Documento apoio ao estudo meio natural relevo litoral

4.014 visualizações

Publicada em

0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.014
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
589
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
86
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Documento apoio ao estudo meio natural relevo litoral

  1. 1. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício Dias Relevo Litoral
  2. 2. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício DiasLitoralO litoral é a área de influência directa ou indirecta da acção do mar. É também no litoral que se situam a maior parte das indústrias, devido às disponibilidades hídricas, à facilidade de transportes(melhores vias rodoviárias, acesso a portos de escoamento de produtos e de entrada de matérias primas) e à proximidade dosmaiores centros económicos. O mar é um poderoso agente erosivo cuja acção se faz sentir, principalmente, sobre a linha de costa – área de contacto entre aterra e a mar.A erosão marinhaQual o Papel da Acção Erosiva do Mar na Evolução do Litoral? A erosão provocada pelas águas do mar designa-se por erosão marinha ou abrasão marinha (erosão mecânica das ondas e dasmarés contras as rochas ), levada a cabo com o material arrancado à costa e novamente atirado contra ela, porque as ondasactuam fortemente contra as rochas, desagregando-as. As águas do mar actuam sobre os materiais do litoral ( linha de costa)desgastando-os através da sua acção química e da sua acção mecânica. A erosão marinha ou abrasão tende a regular a linha de costa, desgastando as áreas mais salientes (cabos, arribas, etc.) edepositando materiais nas reentrâncias da costa, através dos processos de: desgaste ou erosão das arribas pela força do embate das ondas  transporte, pelas correntes costeiras, dos materiais resultantes do processo de desgaste, que aumentam opoder da erosão marinha;  acumulação ou deposição dos materiais (areia, seixos...) arrastados pela força das ondas e transportadospelas correntes.A acção de desgaste está condicionada pelos seguintes factores:a) reacções químicas entre a água e os materiais;b) acção mecânica da água;c) força e direcção das ondas;d) natureza das rochas - dureza, constituição química e coesão.O desgaste origina materiais soltos, de dimensões muito variáveis que as correntes marítimas transportam, por vezes, a grandesdistâncias. Quando a velocidade e força das correntes diminuem os materiais transportados são depositados ou acumulados.As correntes marítimas transportam materiais resultantes do desgaste da costa ou trazidos pelos cursos de água ( rios quedesaguam no litoral) que depositam quando a velocidade das águas diminui devido à baixa profundidade. 2
  3. 3. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º ano Relevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício Dias Principais processos de evolução da linha da costa Tipo de costas A linha de costa, em Portugal Continental, apesar do seu traçado bastante regular, é variável de acordo com a natureza dos materiais rochosos que a constituem. Embora o litoral Português seja dominado essencialmente por praias, existem áreas de costa predominantemente rochosa. assim Podemos concluir que, de um modo geral, podemos detectar dois tipos de costa:  a costa alta ou de arriba - alta e escarpada - onde a linha de costa se insere num relevo alto constituído por formações rochosas mais resistentes à erosão marinha. Como a costa a norte de Espinho, Estremadura Meridional, Sudoeste Alentejano e Barlavento Algarvio.  a costa baixa ou de praia - baixa e arenosa - onde a linha de costa se insere num relevo baixo ou as formações rochosas são menos resistentes. A erosão marinha manifesta-se, geralmente, com grande intensidade onde predomina a costa alta, rochosa e escarpada (arribas). Nas áreas de costa baixa, o trabalho erosivo do mar é menos intenso, procedendo à trituração e arredondamento dos sedimentos litorais, formando as praias, resultante da acumulação dos sedimentos litorais. A evolução da linha de costa pode também resultar de movimentos da crosta terrestre e de alterações climáticas que provocam:  transgressões marinhas - avanço do mar sobre áreas continentais - fenómeno que poderá voltar a acontecer se a temperatura média da superfície terrestre continuar a subir, o que terá como consequência o degelo dos glaciares e a subida do nível médio das aguas do mar. Aquando do degelo da última glaciação o mar subiu o seu nível médio tendo invadido as áreas continentais (Transgressão marinha), esta é uma situação que nos deixa de prevenção pois com o aumento da temperatura média global, corremos o risco do degelo das regiões polares e dos glaciares de montanha e a consequente subida do nível médio do mar.  regressões marinhas - recuo do mar - devido a movimentos internos da Terra que provocam o levantamento dos continentes ou a diminuição da temperatura media da superfície terrestre que provoca a formação de glaciares e a descida do nível médio das aguas do mar, originando o seu recuo. A costa de pPraia ( Praia de Cacela - Algarve)A costa de aArriba (Cabo S, Vicente) Tipos de costa 3
