SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Citoesqueleto
 Quando se diz que o hialoplasma é um fluido viscoso, fica-
     se com a impressão de que a célula animal tem uma
      consistência amolecida e que se deforma a todo o
                 momento. Não é assim. Um
 verdadeiro “esqueleto” formado por vários tipos de fibras
de proteínas cruza a célula em diversas direções, dando-lhe
   consistência e firmeza. Essa “armação” é importante se
    lembrarmos que a célula animal é desprovida de uma
     membrana rígida, como acontece com a membrana
           celulósica dos vegetais. Entre as fibras
protéicas componentes desse “citoesqueleto” podem ser
 citados osmicrofilamentos de actina, os microtúbulos e
               os filamentos intermediários.
Os microfilamentos são os mais abundantes, constituídos
da proteína contráctil actina e encontrados em todas as
células eucarióticas. São extremamente finos e flexíveis,
chegando a ter 3 a 6 nm (nanômetros)
de diâmetro, cruzando a célula em
diferentes direções , embora
concentram-se em maior número na
periferia, logo abaixo da membrana
plasmática. Muitos movimentos
executados por células animais e
vegetais são possíveis graças aos
microfilamentos de actina.
 Os microtúbulos, por sua vez, são
filamentos mais grossos, de cerca de 20
a 25 nm de diâmetro, quefuncionam como
verdadeiros andaimes de todas as células
eucarióticas. São, como o nome diz, tubulares,
rígidos e constituídos por moléculas de
proteínas conhecidas como tubulinas,
dispostas helicoidalmente, formando um
cilindro. Um exemplo, desse tipo de filamento é
o que organiza o chamado fuso de divisão
celular. Nesse caso, inúmeros microtúbulos se
originam e irradiam a partir de uma região da
célula conhecida como centrossomo (ou centro
celular) e desempenham papel extremamente
importante na movimentação dos cromossomos durante a divisão de uma célula.




Outro papel atribuído aos microtúbulos é o de servir como
verdadeiras “esteiras” rolantes que permitem o deslocamento
de substâncias, de vesículas e de organóides como as
mitocôndrias e cloroplastos pelo interior da célula. Isso é
possível a partir da associação de proteínas motoras com os
microtúbulos.

Essas proteínas motoras ligam-se de um lado, aos
microtúbulos e, do outro, à substância ou organóide que será
transportado, promovendo o seu deslocamento.
Por exemplo, ao longo do axônio (prolongamento) de um
neurônio, as proteínas motoras conduzem, ao longo da
“esteira” formada pelos microtúbulos, diversas substâncias
para as terminações do axônio e que terão importante
participação no funcionamento da célula nervosa.
Filamentos intermediários

Os filamentos intermediários são assim chamados por terem um diâmetro intermediário – cerca de 10 nm – em relação aos
outros dois tipos de filamentos protéicos.
Nas células que revestem a camada mais externa da pele
    existe grande quantidade de um tipo de filamento
 intermediário chamado queratina. Um dos papeis desse
filamento é impedir que as células desse tecido se separem
    ou rompam ao serem submetidas, por exemplo, a um
                       estiramento.
Além de estarem espalhadas pelo interior das células,
armando-as, moléculas de queratina promovem uma
“amarração” entre elas em determinados pontos, o que
garante a estabilidade do tecido no caso da ação de algum
agente externo que tente separá-las. Esse papel é parecido
ao das barras de ferro que são utilizadas na construção de
uma coluna de concreto. Outras células possuem apreciável quantidade de outros filamentos intermediários. É o caso das
componentes dos tecidos conjuntivos e dos neurofilamentos encontrados no interior das células nervosas.


                                                         Resumo
Os centríolos




        Os centríolos são organelas NÃO envolvidas por
        membrana e que participam do progresso de divisão
        celular. Nas células de fungos complexos, plantas
        superiores (gimnospermas e angiospermas) e
        nematóides não existem centríolos. Eles estão
        presentes na maioria das células de animas, algas e
        vegetais inferiores como as briófitas (musgos) e
        pteridófitas (samambaias). Estruturalmente, são
        constituídos por um total de nove trios de
        microtúbulos protéicos, que se organizam em
        cilindro. São autoduplicáveis no período que
        precede a divisão celular, migrando, logo a seguir,
        para os pólos opostos da célula. Uma das
        providências que a fábrica celular precisa tomar é a
        construção de novas fábricas, isto é, a sua
        multiplicação. Isso envolve uma elaboração prévia de
        uma serie de “andaimes” protéicos, o chamado fuso
        de divisão, formado por inúmeros filamentos de
        microtúbulos. Embora esses microtúbulos não sejam
        originados dos centríolos e sim de uma região da
        célula conhecido como centrossomo, é comum a
        participação deles no processo de divisão de uma
        célula animal. Já em células de vegetais superiores,
        como não existem centríolos, sua multiplicação se
        processa sem eles.




