SlideShare uma empresa Scribd logo
02   aula - 14082012
Recapitulando:
Vimos:
- PEA
- Definição de Telecomunicação
HOJE: Veremos Acústica
PEA
PLANO DE ENSINO E
APRENDIZAGEM
Apresentação da disciplina: Conteúdo Programático
1. Noções de acústica e telefonia
2. Digitalização de sinais analógicos
3. Multiplexação e transmissão de sinais
4. A rede telefônica
5. A central telefônica
6. Planejamento do sistema telefônico
7. Redes de alta velocidade
8. Redes ópticas
9. Telefonia celular
10. Teoria de tráfego telefônico
REGRAS PARA UMA AULA DE QUALIDADE:
- NÃO TOLERO CONVERSAS PARALELAS ENQUANTO EXPLICO
- TODO TRABALHO DEVERÁ SER ENVIADO POR EMAIL ,
ATRAVÉS DE ARQUIVO ANEXADO EM FORMATO .PDF!
- TODO ENVIO DE TRABALHO DEVERÁ SER REGISTRADO EM
FORMULÁRIO ON LINE NO SITE GOOGLE APPS DO PROFESSOR
REGRAS:
- TODO ALUNO DEVE ENVIAR UM E-MAIL PARA
QUE EU POSSA CADASTRÁ-LO NO MEU
CONTROLE DE NOTAS DA TURMA.
- ANOTEM MEU EMAIL:
rubens.evangelista@aedu.com
- PADRÃO DE COMUNICAÇÃO:
- TODO E-MAIL SEGUIRÁ UM PADRÃO
REGRAS:
TODA COMUNICAÇÃO DEVERÁ OCORRER POR E-MAIL E O
ASSUNTO SEMPRE DEVERÁ CONTER SOMENTE A SIGLA:
- Assunto correto => EEL10A
- EEL1OA EEL 10A EEL-10A EEL10º A
- ANOTEM A SIGLA DO ASSUNTO
- TODO E-MAIL DEVERÁ TERA IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO
COM RA, NOME E ASSUNTO NO CORPO DO EMAIL.
REGRAS:
Aulas
Aula expositiva, dinâmicas de grupo, seminários, debates, exercício em classe, ATPS
(Atividades Práticas Supervisionadas)
Avaliações:
1º Bimestre
A nota do primeiro bimestre será composta pelos seguintes itens
• Seminário (7,0 sete pontos) - Avaliação da exposição (Notas de 0 à 10)
• ATPS (1,5 um ponto e meio) - Avaliação da execução (Notas de 0 à 10)
• Trabalho (1,5 um ponto e meio) - Avaliação de conteúdo (Notas de 0 à 10)
• VAI (3,0 pontos) - Avaliação da faculdade (Notas de 0 à 10)
A média do primeiro bimestre será composta por:
M1= (((Nota Seminário (de 0 á 10))*0,7+(Nota ATPS (de 0 á 10))*0,15+(Nota Trabalho (de 0 á 10))*0,15)*0,7+
+ ((Nota VAI (de 0 á 10) )*0,3)*0,4
REGRAS:
Aulas
Avaliações:
2º Bimestre
A nota do segundo bimestre será composta pelos seguintes itens
• Avaliação Oficial (8,0 oito pontos) - Avaliação do Aprendizado (Notas de 0 à 10)
• ATPS (1,0 ponto) - Avaliação da execução (Notas de 0 à 10)
• Trabalho (1,0 ponto) - Avaliação de conteúdo (Notas de 0 à 10)
• VAI (3,0 pontos) - Avaliação da Faculdade (Notas de 0 à 10)
A média do segundo bimestre será composta por:
M2= (((Nota Avaliação Oficial (de 0 á 10))*0,8+(Nota ATPS(de 0 á 10))*0,1+(Nota Trabalho(de 0 á 10))*0,1)*0,7+
+ ((Nota VAI (de 0 á 10) )*0,3)*0,6
MF (Média Final) = M1 + M2
Se MF < 5,0 então O aluno poderá fazer a PS (Prova Substitutiva)
Se PS*0,6 > M2 então PS substitui M2
M2=0,6 * PS e consequentemente
MF = M1 + M2 => Senão será mantida a melhor nota entre PS e M2
REGRAS:
As avaliações serão marcadas pela Faculdade.
Seminário (será 1 semana antes do dia da 1ª Avaliação)
Metodologia
O Número de alunos por grupo terá um limite negociado.
Avaliação é do grupo (aluno faltante não tem nota)
Entrega de apresentação (.PPT) e apresentação para classe
Tempo da apresentação de 15 a 20 minutos
Todos os alunos do grupo DEVEM apresentar
A composição do grupo será por sorteio
ATPS (Atividades Práticas Supervisionadas)
Orientação e entrega de trabalhos semanalmente (das 22:00hs às 22:15hs)
TELECOMUNICAÇÕES
A comunicação é o ato da transmissão de informações de uma pessoa à
outra (FERRARI, 2001)
Nas quatro últimas décadas as Telecomunicações passaram por
transformações significativas, devido ao desenvolvimento tecnológico
desse seguimento. Acredita-se que a revolução nas comunicações só se
compara à invenção da imprensa (DAMSKI, 1995)
Conforme as sociedades foram ocupando espaços geograficamente
