SlideShare uma empresa Scribd logo
INTRODUÇÃO
Desde o aparecimento do homem sobre a terra até aos nossos dias, a técnica e
a arte de trabalhar a madeira tem evoluído desde o processo manual e
primitivo, até à vasta e engenhosa indústria moderna.
A madeira esteve sempre ao alcance do homem desde os tempos mais antigos.
Foi um dos primeiros materiais utilizados pelo homem; para sua defesa (como
arma ou fazendo parte dela) para se aquecer, cozinhar, para a iluminação, nos
primeiros abrigos, nas primeiras jangadas e barcos...
A evolução traz novos materiais, mas a madeira e seus derivados continuam a
ser muito usados.
O trabalho que vou realizar tem como tema “a madeira”. Nele vou fazer uma
abordagem à origem e tipos de madeira, com se faz a sua extracção e quais as
suas propriedades. Vou ainda falar nas técnicas de transformação da madeira,
os instrumentos utilizados e as suas aplicações.
A madeira é em grande parte responsável pelo avanço da Civilização,
sobretudo, porque é através dela que se obtém o papel.
A MADEIRA
1. Origem
A madeira é uma matéria sólida e dura, derivada das árvores, conhecida e
utilizada desde a pré-história. Grandes extensões de terra cobertas de árvores
constituem as florestas, que fornecem a madeira necessárias à indústria. É um
excelente material de construção.
1
As árvores que fornecem a madeira dividem-se em dois grandes grupos:
• Resinosas ou coníferas - possuem resina e os frutos são em forma de cone
ou pinha e geralmente a sua folhagem é persistente.
• Folhosas ou de folha caduca – perdem a folhagem periodicamente.
2. Tipos de madeira
• Pinho – tem cor amarelo-clara, é moderadamente dura e pesada, é fácil de
trabalhar e aplica-se na fabricação de mobiliário, construção civil, fabrico
de aglomerados e carpintaria.
• Carvalho – tem cor acastanhada, é dura e moderadamente pesada, é fácil
de trabalhar e muito durável. É utilizada na marcenaria, tanoaria e
fabrico de tacos.
• Eucalipto – de cor clara ou castanho rosado, é dura e pesada, fácil de
trabalhar mas empena e fende facilmente. É utilizada no fabrico da
pasta de papel, marcenaria e construção civil.
• Castanho – de cor castanho-clara, é dura e leve, muito durável e fácil de
trabalhar. Utiliza-se na marcenaria, carpintaria, tanoaria e construção
civil.
• Plátano – de cor clara, é moderadamente dura e pesada, é fácil de
trabalhar, apresenta boa apresentação no âmbito da decoração, mas
empena quando não está bem seca. É utilizada na marcenaria.
• Faia – é clara ou castanho rosada, é dura e moderadamente pesada, tem
boa conservação. Utiliza-se em revestimentos interiores, material de
escritório e mobiliário.
• Sobreiro – de cor avermelhada, é muito dura e pesada, tem tendência
para fender e aplica-se na marcenaria, carpintaria e construção civil.
2
Além das madeiras apresentadas existem outras de origem estrangeira, tais
como: Mogno, câmbala, mussibi, sucupira e tola branca, pau-rosa, pau-preto,
teca, pau-santo, etc.
3. Extracção
Ao analisarmos o interior da árvore verificamos que é formada pelo cerne,
borne e casca, no centro há a medula, pequena coroa central também chamada
madeira primária. No corte transversal também verificamos os anéis de
crescimento.
O corte do tronco das árvores é feito aproveitando o seu interior de forma a
responder aos vários fins a que ela se destina, tábuas, ripas ou barrotes.
O corte das árvores pode ser feito manual ou mecanicamente.
No abate mecânico é usada a moto-serra. Esta máquina é portátil e muito
utilizada, pode cortar com facilidade e rapidez troncos com mais de um metro
de diâmetro.
4. Transporte
A melhor solução para o transporte de elevadas toneladas de madeira é o
caminho-de-ferro.
Com material exclusivamente afecto a este tipo de transporte a CP Carga reúne
todas as condições para fazer chegar a sua mercadoria ao destino indicado de
forma segura.
Brevemente está previsto o início de um novo serviço de transporte de madeira
entre o Porto de Setúbal e Louriçal / fábrica da Soporcel. Haverão dois
comboios diários em cada direcção: - um deles será com Locomotivas 1960
