SlideShare uma empresa Scribd logo
MEC-SETEC
        CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS

             TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO -FORMA INTEGRADA -
                                         CADERNO 2
                                              Instruções

               Para a realização desta Prova, você recebeu este Caderno de Questões e um Cartão de
         Respostas.
                                   CADERNO DE QUESTÕES

1.     Verifique se este Caderno de Questões contém 8 páginas com um total de 30 questões assim
       distribuídas:

         Língua Portuguesa                                Questões de nº 1 a 20

         História                                         Questões de nº 21 a 30

 2.      Para cada questão, existe apenas UMA resposta certa.

 3.      Responda a todas as questões.

 4.      Duração da prova deste caderno: 3 horas.

 5.      Para cálculos, utilize a folha em branco do caderno.

                                       CARTÃO DE RESPOSTAS
     6. Confira os dados de identificação do candidato.
     7. O cartão de respostas deve ser preenchido a caneta com tinta de cor azul ou preta.
     8. Apenas as partes do cartão referentes às respostas das questões devem ser preenchidas e NÃO
        DEVE HAVER QUALQUER TIPO DE RASURA.
     9. Para marcar a opção que corresponde à sua resposta, tenha o cuidado de preencher todo o
        círculo indicador, porém sem ultrapassar seus contornos.
10. O cartão de respostas não deverá ser dobrado ou sofrer qualquer tipo de deformação.
11.      O cartão de respostas não poderá ser substituído.
12.      Assine seu nome com caneta esferográfica AZUL OU PRETA, LIMITANDO-SE AO
         ESPAÇO RESERVADO NA PARTE LATERAL.
         −   COMUNIQUE AO FISCAL, ANTES DO INÍCIO DA PROVA, QUALQUER
             IRREGULARIDADE ENCONTRADA NO MATERIAL.
         −    NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES POSTERIORES.




 PROCESSO SELETIVO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE
    NÍVEL MÉDIO – FORMA INTEGRADA - ANO 2008/INVERNO
PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA

                                                        Texto 1

                                                        A Safra
                                                            -+
1          Vai a safra a todo o rigor e a negrada, estrompada pelo cruel serviço da charqueada, geme e
2    resmunga sobre o boi que a perita faca acaba de sangrar.
3             E a negrada, renegando-se da sorte, passa as noites na cancha e os dias nas pilhas e na salga...
4         Todos os dias a tarde: “Eh! Boi ... Que sinhô brabo meu Deus: pensa que negro é de ferro!”,
5    murmura a multidão escrava emburrando as matanças no varal.
6           A negrada presta ouvido aflito à monótona toada dos tropeiros: aos apodos que vão atirando ao
7    gado ao trazer a tropa a encerra.
8           E o sul morno e fraco, que enfarruscado luzira no dia entre caligens, descamba no ocaso,
9    insípido como um dia de ventania.
10         A escuridão desdobrando-se sobre o plano de Pelotas, numa faixa de agoniante tristura, deita-se
11 ao balido tormentoso e gélido do minuano.
12            E a noite de chegada arrancha-se, com toda a sua medonha comitiva de horrores.
13        No galpão da cancha as lufadas de ventania tremem nos lampiões mal cerrados, que de espaço a
14 espaço sombreiam as luzes palejantes.
15       Não há muito que o sino tocou a recolher e já se ouve o rangido das zorras e dos trilhos se
16 limpando: não há três horas que a negrada o corpo fatigado atirou sobre a tarimba.
17            Mas nem repouso permite a sorte ingrata aos bastardos filhos do trabalho.
18          Durante o dia um afã que começa com o sol e com ele só finda, e que ressurgindo ainda à noite,
19 mal na torre da matriz distante tange o sino sobre o dia que morre as suas doze badaladas merencórias,
20 e já a sineta da charqueada casa com os uivos da ventania feroz o seu clamor de despertar.
21         Treme a porta da senzala às bordoadas do cabo do relho do capataz e o vento enveredando pelas
22 frestas das portas desconjuntadas assobia pelos galpões e armazéns.
23        Acorda, corja de malandros. O brete já está cheio e ainda no curro e na mangueira há muito boi
24 que descascar.
25            Estremunhado de sono levanta-se o escravo.
26            Lufada após lufada o minuano arrasta as asas impetuosas no chão da cancha ensangüentada.
27            Tremem as luzes palejantes dos lampiões luzindo no gume das facas afiadas dos carneadores.
28        Os mugidos lúgubres das reses que o sangrador vai uma a uma enxugando, enterrando-lhe até ao
29 cabo a faca na nuca, casam-se funebremente aos uivos da ventania, aos gritos de raiva do capataz e ao
30 burburinho dos negros que se acotovelam.
31        A noite escura como breu abandona o negro seio aos furiosos afagos do minuano, que sobre ele
32 se rebolca convulsivo.
     (Fragmento do conto Pai Felipe (um episódio de charqueada), do escritor pelotense Vítor Valpírio (1853-1939),
     originariamente publicado na Revista do Partenon Literário, números 1 e 2, 3º ano da II série, em Porto Alegre, no ano de
     1874).
                                                         Glossário
      Afã – Trabalho extenuante.                               Corja – Conjunto de pessoas desprezíveis
     Apodos – do espanhol “apodo”, apelido que se dá a uma Enfarruscado – adjetivo de origem portuguesa, o mesmo que
     pessoa em virtude das suas características físicas.       enevoado.
     Brete e curro – compartimentos para alocar o gado.        Lufada – rajada de vento
     Breu – substância de cor negra obtida pela destilação da Lúgubre – relativo a luto; fúnebre.
     hulha.                                                    Rebolcar – fazer rolar, revolver
      Caligem – nevoeiro denso.                                Tarimba – estrado duro de madeira que serve de cama.




                                                             1
1.   A idéia central do texto é

a)   registrar um cenário inusitado nas letras riograndenses.
b)   descrever o cotidiano dos charqueadores.
c)   denunciar a violência da escravidão nas charqueadas.
d)   sobrelevar uma temática regional para a literatura brasileira.


2.   As reticências utilizadas após a palavra salga (linha 3) remetem à idéia de

a)   hesitação.
b)   ansiedade.
c)   dúvida.
d)   suspensão.


3.   O poeta Bernardo Guimarães (1825-1884) no poema Hino à Aurora verseja: “E já no campo azul do
     firmamento/A noite extingue os círios palejantes.” Relacionando-se a expressão “círios palejantes” com a
     expressão “luzes palejantes” (linha 14), é possível verificar que o adjetivo “palejantes” tem o mesmo
     significado que

a)   reluzentes.
b)   instigantesr.
c)   tremeluzentes.
d)   rebrilhantes.


