SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 66
Capítulo 9
6º anos A e B
Relevo e altitude
A altitude é um dos elementos que auxilia a caracterizar as principais
formas de relevo (montanhas, planaltos, planícies e depressões).
Planícies
Planícies
Planície do rio Ganges,
Varanasi (Índia)
YANNARTHUS-BERTRAND/CORBIS/LATINSTOCK
As planícies são terrenos relativamente planos, formados pela deposição de
sedimentos que podem ter origem fluvial, marinha ou lacustre.
Planaltos
Os planaltos são superfícies irregulares onde predomina a ação de
agentes de erosão, como a água da chuva, os rios, os ventos e o gelo.
•Chapadas: formas com escarpas e topo plano.
Chapada Diamantina (BA)
• Morros: elevações de forma arredondada. No Brasil, especificamente na região
Sudeste, conjuntos de morros de topos bastante arredondados são conhecidos
como “mares de morros”.
Mar de morros
com o vale do
Paraíba (SP)
ao fundo
• Serras: os desníveis são acentuados.
Serra da Bocaina (SP)
IVANIASANT'ANNA/KINO
Dedo de Deus - Rio de Janeiro
Depressões
A depressão Sertaneja, uma depressão relativa, localiza-se a oeste do planalto da
Borborema (PE).
O mar Morto é um lago de águas salgadas em uma depressão absoluta.
Podem ser:
absolutas
relativas
Depressões
ATLANTIDEPHOTOTRAVEL/CORBIS/LATINSTOCK
As áreas continentais que estão abaixo do nível do mar são chamadas de
“depressões absolutas”. Quando estão rebaixadas em relação aos
terrenos vizinhos, mas acima do nível do mar, são chamadas de
“depressões relativas”.
Depressão Relativa
ALISONWRIGHT/CORBIS/LATINSTOCK
As montanhas antigas são mais baixas e seus cumes são arredondados.
As Montanhas recentes geralmente formam cadeias montanhosas ou
cordilheiras, apresentando cumes pontiagudos e altitudes elevadas. Na América
do Sul, a maior e mais alta cordilheira é a dos Andes. No mundo, a cordilheira
do Himalaia possui o ponto mais elevado: o monte Everest, com 8.848 m.
Montanhas
As 3 formas de relevo existentes no Brasil:
Relevo Submarino
- Plataforma continental: corresponde a uma zona de transição entre a massa continental e o
fundo dos oceanos, a declividade entre os pontos é modesta, o relevo possui 70 quilômetros
e 200 metros de profundidade.
- Talude continental: área de alta declividade muito estreita, esse tipo de relevo tem início a
200 metros de profundidade e pode atingir aproximadamente 2.000 metros.
- Ilhas oceânicas: são pequenas extensões de terras emersas que se formam no fundo dos
oceanos e se afloram na superfície.
- Bacia oceânica: área sedimentar que se encontra em regiões profundas do oceano com
profundidade que oscila entre 2.000 a 5.000 metros e relevo suave.
- Fossas marinhas: áreas profundas dos oceanos que podem atingir 8.000 metros.
- Cadeias oceânicas: As maiores cadeias de montanhas do mundo estão localizadas no
assoalho oceânica.
Capítulo 10
Estrutura Interna da Terra
FORÇAS FORMADORAS E
TRANSFORMADORAS
 Internas (ou endógenas)
 Externas (ou exógenas)
JULIENGRONDIN/SHUTTERSTOCK
Esquema da
formação do Himalaia
Montanhas do
Himalaia, Auli (Índia)
Agentes internos: dobras
O dobramento é a consequência de forças horizontais que ocorrem em rochas maleáveis;
as formas de relevo resultantes são as cordilheiras. Na formação do Himalaia, duas placas
tectônicas chocaram-se, a extremidade de uma delas foi “engolida” pelo manto e a da
outra sofreu dobramento.
As falhas resultam de forças internas que ocorrem em rochas
mais resistentes desde o início da formação da crosta
terrestre.
Um exemplo de falha geológica é a de San Andreas (ver foto
abaixo), que eventualmente provoca tremores de terra. Há
também casos de falhas geológicas no Brasil, como a serra
do Mar.
Agentes internos: falhas
A serra do Mar é
um exemplo
de estrutura originada
por falhamento
O afundamento
de blocos de
rochas falhadas
originou o vale
do Paraíba (SP).
Falhas ou falhamentos
CHARLESO‘REAR/CORBIS/LATINSTOCK
Agentes internos: vulcões
Ilhas formadas após a explosão do vulcão Cracatoa (Indonésia) em 1883
Ao entrarem em erupção, os vulcões expelem lava. Esta se solidifica e se
transforma em rochas, podendo originar novas áreas emersas. Os vulcões atuam,
portanto, como agentes internos do relevo.
As áreas sujeitas a abalos sísmicos e vulcanismo ativo
são aquelas localizadas próximas às bordas das Placas
Tectônicas.
Então, no Brasil não há vulcões ativos
As placas se afastam uma das outras e formam-se grandes fendas ou
rachaduras na crosta, chamadas falhas. Estas são preenchidas com magma. Esse
fenômeno dá origem às dorsais meso-oceânicas como por exemplo a dorsal
meso-atlântica.
Dorsais meso-oceânicas
Dobramento originando o Himalaia.
Agentes internos:
terremotos
Terremoto em Kobe (Japão, 1995). Vias
férreas com deformações que mostram a
natureza ondular da propagação sísmica.