(Bombardier) entre Louriçal e Poceirão e Poceirão e Louriçal.O outro serviço é
3
feito ida e volta com locomotivas da série 5600, directamente entre Louriçal e
Praias-Sado.
Os dois comboios serão composições com locomotivas mais 18 vagões.
5. Propriedades da madeira
As propriedades da madeira dividem-se em físicas, mecânicas e químicas.
Propriedades físicas:
• Cor – as madeiras apresentam as mais variadas cores. Ex: pinho –
amarelo claro
• Cheiro – as madeiras podem apresentar um cheiro ou perfume
característico. Ex: pau-rosa.
• Grau de humidade – a madeira contém uma percentagem de água que se
chama grau ou teor de humidade. Conforme diminui o teor de
humidade, também diminuem as suas dimensões.
• Densidade – As madeiras classificam-se de acordo com a sua densidade,
em:
- pesadas (pau-ferro e ébano)
- leves (acácia)
- muito leves (choupo e tília).
• Peso específico – chama-se peso específico de uma substância ao peso da
unidade de volume dessa substância.
• Durabilidade – resistência que as madeiras apresentam à acção dos
organismos destruidores (fungos, bolores, insectos). A durabilidade das
madeiras depende do tratamento a que forem sujeitas, do grau de
4
humidade e da aplicação adequada. Ex: o castanho e o carvalho são
madeiras muito duráveis.
Propriedades mecânicas:
• Dureza – é a resistência que a madeira oferece à penetração de um prego
ou outros materiais. Ex: - muito duras: ébano e buxo.
- duras: carvalho e freixo
- macias: pinho e choupo
- muito macias: tília e balsa.
• Resistência à tracção – quando uma peça de madeira sofre forças opostas
que tendem a aumentar-lhe o comprimento. Exemplos de boa
resistência: carvalho e azinho.
• Resistência à compressão – quando uma peça de madeira está submetida
a um esforço de compreensão, quando sobre ela actuam forças que
tendem a diminui-lhe o comprimento. Pouca resistência – tília e balsa.
• Resistência à flexão – quando sobre uma peça de madeira actuam forças
que tendem a encurvá-la. A madeira é muito usada em trabalhos de
flexão.
• Resistência ao choque – capacidade das madeiras resistirem aos choques
sem apresentarem roturas. Madeiras com resistência ao choque: freixo,
carvalho e faia.
• Resistência ao corte – uma peça de madeira está sujeita ao corte quando
sobre ela actuam duas forças em sentido contrário, que tendem a
separar a peça em duas partes. A madeira resiste muito melhor a um
esforço de corte perpendicular às fibras, do que paralelo a estas.
Propriedades químicas:
5
As paredes das células lenhosas são constituídas essencialmente por celulose e
lenhina. A celulose é quimicamente mais estável que a lenhina. Estes dois
componentes da madeira formam o esqueleto resistente do tecido lenhoso,
cabendo à lenhina o papel de um cimento envolvente das cadeias da celulose,
aptas para resistirem a esforços mecânicos, mas extremamente sensíveis a
flutuações de humidade.
6. Técnicas de transformação da madeira
A medição será a primeira técnica a executar quando se realiza um trabalho
em madeira. Os instrumentos de medição deverão ser usados conforme a
tarefa a executar.
Traçar será marcar com rigor a madeira nas zonas a serem trabalhadas
Recortar é efectuar um corte curvo com o auxílio de uma serra de recortes.
Cortar significa separar ou dividir a madeira pelas traçagens feitas. As
ferramentas a utilizar são os serrotes.
Furar será trespassar a madeira com o auxílio de um berbequim e de uma
broca.
Desbastar e limar consiste em retirar pedaços de madeira utilizando uma
plaina ou uma lima.
Pregar será unir peças de madeira através de pregos utilizando um martelo.
7. Perfis ou formas comerciais
A madeira pode apresentar vários perfis ou formas comerciais, tais como:
• Pilares e vigas
• Perfil quadrado
6
• Esquadro
• Tubo redondo
• Barra
• Tubo quadrado
• Perfil em L (cantoneira)
• Perfil redondo
• Perfil em T
8. Instrumentos de trabalho
Na aplicação das diversas técnicas de transformação da madeira, são usadas
muitas ferramentas e utensílios na execução de peças e objectos.
• Utensílios de medição e traçagem:
. escala
. metro articulado
. fita métrica
. metro articulado
. esquadro
. graminho metro articulado