  4. 4. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício DiasAcidentes litorais que resultam da erosão: Plataforma de abrasão - faixa, entre o mar e a arriba, que fica a descoberto na maré baixa. Quando o mar contacta com o litoral em zona de costas de arriba dão-se fenómenos de recuo da arriba. As ondas escavam a base da arriba esta torna-se instável devido à perda da sua base de sustentação. Essa instabilidade origina a fragmentação e queda de blocos. Se a arriba tem fissuras, o ar situado nessas fissuras é comprimido. Quando a onda recua, dá-se Evolução e recuo de uma arriba. um processo de descompressão. Desta forma os interstícios da rocha Fonte: Gomes, A., Boto, A.; (2006).; "Fazer Geografia"; são alargados e a rocha vai-se fragmentando. Este desgaste provoca Porto Editora um escavamento no sopé das arribas, que , sem apoio, se vão desmoronando. Assim, a arriba vai recuando, desenvolvendo-se, assim, uma plataforma de abrasão ( faixa entre o mar e a arriba ), que fica a descoberto na maré baixa. Arriba fóssil 4
  5. 5. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício Dias Baía ou enseada – Reentrância da costa bem aberta em direcção ao mar, com uma pequena penetração dele. Forma-se quando existem formações rochosas menos duras que permitem a penetração do mar. Golfo é uma porção de água que avança em terra firme, desenha no litoral uma curva muito ampla. O golfo é uma baía de grandes dimensões. As baías detiveram e detêm importância económica e estratégica uma vez que são, normalmente, locais ideais para construção de portos e docas. Península é uma extensão de terra rodeada de mar por todos os lados menos por um, relativamente estreito, pelo qual está unida a outra terra de maior extensão. A zona de Acção das ondas – Quando a costa é formada por rochas de diferentes durezas, formam-se união entre a península e a terra designa-se por Ístmo. reentrâncias (baías ou enseadas) e saliências no lado escarpado, de acordo com a resistência dessas rochas à erosão marinha. Golfo Baía Golfo Concha de S. Martinho, com a forma de crescente, era um antigo e vasto golfo, que se foi reduzindo através da sedimentação marinha, não passando hoje de uma pequena enseada, em comunicação com o mar por uma estreita passagem de paredes abruptas, Concha de s. Martinho 5
  6. 6. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício Dias Arco (A)- Forma-se quando se unem grutas de ambos os lados de um cabo ou promontório (pequeno cabo). Arribas ou falésias (C)- Formações rochosas, em escarpa sobre o mar,constantemente sujeitas à força erosiva das ondas do mar. Há arribas vivas quando o mar actua sobre elas e arribas mortas ou fósseis quando o mar deixa de as desgastar. Farilhão (D) – Quando a ponte de um arco cai, deixa no mar uma rocha isolada. Cabo (E) – Formações rochosas mais resistentes que se projectam no mar, salientando-se em relação à costa. Gruta Litoral (F)- Fenda formada pelo desgaste de uma arriba provocado pelo mar. Acidentes litorais que resultam da acumulação As praias são depósitos de areia e seixos arrancados as arribas ou transportados de outros troços do litoral que se cumulam nas áreas abrigadas da costa, onde as correntes litorais exercem menos força. Quando o depósito de areia se acumula paralelamente à costa, formam-se as barras ou barreiras ou bancos de areia. Praia Estuário - Parte terminal de um rio, constituída por um único braço, que se alarga e aprofunda na foz e onde a influência das correntes e marés é importante. Os estuários formam-se em locais onde a força das marés e das correntes marítimas é intensa. A água arrasta os aluviões até zonas muito afastadas da foz e deposita-os no fundo do oceano. 6
  7. 7. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício Dias Ilhas - barreira - Por vezes, a agua dos rios impede a formação de uma barreira contínua. Restinga - Acumulação de areia e seixos que forma uma barra à entrada da baía Barreira – Assemelha-se a uma restinga, mas é muito maior. Laguna - Extensão de agua mais ou menos salobra separada do mar por ilhas - barreira A ria de Aveiro - haff-delta de Aveiro, localizada entre Espinho e o cabo Mondego, é uma laguna separada do mar por uma restinga formada pela acumulação de sedimentos , quer de origem marinha, depositados por correntes marítimas de sentidos opostos, quer de origem fluvial, transportados pelo rio Vouga, os quais foram formando um cordão litoral paralelo à linha de Ria de Aveiro costa, impedindo o contacto do rio com o mar, acelerando assim o seu assoreamento;. Também se chama haff-delta, pois o rio desagua na laguna (haff), formando um delta interior. Lido ( Ria Formosa - Faro) -Trata-se de uma zona lagunar obstruída por numerosas ilhas e cordões de areia. As correntes marítimas transportam materiais resultantes do desgaste da costa ou trazidos pelos cursos de água (rios que desaguam no litoral) que depositam quando a velocidade das Cordões litorais ( Ria Formosa - Faro) águas diminui devido à baixa profundidade formando cordões litorais. 7
  8. 8. MEIO NATURAL GEOGRAFIA: 8º anoRelevo Litoral ESCOLA SECUNDÁRIA COM 3º CICLO MATIAS AIRES (Documento de Apoio ao Estudo) 2011/2012 Prof. Daniel Maurício Dias Tômbolo - pequena ilha rochosa ligada ao continente por um istmo – faixa resultante da acumulação de areias e seixos . Á acumulação de areia, como aconteceu em Peniche, dá-se entre o litoral e uma ilha Esquema de formação de um tômbolo. Repare-se que por acção das correntes marítimas se próxima. No caso dos manterias acumulam , entre uma pequena ilha e a orla acumulados emergirem a ilha fica ligada continental grandes quantidades de sedimentos arenosos que, acabando por emergir, formaram ao continente por uma faixa arenosa a que um istmo que faz a ligação ao território damos o nome de Tômbolo. continental. É a este istmo arenoso, ligando uma ilha ao continente, que se dá o nome de tômbolo. Tômbolo 8

×