SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 40
Manual do Formando
Técnicas de Carpintaria
2335 APCDI –Matérias e materiais - Madeira (50 horas)
• Portugal apresenta a taxa mais
elevada de floresta dos Países
Europeus, tendo cerca de três
milhões de hectares e
possivelmente capacidade para o
dobro.
• Reconhece-se hoje o valor da
árvore, quer como matéria-prima
da economia industrial, quer como
elemento fundamental do espaço
natural, ou melhor, daquele onde
impera a vida em toda a sua
complexidade de formas e relações.
A madeira como
matéria prima
• As madeiras constituem um material
complexo com características muito
diferentes dos outros materiais de
construção. A origem dessas diferenças
reside sobretudo na sua estrutura
fibrosa heterogénea e anisotrópica.
• A madeira tem sido desde sempre um
dos principais materiais utilizados na
construção. Estruturalmente, perdeu o
seu protagonismo a partir da Revolução
industrial, sendo substituída primeiro
pelo ferro e depois pelo betão armado,
materiais que constituem hoje em dia a
estrutura da maior parte dos edifícios.
A madeira como
matéria prima
• A tecnologia, por sua vez, fez surgir
uma série de derivados da madeira
como alternativa à madeira maciça ou
natural. Estes materiais, como os
aglomerados e os contraplacados, têm
características próprias que os
distinguem entre si.
A madeira como
matéria prima
• A madeira maciça, considerada, por vezes
erradamente, um material melhor do que os
seus derivados, é obtida do tronco da árvore
através do corte circular transversal ou em
quartos.
• Necessita de um período de secagem
alargado, entre um a dois anos, sendo que
as resinosas secam mais depressa. Durante
este processo ocorre, inevitavelmente,
alguma deformação.
• O facto de a madeira que se adquire para
trabalhos de marcenaria raramente estar
bem seca, leva-a a acusar os efeitos da
humidade e da temperatura, podendo vir a
sofrer de diversas patologias e defeitos.
A madeira como
matéria prima
• Para remediar essa tendência natural
surgiram os dois grandes grupos de
derivados de madeira estratificada, os
Aglomerados e os Contraplacados, a par de
outros produtos seus sucedâneos existentes
no mercado, dos quais se salientam os
Folheados, os Termolaminados, as Placas de
Fibras de Madeira (Platex), os Painéis de
Madeira Reconstituída e a Cortiça.
A madeira como
matéria prima
• Enquanto os “contraplacados” surgem
através das colagens de finas folhas de
madeira, umas sobre outras, cruzando o seu
veio na vertical e na horizontal,
alternadamente, os “aglomerados" são
fabricados a partir de pequenas aparas
misturadas com uma resina sintética, sendo
depois esta pasta prensada a alta
temperatura, não apresentando no final
quaisquer veios.
A madeira como
matéria prima
• Tanto num caso como noutro, para lhes
conferir a aparência atrativa da madeira, a
peça resultante é coberta com uma folha
especificada desse material, chamando-se
“folheado” a este processo de acabamento, o
qual pode ser feito com madeira ou com
laminados diversos.
• A madeira, mesmo tendo sido substituída por
outros materiais, continua a ser um dos
eleitos, quer pela sua beleza, quer pela sua
maleabilidade. Contudo, por questões
práticas e de orçamento, é cada vez mais
substituída pelos seus derivados.
A madeira como
matéria prima
• Recorrendo a uma noção de “madeira” é
apresentada como sendo a “substância
compacta, sólida, fibrosa, que se diz
lenhosa, que compõe as raízes, o tronco
(fuste, haste ou caule) e os ramos de certos
vegetais”.
Conceito de
madeira
NOMENCLATURA DA MADEIRA
A nomenclatura existente sobre madeira
corresponde à classificação das árvores de onde
a obtemos, resumindo-se, fundamentalmente, a
dois grandes grupos: as árvores resinosas (ou
“coníferas”) e as árvores folhosas (ou
“caducas”).
Conceito de
madeira
NOMENCLATURA DA MADEIRA
A nomenclatura existente sobre madeira
corresponde à classificação das árvores de onde
a obtemos, resumindo-se, fundamentalmente, a
dois grandes grupos: as árvores resinosas (ou
“coníferas”) e as árvores folhosas (ou
“caducas”).
Conceito de
madeira
ÁRVORES RESINOSAS
As árvores resinosas têm naturalmente resina,
sendo as folhas do tipo persistente, com maior
durabilidade, possuindo forma em agulha. São
próprias das zonas frias e temperadas,
pertencem às melhores e mais apreciadas
madeiras de construção pelas suas
características de trabalho e resistência
mecânica. Apodrecem facilmente se não forem
devidamente tratadas.
Conceito de
madeira
ÁRVORES RESINOSAS (cont.)
Os tipos de árvores enquadradas neste grupo
são o pinho e diversos tipos congéneres. As
árvores a partir das quais se obtém o pinho são
os pinheiros bravos e os pinheiros mansos. A
madeira de pinho existe praticamente em toda
a parte do mundo, sendo usada nas obras
públicas e construção civil, para além dos
sectores do mobiliário e da construção naval.
Conceito de
madeira
ÁRVORES RESINOSAS (cont.)
Podemos referir alguns tipos particulares de “pinho”:
• “Pinho bravo” - É uma árvore que dá madeira de boa