4.   Sobre o emprego do verbo haver em “Não há muito que o sino tocou” (linha 15) e em “não há três horas”
     (linha 16), pode-se dizer que

a)   está adequado porque expressam idéia de impessoalidade.
b)   a substituição pela preposição a não provocaria incidência de erro.
c)   está inadequado, pois exprimem diferentes intenções enunciativas.
d)   é recomendável, nesses casos, o uso de locução verbal.


5.   A expressão “pensa que negro é de ferro!” (linha 4) evidencia

a)   sugestão de informação denotativa.
b)   utilização de linguagem figurada.
c)   aplicação da norma culta.
d)   construção sem significado.


6.   Na frase “Treme a porta da senzala às bordoadas do cabo do relho do capataz” (linha 21), a ocorrência de
     crase justifica-se

a)   para evidenciar termo subentendido.
b)   por não estabelecer relação entre palavras femininas.
c)   para aproximar locução adverbial de termo feminino.
d)   pela contração do artigo feminino a com a preposição a.




                                                        2
7.   O compositor Ary Barroso (1903/1964) na célebre canção Aquarela do Brasil (1939) escreveu
     “Deixa/Cantar de novo o trovador/À merencória luz da lua/Toda canção do seu amor”. Sobre o vocábulo
     “merencória” em “doze badaladas merencórias” (linha 19), infere-se que é

a)   adjetivo e está relacionado à idéia de melancolia.
b)   substantivo que expressa debilidade.
c)   adjetivo que exprime fragilidade.
d)   substantivo com sentido de tristeza.


8.   O vocábulo “negrada”, empregado reiteradas vezes, pode ser compreendido, dentro do contexto, com
     sentido

a)   pejorativo.
b)   depreciativo.
c)   afetivo.
d)   coletivo.


9.   Na frase “Acorda, corja de malandros.” (linha 23), a vírgula foi utilizada para

a)   separar sujeito de verbo.
b)   isolar vocativo.
c)   indicar elipse de verbo.
d)   apartar orações.


10. “A noite escura como breu abandona o negro seio aos furiosos afagos do minuano” (linha 31).
    Considerando isoladamente cada uma das palavras sublinhadas, é possível identificar entre elas uma idéia
    de

a)   proporção.
b)   comparação.
c)   oposição.
d)   finalidade.




                                                          3
Texto 2

                                                   Mama África
                                           Mama África (a minha mãe)
                                                   É mãe solteira
                                                  E tem que fazer
                                               Mamadeira todo dia
                                                Além de trabalhar
                                               Como empacotedeira
                                                 Nas Casas Bahia
                                         Mama África tem tanto o que fazer
                                              Além de cuidar neném
                                             Além de fazer denguim
                                            Filhinho tem que entender
                                             Mama África vai e vem
                                            Mas não se afasta de você
                                            Quando mama sai de casa
                                            Seus filhos se olodunzam
                                                Rola o maior jazz
                                             Mama tem calos nos pés
                                               Mama precisa de paz
                                           Mama não quer brincar mais
                                              Filhinho dá um tempo
                                               É tanto contratempo
                                           No ritmo de vida de mama

     (Canção do compositor e cantor paraibano Chico César, gravada no CD cuzcuz-clã, em 1996 – www2.uol.com.br/chicocesar/)

11. Relacionando os textos 1 e 2, é correto inferir que

a)   não houve mudança significativa na qualidade de vida dos negros brasileiros.
b)   a mulher negra assumiu, na sociedade contemporânea, um papel muito mais importante.
c)   a igualdade entre todos, prevista na Constituição Federal, é uma realidade.
d)   a mulher negra ainda é vista como a generosa ama-de-leite, sempre sorridente e amável.


12. O escritor Gilberto Freyre afirma, na obra Casa-Grande e Senzala, que a linguagem brasileira, em geral,
    diante do contato do senhor com o escravo sofreu um “amolecimento” (meiguice, afabilidade, ternura) de
    resultados. A afirmação do escritor pode ser comprovada na seguinte seqüência de palavras

a)   solteira – mamadeira.
b)   neném – denguim.
c)   vai – vem.
d)   olodunzam – jazz.


13. O vocábulo “olodunzam” remete à idéia de que os filhos de Mama África

a)   choram muito quando ela sai de casa.
b)   fazem todos os afazeres domésticos.
c)   fazem a maior bagunça.
d)   saem junto com ela.




                                                            4
14. Não é sinônima de “contratempo” a palavra

a)   dificuldade.
b)   obstáculo.
c)   adversidade.
d)   desembaraço.

                                                   Texto 3
     Artigo 26 – Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se
     obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira.
     Parágrafo 1º - O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo de História
     da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da
     sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política
     pertinentes à História do Brasil.
                                                                             (Lei 10.639/03, de 09 de janeiro de 2003)



15. O adjetivo “Afro-Brasileira”, para adequar-se ao padrão da norma culta, deve necessariamente

a)   ser escrito com iniciais maiúsculas.
b)   levar hífen.
c)   vir entre vírgulas.
d)   vir entre aspas.


16. Na expressão “conteúdo programático”, quanto à acentuação, é possível observar

a)   ocorrência de acento gráfico subtônico.
b)   incidência da mesma regra gramatical.
c)   presença de uma palavra proparoxítona.
d)   existência de uma palavra oxítona.


17. A Lei 10.639/2003 entrou em vigor no dia 9 de janeiro de 2003, data de sua publicação. A expressão
    “entrar em vigor” dá a idéia de

a)   vigência.
b)   vigir.
c)   vigoroso.
d)   prescrição.




                                                       5
Texto 4
“E por que é importante ler e falar mais sobre a África? Porque, antes de tudo, como nos lembra o
africanólogo Alberto da Costa e Silva, quando se conhece melhor a África pode-se conhecer melhor o próprio
Brasil, pois de lá veio grande parte dos nossos antepassados. E porque muitos dos episódios da história
brasileira estiveram relacionados ao que ocorria no lado de lá do Atlântico. Não se trata de saber mais
somente para deleite intelectual: compreender a história e a cultura africanas pode ser a diferença entre
acolher e conviver versus recusar e excluir.”
                                             (Editorial da revista EntreLivros África – edição especial nº6 – fevereiro 2007.)



18. O vocábulo “africanólogo” refere-se ao

a)   especialista em africanologia.
b)   descendente de africanos.
c)   estudioso da lingüística africana.
d)   mestre em estudos afro-americanos.


19. A palavra abaixo que não apresenta um prefixo com a mesma idéia de “antepassados” é

a)   anteposição.
b)   antenado.
c)   anteontem.
d)   anteprojeto.