dispersos, a necessidade de comunicação através de longas distâncias foi
tornando-se mais intensa
As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A
Internet e as redes internas e externas na empresa se tornaram a
principal infra-estrutura de informática de muitas organizações.
(O’BRIEN, 2001)
Sistemas de TELECOMUNICAÇÕES
É toda forma de troca de informações (voz, dados, texto,imagem)
por meio de redes computadorizadas.(O’BRIEN, 2001)
As telecomunicações se utilizam de meios eletrônicos para realizar
o processo de comunicação
Exemplos de Telecomunicações:
•Telegrafia
•Sistema Telefônico
•Redes de Telefonia Celular
•Redes de Computadores
•Intranet, Extranet e Internet
TELECOMUNICAÇÕES
Relembrando
Só há comunicação quando existem a Mensagem, o Meio, o
Receptor e o Transmissor.
TELECOMUNICAÇÕES
O meio mais utilizado é o ar através das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS
TELECOMUNICAÇÕESEspectro das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS
Modulação das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS
TELECOMUNICAÇÕES
Modulação das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS e DADOS
TELECOMUNICAÇÕES
Modulação PWM
TELECOMUNICAÇÕES
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
02   aula - 14082012
O Ser Humano, pode ouvir a partir de
16,780 Hz até 16780 Hz, em média.
Existem pessoas que escutam frequências
mais altas ou mais baixas.
Na natureza as ondas sonoras vão muito
além do que o Ser Humano pode ouvir.
Infra-SOM
Designam-se por Infra-sons todos os sons com frequência
inferior a 20 Hz. Estes sons não são captados pelo ouvido
humano, embora possam ser captados por outros animais.
Estes Infra-sons são de grande utilidade na previsão de um
sismo ou erupção vulcânica. Os movimentos da crosta
terrestre produzem sons de frequência demasiado baixa
para que o Ser Humano os consiga ouvir. Esses sons são
registados pelos sismógrafos e podem alertar para a
ocorrência de um sismo ou erupção vulcânica.
Ultra-SOM
Designam-se por Ultra-sons todos os sons com frequência
superior a 20.000 Hz. Estes sons não são captados pelo
ouvido humano, embora possam ser captados por outros
animais. Os Ultra-Sons são de grande utilidade por
exemplo na medicina, onde são utilizados para a realização
de ecografias. Também são utilizados com sucesso na
pesca para identificar cardumes de peixes.
Para além do Ser Humano, também uma
grande variedade de outros animais consegue
captar sons. Alguns destes animais têm uma
sensibilidade auditiva bastante melhor do que
o Ser Humano. Na imagem seguinte, é
apresentada uma comparação entre os sons
captados e emitidos por diferentes animais:
02   aula - 14082012
Características do Som
Intensidade
Altura
Duração
Timbre
Intensidade
Intensidade em acústica e música refere-se à
percepção da amplitude da onda sonora.
Frequentemente também é chamada de
"volume" ou "nível de pressão sonora.
Altura
A percepção de alturas está intimamente
ligada aos conceitos de melodia, harmonia e
afinação. o som pode ser agudo ,médio e
grave.
Altura
Duração
A duração de um fenômeno pode ser medida em unidades
absolutas de tempo (segundos e seus múltiplos e
submúltiplos). Isso é útil na descrição precisa deste evento.
Em música, no entanto, a noção de duração é relativa. Em
uma estrutura rítmica, é mais importante a relação entre as
durações das notas do que sua duração absoluta.
Timbre
Em música, chama-se timbre à característica sonora que nos permite
distinguir se sons de mesma frequência foram produzidos por fontes
sonoras conhecidas e que nos permite diferenciá-las. Quando
ouvimos, por exemplo uma nota tocada por um piano e a mesma nota
(uma nota com a mesma altura) produzida por um violino, podemos
imediatamente identificar os dois sons como tendo a mesma
freqüência, mas com características sonoras muito distintas. O que
