O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

Carta de motivação (Patrícia Cozer)

181.309 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

Carta de motivação (Patrícia Cozer)

  1. 1. CARTA DE MOTIVAÇÃO Em 2007, ingressei ao curso de Letras com habilitação em LínguaPortuguesa e em Língua Inglesa e respectivas Literaturas, na Universidade Estadualdo Oeste do Paraná, em Foz do Iguaçu (Paraná, Brasil). As disciplinas que envolviamLiteratura e estudos do gênero sempre foram as que mais me chamaram a atenção,desde o Ensino Fundamental e Médio, e logo após o início do curso, percebi quepoderia desenvolver de modo específico alguns temas, dadas as opções departicipação em projetos e monitorias. Acredito na arte da interpretação como uma, das várias formas possíveispara estudo da sociedade. Pude comprovar essa teoria durante o percurso das aulasde Sociologia, onde iniciei projetos voltados à questão da mulher (vide CurrículoVitae). Em meu trabalho de conclusão de curso (monografia), escrevi a respeitoda formação da família e em que contexto cabia o tratamento para com aspersonagens femininas, baseando-me em contos do escritor brasileiro Luiz Vilela. Oassunto me despertou cada vez mais curiosidade, e sempre que possível participei deeventos cujo tema estava em voga – mulher e feminismo, mulher econtemporaneidade, mulher e literatura. Não só a literatura de mulheres ou feita por mulheres é alvo do meuinteresse, mas também tudo que escrevem a respeito das mesmas. Mantenho umaposição estimulada pelo francês Jacques Derrida, que assina o termo dadesconstrução quando se trata de estudos sobre mulheres. Isso significa que ofeminismo, geralmente ligado a questões falocêntricas, passou a ser estudado sob umnovo viés. Durante a Monitoria de Lírica Brasileira Moderna, minha orientadora,Martha Ribeiro Parahyba, indicou como referencial teórico Andréa Nye (1985), MariaIzilda Matos (2000), Luiza Lobo (s/d) e Simone de Beauvoir (1985), dentre outras, eatravés destas leituras encontramos fundamentação suficiente para explicitar oconceito de Derrida. Esse conceito implica a idéia de afastar (ou desconstruir) os mitose a idealização (no caso, da mulher) baseada em pressupostos filosóficos simples,para que seja possível estudar a Literatura de Autoria Feminina sem fazer uso deabordagens estigmatizadas – os projetos na área literária que desenvolvi partiramtodos desta noção. Atualmente meus estudos se resumem a Pós Graduação em LiteraturaLatino-Americana, realizada pela Universidade Federal da Integração Latino-Americana (UNILA) – que terminará em julho deste ano. Neste curso tenho a chancede trabalhar com Literatura Comparada, de modo que o trabalho final para a PósGraduação envolverá um discurso literário acerca de dois nomes no cenário feminino.Um dos objetivos será desmistificar a literatura feminina sempre classificada a partir debinômios. Penso que um Mestrado em Estudos Feministas cabe perfeitamente nocontexto em que me encontro. Vejo ainda muitas possibilidades de trabalho nestaárea. Em minha cidade, há estatutos, grupos e grande interesse sobre o assunto, maspouca divulgação e oportunidades. Tanto é verdade que por isso me encantei comeste Mestrado em Portugal. Recém-formada, procurei durante alguns meses e nãoobtive resposta satisfatória em meu país; não encontrei, nem de longe, semelhantecurso. Estou ciente que esta é uma decisão radical – conviver com outra culturaem nome de estudo –, que incluirá muitos sacrifícios de minha parte – mas é, aomesmo tempo, uma experiência rara, a qual, felizmente, estou disposta a enfrentar. Atenciosamente, Patrícia Martins Cozer. Foz do Iguaçu, 15 de junho de 2011.

×