda Cardoso
 
3 danca na antiguidade
3   danca na antiguidade3   danca na antiguidade
3 danca na antiguidade
Amanda Cardoso
 

Mais de Amanda Cardoso (17)

Slides de aulas 2 semestre de 2013
Slides de aulas   2 semestre de 2013Slides de aulas   2 semestre de 2013
Slides de aulas 2 semestre de 2013
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
 
Saude1
Saude1Saude1
Saude1
 
Saude
SaudeSaude
Saude
 
Corpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e belezaCorpo, saúde e beleza
Corpo, saúde e beleza
 
19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)19 história da política educacional no brasil império (2)
19 história da política educacional no brasil império (2)
 
16 educação de meninas no final do xix
16    educação de meninas no final do xix16    educação de meninas no final do xix
16 educação de meninas no final do xix
 
15 a população negra na educação brasileira
15   a população negra na educação brasileira15   a população negra na educação brasileira
15 a população negra na educação brasileira
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
 
13 surgimento do-esporte_moderno
13   surgimento do-esporte_moderno13   surgimento do-esporte_moderno
13 surgimento do-esporte_moderno
 
12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo12 rousseau e a educação do corpo
12 rousseau e a educação do corpo
 
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
10   meninos e meninas -  expectativas corporais -10   meninos e meninas -  expectativas corporais -
10 meninos e meninas - expectativas corporais -
 
9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni  9 historia do esporte moderno marcelo proni
9 historia do esporte moderno marcelo proni
 
7 constituição da teorias pedagogicas
7  constituição da teorias pedagogicas7  constituição da teorias pedagogicas
7 constituição da teorias pedagogicas
 
6 gladiadores romanos
6   gladiadores romanos6   gladiadores romanos
6 gladiadores romanos
 
5 gladiadores e representações
5   gladiadores e representações5   gladiadores e representações
5 gladiadores e representações
 
3 danca na antiguidade
3   danca na antiguidade3   danca na antiguidade
3 danca na antiguidade
 

Último

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Mary Alvarenga
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
shirleisousa9166
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
AntHropológicas Visual PPGA-UFPE
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
marcos oliveira
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Renato Henriques
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
marcos oliveira
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
deboracorrea21
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.Atividade Dias dos Pais -  Meu Pai, Razão da Minha História.
Atividade Dias dos Pais - Meu Pai, Razão da Minha História.
 
apresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacionalapresentação metodologia terapia ocupacional
apresentação metodologia terapia ocupacional
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
O processo da farinhada no Assentamento lagoa de Dentro, Zona Rural de Várzea...
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2018 CENSIPAM.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdfTrabalho Colaborativo na educação especial.pdf
Trabalho Colaborativo na educação especial.pdf
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2020 CENSIPAM.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: CronologiaOs Profetas do Velho Testamento: Cronologia
Os Profetas do Velho Testamento: Cronologia
 
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
responder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdfresponder de alfabetização e questoe.pdf
responder de alfabetização e questoe.pdf
 
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTAEstudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
Estudo Infantil - MISSÕES NACIONAIS - IGREJA BATISTA
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 

