SlideShare uma empresa Scribd logo

1 lista de exercícios

1 de 4
Baixar para ler offline
UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ
INSTITUTO DE TECNOLOGIA
FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA
CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA

USINAGEM DOS METAIS
2
1 – O que é usinagem?
Operação que confere à peça forma, dimensões ou acabamento, ou ainda uma combinação
qualquer desses três, através da remoção de material sob a forma de cavaco.
2 - O que são movimentos ativos e passivos de corte? Quais os movimentos passivos e
ativos de corte?
Movimentos ativos são aqueles que promovem remoção do material quando ocorrem. São:
Movimento de Corte, Avanço e Efetivo de Corte.
Movimentos passivos são aqueles que, apesar de fundamentais para a realização do
processo de usinagem, não promovem remoção de material quando ocorrem. São:
Movimento de Ajuste, Correção, Aproximação e Recuo.
3 - Dada operação de torneamento cilíndrico utilizando as seguintes condições de

a Velocidade de corte (vc).
Substituindo, vc = 219,8 m/min
4 - Defina e informe a função dos seguintes ângulos: a) de saída (γ); b) de folga (α); c)
de posição (χ); d) de ponta (ε); e) de inclinação (λ).
Saída (γ): é o ângulo entre a superficie de saída (Aγ) e o plano de referencia da ferramenta
(Pr). Folga (α). é o ângulo entre a superfície de folga (A?) e o plano corte (Ps). Posição (χ):
é o ângulo entre o plano de trabalho e o plano de corte. Ponta (ε): é o ângulo entre os
planos principal de corte e secundário de corte. Inclinação (λ): é o ângulo entre a aresta de
corte e o plano de referencia da ferramenta.

5 - Com relação à temperatura de corte: faça uma análise correlativa entre
velocidade de corte e os danos causados à ferramenta. O que tem sido tentado para se
diminuir a temperatura gerada ou para minimizar os danos causados à ferramenta,
sem perda de produtividade do processo.
Maiores velocidades de corte, implica em maiores energias geradas com uma aceleração
do desgaste da ferramenta.Para minimizar danos: - desenvolvimento de materiais de
usinabilidade melhorada;
- desenvolvimento de materiais de ferramentas com maior resistência ao calor e maior
dureza a quente; - utilização de fluidos de corte que alem do efeito refrigerante, possuam
também efeito lubrificante. Velocidade de corte aumenta, aumentando assim a temperatura
do corte. Este acumulo de geração de calor e temperatura, acelera e e acelerado pelo
desgaste da ferramenta, o qual aumenta o valor do coeficiente de atrito e consequentemente
a forca do corte. O que tem sido feito para diminuir este problema sem perda de
produtividade: desenvolvimento de materiais de usinabilidade melhorada;
desenvolvimento de materiais de ferramenta com maior resistência ao calor e maior dureza
a quente; utilização de fluido de corte que alem do efeito de refrigerante possuíam também
efeitos lubrificantes.
6 - O que são fluidos de corte e quais suas funções básicas?
São aqueles líquidos e gases aplicados na ferramenta e no material que está sendo usinado,
a fim de facilitar a operação de corte. Funções básicas do fluido de corte: refrigeração e/ou
lubrificação.
7 – Quais os fatores a serem considerados na seleção de fluidos de corte?
Material da peça; Material da ferramenta; Condição de usinagem; Processo de usinagem.
8 – Quais as desvantagens do uso de fluidos de corte e as alternativas ao seu uso?
Ato custo e toxicidade. As alternativas são usinagem a seco e corte com Mínima
quantidade de fluido (MQF)
9 - Qual a diferença entre aferição e calibração?
Calibração é feita por institutos credenciados pelo INMETRO e aferição são
procedimentos executados pelos próprios interessados e não necessitando de certificação e
ambientes extremamente controlados.
10 – Quais as subdivisões de um sistema de medições (SM)?
O sensor/transdutor, a unidade de tratamento do sinal e o dispositivo mostrador.
11 - Quais são os métodos básicos de medição?
Método da indicação (ou deflexão); Método da zeragem (ou compensação); O método
diferencial (combinação entre 1 e 2); Análise comparativa entre os métodos