qualidade, muito embora não seja muito utilizada.
Obtém-se a partir do “pinheiro bravo”;
• “Pinho marítimo” - Também conhecida por “pinus
pinaster”, é uma árvore típica dos países
mediterrânicos como Portugal, Espanha, França e
alguns países de África. Encontra-se na Europa em
altitudes médias (de 0 a 400 metros) e elevadas (de
400 a 900 metros), bem como na África em alturas até
2000 metros;
Conceito de
madeira
ÁRVORES RESINOSAS (cont.)
• “Pinho manso” - Caracteriza-se por ter ramificações
e nodos;
• “Casquinha” - Encontra-se um pouco por toda a
Europa, designadamente na Escandinávia, bem como
em Portugal (Serra do Marão).
Conceito de
madeira
ÁRVORES FOLHOSAS
As árvores folhosas são próprias de zonas
temperadas tropicais, produzindo madeiras
desde as mais suaves e brandas até às duras.
Pertencem às madeiras aptas também para a
marcenaria devido ao seu aspeto, acabamento
e qualidade, sendo por isso mais indicadas para
fins decorativos.
Conceito de
madeira
ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.)
São na sua maioria de folha caduca e entre os seus
vários tipos temos:
• O “carvalho” - Existem 200 espécies de árvores com
este nome. Na madeira extraída desta árvore, os raios
medulares são diferentes quanto à sua espessura,
existindo uns delgados e outros com maior largura.
Quanto ao tipo de folha, os carvalhos resumem-se a
dois tipos: de folha caduca (ou folha marcescente,
assim caracterizada por morrer no Outono mas cair só
na Primavera seguinte) e de folha persistente. Nos de
folha caduca os vasos possuem maior diâmetro do que
os de folha persistente.
Conceito de
madeira
ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.)
O carvalho de folha caduca, quando atinge grandes
dimensões, destina-se a ser utilizado
preferencialmente no fabrico da aduela e na
marcenaria, para além das decorações de casas e
construção civil. Já o carvalho de folha persistente, de
maior densidade, é muito usado para produzir carvão;
• O “castanho” - É o nome porque é conhecido a
madeira do castanheiro. Quanto à espessura e
comprimento, são diferentes não tendo um padrão
próprio. Aplica-se na tanoaria, na marcenaria e na
construção civil;
Conceito de
madeira
ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.)
• O “eucalipto” - Existem 230 espécies diferentes.
Estas árvores caracterizam-se pela sua altura e
crescimento rápido, muito embora algumas apenas
sejam “arbustos”;
• O “álamo” - Trata-se de uma espécie de choupo.
Porém, é possível extrair desta árvore boa madeira,
podendo ter os destinos mais diversos;
• A “nogueira” - É uma árvore de altura elevada, tendo
a casca acinzentada e a copa grande com folhas de 7 a
9 folíolos. A sua madeira utiliza-se muito na
marcenaria;
Conceito de
madeira
ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.)
• A “faia” - Caracteriza-se por possuir um porte
esbelto, com cerca de 30 metros de altura, as folhas
arredondadas, e uma considerável densidade. É
utilizada na produção de carruagens, caixas de
ressonância de pianos, utensílios de desporto e
também em objetos de maior requinte e precisão.
A “faia” é um exemplo de árvore das florestas dos
climas temperados, da família das fagáceas, de córtex
liso, cuja madeira branca, resistente e flexível é muito
empregada em marcenaria;
Conceito de
madeira
Conceito de
madeira
Propriedades da
madeira
Processo de
obtenção da
madeira
Estrutura da
Madeira
No que respeita à estrutura da “madeira”, existem
também diferenças consoante a origem das árvores.
Geralmente, qualquer que seja o tipo de árvore, o
crescimento dá-se sempre pela sobreposição de
camadas sucessivas, concêntricas e periféricas, estas
camadas designam-se por “anel de crescimento” e
variam conforme a localização das árvores nas várias
regiões do globo. Durante o seu processo de evolução
os “anéis de crescimento”, à medida que se
desenvolvem, vão os mais antigos sendo substituídos
pelos mais novos, deixando os primeiros de participar
na evolução fisiológica que, basicamente, se identifica
com o armazenamento e transporte das substâncias
químicas que alimentam a árvore.
Estrutura da
madeira
Nesta modificação aparece-nos o “cerne”, conjunto dos
anéis de crescimento, ou seja, a camada concêntrica
da árvore situada entre a parte interna designada por
“medula”, e a parte mais nova situada na periferia, sob
a casca, constituída pelas últimas camadas anuais de
madeira ainda vivas, designada por “alburno”. O
“cerne” é de cor escura, mais seco e duro que as
restantes camadas da árvore, desempenhando funções
estruturais. A parte designada por “alburno” tem a cor
mais clara do que o “cerne”, sendo a principal função
das suas células contribuir para a alimentação da
árvore.
Estrutura da
madeira
Estrutura da
madeira
A estrutura celular das árvores possui “veios”, que são
de toda a importância na extração e serração das
madeiras, visto que estas operações deverão ser
efetuadas de maneira a que os “veios” fiquem sempre
paralelos ao plano do corte, podendo reduzir
significativamente a resistência da madeira se não for