4 dossie da vida dos gladiadores

  • 1. MORTE E VIDA NA ARENA ROMANA: A CONTRIBUIÇÃO DA TEORIA SOCIAL CONTEMPORÂNEA* Renata Senna Garraffoni** Universidade Federal do Paraná – UFPR resenna93@hotmail.com Pedro Paulo A. Funari*** Universidade Estadual de Campinas – Unicamp ppfunari@uol.com.br RESUMO: Nos últimos anos, no contexto das discussões sobre o caráter heterogêneo e multifacetado das sociedades, o estudo do mundo antigo tem passado por reflexões críticas aos modelos normativos, que tendiam à homogeneidade e à ênfase no consenso social. O estudo dos espetáculos de vida e morte nas arenas romanas mostrou-se campo de reflexão privilegiado para a crítica aos modelos normativos. A partir de estudo de documentação arqueológica original, mostramos como morte e vida assumem contornos pouco usuais, vistos à luz das reflexões epistemológicas recentes. ABSTRACT: In the last few years, in the context of discussing the heterogeneous and varied character of social life, the study of the ancient world has been submitted to a critical assessment of normative interpretive models. These models were keen to emphasize homogeneity and social cohesion. The study of Roman shows in the arena is a particularly good subject to criticize normative models. Studying original archaeological evidence, we show how life and death can be interpreted through the lenses of updated epistemological standpoints. PALAVRAS-CHAVE: Gladiadores – Império Romano – Morte e Vida KEYWORDS: Gladiators – Roman Empire – Life and Death * Este artigo, com algumas alterações, foi originalmente apresentado no III Seminário Internacional Archai – Morte e vida às origens do Pensamento Antigo, realizado de 7 a 9 de dezembro de 2005, na UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro). Agradecemos aos organizadores do Seminário Internacional Archai, em particular ao Prof. Dr. Gabriele Cornelli, assim como a Monique Clavel-Lévêque e a Richard Hingley. Agradecemos, ainda, o apoio institucional do CNPq, FAPESP, NEE/UNICAMP, CPA/IFCH/UNICAMP, UFPR, Universidad de Barcelona. A responsabilidade pelas idéias restringe-se aos autores. ** Pesquisadora-Associada do Núcleo de Estudos Estratégicos (NEE/UNICAMP). *** Coordenador-Associado do Núcleo de Estudos Estratégicos (NEE/UNICAMP), PesquisadorAssociado da Illinois State University e Universidad de Barcelona.
  • 2. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 2 Introdução Nas últimas décadas, a História tem passado por uma profunda revisão epistemológica. A partir dos questionamentos dos anos de 1960, diversos intelectuais, entre eles Michel Foucault, propuseram outras maneiras de se pensar e escrever a História. Buscando métodos e fontes que pudessem manifestar a pluralidade das relações sociais, estes estudiosos combateram a narrativa dos acontecimentos e buscaram meios de se interpretar o cotidiano de diferentes camadas da população. O estudo da Antigüidade Clássica não ficou alheio a estes acontecimentos. Embora predomine entre os estudos clássicos uma perspectiva mais tradicional, ao longo dos últimos anos, arqueólogos e historiadores, a partir de uma postura interdisciplinar, têm procurado por caminhos alternativos para interpretar o passado romano. Inspirados pela busca de perspectivas mais dinâmicas que sensibilizassem os homens que os elementos do presente do pesquisador são fundamentais no processo de escrita do passado, estes estudiosos têm propiciado um repensar do mundo antigo e enfatizado a urgência de se rever os conceitos e modelos interpretativos para que seja possível perceber a experiência de outros sujeitos históricos, além dos membros da elite romana que esteve em cena por todos estes anos. Neste sentido, a presente reflexão se insere em um contexto crítico da idéia de neutralidade e da universalidade do conhecimento histórico. Dito de outra maneira procuramos, nas páginas seguintes, caminhos alternativos para entender uma prática comum aos romanos e que nos causa um profundo estranhamento: as lutas de gladiadores. Para tanto, organizamos nossas reflexões em dois eixos principais. Em um primeiro momento procuraremos apresentar uma discussão epistemológica sobre como concebemos o conhecimento histórico para, em seguida, tratar do tema específico as lutas de gladiadores e as concepções de vida e morte entre os romanos. Esta estratégia possibilita uma reflexão teórico-metodológica evidenciando nossa preocupação em construir modelos interpretativos mais fluidos que enfatizem as diferenças e as descontinuidades. Iniciemos, então, com uma reflexão sobre a escrita da História. A historiografia como parte da História O estudo da História, com esse nome, começou com os gregos, quando Heródoto de Halicarnasso dedicou-se a escrever suas pesquisas (em grego, historia)