12 – Quais os principais instrumentos de medição existentes?
Blocos Padrão, paquímetro, Relógio comparador, Relógio apalpador, micrômetro, etc.
13 - Quais as principais propriedades exigidas para materiais de ferramenta de corte?
Dureza a quente, resistência ao desgate, tenacidade e estabilidade química.
14 - Em uma determinada oficina utiliza-se um número limitado de MD de
determinados graus em suas operações. Estes graus são listados abaixo através da
composição química:

a) quais graus deveriam ser usados para um operação de torneamento em
acabamento de aço não temperado? b) Qual grau deveria ser usado para fresamento
em desbaste de alumínio? c) Qual grau deveria ser usado para torneamento em
acabamento de ferro fundido?
a) GRAU 3. b) grau 4 (k-40) c) GRAU 2.
15 - Explique o efeito de cada elemento de liga listado abaixo em ferramentas de aço
rápido:
a) Carbono b) Tungtênio e Molibidênio c) Vanádio e Nióbio d) Cromo e) Cobalto
Carbono: aumenta a dureza e forma carbonetos . Tungstênio e molibdênio: elevada
resistência ao desgaste e dureza a quente. Vanádio e Nióbio: forma carbonetos, sendo
muito duros e resistentes ao desgaste. Cromo: alta temperabilidade. Cobalto: aumenta a
dureza a quente, logo a sua eficiência.
16 - Qual a relação entre a quantidade de TiC + TaC e a dureza do MD?
Quanto maior a quantidade de TiC ( e Tal) menor a densidade e maior dureza.
17 - Quais as diferenças entre as classes P, M e K de MD ?
Classe P: elevados teores de TiC e TaC, com elevada dureza e resistência; Classe K :
aglomerados com cobalto, baixa resistencai ao desgaste e baixa dureza. Classe M:
propriedades intermediarias.
18 - A mudança na composição do Metal duro pode afetar sua aplicação em
determinados materiais. Baseado nessa afirmação explique por que utiliza-se MD
com alto TiC para usinagem de aço e Classe K para usinagem de Alumínio e suas
ligas.
Utiliza-se MD com alto TiC, pois necessita-se de elevadas durezas e resistência ao
desgaste para usinar aços. Já em Al, não nessecita-se de elevadas durezas.

19 - Quais os tipos de materiais cerâmicos para ferramentas de corte?
Cerâmicas de corte (oxidas e não-óxidas)
20 - Por que o diamante não pode ser usado na usinagem de materiais ferrosos?
Por conta de afinidade Fe- C
21 - O que é o CBN? Existe diferença entre CBN’s usados para operações de desbaste
e acabamento? Justifique sua resposta.
22 - Calcule o IME para uma operação de torneamento cilíndrico de uma peça de
material ABNT 1045 com as suas dimensões abaixo:
Lf =120 m. Diâmetro = 75 m.
Dados de Usinagem e da ferramenta: tft = 1,5 minutos (tft – tempo de troca da
ferramenta); ta = 0,30 minutos (ta – tempo de aproximação e retrocesso da
ferramenta para a usinagem da peça); ts = 0,90 minutos (ts – tempos de colocação,
retirada e inspeção da peça na máquina); tp = 20 minutos (tp – tempo de preparação
da máquina); Z = 10.0 peças (Z – Nº. de peças que foi pedido), o Lote de peças Kft =
R$ 7,0 (Kft ◊ Custo da ferramenta ou aresta ($)); Sh = R$ 12,0 (Sh ◊ Custo por hora
do operador ($)); Sm = R$ 3,0 (Sm ◊ Custo por hora da máquina ($)); χR = 60º
Pastilha MD quadrada positiva
Constantes de Taylor: x = 2,8 e K = 4,9 x 106; Rotação (n): 315 rpm; avanço (f): 0,25
mm/rot; Zt = peças/vida da ferramenta = 18,6115.

Nitreto de boro cúbico. Existe diferença, pois dependendo da estrutura do CBN (Forma
mole - hexagonal (mesma estrutura cristalina do grafite); Forma dura - cúbica (mesma
estrutura do diamante) e Wurtzita - simetria hexagonal (arranjo atômico diferente do
grafite)) ele não poderá ser usado para operação de desbaste, que exige maior dureza da
ferramenta de corte.