. suta
. compasso de pontas
. compasso de volta
• Ferramentas de corte
. serrote de espada ou universal
. serrote de ponta
. serrote de costas
7
. serrote de traçar
. serrote de rodear
. serrote de ferro
. serra braçal
. serrote de cabelo ou ourives
● Ferramentas de furar
. berbequim eléctrico
. berbequim manual
. arco de pua
. verruma
. brocas
· Ferramentas de desbastar e alisar
. limatão triangular
. grosa
. lima bastarda
. limatão redondo
. grosa redonda
. lima paralela
. lima quadrada
. plaina
. guilherme
. formão
. goiva
. goiva em V
. escova para limpar limas
· Ferramentas de percussão:
. martelo de orelhas
8
. martelo de pena
. maço de madeira
· Ferramentas auxiliares:
. pedra de afiar
. esmeril
. alicates
. chave de fendas / chave de bocas
. grampo de esquadria
. grampo simples
. chave de bocas
. chave inglesa
9. Processos de ligação
1. Junções em T pregadas, aparafusadas e com agrafos
Nas junções em T pregadas, ao martelar do lado exterior devem-se inclinar os
pregos.
Ao martelar por dentro, deve executar-se a técnica alternadamente dos dois
lados.
2. Junção em T sobreposta
Na junção em T sobreposta, os parafusos devem ser introduzidos na diagonal
para evitar que a madeira rache.
Na junção em T tipo prateleiras, aparafusa-se a peça de apoio à peça vertical, e
seguidamente aparafusa-se a prateleira.
3.Junção com envaziado
4. Junções em L
9
As colas modernas, os parafusos e os pregos permitem a execução de junções
de canto muito resistentes.
10. Aplicações da madeira e seus derivados
A madeira é utilizada como combustível (lenhas) e como matéria prima para as
indústrias de celulose e papel, que têm aumentado extraordinariamente de ano
para ano.
Existem vários produtos derivados da madeira:
- Os folheados consistem, basicamente, em folhas de madeira natural, muito
finas. Estas folhas são obtidas de toros de madeira de várias espécies,
através de máquinas próprias.
Estes materiais destinam-se ao fabrico e revestimento de mobiliário e à
indústria de contraplacados.
- Contraplacados são o produto obtido pela colagem de folhas finas de
madeira umas sobre as outras.
O número de folhas é impar e estas são sobrepostas som a fibra cruzada,
sendo em seguida coladas e depois prensadas.
Estas placas são mais baratas que a madeira maciça, aplicam-se na
fabricação de mobiliário, portas e ainda para forrar tectos e paredes.
- Os aglomerados de madeira são constituídos por fibras ou partículas de
madeira, prensadas juntamente com resina sintética a uma temperatura
de cerca de 200º C.
As placas de aglomerado podem ser revestidas na sua superfície com folha
de madeira. O aglomerado é muito utilizado em móveis, revestimentos de
tectos, paredes e divisórias.
10
- O cartão prensado (tipo plátex) tem normalmente cor castanha e com
espessuras que variam entre 2mm e 4mm.
Este material resulta da ligação das fibras celulósicas com resinas
sintéticas. É utilizado em revestimentos e tem pouca durabilidade.
A madeira também é utilizada na indústria de marcenaria para fabricação de
móveis, na carpintaria para construção de diversas estruturas, incluindo navios.
A madeira é um dos materiais mais utilizados em arquitectura e engenharia
civil.
11. Técnicas de acabamento
A aplicação de determinadas substâncias com a função de proteger e embelezar
a madeira, são designadas por técnicas de acabamento.
• Raspar – consiste em retirar todas as imperfeições deixadas na madeira.
• Lixar – consiste em alisar as superfícies da madeira, de modo a restituir a
sua cor e textura original. Para lixarmos uma superfície de madeira
devemos usar um taco de cortiça ou de madeira. Estes tacos facilitam a
aplicação da técnica e tornam a superfície da madeira mais plana.
• Encerar – consiste em aplicar cera sobre a madeira. Com o auxílio de um
pano aplica-se uma camada espessa e com um pano espalhar a cera no
sentido dos veios da madeira
• Envernizar – a aplicação de verniz sobre a madeira é uma técnica que
pode ser aplicada a pincel ou com uma boneca. Depois de secar deve-se
lixar com uma lixa fina e tornar a dar uma passagem final com verniz.
11

