SlideShare uma empresa Scribd logo
Células Eucariontes.

As células eucariontes, também denominadas células
eucarióticas, são consideradas células verdadeiras, mais
complexas em relação às procarióticas por possuírem um
desenvolvido sistema de membranas.
Esse tipo celular, típico da constituição estrutural dos
fungos, protozoários, animais e plantas, apresenta
interior celular bem compartimentado, ou seja, uma
divisão de funções metabólicas entre as organelas
citoplasmáticas: retículo endoplasmático liso e rugoso
(RER), mitocôndrias, organoplastos, lisossomos,
peroxissomo e complexo de golgi.
No entanto, um importante aspecto evolutivo das células
eucarióticas é a individualização de um núcleo ou
carioteca, delimitado por membrana nuclear ou
cariomembrana, restringindo em seu interior o material
cromossômico.
Evolutivamente, acredita-se que o surgimento das células
eucariontes tenha partido do processo de emissão de
prolongamentos ou invaginações da membrana plasmática
em células primitivas, que foram adquirindo crescente
complexidade à medida que se multiplicavam.
Quanto à existência dos cloroplastos e mitocôndrias no
interior dos eucariotos, acredita-se que relações
simbióticas foram mantidas entre células procarióticas
englobadas por células eucarióticas, mantendo um
harmônico sistema celular.

Página1
Resumo células eucariontes.

O que são celulas eucariontes.
A célula eucariótica apresenta núcleo verdadeiro - o
material genético está separado do citoplasma por uma
membrana nuclear (carioteca) - e outras estruturas que
não aparecem nos procariontes. Os seres vivos, que
possuem somente células eucarióticas no seu corpo, são
chamados seres eucariontes (eu=verdadeiro + karyon=
núcleo = núcleo verdadeiro).
Os eucariontes podem ser unicelulares como os
protozoários, algumas algas e certos fungos; ou
pluricelulares como os animais, as plantas e os fungos em
geral.
A célula eucariótica deve ter surgido da procariótica por
dois processos:
invaginações da membrana formaram canais e vesículas e
originaram várias estruturas, como a membrana nuclear, o
retículo endoplasmático, o complexo golgiense e outras.
outras organelas, como a mitocôndria e o cloroplasto,
surgiram de bactérias que invadiram as células primitivas
e passaram a viver em seu interior.
Os componentes que podem estar presentes em uma célula
eucariótica são:
parede celular,
membrana plasmática.
citoplasma,
complexo golgiense,
centríolos,
microtúbulos,
microfilamentos,
Página2
mitocôndria,
retículo endoplasmático liso,
retículo endoplasmático rugoso,
núcleo,
membrana nuclear,
nucléolo,
cromatina,
ribossomos,
vacúolo de suco celular,
cloroplasto
vacúolo digestivo,
lisossomos,
peroxissomos

Página3
CÉLULAS PROCARIONTES
Caracteristicamente, as células procariontes apresentam
um número reduzido de membranas, estando geralmente
presente somente a membrana plasmática. Ao contrário
das células eucariontes, as procariontes não apresentam
um envoltório nuclear separando os cromossomos do
citoplasma.
Todos os seres vivos que possuem células procariontes
são chamados procariotas, sendo esse tipo de célula
característico das bactérias, incluindo neste grupo as
algas azuis ou cianofíceas, também consideradas
bactérias. Lembre-se que quando falávamos sobre a
evolução das células, abordamos o assunto de que as
primeiras células procariontes autotróficas a se
desenvolverem deveriam ser muito parecidas com as
cianofíceas atualmente viventes.
Entre as células procariontes mais estudadas está a
bactéria Escherichia coli, muito utilizada em estudos de
biologia molecular por apresentar rapidez de
multiplicação e simplicidade estrutural. Esta bactéria
possui a forma aproximada de um bastão, com cerca de 2
µm de comprimento, apresentando uma membrana
plasmática, muito semelhante à observada em células
eucariontes, que separa o meio interno do externo.
Externamente à esta membrana plasmática, existe ainda
uma parede rígida, que possui cerca de 20 nm de
espessura, formada por uma complexo de
glicosaminoglicanas e proteínas. A principal função da
parede rígida está em proporcionar proteção mecânica à
estas bactérias. Juntamente com Staphylococcus aureus,

Página4
Escherichia coli é a bactéria mais comum na flora
intestinal do ser humano.
Na matriz citoplasmática dos indivíduos de Escherichia
coli existem diversas moléculas de ribossomos ligados a
moléculas de RNA mensageiro (mRNA), formando os
chamados polirribossomos. Observa-se também dois (ou
mais) cromossomos praticamente idênticos, com formato
circular, ocupando regiões denominadas nucleóides e na
maior parte das vezes presos a diferentes pontos da
membrana plasmática. Cada cromossomo bacteriano é
constituído de DNA não associado a histonas, que são as
proteínas que compõem a cromatina dos eucariontes.
Apresentam espessura de aproximadamente 2 nm e 1,2 mm
de comprimento. As células procariontes não se dividem
por mitose, sendo que seus filamentos de DNA não passam
pelo processo de condensação que leva a formação de
cromossomos visíveis em microscopia óptica, durante o
processo de divisão celular.
O citoplasma dos procariotas normalmente não apresenta
nenhuma outra membrana além da plasmática, que o separa
do meio externo. Em alguns casos, a membrana plasmática
pode

apresentar

invaginações,

conhecidas

como

mesossomos, que têm como principal finalidade aumentar
a eficiência do processo respiratório. No citoplasma dos
procariotas

que

fotossíntese,
clorofila

ou

possuem

existem

a

algumas

ainda

a

capacidade
membranas

outros

de

realizar

a

associadas

à

pigmentos

que

são

responsáveis por captar a luminosidade.
Outra diferença marcante entre a célula procarionte e a
eucarionte

refere-se

à

ausência

de

citoesqueleto

nas

células procariontes. Conforme veremos mais para frente
Página5
em nosso curso, o citoesqueleto é responsável pela forma
e pelo movimento das células, salientando
células

possuem

formas

variadas

e

ainda que

complexas,

as

citando

como exemplo os neurônios. De forma geral, uma célula
procarionte
forma

possui

esférica,

a

forma

sendo

de

que

a

um

pequeno

manutenção

bastão

desta

ou

a

forma

é

proporcionada pela parede extracelular rígida, produzida
na

matriz

citoplasmática

e

agregada

externamente

em

relação à membrana plasmática.
Além desta função, a parede extracelular fornece proteção
às

células

encontradas
natureza,

bacterianas.
habitando

sendo

As

podem

ser

mais

os

bactérias
variados

ambientes

na

que

alguns

desses

habitados

devido

à

podem

ser

parede

extracelular, já que

ambientes

proteção

somente

oferecida

pela

muitos destes ambientes são

extremamente agressivos e nenhuma outra forma de vida
consegue sobreviver sob tais condições.
Além desta função, a parede extracelular fornece proteção
às

células

encontradas
natureza,

bacterianas.
habitando

sendo

As

podem

ser

mais

os

bactérias
variados

ambientes

na

que

alguns

desses

habitados

devido

à

podem

ser

parede

extracelular, já que

ambientes

proteção

somente

oferecida

pela

muitos destes ambientes são

extremamente agressivos e nenhuma outra forma de vida
consegue sobreviver sob tais condições.
Entretanto, a diferença mais significativa entre as células
eucariontes

e

membranas

as

nas

células

células

procariontes,

procariontes.