20. Quanto ao significado, é possível afirmar que as palavras “acolher” e “conviver” e “recusar” e “excluir”
    são

a)   complementares.
b)   genéricas.
c)   opostas.
d)   semelhantes.




                                                         6
HISTÓRIA

21. A forma de trabalho mais característica no feudalismo foi a servidão. A relação servil impunha uma série
    de obrigações e compromissos do servo para com o senhor feudal, entre elas a corvéia, que tinha como
    característica a obrigação do servo de

a)   entregar parte da produção agrícola ou pastoril ao senhor feudal.
b)   trabalhar alguns dias da semana gratuitamente nas terras senhoriais.
c)   pagar taxas ao senhor pela utilização de equipamentos e instalações do senhorio, como celeiros, fornos ou
     moinhos.
d)   comercializar produtos agrícolas excedentes nas feiras medievais, nos principais cruzamentos de vias
     terrestres.


22. “ Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar dar-se-á nela tudo (...). Porém o melhor fruto que
    dela se pode tirar me parece que será salvar esta gente (...)”. (ARROYO, Leonardo. A Carta de Pero Vaz de
    Caminha. São Paulo: Melhoramentos, 1971.)
    Na carta de Pero Vaz de Caminha, o trecho “salvar esta gente”, significa

a)   libertar dois náufragos portugueses aprisionados pelos nativos.
b)   resgatar um grupo de bandeirantes, que foram os primeiros a tentar colonizar a terra.
c)   converter os nativos à fé cristã.
d)   transformar os nativos em bons e habilidosos serviçais.


23. Ao longo dos séculos XV e XVI, muitas sociedades passaram por uma renovação cultural, que ficou
    conhecida como Renascimento. Uma das características deste movimento é o antropocentrismo, que se
    destaca

a)   pela supervalorização da fé religiosa.
b)   pelo desprezo pelas explicações racionais e científicas.
c)   pela valorização da obra humana, colocando o homem como centro de tudo.
d)   pela revitalização do cristianismo.


24. O sistema colonial mercantilista baseava-se na relação entre metrópole e colônia, na qual pacto colonial
    era

a)   o domínio político-econômico da metrópole sobre a colônia.
b)   a possibilidade de a colônia exportar produtos tropicais sem nenhuma restrição por parte da metrópole.
c)   um tipo de colonização mais voltado ao povoamento.
d)   o desenvolvimento da atividade manufatureira na colônias, dentro da política mercantilista, beneficiando
     colônia e metrópole.


25. Em 1548, o Brasil Colônia passou a ser comandado por um governador geral, que centralizava o poder e
    contava com auxiliares para dirigir a colônia. Entre eles, havia o provedor-mor, que tinha como
    responsabilidade

a)   aplicar e cuidar dos assuntos da Justiça.
b)   organizar e cuidar da defesa do território.
c)   orientar os primeiros padres jesuítas, que tinham a missão de implantar o ensino no território.
d)   organizar e cuidar dos impostos e taxas devidos ao governo.




                                                       7
26. Um dos aspectos mais importantes da Primeira Revolução Industrial foi a grande quantidade de
    invenções realizadas por artesãos e mecânicos engenhosos. Entretanto, a invenção mais revolucionária do
    século XVIII foi

a)   a máquina a vapor, por James Watt.
b)   o motor a explosão, por Daimler e Benz.
c)   o telégrafo, por Samuel Morse.
d)   a lâmpada elétrica, por Thomas Edison.


27. Muitos são os pontos em comum entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana. Há, no entanto,
    uma grande diferença entre as duas conjurações. Assinale a opção que melhor define esta situação.

a)   A rebelião de Salvador foi muito mais popular que a de Vila Rica, pois a abolição da escravatura era
     ponto inquestionável do programa baiano.
b)   Os homens de prestígio de Minas não foram perdoados, enquanto os rebeldes da Bahia não sofreram
     nenhum tipo de punição.
c)   A Inconfidência Mineira visava à emancipação política enquanto a Baiana buscava apenas melhores
     condições materiais para seu povo.
d)   A rebelião de Minas foi iniciada por pessoas que haviam estudado na Europa, enquanto que a da Bahia
     não teve nenhum líder que tivesse conhecimento da nova ordem política e social da Europa.


28. A crise de 1929, que teve na queda da Bolsa de Nova Iorque seu ápice, foi um dos momentos mais
    importantes da história da sociedade do século XX. Os mecanismos geradores da crise de 1929 foram

a)   o New Deal, a tentativa de salvação do capitalismo e as desigualdades sociais.
b)   a intervenção estatal na economia e a redução da jornada de trabalho para 8 horas dia.
c)   as profundas desigualdades sociais, a concentração de renda e o desemprego.
d)   a concentração de renda e o estímulo ao rearmamento.


29. Atos institucionais são medidas jurídicas que possuem força superior à Constituição. Dentre os principais
    atos institucionais do Brasil entre 1964 e 1989 está o AI5, que determinou

a)   a modalidade indireta para as eleições para governadores de estado.
b)   a extinção dos partidos políticos existentes e as normas para a criação de novos partidos, como a ARENA
     e o MDB.
c)   a forma de ser votada a nova Constituição do Brasil que iria legitimar o regime implantado em 1964.
d)   a pena de morte, a prisão perpétua para pessoas envolvidas em crimes políticos contra o regime e a
     censura prévia à imprensa.


30. A Glasnost e a Perestroika, criadas em 1985, foram medidas e orientações de Gorbatchev, que,
    respectivamente, estabeleciam

a)   um processo de renovação e liberalização, baseado na transparência das decisões políticas, e a
     reestruturação da economia e da sociedade soviética.
b)   a dissolução do Partido Comunista russo e a autonomia política das diferentes repúblicas do Leste
     Europeu.
c)   como prioridade a retomada da corrida armamentista e o abandono da defesa dos direitos humanos na
     Rússia.
d)   a criação da Comunidade dos Estados Independentes, que passariam a substituir a União Soviética; e o
     programa de privatização das empresas estatais, nas repúblicas do Oeste Europeu.