Prof. Maria Adrina Paixão de Souza da Silva

Recomendados

APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 2 AJUSTAGEM USINAGEM ordenaelbass
 
Calculo de conicidade (1)
Calculo de conicidade (1)Calculo de conicidade (1)
Calculo de conicidade (1)Solange Ferrari
 
Processo de Usinagem - Torneamento
Processo de Usinagem - TorneamentoProcesso de Usinagem - Torneamento
Processo de Usinagem - TorneamentoMiguel Gut Seara
 
Fabricação mecânica i furação 1
Fabricação mecânica i   furação 1Fabricação mecânica i   furação 1
Fabricação mecânica i furação 1Levi Oliveira
 
U00 processos de usinagem (visão geral)
U00   processos de usinagem (visão geral)U00   processos de usinagem (visão geral)
U00 processos de usinagem (visão geral)Luiz Furlan
 
Manutenção produtiva total (tpm) final
Manutenção produtiva total (tpm)   finalManutenção produtiva total (tpm)   final
Manutenção produtiva total (tpm) finalSylvielly Sousa
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SP
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SPPROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SP
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SPRBarnabe
 
Cap 7 dobramento
Cap 7   dobramentoCap 7   dobramento
Cap 7 dobramentoThrunks
 
Ajustagem - Aula 01.pptx
Ajustagem - Aula 01.pptxAjustagem - Aula 01.pptx
Ajustagem - Aula 01.pptxNidsonSilva
 
Apostila elem.maq
Apostila elem.maqApostila elem.maq
Apostila elem.maqDIEGO16384
 
Aula 09 cálculos de roscas
Aula 09   cálculos de roscasAula 09   cálculos de roscas
Aula 09 cálculos de roscasRenaldo Adriano
 
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEMAPOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEMordenaelbass
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânicoPedro Veiga
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4IBEST ESCOLA
 
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuaisOficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuaisLacerda Lacerda
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricaçãoLuciano Santos
 
Apostilas senai - processo soldagem
Apostilas   senai - processo soldagemApostilas   senai - processo soldagem
Apostilas senai - processo soldagemPaulo Cezar santos
 
Afiação de brocas
Afiação de brocasAfiação de brocas
Afiação de brocasVinicius1207
 
Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de durezaAlex Leal
 

Mais procurados (20)

PROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SP
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SPPROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SP
PROCESSOS DE FABRICAÇÃO - FRESAMENTO - IFSP SP
 
Cap 7 dobramento
Cap 7   dobramentoCap 7   dobramento
Cap 7 dobramento
 
Ajustagem mecânica
Ajustagem mecânicaAjustagem mecânica
Ajustagem mecânica
 
02 -torneiro_mecanico - senai
02  -torneiro_mecanico - senai02  -torneiro_mecanico - senai
02 -torneiro_mecanico - senai
 
Ajustagem - Aula 01.pptx
Ajustagem - Aula 01.pptxAjustagem - Aula 01.pptx
Ajustagem - Aula 01.pptx
 
Apostila elem.maq
Apostila elem.maqApostila elem.maq
Apostila elem.maq
 
Aula 09 cálculos de roscas
Aula 09   cálculos de roscasAula 09   cálculos de roscas
Aula 09 cálculos de roscas
 
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEMAPOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
APOSTILA SENAI 3 AJUSTAGEM USINAGEM
 
Torneamento mecânico
Torneamento mecânicoTorneamento mecânico
Torneamento mecânico
 
Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4Metrologia - Aula 4
Metrologia - Aula 4
 
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuaisOficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
Oficina mecânica - Ferramentas de bancada e manuais
 
Ferramentas Manuais
Ferramentas ManuaisFerramentas Manuais
Ferramentas Manuais
 
06 - fresagem
06  - fresagem06  - fresagem
06 - fresagem
 
Pastilhas e Suportes
Pastilhas e SuportesPastilhas e Suportes
Pastilhas e Suportes
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
 