tomado em consideração. Os “veios” são de dois tipos:
os “abertos” e os “fechados”. A diferença entre os dois
está em que, no primeiro caso, os poros da árvore
cobrem toda a superfície exposta, e no segundo, isso
já não sucede, não sendo também visíveis a “olho nu”.
Do ponto de vista “anatómico”, a madeira possui várias
espécies que se encontram relacionadas com o
“lenho”. O “lenho” pode ser de dois tipos: um “inicial”
e outro mais “tardio”.
As diferenças principais estão na fase do processo de
Estrutura da
madeira
Do ponto de vista “anatómico”, a madeira possui várias
espécies que se encontram relacionadas com o
“lenho”. O “lenho” pode ser de dois tipos: um “inicial”
e outro mais “tardio”. As diferenças principais estão na
fase do processo de crescimento do “lenho”, sendo o
primeiro aquele que aparece na fase de nascimento e
o segundo na fase terminal.
Estrutura da
madeira
As madeiras e seus derivados, de um modo geral, para
além das suas características químicas, possuem
importantes propriedades físicas e mecânicas.
Nem toda a madeira é igual.
Há madeiras muito duras e resistentes e outras mais
brandas e menos resistentes. Pegando num pouco de
madeira, verifica-se que a sua estrutura é fibrosa, ou
seja, formada por fibras. As fibras estão orientadas
segundo uma direção determinada, o que faz com que
a madeira não tenha as mesmas propriedades em
qualquer direção, sendo mais fácil separar as fibras
umas das outras no sentido dos veios do que no
sentido perpendicular a eles.
Propriedades e
características da
madeira
HUMIDADE
A humidade é o teor de água existente na madeira.
Sem a água não é possível haver madeira. A maior
parte da madeira é constituída por celulose, sendo
esta substância sobejamente conhecida pelo facto de
necessitar de muita água para crescer. A quantidade
de água absorvida pela madeira afeta o seu
crescimento.
Após a extração da madeira da árvore, podem advir
complicações devido ao seu grau de humidade,
designadamente, empenamentos, fissuras, etc.
Propriedades
Físicas
HUMIDADE (cont.)
A madeira pode classificar-se em:
• “Madeira saturada” – com o teor de água (humidade)
acima dos 70%;
• “Madeira verde” – com o teor de água entre 30 e
70%.
• “Madeira semi-seca” – com o teor de água entre 23 e
30%.
• “Madeira comercialmente seca” – se o teor de água
for de 18 a 22%.
• “Madeira seca ao ar (sob coberto)” – se o teor de
água for de 13 a 17%.
• “Madeira muito seca” – com o teor de água entre 8 e
12%.
• “Madeira completamente seca” – com 0% de teor de
água.
Propriedades
Físicas
DENSIDADE:
A densidade é uma propriedade que está relacionada
com a humidade da madeira. Este indicador permite
determinar o peso que a madeira tem por cada
unidade de volume aparente.
Esta importante propriedade física da madeira é muito
variável nas espécies comerciais, não só devido às
condições climáticas do ambiente de crescimento, mas
também pela humidade ou teor de água que
apresentam e ainda pela quantidade de infiltrações no
lenho cerneiro. Com o fim de identificação, a
densidade é apreciada, comparativa de peças de
madeira de idênticas dimensões e estados de
humidade.
:
Propriedades
Físicas
RETRATILIDADE:
A propriedade da madeira que consiste em
variar de dimensões quando o seu teor de
água se modifica. Ela expande-se ao
absorver água, e contrai-se ao perdê-la.
• Retracção transversal – a que respeita ao
atravessamento do diâmetro da árvore,
• Retracção longitudinal – a que respeita
ao comprimento (altura) da árvore.
• “Madeira muito nervosa” – se o valor do
coeficiente variar entre 0,75% e 1%;
• “Madeira nervosa” – se o valor variar
entre 0,55 e 0,75%;
• “Madeira medianamente nervosa” – se o
valor variar entre 0,35 e 0,55%;
• “Madeira pouco nervosa” – se o valor
variar entre 0,15 e 0,35%.
Propriedades
Físicas
HETEROGENEIDADE:
A heterogeneidade consiste no facto de
duas peças extraídas da mesma madeira
nunca serem iguais uma à outra, ainda
que sejam da mesma árvore. Esta
diferenciação da madeira resulta do facto
de as células das árvores serem diferentes,
pelo que a madeira também é
necessariamente diferente, ou seja, a
madeira é um material orgânico.
Propriedades
Físicas
HIGROMETRICIDADE:
A higrometricidade é uma característica
que a madeira possui de absorver a água e
de a perder por evaporação.
A madeira é um material orgânico e
higroscópico, como tal muito sensível à
influência da variação do grau de
humidade ambiente.
Propriedades
Físicas
POROSIDADE:
A porosidade é uma característica da
madeira que permite deixar passar mais
ou menos organismos ou elementos
voláteis na sua constituição material.
Como noutros materiais, também está
ligada à maior ou menor apetência para
absorver água.
Propriedades
Físicas
DUREZA:
A dureza é uma propriedade intimamente
associada à ideia da resistência que a
madeira possui, e varia com a sua idade e
duração, sendo também diferente
conforme se trate do “cerne” ou do “borne”
da madeira.
Propriedades
Físicas
Madeiras mais utilizadas:
Propriedades e
características da
madeira
Rita Santos

