Nutrientes 02

1.083 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Saúde e medicina
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.083
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Nutrientes 02

  1. 1. Capítulo 2 – Alimentação e hábitos saudáveis – Manual do Paciente Capítulo 2
  2. 2. Manual de nutrição teMas e autores Capítulo – Os alimentos: calorias, • Mestra em Nutrição Humana pela UFRJ • Especialista em Educação e Saúde pela UFRJ macronutrientes e micronutrientes • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD - 2006/2007 Anelena Soccal Seyffarth • Nutricionista Especialista em Nutrição Humana Capítulo 7 - Plano alimentar nas situações • Preceptora da Residência em Nutrição da Secretaria de Saúde do Dis- trito Federal especiais: escola, trabalho, festas, restaurantes e • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – dias de doença 2006/2007 Gisele Rossi Goveia Capítulo 2 – Alimentação e hábitos saudáveis • Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica pela Associação Brasilei- ra de Nutrição - ASBRAN Deise Regina Baptista Mendonça • Nutricionista da Preventa Consultoria em Saúde/SP; • Membro do Conselho Consultivo da Associação de Diabetes Juvenil • Nutricionista Especialista em Administração Hospitalar e em Saúde de São Paulo Pública • Coordenadora do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD • Professora -adjunta do Departamento de Nutrição da Universidade - 2006/2007 Federal do Paraná (UFPR) • Coordenadora do Curso de Especialização em Nutrição Clínica da UFPR; Colaboradoras: • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – 2006/2007 Ana Cristina Bracini de Aguiar • Especialista em Nutrição Clínica Capítulo 3 – Determinando o plano alimentar • Pós graduação em Administração Hospitalar. • Nutricionista Clínica do Instituto da Criança com Diabetes, do Rio Anita Sachs Grande do Sul. • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – • Nutricionista Mestre em nutrição humana pela London School Hy- 2006/2007 giene and Tropical Medicine • Professora adjunta e chefe da disciplina de Nutrição do Departamento de Medicina Preventiva da UNIFESP, Clarissa Paia Bargas Uezima • Doutora em Ciências pela UNIFESP • Nutricionista • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – • Especialista em Nutrição em Saúde Publica pela UNIFESP 2006/2007 Josefina Bressan Resende Monteiro Capítulo 4 – Plano alimentar e diabetes mellitus • Nutricionista Especialista em Nutrição Clínica pela Universidade Fed- tipo eral do Rio de Janeiro • Professora-adjunta do Departamento de Nutrição e Saúde da Univer- Luciana Bruno sidade Federal de Viçosa (DNS/UFV) • Pesquisadora do Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e • Nutricionista Especialista em Nutrição Materno Infantil pela Unifesp Tecnológico (CNPq) com treinamento na Joslin Diabetes Center • Coordenadora do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD • Nutricionista da Preventa Consultoria em Saúde /SP – 2004/2005 • Membro do Conselho Consultivo da Associação de Diabetes Juvenil de São Paulo Juliane Costa Silva Zemdegs • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – 2006/2007 • Nutricionista • Especialista em Nutrição em Saúde Publica pela UNIFESP Capítulo 5 – Plano alimentar e diabetes mellitus Kariane Aroeira Krinas tipo 2 • Nutricionista Celeste Elvira Viggiano • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – 2006/2007 • Nutricionista clínica e sanitarista • Educadora e especialista em diabetes, obesidade e síndrome metabóli- Marisa Sacramento Gonçalves ca. • Coordenadora do Curso de Graduação em Nutrição da Universidade • Nutricionista Centro de Diabetes e Endocrinologia do Estado da Ba- Municipal de São Caetano do Sul-SP hia • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – • Residência em Nutrição Clínica - Hospital Universitário Antonio Pedro, 2006/2007 Niterói/RJ1980 • Especialista em Controle e Qualidade de Alimentos UFBA 1989 • Membro do Departamento de Nutrição e Metabologia da SBD – Capítulo 6 – Plano alimentar nas complicações 2006/2007 metabólicas, agudas e crônicas do diabetes: hipoglicemia, nefropatia, dislipidemias Marlene Merino Alvarez • Nutricionista do grupo de Diabetes da Universidade Federal Flumi- nense (UFF);
  3. 3. Manual do PaCiente CaPÍtulo 2 ALIMENTAção E HáBIToS SAUDáVEIS