 Os Cílios e Flagelos

São estruturas móveis, encontradas externamente em
células de diversos seres vivos. Os cílios são
curtos e podem ser relacionados à locomoção e a
remoção de impurezas. Nas células que revestem a
traquéia humana, por exemplo, os batimentos ciliares
empurram impurezas provenientes do ar inspirado,
trabalho facilitado pela mistura com o muco que,
produzido pelas células da traquéia, lubrifica e
protege a traquéia. Em alguns protozoários, por
exemplo, o paramécio, os cílios são utilizados para a
locomoção. Os flagelos são longos e também se
relacionam a locomoção de certas células, como a
de alguns protozoários (por exemplo, o tripanosssomo
causador da doença de Chagas) e a do
espermatozóide.Em alguns organismos pluricelulares,
por exemplo, nas esponjas, o batimento flagelar cria
correntes de água que percorrem canais e cavidades
internas, trazendo, por exemplo, partículas de
alimento.

Estruturalmente, cílios e flagelos são idênticos.
Ambos são cilíndricos, exteriores as células e cobertos por membrana
plasmática. Internamente, cada cílio ou flagelo é constituído por um
conjunto de nove pares de microtúbulos periféricos de tubulina,
circundando um par de microtúbulos centrais. É a chamada estrutura 9 +
2. Tanto os cílios como flagelos são originados por uma região
organizadora no interior da célula, conhecida como corpúsculo basal. Em
cada corpúsculo basal há um conjunto de nove trios de microtúbulos (ao
invés de duplas, como nos cílios e flagelos), dispostos em círculo. Nesse
sentido, a estrutura do corpúsculo basal é semelhante à de um centríolo.
Mitocôndrias
                                           Estrutura e função das mitocôndrias



As mitocôndrias estão imersas no citosol, entre as diversas bolsas e filamentos que preenchem o citoplasma das células
eucariontes. Elas são verdadeiras “casas de força” das células, pois produzem energia para todas as atividades celulares.

As mitocôndrias foram descobertas em meados do século XIX, e, durante décadas, sua existência foi questionada por alguns
citologistas. Somente em 1890 foi demonstrada, de modo incontestável, a presença de mitocôndrias no citoplasma celular. O
termo “mitocôndria” (do grego, mitos, fio, e condros, cartilagem) surgiu em 1898, possivelmente como referência ao aspecto
filamentoso e homogêneo (cartilaginoso) dessas organelas em alguns tipos de células, quando observadas ao microscópio
óptico.
As mitocôndrias, cujo número varia de dezenas até centenas, dependendo do tipo de célula, estão presentes
praticamente em todos os seres eucariontes, sejam animais, plantas, algas, fungos ou protozoários.


                                            Estrutura interna das mitocôndrias
As mitocôndrias são delimitadas por duas membranas
lipoprotéicas semelhantes às demais membranas celulares.
Enquanto a membrana externa é lisa, a membrana interna
possui inúmeras pregas – as cristas mitocondriais – que se
projetam para o interior da organela. A cavidade interna das
mitocôndrias é preenchida por um fluido denominado matriz
mitocondrial, onde estão presentes diversas enzimas,
além de DNA e RNA e pequenos ribossomos e
substâncias necessárias à fabricação de determinadas
proteínas.
                   A respiração celular

No interior das mitocôndrias ocorre a respiração celular,
processo em que moléculas orgânicas de alimento reagem
com gás oxigênio (O2), transformando-se em gás carbônico
(CO2) e água (H2O) e liberando energia.

