SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 47
Baixar para ler offline
Workshop

Direção de programas

direção de
PROGRAMAS
3ª PARTE

Ricardo Barros
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
FILOSOFIA DE ILUMINAÇÃO - KODAK
• Naturalista
Segue um posicionamento realista e lógico das fontes de luz em um local.
Por exemplo, quando duas pessoas são fotografadas de frente para
o outro em um exterior-dia, e uma pessoa está em contraluz,
a outra pessoa deve estar em pleno sol.

• Pictórica
Permite o uso de ângulos de luz que violam a lógica do naturalismo
para criar um efeito artístico.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
INTERIOR OU EXTERIOR

DIA OU NOITE
A iluminação altera a realidade.
Esquenta ou esfria a cena .
Cria um realismo ou artificialidade.
Aumenta ou diminui a
profundidade.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
PROPRIEDADES
• INTENSIDADE
Quantidade de luz que afeta o
objeto, medida através de footcandles.
•COR
A luz possui uma balança
Fonte hard Sombras duras, direta
de cores de acordo com a sua fonte.
•ÂNGULO DE INCIDÊNCIA
Afeta a intensidade e a qualidade.
Sugere o clima, horário e tipo de
locação.
•QUALIDADE
Hard ou Soft.
Concentração ou difusão.

Fonte soft Sombras difusas, indireta
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO DURA
Lentes Fresnel
Produz sombras duras e definidas.
Destacam a textura e o contorno.
Direcional, destacam áreas restritas.
Permitem boa distância do objeto

Desvantagens:
Cria sombras indesejáveis, e quanto mais fontes mais sombras.
Revela irregularidades da pele.
Dispersão limitada, obrigando a utilização de vários focos para
superfícies amplas.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO DURA
Aberto

Quartz lights 650, 1000 e 2000 watt

Scoop
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO DURA
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO DURA

Brut:
É uma espécie de "calha" de luz, onde uma série de "faróis" são
colocados em série, promovendo uma luz muito intensa e aberta.
É luz dura, mas geralmente, quando usada em estúdio, é rebatida
para funcionar como luz geral ou luz de enchimento.
Em pequenas produções usa-se o Mini-Brut, de três séries de 2
faróis.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇOES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO SUAVE
Não se distingue bem as sombras, produz
sombras sutis e delicadas. Cobre área
muito ampla.
Elimina sombras produzidas pela luz dura.
Texturas e contornos pouco definidos.
Utilização de difusores, papéis de cristal
esmerilhado,
papel vegetal,
rebatedores.

Desvantagens:
Diminui a profundidade, chapando a imagem.
Se dispersa completamente, iluminando toda a cena, sendo muito difícil
de restringi-la.
A sua intensidade diminui rapidamente com a distância,
deve ser posicionada próxima da cena.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO SUAVE

.

KINO FLO e CAIXA PL
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO SUAVE

.

LANTERNA CHINESA
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
ILUMINAÇÃO SUAVE

.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
HIGH KEY
Bright, clara, difusa, poucas sombras
Tuner

Whistler

Degas
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
LOW KEY
Poucas áreas bem iluminadas, sombras profundas

Rembrandt

Caravaggio
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
GRADUATED TONALITY
Soft light, weak shadows
Reproduz uma escala de tons graduais

Ingres
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
KEY LIGHT
Luz principal, por cima da câmera e lateral, luz forte
que irá dar maior ênfase ao assunto principal da cena.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
FILL LIGHT
Luz suave de preenchimento,
posicionada na lateral
oposta à principal.
Diminui contraste e elimina
as sombras.
Quanto mais frontal a key,
menos necessidade.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
BACK LIGHT
Contraluz posicionada
atrás do sujeito.
O destaca do fundo,
proporciona solidez.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
HMI

Hidrargyrum Medium Arch-Lenght Iodide

Refletor com temperatura de cor Daylight. Pode
variar de 200 e 20.000w, e são similares aos fresnéis,
só que mais pesados e muito caros, pois se inclui o
preço das horas de lâmpadas utilizadas.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
LED

Light-Emitting Diode é atualmente uma ferramenta
em crescente aplicação na iluminação para televisão e
cinema. Ela traz benefícios como o baixo consumo de
energia e o baixíssimo aquecimento do equipamento.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
PHOTO FLOOD