                                                       8

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Luciana Silveira
 
Ativ. para 9º ano a
Ativ. para 9º ano   aAtiv. para 9º ano   a
Ativ. para 9º ano a
Polyclark Silva
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
Susana Sobrenome
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
Atividades Diversas Cláudia
 
Treinamento de questões abertas de literatura, 05
Treinamento de questões abertas de literatura, 05Treinamento de questões abertas de literatura, 05
Treinamento de questões abertas de literatura, 05
ma.no.el.ne.ves
 
Ii atividade nono ano
Ii atividade nono anoIi atividade nono ano
Ii atividade nono ano
SMEdeItabaianinha
 
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Maria Coelho
 
Longino do sublime
Longino do sublimeLongino do sublime
Longino do sublime
Nome Sobrenome
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
Atividades Diversas Cláudia
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
Susana Sobrenome
 
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
Luiza Collet
 
Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014
Cursinho Universitaria
 
Prova.matriz de referência de língua portuguesa
Prova.matriz de referência de língua portuguesaProva.matriz de referência de língua portuguesa
Prova.matriz de referência de língua portuguesa
Atividades Diversas Cláudia
 
Cge 2089
Cge 2089Cge 2089
Cge 2089
MarcosFSX
 
8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior
8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior
8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior
assis3012
 

Mais procurados (15)

Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
Avaliação segundo trimestre recuperação marcelo ana carolina 82 84
 
Ativ. para 9º ano a
Ativ. para 9º ano   aAtiv. para 9º ano   a
Ativ. para 9º ano a
 
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_92009/2010_4ª ficha de avaliação_9
2009/2010_4ª ficha de avaliação_9
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
 
Treinamento de questões abertas de literatura, 05
Treinamento de questões abertas de literatura, 05Treinamento de questões abertas de literatura, 05
Treinamento de questões abertas de literatura, 05
 
Ii atividade nono ano
Ii atividade nono anoIi atividade nono ano
Ii atividade nono ano
 
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
Avaliação de língua portuguesa 7º ano[1]
 
Longino do sublime
Longino do sublimeLongino do sublime
Longino do sublime
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
 
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
2009/2010_5ª ficha de avaliação9a
 
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
1º estudo de interpretação de texto - 7º ano
 
Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014
 
Prova.matriz de referência de língua portuguesa
Prova.matriz de referência de língua portuguesaProva.matriz de referência de língua portuguesa
Prova.matriz de referência de língua portuguesa
 
Cge 2089
Cge 2089Cge 2089
Cge 2089
 
8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior
8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior
8 auditor fiscal de tributos municipais - 2011 - nivel - superior
 

Destaque

Mps marketing mix
Mps marketing mixMps marketing mix
Mps marketing mix
Gian-Lluís Ribechini
 
Volando sobre Nueva York
Volando sobre Nueva YorkVolando sobre Nueva York
Volando sobre Nueva York
cris
 
Safari de Luxo
Safari de LuxoSafari de Luxo
Safari de Luxo
Oracy Filho
 
Projeto Cidadão do Futuro 2013
Projeto Cidadão do Futuro 2013Projeto Cidadão do Futuro 2013
Projeto Cidadão do Futuro 2013
Franciel Oliveira
 
Is keek free for android
Is keek free for androidIs keek free for android
Is keek free for androidjohn896
 
Instant keek followers free
Instant keek followers freeInstant keek followers free
Instant keek followers freejohn896
 
Shadows
ShadowsShadows
Shadows
gholden1979
 
Laminas
LaminasLaminas
Laminas
Andrea Leal
 
Utazas forum 2014_ganczer_gabor
Utazas forum 2014_ganczer_gaborUtazas forum 2014_ganczer_gabor
Utazas forum 2014_ganczer_gabor
Juhász István
 
P c
P cP c
Coursera organalysis 2014
Coursera organalysis 2014Coursera organalysis 2014
Coursera organalysis 2014
Mark Donkersloot
 
Fotos Curiosas
Fotos CuriosasFotos Curiosas
Fotos Curiosas
Oracy Filho
 
Espacial
EspacialEspacial
Espacial
jeibig
 
Nieuwe communicatie in de zorg
Nieuwe communicatie in de zorgNieuwe communicatie in de zorg
Nieuwe communicatie in de zorg
René van den Bos
 
ABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunen
ABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunenABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunen
ABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunen
aninhaw2
 
2 feb 2013 janata ka aaina
2 feb 2013 janata ka aaina2 feb 2013 janata ka aaina
2 feb 2013 janata ka aainaJanta Ka Aaina
 
Trovas de Ivone Boechat
Trovas de Ivone BoechatTrovas de Ivone Boechat
Trovas de Ivone Boechat
Ivone Boechat
 

Destaque (20)

Mps marketing mix
Mps marketing mixMps marketing mix
Mps marketing mix
 
Volando sobre Nueva York
Volando sobre Nueva YorkVolando sobre Nueva York
Volando sobre Nueva York
 
Safari de Luxo
Safari de LuxoSafari de Luxo
Safari de Luxo
 
Projeto Cidadão do Futuro 2013
Projeto Cidadão do Futuro 2013Projeto Cidadão do Futuro 2013
Projeto Cidadão do Futuro 2013
 
Is keek free for android
Is keek free for androidIs keek free for android
Is keek free for android
 
Instant keek followers free
Instant keek followers freeInstant keek followers free
Instant keek followers free
 
Shadows
ShadowsShadows
Shadows
 
Laminas
LaminasLaminas
Laminas
 
Utazas forum 2014_ganczer_gabor
Utazas forum 2014_ganczer_gaborUtazas forum 2014_ganczer_gabor
Utazas forum 2014_ganczer_gabor
 
DSC_0291
DSC_0291DSC_0291
DSC_0291
 
P c
P cP c
P c
 
Coursera organalysis 2014
Coursera organalysis 2014Coursera organalysis 2014
Coursera organalysis 2014
 
Fotos Curiosas
Fotos CuriosasFotos Curiosas
Fotos Curiosas
 
Espacial
EspacialEspacial
Espacial
 
Capas para cadernos
Capas para cadernosCapas para cadernos
Capas para cadernos
 
Nieuwe communicatie in de zorg
Nieuwe communicatie in de zorgNieuwe communicatie in de zorg
Nieuwe communicatie in de zorg
 
ABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunen
ABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunenABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunen
ABERTURA DO PROJETO - DIGA NÃO ÀS DROGAS"Debora sunen
 
America
AmericaAmerica
America
 
2 feb 2013 janata ka aaina
2 feb 2013 janata ka aaina2 feb 2013 janata ka aaina
2 feb 2013 janata ka aaina
 
Trovas de Ivone Boechat
Trovas de Ivone BoechatTrovas de Ivone Boechat
Trovas de Ivone Boechat
 

Semelhante a 2008 integrado portugues

Mensagens_Testes_9ano.pdf
Mensagens_Testes_9ano.pdfMensagens_Testes_9ano.pdf
Mensagens_Testes_9ano.pdf
PaulaSantos509372
 
cmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdf
cmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdfcmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdf
cmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdf
HelmarDuarte
 