                                          C6H12O6 + O2 -> 6 CO2 + 6 H2O + energia
 A energia liberada na respiração celular é armazenada em uma substância chamada ATP (adenosina trifosfato), que se
difunde para todas as regiões da célula, fornecendo energia para as mais diversas atividades celulares. O processo de
respiração celular será melhor explicado na seção de Metabolismo energético.
                                                A origem das mitocôndrias
Toda mitocôndria surge da reprodução de uma outra mitocôndria. Quando a célula vai se dividir, suas mitocôndrias se
separam em dois grupos mais ou menos equivalentes, que se posicionam em cada um dos lados do citoplasma.
As mitocôndrias do espermatozóide penetram no óvulo
Ao final da divisão cada um dos grupos fica em uma célula-filha.
                                                                         durante a fecundação e degeneram-se logo em
Posteriormente, no decorrer do crescimento das células, as
                                                                         seguida, portanto, as mitocôndrias presentes na célula-
mitocôndrias se duplicam e crescem, restabelecendo o número
                                                                         ovo são originárias exclusivamente da mãe. As
                                                                         mitocôndrias ovulares, que se multiplicam sempre que
                                                                         a célula se reproduz, são as ancestrais de todas, as
                                                                         mitocôndrias presentes em nossas células.

                                                                         Muitos cientistas estão convencidos de que as
                                                                         mitocôndrias são descendentes de seres procariontes
                                                                         primitivos que um dia se instalaram no citoplasma das
                                                                         primeiras células eucariontes. Existem evidências que
                                                                         apóiam essa hipótese, tais como o fato de as
                                                                         mitocôndrias apresentarem material genético mais
                                                                         parecido com a das bactérias do que com a das células
original.                                                                eucariontes em que se encontram.

O mesmo ocorre com relação a maquinaria para a síntese de proteínas: os ribossomos mitocondriais são muito semelhantes
aos das bactérias e bem diferentes dos ribossomos presentes no citoplasma das células eucariontes.




                                                             Plastos
                                             Classificação e estrutura dos plastos

Plastos são orgânulos citoplasmáticos encontrados nas células de plantas e de algas. Sua forma e tamanho variam conforme
      o tipo de organismo. Em algumas algas, cada célula possui um ou poucos plastos, de grande tamanho e formas
características. Já em outras algas e nas plantas em geral, os plastos são menores e estão presentes em grande número por
                                 célula. Os plastos podem ser separados em duas categorias:

           cromoplastos (do grego chromos, cor), que apresentam pigmentos em seu interior. O cromoplasto mais freqüente
            nas plantas é o cloroplasto, cujo principal componente é a clorofila, de cor verde. Há também plastos vermelhos,
            os eritroplastos (do grego eritros, vermelho), que se desenvolvem, por exemplo, em frutos maduros de tomate.
           leucoplastos (do grego leukos, branco), que não contêm pigmentos.

                                                          Cloroplastos

Os cloroplastos são orgânulos citoplasmáticos discóides que se assemelham a uma lente biconvexa com cerca de 10
micrometros de diâmetro. Eles apresentam duas membranas envolventes e inúmeras membranas internas, que formam
pequenas bolsas discoidais e achatadas, os tilacóides (do gregothylakos, bolsa).

Os tilacóides se organizam uns sobre os outros, formando estruturas cilíndricas que lembram pilhas de moedas. Cada pilha é
um granum, que significa grão, em latim (no plural, grana).
O espaço interno do cloroplasto é preenchido por um fluido viscoso denominado estroma, que corresponde à matriz das
mitocôndrias, e contém, como estas, DNA, enzimas e ribossomos.As moléculas de clorofila ficam dispostas organizadamente
nas membranas dos tilacóides, de modo a captarem a luz solar com a máxima eficiência.
Funções do cloroplasto

Se as mitocôndrias são as centrais energéticas das células, os cloroplastos são as centrais energéticas da própria vida. Eles
produzem moléculas orgânicas, principalmente glicose, que servem de combustível para as mitocôndrias de todos os
organismos que se alimentam, direta ou indiretamente, das plantas. Os cloroplastos produzem substâncias orgânicas
através do processo de fotossíntese. Nesse processo, a energia luminosa é transformada em energia química, que fica
armazenada nas moléculas das substâncias orgânicas fabricadas. As matérias-primas empregadas na produção dessas
substâncias são, simplesmente, gás carbônico e água. Durante a fotossíntese, os cloroplastos também produzem e
liberam gás oxigênio (O2), necessário à respiração tanto de animais quanto de plantas. Os cientistas acreditam que
praticamente todo o gás oxigênio que existe hoje na atmosfera terrestre tenha se originado através da fotossíntese.
               Como surgem os plastos