Apostilas senai - processo soldagem
Apostilas   senai - processo soldagemApostilas   senai - processo soldagem
Apostilas senai - processo soldagem
 
Aplainamento nova
Aplainamento novaAplainamento nova
Aplainamento nova
 
Afiação de brocas
Afiação de brocasAfiação de brocas
Afiação de brocas
 
Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de FabricaçãoAulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação
Aulas 10, 11 e 12 - Introd. a Engenharia de Fabricação
 
Aula 4 ensaios de dureza
Aula 4   ensaios de durezaAula 4   ensaios de dureza
Aula 4 ensaios de dureza
 

Destaque (20)

Apostila corrosão capítulo 1
Apostila corrosão   capítulo 1Apostila corrosão   capítulo 1
Apostila corrosão capítulo 1
 
1 lista de exercícios 2014 (parte1)
1 lista de exercícios 2014 (parte1)1 lista de exercícios 2014 (parte1)
1 lista de exercícios 2014 (parte1)
 
10 - maquinas_de_serrar_e_serras
10  - maquinas_de_serrar_e_serras10  - maquinas_de_serrar_e_serras
10 - maquinas_de_serrar_e_serras
 
Capítulo 4 processos de conformação plástica
Capítulo 4  processos de conformação plásticaCapítulo 4  processos de conformação plástica
Capítulo 4 processos de conformação plástica
 
Tema1
Tema1Tema1
Tema1
 
Tema5
Tema5Tema5
Tema5
 
Capítulo 2 mecânica da conformação
Capítulo 2 mecânica da conformaçãoCapítulo 2 mecânica da conformação
Capítulo 2 mecânica da conformação
 
A série galvânica
A série galvânicaA série galvânica
A série galvânica
 
12 - brochadeiras
12  - brochadeiras12  - brochadeiras
12 - brochadeiras
 
2a lista
2a lista2a lista
2a lista
 
Capítulo 3 metalurgia da conformação
Capítulo 3  metalurgia da conformaçãoCapítulo 3  metalurgia da conformação
Capítulo 3 metalurgia da conformação
 
Tema4
Tema4Tema4
Tema4
 
Tema7
Tema7Tema7
Tema7
 
Tema2
Tema2Tema2
Tema2
 
Tema6
Tema6Tema6
Tema6
 
Capítulo 1 introdução à conformação plástica
Capítulo 1 introdução à conformação plásticaCapítulo 1 introdução à conformação plástica
Capítulo 1 introdução à conformação plástica
 
8 métodos de cálculo de tensões e deformações
8 métodos de cálculo de tensões e deformações8 métodos de cálculo de tensões e deformações
8 métodos de cálculo de tensões e deformações
 
3a lista
3a lista3a lista
3a lista
 
1 lista de exercícios corrosão
1 lista de exercícios   corrosão1 lista de exercícios   corrosão
1 lista de exercícios corrosão
 
1a lista de exercícios
1a lista de exercícios1a lista de exercícios
1a lista de exercícios
 

Semelhante a 1 lista de exercícios

Cap11-Usinabilidade.pdf
Cap11-Usinabilidade.pdfCap11-Usinabilidade.pdf
Cap11-Usinabilidade.pdfACAraujo3
 
1ª lista mecânica 2013 1
1ª lista   mecânica 2013 11ª lista   mecânica 2013 1
1ª lista mecânica 2013 1Stéfano Bellote
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricaçãoDjeison secco
 
Tecnologia da usinagem dos materiais site do livro
Tecnologia da usinagem dos materiais site do livroTecnologia da usinagem dos materiais site do livro
Tecnologia da usinagem dos materiais site do livroadalberto miran
 
Usinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptxUsinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptxBruno Guedes
 
AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...
AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...
AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...Emmirmec
 
Aula 3 atual. usinagem bruno
Aula 3 atual.   usinagem brunoAula 3 atual.   usinagem bruno
Aula 3 atual. usinagem brunoBruno Guedes
 
Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)
Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)
Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)Andre Torres
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdfAnna Carla Araujo
 
Projeto de máquinas
Projeto de máquinasProjeto de máquinas
Projeto de máquinasRobert Scheer
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagemSérgio Maêda
 