  • 3. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 3 sobre o conflito entre gregos e persas e suas origens mais remotas. Heródoto ligava o presente ao passado de forma muito direta, em uma busca das causas dos embates entre os povos mediterrâneos. A escrita da História, ou historiografia, constituiu-se como um gênero literário, uma maneira elaborada de se tratar de eventos recentes e menos recentes. Os historiadores antigos, mesmo quando afirmavam que desejam ser imparciais, escrever sine ira et studio (sem raiva e sem amor), na famosa frase do historiador romano Tácito, não deixavam de ressaltar que não era possível descrever, de forma neutra, sem seus interesses subjetivos, o passado. Para esses historiadores, não havia passado que não fosse ligado ao presente, prenhe de significado e lições, a História magistra uitae (mestre da vida). Toda essa tradição literária e subjetiva viria a ser questionada modernamente, quando do surgimento da ciência positivista, no início do século XIX, com o início da ciência histórica. Desde o século XVIII, o racionalismo e o iluminismo começavam a revolucionar o cenário das universidades. Surgidas em plena Idade Média, serviam a uma formação de cunho religioso cristão, católico ou protestante, universalista. A História, gênero literário, era encarada sob o prisma de uma leitura literal do texto bíblico, com a criação do mundo, Adão e Eva, o Dilúvio universal e a intervenção direta de Deus na História. A revolução humanista em curso na passagem do século XVIII para o XIX contrapunha-se a essa presença divina e procurava explicar a História pela ação humana apenas. Em 1823, Leopold von Ranke definiu os termos dessa disciplina nascente, a História, como aquele que busca os fatos verdadeiros, tais como eles efetivamente aconteceram wie es eigentlich gewesen, na expressão que se tornou clássica. A ênfase da famosa assertiva estava tanto no verbo “ser” (“aquilo que foi”), como no advérbio eigentlich (“propriamente”), derivado da quintessência da modernidade, o “próprio” (eigen), do qual deriva a noção mesma de “propriedade” (Eigentum). O individual, próprio, como critério de existência, objetiva, do passado adquiria importância decisiva. Neste momento, o presente foi separado, radicalmente, do passado. O historiador, neutro e distante, deveria restabelecer os fatos, as verdades, aquilo que qualquer observador isento podia constatar como acontecimento. Essa segurança ficou conhecida como ‘objetividade positivista’. Essa certeza na objetividade dos fatos históricos relegaria o presente a uma mera contingência, um detalhe irrelevante ou mesmo nocivo. Aquele que se debruça sobre o passado deveria despir-se de sua época,
  • 4. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 4 imparcial observador. Essas posturas, ainda que nuançadas e modernizadas, continuam a fazer-se sentir entre os historiadores. Tudo que dizemos ou escrevemos sobre o passado é um discurso, uma interpretação, no presente, mesmo quando pretendemos que nada fazemos, senão recriarmos o que aconteceu.1 Ao positivismo, seguiu-se uma reação subjetivista, que colocava no centro de qualquer visão sobre o passado o autor dessa visão, que vê de determinada posição social, econômica, histórica, de gênero (homem, mulher). Seria possível despir-se dessas subjetividades e descrever uma ‘verdadeira História’? Seria possível sair do presente e ir direto ao passado? Parecem perguntas retóricas, mas estão profundamente relacionadas com a maneira como encaramos a vida e a morte. A vida e a morte não são somente fenômenos naturais, biológicos, mas revestem-se de construções inseridas na História e na diversidade e heterogeneidade dos grupos sociais, a cada momento em constante mutação. A História é uma construção, um