Os plastos surgem, basicamente, a partir de estruturas
citoplasmáticas denominadas proplastos, pequenas
bolsas esféricas, com cerca de 0,2 micrometros de
diâmetro, delimitadas por duas membranas. No interior
dos proplastos existem DNA, enzimas e ribossomos,
mas não há tilacóides nem clorofila. Os proplastos são
capazes de se dividir e são herdados de geração em
geração celular, transmitindo-se de pais para filhos pelos
gametas.
               Origem dos cloroplastos

Nas células vegetais que ficam expostas à luz, como as
das folhas, por exemplo, os proplastos crescem e se
transformam em cloroplastos. A necessidade de luz para
a sua formação explica porque não existem cloroplastos
nas células das partes não iluminadas das plantas,
como as das raízes ou as das partes internas dos
caules. Se deixarmos uma semente germinar no escuro,
as folhas da planta recém nascida serão amareladas, e
em suas células não serão encontrados cloroplastos
maduros, mas sim estioplasto.
Cloroplasto                          e                  Estioplasto


                                             Amiloplastos ou grãos de amido

Em certas situações, os cloroplastos ou os leucoplastos podem acumular grandes quantidades de amido, um polissacarídeo
sintetizado a partir da glicose. O amido pode ocupar totalmente o interior da organela, que se transforma em uma estrutura
conhecida como amiloplasto ou grão de amido. Os amiloplastos são grandes reservatórios de amido, que em momentos de
necessidade (se faltar glicose) pode se reconvertida em glicose e utilizado.




                                                        Amiloplasto

A capacidade de multiplicação dos plastos e suas semelhanças bioquímicas com os seres procariontes atuais sugerem que
essas organelas tiveram como ancestrais bactérias fotossintetizantes primitivas, que há centenas de milhões de anos
estabeleceram uma relação de cooperação com células eucariontes. No decorrer do processo evolutivo, a dependência entre
os dois tipos de organismos teria se tornado tão grande que as bactérias fotossintetizantes e a célula eucarionte hospedeira
perderam a capacidade de viver isoladamente.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Celular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontesCelular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontes
Pedro Lopes
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
luam1969
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
cejlrodrigues
 
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celularesVírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
César Milani
 
Resumo 2ª av semanal portugues e ciencias
Resumo   2ª av semanal portugues e cienciasResumo   2ª av semanal portugues e ciencias
Resumo 2ª av semanal portugues e ciencias
hiagolopes11
 

Mais procurados (20)

Biologi a 2019
Biologi a  2019Biologi a  2019
Biologi a 2019
 
Aula 05 membrana plasmática e transportes
Aula 05   membrana plasmática e transportesAula 05   membrana plasmática e transportes
Aula 05 membrana plasmática e transportes
 
Células Procariontes e Eucariontes
Células Procariontes e EucariontesCélulas Procariontes e Eucariontes
Células Procariontes e Eucariontes
 
Estruturas Celulares
Estruturas CelularesEstruturas Celulares
Estruturas Celulares
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
Resumão Citologia
Resumão CitologiaResumão Citologia
Resumão Citologia
 
Estrutura celular
Estrutura celularEstrutura celular
Estrutura celular
 
Celular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontesCelular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontes
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
 
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpoProfessor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
Professor Gil Motta - 7a série - Células e tecidos do corpo
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Apresentação de células
Apresentação de célulasApresentação de células
Apresentação de células
 
Celula eucariotica
Celula eucariotica Celula eucariotica
Celula eucariotica
 
Histologia animal
Histologia animalHistologia animal
Histologia animal
 
4. Citologia - O estudo da célula
4. Citologia - O estudo da célula4. Citologia - O estudo da célula
4. Citologia - O estudo da célula
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celularesVírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
Vírus, procariontes, eucariontes e revestimentos celulares
 
Resumo 2ª av semanal portugues e ciencias
Resumo   2ª av semanal portugues e cienciasResumo   2ª av semanal portugues e ciencias
Resumo 2ª av semanal portugues e ciencias
 
Partes das células
Partes das célulasPartes das células
Partes das células
 

Semelhante a Organelas celulares - parte 2 (20)

O citoplasma
O citoplasmaO citoplasma
O citoplasma
 
Citoplasma
CitoplasmaCitoplasma
Citoplasma
 
(2) Divisão celular
(2) Divisão celular(2) Divisão celular
(2) Divisão celular
 
Citoplasma 2
Citoplasma 2Citoplasma 2
Citoplasma 2
 
2.1
2.12.1
2.1
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
Celula eucariotica
Celula eucarioticaCelula eucariotica
Celula eucariotica
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
A célula
A célulaA célula
A célula
 
