Diretoria de Ensino - Marília

1.142 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.142
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
40
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Diretoria de Ensino - Marília

  1. 1. DIRETORIA DE ENSINO - REGIÃO DE MARÍLIA Ivanilde Elias Zamae – Dirigente Regional de Ensino Anicéia Cordeiro Barbosa Kussumoto Maria Márcia Zamprônio Pedroso Equipe de Língua Portuguesa
  2. 2. REESCRITA Um caminho a seguir
  3. 3. A reescrita Ao propor ao aluno uma produção textual deve-se alertá-lo para um trabalho de elaboração e reescrita uma vez que um texto para ficar “pronto” necessita de várias versões, é uma tarefa que exige dedicação e paciência de ambos – professor e aluno. Sírio Possenti aponta que um professor não pode esperar que os alunos aprendam sem sua intervenção; afinal, é para “ajudar” que o professor está na aula. Uma vez que a reescrita faz parte do processo da produção textual torna-se necessário tê-la como uma aliada em nossas práticas pedagógicas. Alguns objetivos devem nortear uma sequência didática para que se obtenha êxito nessa empreitada, tais como:
  4. 4. • Levar o aluno a produzir textos de autoria; • Promover condições para que o educando busque diferentes maneiras de expressar o mesmo conteúdo, procurando a forma mais precisa e objetiva para atingir seu leitor alvo; • Escrever textos com propósitos definidos, pensando no gênero e no leitor;
  5. 5. Sequência didática reescrita artigo de opinião Professora responsável: Maria Helena Palmieri Santos E.E. Prof. Antonio de Baptista (Escola emergente) Diretor: Ivan Bisterço Público alvo: 9º ano C (37 alunos frequentes) Tempo estimado: 6 a 10 – dependendo da sala. Material necessário: caderno brochura para produção textual, xerox dos textos motivadores, datashow.
  6. 6. Habilidades e competências que o aluno poderá adquirir com o desenvolvimento desta sequência didática: • Aprender a escrever artigo de opinião, considerando sua estrutura e sua função comunicativa. • Selecionar, organizar, relacionar, interpretar dados e informações representados de diferentes formas, para tomar decisões e enfrentar situações-problema. • Relacionar informações, representadas de diferentes formas, e conhecimentos disponíveis em situações concretas para construir argumentação consistente. • Reconhecer os vários tipos de coesão que permitem a progressão discursiva do texto. • Identificar o ato de escrita como processual.
  7. 7. Algumas palavras são necessárias Na tentativa de despertar o interesse na escrita pelo aluno e tornar essa atividade mais prazerosa para o mesmo, adotei uma velha prática: o “ caderno de redação”. Muito me surpreendeu a forma como os alunos aceitaram essa prática e se dispuseram a escrever. Confesso que realizamos poucas produções textuais em virtude de acompanhar as situações aprendizagem propostas pelo caderno do aluno, mas foram proveitosas as que realizamos.
  8. 8. PROCEDIMENTOS 1º passo • propor a produção textual de uma carta argumentativa com a seguinte comanda: Felizberta ex-colega de classe e muito sua amiga, mudou-se a pouco para uma nova cidade e está com uma dúvida cruel entre ficar com Felismirno ou namorar Godofredo, garotos de sua nova escola. Sua missão é aconselhar sua amiga a escolher um ou outro justificando sua opinião, ou seja, o porquê ficar ou namorar seria melhor. Como você aconselharia sua amiga nessa difícil decisão?