discurso, com autoria e há, assim, muitas histórias sobre a vida e a morte. Subjetividades e identidades sociais: a variedade de vidas e mortes Aristóteles, o filósofo grego do século IV a.C., considerava que o ser humano é definido por viver em coletividade (“o homem é um animal político”, entendido político como pertencente a uma cidade, polis). O mesmo Aristóteles utilizava-se do conceito de comunidade (koinonia, em grego), para dizer que as pessoas partilhavam coisas comuns (origens, língua, costumes, crenças) e, por isso, formavam uma comunidade. Essas pessoas que compartilhavam um ethos (caráter, índole, costume) formulariam suas próprias leis para que essa comunidade pudesse funcionar em ordem. A norma (nomos) leva à ordem social (taxis) e, como toda regra tem exceção, o desrespeito à norma ou sua ausência (anomia) leva à desordem (ataxia). Aristóteles tratava da vida e da morte, em associação com a sujeição social, ao afirmar que “[...] o escravo é uma ferramenta viva, e a ferramenta é um escravo sem vida. Não pode haver portanto amizade em relação a um escravo enquanto escravo”. (ARISTÓTELES. Ética a Nicômaco, 1161a) Os conceitos de compartilhamento de valores viriam a ser importante também em modelos interpretativos de nossa época e não cabe dúvida que sua influência 1 Sobre esta questão e sua repercussão no mundo antigo, confira, por exemplo, FUNARI, P. P. A. A Antigüidade Clássica, a História e a Cultura a partir dos documentos. 3. ed. Campinas: Ed. Unicamp, 2003; GARRAFFONI, R. S.; FUNARI, P. P. A. História Antiga na sala de aula. Campinas: IFCH/UNICAMP, 2004.
  • 5. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 5 continuaria mesmo em autores muito recentes.2 A vida associada à táxis, à rigidez da estrutura social, enquanto a morte foi associada, muitas vezes, tanto à submissão como ao desfecho de uma vida desonrosa. Vida e morte, pois, associadas à ordem social. O estudo da sociedade, seu funcionamento e transformações desenvolveram-se a partir de fins do século XIX, quando dos inícios das disciplinas Sociologia e Antropologia. A primeira estava preocupada em explicar nossa própria sociedade, aquela em que vivemos, enquanto a segunda voltou-se, de início, para o estudo das sociedades dos outros, chamados de primitivos. Outros termos usados para diferenciar nossas sociedades das outras foi definir as nossas com adjetivos enobrecedores, tais como ‘sociedades complexas’, ‘civilizadas’, ‘ocidentais’, por oposição a ‘sociedades simples’, ‘selvagens’, ‘orientais’. Em ambos os casos, uma primeira preocupação foi entender e explicar como as sociedades funcionam e se reproduzem. Por isso, já se diferenciavam muito da História, surgida para explicar a mudança e o caráter irrepetível do fato histórico. Enquanto a História ocupava-se do ocasional, o estudo da sociedade esforçava-se para formular teorias para explicar a manutenção de valores, costumes, tradições. A Antropologia e a teoria social, em geral, contribuíram, de forma decisiva, para o redimensionamento das questões históricas.3 As discussões da teoria social das últimas décadas foram importantes para criticar os modelos normativos, ainda muito difundidos, em contribuição significativa para os estudos também das sociedades do passado. Estudos empíricos e reflexões teóricas apontaram para o caráter heterogêneo da vida social, da fluidez das relações, e das contradições e conflitos sociais. No lugar de normas e desvios às normas, surge uma pletora de comportamentos e visões de mundo. Outro aspecto importante, proveniente das reflexões filosóficas e antropológicas, consiste no papel central dos conflitos na vida social. À tendência de se enfatizar a reprodução social, contrapôs-se a atenção aos conflitos. Na tradição marxista, já se havia ressaltado que as contradições de classe eram o motor da História, na famosa assertiva do Manifesto Comunista de 1848. Contudo, a tradição sociológica do século XX, tributária de Max Weber ou de Émile Durkheim, havia relevado o conflito à categoria de anomalia, doença social, desvio da 2 3 Sobre esta questão: Cf. FUNARI, P. P. A. A Antigüidade, o Manifesto e a historiografia crítica sobre o mundo antigo. In: COGGIOLA, O. (Org.). Manifesto Comunista, Ontem e Hoje. São Paulo: Xamã, 1999. Cf. FUNARI, P. P. A.; ZARANKIN, A.; STOVEL, E. (Eds.). Global Archaeological Theory, Contextual voices and contemporary thoughts. New York: Springer, 2005.