Organelas Celulares II
Organelas Celulares IIOrganelas Celulares II
Organelas Celulares II
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Ciclo celular
Ciclo celularCiclo celular
Ciclo celular
 
Resumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a CitologiaResumo de Introdução a Citologia
Resumo de Introdução a Citologia
 
Células e tecidos
Células e tecidosCélulas e tecidos
Células e tecidos
 
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
Introdução a citologia - Profª Monara Bittencourt
 
Celula (2)
Celula (2)Celula (2)
Celula (2)
 
Histología vegetal
Histología vegetalHistología vegetal
Histología vegetal
 
Citoplasma e algumas de suas organelas
Citoplasma  e  algumas  de suas organelasCitoplasma  e  algumas  de suas organelas
Citoplasma e algumas de suas organelas
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
 
Citoesqueleto
CitoesqueletoCitoesqueleto
Citoesqueleto
 

Mais de SESI 422 - Americana (20)

Origem da vida e Evolução
Origem da vida e EvoluçãoOrigem da vida e Evolução
Origem da vida e Evolução
 
Genética de populações
Genética de populaçõesGenética de populações
Genética de populações
 
Bioquímica básica
Bioquímica básicaBioquímica básica
Bioquímica básica
 
Expressividade e penetrância
Expressividade e penetrânciaExpressividade e penetrância
Expressividade e penetrância
 
Alelos múltiplos
Alelos múltiplosAlelos múltiplos
Alelos múltiplos
 
Casos especiais de herança
Casos especiais de herançaCasos especiais de herança
Casos especiais de herança
 
Exercícios 2
Exercícios 2Exercícios 2
Exercícios 2
 
Probabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramasProbabilidades e heredogramas
Probabilidades e heredogramas
 
Textos novas espécies
Textos novas espéciesTextos novas espécies
Textos novas espécies
 
Exercícios
ExercíciosExercícios
Exercícios
 
Taxonomia
TaxonomiaTaxonomia
Taxonomia
 
Cromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelosCromossomos, genes e alelos
Cromossomos, genes e alelos
 
Genética mendeliana básica
Genética mendeliana básicaGenética mendeliana básica
Genética mendeliana básica
 
Evidências da evolução
Evidências da evoluçãoEvidências da evolução
Evidências da evolução
 
Projeto terrário
Projeto terrárioProjeto terrário
Projeto terrário
 
Projeto paleontólogos
Projeto paleontólogosProjeto paleontólogos
Projeto paleontólogos
 
Garça branca
Garça brancaGarça branca
Garça branca
 
Reportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalasReportagem jornalística – coalas
Reportagem jornalística – coalas
 
Capivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundoCapivara o maior roedor do mundo
Capivara o maior roedor do mundo
 
Lírios
LíriosLírios
Lírios
 

Último

Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Dirceu Resende
 

Último (6)

Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdfCertificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
Certificado - Data Analytics - CoderHouse.pdf
 
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
[ServiceNow] Upgrade de versão - 2ª edição (Revisada, atualizada e ampliada)
 
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdfConcurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
Concurso Caixa TI - Imersão Final - Rogério Araújo.pdf
 
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
Apresentação Power Embedded - Descubra uma nova forma de compartilhar relatór...
 
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdfFrom_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
From_SEH_Overwrite_with_Egg_Hunter_to_Get_a_Shell_PT-BR.pdf
 
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdfApresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
Apresentação Comercial VITAL DATA 2024.pdf
 