É uma lâmpada de bulbo cuja vantagem é
possuir uma rosca universal que pode ser
colocada em qualquer soquete comum.
Potência de 300 a 600w.
Possui temperatura de cor controlada e é
vendida nas versões Tungstênio e Daylight.
Duração de 3 a 6 horas.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
REFLETORES
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
COMPENSAÇÃO DE COR
Luz natural X artificial
Utilização de filtros de correção
CTO (âmbar)
CTB (azul)
Câmera balanceada para luz dia, a
luz tungstênio fica mais quente.
Câmera balanceada para luz
tungstênio, a luz dia fica mais azul.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
REBATEDORES
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO
MAPA DE LUZ
É a planta da locação ou estúdio com as
posições dos refletores.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM
O som proporciona realismo às imagens.
Legitima o discurso narrativo.
Envolve a audiência.
Estimula a imaginação.

Requer a utilização de equipamentos adequados
E uma seleção artística adequada.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM
Tipos de formatos de audição nas mídias:
- Mono
- Estereo 2.0
- Surround 5.1
- Surround 7.1
- Surround 22.2

Formatos digitais de áudio se
dividem basicamente em dois
grupos: não comprimidos e
comprimidos.
WAV e AIFF são exemplos de
não comprimidos
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
Microfones dinâmicos
São famosos pela sua resistência e confiabilidade.
Não precisam de baterias ou fontes de alimentação externas.
São capazes de produzir uma resposta plana em uma ampla
gama de frequências ou estão disponíveis com respostas
“sob medida” para aplicações especiais.
Excelente relação sinal-ruído.
Exigem pouca ou nenhuma
manutenção regular e, com cuidados razoáveis,
manterão o mesmo
desempenho por muitos anos.

Microfones condensadores
Utilizam uma membrana leve e uma placa fixa que atuam
como faces opostas de um capacitor. A pressão sonora contra
essa fina película de polímero faz com que ela se mova. Esse
movimento altera a capacitância do circuito e cria uma saída
elétrica variável. Resposta de freqüência muito uniforme.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
Omnidirecional
Os microfones omnidirecionais captam o som de todas
as direções de maneira praticamente igual.
Funcionarão igualmente bem tanto quando apontados
para longe quanto apontados na direção do tema, se as
distâncias forem iguais.
No entanto, até mesmo os melhores
modelos omni tendem a se tornar
direcionais em frequências mais elevadas
; assim, o som que vem por trás pode
parecer um pouco mais “embotado”
do que o que vem pela frente,
embora pareça igualmente “alto”.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
Omnidirecional
A maioria dos microfones omni, sobretudo do tipo
capacitivo, possui uma resposta de frequências
bastante suave e por isso são largamente usados para
captação de voz, tanto em sistemas de sonorização
quanto em estúdios de gravação.
Os microfones omnidirecionais têm um ruído de
manuseio relativamente baixo e não possuem o efeito
de proximidade, que realça os graves, como os
cardioides.
Por causa de seus diafragmas bem amortecidos, os
microfones omnidirecionais geralmente são mais
robustos do que os cardióides.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
Direcional
Os microfones direcionais são projetados
para responder melhor a sons que vêm
pela frente (e por trás, no caso dos
bidirecionais).
Essa capacidade direcional geralmente é
resultado de aberturas externas e
passagens internas no microfone, que
permitem que o som alcance os dois
lados do diafragma de maneira
cuidadosamente controlada.
O som que chega pela frente do
microfone ajudará a movimentar o
diafragma, enquanto o som que chega
pela lateral ou por trás cancelará o
movimento.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
Direcional
Os tipos direcionais básicos incluem o
cardióide, o subcardióide, o
hipercardióide e o bidirecional.

Também incluído na categoria geral de
microfones direcionais está o microfone de
linha ou “shotgun”, um projeto mais
complexo que pode proporcionar uma
direcionalidade consideravelmente mais
elevada do que os quatro tipos direcionais
básicos.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES

Cardióides
Um microfone cardióide possui um alcance maior do que um
omnidirecional. Graças ao seu padrão de captação voltado para a frente,
ele possui uma alta relação entre a resposta a sons vindos na direção de
seu eixo e a resposta a direções aleatórias.
O microfone cardióide pode ser usado a uma distância 1,7 vezes maior do
que um omnidirecional, e ainda assim oferecendo a mesma supressão
global do ruído aleatório do ambiente.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES

Um microfone com padrão hiper-cardióide pode ser usado a uma distância
2 vezes maior do que o omnidirecional para produzir um mesmo resultado,
e um microfone com padrão super-cardióide pode ser usado a uma
distância 1,9 vezes maior.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES

Microfones de linha
Quando for necessário posicionar microfones a distâncias
ainda maiores, os microfones de linha ou “shotgun”
são muitas vezes a melhor escolha.
Os microfones de linha são excelentes para utilização com vídeo e
filmagens, para captar o som quando o microfone precisa estar
localizado fora do quadro, isto é, fora do ângulo de visualização da
câmera.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

MICROFONES

Microfones sem fio
Proporcionando total liberdade de movimentos, os sistemas de
microfones sem fio profissionais estabeleceram elevados padrões
de desempenho nos ambientes mais difíceis.
Microfone/transmissor de mão autônomo, microfones de cabeça,
de lapela, e para instrumentos.
Todos os microfones capacitivos necessitam de algum tipo de
alimentação elétrica, pois contêm dentro deles um circuito
eletrônico de pré-amplificação. Muitos microfones de eletreto são
alimentados por uma bateria interna de 9 volts
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

ESPUMA DE VENTO

Espumas de vento
As espumas de vento para microfones reduzem os problemas de
“estalos” devido à proximidade da voz.
Também ajudam a controlar o ruído de vento muitas vezes
encontrado em aplicações externas e movimentos de ar de
sistemas de aquecimento/ar condicionado.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

ESPUMA DE VENTO
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM
Edição do áudio
Sincronismo
Pista de música e efeitos
Filtros

SONOPLASTIA
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

SONOPLASTIA
Normalização
Processo de tratamento do som efetuado após a sua
compressão. O processo de compressão torna o volume
geral do som mais baixo do que no original, uma vez que
os picos de volume são atenuados (juntamente com o
aumento das partes mais baixas).

A normalização promove o aumento do som como um todo.
O resultado final do processo compressão + normalização pode
ser excelente, desde que o som original esteja bem gravado.
Caso contrário, ruídos indesejados de fundo serão também
ampliados durante a modificação.
DIREÇÃO DE PROGRAMAS
NOÇÕES DE SOM

L&R

SONOPLASTIA

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Riscos associados à iluminação nos locais de trabalho
Riscos associados à iluminação nos locais de trabalhoRiscos associados à iluminação nos locais de trabalho
Riscos associados à iluminação nos locais de trabalho
isabelourenco
 
Introdução à luminotécnica
Introdução à luminotécnicaIntrodução à luminotécnica
Introdução à luminotécnica
rmpatron
 
Conforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminçãoConforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminção
andersongguedes
 
Iluminação em televisão
Iluminação em televisãoIluminação em televisão
Iluminação em televisão
SP LINS STUDIO
 
IluminaçAo
IluminaçAoIluminaçAo
IluminaçAo
Auriene
 

Mais procurados (19)

Riscos associados à iluminação nos locais de trabalho
Riscos associados à iluminação nos locais de trabalhoRiscos associados à iluminação nos locais de trabalho
Riscos associados à iluminação nos locais de trabalho
 
Luminotecnica: Parte 1) Fator Conforto e outras definições.
Luminotecnica: Parte 1) Fator Conforto e outras definições.Luminotecnica: Parte 1) Fator Conforto e outras definições.
Luminotecnica: Parte 1) Fator Conforto e outras definições.
 
Óptica geométrica
Óptica geométricaÓptica geométrica
Óptica geométrica
 
Microfonando um coral revisado
Microfonando um coral  revisadoMicrofonando um coral  revisado
Microfonando um coral revisado
 
conforto ambiental
conforto ambientalconforto ambiental
conforto ambiental
 
CRP-422-2016-12
CRP-422-2016-12CRP-422-2016-12
CRP-422-2016-12
 
Introdução à luminotécnica
Introdução à luminotécnicaIntrodução à luminotécnica
Introdução à luminotécnica
 
Conforto luminoso - Conforto Ambiental Urbano
Conforto luminoso - Conforto Ambiental UrbanoConforto luminoso - Conforto Ambiental Urbano
Conforto luminoso - Conforto Ambiental Urbano
 
Iluminação
Iluminação Iluminação
Iluminação
 
CRP-422-2016-11
CRP-422-2016-11CRP-422-2016-11
CRP-422-2016-11
 
Luz artificial
Luz artificialLuz artificial
Luz artificial
 
Conforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminçãoConforto ambiental iluminção
Conforto ambiental iluminção
 