Semelhante a 1 lista de exercícios (20)

1a lista de exercícios
1a lista de exercícios1a lista de exercícios
1a lista de exercícios
 
1 lista de exercícios
1 lista de exercícios1 lista de exercícios
1 lista de exercícios
 
2a lista de exercícios
2a lista de exercícios2a lista de exercícios
2a lista de exercícios
 
Cap11-Usinabilidade.pdf
Cap11-Usinabilidade.pdfCap11-Usinabilidade.pdf
Cap11-Usinabilidade.pdf
 
Cap11-Usinabilidade.pdf
Cap11-Usinabilidade.pdfCap11-Usinabilidade.pdf
Cap11-Usinabilidade.pdf
 
1ª lista mecânica 2013 1
1ª lista   mecânica 2013 11ª lista   mecânica 2013 1
1ª lista mecânica 2013 1
 
Processos de fabricação
Processos de fabricaçãoProcessos de fabricação
Processos de fabricação
 
Apostila de usinagem
Apostila de usinagemApostila de usinagem
Apostila de usinagem
 
Tecnologia da usinagem dos materiais site do livro
Tecnologia da usinagem dos materiais site do livroTecnologia da usinagem dos materiais site do livro
Tecnologia da usinagem dos materiais site do livro
 
Usinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptxUsinagem Bruno.pptx
Usinagem Bruno.pptx
 
AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...
AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...
AVALIAÇÃO DO DESGASTE DE BROCAS DE AÇO-RÁPIDO SUBMETIDAS AO TRATAMENTO DE END...
 
Aula 3 atual. usinagem bruno
Aula 3 atual.   usinagem brunoAula 3 atual.   usinagem bruno
Aula 3 atual. usinagem bruno
 
APOSTILA AULA 3.pdf
APOSTILA AULA 3.pdfAPOSTILA AULA 3.pdf
APOSTILA AULA 3.pdf
 
Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)
Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)
Análise do acabamento superficial dos metais (Provisório)
 
Apostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmpApostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmp
 
Apostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmpApostila usinagem lmp
Apostila usinagem lmp
 
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdfUsinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdf
Usinagem_para_Engenharia_Resolucao_Exercicios - Cap11.pdf
 
Projeto de máquinas
Projeto de máquinasProjeto de máquinas
Projeto de máquinas
 
Aula 01.pdf
Aula 01.pdfAula 01.pdf
Aula 01.pdf
 
Fabricação por usinagem
Fabricação por usinagemFabricação por usinagem
Fabricação por usinagem
 

Mais de Maria Adrina Silva

Mais de Maria Adrina Silva (13)

2a lista 2014
2a lista 20142a lista 2014
2a lista 2014
 
1 lista de exercícios 2014 (parte2)
1 lista de exercícios 2014 (parte2)1 lista de exercícios 2014 (parte2)
1 lista de exercícios 2014 (parte2)
 
Tema8
Tema8Tema8
Tema8
 
Tema3
Tema3Tema3
Tema3
 
Processos de conformação parte iii
Processos de conformação   parte iiiProcessos de conformação   parte iii
Processos de conformação parte iii
 
Processos de conformação parte ii
Processos de conformação   parte iiProcessos de conformação   parte ii
Processos de conformação parte ii
 
Processos de conformação parte i
Processos de conformação   parte iProcessos de conformação   parte i
Processos de conformação parte i
 
Capítulo 3 metalurgia da conformação
Capítulo 3 metalurgia da conformaçãoCapítulo 3 metalurgia da conformação
Capítulo 3 metalurgia da conformação
 
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metaisCapítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
Capítulo 2 mecânica da conformação plástica dos metais
 
Capítulo 1 introdução à conformação plástica dos metais (1)
Capítulo 1 introdução à conformação plástica dos metais (1)Capítulo 1 introdução à conformação plástica dos metais (1)
Capítulo 1 introdução à conformação plástica dos metais (1)
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
Notas manha
Notas manhaNotas manha
Notas manha
 
3 lista de exercícios
3 lista de exercícios3 lista de exercícios
3 lista de exercícios
 