  • 6. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 6 reta via. As últimas décadas do século XX, entretanto, testemunharam uma série de lutas sociais, intensas, como a luta pelos direitos civis, contra a discriminação racial, contra a guerra, pela diversidade sexual, pela emancipação feminina, mas também movimentos em sentido contrário, como o fundamentalismo religioso e o nacionalismo xenofobista. Sociedades dilaceradas pelo conflito armado ou civil multiplicaram-se e muitos estudiosos não hesitaram em retomar e melhor explorar o caráter intrinsecamente conflitivo das relações sociais. O mundo romano, em particular, tem sido estudado a partir de uma crítica aos modelos normativos, com estudos sobre os mais variados temas, da transgressão4 às identidades sociais.5 A diversidade de fontes para o estudo da vida e da morte Desde o início do estudo científico da História, no século XIX, os documentos são definidos como os escritos de uma época, aquilo que autores contemporâneos escreveram sobre determinado tema. O estudo do mundo antigo centrou, por muito tempo, na tradição literária, produto de uma elite letrada, às vezes muito distante, tanto física como subjetivamente, dos homens e mulheres descritos, cujas sociabilidades podiam ser muito diversas daquelas do escritor. Os vestígios materiais, ao contrário, podem apresentar uma diversidade muito mais ampla, dados sobre o quotidiano e a vida daqueles que nunca escreveram ou deixaram qualquer relato por escrito.6 A Arqueologia, à diferença das fontes escritas, não nos diz tanto, nem tão diretamente, a respeito de eventos singulares e únicos, como, por exemplo, sobre a morte de um gladiador, descrita em um documento com detalhes, ainda que fantasiosos. Contudo, a Arqueologia permite-nos estudar as permanências, as séries, aquilo que se repete, como as inscrições e pinturas parietais que se referem às lutas de gladiadores. A Arqueologia é muito importante, também, para podermos, não tanto confirmar as fontes escritas, como para, em primeiríssimo lugar, contrastar, contrapor e completar as informações fornecidas pela tradição textual. Como categorias independentes, fontes 4 Cf. GARRAFFONI, R. S. Bandidos e Salteadores na Roma Antiga. São Paulo: Annablume, 2003. Cf. DENCH, E. Romulus´ asylum. Roman identities from the age of Alexander. London: Routledge, 2005; HINGLEY, R. Globalizing Roman Culture. London: Routledge, 2005; com referências abundantes e atualizadas em ambas as obras. 6 FUNARI, P. P. A.; ORSER, C. E.; SCHIAVETTO, S. N. O. Identidades, discurso e poder: estudos da Arqueologia contemporânea. São Paulo: Annablume/Fapesp, 2005. 5
  • 7. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 7 materiais e escritas podem permitir uma discussão mais aprofundada e contextualizada de um tema ou questão. Neste sentido, a interdisciplinaridade torna-se uma estratégia profícua para buscar interpretações menos normativas do passado romano, assim como possibilita olhares multifacetados das concepções destes homens e mulheres sobre a vida e a morte. Refletir sobre estes temas em uma sociedade plural como a romana significa estar atento às diferentes relações que se estabelecem nos diversos contextos sociais. Assim, acreditamos que tecer alguns comentários sobre as lutas de gladiadores seria um caminho instigante para repensarmos este fenômeno particular do mundo romano e perceber como as relações de vida e morte são construídas e reconstruídas em cada arena espalhada pelos mais longínquos territórios. Morte e vida nas arenas romanas no início do Principado O estudo dos espetáculos romanos tem sido intensificado nos últimos anos e, neste contexto, as interpretações sobre as lutas de gladiadores têm sido revistas, em especial no que tange a questão da violência implícita a este tipo de competição.7 Talvez a grande quantidade de interpretações e de estudos sobre o tema esteja vinculada com a variedade de fontes que chegaram até nós sobre este aspecto da vida dos romanos. Se pensarmos do ponto de vista das fontes escritas, muitos autores clássicos referem-se a diferentes tipos de combates de