Luz cinema tv
Luz cinema tvLuz cinema tv
Luz cinema tv
 
Luminotecnica
LuminotecnicaLuminotecnica
Luminotecnica
 
Apostila OSRAM :: Iluminação e Conceitos
Apostila OSRAM :: Iluminação e ConceitosApostila OSRAM :: Iluminação e Conceitos
Apostila OSRAM :: Iluminação e Conceitos
 
Aula fotografia - iluminação em estúdio ppt
Aula   fotografia - iluminação em estúdio pptAula   fotografia - iluminação em estúdio ppt
Aula fotografia - iluminação em estúdio ppt
 
Manual luminotecnica
Manual luminotecnicaManual luminotecnica
Manual luminotecnica
 
Iluminação em televisão
Iluminação em televisãoIluminação em televisão
Iluminação em televisão
 
IluminaçAo
IluminaçAoIluminaçAo
IluminaçAo
 

Destaque

WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTEWORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTE
RICARDO BARROS DE MIRANDA
 
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTEWORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
RICARDO BARROS DE MIRANDA
 
A iluminao em programas de tv
A iluminao em programas de tvA iluminao em programas de tv
A iluminao em programas de tv
Luara Schamó
 
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação   generos e formatos atualizadoTeoria da comunicação   generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
Anselmo Brandi
 
Apostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espmApostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espm
Carlos Dote
 

Destaque (19)

WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTEWORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS ÚLTIMA PARTE
 
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTEWORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
WORKSHOP DIREÇÃO DE PROGRAMAS DE TV 2ª PARTE
 
Talk Show
Talk ShowTalk Show
Talk Show
 
A iluminao em programas de tv
A iluminao em programas de tvA iluminao em programas de tv
A iluminao em programas de tv
 
Design para TV Interativa - IETV 2008
Design para TV Interativa - IETV 2008Design para TV Interativa - IETV 2008
Design para TV Interativa - IETV 2008
 
Alinhamento captação de conteúdo audiovisual
Alinhamento captação de conteúdo audiovisualAlinhamento captação de conteúdo audiovisual
Alinhamento captação de conteúdo audiovisual
 
Rádio e tv 01 aula 02
Rádio e tv 01 aula 02Rádio e tv 01 aula 02
Rádio e tv 01 aula 02
 
workshop direção parte 1
workshop direção parte 1workshop direção parte 1
workshop direção parte 1
 
Video Streaming
Video StreamingVideo Streaming
Video Streaming
 
Comunicação produção rádio e tv
Comunicação  produção rádio e tvComunicação  produção rádio e tv
Comunicação produção rádio e tv
 
Aula preparação do profissional de rádio e tv
Aula preparação do profissional de rádio e tvAula preparação do profissional de rádio e tv
Aula preparação do profissional de rádio e tv
 
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação   generos e formatos atualizadoTeoria da comunicação   generos e formatos atualizado
Teoria da comunicação generos e formatos atualizado
 
mídias digitais
mídias digitaismídias digitais
mídias digitais
 
Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02Aula linguagem audiovisual 02
Aula linguagem audiovisual 02
 
Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01Aula linguagem audiovisual 01
Aula linguagem audiovisual 01
 
Aula 03 - A história do rádio e da TV
Aula 03 - A história do rádio e da TVAula 03 - A história do rádio e da TV
Aula 03 - A história do rádio e da TV
 
Modelo de projeto tv
Modelo de projeto tvModelo de projeto tv
Modelo de projeto tv
 
Apostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espmApostila básica produção audiovisual espm
Apostila básica produção audiovisual espm
 
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdfPRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
PRODUÇÃO AUDIOVISUAL - Etapas da Produção pdf
 

Semelhante a Workshop Direção de Programas de TV parte 3

Estúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfonesEstúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfones
Thiago Aguiar
 
Aula 006 - Filtros
Aula 006 - FiltrosAula 006 - Filtros
Aula 006 - Filtros
Osmar Rios
 
IluminaçAo
IluminaçAoIluminaçAo
IluminaçAo
Auriene
 
Apostila fotografia
Apostila fotografiaApostila fotografia
Apostila fotografia
luque_rp
 
Apostila fotografia
Apostila fotografiaApostila fotografia
Apostila fotografia
hannaaah
 

Semelhante a Workshop Direção de Programas de TV parte 3 (20)

Dicas de iluminação cenicas
Dicas de iluminação cenicasDicas de iluminação cenicas
Dicas de iluminação cenicas
 
Estúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfonesEstúdio de áudio e microfones
Estúdio de áudio e microfones
 
Microfones
MicrofonesMicrofones
Microfones
 
Iluminação e flash
Iluminação e flashIluminação e flash
Iluminação e flash
 
Fotografia em Estúdio
Fotografia em EstúdioFotografia em Estúdio
Fotografia em Estúdio
 
Aula 006 - Filtros
Aula 006 - FiltrosAula 006 - Filtros
Aula 006 - Filtros
 
Lâmpada
LâmpadaLâmpada
Lâmpada
 
IluminaçAo
IluminaçAoIluminaçAo
IluminaçAo
 
Apostila fotografia
Apostila fotografiaApostila fotografia
Apostila fotografia
 
Apostila fotografia
Apostila fotografiaApostila fotografia
Apostila fotografia
 
Apostila fotografia
Apostila fotografiaApostila fotografia
Apostila fotografia
 
Fotografia com ênfase em imagem digital_Fernando Martins
Fotografia com ênfase em imagem digital_Fernando MartinsFotografia com ênfase em imagem digital_Fernando Martins
Fotografia com ênfase em imagem digital_Fernando Martins
 
Livro a cópia, Ansel Adams; Resumo; Laboratorio preto e branco
Livro a cópia, Ansel Adams; Resumo; Laboratorio preto e brancoLivro a cópia, Ansel Adams; Resumo; Laboratorio preto e branco
Livro a cópia, Ansel Adams; Resumo; Laboratorio preto e branco
 
Solatube comercial
Solatube comercialSolatube comercial
Solatube comercial
 
CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04CRP-422-2014-04
CRP-422-2014-04
 
Luminarias indoor jul10
Luminarias indoor jul10Luminarias indoor jul10
Luminarias indoor jul10
 
Câmera fotografica
Câmera fotograficaCâmera fotografica
Câmera fotografica
 
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRAWorkshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
Workshop Técnico MUZIK 2019 - CASA PETRA
 
