Balada junho/julho de 2013

2.399 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.399
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.616
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Balada junho/julho de 2013

  1. 1. O MEUAVIVAR DE COMPROMISSO Os tempos livres sejam empregados para descanso do espírito e saúde da alma e do corpo, ora com actividades e estudos livremente escolhidos , ora com viagens a outras regiões (turismo ) ,com as quais se educa o espírito e os homens se enriquecem com o conhecimento mútuo , ora também com exercícios e manifestações desportivas, que contribuem para manter o equilíbrio psíquico, mesmo na comunidade , e para estabelecer relações fraternas entre os homens de todas as condições e nações, ou de raças diversas “ (GS.61 “ XLENCONTRO NACIONALDOS CONVÍVIOS FRATERNOSEMFÁTIMA EM 14 E 15 SETEMBRO Mais uma vez se reunirão em Fátima alguns milhares de jovens para, enquadrados no XL Convívio Animação Nacional, dos Convívios Fraternos, louvarem a Deus, por sua Mãe, Maria Santíssima e partilharem com os outros a sua Fé, a alegria da sua juventude marcada pela Boa Nova de Jesus Cristo e a admirável esperança de jovem cristão - (Pag.2 B U ) BOAS FÉRIAS!... As férias devem ser um tempo propício ao descanso físico mas também um tempo privilegiado para crescermos cultural, religiosa e moralmente, para sermos nós próprios, para fazermos aquilo que sempre gostamos de fazer, para sermos pessoas. A VERDADE DO SER Vivemos nos tempos de hoje, um agressivo secularismo que tenta aproveitar todos os pretextos para desacreditar e desvalorizar a Igreja e o caminho por ela apontado , pelo mandato e pelo poder que lhe foi concedido por Jesus Cristo. - (Pag.2 B U ) PAPACONTRA GLOBALIZAÇÃO DA "INDIFERENÇA" Na ilha de Lampedusa com seis mil habitantes, na missa celebrada pelo Papa Francisco que reuniu 10 mil pessoas, segundo as indicações avançadas pela Rádio Vaticano, o Papacondenouaindiferençadomundo,frenteaosofrimento dos outros. - (Pag.4 B U ) DIA MUNDIAL DA JUVENTUDE Os inícios destas jornadas remontam ao ano de 1984 quando o Papa João Paulo II convidou os jovens de todo o mundo a participar no JUBILEU INTERNACIONAL DA JUVENTUDE. Em 1986, o Papa institucionalizou estas Jornadas convocando a primeira para 1987. Desde então, todas têm sido importantes e muitos milhares de jovens nelas têm aprofundado a sua Fé e descoberto a sua vocação evangelizadora. - (Pag.2 B U ) O MANIFESTO NóssóqueremostrazermaispessoasparaJe- susporque,aofazê-lo,omundoseráumlugar melhor.Nóssóqueremosdarmaisdenós.Dar tudo de nós, dar o que temos e, às vezes, o que nãotemos.Queremosaloucuradaentrega total... - (Pag. 4 J A) O COMUM NÃO COMUM Na medida em que a vida não é levada com mediocridade e sabemos colocar a perfeição no que fazemos , rezamos , sofremos , estamos a construir a santidade da própria vida, mesmo se o que fazemos parece simples e banal. - (Pag.3 B U ) BISPOSATENTOS A " SOBRESSALTOS " POLÍTICOS. Todas as crises são de preocupação para a Igreja, porque estas oscilações , estas ondas nomardavidasocialepolítica,criamsempre pobres. - (Pag. 4 B U ) FORMAÇÃO E PREVENÇÃO AactividadeprincipaldoCentroSocialConvívios- Fraternoscom45anosdeexistência,temsidoum trabalhointensivo,anívelnacionaleinternacional, de formação de jovens através dos Convívios - Fraternos que visam a sua formação humana e religiosa a partir dos 17 anos de idade. Maisde50miljovens,jáfizeramestaexperiência inesquecíveleamilharesajudouaultrapassarem os seus problemas e a encontrarem um novo sentido para a sua vida.Apesar de nestes meses defimdeanoescolarserdifícilencontrarem-se3 dias disponíveis para realização de convívios, mesmo assim nestes dois meses foi possível realizarem-se 4 convívios para jovens e 1 para casais ( Pg.2 J.A. ) REUNIÃO DO CONSELHO NACIONAL DOS CONVÍVIOS - FRATERNOS De acordo com os Estatutos dos Convívios-Fraternos, o órgão máximo do movimento, o Conselho Nacional, é formado, pelo Assistente Nacional e o Assistente religioso e dois jovens de cada diocese. Deve reunir duas vezes por ano em reunião ordinária para tratar dos assuntos correntes do movimento. - (Pag.2 B U ) PROPRIEDADE: CONVÍVIOS FRATERNOS * DIRECTOR REDACTOR: P. VALENTE MATOS * PRÉ-IMPRESSÃO E IMPRESSÃO: FIG - INDÚSTRIAS GRÁFICAS, S.A. 239 499 922 PUBLICAÇÃO BIMESTRAL- DEP. LEGALNº 6711/93 - ANO XXXIV- Nº 318 - JUNHO/JULHO 2013* ASSINATURAANUAL: 10 EUROS * TIRAGEM: 10.000 EXS. * PREÇO: 1 EURO
  2. 2. No dia vinte e dois de Junho, reuniu pelas 10H00, em Fátima, o Conselho Nacional dos Convívios Fraternos, na casa de Nossa Senhora das Dores. Estiveram presentes os representantes das seguintes dioceses; Al- garve,Aveiro,Beja,Braga,Bragança-Miranda, Coimbra, Évora, Guarda, Leiria-Fátima, Porto, Santarém, Setúbal e Viana do Castelo e Viseu, tendo algumas das dioceses ausentes justificado a sua falta. A reunião ocorreu com a seguinte ordem de trabalhos: Ponto 1 - Preparação e apresentação, pelas diversas dioceses, dos textos elaborados para os actos litúrgicos a apresentar no Santuário e de outras actividades e materiais de apoio à Peregrinação; Ponto 2 - Nova edição do livro "Convívios Fraternos"; Ponto 3 - Participação em actividades pastorais a nível nacional e internacional; Ponto 4 - Outros assuntos de interesse para o movimento a apresentar pelas dioceses. A reunião do Conselho Nacional dos Convívios Fraternos iniciou-se com as boas vindas dadas aos presentes pelo seu Presidente, PadreAntónio Valente de Matos, seguindo-se a leitura daATAda última reunião que foi aprovada por unanimidade. Relativamente ao primeiro ponto da ordem de trabalhos, ultimou-se o programa do XL encontro nacional a realizar nos dias 14 e 15 de Setembro de 2013. Os representantes das dioceses apresentaram, ou agendaram a