Esse terremoto causou muitos estragos,
apesar dos grandes cuidados antissísmicos
nas infraestruturas do Japão.
CID
Os terremotos contribuem
para a formação e a
transformação do relevo, pois,
dependendo da intensidade,
podem soerguer terrenos ou
provocar seu afundamento
parcial.
Os terremotos são fenômenos que podem ser causados por falhas geológicas,
vulcanismos e, principalmente, pelo encontro de diferentes placas tectônicas. A
maioria dos abalos sísmicos é provocada pela pressão aplicada em duas placas
contrárias. Portanto, as regiões mais vulneráveis à ocorrência dos terremotos
são aquelas próximas às bordas das placas tectônicas.
Na América do Sul, os países mais atingidos por terremotos são o Chile, Peru e
Equador, pois essas nações estão localizadas em uma zona de convergência
entre as placas tectônicas de Nazca e a Sul-Americana.
Por quais motivos, quando ocorrem terremotos no
Brasil geralmente eles são de pequena magnitude?
Os terremotos de grande magnitude não ocorrem no território brasileiro porque
este país está situado no centro da placa Sul-Americana. Existe a ocorrência de
terremotos no território brasileiro, causados por desgastes na placa tectônica,
promovendo possíveis falhas geológicas. Essas falhas, causadoras de abalos
sísmicos, estão presentes em todo o território nacional, proporcionando
terremotos de pequena magnitude; alguns deles são considerados imperceptíveis
na superfície terrestre.
Alfred Wegener estabelecia que há
aproximadamente 230 milhões de anos, todos os
continentes, no passado, formavam apenas um, o Pangea, e
que posteriormente se fragmentou graças ao movimento das
placas tectônicas.
 Encaixe quase perfeito entre as atuais costas da Europa e África
com as costas da América do Norte e do Sul.
 Coincidência das estruturas geológicas nos locais dos possíveis
encaixes entre os continentes;
 As evidências fósseis também são bastante fortes, tanto vegetais
como animais.
Há cerca de 200 milhões de anos a Pangea começou a
se separar dividindo-se em dois blocos: Laurásia (ao
norte) e Gondwana (ao sul)
Os continentes foram se separando.....
Até chegar a configuração atual.
Daqui a cerca de 50 milhões de anos
•Água da Chuva
•Vento
•Rios
•Água do mar
•Geleiras
•Os vegetais
•Seres humanos
Fatores (agentes) Externos
Voçoroca em Tangará da Serra (MT)
O escoamento superficial das águas da chuva carrega partículas de rocha das regiões mais altas
para as mais baixas. Em áreas sem cobertura vegetal, esse processo se intensifica, podendo
provocar deslizamentos, voçorocas (conjunto de sulcos profundos no solo) e perdas de nutrientes
da terra.
Agentes externos: água das chuvas
Agentes externos: água das chuvas
RICARDOCAVALCANTI/KINO
Praia de Torres (RS)
Agentes externos: água dos mares
Falésia
As ondas do mar podem fragmentar
paredes rochosas, transformando-as em
areia que se deposita nas regiões costeiras,
formando as praias.
Agentes externos: água dos mares
Agentes externos: água dos rios
Delta do rio Parnaíba (PI)
A água dos rios carrega os sedimentos, que se acumulam nas porções mais
baixas do relevo, formando as planícies e os deltas. A ação erosiva da água dos
rios pode escavar o leito formando vales.
Agentes externos: água dos rios
Agentes externos: gelo
PHOTODISC/CID
Geleira em Prince William Sound, Alasca (EUA)
O deslizamento do gelo acumulado em altas montanhas, o movimento das geleiras e o
degelo modificam o relevo, pois carregam sedimentos de um ponto elevado e os
depositam em áreas mais baixas.
Agentes externos: geleiras
Em regiões montanhosas, como nos Alpes Suíços, as geleiras são
responsáveis por muitas transformações no relevo.
CORELSTOCKPHOTO/CID
PHOTODISC/CID
Agentes externos: vento
Monument Valley, Arizona (EUA)
Deserto do Saara (África)
Quando atua com regularidade, o vento
pode destruir ou modelar formas de
relevo.
Agentes externos: vento
A ação dos ventos formando belas
esculturas em Vila Velha - PR
No Parque Nacional de Utah, nos EUA a ação dos ventos deu origem a arcos
rochosos
A ação dos ventos provoca erosão principalmente nas áreas desérticas.
DELFIMMARTINS/OLHARIMAGEM
CHARLESO‘REAR/CORBIS/LATINSTOCK
Agentes externos: ações provocadas
pelos seres humanos
Pedreira em Cuiabá (MT)
Extração de minério de ferro
em Thabazimbi (África do Sul)
Para obter materiais e realizar obras, os seres humanos modificam o relevo, aterrando
planícies e destruindo morros, entre outras ações.
Agentes externos: vegetais
Agentes externos: animais
Erosão causada pela ação dos
animais.
OS RECURSOS DA
LITOSFERA E SUA
IMPORTÂNCIA PARAA
SOCIEDADE
Capítulo 11
Professora Christie
RECURSOS NATURAIS
 Recursos renováveis: Quando utilizados pela
sociedade podem ser renovados, exemplo: água,
solo, florestas, entre outros.