O NEGATIVO - ANSEL ADAMS
O NEGATIVO - ANSEL ADAMSO NEGATIVO - ANSEL ADAMS
O NEGATIVO - ANSEL ADAMS
 
Fotografia
FotografiaFotografia
Fotografia
 

Workshop Direção de Programas de TV parte 3

  • 1. Workshop Direção de programas direção de PROGRAMAS 3ª PARTE Ricardo Barros
  • 2. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO FILOSOFIA DE ILUMINAÇÃO - KODAK • Naturalista Segue um posicionamento realista e lógico das fontes de luz em um local. Por exemplo, quando duas pessoas são fotografadas de frente para o outro em um exterior-dia, e uma pessoa está em contraluz, a outra pessoa deve estar em pleno sol. • Pictórica Permite o uso de ângulos de luz que violam a lógica do naturalismo para criar um efeito artístico.
  • 3. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO INTERIOR OU EXTERIOR DIA OU NOITE A iluminação altera a realidade. Esquenta ou esfria a cena . Cria um realismo ou artificialidade. Aumenta ou diminui a profundidade.
  • 4. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO PROPRIEDADES • INTENSIDADE Quantidade de luz que afeta o objeto, medida através de footcandles. •COR A luz possui uma balança Fonte hard Sombras duras, direta de cores de acordo com a sua fonte. •ÂNGULO DE INCIDÊNCIA Afeta a intensidade e a qualidade. Sugere o clima, horário e tipo de locação. •QUALIDADE Hard ou Soft. Concentração ou difusão. Fonte soft Sombras difusas, indireta
  • 8. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO DURA Lentes Fresnel Produz sombras duras e definidas. Destacam a textura e o contorno. Direcional, destacam áreas restritas. Permitem boa distância do objeto Desvantagens: Cria sombras indesejáveis, e quanto mais fontes mais sombras. Revela irregularidades da pele. Dispersão limitada, obrigando a utilização de vários focos para superfícies amplas.
  • 9. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO DURA Aberto Quartz lights 650, 1000 e 2000 watt Scoop
  • 10. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO DURA
  • 11. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO DURA Brut: É uma espécie de "calha" de luz, onde uma série de "faróis" são colocados em série, promovendo uma luz muito intensa e aberta. É luz dura, mas geralmente, quando usada em estúdio, é rebatida para funcionar como luz geral ou luz de enchimento. Em pequenas produções usa-se o Mini-Brut, de três séries de 2 faróis.
  • 12. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇOES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO SUAVE Não se distingue bem as sombras, produz sombras sutis e delicadas. Cobre área muito ampla. Elimina sombras produzidas pela luz dura. Texturas e contornos pouco definidos. Utilização de difusores, papéis de cristal esmerilhado, papel vegetal, rebatedores. Desvantagens: Diminui a profundidade, chapando a imagem. Se dispersa completamente, iluminando toda a cena, sendo muito difícil de restringi-la. A sua intensidade diminui rapidamente com a distância, deve ser posicionada próxima da cena.
  • 13. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO SUAVE . KINO FLO e CAIXA PL
  • 14. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO SUAVE . LANTERNA CHINESA
  • 15. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO ILUMINAÇÃO SUAVE .
  • 16. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO HIGH KEY Bright, clara, difusa, poucas sombras Tuner Whistler Degas
  • 17. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO LOW KEY Poucas áreas bem iluminadas, sombras profundas Rembrandt Caravaggio
  • 18. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO GRADUATED TONALITY Soft light, weak shadows Reproduz uma escala de tons graduais Ingres
  • 19. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO KEY LIGHT Luz principal, por cima da câmera e lateral, luz forte que irá dar maior ênfase ao assunto principal da cena.
  • 20. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO FILL LIGHT Luz suave de preenchimento, posicionada na lateral oposta à principal. Diminui contraste e elimina as sombras. Quanto mais frontal a key, menos necessidade.
  • 21. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO BACK LIGHT Contraluz posicionada atrás do sujeito. O destaca do fundo, proporciona solidez.
  • 22. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO HMI Hidrargyrum Medium Arch-Lenght Iodide Refletor com temperatura de cor Daylight. Pode variar de 200 e 20.000w, e são similares aos fresnéis, só que mais pesados e muito caros, pois se inclui o preço das horas de lâmpadas utilizadas.
  • 23. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO LED Light-Emitting Diode é atualmente uma ferramenta em crescente aplicação na iluminação para televisão e cinema. Ela traz benefícios como o baixo consumo de energia e o baixíssimo aquecimento do equipamento.
  • 24. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO PHOTO FLOOD É uma lâmpada de bulbo cuja vantagem é possuir uma rosca universal que pode ser colocada em qualquer soquete comum. Potência de 300 a 600w. Possui temperatura de cor controlada e é vendida nas versões Tungstênio e Daylight. Duração de 3 a 6 horas.
  • 25. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO REFLETORES
  • 26. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO COMPENSAÇÃO DE COR Luz natural X artificial Utilização de filtros de correção CTO (âmbar) CTB (azul) Câmera balanceada para luz dia, a luz tungstênio fica mais quente. Câmera balanceada para luz tungstênio, a luz dia fica mais azul.
  • 27. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO REBATEDORES
  • 28. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE ILUMINAÇÃO MAPA DE LUZ É a planta da locação ou estúdio com as posições dos refletores.
  • 29. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM O som proporciona realismo às imagens. Legitima o discurso narrativo. Envolve a audiência. Estimula a imaginação. Requer a utilização de equipamentos adequados E uma seleção artística adequada.
  • 30. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM Tipos de formatos de audição nas mídias: - Mono - Estereo 2.0 - Surround 5.1 - Surround 7.1 - Surround 22.2 Formatos digitais de áudio se dividem basicamente em dois grupos: não comprimidos e comprimidos. WAV e AIFF são exemplos de não comprimidos