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Guia de Madeira para Carpintaria

Teoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasTeoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasWagner Rezende
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiaisTiago Cruz
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silviculturaanatao
 
Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeiraJoão Jesus
 
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deEmprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deAldo Werle
 
Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01
Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01
Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01Bynhã Silva
 
Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)Lais Ferraz
 
Material construção madeira unicamp
Material construção madeira unicampMaterial construção madeira unicamp
Material construção madeira unicampCarla Dombek
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeirasonaibaf2003
 
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx3maAlmeida
 
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx3maAlmeida
 

Semelhante a Guia de Madeira para Carpintaria (20)

Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
 
Trab. josé
Trab. joséTrab. josé
Trab. josé
 
Teoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasTeoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: Madeiras
 
Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
 
aula-10-madeira.pdf
aula-10-madeira.pdfaula-10-madeira.pdf
aula-10-madeira.pdf
 
Silvicultura
SilviculturaSilvicultura
Silvicultura
 
Os materiais madeira
Os materiais  madeiraOs materiais  madeira
Os materiais madeira
 
Madeira
MadeiraMadeira
Madeira
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
 
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura deEmprego de fôrmas de madeira em estrutura de
Emprego de fôrmas de madeira em estrutura de
 
Cm aula 6
Cm   aula 6Cm   aula 6
Cm aula 6
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01
Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01
Seminarioiiiunidademadeira 130911153106-phpapp01
 
Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)Madeira (Resistência dos materiais)
Madeira (Resistência dos materiais)
 
Material construção madeira unicamp
Material construção madeira unicampMaterial construção madeira unicamp
Material construção madeira unicamp
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
 
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
2352 - Caixilho de janelas com duas folhas (50 horas) (1).pptx
 
Marchetaria
MarchetariaMarchetaria
Marchetaria
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 

Mais de 3maAlmeida

2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx3maAlmeida
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx3maAlmeida
 
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx3maAlmeida
 
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx3maAlmeida
 
7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx
7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx
7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx3maAlmeida
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx3maAlmeida
 
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx3maAlmeida
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx3maAlmeida
 
2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx
2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx
2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx3maAlmeida
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx3maAlmeida
 
2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx
2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx
2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx3maAlmeida
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx3maAlmeida
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx3maAlmeida
 
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx3maAlmeida
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx3maAlmeida
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx3maAlmeida
 
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt3maAlmeida
 
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx3maAlmeida
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx3maAlmeida
 
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx3maAlmeida
 

Mais de 3maAlmeida (20)

2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
 
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
 
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
 
7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx
7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx
7319 - Embalamento e acondicionamento do produto acabado.pptx
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
 
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
 
2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx
2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx
2348 - Montagem e assentamento de estruturas de carpintaria.pptx
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
 
2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx
2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx
2338 - Máquinas ferramentas - Iniciação (2).pptx
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (1).pptx
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO.pptx
 
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
2337-Processos de manutenção e afiação de ferramentas manuais (1).pptx
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia.pptx
 
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
2334 - Operações com ferramentas Manuai_INICIAÇÃO (1).pptx
 
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
 
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
2345 - Ligações de estruturas com diferentes samblagens (2).pptx
 
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
2331- Marcações, mediçoes e traçagens de peças de madeira - Cópia (2).pptx
 
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
2354 - Tecnicas de estrutura e montagem de lambrins.pptx
 

Último

Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINFabioFranca22
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppssuser238e8f
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 

Último (11)

Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 

Guia de Madeira para Carpintaria

  • 1. Manual do Formando Técnicas de Carpintaria 2335 APCDI –Matérias e materiais - Madeira (50 horas)
  • 2. • Portugal apresenta a taxa mais elevada de floresta dos Países Europeus, tendo cerca de três milhões de hectares e possivelmente capacidade para o dobro. • Reconhece-se hoje o valor da árvore, quer como matéria-prima da economia industrial, quer como elemento fundamental do espaço natural, ou melhor, daquele onde impera a vida em toda a sua complexidade de formas e relações. A madeira como matéria prima
  • 3. • As madeiras constituem um material complexo com características muito diferentes dos outros materiais de construção. A origem dessas diferenças reside sobretudo na sua estrutura fibrosa heterogénea e anisotrópica. • A madeira tem sido desde sempre um dos principais materiais utilizados na construção. Estruturalmente, perdeu o seu protagonismo a partir da Revolução industrial, sendo substituída primeiro pelo ferro e depois pelo betão armado, materiais que constituem hoje em dia a estrutura da maior parte dos edifícios. A madeira como matéria prima
  • 4. • A tecnologia, por sua vez, fez surgir uma série de derivados da madeira como alternativa à madeira maciça ou natural. Estes materiais, como os aglomerados e os contraplacados, têm características próprias que os distinguem entre si. A madeira como matéria prima
  • 5. • A madeira maciça, considerada, por vezes erradamente, um material melhor do que os seus derivados, é obtida do tronco da árvore através do corte circular transversal ou em quartos. • Necessita de um período de secagem alargado, entre um a dois anos, sendo que as resinosas secam mais depressa. Durante este processo ocorre, inevitavelmente, alguma deformação. • O facto de a madeira que se adquire para trabalhos de marcenaria raramente estar bem seca, leva-a a acusar os efeitos da humidade e da temperatura, podendo vir a sofrer de diversas patologias e defeitos. A madeira como matéria prima
  • 6. • Para remediar essa tendência natural surgiram os dois grandes grupos de derivados de madeira estratificada, os Aglomerados e os Contraplacados, a par de outros produtos seus sucedâneos existentes no mercado, dos quais se salientam os Folheados, os Termolaminados, as Placas de Fibras de Madeira (Platex), os Painéis de Madeira Reconstituída e a Cortiça. A madeira como matéria prima
  • 7. • Enquanto os “contraplacados” surgem através das colagens de finas folhas de madeira, umas sobre outras, cruzando o seu veio na vertical e na horizontal, alternadamente, os “aglomerados" são fabricados a partir de pequenas aparas misturadas com uma resina sintética, sendo depois esta pasta prensada a alta temperatura, não apresentando no final quaisquer veios. A madeira como matéria prima
  • 8. • Tanto num caso como noutro, para lhes conferir a aparência atrativa da madeira, a peça resultante é coberta com uma folha especificada desse material, chamando-se “folheado” a este processo de acabamento, o qual pode ser feito com madeira ou com laminados diversos. • A madeira, mesmo tendo sido substituída por outros materiais, continua a ser um dos eleitos, quer pela sua beleza, quer pela sua maleabilidade. Contudo, por questões práticas e de orçamento, é cada vez mais substituída pelos seus derivados. A madeira como matéria prima
  • 9. • Recorrendo a uma noção de “madeira” é apresentada como sendo a “substância compacta, sólida, fibrosa, que se diz lenhosa, que compõe as raízes, o tronco (fuste, haste ou caule) e os ramos de certos vegetais”. Conceito de madeira
  • 10. NOMENCLATURA DA MADEIRA A nomenclatura existente sobre madeira corresponde à classificação das árvores de onde a obtemos, resumindo-se, fundamentalmente, a dois grandes grupos: as árvores resinosas (ou “coníferas”) e as árvores folhosas (ou “caducas”). Conceito de madeira
  • 11. NOMENCLATURA DA MADEIRA A nomenclatura existente sobre madeira corresponde à classificação das árvores de onde a obtemos, resumindo-se, fundamentalmente, a dois grandes grupos: as árvores resinosas (ou “coníferas”) e as árvores folhosas (ou “caducas”). Conceito de madeira
  • 12. ÁRVORES RESINOSAS As árvores resinosas têm naturalmente resina, sendo as folhas do tipo persistente, com maior durabilidade, possuindo forma em agulha. São próprias das zonas frias e temperadas, pertencem às melhores e mais apreciadas madeiras de construção pelas suas características de trabalho e resistência mecânica. Apodrecem facilmente se não forem devidamente tratadas. Conceito de madeira
  • 13. ÁRVORES RESINOSAS (cont.) Os tipos de árvores enquadradas neste grupo são o pinho e diversos tipos congéneres. As árvores a partir das quais se obtém o pinho são os pinheiros bravos e os pinheiros mansos. A madeira de pinho existe praticamente em toda a parte do mundo, sendo usada nas obras públicas e construção civil, para além dos sectores do mobiliário e da construção naval. Conceito de madeira