é

a

pobreza

de

Diferentemente

do

que veremos para as células eucariontes, o citoplasma dos
procariotas

não

se

encontra

subdividido

compartimentos.
Página6

em
Celulas procariontes
As células procariontes ou procarióticas, também
chamadas de protocélulas, são muito diferentes das
eucariontes. A sua principal característica é a ausência
da membrana carioteca individualizando o núcleo celular,
pela ausência de alguns organelos e pelo pequeno tamanho
que se acredita que se deve ao fato de não possuírem
compartimentos membranosos originados por evaginação
ou invaginação. Também possuem DNA na forma de um
anel associado a proteínas básicas e não a histonas (como
acontece nas células eucarióticas, nas quais o ADN se
dispõe em filamentos espiralados e associados a
histonas).[2]
Estas células são desprovidas de mitocôndrias,
plastídeos, complexo de Golgi, retículo endoplasmático e
sobretudo cariomembrana o que faz com que o ADN fique
disperso no citoplasma.
A este grupo pertencem seres pubianoses ou peuvicos:
Bactérias
Cianófitas (Cyanobacterias)

Página7
Membrana plasmática – Funções e estrutura
Definição: é uma membrana que envolve a superfície de
toda e qualquer célula, seja ela animal ou vegetal,
eucariótica ou procariótica.
A estrutura de uma célula é composta por núcleo,
citoplasma e membrana plasmática. A membrana
plasmática tem três funções principais: revestimento,
proteção e permeabilidade seletiva, sendo esta última sua
função mais comum. Ela seleciona quais são as
substâncias que vão entrar e sair da célula.
Maior parte da membrana plasmática é feita de lipídios e
proteínas, composição chamada de lipoproteica e seu
modelo mais aceito é o promovido por Singer e Nicholson.
Ela tem uma bicamada de fosfolipídios, uma voltada para
o meio externo e outra para o meio interno. Parte desses
fosfolipídios é hidrófila ou hidrofílica, ou seja, tem
afinidade por água. Já a parte mais interna da membrana
não interage com água, pois não possui afinidade por ela,
e é chamada hidrofóbica. Na bicamada encontram-se
proteínas que estão inseridas, estas são as proteínas de
membrana integrais; quando estão localizadas na periferia
da membrana plasmática, são chamadas proteínas
periféricas. Porém, não é só composta disso, a membrana
também se compõe de açúcares (carboidratos), e outro
tipo de lipídio também esta presente na sua formação, o
colesterol.
A membrana plasmática é extremamente fina, e só
é

capaz

de

eletrônico.

ser
Por

enxergada
ser

tão

através
fina

de

microscópio

assim,

outras

estruturas a recobrem, atribuindo-lhe uma proteção
extra, que são parede celular e glicocálix, o qual
Página8
possui

função

animais,

o

primordial

glicocálix

reconhecimento

de

proteção.

também

celular,

terá

sendo,

Nos
de

exemplo,

por

função

de

grande importância em transplantes. Assim, quanto
mais parecido o glicocalix de uma pessoa for com
o

de

outra,

mais

fácil

a

compatibilidade

da

doação.
A

parede

células
algas

celular

animais,
(sendo

(sendo

não

se

apenas

composta

composta

polissacarídeo)

por
e

encontra

em

presente

células

por

de

plantas

celulose),

quitina,

bactérias

um

em
e

fungos

carboidrato

(tendo

em

sua

composição glicose, açucares e proteínas).
Funções:
Controla

a

entrada

e

saída

de

substâncias

na

célula;
Recebe

informações

célula

perceber

do

a

ambiente

mudança

e

que

permite

responder

a
os

estímulos;
Comunica-se

com

células

vizinhas

e

com

o

organismo como todo;
Participa de processos metabólicos e da síntese de
substâncias.
Estrutura Molecular:
Bicamada

lipídica:

fornece

a

estrutura

básica

da

membrana e serve como barreira de permeabilidade
Moléculas

protéicas:

na

face

externa

atua

como

receptora de substâncias e na face interna se liga
ao citoesqueleto.
Glicocálix

Página9
Camada

de

lipídios,

carboidratos
presente

ligados

na

a

proteínas

superfície

ou

externa

a
da

membrana plasmática.
Funções:
celular

adesão entre as

(células

iguais

células, reconhecimento

se

unem),

reconhecimento

de substâncias e transporte de substâncias.
Especializações:
São modificações na membrana plasmática
a)

microvilosidades:

são

projeções

da

membrana

com a forma de dedos de luva que possuem função
absortiva.
b)

desmossomos:

tem

a

finalidade

são
de

projeções
aumentar

da
a

membrana

ligação

entre

que
as

células.
c)

interdigitações:

também

em

encaixam

forma
em

são
de

projeções
dedos

projeções

de

da

membrana

luva,

que

complementares

se
na

membrana adjacente
d)

zônulas

de

oclusão:

ocorre

entre

membranas

adjacentes, são regiões estreitas que servem para
vedar

o

espaço

intercelular,

evitando

a

passagem

diversas

substâncias

de líquido.

Permeabilidade:

É

o

processo

pelo

qual

as

podem atravessar a membrana plasmática.
A parte lipídica permite a passagem de substâncias
lipossolúveis.
A

parte

protéica

permite

a

passagem

de

substâncias hidrossolúveis.
Página10
Transporte passivo:

Ocorre sem gasto de energia pela célula e procura
estabelecer um equilíbrio na concentração de dois
meios.
Difusão simples:
É o movimento de moléculas (soluto) de um meio
de

maior

concentração

para

um

meio

de

menor

concentração.
Quanto

maior

a

concentração

maior

será

a

velocidade de difusão simples.
Exemplo: gases em geral.
Osmose:
É

um

caso

especial

de

difusão,

nesse

processo

ocorre um fluxo espontâneo apenas do solvente, do
meio

menos

concentrado

em

soluto

para

o

meio

mais concentrado.
Quando

uma

hipertônico,

célula
ela

vai

é

colocada

perder

em

volume

um

meio

através

de

osmose.
Quando se coloca em um meio hipotônico, ela vai
aumentar o seu volume através da osmose.
Difusão facilitada:
Ocorre através de poros específicos ou através de
moléculas transportadoras específicas.
Transporte ativo:
É necessário que se transporte substâncias para o
interior

da

célula

contra

um

gradiente

de

concentração.
Não é espontâneo, necessitando que a célula gaste
energia.
Página11
Exemplo:

Concentração

de

Sódio

(Na)

e

Potássio

(K).
A concentração de potássio é maior dentro do que
fora da célula;
A concentração de sódio é maior fora da célula do
que dentro da célula;
A proporção de sódio e potássio é diferente. 3 de
sódio: 2 de potássio.
Isso altera o equilíbrio osmótico da célula.
Bomba de sódio e potássio
Função:

reposicionar

os

íons

em

seus

locais

de

origem.
Funcionamento:
Para cada molécula de ATP utilizada, dois íons de
potássio

entram

na

célula

e

três

íons

de

sódio

saem da célula.
Como saem 3 moléculas positivas (Na) e entram 2
(K), o meio externo fica carregado positivamente.
Transporte em Bloco:
Ocorre

a

transferência

de

macromoléculas

e

até

mesmo partículas visíveis ao microscópio, para o
interior da célula.
Fagocitose:
É

o

englobamento

de

partículas

sólidas

pela

célula.
Importante

na

alimentação

de

alguns

organismos,

como os protozoários.
Pinocitose:
É

a

incorporação

de

material

líquido

para

o

interior da célula.

Página12
É possível mudar nossas vidas e a atitude daqueles
que

nos

cercam

simplesmente

mudando

a

nós

mesmos. (Rudolf Dreikurs)

Página13
Organelas Citoplasmáticas

A célula animal cumpre todas as funções vitais da
vida como o metabolismo, o anabolismo, a
respiração, a reprodução e a capacidade de reagir
às modificações do meio-ambiente. A célula animal
possui três partes funcionalmente distintas:
membrana (ou parede externa), citoplasma e
núcleo.
A membrana plasmática que envolve qualquer tipo
de célula, seja animal ou vegetal, é composta
segundo modelo de Singer e Nicholson por grandes
moléculas protéicas que podem atravessar toda a
membrana e pequenas moléculas de lípides
(gorduras), sendo portanto uma membrana lipoprotéica. A membrana tem uma função de semipermeabilidade, sendo que as moléculas protéicas
cumprem o papel de enzimas que fazem o
transporte ativo de substâncias.
Para o funcionamento da célula se faz necessária a
presença de energia. A organela responsável por
obter energia para a célula é a mitocôndria. A
mitocôndria possui uma membrana externa lisa e
lipo-protéica. Internamente ela possui uma
membrana lipo-protéica que possui dobras
chamadas cristas mitocondriais que estão
envolvidas num gel composto por proteínas, água e
sais mineirais.
A respiração celular consiste em obter energia
através do alimento da célula, quase sempre a
glicose, em presença de oxigênio.
Página14
O complexo de Golgi é formado por uma série de
bolsas, sáculos achatados e vesículas que fazem o
armazenamento e a secreção de substâncias que são
produzidas pela célula. Cada conjunto de sáculos
achatados são chamados de dictiossomos. Quase
sempre o complexo de Golgi une o núcleo e
citoplasma a um pólo excretor da célula.
O retículo endoplasmático é encontrado na célula
na forma lisa e rugosa. O retículo endoplasmático
rugoso, assim chamado pela presença de
ribossomos, tem a função de fazer a síntese de
proteínas. Os canais do retículo endoplasmático
encaminham as substâncias para o complexo de
Golgi para posterior excreção.
Presente somente em células animais, os
lisossomos são compostos por uma membrana lipoprotéica externa e enzimas digestivas internas. O
lisossomo é responsável pela “quebra” dos
alimentos, ou seja, a digestão intracelular.
O conjunto de pequenos túbulos utilizados na
divisão celular é chamado de centríolo, presente
somente nas células animais. Durante a divisão
celular os centríolos formam o fuso acromático
que encaminham os cromossomos para as células
filhas. Os centríolos também formam cílios e
flagelos que possibilitam a locomoção de células e
substâncias através de seus movimentos.
O núcleo, que comanda todas as atividades
celulares, é possui a carioteca, uma membrana
porosa que permite a passagem de substâncias do
carioplasma para o citoplasma e vice-versa. Dentro
Página15
do núcleo temos o nucléolo (um núcleo dentro do
núcleo) que faz o armazenamento de RNA
ribossômica que é matéria prima para a síntese de
ribossomos. Quanto maior o metabolismo de
síntese de proteína de uma célula, maior será o
nucléolo.

Página16
RESUMO:
MEMBRANA PLASMÁTICA – LIPOPROTÉICA
MITOCÔNDRIA – RESPIRAÇÃO CELULAR
LISOSSOMOS – DIGESTÃO INTRACELULAR
COMPLEXO DE GOLGI – ARMAZENAMENTO E
SECREÇÃO
RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO – TRANSPORTE
RIBOSSOMOS – SÍNTESE PROTÉICA
RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO OU
ERGASTOPLASMA – SÍNTESE DE PROTEÍNAS
CENTRÍOLOS – DIVISÃO CELULAR E COORDENAÇÃO
DE CÍLIOS E FLAGELOS
CÉLULA VEGETAL:
MEMBRANA CELULÓSICA (PAREDE CELULAR) –
SUSTENTAÇÃO
PLASTOS – ARMAZENAMENTO DE SUBSTÂNCIAS NÃO
SOLÚVEIS EM ÁGUA
CLOROPLASTOS – FOTOSSÍNTESE
COMPLEXO DE GOLGI – FRAGMENTADO
(DICTIOSSOMOS)

Página17
Mitose
Mitose, também conhecida como cariocinese e
cariomitose, é um conceito relacionado com
biologia que representa o processo de divisão
celular indireta pela diferenciação dos
cromossomos e sua distribuição em duas partes
iguais. É o processo normal de divisão do núcleo
celular em dois; precede a divisão celular.
Decorre geralmente como forma de uma divisão
celular homeotípica, que tem a função de
transmitir às células filhas a informação genética
dos cromossomos do núcleo sem qualquer alteração
quantitativa ou qualitativa, no que se diferencia
da meiose.
Na interfase, o período entre duas divisões
nucleares, tem lugar a duplicação dos cromossomos
e a replicação idêntica do DNA. A mitose pode se
efetuar em um tempo que oscila entre poucos
minutos a várias horas.
Normalmente uma divisão celular é seguida por
uma divisão celular. Pode aparecer uma
multiplicação do número de cromossomos quando
tem lugar uma divisão longitudinal, repetida nos
cromossomos, sem que no seguimento se efetue
uma distribuição de cromossomos filhos e uma
formação de núcleos filhos (endomitose). Este tipo
de núcleos com cromossomos múltiplos se chama
poliploides.