entrega, dos textos e outros materiais necessários para a concretização da peregrinação. Os representantes das dioceses analisaram detalhadamente o programa, de que se apresenta, a seguinte síntese; Sábado, 14 de Setembro 14H30 - O Acolhimento dos jovens e casais convivas, o qual terá lugar no Centro Paulo VI e zona envolvente e será organizado pela diocese de Beja. A Celebração penitencial colectiva, a realizar após o acolhimento será organizada pela dio- cese da Guarda, seguindo-se-lhe a celebração individual da penitência. A Festa da Ressurreição, que ocorre em simultâneocomareconciliaçãoindividual,mas no exterior do Centro Pastoral Paulo VI será organizada pela diocese de Braga. Pelas 14H45 Ocorrerá, com início na frente da Igreja da Santíssima Trindade o desfile de todas as dioceses convivas para a Capela das Aparições onde será celebrada a saudação e a celebração da Palavra em honra de Nossa Senhora, este ano a cargo da diocese de Bragança-Miranda que apresentou o texto base da celebração. Pelas 18H00 haverá um momento de oração por diocese em espaços previamente designados, cuja preparação e implementação está a cargo de cada uma das dioceses. Pelas 21H30 Os jovens e casais convivas são convidados a participar no terço do rosário, cujos textos foram preparados pela diocese de Santarém. Um conviva da diocese fará, no momento do terço, a gestão da ligação entre o Santuário e os representantes dos convivas que irão ler os mistérios, designadamente e por ordem; Santarém, Coimbra, Viseu, Porto (casais) e Beja. Recomenda-se que os leitores estejam junto da capelinha atempadamente, 20 minutos antes do terço. Na procissão de velas o andor de nossa Reunião do Conselho Nacional dos Convívios Fraternos - Fátima, 22 de Junho 2013 Senhora também será transportado por convivas (género masculino vestidos com camisola do movimento) da diocese da Guarda. No fim da Procissão de Velas, realizar-se-á, para todas as dioceses que se inscreverem, no anfiteatro do Centro Pastoral Paulo VI, o Sarau do Movimento dos Convívios Fraternos dinamizado pela diocese do Porto. A diocese do Porto enviará informação detalhada, embora tenha informado que cada Encontro Nacional dosConvívios Fraternos em Fátima nos dias 14 e 15 de Setembro Mais uma vez se reunirão cm Fátima alguns milhares de jovens para, enquadrados no XVI Convívio- Animação dos Convívios Fraternos, louvarem a Deus, por sua Mãe, Maria Santíssima, partilharem com os outros a suafé,aalegriadumajuventudemarcada pela Boa Nova de Jesus Cristo e a certeza admirável dc "ser jovem". É ao mesmo tempo encontro de "acção dc graças" por 38 anos ao serviço dos nossos jovens, através deste movimento que, como meio dc Evangelização, têm chamadoparaCristomilharesdejovens... E é motivo de alegria que essa acção dc graças, ao fim dc cada ano dc actividades apostólicas do movimento, seja feita cm Fátima, nesse lugar dc perdão e por isso também dc amor, cm que Nossa Senhora se revelou aos 3 pastorinhos pedindo conversão através da penitência e da oração. E este facto é tanto mais relevante para cada um dc nós jovens do movimento, quanto sabemos que todos os convívios que se realizam cm Maria, como sua protectora, sua mestra e "Senhora do SIM". Ela, em cada curso que se realiza, na intimidade amorosa dc Jesus Cristo, está sempre presente como acontecia no lar dc Nazaré. É por isso que os jovens dos Convívios- Fraternos têm também devoção e um carinho muito especiais por nossa Senhora.FoiporElaquereceberamJesus. Por essa razão em todos os convívios é- Lhe dirigida esta prece carinhosa c filial: Os jovens deste Convívio-Fraterno a Ti se entregam Rogai por nós, Maria: Aguardamos pois, a presença dc alguns milhares dc jovens neste Convívio- Animação em Fátima, neste ano de Fé que está a terminar. PorissoalgunsmilharesdeJovensvindos de todas as dioceses de Portugal, irmanadosnamesmaféenomesmoamor a Jesus Cristo, farão a sua consagração por diocese a Nossa Senhora na sua invocação de Senhora de Fátima. Ao aproximar-se o termo do Ano da Fé esses jovens, depois de reflectirem individualmenteeemgruposobreotema "VAI E ABRAÇA A FÉ ", vão publicamente, junto do altar em que se actualizará o Mistério Pascal de Cristo, e napresençadaimagemdaSenhora,ouvir o apelo de cada um desses jovens e a todos dirigido: "Vai sem medo, com Maria, na aventura deevangelizar, Comoasolquedespertaonovodia,como o barco levado pela força da maré, Num abraço apertado e confiante, vai…vai…e abraça a Fé. Que todos os jovens das 18 dioceses presentes, pela voz dos seus jovens, possam dar a sua resposta. Damos a conhecer o programa da nossa perigranação Sábado, 14 de Setembro de 2013 14:30-Acolhimento, no Centro Pastoral Paulo VI 14:45 - Celebração penitencial comunitária e individual, no Centro Pastoral Paulo VI. 17:00 - Desfile, saudação a NOssa Senhora e Celebração da Palavra na Capelinha das Aparições (presidida pelos Convívios Fraternos). 18:00 - Oração, na capela da morte de Jesus. 21:30 - Rosário e procissão das velas; com . Recitação do 1º mistério; . Meditação do rosário (Mistérios Gloriosos), por Jovens do movimento 22:45 Sarau conviva, no Centro Pastoral Paulo VI. Domingo, 15 de Setembro de 2013 10:00 - Rosário, na Capelinha e procissão para o altar do recinto com: . Recitação do 1º mistério, por um jovem do movimento . Meditação do Rosário (Mistérios Gloriosos), por elementos dos convívios, bem como como transporte do andor de Nossa Senhora. 11:00 - Missa internacional, no altar do recinto .NaLiturgiadaPalavra,sepossível,umjovem do movimento, fará uma leitura; . APresentação de uma intenção própria, a enviar ao Santuário, para a oração Universal; . Encenação no momento daAcção de Graças deumaprecedeconsagraçãoaNossaSenhora, por todas as dioceses presentes. 