Adimu6oano2010 port aluno
Adimu6oano2010 port alunoAdimu6oano2010 port aluno
Adimu6oano2010 port aluno
André Luís Batista Martins
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
Atividades Diversas Cláudia
 
Simulado Geral 6º ano
Simulado Geral 6º anoSimulado Geral 6º ano
Simulado Geral 6º ano
Rogério Augusto
 
Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...
Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...
Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...
FrankAndrade9
 
Lp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileiraLp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileira
cavip
 
Simulado 6º ano
Simulado 6º anoSimulado 6º ano
Simulado 6º ano
Fábio Cunha
 
Prova de validação para o 3º ano
Prova de validação para o 3º anoProva de validação para o 3º ano
Prova de validação para o 3º ano
TRIBUNAL DE JUSTIÇA DO ESTADO DO CEARÁ
 
Enem bicho do paraná
Enem   bicho do paranáEnem   bicho do paraná
Enem bicho do paraná
anavlisilveira
 
O merlo branco português
O merlo branco   portuguêsO merlo branco   português
O merlo branco português
Maria Manuela Torres Paredes
 
Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014
Cursinho Universitaria
 
Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014
Cursinho Universitaria
 
atividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdfatividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdf
SirleneMazotti2
 
541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx
541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx
541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx
Gustavo Paz
 
Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)
Sílvia Baltazar
 
Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003
Lucas Ferreira
 
Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003
Lucas Ferreira
 
D8 (5º ano l.p.)
D8 (5º ano   l.p.)D8 (5º ano   l.p.)
D8 (5º ano l.p.)
Cidinha Paulo
 
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileiraProva 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
cavip
 

Semelhante a 2008 integrado portugues (20)

Mensagens_Testes_9ano.pdf
Mensagens_Testes_9ano.pdfMensagens_Testes_9ano.pdf
Mensagens_Testes_9ano.pdf
 
cmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdf
cmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdfcmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdf
cmbh-2020-2021-portugues-fundamental.pdf
 
Adimu6oano2010 port aluno
Adimu6oano2010 port alunoAdimu6oano2010 port aluno
Adimu6oano2010 port aluno
 
Avaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magaliAvaliação de portugues 7º ano magali
Avaliação de portugues 7º ano magali
 
Simulado Geral 6º ano
Simulado Geral 6º anoSimulado Geral 6º ano
Simulado Geral 6º ano
 
Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...
Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...
Simulado de Português: D2 - Estabelecer relações entre partes de um texto - 8...
 
Lp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileiraLp e literatura brasileira
Lp e literatura brasileira
 
Simulado 6º ano
Simulado 6º anoSimulado 6º ano
Simulado 6º ano
 
Prova de validação para o 3º ano
Prova de validação para o 3º anoProva de validação para o 3º ano
Prova de validação para o 3º ano
 
Enem bicho do paraná
Enem   bicho do paranáEnem   bicho do paraná
Enem bicho do paraná
 
O merlo branco português
O merlo branco   portuguêsO merlo branco   português
O merlo branco português
 
Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014
 
Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014Prova de conhecimentos gerais 2014
Prova de conhecimentos gerais 2014
 
atividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdfatividade para casa 5 ano.pdf
atividade para casa 5 ano.pdf
 
541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx
541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx
541545743-Aulao-3º-Anos-2021-Saego-saeb.pptx
 
Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)Teste Ondjaki (correção)
Teste Ondjaki (correção)
 
Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003
 
Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003Prova internet-pssi-2003
Prova internet-pssi-2003
 
D8 (5º ano l.p.)
D8 (5º ano   l.p.)D8 (5º ano   l.p.)
D8 (5º ano l.p.)
 
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileiraProva 2010 uerj portugues e literatura brasileira
Prova 2010 uerj portugues e literatura brasileira
 

Mais de adridias2007

2011 verao tecnico-integrado-provas
2011 verao tecnico-integrado-provas2011 verao tecnico-integrado-provas
2011 verao tecnico-integrado-provas
adridias2007
 
2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico
2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico
2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico
adridias2007
 
2011 verao tecnico-concomitante-provas
2011 verao tecnico-concomitante-provas2011 verao tecnico-concomitante-provas
2011 verao tecnico-concomitante-provas
adridias2007
 
2010 verao tecnico-subsequente-caderno
2010 verao tecnico-subsequente-caderno2010 verao tecnico-subsequente-caderno
2010 verao tecnico-subsequente-caderno
adridias2007
 
2010 verao tecnico-concomitante-caderno
2010 verao tecnico-concomitante-caderno2010 verao tecnico-concomitante-caderno
2010 verao tecnico-concomitante-caderno
adridias2007
 
2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul
2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul
2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul
adridias2007
 
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
adridias2007
 
2009 verao concomitante
2009 verao concomitante2009 verao concomitante
2009 verao concomitante
adridias2007
 
2008 gabarito tecnico_concomitante
2008 gabarito tecnico_concomitante2008 gabarito tecnico_concomitante
2008 gabarito tecnico_concomitante
adridias2007
 
2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante
adridias2007
 
2008 gabarito integrado portugues
2008 gabarito integrado portugues2008 gabarito integrado portugues
2008 gabarito integrado portugues
adridias2007
 
2010 verao tecnico-integrado-todas matérias
2010 verao tecnico-integrado-todas matérias2010 verao tecnico-integrado-todas matérias
2010 verao tecnico-integrado-todas matérias
adridias2007
 
2011 inverno conteudo_programatico_integrado
2011 inverno conteudo_programatico_integrado2011 inverno conteudo_programatico_integrado
2011 inverno conteudo_programatico_integrado
adridias2007
 
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
adridias2007
 
2008 integrado portugues
2008 integrado portugues2008 integrado portugues
2008 integrado portugues
adridias2007
 

Mais de adridias2007 (15)

2011 verao tecnico-integrado-provas
2011 verao tecnico-integrado-provas2011 verao tecnico-integrado-provas
2011 verao tecnico-integrado-provas
 
2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico
2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico
2011 verao tecnico-concomitante-conteudo-programatico
 
2011 verao tecnico-concomitante-provas
2011 verao tecnico-concomitante-provas2011 verao tecnico-concomitante-provas
2011 verao tecnico-concomitante-provas
 
2010 verao tecnico-subsequente-caderno
2010 verao tecnico-subsequente-caderno2010 verao tecnico-subsequente-caderno
2010 verao tecnico-subsequente-caderno
 
2010 verao tecnico-concomitante-caderno
2010 verao tecnico-concomitante-caderno2010 verao tecnico-concomitante-caderno
2010 verao tecnico-concomitante-caderno
 