Página18
Mitose e suas fases
A mitose se divide em várias fases: na prófase, de
preparação, a cromatina amorfa se condensa até
formar os cromossomos, que se compõem de dois
cromatídios, unidos apenas na região dos
centrômeros; a membrana nuclear e o nucléolo
começam a se dissolver e nos polos aparecem
massas fibrosas que constituem o aparelho miótico
ou fuso acromático. Nele se encontram inseridos
os cromossomos pelo centrômero, que iniciam o
seu deslocamento em direção à placa equatorial.
Na metáfase, os cromossomos, muito encurtados
devido a um retraimento em espiral dos
cromonemas, se unem no centro da célula,
formando a placa equatorial.
Na anáfase, as metades idênticas dos cromossomos
(denominados agora de cromossomos filhos) se
separam em direção aos polos por influência do
fuso acromático; frequentemente se torna visível
uma nova divisão longitudinal dos cromossomos
como preparação para a próxima divisão nuclear.
Os cromossomos filhos se agrupam nos polos e na
telófase se rodeiam de nova membrana celular e
reaparece o nucléolo; no final, os cromossomos
totalmente desenrolados se tornam invisíveis.

Página19
Células Eucariontes.
As células eucariontes, também denominadas
células eucarióticas, são consideradas células
verdadeiras, mais complexas em relação às
procarióticas por possuírem um desenvolvido
sistema de membranas.
Esse tipo celular, típico da constituição estrutural
dos fungos, protozoários, animais e plantas,
apresenta interior celular bem compartimentado,
ou seja, uma divisão de funções metabólicas entre
as organelas citoplasmáticas: retículo
endoplasmático liso e rugoso (RER), mitocôndrias,
organoplastos, lisossomos, peroxissomo e
complexo de golgi.
No entanto, um importante aspecto evolutivo das
células eucarióticas é a individualização de um
núcleo ou carioteca, delimitado por membrana
nuclear ou cariomembrana, restringindo em seu
interior o material cromossômico.
Evolutivamente, acredita-se que o surgimento das
células eucariontes tenha partido do processo de
emissão de prolongamentos ou invaginações da
membrana plasmática em células primitivas, que
foram adquirindo crescente complexidade à medida
que se multiplicavam.
Quanto à existência dos cloroplastos e mitocôndrias
no interior dos eucariotos, acredita-se que
relações simbióticas foram mantidas entre células
Página20
procarióticas englobadas por células eucarióticas,
mantendo um harmônico

Página21
sistema celular.

Página22
[Nome do Curso] Programa do
Curso
[Semestre e Ano]

Informações do Instrutor
In

E

L

st

m

oc

r

a

al

ut

il

iz

or

aç
ão
do
Es
cr
it
ór
io
e
H
or
as
de
Tr
ab
al
ho

[

[

[

N

E

L

o

n

o

m

d

ca

Página23
e

e

l,

d

r

H

o

e

or

I

ç

as

n

o

,

st

d

D

r

e

ia

u

e

s]

t

m

o

a

r]

i
l
]

Informações Gerais
Descrição

Para substituir um texto de espaço
reservado (como [Nome do Curso] acima),
clique nele e digite.
Expectativas e metas

Você provavelmente gostará da aparência
desse programa de curso profissional e de
visual limpo tanto quanto nós. Mas
também é fácil obter exatamente a
aparência desejada. Na guia Design da
faixa de opções, confira as galerias de
Temas, Cores e Fontes para visualizar as
opções em seu documento. Depois, clique
para aplicar a opção desejada.

Página24
Materiais do Curso
Materiais necessários

Você precisa de um título ou de um
marcador? Na guia Página Inicial, na
galeria de Estilos, escolha um dos estilos
usados neste programa de curso.


Clique aqui para adicionar texto.



Clique aqui para adicionar texto.
Materiais opcionais

Deseja adicionar ao seu documento mais
tabelas com uma aparência semelhante às
de Agenda do Curso e Agenda de Exames
apresentadas a seguir? Isso é muito fácil.
Na guia Inserir, clique em Tabela para
adicionar uma nova tabela. As novas
tabelas criadas neste modelo são
automaticamente formatadas de forma
adequada.
Texto Necessário

[Nome do Item] [Tipo de Mídia], [Nome
do Autor]
[Nome do Item] [Tipo de Mídia], [Nome
do Autor]

Página25
Agenda do Curso
S

T

L

E

e

ó

e

x

m

p

i

e

a

i

t

r

n

c

u

c

a

o

r

í

a

c
i
o
s

Agenda de Exames
Data

Assunto

Informações e Recursos Adicionais
Clique aqui para adicionar um subtítulo

Clique aqui para adicionar texto.

Página26

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

CéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicasCéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicas
Tânia Reis
 
Celular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontesCelular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontes
Pedro Lopes
 
Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2   noções gerais da estrutura e das funções celularesAula 2   noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
fbtorraca
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
CasiMedi.com
 
organização geral das celulas
organização geral das celulasorganização geral das celulas
organização geral das celulas
Renata Cabral
 

Mais procurados (20)

CéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicasCéLulas EucarióTicas
CéLulas EucarióTicas
 
Estrutura celular
Estrutura celularEstrutura celular
Estrutura celular
 
A Célula
A CélulaA Célula
A Célula
 
Celular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontesCelular prcariontes e eucariontes
Celular prcariontes e eucariontes
 
Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2   noções gerais da estrutura e das funções celularesAula 2   noções gerais da estrutura e das funções celulares
Aula 2 noções gerais da estrutura e das funções celulares
 
Citoplasma celular
Citoplasma celularCitoplasma celular
Citoplasma celular
 
Células procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontesCélulas procariontes e eucariontes
Células procariontes e eucariontes
 
Célula vegetal e osmose
Célula vegetal e osmoseCélula vegetal e osmose
Célula vegetal e osmose
 
02) a célula
02) a célula02) a célula
02) a célula
 
Biologi a 2019
Biologi a  2019Biologi a  2019
Biologi a 2019
 
Célula
CélulaCélula
Célula
 
Célula vegetal
Célula vegetalCélula vegetal
Célula vegetal
 
Célula eucariótica
Célula eucarióticaCélula eucariótica
Célula eucariótica
 
Estruturas Celulares
Estruturas CelularesEstruturas Celulares
Estruturas Celulares
 
organização geral das celulas
organização geral das celulasorganização geral das celulas
organização geral das celulas
 
Célula Eucariótica
Célula EucarióticaCélula Eucariótica
Célula Eucariótica
 
A1 origem-organização-celular
A1 origem-organização-celularA1 origem-organização-celular
A1 origem-organização-celular
 
A CéLula
A CéLulaA CéLula
A CéLula
 
Célula animal e vegetal
Célula animal e vegetalCélula animal e vegetal
Célula animal e vegetal
 
Biomembranas
BiomembranasBiomembranas
Biomembranas
 

Destaque

Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
FJDOliveira
 
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídiasEspiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
naiellyrodrigues
 
