Cine Pré-Uni "O Nome da Rosa"

474 visualizações

Publicada em

Aula de Geohistória analisando vários aspectos da adaptação para o cinema da clássica obra de Umberto Eco

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
474
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
17
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cine Pré-Uni "O Nome da Rosa"

  1. 1. O NOME DA ROSA
  2. 2. Eco retratou um episódio, passado durante a Idade Média, no qual o riso era considerado, pela Igreja, um pecado. O enredo gira em torno das investigações de uma série de crimes misteriosos, cometidos dentro de uma abadia medieval. Com ares de Sherlock Holmes, o investigador, o frade franciscano Willian de Baskerville, assessorado pelo noviço Adso de Melk, vai a fundo em suas investigações, apesar da resistência de alguns dos religiosos do local.
  3. 3. O filme nos leva à uma imersão na Idade Média, fazendo-nos transitar por diversos temas e fases de um mundo em transformação; A atmosfera sombria, a aparência doentia dos monges, a rejeição a conceitos tidos como avançados pelos monges frequentadores do mosteiro e a abordagem à Santa Inquisição que passa a ser feita a partir da segunda metade do filme nos permite compreender um pouco do que foi a Idade Média.
  4. 4. Willian de Baskerville É o representante da ciência, usa métodos de pesquisa sofisticados para reunir as provas necessárias e chegar à verdade; busca pistas que não são visíveis às demais pessoas; como as frases no pergaminho, apagadas com suco de limão, que revelam-se aos olhos do investigador sob a chama de uma vela. É o Intelectual Renascentista, que com sua postura Humanista e Racional, consegue desvendar a verdade por trás das mortes do Mosteiro.
  5. 5. Sean Connery
  6. 6. Os monges alimentam a idéia de que uma força sobrenatural tomou conta do lugar, relacionando as mortes com as profecias do Apocalipse.
  7. 7. A biblioteca tem que ser secreta, porque ela inclui obras que não estão devidamente interpretadas no contexto do cristianismo medieval, sendo por isso pagãs e passíveis de ameaçar a doutrina cristã.
  8. 8. O pensamento dominante impedia que o conhecimento fosse acessível a quem quer que seja, assim a informação restrita a alguns poucos representava a dominação e o poder.
  9. 9. As mortes estão relacionadas com o livro desaparecido de Aristóteles, que aborda o riso como instrumento da verdade, e que teve suas páginas envenenadas por um dos monges que odiava a comédia e via no riso uma possibilidade de dúvida sobre Deus.
  10. 10. A Santa Inquisição
  11. 11. Bernardo Gui (1261 — 1331) Inquisidor da Ordem Dominicana, que atuou na Baixa Idade Média durante a Inquisição medieval. Foi bispo de Lodève e um dos escritores mais prolíficos de seu tempo. Passou a ser um dos nomes mais temidos, odiados e respeitados de sua época, dentro e fora da Igreja, devido à forma ferrenha com que defendia seus ideais.
  12. 12. F. Murray Abraham
  13. 13. O Malleus Maleficarum é uma espécie de manual de diagnóstico para bruxas, publicado em 1487, dividindo-se em três partes: 1) Ensinava os juízes a reconhecerem as bruxas em seus múltiplos disfarces e atitudes; 2) Expunha todos os tipos de malefícios, classificando-os e explicando-os; 3) Regrava as formalidades para agir "legalmente" contra as bruxas, demonstrando como processá-las, inquiri- las, julgá-las e condená-las. Kramer e Sprenger oferecem um guia passo a passo sobre como conduzir o julgamento de uma bruxa, desde a reunião de provas até o interrogatório (incluindo técnicas de tortura). Por exemplo, mulheres que não choravam durante o julgamento eram automaticamente consideradas culpadas de bruxaria.
  14. 14. O confronto entre os franciscanos e os representantes da Inquisição, nos coloca na questão do Bem e do Mal, sendo também uma crítica do poder e do esvaziamento dos valores pela demagogia, violências sexuais, a luta contra a mistificação e o poder.
  15. 15. Heresias
  16. 16. Ron Perlman
  17. 17. Heresia é a doutrina ou linha de pensamento contrária ou diferente de um credo ou sistema de um ou mais credos religiosos que pressuponha(m) um sistema doutrinal organizado ou ortodoxo. A palavra pode referir-se também a qualquer "deturpação" de sistemas filosóficos instituídos, ideologias políticas, paradigmas científicos, movimentos artísticos, ou outros. “Penitenziagite”"Poenitentiam agite, appropinquavit enim regnum caelorum" “Fazei penitência, porque está próximo o Reino dos céus” (Mateus 4:17)
  18. 18. Stat rosa pristina nomine, nomina nuda tenemu “A rosa antiga está no nome, e nada nos resta além dos nomes”

×