 Recursos naturais não renováveis: Quando utilizados
pela sociedade não são repostos pela natureza ou
demoram milhares de anos para se recomporem,
exemplo: petróleo, carvão, ferro entre outros.
Recursos naturais são todos elementos disponíveis na natureza e podem ser utilizados
pelo homem.
Esses recursos podem ser renováveis ou não renováveis.
Carvão
Mineral
Petróleo
RECURSOS ECONÔMICOS
 Os recursos naturais também podem ser considerados recursos
econômicos porque tem alguma finalidade para o ser humano.
 O solo, por exemplo, pode ser considerado um recurso econômico.
O solo é um dos recursos naturais mais importantes para a
humanidade.
No solo, as plantas fixam suas raízes e dele retira a água e os
nutrientes necessários ao seu crescimento.
O solo
Como o solo é formado?
O solo é formado principalmente pela
decomposição das rochas.
Essa decomposição ocorre pelo calor solar, vento,
água da chuva, minhocas, etc.
Rochas ígneas ou magmáticas
São rochas formadas pelo esfriamento e solidificação de elementos endógenos, no
caso, o magma pastoso.
As rochas magmáticas, portanto, podem resultar:
 da solidificação do magma, rocha fundida que vai esfriando lentamente no interior
da Terra, tanto nos continentes quanto nos oceanos, até solidificar e transformar-
se em rocha;
 do magma que é lançado pelos vulcões, em forma de lava, para a superfície da
Terra.
Quando o magma se solidifica no interior da crosta terrestre, formam-se rochas
magmáticas intrusivas ou plutônicas. Quando ele é expelido pelos vulcões, as lavas
solidificadas formam as rochas magmáticas extrusivas ou vulcânicas.
Entre as rochas magmáticas intrusivas, a mais comum é o granito, formado pelos
minerais mica, feldspato e quartzo. É a partir dele que são feitos os paralelepípedos
que calçam as ruas. Esse tipo de rocha é encontrado em muitas regiões do mundo e
do Brasil, como por exemplo na serra do Mar e na serra da Mantiqueira.
Entre as rochas magmáticas extrusivas ou vulcânicas,
uma das mais comuns é o basalto, presente em grandes
áreas no sul do Brasil
Rochas sedimentares
São formadas a partir de outras rochas, que foram desgastadas e reduzidas a fragmentos pelo
intemperismo e pela erosão. Esses fragmentos são transportados pela água, pelo vento ou pelas
geleiras e depositados em outras áreas. As rochas sedimentares podem também ter origem
orgânica, como por exemplo o carvão. A acumulação de restos de rochas e detritos orgânicos
recebe o nome de sedimentação.
Entre as rochas sedimentares destacam-se o arenito (resultado da cimentação da areia), o
calcário, o carvão mineral, o argilito e outras.
São aquelas que resultam das
transformações que as rochas magmáticas,
as rochas sedimentares e até mesmo outras
rochas metamórficas sofrem, principalmente
em função do calor e da pressão no interior
da crosta. Como exemplos de rochas
metamórficas podemos citar o mármore
(resultado da cristalização do calcário), o
gnaisse (resultado das mudanças do granito)
e outras.
Rochas metamórficas
OS RECURSOS MINERAIS
BRASILEIROS
 O Brasil está entre os países que
se encontram as maiores
reservas minerais do planeta.
 Porém, existem certos minérios
como o mercúrio, a prata e o
enxofre que necessitam ser
importados por ter poucas
reservas no Brasil.
PETRÓLEO
 A formação do petróleo vem da deposição, no fundo de
lagos e mares, de restos de animais e vegetais mortos ao
longo de milhares de anos. Estes restos iam sendo cobertos
por sedimentos, e mais tarde esses sedimentos se
transformaram em rochas sedimentares. Pela ação do calor
e da alta pressão provocados pelo empilhamento dessas
camadas, possibilitou reações complexas, formando o
petróleo.
O petróleo da camada
pré-sal
A camada pré-sal é um gigantesco
reservatório de petróleo e gás natural,
localizado nas Bacias de Santos, Campos
e Espírito Santo (região litorânea entre
os estados de Santa Catarina e o Espírito
Santo). Estas reservas estão localizadas
abaixo da camada de sal (que podem ter
até 2 km de espessura). Portanto, se
localizam de 5 a 7 mil metros abaixo do
nível do mar.
Estas reservas se formaram há,
aproximadamente, 100 milhões de anos
a partir da decomposição de materiais
orgânicos.
CARVÃO
 O carvão é a principal fonte de energia utilizada para aquecer altos
fornos das siderúrgicas onde o aço é fabricado.
 Também é utilizado em usinas termelétricas, para a produção de
explosivos, inseticidas, plásticos e fertilizantes.
 O carvão é formado pelo soterramento de florestas em regiões de
pântanos e lagos. A matéria orgânica dessas florestas, rica em carbono,
transformou-se em carvão.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Agentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externosAgentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externos
Fernanda Lopes
 