  9. 9. Marília, 23 de agosto de 2013. Querida amiga Como vai? Espero que esteja tudo beleza! Fiquei realmente feliz em receber sua carta. Sabe, quando você mudou de cidade, tive medo de não nos falarmos mais. Bobagem minha, né? Nem parece que algo mudou, continuamos a compartilhar segredo, dúvidas... E que dúvida cruel você está, hem! Dois garotos gostam de você, só que um quer ficar e outro namorar... Puxa! Bom, você sabe, a decisão é sua e somente sua. Mas não posso deixar de dar minha opinião até porque sou sua amiga, Fê. E o que eu acho é que namorar é uma opção bem melhor que ficar. E não estou falando isso da boca pra fora não (se bem que não estou falando, estou escrevendo, claro...) pensei muito sobre isso. Ficar é um relacionamento muito incerto. Quero dizer, nós acabamos ficando sem saber o vai acontecer depois: se vai dar certo ou não; se o sentimento é verdadeiro ou apenas uma ilusão. Por outro lado, o namoro é mais sério se o ... (é Godofredo o nome dele?) quer namorar contigo, então ele realmente gosta de você. Pense bem nisso, OK? Ah! Não deixe de me contar sua decisão e sobre o que acontecer. Lhe darei um puxão de orelha se não me escrever, viu! Até mais! Tati.
  10. 10. 2º passo • orientar individualmente cada aluno durante a produção da carta, verificar se respeitou o gênero, se houve adequação da linguagem quanto a situação informal do uso da língua e acertos ortográficos;
  11. 11. 3º passo • produção de um artigo de opinião com a seguinte comanda: Você vai produzir um artigo de opinião para ser publicado no jornal da escola, seu tema será: Namorar ou ficar, eis a questão? Leia os texto motivadores, utilize os conhecimentos adquiridos, selecione, organize e relacione argumentos para defender seu ponto de vista.
  12. 12. Textos motivadores • Texto 1 Namorar ou Ficar Pense bem no nome que você está dando para o relacionamento que você anda tendo. O ficar, quando existem sentimentos de um dos dois, não existe! Você não vai ficar feliz em saber que o homem que você anda ficando, está andando por aí com outras garotas, e isso vai fazer com que você comece a cobrar dele, ou comece a ter ciúmes doentios, e também comece com as brigas. Por isso, se você está sentindo qualquer coisa por essa pessoa, é bom perceber que o namoro é a melhor solução, e que pra você, essa papo de ficar simplesmente não existe. É apenas uma condição que você aceitou, só pra conseguir estar perto e com essa pessoa, mas sem garantia nenhuma de que será ou não traído.
  13. 13. • Texto 2 Namorar ou ficar O namoro implica o conhecimento do outro Nos dias de hoje, por incrível que pareça namorar é considerado fora de moda. O "ficar" parece muito mais fácil, certo? Talvez nem tanto. No “ficar” as pessoas se encontram, se atraem e acabam trocando beijos ou até algo mais. Mas é importante dizer que esse tipo de relacionamento caracteriza-se pela ausência de compromisso, de limites e regras claramente estabelecidas: o que pode ou não pode é definido no momento em que o relacionamento acontece, de acordo com a vontade dos próprios “ficantes”. A duração do “ficar” varia: o tempo de um único beijo, a noite toda, algumas semanas. Nessa situação, ligar no dia seguinte ou procurar o outro não é dever de nenhum dos envolvidos. Por essa razão, esse tipo de envolvimento acaba se tornando atraente para muitas pessoas que desejam apenas curtir o lado bom do namoro, sem responsabilidades, cobranças ou compromissos. A partir disso essa prática acaba substituindo e muito o namoro; muitos jovens preferem apenas trocar alguns carinhos a encarar uma relação mais séria. O problema é que, muitas vezes, bate uma carência, uma vontade de ter alguém... A pessoa que sempre “fica” dificilmente se envolve. Chega uma hora em que é natural sentir vontade de ter alguém com quem sair, conversar, dividir bons e maus momentos, trocar beijos e carinhos, enfim, ter um relacionamento. Algumas pessoas, às vezes, ficam com vários parceiros na mesma noite, às vezes durante vários dias. Para refletir: 1) ficar é namorar de brincadeira; 2) ficar é praticar para ver se vai dar certo; 3) ficar é suprir provisoriamente a carência afetiva e sexual; 4) ficar é curtir todo mundo numa boa, sem compromisso 5) enfim, ficar não significa namorar nem mesmo significa crescer.
  14. 14. http://deiafargnoli.blogspot.com.br/2012/05/relacionamento-dificil-vale-pena.html Texto 3
  15. 15. • Neste momento novamente deve ocorrer à intervenção individual, Chamar a atenção do aluno para uso da norma padrão, da objetividade, da estrutura que gênero artigo de opinião exige.