  • 14. ÁRVORES RESINOSAS (cont.) Podemos referir alguns tipos particulares de “pinho”: • “Pinho bravo” - É uma árvore que dá madeira de boa qualidade, muito embora não seja muito utilizada. Obtém-se a partir do “pinheiro bravo”; • “Pinho marítimo” - Também conhecida por “pinus pinaster”, é uma árvore típica dos países mediterrânicos como Portugal, Espanha, França e alguns países de África. Encontra-se na Europa em altitudes médias (de 0 a 400 metros) e elevadas (de 400 a 900 metros), bem como na África em alturas até 2000 metros; Conceito de madeira
  • 15. ÁRVORES RESINOSAS (cont.) • “Pinho manso” - Caracteriza-se por ter ramificações e nodos; • “Casquinha” - Encontra-se um pouco por toda a Europa, designadamente na Escandinávia, bem como em Portugal (Serra do Marão). Conceito de madeira
  • 16. ÁRVORES FOLHOSAS As árvores folhosas são próprias de zonas temperadas tropicais, produzindo madeiras desde as mais suaves e brandas até às duras. Pertencem às madeiras aptas também para a marcenaria devido ao seu aspeto, acabamento e qualidade, sendo por isso mais indicadas para fins decorativos. Conceito de madeira
  • 17. ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.) São na sua maioria de folha caduca e entre os seus vários tipos temos: • O “carvalho” - Existem 200 espécies de árvores com este nome. Na madeira extraída desta árvore, os raios medulares são diferentes quanto à sua espessura, existindo uns delgados e outros com maior largura. Quanto ao tipo de folha, os carvalhos resumem-se a dois tipos: de folha caduca (ou folha marcescente, assim caracterizada por morrer no Outono mas cair só na Primavera seguinte) e de folha persistente. Nos de folha caduca os vasos possuem maior diâmetro do que os de folha persistente. Conceito de madeira
  • 18. ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.) O carvalho de folha caduca, quando atinge grandes dimensões, destina-se a ser utilizado preferencialmente no fabrico da aduela e na marcenaria, para além das decorações de casas e construção civil. Já o carvalho de folha persistente, de maior densidade, é muito usado para produzir carvão; • O “castanho” - É o nome porque é conhecido a madeira do castanheiro. Quanto à espessura e comprimento, são diferentes não tendo um padrão próprio. Aplica-se na tanoaria, na marcenaria e na construção civil; Conceito de madeira
  • 19. ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.) • O “eucalipto” - Existem 230 espécies diferentes. Estas árvores caracterizam-se pela sua altura e crescimento rápido, muito embora algumas apenas sejam “arbustos”; • O “álamo” - Trata-se de uma espécie de choupo. Porém, é possível extrair desta árvore boa madeira, podendo ter os destinos mais diversos; • A “nogueira” - É uma árvore de altura elevada, tendo a casca acinzentada e a copa grande com folhas de 7 a 9 folíolos. A sua madeira utiliza-se muito na marcenaria; Conceito de madeira
  • 20. ÁRVORES FOLHOSAS (CONT.) • A “faia” - Caracteriza-se por possuir um porte esbelto, com cerca de 30 metros de altura, as folhas arredondadas, e uma considerável densidade. É utilizada na produção de carruagens, caixas de ressonância de pianos, utensílios de desporto e também em objetos de maior requinte e precisão. A “faia” é um exemplo de árvore das florestas dos climas temperados, da família das fagáceas, de córtex liso, cuja madeira branca, resistente e flexível é muito empregada em marcenaria; Conceito de madeira
  • 25. No que respeita à estrutura da “madeira”, existem também diferenças consoante a origem das árvores. Geralmente, qualquer que seja o tipo de árvore, o crescimento dá-se sempre pela sobreposição de camadas sucessivas, concêntricas e periféricas, estas camadas designam-se por “anel de crescimento” e variam conforme a localização das árvores nas várias regiões do globo. Durante o seu processo de evolução os “anéis de crescimento”, à medida que se desenvolvem, vão os mais antigos sendo substituídos pelos mais novos, deixando os primeiros de participar na evolução fisiológica que, basicamente, se identifica com o armazenamento e transporte das substâncias químicas que alimentam a árvore. Estrutura da madeira
  • 26. Nesta modificação aparece-nos o “cerne”, conjunto dos anéis de crescimento, ou seja, a camada concêntrica da árvore situada entre a parte interna designada por “medula”, e a parte mais nova situada na periferia, sob a casca, constituída pelas últimas camadas anuais de madeira ainda vivas, designada por “alburno”. O “cerne” é de cor escura, mais seco e duro que as restantes camadas da árvore, desempenhando funções estruturais. A parte designada por “alburno” tem a cor mais clara do que o “cerne”, sendo a principal função das suas células contribuir para a alimentação da árvore. Estrutura da madeira