14: 00 - Despedida No Parque Nº 2. diocese participante apenas dispõe de sete minutos (entrar em cena, representar e sair de cena)paraexecutarapeçasubordinadaaotema "Vai eAbraça e Fé". Domingo, 15 de Setembro Pelas 10H00 Os convivas e demais amigos são convidados a participar no terço do Rosário, cujos textos foram preparados pela diocesedeAveiro.Umconvivadadiocesefará, no momento do terço, a gestão da ligação en- tre o Santuário e os representantes dos convivas que irão ler os mistérios, designadamente e por ordem; Aveiro, Bragança-Miranda,Lamego,GuardaeSetúbal. Recomenda-se que os leitores estejam junto da capelinha atempadamente, 20 minutos antes do terço. Após a recitação do terço segue-se a procissão com o andor de Nossa Senhora, da capelinha até ao Altar da Esplanada, que será também transportado por jovens (rapazes) da diocese deViseueCoimbracomascamisolasConviva. Segue-se a celebração Eucarística que será presidida pelo Sr. D. Virgílio, Bispo de Coimbra. Na acção de graças as dioceses cantarão uma prece, cuja dinâmica cénica se encontra a cargo da equipa habitual. Após o almoço realiza-se a Festa da Despedida que se animará no parque auto 2 e será dinamizada pela diocese doAlgarve. Na continuação dos trabalhos, a diocese de Bragança apresentou a música e a letra do tema nacional "Vai e Abraça a fé". A diocese de Santarém apresentou o cartaz da peregrinação, o qual já tinha sido impresso pela diocese de Viseu que ofereceu os cartazes. Os autocolantes, que na altura da peregrinação serão distribuídos pelos participantes com o objectivo de angariar BALADA DA UNIÃO2 Junho/Julho 2013 alguns fundos para o Movimento a nível nacional. Foi referido que todas as dioceses devem fazer um esforço grande para mobilizar os jovens e casais convivas para a peregrinação, participando em todas as atividades e usando a camisola da cor da diocese, sendo necessário alicerçar e renovar o movimento nas dioceses onde está implantado e dinamizar nas restantes.
  3. 3. É com estes votos amigos que, quando interrompemos ao fim dum ano o trabalho normal em que nos realizamos para em merecidas férias descansarmos e recuperarmos as forças, se despedem de nós aqueles que connosco normalmente compartilham a mesma missão. É uma necessidade física e psicológica esta interrupção dos trabalhos normais a que nos dedicamos durante o ano para destruirmos o "stress" e recuperarmos as forças físicas e morais. Por isso as férias não são um privilégio ou um favor, mas um bem adquirido e uma necessidade que beneficia não só quem executa um trabalho como quem dele economicamente beneficia. Devem ser um tempo propício ao descanso físico mas também um tempo privilegiado para crescermos cultural, religiosa e moralmente, para sermos nós próprios, para fazermos aquilo que sempre gostamos de fazer, para sermos pessoas... Todavia muitos jovens, têm ideia errada do que deve ser este tempo de férias. Para muitos as férias não passam dum tempo para gozar a vida sem freios, sem leis, sem costumes, para recuperar o que julgam ter perdido em prazer, em vícios, para se libertarem de seus deveres familiares, religiosos e morais!... E então, fazem férias em todas as dimensões da sua vida: profissional, moral, religiosa e cultural, etc. Transformam o mês mais rico do seu ano, em tempo de ociosidade física quando não de destruição física e moral. Nada mais errado!... Isso não quer dizer que não façamos nas férias aquilo de que gostamos - desporto, viagens, etc. - e que durante o ano não temos possibilidade de concretizar por falta de tempo. Mas é necessário que elas sejam um tempo útil para vivermos uma vida sadia e agradável. Referimo-nos apenas aquele tempo de férias desperdiçado, perdido por tantos jovens que, em vez de nelas crescerem como homens física, cultural e moralmente, tantas vezes nelas destroem tudo aquilo que nestes sectores construíram durante um ano. Recordemos todos os jovens e casais que neste tempo de grave crise económica, com tantas dúvidas e incertezas sobre o seu emprego, sobre o futuro, que não têm possibilidades de gozar férias fora do seu meio normal de viver. E não esqueçamos igualmente nesse tempo são forçados adedicarem-se outros trabalhos suplementares para melhorar a sua convição de vida. A ti, jovem amigo, jovem conviva, desejo-te "Boas Férias". Boas Férias Esta nova realidade de menores em tratamento de toxicodependência nas nossas comunidades juntamente com adultos, exige um novo enquadramento terapêutico que pedagógica e psicologicamente possa dar resposta satisfatória aos problemas dos residentes nas diferentes áreas etárias em que se encontram. Daqui a necessidade de alterar o programa de vida nas comunidades para responder ás exigências e necessidade de menores e adultos em tempo de férias. Assim tentamos aproveitar estes dois meses para intensificar as actividades culturais, formativas e desportivas. A parte da manhã é ocupada com acções formativas através de reuniões das sub - comunidades e de terapias de grupo dadas por técnicos. Da parte da tarde um grupo de residentes vai para a praia, um segundo tem informática e um terceiro usa a piscina e o ginásio. A partir das 17H30, hora do lanche, e até as 19H30,a todos é proporcionado o uso da internet, da piscina, do ginásio e do bar. Para além destas actividades diárias normais na comunidade, sempre que possível, organizam-se fora dela outros eventos sobretudo desportistas para quebrar a rotina do dia a dia e para facilitar o convívio social dos residentes. Assim se organizaram dois eventos desportistas fora das comunidades. -No dia 8 de Junho realizou-se, mais uma vez, uma actividade de Paintball com os residentes que quiseram participar. Esta actividade desportiva realizou-se no Parque recreativo da Senhora das Entreáguas, na