  4. 4. AlimentAção e hábitos sAudáveis Foto: Grafissimo Autor: Deise Baptista Mendonça MITOS: Foto: GBH007 1. Alimentação saudável é aquela em que se come muito pouco. 2. Não consigo controlar minha glicemia porque almoço fora todos os dias! 3. Se o alimento é industrializado não é saudável. FATOS: Foto: Shyman • Hoje em dia comer fora não é mais desculpa para não se seguir uma alimentação saudável e manter o controle da glicemia, pois os res- taurantes a quilo ou bufês estão por toda a parte e oferecem grande variedade de alimen- tos para se manter escolhas saudáveis de ali- • A alimentação saudável é aquela que atende mentos, controlando-se a quantidade e o tipo às necessidades nutricionais de cada indi- de comida. Basta saber fazer a opção certa. víduo, com ingestão de alimentos de quali- dade e em quantidades suficientes para ma- • Se for consumir um alimento industrializado nutenção de um peso corpóreo adequado. deve-se ter a preocupação de se ler o rótulo e checar as quantidades de nutrientes forne- • A alimentação deve se ajustar ao gosto, à per- cidas por ele, identificando e interpretando o sonalidade, às tradições familiares e culturais, tamanho da porção, calorias fornecidas/por- ao estilo de vida e ao orçamento. Refeições ção e a quantidade de carboidratos, proteínas bem planejadas transmitem prazer e devem e gorduras/porção. É possível consumir um ser nutritivas. alimento industrializado saudável.
  5. 5. Capítulo 2 – Alimentação e hábitos saudáveis – 5 Foto: Phil Date PERGUNTA FREQUENTE: Como construir um estilo saudável de alimen- tação? Um estilo saudável de alimentação tem cinco caracte- rísticas: adequação, equilíbrio, controle calórico, mo- deração e variedade. Foto: DoisC/Celso Pupo • atividade física regular: faça diariamente. Ela é representada por degraus que o indiví- duo deve escalar, funcionando como um lem- brete para a prática diária de exercícios; • individualização: o que serve para os outros pode não servir para você; • progressos graduais: para melhorar a ali- mentação e o estilo de vida, inicie com pe- quenos passos a cada dia. • variedade: coma alimentos de todo os gru- pos. A variedade é simbolizada por seis cores que representam os cinco grupos alimenta- res da pirâmide e os óleos. Isso ilustra que são necessários alimentos de todos os grupos (cores), diariamente, para que uma dieta seja considerada saudável; • moderação: coma com maior freqüência alimentos com pouca gordura e açúcar adi- cionado. A moderação é representada pelo estreitamento da faixa de cada grupo alimen- tar, observando-se da base até o topo (de bai- xo para cima). A base da pirâmide contém alimentos com pouca ou nenhuma gordu- ra saturada ou ricos em açúcar, e devem ser consumidos com mais freqüência. o topo re- presenta os alimentos ricos em gorduras satu- radas e açúcares; • proporcionalidade: coma nas quantidades recomendadas. A proporcionalidade é mos- trada pelas diferentes larguras de cada faixa vertical que representa os grupos alimentares. o tamanho das larguras sugere a quantidade de alimentos que o indivíduo pode escolher Grãos Vegetais Frutas Leite Carnes e de cada grupo. Essa quantidade não está em Leguminosas proporção adequada, pois é apenas um guia geral. É importante a individualização;
  6. 6. Capítulo 2 – Alimentação e hábitos saudáveis – 6 O QUE vOCê PODE COMEçAR A FAzER : Foto: DoisC/Celso Pupo Foto: Knape • Tenha 4 a 6 por dia, em horários determina- • varie as hortaliças: coma mais hortaliças dos e com moderação. o tempo entre uma verde-escuras, como brócolis e espinafre; in- refeição não deve ser menor que 2 horas nem gira mais hortaliças alaranjadas, como cenou- maior do que quatro; ra; • mastigue bem os alimentos saboreando-os • prefira leite, iogurte • evite frituras: são muito calóricas. Sempre ou queijos que sejam que possível, asse, grelhe ou cozinhe seus ali- pobres em gorduras, mentos; semi-desnatados ou • devagar com o sal: evite deixar o saleiro na desnatados; mesa. A porção individual não deve ultrapas- sar 1 colher de chá por dia (6 g); • reduza a ingestão de álcool: as bebidas al- coólicas são calóricas: 1 grama de álcool for- nece 7 kcal; • selecione carnes e aves magras ou preparadas • atenção aos alimentos diet: mesmo os diet com pouca gordura (cozidas, grelhadas ou as- engordam e contém carboidratos alterando a sadas); varie, substitua a carne por legumino- glicemia; sas (ex.: feijão, soja), oleaginosas (ex.: nozes, • não vá ao supermerca- Foto: DigitalPlanet Design castanhas) e sementes (ex.: girassol, abóbo- do com fome e sempre ra); tenha em mãos sua • não se esqueça de tomar bastante água: no lista de compras e suas mínimo 2 L/dia; possíveis substituições; • prefira alimentos e bebidas sem ou com pouco açúcar adicionado; evite gorduras sóli- das como manteiga, margarina dura e banha de porco, assim como os alimentos que as • coma, na medida do possível, mais alimentos contêm; leia o rótulo para verificar as quan- integrais; tidades de gordura saturadas, trans e de só- • coma frutas diversas e com bagaço: escolha dio; faça com que as suas maiores fontes de frutas frescas ou secas; dê mais atenção às gordura provenham de peixes, oleaginosas e frutas, ao invés dos sucos. Elas contêm fibras óleos vegetais; que dão saciedade; • Planeje suas refeições!!;

×