  • 28. A estrutura celular das árvores possui “veios”, que são de toda a importância na extração e serração das madeiras, visto que estas operações deverão ser efetuadas de maneira a que os “veios” fiquem sempre paralelos ao plano do corte, podendo reduzir significativamente a resistência da madeira se não for tomado em consideração. Os “veios” são de dois tipos: os “abertos” e os “fechados”. A diferença entre os dois está em que, no primeiro caso, os poros da árvore cobrem toda a superfície exposta, e no segundo, isso já não sucede, não sendo também visíveis a “olho nu”. Do ponto de vista “anatómico”, a madeira possui várias espécies que se encontram relacionadas com o “lenho”. O “lenho” pode ser de dois tipos: um “inicial” e outro mais “tardio”. As diferenças principais estão na fase do processo de Estrutura da madeira
  • 29. Do ponto de vista “anatómico”, a madeira possui várias espécies que se encontram relacionadas com o “lenho”. O “lenho” pode ser de dois tipos: um “inicial” e outro mais “tardio”. As diferenças principais estão na fase do processo de crescimento do “lenho”, sendo o primeiro aquele que aparece na fase de nascimento e o segundo na fase terminal. Estrutura da madeira
  • 30. As madeiras e seus derivados, de um modo geral, para além das suas características químicas, possuem importantes propriedades físicas e mecânicas. Nem toda a madeira é igual. Há madeiras muito duras e resistentes e outras mais brandas e menos resistentes. Pegando num pouco de madeira, verifica-se que a sua estrutura é fibrosa, ou seja, formada por fibras. As fibras estão orientadas segundo uma direção determinada, o que faz com que a madeira não tenha as mesmas propriedades em qualquer direção, sendo mais fácil separar as fibras umas das outras no sentido dos veios do que no sentido perpendicular a eles. Propriedades e características da madeira
  • 31. HUMIDADE A humidade é o teor de água existente na madeira. Sem a água não é possível haver madeira. A maior parte da madeira é constituída por celulose, sendo esta substância sobejamente conhecida pelo facto de necessitar de muita água para crescer. A quantidade de água absorvida pela madeira afeta o seu crescimento. Após a extração da madeira da árvore, podem advir complicações devido ao seu grau de humidade, designadamente, empenamentos, fissuras, etc. Propriedades Físicas
  • 32. HUMIDADE (cont.) A madeira pode classificar-se em: • “Madeira saturada” – com o teor de água (humidade) acima dos 70%; • “Madeira verde” – com o teor de água entre 30 e 70%. • “Madeira semi-seca” – com o teor de água entre 23 e 30%. • “Madeira comercialmente seca” – se o teor de água for de 18 a 22%. • “Madeira seca ao ar (sob coberto)” – se o teor de água for de 13 a 17%. • “Madeira muito seca” – com o teor de água entre 8 e 12%. • “Madeira completamente seca” – com 0% de teor de água. Propriedades Físicas
  • 33. DENSIDADE: A densidade é uma propriedade que está relacionada com a humidade da madeira. Este indicador permite determinar o peso que a madeira tem por cada unidade de volume aparente. Esta importante propriedade física da madeira é muito variável nas espécies comerciais, não só devido às condições climáticas do ambiente de crescimento, mas também pela humidade ou teor de água que apresentam e ainda pela quantidade de infiltrações no lenho cerneiro. Com o fim de identificação, a densidade é apreciada, comparativa de peças de madeira de idênticas dimensões e estados de humidade. : Propriedades Físicas
  • 34. RETRATILIDADE: A propriedade da madeira que consiste em variar de dimensões quando o seu teor de água se modifica. Ela expande-se ao absorver água, e contrai-se ao perdê-la. • Retracção transversal – a que respeita ao atravessamento do diâmetro da árvore, • Retracção longitudinal – a que respeita ao comprimento (altura) da árvore. • “Madeira muito nervosa” – se o valor do coeficiente variar entre 0,75% e 1%; • “Madeira nervosa” – se o valor variar entre 0,55 e 0,75%; • “Madeira medianamente nervosa” – se o valor variar entre 0,35 e 0,55%; • “Madeira pouco nervosa” – se o valor variar entre 0,15 e 0,35%. Propriedades Físicas
  • 35. HETEROGENEIDADE: A heterogeneidade consiste no facto de duas peças extraídas da mesma madeira nunca serem iguais uma à outra, ainda que sejam da mesma árvore. Esta diferenciação da madeira resulta do facto de as células das árvores serem diferentes, pelo que a madeira também é necessariamente diferente, ou seja, a madeira é um material orgânico. Propriedades Físicas
  • 36. HIGROMETRICIDADE: A higrometricidade é uma característica que a madeira possui de absorver a água e de a perder por evaporação. A madeira é um material orgânico e higroscópico, como tal muito sensível à influência da variação do grau de humidade ambiente. Propriedades Físicas
  • 37. POROSIDADE: A porosidade é uma característica da madeira que permite deixar passar mais ou menos organismos ou elementos voláteis na sua constituição material. Como noutros materiais, também está ligada à maior ou menor apetência para absorver água. Propriedades Físicas
  • 38. DUREZA: A dureza é uma propriedade intimamente associada à ideia da resistência que a madeira possui, e varia com a sua idade e duração, sendo também diferente conforme se trate do “cerne” ou do “borne” da madeira. Propriedades Físicas
  • 39. Madeiras mais utilizadas: Propriedades e características da madeira