vila de Válega . COMUNIDADES TERAPÊUTICAS DO CENTRO SOCIAL CONVÍVIOS FRATERNOS EM TEMPO DE FÉRIAS ESCOLARES Parque sempre de forma animada e até com alguma ansiedade pelo que os esperava, chagando por volta das 10 horas. O grupo todo contava com perto de 40 elementos, havendo assim necessidade de ser dividido em 2 grupos de forma aleatória. Neste dia desportivo/recreativo realçou-se o espírito de grupo, de inter-ajuda e camaradagem e união nas equipas que atuaram nos diversos desportos radicais que ao longo do dia se foram realizando. Ainda da parte da manhã, 1 dos grupos foi encaminhado para as actividades de "Arvorismo" e "Slide" e o outro grupo para a "Canoagem". O "Arvorismo" é uma actividade de consiste em passar de árvore em árvore a uma altura de cerca de 15 metros e através de passadiços feitos em pequenos troncos de madeira, unidos por cabos de aço. Enquanto este grupo de divertia em terra, já o outro navegava no rio em canoas individuais, equipados com os respectivos coletes e sempre numa luta constante para não caírem á água, lá iam improvisando competições para animar mais ainda a actividade. Chegou a hora do almoço… Eram três mesas onde abundavam sandes de panado, rissóis, saladas e batatas fritas e sumos emtomdepicnic.Todosqueriamreporenergias para o que ainda faltava fazer da parte da tarde. Eram já 3 da tarde quando todos quiseram dar início aos desafios que ainda faltavam, que por sua vez eram os mesmos que da parte da manhã, mas agora com a troca dos grupos entre as actividades, ou seja, todos praticaram de tudo e foi de tal forma contagiante o espírito de boa disposição que até os responsáveis deste parque que monitorizam as actividades se juntaram no final ao grupo todo na "Canoagem", onde a brincadeira acabou com a maior parte dos participantes a mergulhar no rioAve já prescindindo da canoa dos remos, mas mesmo assim nunca do coletes salva vidas! Eis que chegara a hora do regresso e entre o cansaço estampado na cara de todos ainda se ia ouvindo palavras como "… adorei", "…… espectáculo", "… nunca pensei conseguir fazer isto", etc…. Excelente, foi o que ficou dum convívio de mostrou aos nossos jovens que afinal também é possível conviver num clima de harmonia e de fraternidade uns com os outros. Nuno Gil e Carlos Loureiro O convívio agradável, os sorrisos rasgados nos rostos dos participantes e a alegria exuberante, foi a imagem que marcou esse dia para todos inesquecível. No passado dia 13 de Julho, os residentes deste Centro Social, também viveram uma experiência de um convívio colectivo num Parque Desportivo da Azurara em Vila do Conde, que se serviu desta vez de desportos radicais, para cultivar o espírito de equipa e de desafios individuais, testando a capacidade e os limites de cada um. Assim, todos se deslocaram ao referido
  4. 4. JOVENS EM ALERTA Guarda Nos dias 8,9 e 10 de Junho realizou-se no Seminário do Fundão o Convívio 1219. Este ano contando com a época de "Verão" que nos enganou um pouco, pois foram dias em que o tempo esteve um pouco trocado. No entanto, isso nada impediu que dezoito jovens, desta Diocese, realizassem esta experiência do amor de Deus. Foram três dias de muita "absorção" da Palavra de Deus, muito convívio, muita oração, muita partilha, muita amizade. Sentiu- se verdadeiramente que o nosso amigo Jesus andava por ali e estes dezoito jovens quiseram- no viver, sentir, agarrar e levá-lo vivo e ressuscitado para as suas vidas e as suas comunidades. Em Ano da Fé, este Convívio Fraterno, foi uma oportunidade de redescobrir o dom da fé que há em nós. Vivemos estes três dias com muita intensidade,numclimadegrandefamiliaridade e de comunhão uns com os outros. Sentimos um verdadeiro espírito de grupo e de união, sabendo que tudo isto é sinal daquilo que Cristo quer: que a fé se viva em Igreja, em comunidade, em assembleia. “Experiência de Amor de Deus” Convívio Fraterno Nº 1219 da Diocese da Guarda Viseu Existem coisas que não acontecem por acaso…e esta foi uma delas. Já tinha ouvido falar de Convívios Fraternos, mas nunca houve a oportunidade de me "deixar levar" por um destes momentos. Pois bem, acreditem amigos que foi a experiência mais fantástica que vivi na minha vida e estou certa de que não foi só para mim. Foi a uma grande Família que JC escolheu para, juntos irmos ao Seu encontro, permanecendo mais juntinhos ao Seu coração, saboreando a Sua presença em cada um de nós. ForamtrêsdiasmagníficoscheiosdeAlegria, Amor e Felicidade. Foi o "carregar baterias", o encontro de respostas há muito tempo perdidas…abrindo o coração e deixando seduzir-me e encharcar-me peloAMOR DE DEUS. Ao iniciar esta caminhada, o desafio primeirofoidespacharonossoegocentrismo e dar a oportunidade que algo de novo acontecesse…. Descobrir como Jc estava disponível para nos dar a possibilidade de transformar. Na descoberta da nossa vida pessoal, permitindo uma verdadeira abertura a Deus que nos ama com amor A VIDA NÃO PÁRA infinito e indo ao encontro dos outros que, lado-a-lado connosco percorrem este caminho de busca de felicidade, seremos sempre capazes de viver de forma radical esse amor que nos liberta de verdade. Tornei-me uma pessoa diferente, muito diferente, na medida em que em cada rosto vejo um irmão a ajudar. JC preencheu a minha vida e preenche totalmente o meu coração. Sei que com Ele enfrentarei, com força e ânimo, os desafios que a vida me trará, sem desistir! Porque….A Vida não Pára! Na vontade de desamarrar o nosso barco, de sair do nosso porto de segurança, e dispondo-nos a navegar em mar alto, correndo o risco de ver ondas gigantescas, de enfrentar perigos, mas tendo consciência que tendo na nossa mão uma boa bússula não perderemos o nosso norte e descobriremos a meta a alcançar… mesmo em mar alto, sabemos