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
Tiago Cruz
 
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Sílvio Júnior
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
Jocelyn Queiroz
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Teoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasTeoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: Madeiras
Wagner Rezende
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
danilosaccomori
 
Aula 1 Mat.ppt
Aula 1 Mat.pptAula 1 Mat.ppt
Aula 1 Mat.ppt
RosrioFranciscoManue
 
Apostila sobre madeiras
Apostila sobre madeirasApostila sobre madeiras
Apostila sobre madeiras
americo458
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
onaibaf2003
 
ENG. DE MATERIAIS-01.pdf
ENG. DE MATERIAIS-01.pdfENG. DE MATERIAIS-01.pdf
ENG. DE MATERIAIS-01.pdf
Bimacon Projetos e Execuções
 
La madera
La maderaLa madera
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Karina Miranda
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
CaioCasteloBranco1
 
Madeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasMadeiras Industrializadas
Madeiras Industrializadas
Dirk Henning
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
Carlos Elson Cunha
 
Fabrica de papel
Fabrica de papelFabrica de papel
Fabrica de papel
Marcos Macedo
 
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdfMariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
diogenesfm
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
rodrigo428042
 
Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
Eliezer Silva
 
Os Metais
Os MetaisOs Metais

Mais procurados (20)

Aula3 materiais
Aula3 materiaisAula3 materiais
Aula3 materiais
 
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
Madeira (Propriedades, Processos de Fabricação e Aplicações)
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
Madeiras
MadeirasMadeiras
Madeiras
 
Teoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: MadeirasTeoria dos Materiais: Madeiras
Teoria dos Materiais: Madeiras
 
Detalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras TransformadasDetalhamento - Madeiras Transformadas
Detalhamento - Madeiras Transformadas
 
Aula 1 Mat.ppt
Aula 1 Mat.pptAula 1 Mat.ppt
Aula 1 Mat.ppt
 
Apostila sobre madeiras
Apostila sobre madeirasApostila sobre madeiras
Apostila sobre madeiras
 
Tipos de madeiras
Tipos de madeirasTipos de madeiras
Tipos de madeiras
 
ENG. DE MATERIAIS-01.pdf
ENG. DE MATERIAIS-01.pdfENG. DE MATERIAIS-01.pdf
ENG. DE MATERIAIS-01.pdf
 
La madera
La maderaLa madera
La madera
 
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
Apresentação:   empresa celulose  e papel pappercutApresentação:   empresa celulose  e papel pappercut
Apresentação: empresa celulose e papel pappercut
 
Cerâmicas
CerâmicasCerâmicas
Cerâmicas
 
Madeiras Industrializadas
Madeiras IndustrializadasMadeiras Industrializadas
Madeiras Industrializadas
 
Madeira apostila 2012
Madeira   apostila 2012Madeira   apostila 2012
Madeira apostila 2012
 
Fabrica de papel
Fabrica de papelFabrica de papel
Fabrica de papel
 
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdfMariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
Mariana Morato, Larissa Ferreira e Wanessa Candine - Vidro.pdf
 
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptxAula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
Aula 2 - Estruturas Construtivas de Madeira.pptx
 
Apostila madeiras
Apostila madeirasApostila madeiras
Apostila madeiras
 
Os Metais
Os MetaisOs Metais
Os Metais
 

Semelhante a Madeira

Trabalho a madeira
Trabalho  a madeiraTrabalho  a madeira
Trabalho a madeira
Higo Raphael
 
Trab. josé
Trab. joséTrab. josé
Trab. josé
Elisa Dias
 
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptxSLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
MiguelFrancisco59
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
caduelaia
 
Madeira mat const ii
Madeira mat const iiMadeira mat const ii
Madeira mat const ii
halyssonmafra
 
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
3maAlmeida
 
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
3maAlmeida
 
Madeira
MadeiraMadeira
Madeira
Jecamel
 
Trabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º ciclo
Trabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º cicloTrabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º ciclo
Trabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º ciclo
Agostinho NSilva
 
Madeiras pdf
Madeiras pdfMadeiras pdf
Madeiras pdf
Lorena Profiro
 
Materiais madeiras
Materiais   madeirasMateriais   madeiras
Materiais madeiras
Agostinho NSilva
 
Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
Luiz Santos
 
Tecnologia e-sociedade
Tecnologia e-sociedade Tecnologia e-sociedade
Tecnologia e-sociedade
Fernando Costa
 
Steam Bending - Curvamento de Madeira
Steam Bending - Curvamento de MadeiraSteam Bending - Curvamento de Madeira
Steam Bending - Curvamento de Madeira
Mauro Adriano Müller
 
Construir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncosConstruir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncos
Rui Gonçalves
 
Construir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncosConstruir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncos
João Candido Oliveira Neto
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
laurabrt2002
 
Cm aula 6
Cm   aula 6Cm   aula 6
Cm aula 6
Rodrigo Tikim
 
Materiais APRESENTAÇÃO.pptx
Materiais APRESENTAÇÃO.pptxMateriais APRESENTAÇÃO.pptx
Materiais APRESENTAÇÃO.pptx
NunoBarros44
 
01_Materiais.pptx
01_Materiais.pptx01_Materiais.pptx
01_Materiais.pptx
JoaoGarcia52
 

Semelhante a Madeira (20)

Trabalho a madeira
Trabalho  a madeiraTrabalho  a madeira
Trabalho a madeira
 
Trab. josé
Trab. joséTrab. josé
Trab. josé
 
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptxSLIDE DE MCC -  MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
SLIDE DE MCC - MATERIAL MISTURADO - MADEIRA, ESTATISTICA E FILOSOFIA.pptx
 