1 lista de exercícios

  • 1. UNIVERSIDADE FEDERAL DO PARÁ INSTITUTO DE TECNOLOGIA FACULDADE DE ENGENHARIA MECÂNICA CURSO DE ENGENHARIA MECÂNICA USINAGEM DOS METAIS 2 1 – O que é usinagem? Operação que confere à peça forma, dimensões ou acabamento, ou ainda uma combinação qualquer desses três, através da remoção de material sob a forma de cavaco. 2 - O que são movimentos ativos e passivos de corte? Quais os movimentos passivos e ativos de corte? Movimentos ativos são aqueles que promovem remoção do material quando ocorrem. São: Movimento de Corte, Avanço e Efetivo de Corte. Movimentos passivos são aqueles que, apesar de fundamentais para a realização do processo de usinagem, não promovem remoção de material quando ocorrem. São: Movimento de Ajuste, Correção, Aproximação e Recuo. 3 - Dada operação de torneamento cilíndrico utilizando as seguintes condições de a Velocidade de corte (vc). Substituindo, vc = 219,8 m/min 4 - Defina e informe a função dos seguintes ângulos: a) de saída (γ); b) de folga (α); c) de posição (χ); d) de ponta (ε); e) de inclinação (λ). Saída (γ): é o ângulo entre a superficie de saída (Aγ) e o plano de referencia da ferramenta (Pr). Folga (α). é o ângulo entre a superfície de folga (A?) e o plano corte (Ps). Posição (χ): é o ângulo entre o plano de trabalho e o plano de corte. Ponta (ε): é o ângulo entre os planos principal de corte e secundário de corte. Inclinação (λ): é o ângulo entre a aresta de corte e o plano de referencia da ferramenta. 5 - Com relação à temperatura de corte: faça uma análise correlativa entre velocidade de corte e os danos causados à ferramenta. O que tem sido tentado para se diminuir a temperatura gerada ou para minimizar os danos causados à ferramenta, sem perda de produtividade do processo.
  • 2. Maiores velocidades de corte, implica em maiores energias geradas com uma aceleração do desgaste da ferramenta.Para minimizar danos: - desenvolvimento de materiais de usinabilidade melhorada; - desenvolvimento de materiais de ferramentas com maior resistência ao calor e maior dureza a quente; - utilização de fluidos de corte que alem do efeito refrigerante, possuam também efeito lubrificante. Velocidade de corte aumenta, aumentando assim a temperatura do corte. Este acumulo de geração de calor e temperatura, acelera e e acelerado pelo desgaste da ferramenta, o qual aumenta o valor do coeficiente de atrito e consequentemente a forca do corte. O que tem sido feito para diminuir este problema sem perda de produtividade: desenvolvimento de materiais de usinabilidade melhorada; desenvolvimento de materiais de ferramenta com maior resistência ao calor e maior dureza a quente; utilização de fluido de corte que alem do efeito de refrigerante possuíam também efeitos lubrificantes. 6 - O que são fluidos de corte e quais suas funções básicas? São aqueles líquidos e gases aplicados na ferramenta e no material que está sendo usinado, a fim de facilitar a operação de corte. Funções básicas do fluido de corte: refrigeração e/ou lubrificação. 7 – Quais os fatores a serem considerados na seleção de fluidos de corte? Material da peça; Material da ferramenta; Condição de usinagem; Processo de usinagem. 8 – Quais as desvantagens do uso de fluidos de corte e as alternativas ao seu uso? Ato custo e toxicidade. As alternativas são usinagem a seco e corte com Mínima quantidade de fluido (MQF) 9 - Qual a diferença entre aferição e calibração? Calibração é feita por institutos credenciados pelo INMETRO e aferição são procedimentos executados pelos próprios interessados e não necessitando de certificação e ambientes extremamente controlados. 10 – Quais as subdivisões de um sistema de medições (SM)? O sensor/transdutor, a unidade de tratamento do sinal e o dispositivo mostrador. 11 - Quais são os métodos básicos de medição? Método da indicação (ou deflexão); Método da zeragem (ou compensação); O método diferencial (combinação entre 1 e 2); Análise comparativa entre os métodos 12 – Quais os principais instrumentos de medição existentes? Blocos Padrão, paquímetro, Relógio comparador, Relógio apalpador, micrômetro, etc.