que JC está connosco, Ele é a nosso boia e a nossa segurança, depois tomamos conhecimento que juntos, em Igreja, podemos sempre ancorar e procurar ajuda nos abraços amigos que nos rodeiam. Convívio Fraterno Nº 1220 da Diocese de Viseu Nos dias 8, 9 e 10 de Junho, realizou-se em Eirol o 40º Convivio Fraterno para casais. Foram treze os casais que partiram para este encontro numa procura de algo que lhes desse resposta às suas duvidas, incertezas, medos e frustrações na sua vida espiritual e social. Foi com muita ansiedade e nervosismo que se deu o primeiro encontro. O 1º dia foi de expectativa por tudo o que iria acontecer. No 2º dia tudo se começou a transformar em cada um dos casais. No3ºdiaaalegriaeafelicidadeeramevidentes em todos os casais. Como foi possivel esta transformação? Foi o encontro com Jesus Cristo. Quando acreditamos e nos entregamos verdadeiramente a Deus, tudo se transforma Acreditai: Eu sou o caminho, a verdade e a vida na nossa vida. Foram três dias que cada casal jamais esquecerá neste encontro com Jesus Cristo. Para o 4º dia é preciso ter forças para acreditar que nada será como antes porque agora descobriram que, para viverem feizes, só é necessário amar a Cristo e confiar-Lhe todas as nossas dúvidas, incertezas e medos. Que Cristo seja a bússola para vos indicar o caminho porque ele é o caminho, a verdade e a vida. O encerramento deste convivio aconteceu em São Martinho da Gândara, tendo os jovens e casais convivas preparado e organizado todo o acolhimento aos novos casais. Pela equipa coordenadora, António e Celeste Leite 40º Convívio fraterno para casais do Porto 4 Junho/Julho 2013 Porto Agora, todos os dias quero acordar com um sorriso nos lábios, com alegria no coração e com vontade de fazer-me ao caminho na certeza de que não estou sozinha - JC está sempre comigo! A vida tomou cor, nos amigos encontro aconchego, o caminho é suave, porque a herança deixada foi enorme!...Obrigada por tudo JC.
  5. 5. JOVENS EM ALERTA Caminhandonotempo,estamos a passos do grande encontro de Jovens na cidade de Rio de Janeiro no outro lado do Atlântico, que tem como tema "Ideefazeidiscípulosentretodas as nações". Como tal é necessárioprepararmo-nospara celebrar oAmor Maior que nos une.Porisso,abordamosotema "A esperança". De facto, para umcristãoéfundamentalviverna profundidadedaesperança,para que possa viver o presente projectado o olhar para o Reino futuroeabsoluto.Masparaisso, é deveras relevante que essa perseverança seja forte e A Esperança Os convivas da diocese do Porto e de Aveiro partilham a casa do MovimentodosConvíviosFraternos de Ideso - Eirol (Aveiro), esta casa que está no coração dos convivas destasdioceses,carecedecuidados deconservaçãoedemelhoramento. Os convivas do Porto lançaram mãos à obra, no dia 18 de Maio e 13 de Julho, com muito trabalho voluntário, sobretudo dos casais convivas e jovens convivas da dio- cese, bem como, de uma equipa de profissionais que graciosamente ofereceram o seu trabalho especializado e emprestaram a maquinaria necessária. A grande empresa proposta consistiu em vedar a casa pela construção de um muro, aumentar o parque de Trabalhos na casa de Eirol alicerçada nas raízes da fé para que não caiamos na esperança passiva,aquelaqueactuadeuma forma disfarçada. Na Carta aos Hebreus, "Desejamos porém que cada um de vós mostre o mesmozelo,mantendointactaa sua esperança até ao fim" (Hb 6,11), está patente o anseio de uma esperança que introduz o compromisso na fé e o projecto de missão. Só mesmo uma pessoa de fé é capaz de viver a esperança cristã. Nádia Mofreita, CF 1119 - Bragança No passado dia 25 de Maio, o grupo de convivas de Avanca proporcionou uma noite de animação e alegria, à sua população e a outros interessados, com mais uma edição do "Sarau Conviva" que teve lugar no auditório do centro paroquial. Este evento, que consiste principalmente na atuação de vários grupos de convivas da diocese do Porto, levou a que vários jovens caracterizassem de diferentes formas o tema pré-estabelecido "Expressa a tua fé". Houve canto, representação, dança e muitas brincadeiras que presentearam a todos os participantes sorrisos e boa disposição. Os grupos participantes foram: CF 1171, CF1193, Coordenadores equipa do Hélder, Coordenadores equipa do Carlos Matos, Vila Chã, CAMPE, Casais de Travanca, Fornos, Castelões, Avanca, Equipa de Animação Musical… Esta é uma forma divertida de reunir amigos Sarau Conviva cristãos que, nesta noite em específico, expressaram a sua fé com base na dedicação que depositaram ao contribuírem, de forma tão entusiasta, num acontecimento, de certa forma, com carácter solidário. Com a venda de rifas para o sorteio de um cabaz, um pequeno leilão de produtos, e a venda de comida e bebidas durante o decorrer da noite, foi angariado dinheiro que reverterá para as obras da unidade de cuidados continuados em Avanca. De salientar que a maior parte dos produtos foram disponibilizados pelo grupo organizador, com o apoio do café Triângulos. A pomba, símbolo do Espírito Santo, que tem um papel importante na fé, foi o símbolo escolhido para o sarau, tendo sido um elemento presente na decoração. Também foi oferecido a todos os que assistiram e actuaram uma pomba em origami. No dia 7 de Julho os convivas valentes e destemidos, que aceitaram o convite, viveram um dia diferentes, fomos à procura do Norte, da estrela polar que sustenta e inspira a nossa vida!AEstrela Polar, não é a maior nem a mais visível das estrelas de céu, ela só é importante porque está centrada no eixo da Terra, no pólo norte do planeta Terra e por isso cria a unidade e serve de referência e de orientação. Assim deveseranossavidacentradanavidadeJesus, criar a unidade no eixo da fé, e onde quer que estejamos, estaremos sempre com