CAMINHOS DO ENSINO DA LITERATURA:
UM ESTUDO COMPARATIVO
Acadêmico: Paulo Roberto Ribeiro de Souza
Orientadores: Raimundo N...
OBJETIVO GERAL:
Analisar comparativamente a sociedades e suas
práticas no ensino da literatura, tanto quanto a
verificação...
PROBLEMA
Nesta pesquisa científica procuro responder as seguintes questões:
Quais as dificuldades de agregar as novas tecn...
JUSTIFICATIVA
O tema escolhido envolve as definições no ensino da
literatura e identificar as mudanças no rumo da utilizaç...
QUESTÕES NORTEADORAS OBJETIVOS ESPECÍFICOS
Como a literatura tem sido utilizada nas
novas ferramentas do seculo XXI?
Ident...
A DESCRIÇÃO DA ABERTURA DE UMA
ESCOLA POR:
CUNHA & CARDOSO (2004, p. 10-11)
“Em 336 a.C., Felipe é assassinado e Alexandre...
PRESSUPOSTO INTERACIONISTA
DE PAULO FREIRE
“A educação como prática da liberdade, ao contrário
daquela que é prática da do...
A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA
DE EVANILDO BECHARA
“A língua portuguesa é a comunicação ininterrupta, no tempo e
no espaço,...
METODOLOGIA
Pesquisa bibliográfica;
Pesquisa em sites especializados;
Pesquisa de artigos relacionados;
CONSIDERAÇÕES FINAIS
Percebeu-se a partir do estudo bibliográfico que, a transformação hoje, na
prática pedagógica e as me...
REFERÊNCIAS
SOARES, Magda. Artigo: Novas Praticas de Leitura e Escrita: Letramento na
Cibercultura. Professora Titular Emé...
MENSAGEM
"Acreditamos que a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela
tampouco a sociedade muda.
Se a nossa opç...
CAMINHOS DO ENSINO DA LITERATURA: UM ESTUDO COMPARATIVO
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

CAMINHOS DO ENSINO DA LITERATURA: UM ESTUDO COMPARATIVO

639 visualizações

Publicada em

Slide de apresentação para graduação. TCC-Licenciatura em Letras pela Universidade Nilton Lins.
Paulo R. R. de Souza.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