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificaçãoEstruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
Estruturas de Madeiras: Dimensionamento e formas de classificação
 
Madeira mat const ii
Madeira mat const iiMadeira mat const ii
Madeira mat const ii
 
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
 
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
2335_Matérias e Materiais - Madeira.ppt
 
Madeira
MadeiraMadeira
Madeira
 
Trabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º ciclo
Trabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º cicloTrabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º ciclo
Trabalhos alunos Educação Tecnológica - 2º ciclo
 
Madeiras pdf
Madeiras pdfMadeiras pdf
Madeiras pdf
 
Materiais madeiras
Materiais   madeirasMateriais   madeiras
Materiais madeiras
 
Aula 1 madeira
Aula 1   madeiraAula 1   madeira
Aula 1 madeira
 
Tecnologia e-sociedade
Tecnologia e-sociedade Tecnologia e-sociedade
Tecnologia e-sociedade
 
Steam Bending - Curvamento de Madeira
Steam Bending - Curvamento de MadeiraSteam Bending - Curvamento de Madeira
Steam Bending - Curvamento de Madeira
 
Construir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncosConstruir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncos
 
Construir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncosConstruir uma casa de troncos
Construir uma casa de troncos
 
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdfMATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
MATERIAIS DE CONSTRUÇÃO CIVIL I - MADEIRA.pdf
 
Cm aula 6
Cm   aula 6Cm   aula 6
Cm aula 6
 
Materiais APRESENTAÇÃO.pptx
Materiais APRESENTAÇÃO.pptxMateriais APRESENTAÇÃO.pptx
Materiais APRESENTAÇÃO.pptx
 
01_Materiais.pptx
01_Materiais.pptx01_Materiais.pptx
01_Materiais.pptx
 

Mais de Associação de Pais C appalmesc

O que é crônica
O que é crônicaO que é crônica
Atividades da parábola do semeador
Atividades da parábola do semeadorAtividades da parábola do semeador
Atividades da parábola do semeador
Associação de Pais C appalmesc
 
Madeira 2
Madeira 2Madeira 2
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
A cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12ºA cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12º
Associação de Pais C appalmesc
 
Fichaculturadopalacio
FichaculturadopalacioFichaculturadopalacio
Fichaculturadopalacio
Associação de Pais C appalmesc
 
A cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º anoA cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º ano
Associação de Pais C appalmesc
 
Howold...whenis...
Howold...whenis...Howold...whenis...
Howold...whenis...
Howold...whenis...Howold...whenis...
Weather clothes
Weather clothesWeather clothes
Lexicologia
LexicologiaLexicologia
Letras
LetrasLetras
Circunferência e polignos
Circunferência e polignosCircunferência e polignos
Circunferência e polignos
Associação de Pais C appalmesc
 
Circunferêcia e poligonos soluções
Circunferêcia e poligonos soluçõesCircunferêcia e poligonos soluções
Circunferêcia e poligonos soluções
Associação de Pais C appalmesc
 
Mini teste 9
Mini teste 9Mini teste 9
Mini teste 8
Mini teste 8Mini teste 8
Mini teste 7
Mini teste 7Mini teste 7
Mini teste 6
Mini teste 6Mini teste 6
Mini teste 5
Mini teste 5Mini teste 5
Mini teste 4
Mini teste 4Mini teste 4

Mais de Associação de Pais C appalmesc (20)

O que é crônica
O que é crônicaO que é crônica
O que é crônica
 
Atividades da parábola do semeador
Atividades da parábola do semeadorAtividades da parábola do semeador
Atividades da parábola do semeador
 
Madeira 2
Madeira 2Madeira 2
Madeira 2
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
A cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12ºA cultura do cinema 12º
A cultura do cinema 12º
 
Fichaculturadopalacio
FichaculturadopalacioFichaculturadopalacio
Fichaculturadopalacio
 
A cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º anoA cultura do mosteiro 10º ano
A cultura do mosteiro 10º ano
 
Howold...whenis...
Howold...whenis...Howold...whenis...
Howold...whenis...
 
Howold...whenis...
Howold...whenis...Howold...whenis...
Howold...whenis...
 