Organelas celulares - parte 2

  • 1. Citoesqueleto Quando se diz que o hialoplasma é um fluido viscoso, fica- se com a impressão de que a célula animal tem uma consistência amolecida e que se deforma a todo o momento. Não é assim. Um verdadeiro “esqueleto” formado por vários tipos de fibras de proteínas cruza a célula em diversas direções, dando-lhe consistência e firmeza. Essa “armação” é importante se lembrarmos que a célula animal é desprovida de uma membrana rígida, como acontece com a membrana celulósica dos vegetais. Entre as fibras protéicas componentes desse “citoesqueleto” podem ser citados osmicrofilamentos de actina, os microtúbulos e os filamentos intermediários. Os microfilamentos são os mais abundantes, constituídos da proteína contráctil actina e encontrados em todas as células eucarióticas. São extremamente finos e flexíveis, chegando a ter 3 a 6 nm (nanômetros) de diâmetro, cruzando a célula em diferentes direções , embora concentram-se em maior número na periferia, logo abaixo da membrana plasmática. Muitos movimentos executados por células animais e vegetais são possíveis graças aos microfilamentos de actina. Os microtúbulos, por sua vez, são filamentos mais grossos, de cerca de 20 a 25 nm de diâmetro, quefuncionam como verdadeiros andaimes de todas as células eucarióticas. São, como o nome diz, tubulares, rígidos e constituídos por moléculas de proteínas conhecidas como tubulinas, dispostas helicoidalmente, formando um cilindro. Um exemplo, desse tipo de filamento é o que organiza o chamado fuso de divisão celular. Nesse caso, inúmeros microtúbulos se originam e irradiam a partir de uma região da célula conhecida como centrossomo (ou centro celular) e desempenham papel extremamente importante na movimentação dos cromossomos durante a divisão de uma célula. Outro papel atribuído aos microtúbulos é o de servir como verdadeiras “esteiras” rolantes que permitem o deslocamento de substâncias, de vesículas e de organóides como as mitocôndrias e cloroplastos pelo interior da célula. Isso é possível a partir da associação de proteínas motoras com os microtúbulos. Essas proteínas motoras ligam-se de um lado, aos microtúbulos e, do outro, à substância ou organóide que será transportado, promovendo o seu deslocamento. Por exemplo, ao longo do axônio (prolongamento) de um neurônio, as proteínas motoras conduzem, ao longo da “esteira” formada pelos microtúbulos, diversas substâncias para as terminações do axônio e que terão importante participação no funcionamento da célula nervosa.
  • 2. Filamentos intermediários Os filamentos intermediários são assim chamados por terem um diâmetro intermediário – cerca de 10 nm – em relação aos outros dois tipos de filamentos protéicos. Nas células que revestem a camada mais externa da pele existe grande quantidade de um tipo de filamento intermediário chamado queratina. Um dos papeis desse filamento é impedir que as células desse tecido se separem ou rompam ao serem submetidas, por exemplo, a um estiramento. Além de estarem espalhadas pelo interior das células, armando-as, moléculas de queratina promovem uma “amarração” entre elas em determinados pontos, o que garante a estabilidade do tecido no caso da ação de algum agente externo que tente separá-las. Esse papel é parecido ao das barras de ferro que são utilizadas na construção de uma coluna de concreto. Outras células possuem apreciável quantidade de outros filamentos intermediários. É o caso das componentes dos tecidos conjuntivos e dos neurofilamentos encontrados no interior das células nervosas. Resumo
  • 3. Os centríolos Os centríolos são organelas NÃO envolvidas por membrana e que participam do progresso de divisão celular. Nas células de fungos complexos, plantas superiores (gimnospermas e angiospermas) e nematóides não existem centríolos. Eles estão presentes na maioria das células de animas, algas e vegetais inferiores como as briófitas (musgos) e pteridófitas (samambaias). Estruturalmente, são constituídos por um total de nove trios de microtúbulos protéicos, que se organizam em cilindro. São autoduplicáveis no período que precede a divisão celular, migrando, logo a seguir, para os pólos opostos da célula. Uma das providências que a fábrica celular precisa tomar é a construção de novas fábricas, isto é, a sua multiplicação. Isso envolve uma elaboração prévia de uma serie de “andaimes” protéicos, o chamado fuso de divisão, formado por inúmeros filamentos de microtúbulos. Embora esses microtúbulos não sejam originados dos centríolos e sim de uma região da célula conhecido como centrossomo, é comum a participação deles no processo de divisão de uma célula animal. Já em células de vegetais superiores, como não existem centríolos, sua multiplicação se processa sem eles. Os Cílios e Flagelos São estruturas móveis, encontradas externamente em