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
Luiza Collet
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
biomaniacas
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
profacacio
 
G E O M O R F O L O G I A
G E O M O R F O L O G I AG E O M O R F O L O G I A
G E O M O R F O L O G I A
Amanda Oliveira
 
SemináRio Geomorfologia
SemináRio GeomorfologiaSemináRio Geomorfologia
SemináRio Geomorfologia
guestdc68ed
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
CientistasMalucas
 
O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...
O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...
O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...
NatáLia Mendes
 

Mais procurados (20)

Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicarGeografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
Geografia6 litosfera atmosfera_hidrosfera- 6ºs - publicar
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Aspetos do relevo
Aspetos do relevoAspetos do relevo
Aspetos do relevo
 
Agentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externosAgentes modeladores do relevo externos
Agentes modeladores do relevo externos
 
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...2º estudo de geografia (processos exógenos)   6º ano – 3º trimestre - Outubro...
2º estudo de geografia (processos exógenos) 6º ano – 3º trimestre - Outubro...
 
Trabalho de geologia
Trabalho de geologia   Trabalho de geologia
Trabalho de geologia
 
O relevo e as suas formas
O relevo e as suas formasO relevo e as suas formas
O relevo e as suas formas
 
G E O M O R F O L O G I A
G E O M O R F O L O G I AG E O M O R F O L O G I A
G E O M O R F O L O G I A
 
SemináRio Geomorfologia
SemináRio GeomorfologiaSemináRio Geomorfologia
SemináRio Geomorfologia
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
As formas do relevo
As formas do relevoAs formas do relevo
As formas do relevo
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
Ocupação antrópica
Ocupação antrópicaOcupação antrópica
Ocupação antrópica
 
Estrutura e relevo
Estrutura e relevoEstrutura e relevo
Estrutura e relevo
 
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertenteGeologia: Zonas costeiras e de vertente
Geologia: Zonas costeiras e de vertente
 
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
O Meio Natural - O Relevo (Geografia 7º ano)
 
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Relevo
 www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Relevo www.AulasDeGeografiaApoio.com  -  Geografia -  Relevo
www.AulasDeGeografiaApoio.com - Geografia - Relevo
 
Tipos de relevo do mundo
Tipos de relevo do mundoTipos de relevo do mundo
Tipos de relevo do mundo
 
RELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTALRELEVO CONTINENTAL
RELEVO CONTINENTAL
 
O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...
O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...
O Relevo das áreas costeiras: subsídios para o ensino da geografia com a inse...
 

Destaque (11)

Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)Powerpointsolo(2)
Powerpointsolo(2)
 
As rochas , o solo
As rochas , o soloAs rochas , o solo
As rochas , o solo
 
Ficha Formas De Relevo
Ficha Formas De RelevoFicha Formas De Relevo
Ficha Formas De Relevo
 
Fichas de estudo do meio alfa
Fichas de estudo do meio  alfaFichas de estudo do meio  alfa
Fichas de estudo do meio alfa
 
As rochas
As rochasAs rochas
As rochas
 
Powerpoint Rochas
Powerpoint   RochasPowerpoint   Rochas
Powerpoint Rochas
 
Texto instrucional
Texto instrucionalTexto instrucional
Texto instrucional
 
V.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsoloV.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsolo
 
Rochas – 5º ano
Rochas – 5º anoRochas – 5º ano
Rochas – 5º ano
 
IV.4 aves
IV.4 avesIV.4 aves
IV.4 aves
 
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º AnoFichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
Fichas de Avaliação Estudo do Meio_3.º Ano
 

Semelhante a Cap9,10,11

Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Prof.Paulo/geografia
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
DANUBIA ZANOTELLI
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
DANUBIA ZANOTELLI
 

Semelhante a Cap9,10,11 (20)