Weather clothes
Weather clothesWeather clothes
Weather clothes
 
Lexicologia
LexicologiaLexicologia
Lexicologia
 
Letras
LetrasLetras
Letras
 
Circunferência e polignos
Circunferência e polignosCircunferência e polignos
Circunferência e polignos
 
Circunferêcia e poligonos soluções
Circunferêcia e poligonos soluçõesCircunferêcia e poligonos soluções
Circunferêcia e poligonos soluções
 
Mini teste 9
Mini teste 9Mini teste 9
Mini teste 9
 
Mini teste 8
Mini teste 8Mini teste 8
Mini teste 8
 
Mini teste 7
Mini teste 7Mini teste 7
Mini teste 7
 
Mini teste 6
Mini teste 6Mini teste 6
Mini teste 6
 
Mini teste 5
Mini teste 5Mini teste 5
Mini teste 5
 
Mini teste 4
Mini teste 4Mini teste 4
Mini teste 4
 

Último

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
Mary Alvarenga
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
CamilaSouza544051
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
Manuais Formação
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
Sandra Pratas
 

Último (20)

Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdfPortfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
Portfólio Estratégico da Força Aérea Brasileira (FAB).pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdfAviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
Aviação de Asas Rotativas. Aos Rotores, o Sabre!.pdf
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Caça-palavras - multiplicação
Caça-palavras  -  multiplicaçãoCaça-palavras  -  multiplicação
Caça-palavras - multiplicação
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdfAdaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
Adaptacoes-de-Provas-para-Alunos-com-Deficiencia.pdf
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdfUFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
UFCD_5673_Segurança nos transportes_índice.pdf
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_RITA E CLÁUDIA_22_23
 