células de diversos seres vivos. Os cílios são curtos e podem ser relacionados à locomoção e a remoção de impurezas. Nas células que revestem a traquéia humana, por exemplo, os batimentos ciliares empurram impurezas provenientes do ar inspirado, trabalho facilitado pela mistura com o muco que, produzido pelas células da traquéia, lubrifica e protege a traquéia. Em alguns protozoários, por exemplo, o paramécio, os cílios são utilizados para a locomoção. Os flagelos são longos e também se relacionam a locomoção de certas células, como a de alguns protozoários (por exemplo, o tripanosssomo causador da doença de Chagas) e a do espermatozóide.Em alguns organismos pluricelulares, por exemplo, nas esponjas, o batimento flagelar cria correntes de água que percorrem canais e cavidades internas, trazendo, por exemplo, partículas de alimento. Estruturalmente, cílios e flagelos são idênticos. Ambos são cilíndricos, exteriores as células e cobertos por membrana plasmática. Internamente, cada cílio ou flagelo é constituído por um conjunto de nove pares de microtúbulos periféricos de tubulina, circundando um par de microtúbulos centrais. É a chamada estrutura 9 + 2. Tanto os cílios como flagelos são originados por uma região organizadora no interior da célula, conhecida como corpúsculo basal. Em cada corpúsculo basal há um conjunto de nove trios de microtúbulos (ao invés de duplas, como nos cílios e flagelos), dispostos em círculo. Nesse sentido, a estrutura do corpúsculo basal é semelhante à de um centríolo.
  • 4. Mitocôndrias Estrutura e função das mitocôndrias As mitocôndrias estão imersas no citosol, entre as diversas bolsas e filamentos que preenchem o citoplasma das células eucariontes. Elas são verdadeiras “casas de força” das células, pois produzem energia para todas as atividades celulares. As mitocôndrias foram descobertas em meados do século XIX, e, durante décadas, sua existência foi questionada por alguns citologistas. Somente em 1890 foi demonstrada, de modo incontestável, a presença de mitocôndrias no citoplasma celular. O termo “mitocôndria” (do grego, mitos, fio, e condros, cartilagem) surgiu em 1898, possivelmente como referência ao aspecto filamentoso e homogêneo (cartilaginoso) dessas organelas em alguns tipos de células, quando observadas ao microscópio óptico. As mitocôndrias, cujo número varia de dezenas até centenas, dependendo do tipo de célula, estão presentes praticamente em todos os seres eucariontes, sejam animais, plantas, algas, fungos ou protozoários. Estrutura interna das mitocôndrias As mitocôndrias são delimitadas por duas membranas lipoprotéicas semelhantes às demais membranas celulares. Enquanto a membrana externa é lisa, a membrana interna possui inúmeras pregas – as cristas mitocondriais – que se projetam para o interior da organela. A cavidade interna das mitocôndrias é preenchida por um fluido denominado matriz mitocondrial, onde estão presentes diversas enzimas, além de DNA e RNA e pequenos ribossomos e substâncias necessárias à fabricação de determinadas proteínas. A respiração celular No interior das mitocôndrias ocorre a respiração celular, processo em que moléculas orgânicas de alimento reagem com gás oxigênio (O2), transformando-se em gás carbônico (CO2) e água (H2O) e liberando energia. C6H12O6 + O2 -> 6 CO2 + 6 H2O + energia A energia liberada na respiração celular é armazenada em uma substância chamada ATP (adenosina trifosfato), que se difunde para todas as regiões da célula, fornecendo energia para as mais diversas atividades celulares. O processo de respiração celular será melhor explicado na seção de Metabolismo energético. A origem das mitocôndrias Toda mitocôndria surge da reprodução de uma outra mitocôndria. Quando a célula vai se dividir, suas mitocôndrias se separam em dois grupos mais ou menos equivalentes, que se posicionam em cada um dos lados do citoplasma.
  • 5. As mitocôndrias do espermatozóide penetram no óvulo Ao final da divisão cada um dos grupos fica em uma célula-filha. durante a fecundação e degeneram-se logo em Posteriormente, no decorrer do crescimento das células, as seguida, portanto, as mitocôndrias presentes na célula- mitocôndrias se duplicam e crescem, restabelecendo o número ovo são originárias exclusivamente da mãe. As mitocôndrias ovulares, que se multiplicam sempre que a célula se reproduz, são as ancestrais de todas, as mitocôndrias presentes em nossas células. Muitos cientistas estão convencidos de que as mitocôndrias são descendentes de seres procariontes primitivos que um dia se instalaram no citoplasma das primeiras células eucariontes. Existem evidências que apóiam essa hipótese, tais como o fato de as mitocôndrias apresentarem material genético mais parecido com a das bactérias do que com a das células original. eucariontes em que se encontram. O mesmo ocorre com relação