2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul
2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul
2009 verao subsequente-pelotas_sapucaia-do-sul
 
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
 
2009 verao concomitante
2009 verao concomitante2009 verao concomitante
2009 verao concomitante
 
2008 gabarito tecnico_concomitante
2008 gabarito tecnico_concomitante2008 gabarito tecnico_concomitante
2008 gabarito tecnico_concomitante
 
2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante2008 tecnico concomitante
2008 tecnico concomitante
 
2008 gabarito integrado portugues
2008 gabarito integrado portugues2008 gabarito integrado portugues
2008 gabarito integrado portugues
 
2010 verao tecnico-integrado-todas matérias
2010 verao tecnico-integrado-todas matérias2010 verao tecnico-integrado-todas matérias
2010 verao tecnico-integrado-todas matérias
 
2011 inverno conteudo_programatico_integrado
2011 inverno conteudo_programatico_integrado2011 inverno conteudo_programatico_integrado
2011 inverno conteudo_programatico_integrado
 
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist2009 verao integrado-caderno02_port-hist
2009 verao integrado-caderno02_port-hist
 
2008 integrado portugues
2008 integrado portugues2008 integrado portugues
2008 integrado portugues
 

2008 integrado portugues

  • 1. MEC-SETEC CENTRO FEDERAL DE EDUCAÇÃO TECNOLÓGICA DE PELOTAS TÉCNICO DE NÍVEL MÉDIO -FORMA INTEGRADA - CADERNO 2 Instruções Para a realização desta Prova, você recebeu este Caderno de Questões e um Cartão de Respostas. CADERNO DE QUESTÕES 1. Verifique se este Caderno de Questões contém 8 páginas com um total de 30 questões assim distribuídas: Língua Portuguesa Questões de nº 1 a 20 História Questões de nº 21 a 30 2. Para cada questão, existe apenas UMA resposta certa. 3. Responda a todas as questões. 4. Duração da prova deste caderno: 3 horas. 5. Para cálculos, utilize a folha em branco do caderno. CARTÃO DE RESPOSTAS 6. Confira os dados de identificação do candidato. 7. O cartão de respostas deve ser preenchido a caneta com tinta de cor azul ou preta. 8. Apenas as partes do cartão referentes às respostas das questões devem ser preenchidas e NÃO DEVE HAVER QUALQUER TIPO DE RASURA. 9. Para marcar a opção que corresponde à sua resposta, tenha o cuidado de preencher todo o círculo indicador, porém sem ultrapassar seus contornos. 10. O cartão de respostas não deverá ser dobrado ou sofrer qualquer tipo de deformação. 11. O cartão de respostas não poderá ser substituído. 12. Assine seu nome com caneta esferográfica AZUL OU PRETA, LIMITANDO-SE AO ESPAÇO RESERVADO NA PARTE LATERAL. − COMUNIQUE AO FISCAL, ANTES DO INÍCIO DA PROVA, QUALQUER IRREGULARIDADE ENCONTRADA NO MATERIAL. − NÃO SERÃO ACEITAS RECLAMAÇÕES POSTERIORES. PROCESSO SELETIVO À EDUCAÇÃO PROFISSIONAL TÉCNICA DE NÍVEL MÉDIO – FORMA INTEGRADA - ANO 2008/INVERNO
  • 2. PROVA DE LÍNGUA PORTUGUESA Texto 1 A Safra -+ 1 Vai a safra a todo o rigor e a negrada, estrompada pelo cruel serviço da charqueada, geme e 2 resmunga sobre o boi que a perita faca acaba de sangrar. 3 E a negrada, renegando-se da sorte, passa as noites na cancha e os dias nas pilhas e na salga... 4 Todos os dias a tarde: “Eh! Boi ... Que sinhô brabo meu Deus: pensa que negro é de ferro!”, 5 murmura a multidão escrava emburrando as matanças no varal. 6 A negrada presta ouvido aflito à monótona toada dos tropeiros: aos apodos que vão atirando ao 7 gado ao trazer a tropa a encerra. 8 E o sul morno e fraco, que enfarruscado luzira no dia entre caligens, descamba no ocaso, 9 insípido como um dia de ventania. 10 A escuridão desdobrando-se sobre o plano de Pelotas, numa faixa de agoniante tristura, deita-se 11 ao balido tormentoso e gélido do minuano. 12 E a noite de chegada arrancha-se, com toda a sua medonha comitiva de horrores. 13 No galpão da cancha as lufadas de ventania tremem nos lampiões mal cerrados, que de espaço a 14 espaço sombreiam as luzes palejantes. 15 Não há muito que o sino tocou a recolher e já se ouve o rangido das zorras e dos trilhos se 16 limpando: não há três horas que a negrada o corpo fatigado atirou sobre a tarimba. 17 Mas nem repouso permite a sorte ingrata aos bastardos filhos do trabalho. 18 Durante o dia um afã que começa com o sol e com ele só finda, e que ressurgindo ainda à noite, 19 mal na torre da matriz distante tange o sino sobre o dia que morre as suas doze badaladas merencórias, 20 e já a sineta da charqueada casa com os uivos da ventania feroz o seu clamor de despertar. 21 Treme a porta da senzala às bordoadas do cabo do relho do capataz e o vento enveredando pelas 22 frestas das portas desconjuntadas assobia pelos galpões e armazéns. 23 Acorda, corja de malandros. O brete já está cheio e ainda no curro e na mangueira há muito boi 24 que descascar. 25 Estremunhado de sono levanta-se o escravo. 26 Lufada após lufada o minuano arrasta as asas impetuosas no chão da cancha ensangüentada. 27 Tremem as luzes palejantes dos lampiões luzindo no gume das facas afiadas dos carneadores. 28 Os mugidos lúgubres das reses que o sangrador vai uma a uma enxugando, enterrando-lhe até ao 29 cabo a faca na nuca, casam-se funebremente aos uivos da ventania, aos gritos de raiva do capataz e ao 30 burburinho dos negros que se acotovelam. 31 A noite escura como breu abandona o negro seio aos furiosos afagos do minuano, que sobre ele 32 se rebolca convulsivo. (Fragmento do conto Pai Felipe (um episódio de charqueada), do escritor pelotense Vítor Valpírio (1853-1939), originariamente publicado na Revista do Partenon Literário, números 1 e 2, 3º ano da II série, em Porto Alegre, no ano de 1874). Glossário Afã – Trabalho extenuante. Corja – Conjunto de pessoas desprezíveis Apodos – do espanhol “apodo”, apelido que se dá a uma Enfarruscado – adjetivo de origem portuguesa, o mesmo que pessoa em virtude das suas características físicas. enevoado. Brete e curro – compartimentos para alocar o gado. Lufada – rajada de vento Breu – substância de cor negra obtida pela destilação da Lúgubre – relativo a luto; fúnebre. hulha. Rebolcar – fazer rolar, revolver Caligem – nevoeiro denso. Tarimba – estrado duro de madeira que serve de cama. 1