6ano unidade5
6ano unidade56ano unidade5
6ano unidade5
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasilGeologia geomorfologia e mineraçao no brasil
Geologia geomorfologia e mineraçao no brasil
 
Formação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevoFormação e modelagem do relevo
Formação e modelagem do relevo
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.pptconteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
conteudos a serem trabalhados 1º ano 2ª etapa.ppt
 
Relevo2
Relevo2Relevo2
Relevo2
 
Aula capitulo 10
Aula capitulo 10Aula capitulo 10
Aula capitulo 10
 
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES LITOSFERA:  AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
LITOSFERA: AS FORMAS DE RELEVO E SEUS AGENTES TRANSFORMADORES
 
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadoresLitosfera  as formas de relevo e seus agentes transformadores
Litosfera as formas de relevo e seus agentes transformadores
 
Aula 2 geo
Aula 2 geoAula 2 geo
Aula 2 geo
 
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo TerrestreFormação e Transformação do Relevo Terrestre
Formação e Transformação do Relevo Terrestre
 
RELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICORELEVO OCEÂNICO
RELEVO OCEÂNICO
 
EROSÃO.ppt
EROSÃO.pptEROSÃO.ppt
EROSÃO.ppt
 
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
Estrutura geológica e Formação do relevo Brasileiro.
 
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadoresIECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
IECJ - Cap. 8 – Relevo e seus agentes modificadores
 
Geografia 1 ano
Geografia 1 anoGeografia 1 ano
Geografia 1 ano
 
agentes do relevo.pdf
agentes do relevo.pdfagentes do relevo.pdf
agentes do relevo.pdf
 
Geomorfologia
GeomorfologiaGeomorfologia
Geomorfologia
 
Completo relevo brasileiro
Completo relevo brasileiroCompleto relevo brasileiro
Completo relevo brasileiro
 

Mais de Christie Freitas

Mais de Christie Freitas (20)

Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1Unidade 4 cap. 1
Unidade 4 cap. 1
 
Unidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcialUnidade 1 e 2 parcial
Unidade 1 e 2 parcial
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
6ano unidade3
6ano unidade36ano unidade3
6ano unidade3
 
Unidade 8 sexto ano
Unidade 8   sexto anoUnidade 8   sexto ano
Unidade 8 sexto ano
 
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7  temas 3 e 4 - sexto anoUnidade 7  temas 3 e 4 - sexto ano
Unidade 7 temas 3 e 4 - sexto ano
 
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
Unidade 7 sexto ano_temas 1 e 2
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Unidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoanoUnidade 6 sextoano
Unidade 6 sextoano
 
Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4Unidade5 temas2 3_4
Unidade5 temas2 3_4
 
Unidade 2 oitavo ano
Unidade 2   oitavo anoUnidade 2   oitavo ano
Unidade 2 oitavo ano
 
Unidade 5 6 ano
Unidade 5 6 anoUnidade 5 6 ano
Unidade 5 6 ano
 
Unidade 1
Unidade 1Unidade 1
Unidade 1
 
Unidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto anoUnidade 1 sexto ano
Unidade 1 sexto ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9Unidade 8 temas 3 e 4  e unidade 9
Unidade 8 temas 3 e 4 e unidade 9
 
Unidade 9 - 6º ano
Unidade 9   - 6º anoUnidade 9   - 6º ano
Unidade 9 - 6º ano
 
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8   temas 3 e 4 sexto anoUnidade 8   temas 3 e 4 sexto ano
Unidade 8 temas 3 e 4 sexto ano
 
Unidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoanoUnidade 2 sextoano
Unidade 2 sextoano
 
Unidade 8 - África
Unidade 8  - ÁfricaUnidade 8  - África
Unidade 8 - África
 

Último

Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Kelly Mendes
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 

Último (20)

QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdfGramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
Gramática - Texto - análise e construção de sentido - Moderna.pdf
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica662938.pdf aula digital de educação básica
662938.pdf aula digital de educação básica
 
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
5. EJEMPLOS DE ESTRUCTURASQUINTO GRADO.pptx
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 