  • 3. 13 - Quais as principais propriedades exigidas para materiais de ferramenta de corte? Dureza a quente, resistência ao desgate, tenacidade e estabilidade química. 14 - Em uma determinada oficina utiliza-se um número limitado de MD de determinados graus em suas operações. Estes graus são listados abaixo através da composição química: a) quais graus deveriam ser usados para um operação de torneamento em acabamento de aço não temperado? b) Qual grau deveria ser usado para fresamento em desbaste de alumínio? c) Qual grau deveria ser usado para torneamento em acabamento de ferro fundido? a) GRAU 3. b) grau 4 (k-40) c) GRAU 2. 15 - Explique o efeito de cada elemento de liga listado abaixo em ferramentas de aço rápido: a) Carbono b) Tungtênio e Molibidênio c) Vanádio e Nióbio d) Cromo e) Cobalto Carbono: aumenta a dureza e forma carbonetos . Tungstênio e molibdênio: elevada resistência ao desgaste e dureza a quente. Vanádio e Nióbio: forma carbonetos, sendo muito duros e resistentes ao desgaste. Cromo: alta temperabilidade. Cobalto: aumenta a dureza a quente, logo a sua eficiência. 16 - Qual a relação entre a quantidade de TiC + TaC e a dureza do MD? Quanto maior a quantidade de TiC ( e Tal) menor a densidade e maior dureza. 17 - Quais as diferenças entre as classes P, M e K de MD ? Classe P: elevados teores de TiC e TaC, com elevada dureza e resistência; Classe K : aglomerados com cobalto, baixa resistencai ao desgaste e baixa dureza. Classe M: propriedades intermediarias. 18 - A mudança na composição do Metal duro pode afetar sua aplicação em determinados materiais. Baseado nessa afirmação explique por que utiliza-se MD com alto TiC para usinagem de aço e Classe K para usinagem de Alumínio e suas ligas. Utiliza-se MD com alto TiC, pois necessita-se de elevadas durezas e resistência ao desgaste para usinar aços. Já em Al, não nessecita-se de elevadas durezas. 19 - Quais os tipos de materiais cerâmicos para ferramentas de corte? Cerâmicas de corte (oxidas e não-óxidas)
  • 4. 20 - Por que o diamante não pode ser usado na usinagem de materiais ferrosos? Por conta de afinidade Fe- C 21 - O que é o CBN? Existe diferença entre CBN’s usados para operações de desbaste e acabamento? Justifique sua resposta. 22 - Calcule o IME para uma operação de torneamento cilíndrico de uma peça de material ABNT 1045 com as suas dimensões abaixo: Lf =120 m. Diâmetro = 75 m. Dados de Usinagem e da ferramenta: tft = 1,5 minutos (tft – tempo de troca da ferramenta); ta = 0,30 minutos (ta – tempo de aproximação e retrocesso da ferramenta para a usinagem da peça); ts = 0,90 minutos (ts – tempos de colocação, retirada e inspeção da peça na máquina); tp = 20 minutos (tp – tempo de preparação da máquina); Z = 10.0 peças (Z – Nº. de peças que foi pedido), o Lote de peças Kft = R$ 7,0 (Kft ◊ Custo da ferramenta ou aresta ($)); Sh = R$ 12,0 (Sh ◊ Custo por hora do operador ($)); Sm = R$ 3,0 (Sm ◊ Custo por hora da máquina ($)); χR = 60º Pastilha MD quadrada positiva Constantes de Taylor: x = 2,8 e K = 4,9 x 106; Rotação (n): 315 rpm; avanço (f): 0,25 mm/rot; Zt = peças/vida da ferramenta = 18,6115. Nitreto de boro cúbico. Existe diferença, pois dependendo da estrutura do CBN (Forma mole - hexagonal (mesma estrutura cristalina do grafite); Forma dura - cúbica (mesma estrutura do diamante) e Wurtzita - simetria hexagonal (arranjo atômico diferente do grafite)) ele não poderá ser usado para operação de desbaste, que exige maior dureza da ferramenta de corte. Prof. Maria Adrina Paixão de Souza da Silva