a maquinaria para a síntese de proteínas: os ribossomos mitocondriais são muito semelhantes aos das bactérias e bem diferentes dos ribossomos presentes no citoplasma das células eucariontes. Plastos Classificação e estrutura dos plastos Plastos são orgânulos citoplasmáticos encontrados nas células de plantas e de algas. Sua forma e tamanho variam conforme o tipo de organismo. Em algumas algas, cada célula possui um ou poucos plastos, de grande tamanho e formas características. Já em outras algas e nas plantas em geral, os plastos são menores e estão presentes em grande número por célula. Os plastos podem ser separados em duas categorias:  cromoplastos (do grego chromos, cor), que apresentam pigmentos em seu interior. O cromoplasto mais freqüente nas plantas é o cloroplasto, cujo principal componente é a clorofila, de cor verde. Há também plastos vermelhos, os eritroplastos (do grego eritros, vermelho), que se desenvolvem, por exemplo, em frutos maduros de tomate.  leucoplastos (do grego leukos, branco), que não contêm pigmentos. Cloroplastos Os cloroplastos são orgânulos citoplasmáticos discóides que se assemelham a uma lente biconvexa com cerca de 10 micrometros de diâmetro. Eles apresentam duas membranas envolventes e inúmeras membranas internas, que formam pequenas bolsas discoidais e achatadas, os tilacóides (do gregothylakos, bolsa). Os tilacóides se organizam uns sobre os outros, formando estruturas cilíndricas que lembram pilhas de moedas. Cada pilha é um granum, que significa grão, em latim (no plural, grana).
  • 6. O espaço interno do cloroplasto é preenchido por um fluido viscoso denominado estroma, que corresponde à matriz das mitocôndrias, e contém, como estas, DNA, enzimas e ribossomos.As moléculas de clorofila ficam dispostas organizadamente nas membranas dos tilacóides, de modo a captarem a luz solar com a máxima eficiência. Funções do cloroplasto Se as mitocôndrias são as centrais energéticas das células, os cloroplastos são as centrais energéticas da própria vida. Eles produzem moléculas orgânicas, principalmente glicose, que servem de combustível para as mitocôndrias de todos os organismos que se alimentam, direta ou indiretamente, das plantas. Os cloroplastos produzem substâncias orgânicas através do processo de fotossíntese. Nesse processo, a energia luminosa é transformada em energia química, que fica armazenada nas moléculas das substâncias orgânicas fabricadas. As matérias-primas empregadas na produção dessas substâncias são, simplesmente, gás carbônico e água. Durante a fotossíntese, os cloroplastos também produzem e liberam gás oxigênio (O2), necessário à respiração tanto de animais quanto de plantas. Os cientistas acreditam que praticamente todo o gás oxigênio que existe hoje na atmosfera terrestre tenha se originado através da fotossíntese. Como surgem os plastos Os plastos surgem, basicamente, a partir de estruturas citoplasmáticas denominadas proplastos, pequenas bolsas esféricas, com cerca de 0,2 micrometros de diâmetro, delimitadas por duas membranas. No interior dos proplastos existem DNA, enzimas e ribossomos, mas não há tilacóides nem clorofila. Os proplastos são capazes de se dividir e são herdados de geração em geração celular, transmitindo-se de pais para filhos pelos gametas. Origem dos cloroplastos Nas células vegetais que ficam expostas à luz, como as das folhas, por exemplo, os proplastos crescem e se transformam em cloroplastos. A necessidade de luz para a sua formação explica porque não existem cloroplastos nas células das partes não iluminadas das plantas, como as das raízes ou as das partes internas dos caules. Se deixarmos uma semente germinar no escuro, as folhas da planta recém nascida serão amareladas, e em suas células não serão encontrados cloroplastos maduros, mas sim estioplasto.
  • 7. Cloroplasto e Estioplasto Amiloplastos ou grãos de amido Em certas situações, os cloroplastos ou os leucoplastos podem acumular grandes quantidades de amido, um polissacarídeo sintetizado a partir da glicose. O amido pode ocupar totalmente o interior da organela, que se transforma em uma estrutura conhecida como amiloplasto ou grão de amido. Os amiloplastos são grandes reservatórios de amido, que em momentos de necessidade (se faltar glicose) pode se reconvertida em glicose e utilizado. Amiloplasto A capacidade de multiplicação dos plastos e suas semelhanças bioquímicas com os seres procariontes atuais sugerem que essas organelas tiveram como ancestrais bactérias fotossintetizantes primitivas, que há centenas de milhões de anos estabeleceram uma relação de cooperação com células eucariontes. No decorrer do processo evolutivo, a dependência entre os dois tipos de organismos teria se tornado tão grande que as bactérias fotossintetizantes e a célula eucarionte hospedeira perderam a capacidade de viver isoladamente.