  • 3. 1. A idéia central do texto é a) registrar um cenário inusitado nas letras riograndenses. b) descrever o cotidiano dos charqueadores. c) denunciar a violência da escravidão nas charqueadas. d) sobrelevar uma temática regional para a literatura brasileira. 2. As reticências utilizadas após a palavra salga (linha 3) remetem à idéia de a) hesitação. b) ansiedade. c) dúvida. d) suspensão. 3. O poeta Bernardo Guimarães (1825-1884) no poema Hino à Aurora verseja: “E já no campo azul do firmamento/A noite extingue os círios palejantes.” Relacionando-se a expressão “círios palejantes” com a expressão “luzes palejantes” (linha 14), é possível verificar que o adjetivo “palejantes” tem o mesmo significado que a) reluzentes. b) instigantesr. c) tremeluzentes. d) rebrilhantes. 4. Sobre o emprego do verbo haver em “Não há muito que o sino tocou” (linha 15) e em “não há três horas” (linha 16), pode-se dizer que a) está adequado porque expressam idéia de impessoalidade. b) a substituição pela preposição a não provocaria incidência de erro. c) está inadequado, pois exprimem diferentes intenções enunciativas. d) é recomendável, nesses casos, o uso de locução verbal. 5. A expressão “pensa que negro é de ferro!” (linha 4) evidencia a) sugestão de informação denotativa. b) utilização de linguagem figurada. c) aplicação da norma culta. d) construção sem significado. 6. Na frase “Treme a porta da senzala às bordoadas do cabo do relho do capataz” (linha 21), a ocorrência de crase justifica-se a) para evidenciar termo subentendido. b) por não estabelecer relação entre palavras femininas. c) para aproximar locução adverbial de termo feminino. d) pela contração do artigo feminino a com a preposição a. 2
  • 4. 7. O compositor Ary Barroso (1903/1964) na célebre canção Aquarela do Brasil (1939) escreveu “Deixa/Cantar de novo o trovador/À merencória luz da lua/Toda canção do seu amor”. Sobre o vocábulo “merencória” em “doze badaladas merencórias” (linha 19), infere-se que é a) adjetivo e está relacionado à idéia de melancolia. b) substantivo que expressa debilidade. c) adjetivo que exprime fragilidade. d) substantivo com sentido de tristeza. 8. O vocábulo “negrada”, empregado reiteradas vezes, pode ser compreendido, dentro do contexto, com sentido a) pejorativo. b) depreciativo. c) afetivo. d) coletivo. 9. Na frase “Acorda, corja de malandros.” (linha 23), a vírgula foi utilizada para a) separar sujeito de verbo. b) isolar vocativo. c) indicar elipse de verbo. d) apartar orações. 10. “A noite escura como breu abandona o negro seio aos furiosos afagos do minuano” (linha 31). Considerando isoladamente cada uma das palavras sublinhadas, é possível identificar entre elas uma idéia de a) proporção. b) comparação. c) oposição. d) finalidade. 3
  • 5. Texto 2 Mama África Mama África (a minha mãe) É mãe solteira E tem que fazer Mamadeira todo dia Além de trabalhar Como empacotedeira Nas Casas Bahia Mama África tem tanto o que fazer Além de cuidar neném Além de fazer denguim Filhinho tem que entender Mama África vai e vem Mas não se afasta de você Quando mama sai de casa Seus filhos se olodunzam Rola o maior jazz Mama tem calos nos pés Mama precisa de paz Mama não quer brincar mais Filhinho dá um tempo É tanto contratempo No ritmo de vida de mama (Canção do compositor e cantor paraibano Chico César, gravada no CD cuzcuz-clã, em 1996 – www2.uol.com.br/chicocesar/) 11. Relacionando os textos 1 e 2, é correto inferir que a) não houve mudança significativa na qualidade de vida dos negros brasileiros. b) a mulher negra assumiu, na sociedade contemporânea, um papel muito mais importante. c) a igualdade entre todos, prevista na Constituição Federal, é uma realidade. d) a mulher negra ainda é vista como a generosa ama-de-leite, sempre sorridente e amável. 12. O escritor Gilberto Freyre afirma, na obra Casa-Grande e Senzala, que a linguagem brasileira, em geral, diante do contato do senhor com o escravo sofreu um “amolecimento” (meiguice, afabilidade, ternura) de resultados. A afirmação do escritor pode ser comprovada na seguinte seqüência de palavras a) solteira – mamadeira. b) neném – denguim. c) vai – vem. d) olodunzam – jazz. 13. O vocábulo “olodunzam” remete à idéia de que os filhos de Mama África a) choram muito quando ela sai de casa. b) fazem todos os afazeres domésticos. c) fazem a maior bagunça. d) saem junto com ela. 4
  • 6. 14. Não é sinônima de “contratempo” a palavra a) dificuldade. b) obstáculo. c) adversidade. d) desembaraço. Texto 3 Artigo 26 – Nos estabelecimentos de ensino fundamental e médio, oficiais e particulares, torna-se obrigatório o ensino sobre História e Cultura Afro-Brasileira. Parágrafo 1º - O conteúdo programático a que se refere o caput deste artigo incluirá o estudo de História da África e dos Africanos, a luta dos negros no Brasil, a cultura negra brasileira e o negro na formação da sociedade nacional, resgatando a contribuição do povo negro nas áreas social, econômica e política pertinentes à História do Brasil. (Lei 10.639/03, de 09 de janeiro de 2003) 15. O adjetivo “Afro-Brasileira”, para adequar-se ao padrão da norma culta, deve necessariamente a) ser escrito com iniciais maiúsculas. b) levar hífen. c) vir entre vírgulas. d) vir entre aspas. 16. Na expressão “conteúdo programático”, quanto à acentuação, é possível observar a) ocorrência de acento gráfico subtônico. b) incidência da mesma regra gramatical. c) presença de uma palavra proparoxítona. d) existência de uma palavra oxítona. 17. A Lei 10.639/2003 entrou em vigor no dia 9 de janeiro de 2003, data de sua publicação. A expressão “entrar em vigor” dá a idéia de a) vigência. b) vigir. c) vigoroso. d) prescrição. 5