Cap9,10,11

  • 2. Relevo e altitude A altitude é um dos elementos que auxilia a caracterizar as principais formas de relevo (montanhas, planaltos, planícies e depressões).
  • 4. Planícies Planície do rio Ganges, Varanasi (Índia) YANNARTHUS-BERTRAND/CORBIS/LATINSTOCK As planícies são terrenos relativamente planos, formados pela deposição de sedimentos que podem ter origem fluvial, marinha ou lacustre.
  • 6. Os planaltos são superfícies irregulares onde predomina a ação de agentes de erosão, como a água da chuva, os rios, os ventos e o gelo. •Chapadas: formas com escarpas e topo plano. Chapada Diamantina (BA)
  • 7. • Morros: elevações de forma arredondada. No Brasil, especificamente na região Sudeste, conjuntos de morros de topos bastante arredondados são conhecidos como “mares de morros”. Mar de morros com o vale do Paraíba (SP) ao fundo • Serras: os desníveis são acentuados. Serra da Bocaina (SP) IVANIASANT'ANNA/KINO Dedo de Deus - Rio de Janeiro
  • 9. A depressão Sertaneja, uma depressão relativa, localiza-se a oeste do planalto da Borborema (PE). O mar Morto é um lago de águas salgadas em uma depressão absoluta. Podem ser: absolutas relativas Depressões ATLANTIDEPHOTOTRAVEL/CORBIS/LATINSTOCK
  • 10. As áreas continentais que estão abaixo do nível do mar são chamadas de “depressões absolutas”. Quando estão rebaixadas em relação aos terrenos vizinhos, mas acima do nível do mar, são chamadas de “depressões relativas”. Depressão Relativa
  • 11. ALISONWRIGHT/CORBIS/LATINSTOCK As montanhas antigas são mais baixas e seus cumes são arredondados. As Montanhas recentes geralmente formam cadeias montanhosas ou cordilheiras, apresentando cumes pontiagudos e altitudes elevadas. Na América do Sul, a maior e mais alta cordilheira é a dos Andes. No mundo, a cordilheira do Himalaia possui o ponto mais elevado: o monte Everest, com 8.848 m. Montanhas
  • 12.
  • 13. As 3 formas de relevo existentes no Brasil:
  • 14.
  • 15.
  • 16. Relevo Submarino - Plataforma continental: corresponde a uma zona de transição entre a massa continental e o fundo dos oceanos, a declividade entre os pontos é modesta, o relevo possui 70 quilômetros e 200 metros de profundidade. - Talude continental: área de alta declividade muito estreita, esse tipo de relevo tem início a 200 metros de profundidade e pode atingir aproximadamente 2.000 metros. - Ilhas oceânicas: são pequenas extensões de terras emersas que se formam no fundo dos oceanos e se afloram na superfície. - Bacia oceânica: área sedimentar que se encontra em regiões profundas do oceano com profundidade que oscila entre 2.000 a 5.000 metros e relevo suave. - Fossas marinhas: áreas profundas dos oceanos que podem atingir 8.000 metros. - Cadeias oceânicas: As maiores cadeias de montanhas do mundo estão localizadas no assoalho oceânica.
  • 19. FORÇAS FORMADORAS E TRANSFORMADORAS  Internas (ou endógenas)  Externas (ou exógenas) JULIENGRONDIN/SHUTTERSTOCK
  • 20. Esquema da formação do Himalaia Montanhas do Himalaia, Auli (Índia) Agentes internos: dobras O dobramento é a consequência de forças horizontais que ocorrem em rochas maleáveis; as formas de relevo resultantes são as cordilheiras. Na formação do Himalaia, duas placas tectônicas chocaram-se, a extremidade de uma delas foi “engolida” pelo manto e a da outra sofreu dobramento.
  • 21. As falhas resultam de forças internas que ocorrem em rochas mais resistentes desde o início da formação da crosta terrestre. Um exemplo de falha geológica é a de San Andreas (ver foto abaixo), que eventualmente provoca tremores de terra. Há também casos de falhas geológicas no Brasil, como a serra do Mar. Agentes internos: falhas
  • 22. A serra do Mar é um exemplo de estrutura originada por falhamento O afundamento de blocos de rochas falhadas originou o vale do Paraíba (SP). Falhas ou falhamentos
  • 23. CHARLESO‘REAR/CORBIS/LATINSTOCK Agentes internos: vulcões Ilhas formadas após a explosão do vulcão Cracatoa (Indonésia) em 1883 Ao entrarem em erupção, os vulcões expelem lava. Esta se solidifica e se transforma em rochas, podendo originar novas áreas emersas. Os vulcões atuam, portanto, como agentes internos do relevo.
  • 24. As áreas sujeitas a abalos sísmicos e vulcanismo ativo são aquelas localizadas próximas às bordas das Placas Tectônicas. Então, no Brasil não há vulcões ativos
  • 25. As placas se afastam uma das outras e formam-se grandes fendas ou rachaduras na crosta, chamadas falhas. Estas são preenchidas com magma. Esse fenômeno dá origem às dorsais meso-oceânicas como por exemplo a dorsal meso-atlântica. Dorsais meso-oceânicas