Seminário sobre Mitocôndrias
Seminário sobre MitocôndriasSeminário sobre Mitocôndrias
Seminário sobre Mitocôndrias
Lucas Machado
 
Organização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célulaOrganização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célula
Roberta Almeida
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
ajsmorais
 
para 1S- Exercicios respiração celular
para 1S- Exercicios respiração celularpara 1S- Exercicios respiração celular
para 1S- Exercicios respiração celular
Ionara Urrutia Moura
 

Destaque (20)

Técnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celularTécnicas histológicas – biologia celular
Técnicas histológicas – biologia celular
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
 
Cilios flagelos
Cilios flagelosCilios flagelos
Cilios flagelos
 
Tipos de Células
Tipos de CélulasTipos de Células
Tipos de Células
 
As células constituem os seres vivos
As células constituem os seres vivosAs células constituem os seres vivos
As células constituem os seres vivos
 
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídiasEspiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
Espiroquetas, micoplasmas, riquétsias, clamídias
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
 
Seminário sobre Mitocôndrias
Seminário sobre MitocôndriasSeminário sobre Mitocôndrias
Seminário sobre Mitocôndrias
 
Mitocôndrias
MitocôndriasMitocôndrias
Mitocôndrias
 
Organização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célulaOrganização celular - tipos de célula
Organização celular - tipos de célula
 
Organização celular
Organização celularOrganização celular
Organização celular
 
Mitocôndrias e respiração celular
Mitocôndrias e respiração celularMitocôndrias e respiração celular
Mitocôndrias e respiração celular
 
Tipos Celulares
Tipos CelularesTipos Celulares
Tipos Celulares
 
Origem da Célula Eucarionte
Origem da Célula EucarionteOrigem da Célula Eucarionte
Origem da Célula Eucarionte
 
A evolução do celular
A evolução do celularA evolução do celular
A evolução do celular
 
para 1S- Exercicios respiração celular
para 1S- Exercicios respiração celularpara 1S- Exercicios respiração celular
para 1S- Exercicios respiração celular
 
Células Procariontes e Eucariontes
Células Procariontes e EucariontesCélulas Procariontes e Eucariontes
Células Procariontes e Eucariontes
 
Células
CélulasCélulas
Células
 
Aula 06 citoplasma
Aula 06   citoplasmaAula 06   citoplasma
Aula 06 citoplasma
 
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida1S- Exercícios divisão celular   70 questoes- respondida
1S- Exercícios divisão celular 70 questoes- respondida
 

Semelhante a Células eucariontes

Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal
flaviajulianee
 
Célula vegetal parede celulósica
Célula vegetal parede celulósicaCélula vegetal parede celulósica
Célula vegetal parede celulósica
Marcos Albuquerque
 
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
SandroMendes25
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
CristianaLealSabel
 

Semelhante a Células eucariontes (20)

2.1
2.12.1
2.1
 
Biologia Celular
Biologia CelularBiologia Celular
Biologia Celular
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 
A Organização das Células nos organismo
A  Organização das Células nos organismoA  Organização das Células nos organismo
A Organização das Células nos organismo
 
_aula 1 - 8 ano.ppt
_aula 1 - 8 ano.ppt_aula 1 - 8 ano.ppt
_aula 1 - 8 ano.ppt
 
_aula 1 - 8 ano.ppt
_aula 1 - 8 ano.ppt_aula 1 - 8 ano.ppt
_aula 1 - 8 ano.ppt
 
Celula procarionte
Celula procarionte Celula procarionte
Celula procarionte
 
Celula
CelulaCelula
Celula
 
Biologia
BiologiaBiologia
Biologia
 
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdfLivro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
Livro de bio celular e molecular Junqueira e Carneiro.pdf
 
Junqueira & Carneiro - Biologia celular e molecular - 9 Ed.pdf
Junqueira & Carneiro - Biologia celular e molecular - 9 Ed.pdfJunqueira & Carneiro - Biologia celular e molecular - 9 Ed.pdf
Junqueira & Carneiro - Biologia celular e molecular - 9 Ed.pdf
 
Célula 2
Célula 2Célula 2
Célula 2
 
Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal Explicação da Célula Vegetal
Explicação da Célula Vegetal
 
Célula vegetal parede celulósica
Célula vegetal parede celulósicaCélula vegetal parede celulósica
Célula vegetal parede celulósica
 
Resumão Citologia
Resumão CitologiaResumão Citologia
Resumão Citologia
 
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
Aula04 citoplasma ou-hialoplasmacbm05012022
 
Organelas
OrganelasOrganelas
Organelas
 
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdfCitologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
Citologia - introdução e visão geral dos componentes celulares.pdf
 
Biologia membrana plasmatica
Biologia membrana plasmaticaBiologia membrana plasmatica
Biologia membrana plasmatica
 