nos permite diferenciar os dois sons é o timbre instrumental. De
forma simplificada podemos considerar que o timbre é como a
impressão digital sonora de um instrumento ou a qualidade de
vibração vocal.
Forma de Onda
Quando uma corda, uma membrana, um tubo ou qualquer outro
objeto capaz de produzir sons entra em vibração, uma série de ondas
senoidais é produzida. Além da frequência fundamental, que define a
nota, várias freqüências harmônicas também soam. O primeiro
harmônico de qualquer nota tem o dobro de sua freqüência; o
segundo harmônico tem o triplo de sua freqüência e assim por diante.
Qualquer corpo em vibração produz dezenas de freqüências
harmônicas que soam simultaneamente à nota fundamental. No
entanto o ouvido humano não é capaz de ouvir os harmônicos com
freqüencia superior a 20000Hz. Além disso, devido às características
de cada instrumento ou da forma como a nota foi obtida, alguns dos
harmônicos menores e audíveis possuem amplitude diferente de um
instrumento para outro.
Forma de Onda
Se somarmos a amplitude da freqüência fundamental às amplitudes
dos harmônicos, a forma de onda resultante não é mais senoidal, mas
sim uma onda irregular cheia de cristas e vales. Como a combinação
exata de amplitudes depende das características de cada instrumento,
suas formas de onda também são muito distintas entre si. Veja os
exemplos abaixo:
Forma de Onda
Forma de onda produzida por uma flauta
Envelope Sonoro
Também conhecido como envoltória, é a forma
como o som se inicia, se mantém e termina ao longo
do tempo. Ainda que as formas de onda de dois
instrumentos sejam muito parecidas, ainda
poderíamos distingui-las pelo seu envelope. O
envelope é composto basicamente de quatro
momentos: Ataque, decaimento, sustentação e
relaxamento. Este perfil, conhecido como
envelope ADSR, é mostrado abaixo.
Envelope Sonoro
Ataque: é o início de cada nota musical. Em
um instrumento de corda tocado com arco, o
som surge e aumenta lentamente de
intensidade, assim como no exemplo da flauta.
Se a mesma corda for percutida o som surgirá
muito rapidamente e com intensidade alta.
Dependendo do instrumento, o ataque pode
durar de alguns centésimos de segundo até
mais de um segundo.
Decaimento: em alguns instrumentos, após o
ataque o som sofre um decaimento de intensidade
antes de se estabilizar. Em um instrumento de sopro,
por exemplo, isso pode se dever à força inicial
necessária para colocar a palheta em vibração, após
o que a força para manter a nota soando é menor.
Normalmente dura apenas de alguns centésimos a
menos de um décimo de segundo. Nos exemplos
mostrados, o decaimento é claramente perceptível
nas notas da tabla e levemente na segunda nota da
trompa.
Sustentação: corresponde ao tempo
de duração da nota musical. Na maior parte dos
instrumentos este tempo pode ser controlado pelo
executante. Durante este tempo a intensidade é
mantida no mesmo nível, como as notas da trompa
e da flauta na imagem. Alguns instrumentos
(principalmente os de percussão) não permitem
controlar este tempo. Em alguns casos o som nem
chega a se sustentar e o decaimento inicial já leva o
som diretamente ao seu desaparecimento, como na
tabla.
Relaxamento: final da nota, quando a
intensidade sonora diminui até desaparecer
completamente. Pode ser muito brusco, como em
um instrumento de sopro, quando o instrumentista
corta o fluxo de ar, ou muito lento, como em um
gongo ou um piano com o pedal de sustentação
acionado. Na imagem acima, a nota da flauta tem
um final suave devido à reverberação da sala onde a
música foi executada, que fez o som permanecer
ainda por um tempo, mesmo após o término do
sopro.
Email: rubens.evangelista@aedu.com
Este Conteúdo Está no meu site!
Acesse:
http://sites.google.com/a/aedu.com/prof-rubens/

