Ocupação Antrópica

529 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
529
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
44
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ocupação Antrópica

  1. 1. Ocupação Antrópica Trabalho Elaborado por:Disciplina: Biologia e Geologia Ana Margarida nº1 Ana Micaela nº2Professora: Rosa Maria Lopes Cleide Morgana nº9Ano Letivo: 2012/2013 Cristiana Rafaela nº10
  2. 2. Zonas Costeiras
  3. 3. Zonas costeiras As zonas costeiras correspondem às zonas de transição entre o domínio continental e o domínio marinho. São faixas complexas, dinâmicas, mutáveis e sujeitas a vários processos geológicos. A ação mecânica das ondas, das correntes e das marés são importantes fatores modeladores das zonas costeiras, cujos resultados são formas de erosão ou formas de deposição.
  4. 4. Geomorfologia do litoralA geomorfologia divide-se em duas partes: osacidentes litorais que resultam de erosão e osacidentes litorais que resultam deacumulação.
  5. 5.  Acidentes litorais que resultam da erosão: Plataforma de abrasão – é uma faixa, entre o mar e a arriba, que fica a descoberto na maré baixa. Arriba morta ou arriba fóssil – é uma arriba marinha que já não sofre a erosão activa das ondas do mar. Resulta quer do abaixamento do nível do mar quer do levantamento dos continentes. As arribas mortas são desgastadas pela erosão subaérea que muitas vezes dá origem a vertentes relativamente suaves e muitas vezes cobertas de vegetação.
  6. 6.  Baía- é uma porção de mar ou oceano rodeada por terra, em oposição a um cabo. Golfo- é uma porção de água que avança em terra firme e desenha no litoral uma curva muito ampla, é uma baía de grandes dimensões.
  7. 7.  Península é uma extensão de terra rodeada de mar por todos os lados menos por um, relativamente estreito, pelo qual está unida a outra terra de maior extensão. A zona de união entre a península e a terra designa-se por Ístmo. Arribas ou falésias (C)- Formações rochosas, em escarpa sobre o mar, constantemente sujeitas à força erosiva das ondas do mar. Há arribas vivas quando o mar actua sobre elas e arribas mortas ou fósseis quando o mar deixa de as desgastar. Farilhão (D) – Quando a ponte de um arco cai, deixa no mar uma rocha isolada.
  8. 8.  Cabo (E) – Formações rochosas mais resistentes que se projetam no mar, salientando-se em relação à costa. Gruta Litoral (F) - Fenda formada pelo desgaste de uma arriba provocado pelo mar.
  9. 9. Acidentes litorais que resultam da acumulação: Praias - são depósitos de areia e seixos arrancados às arribas ou transportados de outros troços do litoral que se acumulam nas áreas abrigadas da costa, onde as correntes litorais exercem menos força. Quando o depósito de areia se acumula paralelamente à costa, formam-se as barras, barreiras ou bancos de areia.
  10. 10.  Estuário - é a parte terminal de um rio, constituída por um único braço, que se alarga e aprofunda na foz e onde a influência das correntes e marés é importante. Os estuários formam-se em locais onde a força das marés e das correntes marítimas é intensa, a água arrasta os aluviões até zonas muito afastadas da foz e deposita-os no fundo do oceano. Estuário do Tejo e do Sado
  11. 11.  Dunas - areia transportada pelo vento para a parte superior da praia, formando cordões, geralmente paralelos à costa. As dunas litorais constituem uma zona de interacção entre o continente e o oceano. Ilha - barreira - Por vezes, a agua dos rios impede a formação de uma barreira contínua. Restinga - Acumulação de areia e seixos que forma uma barra à entrada da baía.
  12. 12.  Barreira – Assemelha-se a uma restinga, mas é muito maior. Laguna - Extensão de agua mais ou menos salobra separada do mar por ilhas-barreira .
  13. 13.  Lido -Trata-se de uma zona lagunar obstruída por numerosas ilhas e cordões de areia. Exemplo: Ria Formosa – Faro Delta - Forma-se quando um rio deposita sedimentos, na área da foz, mais rapidamente do que o mar os consegue remover. Assim, as águas do rio desaguam no mar através de vários canais.
  14. 14. Causas do recuo da linha dacosta Intervenções humanas; Ação abrasiva do mar; Pressão urbanística, resultante do turismo; Instalação de fábricas junto ao litoral; Extração de inertes; Extração petrolífera.
  15. 15. Formas de erosão Resultam do desgaste provocado pelo impacto dos movimentos da água do mar sobre a costa. A este desgaste dá-se o nome de abrasão marinha. Os efeitos deste abrasão são principalmente notórios em costas altas e escarpadas chamadas arribas.