Citologia
CitologiaCitologia
Citologia
 

Células eucariontes

  • 1. Células Eucariontes. As células eucariontes, também denominadas células eucarióticas, são consideradas células verdadeiras, mais complexas em relação às procarióticas por possuírem um desenvolvido sistema de membranas. Esse tipo celular, típico da constituição estrutural dos fungos, protozoários, animais e plantas, apresenta interior celular bem compartimentado, ou seja, uma divisão de funções metabólicas entre as organelas citoplasmáticas: retículo endoplasmático liso e rugoso (RER), mitocôndrias, organoplastos, lisossomos, peroxissomo e complexo de golgi. No entanto, um importante aspecto evolutivo das células eucarióticas é a individualização de um núcleo ou carioteca, delimitado por membrana nuclear ou cariomembrana, restringindo em seu interior o material cromossômico. Evolutivamente, acredita-se que o surgimento das células eucariontes tenha partido do processo de emissão de prolongamentos ou invaginações da membrana plasmática em células primitivas, que foram adquirindo crescente complexidade à medida que se multiplicavam. Quanto à existência dos cloroplastos e mitocôndrias no interior dos eucariotos, acredita-se que relações simbióticas foram mantidas entre células procarióticas englobadas por células eucarióticas, mantendo um harmônico sistema celular. Página1
  • 2. Resumo células eucariontes. O que são celulas eucariontes. A célula eucariótica apresenta núcleo verdadeiro - o material genético está separado do citoplasma por uma membrana nuclear (carioteca) - e outras estruturas que não aparecem nos procariontes. Os seres vivos, que possuem somente células eucarióticas no seu corpo, são chamados seres eucariontes (eu=verdadeiro + karyon= núcleo = núcleo verdadeiro). Os eucariontes podem ser unicelulares como os protozoários, algumas algas e certos fungos; ou pluricelulares como os animais, as plantas e os fungos em geral. A célula eucariótica deve ter surgido da procariótica por dois processos: invaginações da membrana formaram canais e vesículas e originaram várias estruturas, como a membrana nuclear, o retículo endoplasmático, o complexo golgiense e outras. outras organelas, como a mitocôndria e o cloroplasto, surgiram de bactérias que invadiram as células primitivas e passaram a viver em seu interior. Os componentes que podem estar presentes em uma célula eucariótica são: parede celular, membrana plasmática. citoplasma, complexo golgiense, centríolos, microtúbulos, microfilamentos, Página2
  • 3. mitocôndria, retículo endoplasmático liso, retículo endoplasmático rugoso, núcleo, membrana nuclear, nucléolo, cromatina, ribossomos, vacúolo de suco celular, cloroplasto vacúolo digestivo, lisossomos, peroxissomos Página3
  • 4. CÉLULAS PROCARIONTES Caracteristicamente, as células procariontes apresentam um número reduzido de membranas, estando geralmente presente somente a membrana plasmática. Ao contrário das células eucariontes, as procariontes não apresentam um envoltório nuclear separando os cromossomos do citoplasma. Todos os seres vivos que possuem células procariontes são chamados procariotas, sendo esse tipo de célula característico das bactérias, incluindo neste grupo as algas azuis ou cianofíceas, também consideradas bactérias. Lembre-se que quando falávamos sobre a evolução das células, abordamos o assunto de que as primeiras células procariontes autotróficas a se desenvolverem deveriam ser muito parecidas com as cianofíceas atualmente viventes. Entre as células procariontes mais estudadas está a bactéria Escherichia coli, muito utilizada em estudos de biologia molecular por apresentar rapidez de multiplicação e simplicidade estrutural. Esta bactéria possui a forma aproximada de um bastão, com cerca de 2 µm de comprimento, apresentando uma membrana plasmática, muito semelhante à observada em células eucariontes, que separa o meio interno do externo. Externamente à esta membrana plasmática, existe ainda uma parede rígida, que possui cerca de 20 nm de espessura, formada por uma complexo de glicosaminoglicanas e proteínas. A principal função da parede rígida está em proporcionar proteção mecânica à estas bactérias. Juntamente com Staphylococcus aureus, Página4
  • 5. Escherichia coli é a bactéria mais comum na flora intestinal do ser humano. Na matriz citoplasmática dos indivíduos de Escherichia coli existem diversas moléculas de ribossomos ligados a moléculas de RNA mensageiro (mRNA), formando os chamados polirribossomos. Observa-se também dois (ou mais) cromossomos praticamente idênticos, com formato circular, ocupando regiões denominadas nucleóides e na maior parte das vezes presos a diferentes pontos da membrana plasmática. Cada cromossomo bacteriano é constituído de DNA não associado a histonas, que são as proteínas que compõem a cromatina dos eucariontes. Apresentam espessura de aproximadamente 2 nm e 1,2 mm de comprimento. As células procariontes não se dividem por mitose, sendo que seus filamentos de DNA não passam pelo processo de condensação que leva a formação de cromossomos visíveis em microscopia óptica, durante o processo de divisão celular. O citoplasma dos procariotas normalmente não apresenta nenhuma outra membrana além da plasmática, que o separa do meio externo. Em alguns casos, a membrana plasmática pode apresentar invaginações, conhecidas como mesossomos, que têm como principal finalidade aumentar a eficiência do processo respiratório. No citoplasma dos procariotas que fotossíntese, clorofila ou possuem existem a algumas ainda a capacidade membranas outros de realizar a associadas à pigmentos que são responsáveis por captar a luminosidade. Outra diferença marcante entre a célula procarionte e a eucarionte refere-se à ausência de citoesqueleto nas células procariontes. Conforme veremos mais para frente Página5
  • 6. em nosso curso, o citoesqueleto é responsável pela forma e pelo movimento das células, salientando células possuem formas variadas e ainda que complexas, as citando como exemplo os neurônios. De forma geral, uma célula procarionte forma possui esférica, a forma sendo de que a um pequeno manutenção bastão desta ou a forma é proporcionada pela parede extracelular rígida, produzida na matriz citoplasmática e agregada externamente em relação à membrana plasmática. Além desta função, a parede extracelular fornece proteção às células encontradas natureza, bacterianas. habitando sendo As podem ser mais os bactérias variados ambientes na que alguns desses habitados devido à podem ser parede extracelular, já que ambientes proteção somente oferecida pela muitos destes ambientes são extremamente agressivos e nenhuma outra forma de vida consegue sobreviver sob tais condições. Além desta função, a parede extracelular fornece proteção às células encontradas natureza, bacterianas. habitando sendo As podem ser mais os bactérias variados ambientes na que alguns desses habitados devido à podem ser parede extracelular, já que ambientes proteção somente oferecida pela muitos destes ambientes são extremamente agressivos e nenhuma outra forma de vida consegue sobreviver sob tais condições. Entretanto, a diferença mais significativa entre as células eucariontes e membranas as nas células células procariontes, procariontes. é a pobreza de Diferentemente do que veremos para as células eucariontes, o citoplasma dos procariotas não se encontra subdividido compartimentos. Página6 em