  • 31. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES
  • 32. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES
  • 33. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Microfones dinâmicos São famosos pela sua resistência e confiabilidade. Não precisam de baterias ou fontes de alimentação externas. São capazes de produzir uma resposta plana em uma ampla gama de frequências ou estão disponíveis com respostas “sob medida” para aplicações especiais. Excelente relação sinal-ruído. Exigem pouca ou nenhuma manutenção regular e, com cuidados razoáveis, manterão o mesmo desempenho por muitos anos. Microfones condensadores Utilizam uma membrana leve e uma placa fixa que atuam como faces opostas de um capacitor. A pressão sonora contra essa fina película de polímero faz com que ela se mova. Esse movimento altera a capacitância do circuito e cria uma saída elétrica variável. Resposta de freqüência muito uniforme.
  • 34. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Omnidirecional Os microfones omnidirecionais captam o som de todas as direções de maneira praticamente igual. Funcionarão igualmente bem tanto quando apontados para longe quanto apontados na direção do tema, se as distâncias forem iguais. No entanto, até mesmo os melhores modelos omni tendem a se tornar direcionais em frequências mais elevadas ; assim, o som que vem por trás pode parecer um pouco mais “embotado” do que o que vem pela frente, embora pareça igualmente “alto”.
  • 35. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Omnidirecional A maioria dos microfones omni, sobretudo do tipo capacitivo, possui uma resposta de frequências bastante suave e por isso são largamente usados para captação de voz, tanto em sistemas de sonorização quanto em estúdios de gravação. Os microfones omnidirecionais têm um ruído de manuseio relativamente baixo e não possuem o efeito de proximidade, que realça os graves, como os cardioides. Por causa de seus diafragmas bem amortecidos, os microfones omnidirecionais geralmente são mais robustos do que os cardióides.
  • 36. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Direcional Os microfones direcionais são projetados para responder melhor a sons que vêm pela frente (e por trás, no caso dos bidirecionais). Essa capacidade direcional geralmente é resultado de aberturas externas e passagens internas no microfone, que permitem que o som alcance os dois lados do diafragma de maneira cuidadosamente controlada. O som que chega pela frente do microfone ajudará a movimentar o diafragma, enquanto o som que chega pela lateral ou por trás cancelará o movimento.
  • 37. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Direcional Os tipos direcionais básicos incluem o cardióide, o subcardióide, o hipercardióide e o bidirecional. Também incluído na categoria geral de microfones direcionais está o microfone de linha ou “shotgun”, um projeto mais complexo que pode proporcionar uma direcionalidade consideravelmente mais elevada do que os quatro tipos direcionais básicos.
  • 38. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Cardióides Um microfone cardióide possui um alcance maior do que um omnidirecional. Graças ao seu padrão de captação voltado para a frente, ele possui uma alta relação entre a resposta a sons vindos na direção de seu eixo e a resposta a direções aleatórias. O microfone cardióide pode ser usado a uma distância 1,7 vezes maior do que um omnidirecional, e ainda assim oferecendo a mesma supressão global do ruído aleatório do ambiente.
  • 39. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Um microfone com padrão hiper-cardióide pode ser usado a uma distância 2 vezes maior do que o omnidirecional para produzir um mesmo resultado, e um microfone com padrão super-cardióide pode ser usado a uma distância 1,9 vezes maior.
  • 40. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES
  • 41. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Microfones de linha Quando for necessário posicionar microfones a distâncias ainda maiores, os microfones de linha ou “shotgun” são muitas vezes a melhor escolha. Os microfones de linha são excelentes para utilização com vídeo e filmagens, para captar o som quando o microfone precisa estar localizado fora do quadro, isto é, fora do ângulo de visualização da câmera.
  • 42. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM MICROFONES Microfones sem fio Proporcionando total liberdade de movimentos, os sistemas de microfones sem fio profissionais estabeleceram elevados padrões de desempenho nos ambientes mais difíceis. Microfone/transmissor de mão autônomo, microfones de cabeça, de lapela, e para instrumentos. Todos os microfones capacitivos necessitam de algum tipo de alimentação elétrica, pois contêm dentro deles um circuito eletrônico de pré-amplificação. Muitos microfones de eletreto são alimentados por uma bateria interna de 9 volts
  • 43. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM ESPUMA DE VENTO Espumas de vento As espumas de vento para microfones reduzem os problemas de “estalos” devido à proximidade da voz. Também ajudam a controlar o ruído de vento muitas vezes encontrado em aplicações externas e movimentos de ar de sistemas de aquecimento/ar condicionado.
  • 44. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM ESPUMA DE VENTO
  • 45. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM Edição do áudio Sincronismo Pista de música e efeitos Filtros SONOPLASTIA
  • 46. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM SONOPLASTIA Normalização Processo de tratamento do som efetuado após a sua compressão. O processo de compressão torna o volume geral do som mais baixo do que no original, uma vez que os picos de volume são atenuados (juntamente com o aumento das partes mais baixas). A normalização promove o aumento do som como um todo. O resultado final do processo compressão + normalização pode ser excelente, desde que o som original esteja bem gravado. Caso contrário, ruídos indesejados de fundo serão também ampliados durante a modificação.
  • 47. DIREÇÃO DE PROGRAMAS NOÇÕES DE SOM L&R SONOPLASTIA