Jesus. A Equipa de Animação Pastoral promoveu o 1º Peddy - Papper Conviva na Serra da Freita (Arouca). Estava um dia quentíssimo, uns 40 grausnocimodaserra,masoapeloconvivafoi maisforteecercade100jovensealgunscasais convivas aceitaram o convite e, por equipas, realizaram o suado percurso pedestre, por montes e vales, escarpas verdejantes, algumas simpáticas sombras, ribeiros refrescantes e um calor tórrido. Após muita inspiração para re- sponder ao exigente questionário e muita Peddy - Papper Conviva da diocese do Porto transpiraçãopelacaminhada,houvetempopara descansar na sombra do pinhal e saborear o almoçopartilhadoentretodos.Pararetemperar asforçasaindahouvetempoparaumabanhoca nas lagoas de águas refrescantes do rio Caima. Após o almoço, retemperadas as forças e nomeaçãodaequipavencedora,celebrou-seno meio da natureza a Eucaristia presidida pelo amigo Padre Valente, que bem nos soube a Eucaristia! Amelhor parte do dia! Jesus ali presente, entre o céu azul, quente fogo, as sombras das árvores, verde esperança, as rochas a lembrar que entre o céu e a terra, temos como missão ser as pedras vivas do templo de Jesus, comungamos Jesus, comungamosentrenósnocimodaserraaalegria de ser cristão conviva. Bela experiencia de encontroentreosconvivasdoPorto,umafesta, na caminhada, na partilha, na alegria e na celebraçãodaEucaristia. António Silva estacionamento, limpar as zonas envolventes, melhorar os acessos à casaerealizarumalimpezanointe- rior da casa, preparando-a para os convívios de Agosto que se aproximam. Ostrabalhosforamdurosmastodos saímosmaisfelizesdestasjornadas de trabalho, a nossa casa é também onde semeamos a nossa vida e a regamoscomonossosuor,criamos prioridadesàsnossaspreocupações e nos dedicamos a causas nobres. Construímos o nosso coração ao jeito de acolher a palavra de Jesus, de forma a sermos testemunhas vivasdeJesusnocoraçãodosnovos convivas, em todo o tipo de trabalho dêmos glória a Deus! António Silva 5Junho/Julho 2013
  6. 6. JOVENS EM ALERTA Nós só queremos trazer mais pessoas para Jesus. Porque sabemos que ao fazê-lo o mundoseráumlugarmelhor.Nóssóqueremos dar mais de nós. Dar tudo de nós, dar o que temos e às vezes o que não temos. Queremos a loucura da entrega total. Não queremos ficar presos a mediocridades porque nascemos para o infinito. Queremos vencer o conforto e ficarmos desconfortáveis se for preciso. Queremos dormir pouco, cansar os nossos pés e gastar as nossas mãos. Queremos a ansiedade de não saber, e a certeza de saber também. Queremos dar um sentido a esta vida que tantas vezes se torna vazia de rumo. Não queremos ser iguais porque somos diferentes. Não queremos conformar-nos ao que nos querem impor porque o mal não cabe nos nossos sonhos. Queremos lutar com a força de uma tempestade contra as trevas que nos habitam. E queremos ser vencedores nesta guerra. Queremos lutar com a paixão que a nossa juventude nos permite. Com a paixão que nos sufoca e que não nos deixa sossegados. Mas queremos que este Manifesto No passado mês de Maio um grupo de jovens dos Convívios Fraternos da Diocese Bragança-Miranda, cheios de alegria e com Jesus Cristo no coração, partiram rumo a Santiago de Compostela, no âmbito de uma formação de animadores do movimento diocesano. Assim, partimos de Bragança no final do dia 24 com destino a Santiago de Compostela onde gentilmente nos deram hospedagem na Albergaria Dom Bosco. Já no dia 25, o dia começou, como não podia deixar de ser, com a oração da manhã seguida da participação e animação da Eucaristia na própria Catedral de Santiago, sem dúvida uma experiencia única e arrebatadora, na qual todos nos sentimos úteis mas diminutos perante o elevado número de peregrinos que ali se encontravam a expressar a sua fé vindos de todas as partes do mundo. Um humilde contributodanossaparte,queencheuonosso coraçãodeumnovoalento.Apósaeucaristia, todos nós transbordávamos de fé! Manifestamos também a nossa admiração por um dos símbolos que caracteriza a cidade, o Botafumeiro, um enorme incensário usado desde a Idade Média como instrumento de purificação da catedral apinhada de gente. E que hoje continua a ser a delícia dos fiéis quando depois da comunhão toca o Hino do Apóstolo nos órgãos barrocos e este portento da física começa o seu assombroso percurso pendular face ao Altar-mor, para subir e quase bater na abóbada do transepto. Apos o almoço, já na casa onde pernoitamos, realizamos uma pequena reunião onde foram abordadas as atividades que se aproximam, tendo como pilar principal cativar jovens a participar, para desta forma concretizar a Convivas de Bragança em Santiago de Compostela missão de evangelizar. Esta reunião também permitiu a jovens convivas mais recentes no movimento, adquirirem experiência no âmbito de planear e executar atividades e dinâmicas no movimento. No resto da tarde concretizou-se o momento de formação com o senhor padre José Manuel que nos guiou pela cidade enquanto nos explicava a história relativa a cada rua, Igreja, mosteiro, monumento... Onde foi enquadrado o espirito do peregrino, nos caminhos de San- tiago, completando a palestra com algumas interpretações de passagens bíblicas. O dia terminou com um momento de convívio entre nós que ajudou a fortalecer ainda mais os laços, já existentes, entre cada um. Finalmente, o dia 26, último dia da nossa peregrinação, iniciou com a eucaristia na paróquia de San José do Milladoiro, onde é pároco o sr. Padre José Manuel. Também aí, demos o nosso pequeno contributo na animação da Eucaristia, conjuntamente com as crianças que recentemente haviam feito a sua primeira comunhão, o grupo coral da paróquia e uma animação completa de toda a assembleia. E assim, com os corações reaquecidos e extasiados com cada momento vivido, chegou ao final um