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Os atributos do som
Os atributos do somOs atributos do som
Os atributos do som
Gabriela Vasconcelos
 
Som
SomSom
atributos do som e ouvido humano
atributos do som e ouvido  humanoatributos do som e ouvido  humano
atributos do som e ouvido humano
joao oliveira
 
Som Aula 3
Som Aula 3Som Aula 3
Som Aula 3
mlsmeireles
 
Som - Física - Documento completo
Som - Física - Documento completoSom - Física - Documento completo
Som - Física - Documento completo
danf97
 
Curso de som
Curso de somCurso de som
Curso de som
Sandra Abalde
 
O som
O somO som
A Física da Música - Uma análise do fenômeno acústico
A Física da Música - Uma análise do fenômeno acústicoA Física da Música - Uma análise do fenômeno acústico
A Física da Música - Uma análise do fenômeno acústico
Claudemir Sabiar
 
Trabalho fisico quimica-música atributos do som.
Trabalho fisico quimica-música atributos do som.Trabalho fisico quimica-música atributos do som.
Trabalho fisico quimica-música atributos do som.
Arita155
 
Som
SomSom
As propriedades do som
As propriedades do somAs propriedades do som
As propriedades do som
MariaCastanheira1999
 
O som
O somO som
O som
Vera_Reis
 
Trabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano somTrabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano som
neu07
 
Apostila sonoplastia
Apostila sonoplastiaApostila sonoplastia
Apostila sonoplastia
Carlos Augusto
 
Ondas Sonoras
Ondas SonorasOndas Sonoras
Ondas Sonoras
Rita Cunha
 
ProduçãO Do Som
ProduçãO  Do SomProduçãO  Do Som
ProduçãO Do Som
8ºC
 
O Som
O SomO Som
Som - conceitos básicos
Som - conceitos básicosSom - conceitos básicos
Som - conceitos básicos
Evandro Manara Miletto
 
O Som
O SomO Som
O Som
8ºC
 
Propriedades do Som
Propriedades do SomPropriedades do Som
Propriedades do Som
Emanuel Limeira
 

Mais procurados (20)

Os atributos do som
Os atributos do somOs atributos do som
Os atributos do som
 
Som
SomSom
Som
 
atributos do som e ouvido humano
atributos do som e ouvido  humanoatributos do som e ouvido  humano
atributos do som e ouvido humano
 
Som Aula 3
Som Aula 3Som Aula 3
Som Aula 3
 
Som - Física - Documento completo
Som - Física - Documento completoSom - Física - Documento completo
Som - Física - Documento completo
 
Curso de som
Curso de somCurso de som
Curso de som
 
O som
O somO som
O som
 
A Física da Música - Uma análise do fenômeno acústico
A Física da Música - Uma análise do fenômeno acústicoA Física da Música - Uma análise do fenômeno acústico
A Física da Música - Uma análise do fenômeno acústico
 
Trabalho fisico quimica-música atributos do som.
Trabalho fisico quimica-música atributos do som.Trabalho fisico quimica-música atributos do som.
Trabalho fisico quimica-música atributos do som.
 
Som
SomSom
Som
 
As propriedades do som
As propriedades do somAs propriedades do som
As propriedades do som
 
O som
O somO som
O som
 
Trabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano somTrabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano som
 
Apostila sonoplastia
Apostila sonoplastiaApostila sonoplastia
Apostila sonoplastia
 
Ondas Sonoras
Ondas SonorasOndas Sonoras
Ondas Sonoras
 
ProduçãO Do Som
ProduçãO  Do SomProduçãO  Do Som
ProduçãO Do Som
 
O Som
O SomO Som
O Som
 
Som - conceitos básicos
Som - conceitos básicosSom - conceitos básicos
Som - conceitos básicos
 
O Som
O SomO Som
O Som
 
Propriedades do Som
Propriedades do SomPropriedades do Som
Propriedades do Som
 

Semelhante a 02 aula - 14082012

silo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdf
silo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdfsilo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdf
silo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdf
ssuserc463f3
 
Módulo-12_A-Música.pdf para universidade
Módulo-12_A-Música.pdf para universidadeMódulo-12_A-Música.pdf para universidade
Módulo-12_A-Música.pdf para universidade
GabrielArturCumbana
 
Curso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do Pinhal
Curso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do PinhalCurso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do Pinhal
Curso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do Pinhal
JorgeluizRoumie
 
ONDULATÓRIA.pptx
ONDULATÓRIA.pptxONDULATÓRIA.pptx
ONDULATÓRIA.pptx
mauriciurg
 
Trabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano somTrabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano som
neu07
 
Manual som
Manual somManual som
Manual som
acarneirinho
 
Representação de sons no computador
Representação de sons no computadorRepresentação de sons no computador
Representação de sons no computador
Rafael Mauricio
 
aula som.pptx
aula som.pptxaula som.pptx
aula som.pptx
AtividadesBetel
 
Someluz
SomeluzSomeluz
Ondas_rbd
Ondas_rbdOndas_rbd
Ondas_rbd
Ricardo Bonaldo
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
Sergio Madureira
 
Acústica
AcústicaAcústica
Ondulatória 9º Ano.ppt
Ondulatória 9º Ano.pptOndulatória 9º Ano.ppt
Ondulatória 9º Ano.ppt
Bruno Oliveira
 
Som e Luz
Som e LuzSom e Luz
Som e Luz
Fábio Simões
 
Apostila Básica de Áudio
Apostila Básica de ÁudioApostila Básica de Áudio
Apostila Básica de Áudio
afideles
 
Audio
AudioAudio
9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo
9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo
9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo
MariaClaraQueiroz8
 
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
Curso  caixas acusticas   faca voce mesmoCurso  caixas acusticas   faca voce mesmo
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
Manim Edições
 