  • 7. Celulas procariontes As células procariontes ou procarióticas, também chamadas de protocélulas, são muito diferentes das eucariontes. A sua principal característica é a ausência da membrana carioteca individualizando o núcleo celular, pela ausência de alguns organelos e pelo pequeno tamanho que se acredita que se deve ao fato de não possuírem compartimentos membranosos originados por evaginação ou invaginação. Também possuem DNA na forma de um anel associado a proteínas básicas e não a histonas (como acontece nas células eucarióticas, nas quais o ADN se dispõe em filamentos espiralados e associados a histonas).[2] Estas células são desprovidas de mitocôndrias, plastídeos, complexo de Golgi, retículo endoplasmático e sobretudo cariomembrana o que faz com que o ADN fique disperso no citoplasma. A este grupo pertencem seres pubianoses ou peuvicos: Bactérias Cianófitas (Cyanobacterias) Página7
  • 8. Membrana plasmática – Funções e estrutura Definição: é uma membrana que envolve a superfície de toda e qualquer célula, seja ela animal ou vegetal, eucariótica ou procariótica. A estrutura de uma célula é composta por núcleo, citoplasma e membrana plasmática. A membrana plasmática tem três funções principais: revestimento, proteção e permeabilidade seletiva, sendo esta última sua função mais comum. Ela seleciona quais são as substâncias que vão entrar e sair da célula. Maior parte da membrana plasmática é feita de lipídios e proteínas, composição chamada de lipoproteica e seu modelo mais aceito é o promovido por Singer e Nicholson. Ela tem uma bicamada de fosfolipídios, uma voltada para o meio externo e outra para o meio interno. Parte desses fosfolipídios é hidrófila ou hidrofílica, ou seja, tem afinidade por água. Já a parte mais interna da membrana não interage com água, pois não possui afinidade por ela, e é chamada hidrofóbica. Na bicamada encontram-se proteínas que estão inseridas, estas são as proteínas de membrana integrais; quando estão localizadas na periferia da membrana plasmática, são chamadas proteínas periféricas. Porém, não é só composta disso, a membrana também se compõe de açúcares (carboidratos), e outro tipo de lipídio também esta presente na sua formação, o colesterol. A membrana plasmática é extremamente fina, e só é capaz de eletrônico. ser Por enxergada ser tão através fina de microscópio assim, outras estruturas a recobrem, atribuindo-lhe uma proteção extra, que são parede celular e glicocálix, o qual Página8
  • 9. possui função animais, o primordial glicocálix reconhecimento de proteção. também celular, terá sendo, Nos de exemplo, por função de grande importância em transplantes. Assim, quanto mais parecido o glicocalix de uma pessoa for com o de outra, mais fácil a compatibilidade da doação. A parede células algas celular animais, (sendo (sendo não se apenas composta composta polissacarídeo) por e encontra em presente células por de plantas celulose), quitina, bactérias um em e fungos carboidrato (tendo em sua composição glicose, açucares e proteínas). Funções: Controla a entrada e saída de substâncias na célula; Recebe informações célula perceber do a ambiente mudança e que permite responder a os estímulos; Comunica-se com células vizinhas e com o organismo como todo; Participa de processos metabólicos e da síntese de substâncias. Estrutura Molecular: Bicamada lipídica: fornece a estrutura básica da membrana e serve como barreira de permeabilidade Moléculas protéicas: na face externa atua como receptora de substâncias e na face interna se liga ao citoesqueleto. Glicocálix Página9
  • 10. Camada de lipídios, carboidratos presente ligados na a proteínas superfície ou externa a da membrana plasmática. Funções: celular adesão entre as (células iguais células, reconhecimento se unem), reconhecimento de substâncias e transporte de substâncias. Especializações: São modificações na membrana plasmática a) microvilosidades: são projeções da membrana com a forma de dedos de luva que possuem função absortiva. b) desmossomos: tem a finalidade são de projeções aumentar da a membrana ligação entre que as células. c) interdigitações: também em encaixam forma em são de projeções dedos projeções de da membrana luva, que complementares se na membrana adjacente d) zônulas de oclusão: ocorre entre membranas adjacentes, são regiões estreitas que servem para vedar o espaço intercelular, evitando a passagem diversas substâncias de líquido. Permeabilidade: É o processo pelo qual as podem atravessar a membrana plasmática. A parte lipídica permite a passagem de substâncias lipossolúveis. A parte protéica permite a passagem de substâncias hidrossolúveis. Página10
  • 11. Transporte passivo: Ocorre sem gasto de energia pela célula e procura estabelecer um equilíbrio na concentração de dois meios. Difusão simples: É o movimento de moléculas (soluto) de um meio de maior concentração para um meio de menor concentração. Quanto maior a concentração maior será a velocidade de difusão simples. Exemplo: gases em geral. Osmose: É um caso especial de difusão, nesse processo ocorre um fluxo espontâneo apenas do solvente, do meio menos concentrado em soluto para o meio mais concentrado. Quando uma hipertônico, célula ela vai é colocada perder em volume um meio através de osmose. Quando se coloca em um meio hipotônico, ela vai aumentar o seu volume através da osmose. Difusão facilitada: Ocorre através de poros específicos ou através de moléculas transportadoras específicas. Transporte ativo: É necessário que se transporte substâncias para o interior da célula contra um gradiente de concentração. Não é espontâneo, necessitando que a célula gaste energia. Página11
  • 12. Exemplo: Concentração de Sódio (Na) e Potássio (K). A concentração de potássio é maior dentro do que fora da célula; A concentração de sódio é maior fora da célula do que dentro da célula; A proporção de sódio e potássio é diferente. 3 de sódio: 2 de potássio. Isso altera o equilíbrio osmótico da célula. Bomba de sódio e potássio Função: reposicionar os íons em seus locais de origem. Funcionamento: Para cada molécula de ATP utilizada, dois íons de potássio entram na célula e três íons de sódio saem da célula. Como saem 3 moléculas positivas (Na) e entram 2 (K), o meio externo fica carregado positivamente. Transporte em Bloco: Ocorre a transferência de macromoléculas e até mesmo partículas visíveis ao microscópio, para o interior da célula. Fagocitose: É o englobamento de partículas sólidas pela célula. Importante na alimentação de alguns organismos, como os protozoários. Pinocitose: É a incorporação de material líquido para o interior da célula. Página12
  • 13. É possível mudar nossas vidas e a atitude daqueles que nos cercam simplesmente mudando a nós mesmos. (Rudolf Dreikurs) Página13
  • 14. Organelas Citoplasmáticas A célula animal cumpre todas as funções vitais da vida como o metabolismo, o anabolismo, a respiração, a reprodução e a capacidade de reagir às modificações do meio-ambiente. A célula animal possui três partes funcionalmente distintas: membrana (ou parede externa), citoplasma e núcleo. A membrana plasmática que envolve qualquer tipo de célula, seja animal ou vegetal, é composta segundo modelo de Singer e Nicholson por grandes moléculas protéicas que podem atravessar toda a membrana e pequenas moléculas de lípides (gorduras), sendo portanto uma membrana lipoprotéica. A membrana tem uma função de semipermeabilidade, sendo que as moléculas protéicas cumprem o papel de enzimas que fazem o transporte ativo de substâncias. Para o funcionamento da célula se faz necessária a presença de energia. A organela responsável por obter energia para a célula é a mitocôndria. A mitocôndria possui uma membrana externa lisa e lipo-protéica. Internamente ela possui uma membrana lipo-protéica que possui dobras chamadas cristas mitocondriais que estão envolvidas num gel composto por proteínas, água e sais mineirais. A respiração celular consiste em obter energia através do alimento da célula, quase sempre a glicose, em presença de oxigênio. Página14