gladiadores, seja como sátira, como registro histórico ou como parte de pensamento filosófico, Sêneca, Petrônio, Juvenal, Suetônio, entre tantos outros escritores romanos, nos deixam suas percepções sobre o mundo dos teatros e anfiteatros. Os gladiadores também ficaram imortalizados em fontes materiais: grafites narrando suas vitórias e fracassos, seus desejos e conquistas amorosas, assim como suas lápides funerárias, nos ajudam a repensar fragmentos de suas vidas. Ainda no campo das fontes materiais, as pinturas de parede tão apreciadas em Pompéia, também constituem ricas fontes para pensarmos os espetáculos públicos. Além disso, os próprios anfiteatros e teatros de pedra remanescentes podem nos fornecer uma noção espacial do âmbito em que tais espetáculos se transformaram, um dia, em explosões de cores e vida. 7 Cf. GARRAFFONI, R. S. Gladiadores na Roma Antiga, combates e paixões cotidianas. São Paulo: Annablume/FAPESP, 2005.
  • 8. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 8 Imaginar estas cenas fere nossa sensibilidade moderna: pensar que milhares de homens e mulheres se reuniram em diferentes arenas para assistir a espetáculos que envolviam vida e morte é, para nós, no mínimo embaraçoso. É por este motivo que estudiosos tem repensado os combates de gladiadores e procurado, nas últimas décadas, compreendê-los dentro do contexto sócio-cultural romano, pois de nada adiantaria simplesmente taxá-los de bárbaro ou sangrento. Neste sentido, perceber o aspecto religioso no qual os combates estavam envolvidos, por exemplo, torna-se uma estratégia importante para construir uma interpretação mais dinâmica do significado destes espetáculos. Clavel-Lèvêque, em seu livro O império em jogo afirma que os combates eram, antes de tudo, um jogo e, por isso, se inserem em uma forma particular de relações dos homens com seu mundo, expressando uma função simbólica, em especial quando ligados a um culto.8 A alegria que se manifesta no jogo, segundo esta mesma autora, é parte constitutiva da relação dos homens com seus deuses. No caso dos romanos, os jogos fazem parte de sua religião e os combates de gladiadores seria seu grande símbolo. Se pensarmos a partir desta ótica, os combates deixam de ser crueldade desmedida, como muitos classicistas já afirmaram,9 e adquirem outros significados dentro da cultura romana e de suas concepções de vida e morte. Mais do que afirmar que este controverso aspecto da vida cotidiana romana residia em simples gosto pelo sangue ou práticas sádicas, esta perspectiva possibilita a compreensão combates de gladiadores no início do Principado a partir de um outro ângulo. Neste sentido, é possível interpretar tais combates como um tipo particular de espetáculo público e, conseqüentemente, como um meio de comunicação entre aqueles que assistiam e os que atuavam no centro das arenas. Esta proposta, inspirada no trabalho de Clavel-Lèvêque, implica em um constante diálogo com a Antropologia e nos introduz a uma série de reflexões sobre a vida e morte na arena que não pode passar despercebida. Ao considerarmos os combates um tipo particular de comunicação entre os indivíduos, abrimos um espaço para 8 9 Cf. CLAVEL-LÈVÊQUE, M. L’Empire en jeux – espace symbolique et pratique sociale dans le monde Romain. Paris: Editions du Centre Nacional de la Recherce Scientifique, 1984. Sobre esta questão, conferir, por exemplo: AUGUET, R. Crueldad y civilización: los juegos romanos: Barcelona: Ediciones Orbis, 1985; GRANT, M. El Mundo Romano. Madrid: Ediciones Guadarrama, 1960; ______. Gladiators. London: The Trinity Press, 1967.
  • 9. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 9 explorar seus sentimentos particulares e sua participação na construção de visões de mundo. Neste processo, a diversidade de elementos está presente e atuaria de maneiras diferentes nos distintos níveis sociais, expressando a complexidade do fenômeno que inclui ciclos da vida individual, familiar, das práticas sociais e da relação com a morte.10 Além disso, teatros, anfiteatros e circos eram estruturas fundamentais na ordenação do espaço urbano, assim como os calendários dos espetáculos no cotidiano das cidades. No que concerne aos combates de gladiadores em específico, ClavelLèvêque afirma que o anfiteatro era um local