Cursocaixasacusticas facavocemesmo
Cursocaixasacusticas facavocemesmoCursocaixasacusticas facavocemesmo
Cursocaixasacusticas facavocemesmo
marcelo santana
 
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
Curso  caixas acusticas   faca voce mesmoCurso  caixas acusticas   faca voce mesmo
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
carlosmendelski
 

Semelhante a 02 aula - 14082012 (20)

silo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdf
silo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdfsilo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdf
silo.tips_8-ano-fisico-quimica-resumos-resumos-1.pdf
 
Módulo-12_A-Música.pdf para universidade
Módulo-12_A-Música.pdf para universidadeMódulo-12_A-Música.pdf para universidade
Módulo-12_A-Música.pdf para universidade
 
Curso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do Pinhal
Curso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do PinhalCurso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do Pinhal
Curso de Ruído Ambiental - Espirito Santo do Pinhal
 
ONDULATÓRIA.pptx
ONDULATÓRIA.pptxONDULATÓRIA.pptx
ONDULATÓRIA.pptx
 
Trabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano somTrabalho de f.q 10ºano som
Trabalho de f.q 10ºano som
 
Manual som
Manual somManual som
Manual som
 
Representação de sons no computador
Representação de sons no computadorRepresentação de sons no computador
Representação de sons no computador
 
aula som.pptx
aula som.pptxaula som.pptx
aula som.pptx
 
Someluz
SomeluzSomeluz
Someluz
 
Ondas_rbd
Ondas_rbdOndas_rbd
Ondas_rbd
 
Ondas 9° ano cec
Ondas 9° ano cecOndas 9° ano cec
Ondas 9° ano cec
 
Acústica
AcústicaAcústica
Acústica
 
Ondulatória 9º Ano.ppt
Ondulatória 9º Ano.pptOndulatória 9º Ano.ppt
Ondulatória 9º Ano.ppt
 
Som e Luz
Som e LuzSom e Luz
Som e Luz
 
Apostila Básica de Áudio
Apostila Básica de ÁudioApostila Básica de Áudio
Apostila Básica de Áudio
 
Audio
AudioAudio
Audio
 
9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo
9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo
9-ano-ondas.pdf fsldovoiodododododddodvvo
 
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
Curso  caixas acusticas   faca voce mesmoCurso  caixas acusticas   faca voce mesmo
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
 
Cursocaixasacusticas facavocemesmo
Cursocaixasacusticas facavocemesmoCursocaixasacusticas facavocemesmo
Cursocaixasacusticas facavocemesmo
 
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
Curso  caixas acusticas   faca voce mesmoCurso  caixas acusticas   faca voce mesmo
Curso caixas acusticas faca voce mesmo
 

Mais de atsileg

54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
atsileg
 
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
atsileg
 
00a apresentacao
00a apresentacao00a apresentacao
00a apresentacao
atsileg
 
Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01
atsileg
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
atsileg
 
12 aula 08052012
12   aula 0805201212   aula 08052012
12 aula 08052012
atsileg
 
11 aula 24042012
11   aula 2404201211   aula 24042012
11 aula 24042012
atsileg
 
10 aula 17042012
10   aula 1704201210   aula 17042012
10 aula 17042012
atsileg
 
09 aula 10042012
09   aula 1004201209   aula 10042012
09 aula 10042012
atsileg
 
08 aula 03042012
08   aula 0304201208   aula 03042012
08 aula 03042012
atsileg
 
07 aula 27032012
07   aula 2703201207   aula 27032012
07 aula 27032012
atsileg
 
06 aula 20032012
06   aula 2003201206   aula 20032012
06 aula 20032012
atsileg
 
05 aula 13032012
05   aula 1303201205   aula 13032012
05 aula 13032012
atsileg
 
04 aula 06032012
04   aula 0603201204   aula 06032012
04 aula 06032012
atsileg
 
03 aula 28022012
03   aula 2802201203   aula 28022012
03 aula 28022012
atsileg
 
01 aula 07022012
01   aula 0702201201   aula 07022012
01 aula 07022012
atsileg
 
02 aula 14022012
02   aula 1402201202   aula 14022012
02 aula 14022012
atsileg
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
atsileg
 
11 aula -16102012
11   aula -1610201211   aula -16102012
11 aula -16102012
atsileg
 
07 aula - 18092012
07   aula - 1809201207   aula - 18092012
07 aula - 18092012
atsileg
 

Mais de atsileg (20)

54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
54839692 livro-aidpi-neonatal-manual-do-estudante
 
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
54945632 cuidados-com-o-coto-umbilical
 
00a apresentacao
00a apresentacao00a apresentacao
00a apresentacao
 
Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01Lista de exercícios 01
Lista de exercícios 01
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
 