  • 15. O complexo de Golgi é formado por uma série de bolsas, sáculos achatados e vesículas que fazem o armazenamento e a secreção de substâncias que são produzidas pela célula. Cada conjunto de sáculos achatados são chamados de dictiossomos. Quase sempre o complexo de Golgi une o núcleo e citoplasma a um pólo excretor da célula. O retículo endoplasmático é encontrado na célula na forma lisa e rugosa. O retículo endoplasmático rugoso, assim chamado pela presença de ribossomos, tem a função de fazer a síntese de proteínas. Os canais do retículo endoplasmático encaminham as substâncias para o complexo de Golgi para posterior excreção. Presente somente em células animais, os lisossomos são compostos por uma membrana lipoprotéica externa e enzimas digestivas internas. O lisossomo é responsável pela “quebra” dos alimentos, ou seja, a digestão intracelular. O conjunto de pequenos túbulos utilizados na divisão celular é chamado de centríolo, presente somente nas células animais. Durante a divisão celular os centríolos formam o fuso acromático que encaminham os cromossomos para as células filhas. Os centríolos também formam cílios e flagelos que possibilitam a locomoção de células e substâncias através de seus movimentos. O núcleo, que comanda todas as atividades celulares, é possui a carioteca, uma membrana porosa que permite a passagem de substâncias do carioplasma para o citoplasma e vice-versa. Dentro Página15
  • 16. do núcleo temos o nucléolo (um núcleo dentro do núcleo) que faz o armazenamento de RNA ribossômica que é matéria prima para a síntese de ribossomos. Quanto maior o metabolismo de síntese de proteína de uma célula, maior será o nucléolo. Página16
  • 17. RESUMO: MEMBRANA PLASMÁTICA – LIPOPROTÉICA MITOCÔNDRIA – RESPIRAÇÃO CELULAR LISOSSOMOS – DIGESTÃO INTRACELULAR COMPLEXO DE GOLGI – ARMAZENAMENTO E SECREÇÃO RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO – TRANSPORTE RIBOSSOMOS – SÍNTESE PROTÉICA RETÍCULO ENDOPLASMÁTICO RUGOSO OU ERGASTOPLASMA – SÍNTESE DE PROTEÍNAS CENTRÍOLOS – DIVISÃO CELULAR E COORDENAÇÃO DE CÍLIOS E FLAGELOS CÉLULA VEGETAL: MEMBRANA CELULÓSICA (PAREDE CELULAR) – SUSTENTAÇÃO PLASTOS – ARMAZENAMENTO DE SUBSTÂNCIAS NÃO SOLÚVEIS EM ÁGUA CLOROPLASTOS – FOTOSSÍNTESE COMPLEXO DE GOLGI – FRAGMENTADO (DICTIOSSOMOS) Página17
  • 18. Mitose Mitose, também conhecida como cariocinese e cariomitose, é um conceito relacionado com biologia que representa o processo de divisão celular indireta pela diferenciação dos cromossomos e sua distribuição em duas partes iguais. É o processo normal de divisão do núcleo celular em dois; precede a divisão celular. Decorre geralmente como forma de uma divisão celular homeotípica, que tem a função de transmitir às células filhas a informação genética dos cromossomos do núcleo sem qualquer alteração quantitativa ou qualitativa, no que se diferencia da meiose. Na interfase, o período entre duas divisões nucleares, tem lugar a duplicação dos cromossomos e a replicação idêntica do DNA. A mitose pode se efetuar em um tempo que oscila entre poucos minutos a várias horas. Normalmente uma divisão celular é seguida por uma divisão celular. Pode aparecer uma multiplicação do número de cromossomos quando tem lugar uma divisão longitudinal, repetida nos cromossomos, sem que no seguimento se efetue uma distribuição de cromossomos filhos e uma formação de núcleos filhos (endomitose). Este tipo de núcleos com cromossomos múltiplos se chama poliploides. Página18
  • 19. Mitose e suas fases A mitose se divide em várias fases: na prófase, de preparação, a cromatina amorfa se condensa até formar os cromossomos, que se compõem de dois cromatídios, unidos apenas na região dos centrômeros; a membrana nuclear e o nucléolo começam a se dissolver e nos polos aparecem massas fibrosas que constituem o aparelho miótico ou fuso acromático. Nele se encontram inseridos os cromossomos pelo centrômero, que iniciam o seu deslocamento em direção à placa equatorial. Na metáfase, os cromossomos, muito encurtados devido a um retraimento em espiral dos cromonemas, se unem no centro da célula, formando a placa equatorial. Na anáfase, as metades idênticas dos cromossomos (denominados agora de cromossomos filhos) se separam em direção aos polos por influência do fuso acromático; frequentemente se torna visível uma nova divisão longitudinal dos cromossomos como preparação para a próxima divisão nuclear. Os cromossomos filhos se agrupam nos polos e na telófase se rodeiam de nova membrana celular e reaparece o nucléolo; no final, os cromossomos totalmente desenrolados se tornam invisíveis. Página19
  • 20. Células Eucariontes. As células eucariontes, também denominadas células eucarióticas, são consideradas células verdadeiras, mais complexas em relação às procarióticas por possuírem um desenvolvido sistema de membranas. Esse tipo celular, típico da constituição estrutural dos fungos, protozoários, animais e plantas, apresenta interior celular bem compartimentado, ou seja, uma divisão de funções metabólicas entre as organelas citoplasmáticas: retículo endoplasmático liso e rugoso (RER), mitocôndrias, organoplastos, lisossomos, peroxissomo e complexo de golgi. No entanto, um importante aspecto evolutivo das células eucarióticas é a individualização de um núcleo ou carioteca, delimitado por membrana nuclear ou cariomembrana, restringindo em seu interior o material cromossômico. Evolutivamente, acredita-se que o surgimento das células eucariontes tenha partido do processo de emissão de prolongamentos ou invaginações da membrana plasmática em células primitivas, que foram adquirindo crescente complexidade à medida que se multiplicavam. Quanto à existência dos cloroplastos e mitocôndrias no interior dos eucariotos, acredita-se que relações simbióticas foram mantidas entre células Página20
  • 21. procarióticas englobadas por células eucarióticas, mantendo um harmônico Página21
  • 23. [Nome do Curso] Programa do Curso [Semestre e Ano] Informações do Instrutor In E L st m oc r a al ut il iz or aç ão do Es cr it ór io e H or as de Tr ab al ho [ [ [ N E L o n o m d ca Página23
  • 24. e e l, d r H o e or I ç as n o , st d D r e ia u e s] t m o a r] i l ] Informações Gerais Descrição Para substituir um texto de espaço reservado (como [Nome do Curso] acima), clique nele e digite. Expectativas e metas Você provavelmente gostará da aparência desse programa de curso profissional e de visual limpo tanto quanto nós. Mas também é fácil obter exatamente a aparência desejada. Na guia Design da faixa de opções, confira as galerias de Temas, Cores e Fontes para visualizar as opções em seu documento. Depois, clique para aplicar a opção desejada. Página24
  • 25. Materiais do Curso Materiais necessários Você precisa de um título ou de um marcador? Na guia Página Inicial, na galeria de Estilos, escolha um dos estilos usados neste programa de curso.  Clique aqui para adicionar texto.  Clique aqui para adicionar texto. Materiais opcionais Deseja adicionar ao seu documento mais tabelas com uma aparência semelhante às de Agenda do Curso e Agenda de Exames apresentadas a seguir? Isso é muito fácil. Na guia Inserir, clique em Tabela para adicionar uma nova tabela. As novas tabelas criadas neste modelo são automaticamente formatadas de forma adequada. Texto Necessário [Nome do Item] [Tipo de Mídia], [Nome do Autor] [Nome do Item] [Tipo de Mídia], [Nome do Autor] Página25
  • 26. Agenda do Curso S T L E e ó e x m p i e a i t r n c u c a o r í a c i o s Agenda de Exames Data Assunto Informações e Recursos Adicionais Clique aqui para adicionar um subtítulo Clique aqui para adicionar texto. Página26