Madeira

  • 1. INTRODUÇÃO Desde o aparecimento do homem sobre a terra até aos nossos dias, a técnica e a arte de trabalhar a madeira tem evoluído desde o processo manual e primitivo, até à vasta e engenhosa indústria moderna. A madeira esteve sempre ao alcance do homem desde os tempos mais antigos. Foi um dos primeiros materiais utilizados pelo homem; para sua defesa (como arma ou fazendo parte dela) para se aquecer, cozinhar, para a iluminação, nos primeiros abrigos, nas primeiras jangadas e barcos... A evolução traz novos materiais, mas a madeira e seus derivados continuam a ser muito usados. O trabalho que vou realizar tem como tema “a madeira”. Nele vou fazer uma abordagem à origem e tipos de madeira, com se faz a sua extracção e quais as suas propriedades. Vou ainda falar nas técnicas de transformação da madeira, os instrumentos utilizados e as suas aplicações. A madeira é em grande parte responsável pelo avanço da Civilização, sobretudo, porque é através dela que se obtém o papel. A MADEIRA 1. Origem A madeira é uma matéria sólida e dura, derivada das árvores, conhecida e utilizada desde a pré-história. Grandes extensões de terra cobertas de árvores constituem as florestas, que fornecem a madeira necessárias à indústria. É um excelente material de construção. 1
  • 2. As árvores que fornecem a madeira dividem-se em dois grandes grupos: • Resinosas ou coníferas - possuem resina e os frutos são em forma de cone ou pinha e geralmente a sua folhagem é persistente. • Folhosas ou de folha caduca – perdem a folhagem periodicamente. 2. Tipos de madeira • Pinho – tem cor amarelo-clara, é moderadamente dura e pesada, é fácil de trabalhar e aplica-se na fabricação de mobiliário, construção civil, fabrico de aglomerados e carpintaria. • Carvalho – tem cor acastanhada, é dura e moderadamente pesada, é fácil de trabalhar e muito durável. É utilizada na marcenaria, tanoaria e fabrico de tacos. • Eucalipto – de cor clara ou castanho rosado, é dura e pesada, fácil de trabalhar mas empena e fende facilmente. É utilizada no fabrico da pasta de papel, marcenaria e construção civil. • Castanho – de cor castanho-clara, é dura e leve, muito durável e fácil de trabalhar. Utiliza-se na marcenaria, carpintaria, tanoaria e construção civil. • Plátano – de cor clara, é moderadamente dura e pesada, é fácil de trabalhar, apresenta boa apresentação no âmbito da decoração, mas empena quando não está bem seca. É utilizada na marcenaria. • Faia – é clara ou castanho rosada, é dura e moderadamente pesada, tem boa conservação. Utiliza-se em revestimentos interiores, material de escritório e mobiliário. • Sobreiro – de cor avermelhada, é muito dura e pesada, tem tendência para fender e aplica-se na marcenaria, carpintaria e construção civil. 2
  • 3. Além das madeiras apresentadas existem outras de origem estrangeira, tais como: Mogno, câmbala, mussibi, sucupira e tola branca, pau-rosa, pau-preto, teca, pau-santo, etc. 3. Extracção Ao analisarmos o interior da árvore verificamos que é formada pelo cerne, borne e casca, no centro há a medula, pequena coroa central também chamada madeira primária. No corte transversal também verificamos os anéis de crescimento. O corte do tronco das árvores é feito aproveitando o seu interior de forma a responder aos vários fins a que ela se destina, tábuas, ripas ou barrotes. O corte das árvores pode ser feito manual ou mecanicamente. No abate mecânico é usada a moto-serra. Esta máquina é portátil e muito utilizada, pode cortar com facilidade e rapidez troncos com mais de um metro de diâmetro. 4. Transporte A melhor solução para o transporte de elevadas toneladas de madeira é o caminho-de-ferro. Com material exclusivamente afecto a este tipo de transporte a CP Carga reúne todas as condições para fazer chegar a sua mercadoria ao destino indicado de forma segura. Brevemente está previsto o início de um novo serviço de transporte de madeira entre o Porto de Setúbal e Louriçal / fábrica da Soporcel. Haverão dois comboios diários em cada direcção: - um deles será com Locomotivas 1960 (Bombardier) entre Louriçal e Poceirão e Poceirão e Louriçal.O outro serviço é 3
  • 4. feito ida e volta com locomotivas da série 5600, directamente entre Louriçal e Praias-Sado. Os dois comboios serão composições com locomotivas mais 18 vagões. 5. Propriedades da madeira As propriedades da madeira dividem-se em físicas, mecânicas e químicas. Propriedades físicas: • Cor – as madeiras apresentam as mais variadas cores. Ex: pinho – amarelo claro • Cheiro – as madeiras podem apresentar um cheiro ou perfume característico. Ex: pau-rosa. • Grau de humidade – a madeira contém uma percentagem de água que se chama grau ou teor de humidade. Conforme diminui o teor de humidade, também diminuem as suas dimensões. • Densidade – As madeiras classificam-se de acordo com a sua densidade, em: - pesadas (pau-ferro e ébano) - leves (acácia) - muito leves (choupo e tília). • Peso específico – chama-se peso específico de uma substância ao peso da unidade de volume dessa substância. • Durabilidade – resistência que as madeiras apresentam à acção dos organismos destruidores (fungos, bolores, insectos). A durabilidade das madeiras depende do tratamento a que forem sujeitas, do grau de 4
  • 5. humidade e da aplicação adequada. Ex: o castanho e o carvalho são madeiras muito duráveis. Propriedades mecânicas: • Dureza – é a resistência que a madeira oferece à penetração de um prego ou outros materiais. Ex: - muito duras: ébano e buxo. - duras: carvalho e freixo - macias: pinho e choupo - muito macias: tília e balsa. • Resistência à tracção – quando uma peça de madeira sofre forças opostas que tendem a aumentar-lhe o comprimento. Exemplos de boa resistência: carvalho e azinho. • Resistência à compressão – quando uma peça de madeira está submetida a um esforço de compreensão, quando sobre ela actuam forças que tendem a diminui-lhe o comprimento. Pouca resistência – tília e balsa. • Resistência à flexão – quando sobre uma peça de madeira actuam forças que tendem a encurvá-la. A madeira é muito usada em trabalhos de flexão. • Resistência ao choque – capacidade das madeiras resistirem aos choques sem apresentarem roturas. Madeiras com resistência ao choque: freixo, carvalho e faia. • Resistência ao corte – uma peça de madeira está sujeita ao corte quando sobre ela actuam duas forças em sentido contrário, que tendem a separar a peça em duas partes. A madeira resiste muito melhor a um esforço de corte perpendicular às fibras, do que paralelo a estas. Propriedades químicas: 5