  16. 16. Formas de deposição Acumulação de sedimentos de variadas dimensões na costa litoral que podem constituir praias, restingas, ilhas barreiras e tômbolos, etc.
  17. 17. Situações de risco relativas àocupação antrópica Erosão Costeira; Pressão Urbanística.
  18. 18. Obras de intervenção na faixado litoral As obras de intervenção são de três tipos:  Transversais à linha de costa, como esporões;  Construções paralelas aderentes à linha de costa, como paredões;  Destacadas, como os quebra-mares.
  19. 19. Plano de Ordenamento da OrlaCosteira (POOC) Os POOC são planos sectoriais que definem os condicionamentos, vocações e uso dominantes e a localização de infra-estruturas de apoio a esses usos e orientam o desenvolvimento das actividades conexas. Com os seguintes objetivos:  Ordenar os diferentes usos e actividades específicas da orla costeira;  Classificar as praias e regulamentar o uso balnear;  Valorizar e qualificar as praias consideradas estratégicas por motivos ambientais e turísticos;  Enquadra o desenvolvimento das actividades específicas da orla costeira;  Assegurar a defesa e conservação da natureza;
  20. 20. Zonas de Vertente
  21. 21. Zonas de Vertente Locais de desnível da topografia terrestre, as zonas de vertente podem ter um declive mais ou menos acentuado encontrando-se muito expostas à ação intensa e rápida dos fenómenos erosivos. Devido às suas características, é frequente ocorrer nessas zonas movimentos descendentes de materiais do solo ou de materiais rochosos.
  22. 22. Zonas de Vertente de maiorrisco em Portugal Por todo o país existem zonas de vertente de risco. Nas regiões costeiras devido às arribas e nas regiões mais do centro, devido às construções muito perto de montanhas.
  23. 23. Situações de risco devido àocupação antrópica Movimentos de massa; Ação direta da gravidade; Erosão hídrica. Movimentos em massa
  24. 24. Movimentos em massa Fatores Condicionantes:  Contexto Geológico:  Tipo e características das rochas;  Disposição das rochas nos terrenos;  Orientação e inclinação das camadas;  Grau de alteração e faturação das camadas rochosas;  Presença/ausência de vegetação.  Contexto Geomorfológico:  Declive dos terrenos;  Força da gravidade;  Força de atrito.
  25. 25.  Fatores Desencadeantes:  Precipitação elevada;  Ação humana;  Destruição da cobertura vegetal;  Remoção de terrenos;  Ocorrência de sismos e vibrações;  Tempestades das zonas costeiras;  Variação da temperatura;  Contração e dilatação dos materiais rochosos.
  26. 26. Ação da gravidade
  27. 27. Erosão hídrica
  28. 28. Medidas de contenção e deestabilização Estudo das características geológicas e geomorfológicas do local; Elaboração de cartas do ordenamento do território; Elaboração de cartas de risco geológico; Risco elevado - não autorizar a construção.
  29. 29. Cartas de Ordenamento doTerritório O ordenamento do território consiste num processo de organi zação do espaço biofísico, de forma apossibilitar a ocupação, utilização e transformação do ambiente de acordo com as su aspotencialidades. As regras de ordenamento do território as seguram a organização do espaçobiofísico, controlando o au mento da ocupação antrópica e evitando os problemas daí re sultantes. A elaboração de cartas de ordenamento do território permite definir áreas destinadas às diferentesatividades humanas, co mo, por exemplo, locais de habitação, locais para a prática ag rícola, zonasde interesse ecológico, etc.
  30. 30. Planos Diretores Municipais Os PDM estabelecem a estratégia de desenvolvimento territorial, a política municipal de ordenamento do território e de urbanismo e as demais políticas urbanas, integrando e articulando as orientações estabelecidas pelos instrumentos de gestão territorial de âmbito nacional e regional e estabelecendo o modelo de organização espacial do território municipal.
  31. 31. Bibliografia http://www.prof2000.pt/users/ildamac/geo/litora.htm http://www.slideshare.net/margaridabt/1-ocupao- antrpica-zonas-costeiras#btnNext http://www.infopedia.pt/$zonas-de-vertente http://www.slideshare.net/carlossono/riscos-naturais http://www.slideshare.net/margaridabt/1-ocupao- antrpica-zonas-de-vertente http://www.infopedia.pt/$ordenamento-do-territorio http://pt.wikipedia.org/wiki/Plano_Director_Municipal http://www.ccdr-lvt.pt/pt/planos-directores- municipais/455.htm

×