  • 27. Agentes internos: terremotos Terremoto em Kobe (Japão, 1995). Vias férreas com deformações que mostram a natureza ondular da propagação sísmica. Esse terremoto causou muitos estragos, apesar dos grandes cuidados antissísmicos nas infraestruturas do Japão. CID Os terremotos contribuem para a formação e a transformação do relevo, pois, dependendo da intensidade, podem soerguer terrenos ou provocar seu afundamento parcial.
  • 28. Os terremotos são fenômenos que podem ser causados por falhas geológicas, vulcanismos e, principalmente, pelo encontro de diferentes placas tectônicas. A maioria dos abalos sísmicos é provocada pela pressão aplicada em duas placas contrárias. Portanto, as regiões mais vulneráveis à ocorrência dos terremotos são aquelas próximas às bordas das placas tectônicas. Na América do Sul, os países mais atingidos por terremotos são o Chile, Peru e Equador, pois essas nações estão localizadas em uma zona de convergência entre as placas tectônicas de Nazca e a Sul-Americana. Por quais motivos, quando ocorrem terremotos no Brasil geralmente eles são de pequena magnitude? Os terremotos de grande magnitude não ocorrem no território brasileiro porque este país está situado no centro da placa Sul-Americana. Existe a ocorrência de terremotos no território brasileiro, causados por desgastes na placa tectônica, promovendo possíveis falhas geológicas. Essas falhas, causadoras de abalos sísmicos, estão presentes em todo o território nacional, proporcionando terremotos de pequena magnitude; alguns deles são considerados imperceptíveis na superfície terrestre.
  • 29. Alfred Wegener estabelecia que há aproximadamente 230 milhões de anos, todos os continentes, no passado, formavam apenas um, o Pangea, e que posteriormente se fragmentou graças ao movimento das placas tectônicas.
  • 30.  Encaixe quase perfeito entre as atuais costas da Europa e África com as costas da América do Norte e do Sul.  Coincidência das estruturas geológicas nos locais dos possíveis encaixes entre os continentes;  As evidências fósseis também são bastante fortes, tanto vegetais como animais.
  • 31. Há cerca de 200 milhões de anos a Pangea começou a se separar dividindo-se em dois blocos: Laurásia (ao norte) e Gondwana (ao sul)
  • 32. Os continentes foram se separando.....
  • 33. Até chegar a configuração atual.
  • 34. Daqui a cerca de 50 milhões de anos
  • 35. •Água da Chuva •Vento •Rios •Água do mar •Geleiras •Os vegetais •Seres humanos Fatores (agentes) Externos
  • 36. Voçoroca em Tangará da Serra (MT) O escoamento superficial das águas da chuva carrega partículas de rocha das regiões mais altas para as mais baixas. Em áreas sem cobertura vegetal, esse processo se intensifica, podendo provocar deslizamentos, voçorocas (conjunto de sulcos profundos no solo) e perdas de nutrientes da terra. Agentes externos: água das chuvas
  • 38. RICARDOCAVALCANTI/KINO Praia de Torres (RS) Agentes externos: água dos mares Falésia
  • 39. As ondas do mar podem fragmentar paredes rochosas, transformando-as em areia que se deposita nas regiões costeiras, formando as praias. Agentes externos: água dos mares
  • 40. Agentes externos: água dos rios Delta do rio Parnaíba (PI) A água dos rios carrega os sedimentos, que se acumulam nas porções mais baixas do relevo, formando as planícies e os deltas. A ação erosiva da água dos rios pode escavar o leito formando vales.
  • 42. Agentes externos: gelo PHOTODISC/CID Geleira em Prince William Sound, Alasca (EUA) O deslizamento do gelo acumulado em altas montanhas, o movimento das geleiras e o degelo modificam o relevo, pois carregam sedimentos de um ponto elevado e os depositam em áreas mais baixas.
  • 43. Agentes externos: geleiras Em regiões montanhosas, como nos Alpes Suíços, as geleiras são responsáveis por muitas transformações no relevo.
  • 44. CORELSTOCKPHOTO/CID PHOTODISC/CID Agentes externos: vento Monument Valley, Arizona (EUA) Deserto do Saara (África) Quando atua com regularidade, o vento pode destruir ou modelar formas de relevo.
  • 45. Agentes externos: vento A ação dos ventos formando belas esculturas em Vila Velha - PR
  • 46. No Parque Nacional de Utah, nos EUA a ação dos ventos deu origem a arcos rochosos
  • 47. A ação dos ventos provoca erosão principalmente nas áreas desérticas.
  • 48. DELFIMMARTINS/OLHARIMAGEM CHARLESO‘REAR/CORBIS/LATINSTOCK Agentes externos: ações provocadas pelos seres humanos Pedreira em Cuiabá (MT) Extração de minério de ferro em Thabazimbi (África do Sul) Para obter materiais e realizar obras, os seres humanos modificam o relevo, aterrando planícies e destruindo morros, entre outras ações.
  • 50. Agentes externos: animais Erosão causada pela ação dos animais.
  • 51. OS RECURSOS DA LITOSFERA E SUA IMPORTÂNCIA PARAA SOCIEDADE Capítulo 11 Professora Christie