  • 7. Texto 4 “E por que é importante ler e falar mais sobre a África? Porque, antes de tudo, como nos lembra o africanólogo Alberto da Costa e Silva, quando se conhece melhor a África pode-se conhecer melhor o próprio Brasil, pois de lá veio grande parte dos nossos antepassados. E porque muitos dos episódios da história brasileira estiveram relacionados ao que ocorria no lado de lá do Atlântico. Não se trata de saber mais somente para deleite intelectual: compreender a história e a cultura africanas pode ser a diferença entre acolher e conviver versus recusar e excluir.” (Editorial da revista EntreLivros África – edição especial nº6 – fevereiro 2007.) 18. O vocábulo “africanólogo” refere-se ao a) especialista em africanologia. b) descendente de africanos. c) estudioso da lingüística africana. d) mestre em estudos afro-americanos. 19. A palavra abaixo que não apresenta um prefixo com a mesma idéia de “antepassados” é a) anteposição. b) antenado. c) anteontem. d) anteprojeto. 20. Quanto ao significado, é possível afirmar que as palavras “acolher” e “conviver” e “recusar” e “excluir” são a) complementares. b) genéricas. c) opostas. d) semelhantes. 6
  • 8. HISTÓRIA 21. A forma de trabalho mais característica no feudalismo foi a servidão. A relação servil impunha uma série de obrigações e compromissos do servo para com o senhor feudal, entre elas a corvéia, que tinha como característica a obrigação do servo de a) entregar parte da produção agrícola ou pastoril ao senhor feudal. b) trabalhar alguns dias da semana gratuitamente nas terras senhoriais. c) pagar taxas ao senhor pela utilização de equipamentos e instalações do senhorio, como celeiros, fornos ou moinhos. d) comercializar produtos agrícolas excedentes nas feiras medievais, nos principais cruzamentos de vias terrestres. 22. “ Em tal maneira é graciosa que, querendo-a aproveitar dar-se-á nela tudo (...). Porém o melhor fruto que dela se pode tirar me parece que será salvar esta gente (...)”. (ARROYO, Leonardo. A Carta de Pero Vaz de Caminha. São Paulo: Melhoramentos, 1971.) Na carta de Pero Vaz de Caminha, o trecho “salvar esta gente”, significa a) libertar dois náufragos portugueses aprisionados pelos nativos. b) resgatar um grupo de bandeirantes, que foram os primeiros a tentar colonizar a terra. c) converter os nativos à fé cristã. d) transformar os nativos em bons e habilidosos serviçais. 23. Ao longo dos séculos XV e XVI, muitas sociedades passaram por uma renovação cultural, que ficou conhecida como Renascimento. Uma das características deste movimento é o antropocentrismo, que se destaca a) pela supervalorização da fé religiosa. b) pelo desprezo pelas explicações racionais e científicas. c) pela valorização da obra humana, colocando o homem como centro de tudo. d) pela revitalização do cristianismo. 24. O sistema colonial mercantilista baseava-se na relação entre metrópole e colônia, na qual pacto colonial era a) o domínio político-econômico da metrópole sobre a colônia. b) a possibilidade de a colônia exportar produtos tropicais sem nenhuma restrição por parte da metrópole. c) um tipo de colonização mais voltado ao povoamento. d) o desenvolvimento da atividade manufatureira na colônias, dentro da política mercantilista, beneficiando colônia e metrópole. 25. Em 1548, o Brasil Colônia passou a ser comandado por um governador geral, que centralizava o poder e contava com auxiliares para dirigir a colônia. Entre eles, havia o provedor-mor, que tinha como responsabilidade a) aplicar e cuidar dos assuntos da Justiça. b) organizar e cuidar da defesa do território. c) orientar os primeiros padres jesuítas, que tinham a missão de implantar o ensino no território. d) organizar e cuidar dos impostos e taxas devidos ao governo. 7
  • 9. 26. Um dos aspectos mais importantes da Primeira Revolução Industrial foi a grande quantidade de invenções realizadas por artesãos e mecânicos engenhosos. Entretanto, a invenção mais revolucionária do século XVIII foi a) a máquina a vapor, por James Watt. b) o motor a explosão, por Daimler e Benz. c) o telégrafo, por Samuel Morse. d) a lâmpada elétrica, por Thomas Edison. 27. Muitos são os pontos em comum entre a Inconfidência Mineira e a Conjuração Baiana. Há, no entanto, uma grande diferença entre as duas conjurações. Assinale a opção que melhor define esta situação. a) A rebelião de Salvador foi muito mais popular que a de Vila Rica, pois a abolição da escravatura era ponto inquestionável do programa baiano. b) Os homens de prestígio de Minas não foram perdoados, enquanto os rebeldes da Bahia não sofreram nenhum tipo de punição. c) A Inconfidência Mineira visava à emancipação política enquanto a Baiana buscava apenas melhores condições materiais para seu povo. d) A rebelião de Minas foi iniciada por pessoas que haviam estudado na Europa, enquanto que a da Bahia não teve nenhum líder que tivesse conhecimento da nova ordem política e social da Europa. 28. A crise de 1929, que teve na queda da Bolsa de Nova Iorque seu ápice, foi um dos momentos mais importantes da história da sociedade do século XX. Os mecanismos geradores da crise de 1929 foram a) o New Deal, a tentativa de salvação do capitalismo e as desigualdades sociais. b) a intervenção estatal na economia e a redução da jornada de trabalho para 8 horas dia. c) as profundas desigualdades sociais, a concentração de renda e o desemprego. d) a concentração de renda e o estímulo ao rearmamento. 29. Atos institucionais são medidas jurídicas que possuem força superior à Constituição. Dentre os principais atos institucionais do Brasil entre 1964 e 1989 está o AI5, que determinou a) a modalidade indireta para as eleições para governadores de estado. b) a extinção dos partidos políticos existentes e as normas para a criação de novos partidos, como a ARENA e o MDB. c) a forma de ser votada a nova Constituição do Brasil que iria legitimar o regime implantado em 1964. d) a pena de morte, a prisão perpétua para pessoas envolvidas em crimes políticos contra o regime e a censura prévia à imprensa. 30. A Glasnost e a Perestroika, criadas em 1985, foram medidas e orientações de Gorbatchev, que, respectivamente, estabeleciam a) um processo de renovação e liberalização, baseado na transparência das decisões políticas, e a reestruturação da economia e da sociedade soviética. b) a dissolução do Partido Comunista russo e a autonomia política das diferentes repúblicas do Leste Europeu. c) como prioridade a retomada da corrida armamentista e o abandono da defesa dos direitos humanos na Rússia. d) a criação da Comunidade dos Estados Independentes, que passariam a substituir a União Soviética; e o programa de privatização das empresas estatais, nas repúblicas do Oeste Europeu. 8