12 aula 08052012
12   aula 0805201212   aula 08052012
12 aula 08052012
 
11 aula 24042012
11   aula 2404201211   aula 24042012
11 aula 24042012
 
10 aula 17042012
10   aula 1704201210   aula 17042012
10 aula 17042012
 
09 aula 10042012
09   aula 1004201209   aula 10042012
09 aula 10042012
 
08 aula 03042012
08   aula 0304201208   aula 03042012
08 aula 03042012
 
07 aula 27032012
07   aula 2703201207   aula 27032012
07 aula 27032012
 
06 aula 20032012
06   aula 2003201206   aula 20032012
06 aula 20032012
 
05 aula 13032012
05   aula 1303201205   aula 13032012
05 aula 13032012
 
04 aula 06032012
04   aula 0603201204   aula 06032012
04 aula 06032012
 
03 aula 28022012
03   aula 2802201203   aula 28022012
03 aula 28022012
 
01 aula 07022012
01   aula 0702201201   aula 07022012
01 aula 07022012
 
02 aula 14022012
02   aula 1402201202   aula 14022012
02 aula 14022012
 
01 aula 01032012
01   aula 0103201201   aula 01032012
01 aula 01032012
 
11 aula -16102012
11   aula -1610201211   aula -16102012
11 aula -16102012
 
07 aula - 18092012
07   aula - 1809201207   aula - 18092012
07 aula - 18092012
 

02 aula - 14082012

  • 2. Recapitulando: Vimos: - PEA - Definição de Telecomunicação HOJE: Veremos Acústica
  • 3. PEA PLANO DE ENSINO E APRENDIZAGEM
  • 4. Apresentação da disciplina: Conteúdo Programático 1. Noções de acústica e telefonia 2. Digitalização de sinais analógicos 3. Multiplexação e transmissão de sinais 4. A rede telefônica 5. A central telefônica 6. Planejamento do sistema telefônico 7. Redes de alta velocidade 8. Redes ópticas 9. Telefonia celular 10. Teoria de tráfego telefônico
  • 5. REGRAS PARA UMA AULA DE QUALIDADE: - NÃO TOLERO CONVERSAS PARALELAS ENQUANTO EXPLICO - TODO TRABALHO DEVERÁ SER ENVIADO POR EMAIL , ATRAVÉS DE ARQUIVO ANEXADO EM FORMATO .PDF! - TODO ENVIO DE TRABALHO DEVERÁ SER REGISTRADO EM FORMULÁRIO ON LINE NO SITE GOOGLE APPS DO PROFESSOR
  • 6. REGRAS: - TODO ALUNO DEVE ENVIAR UM E-MAIL PARA QUE EU POSSA CADASTRÁ-LO NO MEU CONTROLE DE NOTAS DA TURMA. - ANOTEM MEU EMAIL: rubens.evangelista@aedu.com - PADRÃO DE COMUNICAÇÃO: - TODO E-MAIL SEGUIRÁ UM PADRÃO
  • 7. REGRAS: TODA COMUNICAÇÃO DEVERÁ OCORRER POR E-MAIL E O ASSUNTO SEMPRE DEVERÁ CONTER SOMENTE A SIGLA: - Assunto correto => EEL10A - EEL1OA EEL 10A EEL-10A EEL10º A - ANOTEM A SIGLA DO ASSUNTO - TODO E-MAIL DEVERÁ TERA IDENTIFICAÇÃO DO ALUNO COM RA, NOME E ASSUNTO NO CORPO DO EMAIL.
  • 8. REGRAS: Aulas Aula expositiva, dinâmicas de grupo, seminários, debates, exercício em classe, ATPS (Atividades Práticas Supervisionadas) Avaliações: 1º Bimestre A nota do primeiro bimestre será composta pelos seguintes itens • Seminário (7,0 sete pontos) - Avaliação da exposição (Notas de 0 à 10) • ATPS (1,5 um ponto e meio) - Avaliação da execução (Notas de 0 à 10) • Trabalho (1,5 um ponto e meio) - Avaliação de conteúdo (Notas de 0 à 10) • VAI (3,0 pontos) - Avaliação da faculdade (Notas de 0 à 10) A média do primeiro bimestre será composta por: M1= (((Nota Seminário (de 0 á 10))*0,7+(Nota ATPS (de 0 á 10))*0,15+(Nota Trabalho (de 0 á 10))*0,15)*0,7+ + ((Nota VAI (de 0 á 10) )*0,3)*0,4
  • 9. REGRAS: Aulas Avaliações: 2º Bimestre A nota do segundo bimestre será composta pelos seguintes itens • Avaliação Oficial (8,0 oito pontos) - Avaliação do Aprendizado (Notas de 0 à 10) • ATPS (1,0 ponto) - Avaliação da execução (Notas de 0 à 10) • Trabalho (1,0 ponto) - Avaliação de conteúdo (Notas de 0 à 10) • VAI (3,0 pontos) - Avaliação da Faculdade (Notas de 0 à 10) A média do segundo bimestre será composta por: M2= (((Nota Avaliação Oficial (de 0 á 10))*0,8+(Nota ATPS(de 0 á 10))*0,1+(Nota Trabalho(de 0 á 10))*0,1)*0,7+ + ((Nota VAI (de 0 á 10) )*0,3)*0,6 MF (Média Final) = M1 + M2 Se MF < 5,0 então O aluno poderá fazer a PS (Prova Substitutiva) Se PS*0,6 > M2 então PS substitui M2 M2=0,6 * PS e consequentemente MF = M1 + M2 => Senão será mantida a melhor nota entre PS e M2