fim-de-semana de peregrinação, enriquecedor e com a presença de Jesus Cristo manifestado em cada olhar e sorriso que pudemos trazer destes momentos com os "nuestros hermanos". Regressamos a casa trazendo connosco, um grande sentimento de paz, amor e esperança, aquilo que procurávamos por Terras de San- tiago, sendo estes a essência para uma maior motivação de evangelizar. Rafael Teixeira CF 1157 Cátia Fernandes CF 1130 ComoParquedeCampismodeVilaFlorcomo cenário, realizou-se na Diocese de Bragança- Miranda mais um Acampamento Jovem de Formação de Animadores dos Convívios Fraternos desta diocese. Um grupo de cerca de 30 jovens, com vontade de saber mais para evangelizar melhor, aceitou este desafio e no dia 5 de Julho ao fim da tarde o Parque de Campismo de Vila Flor, coloriu-se com as tendas e a alegria de jovens vindos de vários pontos da Diocese. Viveram-se momentos de oração e intimidade desassossego seja a luz que nos orienta. Não queremos meios termos. Queremos o cem por cento. Queremos o mundo para o nosso Deus porque a felicidade está ali. Mesmo ali...Queremos sair da nossa zona de conforto porque ela é uma zona de grande perigo...que nos oprime e nos mata devagarinho. Onde está a tua juventude? Nos copos a mais? No sofá? Na televisão? Nas noites sem rumo? Nas relações superficiais e sem compromisso? No egoísmo do que te apetece sem pensares que existe um mundo para além de ti? Nós queremos que a tua juventude seja mais. Queremos que seja o tudo que ainda não deste. Queremos que te encontres de uma vez por todas e que assumas quem és realmente. Queremos que dês tudo de ti porque é assim que faz sentido. E esta verdade é certa como é certa a tua sede de infinito. E tu? O que queres afinal? Fabíola Mourinho CF 833 Bragança-Miranda FORMAR PARAEVANGELIZAR com Jesus Cristo, Formação e partilha. É já o quarto ano desta iniciativa que é sempre motivadora e impulsionadora da vontade cada vez maior de Evangelizar. Agradecemos a Deus o dom da vida que nos permite crescer em momentos tão bonitos e enriquecedores e pedimos-lhe a graça da coragem de "ir e fazer discípulos entre as nações". Que assim seja. Fabiola Mourinho, CF 833 No passado dia 11 de Julho, os convívios fraternosdeBragançaforamfazerumavisita ao acampamento da APADI (Associação de Pais eAmigos do Diminuído Intelectual) que está a decorrer no Parque de Campismo de Vila Flor. Estivemos a jantar com eles e depois do maravilhoso jantar nada melhor do que um Convivas de Bragança interagem com utentes da APADI pequeno momento de alegria, onde foi cantado o hino daAPADI e outras canções populares, dançamos com os utentes da APADI.. Foram umas horas de imensa alegria, união e amor... o Espírito Santo desceu e ficou naqueles corações alegres.. E esta pequena visita terminou com um "Obrigado pela visita, voltem para o ano..." "Venham mais vezes, visitem-nos em Bragança" "Estamos contentes e não se esqueçam de nos visitar, falem com o Sr. Prof. Pedro" Todos nós tivemos um dia cheio de trabalho ecansativoenãopoderiaterminardemaneira melhor, ver aqueles sorrisos, aquela alegria e 6 Junho/Julho 2013 carinho foi muito bom e deixou nossos corações derretidos, alegres e com uma vontade enorme de os voltar a visitar... Para eles fica um até já.... Miguel Nicolau CF 1191
  7. 7. BALADA DA UNIÃO Apesar da grave crise económica que a todos afeta , os valores espirituais e culturais em nada devem ser afetados . É por essa razão que, apesar das dificuldades económicas que o movimento também vai sofrendo, vamos continuar a tentar publicar bimestralmente o Balada da União. E essa força e coragem é - nos dada pela generosidade dos nossos leitores que nunca deixaram de apoiar em todos estes anos o nosso jornal. É GRAÇAS À SUA GENEROSIDADE QUE ELE CONTINUA A SER O ELO DE UNIÃO ENTRE TODOS OS JOVENS E CASAIS DO MOVIMENTO. Para facilitar o envio do contributo dos nossos leitores, juntamos um impresso de vale de correio para, depois de preenchido e entregue numa estação de correios, ser enviado por aqueles que desejarem utilizar este meio. BALADA DA UNIÃO Vivemos, nos tempos de hoje, um agressivo secularismo que tenta aproveitar todos os pretextos para desacreditar e desvalorizar a Igreja e o caminho por ela apontado, pelo mandato e poder que lhe foi concedido por Cristo. Aproveitam-se todos os pretextos e todas as falhas dos membros da Igreja de A verdade do Ser Cristo para lhe apontar falhas, inconsistências, e para muitas vezes se tentar fazer prova que a Igreja prega uma coisa e simultaneamente faz o seu contrário. O Sermão da Montanha, em que Jesus apontou caminhos de felicidade, parece muitas vezes algo, que nós, como Um título estranho, sem dúvida, mas que quer significar, apenas, que devemos viver o Tempo Comum, da vida e da liturgia, de um modo não comum, ou seja, é um apelo a viver o quotidiano com audácia, com compromisso, com determinação, com coração, com encanto e alegria, dizendo um "não" vivencial à rotina, à inércia, ao deixar correr, à mediocridade, à apatia, ao stress, ao reboliço, à vida em azáfama e sem sentido. "O Tempo Comum" é uma oportunidade cristã, um dom de Deus, uma oferta da Igreja a vivermos o quotidiano com semente de divino, com intimidade com Deus, mergulhando Deus na vida e a vida em Deus. Temos, pois, diante de nós algo que nos pode ajudar a viver o Comum de um modo "não Comum", o quotidiano com dimensões "divinas". As mais de trinta semanas do Tempo Comum são um desafio à nossa criatividade, à nossa imaginação, à nossa teimosia de viver em plenitude cada momento da vida, do trabalho, da dor, da alegria, da oração, da vida social... Dar uma pincelada divina ao nosso humano, ao nosso quotidiano, àquilo que aparentemente poderia ser tão material, tão sem valor, tão sem novidade. A liturgia, mãe