  16. 16. 4º passo • Propor aos alunos uma análise coletiva de um texto previamente escolhido que apresente um determinado problema, com a exposição do mesmo no Datashow. • Fazer a reescrita do texto com as devidas correções sugeridas pelos alunos. • Levar o aluno a comparar o texto produzido coletivamente com seu próprio texto e perceber o que ele errou e consequentemente o que ele deve corrigir para aprimorá-lo.
  17. 17. Artigo de opinião produzido pela Aluna Andressa- 9ºC NAMORAR OU FICAR Hoje na sociedade em que vivemos, namorar, para uma grande maioria dos jovens é considerado “careta”. “Ficar” é visto como um meio mais fácil de se divertir e estar com o sexo oposto. Acho que namorar sempre vai ser o ideal, estar com a pessoa amada vivenciar momentos bons e ruins. Você já reparou, como é um casal jovem e apaixonado? A troca de olhares e o carinho que um trata o outro. Se você já se apaixonou deve saber exatamente como é. Ficar é o modo fácil de contato com o sexo oposto, para quem não gosta de compromisso, ficar nunca vai ter a mesma “magia e emoção” que um namoro, um casal apaixonado sempre vai se olhar como se fosse os , únicos no mundo. Penso que namorar é melhor que ficar, claro, quem só fica um dia pode se apaixonar também e quem sabe até namorar um dia.
  18. 18. Apresentação da proposta de redação e do texto a ser reescrito.
  19. 19. Leitura e análise do texto projetado.
  20. 20. Orientando sobre a análise do texto Ouvindo a opinião dos alunos
  21. 21. Intervenção no texto juntamente com os alunos.
  22. 22. Texto pronto (reescrita) NAMORAR OU FICAR  Hoje na sociedade em que vivemos, “namorar”, para uma grande maioria dos jovens é considerado “careta”. “Ficar” é visto como um meio de diversão. Namorar sempre vai ser o ideal, pois estar com a pessoa amada e vivenciar momentos bons e ruins é algo inesquecível. Você já reparou como é um casal apaixonado? A troca de olhares, o carinho que um tem com o outro e seus gestos? Quem já se apaixonou deve saber exatamente como é essa experiência. Embora os jovens de hoje prefiram “ficar”, uma vez que acreditam ser o modo mais fácil de contato com a outra pessoa, penso que esse ato é para quem não gosta de compromisso. “Ficar” nunca terá a mesma magia e emoção que um namoro, visto que isso é algo momentâneo. Concluindo, namorar é a melhor opção para quem busca um compromisso, para quem quer viver intensamente o amor.
  23. 23. Intervenção e depoimento de aluno
  24. 24. Conclusão A atividade de reescrita proporcionou uma oportunidade para o aluno aprender a aprimorar sua produção textual, tornando-a mais coesa e objetiva. Durante a aplicação dessa atividade foi possível notar a participação da maioria dos alunos em busca dos elementos que promovessem uma melhora na produção escolhida para a tarefa. Grande parte dos alunos, porém preferem que se faça uma intervenção individual em seus textos alegando que desta forma podem sanar suas dúvidas focar especificamente em seus equívocos . Sendo a reescrita um caminho que deve ser seguido para que se efetive a competência escritora do aluno, torna-se necessário utilizá-la como aliada nas práticas pedagógicas.
  25. 25. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS CASTRO, Giselle. Namorar ou ficar. Disponível em http://www.umombroamigo.com/2010/05/namorar-ou-ficar.html MARIANO J. Helena S. Namorar ou ficar - O namoro implica o conhecimento do outro disponível em http://www.cancaonova.com/portal/canais/formacao/internas.php?e=11481. POSSENTI, S. Reescrita de textos: sugestões de trabalho. Brasília: MEC, 2008. Disponível em: http://www.iel.unicamp.br/cefiel/alfaletras/biblioteca_professor/arquivos/62Reescrita_de_texto.pdf

×