  • 6. As paredes das células lenhosas são constituídas essencialmente por celulose e lenhina. A celulose é quimicamente mais estável que a lenhina. Estes dois componentes da madeira formam o esqueleto resistente do tecido lenhoso, cabendo à lenhina o papel de um cimento envolvente das cadeias da celulose, aptas para resistirem a esforços mecânicos, mas extremamente sensíveis a flutuações de humidade. 6. Técnicas de transformação da madeira A medição será a primeira técnica a executar quando se realiza um trabalho em madeira. Os instrumentos de medição deverão ser usados conforme a tarefa a executar. Traçar será marcar com rigor a madeira nas zonas a serem trabalhadas Recortar é efectuar um corte curvo com o auxílio de uma serra de recortes. Cortar significa separar ou dividir a madeira pelas traçagens feitas. As ferramentas a utilizar são os serrotes. Furar será trespassar a madeira com o auxílio de um berbequim e de uma broca. Desbastar e limar consiste em retirar pedaços de madeira utilizando uma plaina ou uma lima. Pregar será unir peças de madeira através de pregos utilizando um martelo. 7. Perfis ou formas comerciais A madeira pode apresentar vários perfis ou formas comerciais, tais como: • Pilares e vigas • Perfil quadrado 6
  • 7. • Esquadro • Tubo redondo • Barra • Tubo quadrado • Perfil em L (cantoneira) • Perfil redondo • Perfil em T 8. Instrumentos de trabalho Na aplicação das diversas técnicas de transformação da madeira, são usadas muitas ferramentas e utensílios na execução de peças e objectos. • Utensílios de medição e traçagem: . escala . metro articulado . fita métrica . metro articulado . esquadro . graminho metro articulado . suta . compasso de pontas . compasso de volta • Ferramentas de corte . serrote de espada ou universal . serrote de ponta . serrote de costas 7
  • 8. . serrote de traçar . serrote de rodear . serrote de ferro . serra braçal . serrote de cabelo ou ourives ● Ferramentas de furar . berbequim eléctrico . berbequim manual . arco de pua . verruma . brocas · Ferramentas de desbastar e alisar . limatão triangular . grosa . lima bastarda . limatão redondo . grosa redonda . lima paralela . lima quadrada . plaina . guilherme . formão . goiva . goiva em V . escova para limpar limas · Ferramentas de percussão: . martelo de orelhas 8
  • 9. . martelo de pena . maço de madeira · Ferramentas auxiliares: . pedra de afiar . esmeril . alicates . chave de fendas / chave de bocas . grampo de esquadria . grampo simples . chave de bocas . chave inglesa 9. Processos de ligação 1. Junções em T pregadas, aparafusadas e com agrafos Nas junções em T pregadas, ao martelar do lado exterior devem-se inclinar os pregos. Ao martelar por dentro, deve executar-se a técnica alternadamente dos dois lados. 2. Junção em T sobreposta Na junção em T sobreposta, os parafusos devem ser introduzidos na diagonal para evitar que a madeira rache. Na junção em T tipo prateleiras, aparafusa-se a peça de apoio à peça vertical, e seguidamente aparafusa-se a prateleira. 3.Junção com envaziado 4. Junções em L 9
  • 10. As colas modernas, os parafusos e os pregos permitem a execução de junções de canto muito resistentes. 10. Aplicações da madeira e seus derivados A madeira é utilizada como combustível (lenhas) e como matéria prima para as indústrias de celulose e papel, que têm aumentado extraordinariamente de ano para ano. Existem vários produtos derivados da madeira: - Os folheados consistem, basicamente, em folhas de madeira natural, muito finas. Estas folhas são obtidas de toros de madeira de várias espécies, através de máquinas próprias. Estes materiais destinam-se ao fabrico e revestimento de mobiliário e à indústria de contraplacados. - Contraplacados são o produto obtido pela colagem de folhas finas de madeira umas sobre as outras. O número de folhas é impar e estas são sobrepostas som a fibra cruzada, sendo em seguida coladas e depois prensadas. Estas placas são mais baratas que a madeira maciça, aplicam-se na fabricação de mobiliário, portas e ainda para forrar tectos e paredes. - Os aglomerados de madeira são constituídos por fibras ou partículas de madeira, prensadas juntamente com resina sintética a uma temperatura de cerca de 200º C. As placas de aglomerado podem ser revestidas na sua superfície com folha de madeira. O aglomerado é muito utilizado em móveis, revestimentos de tectos, paredes e divisórias. 10
  • 11. - O cartão prensado (tipo plátex) tem normalmente cor castanha e com espessuras que variam entre 2mm e 4mm. Este material resulta da ligação das fibras celulósicas com resinas sintéticas. É utilizado em revestimentos e tem pouca durabilidade. A madeira também é utilizada na indústria de marcenaria para fabricação de móveis, na carpintaria para construção de diversas estruturas, incluindo navios. A madeira é um dos materiais mais utilizados em arquitectura e engenharia civil. 11. Técnicas de acabamento A aplicação de determinadas substâncias com a função de proteger e embelezar a madeira, são designadas por técnicas de acabamento. • Raspar – consiste em retirar todas as imperfeições deixadas na madeira. • Lixar – consiste em alisar as superfícies da madeira, de modo a restituir a sua cor e textura original. Para lixarmos uma superfície de madeira devemos usar um taco de cortiça ou de madeira. Estes tacos facilitam a aplicação da técnica e tornam a superfície da madeira mais plana. • Encerar – consiste em aplicar cera sobre a madeira. Com o auxílio de um pano aplica-se uma camada espessa e com um pano espalhar a cera no sentido dos veios da madeira • Envernizar – a aplicação de verniz sobre a madeira é uma técnica que pode ser aplicada a pincel ou com uma boneca. Depois de secar deve-se lixar com uma lixa fina e tornar a dar uma passagem final com verniz. 11