  • 10. REGRAS: As avaliações serão marcadas pela Faculdade. Seminário (será 1 semana antes do dia da 1ª Avaliação) Metodologia O Número de alunos por grupo terá um limite negociado. Avaliação é do grupo (aluno faltante não tem nota) Entrega de apresentação (.PPT) e apresentação para classe Tempo da apresentação de 15 a 20 minutos Todos os alunos do grupo DEVEM apresentar A composição do grupo será por sorteio ATPS (Atividades Práticas Supervisionadas) Orientação e entrega de trabalhos semanalmente (das 22:00hs às 22:15hs)
  • 11. TELECOMUNICAÇÕES A comunicação é o ato da transmissão de informações de uma pessoa à outra (FERRARI, 2001) Nas quatro últimas décadas as Telecomunicações passaram por transformações significativas, devido ao desenvolvimento tecnológico desse seguimento. Acredita-se que a revolução nas comunicações só se compara à invenção da imprensa (DAMSKI, 1995) Conforme as sociedades foram ocupando espaços geograficamente dispersos, a necessidade de comunicação através de longas distâncias foi tornando-se mais intensa As empresas estão se tornando empresas conectadas em redes. A Internet e as redes internas e externas na empresa se tornaram a principal infra-estrutura de informática de muitas organizações. (O’BRIEN, 2001)
  • 12. Sistemas de TELECOMUNICAÇÕES É toda forma de troca de informações (voz, dados, texto,imagem) por meio de redes computadorizadas.(O’BRIEN, 2001) As telecomunicações se utilizam de meios eletrônicos para realizar o processo de comunicação Exemplos de Telecomunicações: •Telegrafia •Sistema Telefônico •Redes de Telefonia Celular •Redes de Computadores •Intranet, Extranet e Internet
  • 13. TELECOMUNICAÇÕES Relembrando Só há comunicação quando existem a Mensagem, o Meio, o Receptor e o Transmissor.
  • 14. TELECOMUNICAÇÕES O meio mais utilizado é o ar através das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS
  • 16. Modulação das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS TELECOMUNICAÇÕES
  • 17. Modulação das ONDAS ELETROMAGNÉTICAS e DADOS TELECOMUNICAÇÕES
  • 32. O Ser Humano, pode ouvir a partir de 16,780 Hz até 16780 Hz, em média. Existem pessoas que escutam frequências mais altas ou mais baixas.
  • 33. Na natureza as ondas sonoras vão muito além do que o Ser Humano pode ouvir.
  • 34. Infra-SOM Designam-se por Infra-sons todos os sons com frequência inferior a 20 Hz. Estes sons não são captados pelo ouvido humano, embora possam ser captados por outros animais. Estes Infra-sons são de grande utilidade na previsão de um sismo ou erupção vulcânica. Os movimentos da crosta terrestre produzem sons de frequência demasiado baixa para que o Ser Humano os consiga ouvir. Esses sons são registados pelos sismógrafos e podem alertar para a ocorrência de um sismo ou erupção vulcânica.
  • 35. Ultra-SOM Designam-se por Ultra-sons todos os sons com frequência superior a 20.000 Hz. Estes sons não são captados pelo ouvido humano, embora possam ser captados por outros animais. Os Ultra-Sons são de grande utilidade por exemplo na medicina, onde são utilizados para a realização de ecografias. Também são utilizados com sucesso na pesca para identificar cardumes de peixes.
  • 36. Para além do Ser Humano, também uma grande variedade de outros animais consegue captar sons. Alguns destes animais têm uma sensibilidade auditiva bastante melhor do que o Ser Humano. Na imagem seguinte, é apresentada uma comparação entre os sons captados e emitidos por diferentes animais:
  • 39. Intensidade Intensidade em acústica e música refere-se à percepção da amplitude da onda sonora. Frequentemente também é chamada de "volume" ou "nível de pressão sonora.
  • 40. Altura A percepção de alturas está intimamente ligada aos conceitos de melodia, harmonia e afinação. o som pode ser agudo ,médio e grave.
  • 42. Duração A duração de um fenômeno pode ser medida em unidades absolutas de tempo (segundos e seus múltiplos e submúltiplos). Isso é útil na descrição precisa deste evento. Em música, no entanto, a noção de duração é relativa. Em uma estrutura rítmica, é mais importante a relação entre as durações das notas do que sua duração absoluta.
