Pag.miudos escolinhas.pt130311

470 visualizações

Publicada em

Página Miúdos Escolinhas.pt da Pública de 13 de Março de 2011. Blogue Letra pequena online, de Rita Pimenta

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
470
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
51
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pag.miudos escolinhas.pt130311

  1. 1. miúdosPôr a escola no ecrãVerter a lógica da escola real para o espaço virtual é o que faz a plataformaEscolinhas.pt. Destina-se ao 1.º e 2.º ciclo do ensino básico e quer ser um lugarseguro. Por isso, só lá entram alunos, professores e encarregados de educação.Para aprender, trabalhar e brincar. No ecrã.Texto Rita Pimenta Ilustração Bárbara FonsecaA simplicidade é a grande aposta para os pais e para os miúdos”. E afirma que a “colaboração os trabalhos que os educandos fizeram durante o ano. “Eu, “Colaboração dos responsáveis e partilha” são os conceitos que até me considerava um pai e partilha” são pela plataforma principais da plataforma, daí atento, fiquei entusiasmado com educativa oferecer “um conjunto de tudo o que eles fizeram e que os conceitos Escolinhas.pt.“Basta as crianças saberem ler funcionalidades típicas da Web 2.0 e Web Social (wiki, blogue, não pude acompanhar. Fascinei- me também com os trabalhos principais dee já conseguem fazer muitacoisa com as ferramentas que chat, rede social, microblogging, correio electrónico, classificação, dos outros alunos. Apercebi-me de que havia ali um espaço para uma plataformadisponibilizamos”, diz Ademar etc.), especialmente fomentar mais ‘dias abertos’ e pensada paraAguiar, autor da “ideia-base de seleccionadas e adaptadas aos de comunicação entre os pais.wiki escolar para crianças do ambientes escolares do 1.º e 2.º A ideia da partilha interessa- o ensino básico,ensino básico”. Ao dizer “muita coisa”, este ciclo do ensino básico, de forma a serem de elevada usabilidade e me, não só como pessoa, mas profissionalmente.” a Escolinhas.ptprofessor da Faculdade de simplicidade de aprendizagem”. Também ficou agradadoEngenharia da Faculdade do com um trabalho apresentadoPorto está a referir-se a “ler, Mais “dias abertos” por uma estagiária: “Fez umaescrever, pintar, desenhar, Foi justamente a vontade de recolha de histórias contadascalcular, raciocinar, colaborar, partilhar que fez nascer esta pelos avós e pelos pais dasbrincar, partilhar e comunicar ideia. No final do ano lectivo de crianças e compilou os textoscom os colegas de escola, 2005, o também investigador com os miúdos. Deu origem aamigos, encarregados de no Instituto de Engenharia de um livro, a um site e a um CD.educação e professores”, como Sistemas e Computadores do Achei interessante, mas, para aé descrito no BI Escolinhas 2011. Porto, foi ao “dia aberto” da professora, foi tecnologicamenteTarefas desempenhadas de escola da sua filha, então com muito difícil. Eu não percebiforma supervisionada. Sempre. sete anos. a razão por que era assim tão Ademar Aguiar não gosta de É o momento em que as complicado.”falar de “perigos da Internet”, escolas abrem as portas aos No entanto, começou a pensarprefere focar-se “no potencial encarregados de educação e em como tornar tudo maise nos desafios que [esta] traz em que estes ficam a conhecer simples. “Em vez de esta ligação
  2. 2. resultar de um trabalho de um as crianças e a partir daí fizemosano e com apenas um dia aberto, um protótipo muito mais sério.”vamos fazer com que a partilha Começaram com um projecto-aconteça o maior número de piloto em quatro escolas, em quevezes possível, que seja uma conseguiram financiamento paraprática comum ou até diária.” “o design, toda aquela parte que A partir daí, já não parou nós não sabíamos fazer. Cerca dede pensar no assunto: “Como 10 mil euros, mas foi suficienteé que se faz em termos de para contratar pessoas”. Depois,envolvimento social e dos pais? em vez de apenas quatro escolas,É preciso criar uma ferramenta pediram-lhes que chegassem afácil e pegar no espaço da escola, todas as escolas do Porto. Mas jáque acaba por ser um pouco não havia mais financiamento.fechado aos pais. Lá, acontecem “E esse foi um bom problema”,coisas muito interessantes. conta divertido. “Dizer que nãoAfinal, o que desencadeou todo às escolas era mau, dizer queo processo foi essa surpresa com sim e não ter mais dinheiro eratudo o que se faz na escola e os uma aventura… Tinha, na altura,pais não chegam a saber nem a alguns alunos free lancers que meter oportunidade de participar.” desafiaram a criar uma empresa.” Em 2008, nasce então a TeclaDesprezados na tecnologia Colorida, com os parceiros MárioConsiderando este grupo etário Lopes e Nuno Baldaia, ambos(6-12 anos) como “uma audiência engenheiros informáticos. Emmuito particular e um bocado 2009, passam a contar com umdesprezada nas tecnologias, no novo