CAMINHOS DO ENSINO DA LITERATURA: UM ESTUDO COMPARATIVO

  1. 1. CAMINHOS DO ENSINO DA LITERATURA: UM ESTUDO COMPARATIVO Acadêmico: Paulo Roberto Ribeiro de Souza Orientadores: Raimundo Nonato França Maria do Socorro Gomes dos Santos Autores: CUNHA & CARDOSO FREIRE BECHARA Manaus – Amazonas 2013
  2. 2. OBJETIVO GERAL: Analisar comparativamente a sociedades e suas práticas no ensino da literatura, tanto quanto a verificação das transformações no sentido evolutivo, concreto, tecnológico, em seu uso do meios, como exemplo o rádio, a televisão, a divulgação delas nas novas formas de apreciação da sociedade, como a informatização: o uso de computadores, o uso da internet, as redes sociais, uso de celulares entre outros, como ferramentas e suporte para o ensino.
  3. 3. PROBLEMA Nesta pesquisa científica procuro responder as seguintes questões: Quais as dificuldades de agregar as novas tecnologias ao ensino da literatura em escolas de ensino regular? O que o ensino da literatura tem de relevância na formação de um cidadão, desde o inicio das instituições, que perpassam pela Grécia antiga, o Período Colonial do Brasil, o Período Imperial do Brasil aos tempos atuais? Qual caminho seria possível trazer os alunos do seculo XXI, mais próximos ao mundo da literatura, se não pelo meio da informatização?
  4. 4. JUSTIFICATIVA O tema escolhido envolve as definições no ensino da literatura e identificar as mudanças no rumo da utilização deste meio de comunicação e sua interação com o mundo globalizado, através da pesquisa bibliográfica, citações ao analisar comparativamente as referências de culturas e sociedades passadas, bem como, a sociedade contemporânea que se utilizava dessa literatura para novas construções destas e interação com as outras comunidades, trabalhando sua poética de vida na educação.
  5. 5. QUESTÕES NORTEADORAS OBJETIVOS ESPECÍFICOS Como a literatura tem sido utilizada nas novas ferramentas do seculo XXI? Identificar nas épocas passadas o uso da literatura no âmbito educacional. Qual a preocupação dos profissionais ao uso da internet como forma de metodologia de ensino da literatura nas escolas de hoje? Analisar as transformações ao longo dos séculos o ensino da literatura e as metodologias empregadas desde a Grécia antiga, o período Colonial, o período Imperial do Brasil e os tempo atuais. Qual a importância da utilização das novas tecnologias nas escolas públicas de hoje? Trazer reflexão a professores e alunos sobre as dificuldades no ensino da literatura, associadas ao letramento digital, ao uso das ferramentas tecnológicas para tornar globalizada a sala de aula.
  6. 6. A DESCRIÇÃO DA ABERTURA DE UMA ESCOLA POR: CUNHA & CARDOSO (2004, p. 10-11) “Em 336 a.C., Felipe é assassinado e Alexandre sobe ao trono. Logo em seguida prepara uma expedição ao Oriente, iniciando a construção de seu grande império. Nada mais justificava a permanência de Aristóteles na corte de Pela. É o momento de voltar a Atenas. Lá, próximo dedicado a Apolo Liceano, abre uma escola, o Liceu, que passou a rivalizar com a academia, então dirigida por Xenócrates. Do hábito – aliás comum em escolas da época – que tinham os estudantes de realizar seus debates enquanto passeavam, teria surgido o termo peripatéticos (que significa “os que passeiam”) para designar os discípulos de Aristóteles”.
  7. 7. PRESSUPOSTO INTERACIONISTA DE PAULO FREIRE “A educação como prática da liberdade, ao contrário daquela que é prática da dominação, implica na negação do homem abstrato, isolado, solto, desligado do mundo, assim também na negação do mundo como uma realidade ausente dos homens. A reflexão que propõe, por ser autentica, não é sobre este homem abstração nem sobre este mundo sem homem, mas sobre os homens em suas relações com o mundo. Relações em que consciência e mundo se dão simultaneamente. Não há uma consciência antes e um mundo depois e vice-versa”. FREIRE (1975)
  8. 8. A ORIGEM DA LÍNGUA PORTUGUESA DE EVANILDO BECHARA “A língua portuguesa é a comunicação ininterrupta, no tempo e no espaço, do latim levado à Península Ibérica pela expansão do império romano, no início do séc. III a.C., particularmente no processo de romanização dos povos do oeste e noroeste (lusitanos e galaicos), processo que encontrou tenaz resistência dos habitantes originários dessas regiões”. BECHARA (2009)
  9. 9. METODOLOGIA Pesquisa bibliográfica; Pesquisa em sites especializados; Pesquisa de artigos relacionados;
  10. 10. CONSIDERAÇÕES FINAIS Percebeu-se a partir do estudo bibliográfico que, a transformação hoje, na prática pedagógica e as metodologias ao ensino da literatura, tanto quanto outras disciplinas, é imprescindível inserção das tecnologias e sua utilização, pois, o mercado de trabalho tende a modernizar-se diariamente. Essa exigência tem caído sobre o profissional, em cada área de trabalho, tentando acompanhar a globalização, gerando um desenvolvimento socioeconômico para as nações e a qualidade de vida dos seres humanos. Ao fazer a analise comparativa das sociedades passadas e de como a literatura era ensinada, observa-se que mesmo com todos as dificuldades e os recursos que não haviam nas épocas passadas, existia um interesse maior e uma respeitabilidade a literatura, as sua utilizações como forma de comunicação erudita, rebuscada, o que não temos hoje por parte dos alunos e sociedade não letrada.
  11. 11. REFERÊNCIAS SOARES, Magda. Artigo: Novas Praticas de Leitura e Escrita: Letramento na Cibercultura. Professora Titular Emérita da Faculdade de Educação da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), 2002. CUNHA, Eliel Silveira, CARDOSO, Fernanda. Aristóteles – Vida e Obra. Nova Cultural Ltda. São Paulo, 2004. MACEDO, Joaquim Manuel de. A Moreninha. Valer. Manaus, 2010. BECHARA, Evanildo. Moderna Gramatica Portuguesa. 37 ed. rev., ampl. e atual. Conforme o novo acordo ortográfico Rio de Janeiro:Nova Fronteira, 2009. CUNHA, Diana A. As utopias na Educação: ensaio sobre as propostas de Paulo Freire. Coleção Educação e comunicação v. 14. Rio de Janeiro. Paz e Terra, 1985.
  12. 12. MENSAGEM "Acreditamos que a educação sozinha não transforma a sociedade, sem ela tampouco a sociedade muda. Se a nossa opção é progressiva, se estamos a favor da vida e não da morte, da equidade e não da injustiça, do direito e não do arbítrio, da convivência com o diferente e não de sua negação, não temos outro caminho se não viver a nossa opção. Encarná-la, diminuindo, assim, a distância entre o que dizemos e o que fazemos" (Paulo Freire)

×