  • 43. Timbre Em música, chama-se timbre à característica sonora que nos permite distinguir se sons de mesma frequência foram produzidos por fontes sonoras conhecidas e que nos permite diferenciá-las. Quando ouvimos, por exemplo uma nota tocada por um piano e a mesma nota (uma nota com a mesma altura) produzida por um violino, podemos imediatamente identificar os dois sons como tendo a mesma freqüência, mas com características sonoras muito distintas. O que nos permite diferenciar os dois sons é o timbre instrumental. De forma simplificada podemos considerar que o timbre é como a impressão digital sonora de um instrumento ou a qualidade de vibração vocal.
  • 44. Forma de Onda Quando uma corda, uma membrana, um tubo ou qualquer outro objeto capaz de produzir sons entra em vibração, uma série de ondas senoidais é produzida. Além da frequência fundamental, que define a nota, várias freqüências harmônicas também soam. O primeiro harmônico de qualquer nota tem o dobro de sua freqüência; o segundo harmônico tem o triplo de sua freqüência e assim por diante. Qualquer corpo em vibração produz dezenas de freqüências harmônicas que soam simultaneamente à nota fundamental. No entanto o ouvido humano não é capaz de ouvir os harmônicos com freqüencia superior a 20000Hz. Além disso, devido às características de cada instrumento ou da forma como a nota foi obtida, alguns dos harmônicos menores e audíveis possuem amplitude diferente de um instrumento para outro.
  • 45. Forma de Onda Se somarmos a amplitude da freqüência fundamental às amplitudes dos harmônicos, a forma de onda resultante não é mais senoidal, mas sim uma onda irregular cheia de cristas e vales. Como a combinação exata de amplitudes depende das características de cada instrumento, suas formas de onda também são muito distintas entre si. Veja os exemplos abaixo:
  • 46. Forma de Onda Forma de onda produzida por uma flauta
  • 47. Envelope Sonoro Também conhecido como envoltória, é a forma como o som se inicia, se mantém e termina ao longo do tempo. Ainda que as formas de onda de dois instrumentos sejam muito parecidas, ainda poderíamos distingui-las pelo seu envelope. O envelope é composto basicamente de quatro momentos: Ataque, decaimento, sustentação e relaxamento. Este perfil, conhecido como envelope ADSR, é mostrado abaixo.
  • 49. Ataque: é o início de cada nota musical. Em um instrumento de corda tocado com arco, o som surge e aumenta lentamente de intensidade, assim como no exemplo da flauta. Se a mesma corda for percutida o som surgirá muito rapidamente e com intensidade alta. Dependendo do instrumento, o ataque pode durar de alguns centésimos de segundo até mais de um segundo.
  • 50. Decaimento: em alguns instrumentos, após o ataque o som sofre um decaimento de intensidade antes de se estabilizar. Em um instrumento de sopro, por exemplo, isso pode se dever à força inicial necessária para colocar a palheta em vibração, após o que a força para manter a nota soando é menor. Normalmente dura apenas de alguns centésimos a menos de um décimo de segundo. Nos exemplos mostrados, o decaimento é claramente perceptível nas notas da tabla e levemente na segunda nota da trompa.
  • 51. Sustentação: corresponde ao tempo de duração da nota musical. Na maior parte dos instrumentos este tempo pode ser controlado pelo executante. Durante este tempo a intensidade é mantida no mesmo nível, como as notas da trompa e da flauta na imagem. Alguns instrumentos (principalmente os de percussão) não permitem controlar este tempo. Em alguns casos o som nem chega a se sustentar e o decaimento inicial já leva o som diretamente ao seu desaparecimento, como na tabla.
  • 52. Relaxamento: final da nota, quando a intensidade sonora diminui até desaparecer completamente. Pode ser muito brusco, como em um instrumento de sopro, quando o instrumentista corta o fluxo de ar, ou muito lento, como em um gongo ou um piano com o pedal de sustentação acionado. Na imagem acima, a nota da flauta tem um final suave devido à reverberação da sala onde a música foi executada, que fez o som permanecer ainda por um tempo, mesmo após o término do sopro.
  • 53. Email: rubens.evangelista@aedu.com Este Conteúdo Está no meu site! Acesse: http://sites.google.com/a/aedu.com/prof-rubens/