sócio, a empresa Dueto.sentido em que existe tanta coisae não se faz nada directamente Pagar e não pagarpara eles”, achou que poderia À versão inicial gratuita (free) foidar o seu contributo. “A minha acrescentada uma versão maiscostela de academia fez-me desenvolvida, “que se justificassepensar: como é que eu posso pagar” (premium). O segundoajudar nisto sem prejudicar o ano foi então de afinação “doestado da arte e sem me envolver modelo comercial, de negócio ea 100 por cento?” também do modelo tecnológico”. E a ideia da plataforma foi Em Setembro de 2010,amadurecendo. “Foi mais ou pensaram que conseguiriammenos aceite entre os pais que mais escolas aderissem àamigos e também por alguns plataforma. “Entrámos numa faseprofessores, que aderiram experimental entre Setembrocom facilidade. Fizemos várias e Dezembro e foi uma máexperiências ‘a brincar’. No altura. Ficámos um bocadinhofundo, quis adaptar aquilo que decepcionados. Mas continuaeu conheço a esta realidade. Foi a valer a pena.” Até porqueesse o desafio.” Para perceber o objectivo é avançar para ose fazia sentido, contou com mercado internacional.algumas “cobaias” familiares. No entanto, têm 220 “O salto de um protótipo estabelecimentos de ensinoinicial para algo com uma registados na Escolinhas.audiência maior aconteceu pt., embora a utilizar comno contexto do projecto Porto regularidade apenas 50.Digital, que procurava projectos “Algumas ainda não entraramdiferentes para a cidade do este ano.” A concentraçãoPorto, no âmbito da sociedade geográfica é mais a norte do país.de informação. Ficaram Não usam “força de venda”,fascinados com esta ideia para “não temos vendedores”, diz c
  3. 3. miúdos Ademar Aguiar. A difusão faz-se Fernando Araújo está por “passa-palavra”. satisfeito com os resultados: Têm escolas públicas e “Os miúdos têm evoluído privadas como clientes. “As em várias vertentes: na privadas só querem premium. componente informática, Mas ainda não conseguimos ganham essa competência, e ao convencer toda a hierarquia nível da expressão escrita e da a aderir. Nas públicas, temos criatividade.” Tem funcionado de todos os casos. Escolas que bem, ressalva, “porque têm telefonam e querem premium, computadores novos e podem outras que querem free. Há mais estar todos a trabalhar ao mesmo em free do que premium.” Mas tempo, pois, no resto da escola, reconhece, bem-disposto, que 40 por cento dos alunos já têm não estão arruinados. os Magalhães avariados”. Os alunos, com idades à volta Dia de Escolinhas.pt dos sete anos, não recorrem A versão premium, “mais só ao processador de texto, sofisticada e com propostas mais “usam várias funcionalidades”. difíceis”, é a que Fernando Araújo Uma das preferidas é enviar usa na escola da EB1JI de Magarão mensagens aos amigos (que (Agrupamento de Avintes), com estão na mesma sala) ou para os seus alunos do 2.º ano. “As o docente. “Está tudo bem, duas colegas que trabalharam professor?”, perguntam-lhe com a Escolinhas no ano passado “virtualmente”. Embora estejam ganharam um licença premium. É frente ao seu nariz. a que usamos.” Um sucesso junto Aconselharia outras escolas dos miúdos, conta entusiasmado. a usar o Escolinhas.pt? “A O professor explica o método informática, para eles, é sempre que utiliza: “Todos os fins-de- mais apelativa e se for uma semana os miúdos levam um ferramenta didáctica, como trabalho para casa, um tema é o caso, melhor. Todas as qualquer para desenvolver aplicações, mesmo os jogos, com a ajuda dos pais. Depois, são vocacionadas para a transpõem-no, por exemplo, aprendizagem, da Matemática e para o processador de texto da de outras áreas do saber. É bom Escolinhas.pt.” que contactem com conteúdos Os temas podem ser, por que não são ‘perigosos’. E hipótese, “se eu fosse muito a plataforma é segura. Pelo alto, se eu fosse uma empresa, menos, até agora.” se eu fosse Presidente da Avintes é um meio humilde, diz República... mas também quando a Pública lhe pergunta sobre alguma área do Estudo sobre a participação dos pais: “O do Meio ou outro assunto que meio onde trabalho é limitado. Só surja no decurso das aulas”. No dois miúdos é que têm acesso à regresso de fim-de-semana, na Escolinhas fora da escola. Para os segunda-feira à tarde, ligam-se outros, praticamente o único sítio à Escolinhas e vertem para lá o em que têm acesso à Internet é na que realizaram antes. escola. Alguns só podem mexer E gostam? “Se houver algum no computador quando estão lá. dia em que eu me lembre de os Os pais não deixam que usem o castigar e não houver Escolinhas Magalhães em casa.” ou não puderem usar o Amanhã, podem. Em Avintes, Magalhães, é o fim da escola!”, diz a segunda-feira não é só dia de entre risos. “Estão a semana toda escola. É dia de Escolinhas. a à espera da segunda-feira, o único dia destinado a esta prática.” rpimenta@publico.pt

×