de contradições sociais no qual se expressavam práticas simbólicas, religiosas, míticas, cerimoniais e relações com a Natureza em sua multiplicidade. Neste sentido, sua postura critica a concepção universalizante dos combates e os situam no campo das diferenças: diferenças de camadas sociais, de regiões, de origens e, portanto, de visões de mundo. Os combates, em sua opinião, sempre foram acompanhados de contradições tanto em sua forma como em seu conteúdo, expressando uma visão de mundo complexa e heterogênea. Os argumentos de Clavel-Lèvêque são importantes na medida em que rompem visões binárias dos combates e as multiplica, fazendo com que pensemos os combates em um contexto mais amplo, isto é, nos campos sociais, políticos, simbólicos e culturais que ultrapassam os limites dos anfiteatros. Para organizar um combate há uma legislação que deve ser observada, é necessário doação de recursos financeiros por particulares, há, por fim, uma mobilização das elites locais e camadas populares: há propaganda, anúncios, pompas, preservação da memória com a lembrança da morte de cidadãos romanos ilustres, homenagens aos deuses e, meio a isto tudo, relações humanas, ou seja, amigos e magistrados se encontram e torcedores exaltam seus gladiadores preferidos. É esta multiplicidade que acreditamos ser fundamental destacar. Adotando uma concepção dinâmica da malha social e cultural romana, é possível interpretar o cotidiano dos gladiadores e as suas relações com o público que enchia as arquibancadas de uma maneira menos estática e homogênea. Assim, mesmo que o universo dos espetáculos seja maior e os combates sejam apenas um entre diversos outros tipos presentes no cotidiano romano, a opção por esta perspectiva de análise é, também, 10 Cf. CLAVEL-LÈVÊQUE, M. L’Empire en jeux – espace symbolique et pratique sociale dans le monde Romain. Paris: Editions du Centre Nacional de la Recherce Scientifique, 1984, p. 87.
  • 10. Fênix – Revista de História e Estudos Culturais Janeiro/ Fevereiro/ Março de 2007 Vol. 4 Ano IV nº 1 ISSN: 1807-6971 Disponível em: www.revistafenix.pro.br 10 inspirada na proposta de Horsfall,11 pois acreditamos que mais que reforçar a idéia de uma massa com gostos sádicos e duvidosos, é necessário criar alternativas para compreender o contexto sócio-cultural em que os combates se desenvolveram. O fato de os romanos gostarem de banquetes e jogos nas arenas, por mais que choque nossa sensibilidade moderna, não pode levar-nos a menosprezar ou julgar o quotidiano destas pessoas. Pelo contrário, deveria estimular-nos a buscar meios interpretativos alternativos para compreendermos tais fenômenos e, ao mesmo tempo, ressaltar as diferentes formas de identidades e ações destes sujeitos pelos ambientes plurais que compunham a sociedade romana no início do Principado. Considerações finais Os estudos sobre os combates de gladiadores constituem uma tradição que remonta o século XIX. Há uma diversidade de análises sobre como se organizavam os espetáculos e suas funções. Se no século XIX e início do XX as arenas foram interpretadas como parte de uma política para alimentar e divertir a população ociosa, nos anos de 1970 Veyne reinterpreta esta postura afirmando que estes espaços eram os locais em que povo e Imperador se confrontavam. Mesmo que Veyne tenha proposto uma interpretação em que as camadas populares tinham uma voz mais ativa, o foco de análise seguia sendo o político. É somente nos anos de 1980 que os estudiosos passam a buscar outro tipo de interpretação voltado mais para o aspecto cultural dos espetáculos. É neste contexto que os estudos de Clavel-Lèvêque sobre a particularidade dos espetáculos, da possibilidade de pensá-los como algo intrínseco a uma cultura militar e escravista, abriram a possibilidade de interpretar as arenas de maneira menos unilateral. Esta postura, atrelada a uma interpretação em constante diálogo com a Arqueologia, tem proporcionado resultados instigantes, pois para além de trazer à tona as vozes dispersas dos gladiadores e do público que assistia ou descrever realidades objetivas. Este tipo de abordagem permite leituras menos monolítica e estática das percepções de vida e morte entre os romanos. 11 Cf. HORSFALL, N. La Cultura della plebs romana. Barcelona: PPU, 1996.