  • 52. RECURSOS NATURAIS  Recursos renováveis: Quando utilizados pela sociedade podem ser renovados, exemplo: água, solo, florestas, entre outros.  Recursos naturais não renováveis: Quando utilizados pela sociedade não são repostos pela natureza ou demoram milhares de anos para se recomporem, exemplo: petróleo, carvão, ferro entre outros. Recursos naturais são todos elementos disponíveis na natureza e podem ser utilizados pelo homem. Esses recursos podem ser renováveis ou não renováveis. Carvão Mineral Petróleo
  • 53. RECURSOS ECONÔMICOS  Os recursos naturais também podem ser considerados recursos econômicos porque tem alguma finalidade para o ser humano.  O solo, por exemplo, pode ser considerado um recurso econômico.
  • 54. O solo é um dos recursos naturais mais importantes para a humanidade. No solo, as plantas fixam suas raízes e dele retira a água e os nutrientes necessários ao seu crescimento. O solo
  • 55. Como o solo é formado? O solo é formado principalmente pela decomposição das rochas. Essa decomposição ocorre pelo calor solar, vento, água da chuva, minhocas, etc.
  • 56. Rochas ígneas ou magmáticas São rochas formadas pelo esfriamento e solidificação de elementos endógenos, no caso, o magma pastoso. As rochas magmáticas, portanto, podem resultar:  da solidificação do magma, rocha fundida que vai esfriando lentamente no interior da Terra, tanto nos continentes quanto nos oceanos, até solidificar e transformar- se em rocha;  do magma que é lançado pelos vulcões, em forma de lava, para a superfície da Terra. Quando o magma se solidifica no interior da crosta terrestre, formam-se rochas magmáticas intrusivas ou plutônicas. Quando ele é expelido pelos vulcões, as lavas solidificadas formam as rochas magmáticas extrusivas ou vulcânicas.
  • 57. Entre as rochas magmáticas intrusivas, a mais comum é o granito, formado pelos minerais mica, feldspato e quartzo. É a partir dele que são feitos os paralelepípedos que calçam as ruas. Esse tipo de rocha é encontrado em muitas regiões do mundo e do Brasil, como por exemplo na serra do Mar e na serra da Mantiqueira.
  • 58. Entre as rochas magmáticas extrusivas ou vulcânicas, uma das mais comuns é o basalto, presente em grandes áreas no sul do Brasil
  • 59. Rochas sedimentares São formadas a partir de outras rochas, que foram desgastadas e reduzidas a fragmentos pelo intemperismo e pela erosão. Esses fragmentos são transportados pela água, pelo vento ou pelas geleiras e depositados em outras áreas. As rochas sedimentares podem também ter origem orgânica, como por exemplo o carvão. A acumulação de restos de rochas e detritos orgânicos recebe o nome de sedimentação. Entre as rochas sedimentares destacam-se o arenito (resultado da cimentação da areia), o calcário, o carvão mineral, o argilito e outras.
  • 60. São aquelas que resultam das transformações que as rochas magmáticas, as rochas sedimentares e até mesmo outras rochas metamórficas sofrem, principalmente em função do calor e da pressão no interior da crosta. Como exemplos de rochas metamórficas podemos citar o mármore (resultado da cristalização do calcário), o gnaisse (resultado das mudanças do granito) e outras. Rochas metamórficas
  • 61.
  • 62. OS RECURSOS MINERAIS BRASILEIROS  O Brasil está entre os países que se encontram as maiores reservas minerais do planeta.  Porém, existem certos minérios como o mercúrio, a prata e o enxofre que necessitam ser importados por ter poucas reservas no Brasil.
  • 63. PETRÓLEO  A formação do petróleo vem da deposição, no fundo de lagos e mares, de restos de animais e vegetais mortos ao longo de milhares de anos. Estes restos iam sendo cobertos por sedimentos, e mais tarde esses sedimentos se transformaram em rochas sedimentares. Pela ação do calor e da alta pressão provocados pelo empilhamento dessas camadas, possibilitou reações complexas, formando o petróleo.
  • 64.
  • 65. O petróleo da camada pré-sal A camada pré-sal é um gigantesco reservatório de petróleo e gás natural, localizado nas Bacias de Santos, Campos e Espírito Santo (região litorânea entre os estados de Santa Catarina e o Espírito Santo). Estas reservas estão localizadas abaixo da camada de sal (que podem ter até 2 km de espessura). Portanto, se localizam de 5 a 7 mil metros abaixo do nível do mar. Estas reservas se formaram há, aproximadamente, 100 milhões de anos a partir da decomposição de materiais orgânicos.
  • 66. CARVÃO  O carvão é a principal fonte de energia utilizada para aquecer altos fornos das siderúrgicas onde o aço é fabricado.  Também é utilizado em usinas termelétricas, para a produção de explosivos, inseticidas, plásticos e fertilizantes.  O carvão é formado pelo soterramento de florestas em regiões de pântanos e lagos. A matéria orgânica dessas florestas, rica em carbono, transformou-se em carvão.