Licenciatura em Educação<br />Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento<br />2º Semestre<br />Ano lectivo 2009/2010<br />A...
Também designado por pensamento comum ou por conhecimento vulgar<br />corresponde a um dos níveis de conhecimento e design...
Podemos assim caracterizar o senso comum como o conhecimento que:<br />parte de analogias que muitas vezes nada têm de lóg...
Concepção negativa:<br />Fase de deterioração<br />Involução<br />Idosos:<br />Défices<br />Incapacidades<br />Aptidões fí...
Ideias do senso comum face à velhice<br />5<br />Velhice<br />Fase de deterioração<br />Percepção deteriorizante e subvalo...
Velhice não implica declino das capacidade intelectuais;<br />Ganho de sabedoria	 	compensa perdas cognitivas;<br />Avalia...
http://pt.wikipedia.org/wiki/Senso_comum<br />http://www.knoow.net/ciencsociaishuman/filosofia/sensocomum.htm;<br />Tavare...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Psicologia do desenvolvimento e folio c

1.119 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.119
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
73
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Psicologia do desenvolvimento e folio c

  1. 1. Licenciatura em Educação<br />Disciplina: Psicologia do Desenvolvimento<br />2º Semestre<br />Ano lectivo 2009/2010<br />Actividade Profissional na Velhice<br />Discente: <br />Marília Silva, nº 900503, turma 2<br />
  2. 2. Também designado por pensamento comum ou por conhecimento vulgar<br />corresponde a um dos níveis de conhecimento e designa o conhecimento espontâneo que temos das coisas que nos rodeiam e das quais estamos próximos no nosso dia-a-dia<br />é resultado da familiaridade do indivíduo com uma realidade que enfrenta directamente e que permite pensamento comum. <br />permite ao homem orientar-se no mundo, manejar as coisas e resolver os problemas mais prementes e imediatos do quotidiano, <br />apenas permite captar o "mundo da aparência" e não o "mundo real" (as ideias elementares e os juízos superficiais apenas permitem chegar à aparência das coisas, as ideias abstractas e os juízos mais profundos permitem chegar à sua realidade)<br />Se nos ficarmos pelo conhecimento das aparências (o nível do senso comum), o conhecimento será sempre imperfeito e incompleto.<br />Senso comum<br />2<br />
  3. 3. Podemos assim caracterizar o senso comum como o conhecimento que:<br />parte de analogias que muitas vezes nada têm de lógico;<br />generaliza sem que as suas conclusões ou deduções possam ser consideradas correctas;<br />apesar de ter um objectivo concreto, traduz um conjunto incompleto de actos de conhecimento;<br />não aspira ao conhecimento universalmente válido nem atinge a realidade profunda das coisas.<br />Senso comum<br />3<br />
  4. 4. Concepção negativa:<br />Fase de deterioração<br />Involução<br />Idosos:<br />Défices<br />Incapacidades<br />Aptidões físicas, cognitivas e emocionais<br />Diminuídas<br />Ideias do senso comum face à velhice<br />4<br />
  5. 5. Ideias do senso comum face à velhice<br />5<br />Velhice<br />Fase de deterioração<br />Percepção deteriorizante e subvalorizada<br />Irracional e infundamentada<br />
  6. 6. Velhice não implica declino das capacidade intelectuais;<br />Ganho de sabedoria compensa perdas cognitivas;<br />Avaliação positiva sentimentos de satisfação e integridade da identidade;<br />A pessoa reconhece e integra aspectos em que falhou ou oportunidades perdidas<br />Balanço positivo<br />SABEDORIA <br />Porquê que sociedade deve rejeitar essas ideias?<br />6<br />
  7. 7. http://pt.wikipedia.org/wiki/Senso_comum<br />http://www.knoow.net/ciencsociaishuman/filosofia/sensocomum.htm;<br />Tavares, J. etal, Manual de Psicologia do Desenvolvimento e Aprendizagem, Porto Editora, 2007.<br />Bibliografia<br />7<br />

×