e mestra da vida, convida-nos a dar a cada momento do dia o seu valor. Trata-se da determinação de fazer bem todas as coisas, de aceitar o desafio do aforismo: "faz o que deves e está no que fazes" Faz a vontade de Deus, aquilo que o Senhor permite através de um horário, de uma circunstância, de uma norma, de um dever, de um O Comum não comum compromisso assumido. E está plenamente no que fazes, fá-lo com garra, com encanto, com a máxima perfeição. E se é feito com perfeição, já é construtor do projecto de Deus, em tudo e em todos. Na medida em que a vida não é levada com mediocridade e sabemos colocar a perfeição no que fazemos, rezamos, sofremos, estamos a construir a santidade da própria vida, mesmo se o que fazemos parece simples e banal. Quantas coisas dizemos ou fazemos, quantas alegrias e sonhos, quantos planos e projectos, quantos momentos de entusiasmo ou de dúvida, quanta luta e quantas vitórias, quantas tentações e momentos de fragilidade repassam o nosso quotidiano. Importa tomar tudo nas nossas mãos, sobretudo no nosso coração e oferecer ao Senhor. Não nos deixemos conduzir pela inércia ou pela rotina, não deixemos que a vida tome conta de nós, que o stress nos invada o quotidiano. Demos, com determinação e audácia a solenidade que cada momento merece. Vivamos unidos aquele que é a vida verdadeira e dá sentido a tudo o que vivemos. Saibamos colocar intensidade interior, fulgor espiritual em tudo o que, ao longo do dia, nos é dado viver.Alegres na esperança, vivamos a felicidade que comporta cada momento presente. E cada momento não volta, não se repete. Não percamos essa riqueza. Aproveitemos esse tesouro. Manuela Pires CF 860 Bragança-Miranda 7Junho/Julho 2013 membros da Igreja esquecemos no nosso dia-a-dia, e desta forma passamos ao nosso próximo a ideia de uma Igreja inconsistente: de bonitas palavras vazias de actos de Amor. No 15º Domingo do tempo comum, Jesus confirma que o caminho para a vida eterna passa por Amar a Deus sobre todas as coisas e amar o próximo como a nós mesmos. Mas vai ainda mais longe: através da parábola do Bom Samaritano, deixa-nos um alerta que este caminho não é de palavras, mas sim de acções concretas com o nosso próximo. Passa um "bom" sacerdote, e provavelmente um "exemplar" levita, mas apenas um compassivo e simples samaritano se digna a reconhecer no moribundo o seu próximo. Jesus continua, pelo eco da Sua Palavra, a indicar- nos o caminho da verdade: a consistência do Amor. Reconhecer em cada ser humano que sofre o nosso próximo, o nosso semelhante, uma pessoa como nós, como o nosso irmão, amando-o como a nós mesmos, será portanto, um passo fundamental que o Senhor indica como caminho para a salvação. Será também o caminho para cada um de nós tornar a Igreja de Cristo consistente aos olhos de quem a observa exteriormente. É imperioso colocarmos o nosso olhar na figura de Cristo. Para o Verdadeiro Homem, e para o Verdadeiro Deus. Para o Verdadeiro Homem que Cristo foi, porque se manteve fiel à palavra de Amor do Pai, pois sendo também humano, pô-la em prática até ao extremo de se tornar mártir para permitir a nossa salvação. Cristo e os mártires que o seguiram recordam-nos o quanto são verdadeiras as palavras de Tertuliano: "Sangue de mártires, semente de Cristãos". Dizia o Jorge, um conviva amigo do CF 1107 (e que está a seguir o caminho do sacerdócio, pela Graça de Deus) da nossa Diocese numa agradável conversa que tivemos, que "A Europa de hoje precisa de mártires". Depois de pensar nos exemplos de Cristo e de todos os Mártires e Santos que mais do que darem, "se deram" completamente por Cristo, chegámos à conclusão que as palavras do Jorge são mais um eco do alerta que Jesus um dia fez: se quisermos ser sementes de cristãos, temos de nos dar, com actos concretos, pelo próximo. O nosso tempo a nossa coragem, o nosso bem-estar, os nossos dons, mesmo que possam parecer escassos, se os oferecermos nas mãos de Cristo, Ele abençoá-los-á para que se tornem semente fecunda de cristãos, de olhares brilhantes colocados em Cristo, de vidas plenas, de uma nova Igreja. Urge hoje, sermos verdadeiros naquilo que somos: Cristãos, Convivas, Igreja, para que possamos ser assim, semente de cristãos! João Mourinho CF 980 Bragança-Miranda CONVÍVIOS RUMO AO FUTURO NOS DIAS 26 , 27,E 28 DE JULHO DE 2013 1221 – Na Casa do Clero de Bragança ,para jovens desta diocese 1222 – No Lar de Férias da Casa do Gaiato , na Arrábida , para jovens da diocese de Setubal NOS DIAS 1 , 2 E 3 DE AGOSTO 2013 1223 – Em Eirol , Aveiro , para jovens da diocese do Porto CONVIVIO PARA CASAIS NOS DIAS 15,16 E 17 DE AGOSTO DE 2013 41 – Em Eirol , Aveiro , para casais da diocese do Porto
  8. 8. BALADA DA UNIÃO Balada da União Propriedade Editorial e Administração Convívios Fraternos N.I.P.C. 503298689 Tlef: 234 884474 Fax: 234 880904 Director e Redactor: P. Valente de Matos Depósito Legal: 634/82 Nº de Registo: 108164 Este Jornal encontra-se em www.conviviosfraternos.com Rua Júlio Narciso Neves Nº 65 3860-129 Avanca Bispos atentos a "sobressaltos" políticos O porta-voz da Conferência Episcopal Portuguesa (CEP) pediu em Fátima que os líderes políticos encontrem soluções para os "sobressaltos" do país, em "consonância" com "as aspirações e dificuldades"dopovoecom"urgência", na reunião do Concelho Permanente da C:E:P: reunido em Fátima no dia 09 de Julho de 2013. "Todas as crises são de grande preocupação para a Igreja, porque estas oscilações, estas ondas no mar da vida social e política, criam sempre pobres", disse o padre Manuel Morujão aos jornalistas, no final da reunião do Conselho Permanente da CEP. O sacerdote jesuíta aludiu aos "sobressaltos na política e na sociedade portuguesa", numa referência indireta às recentes demissões e indefinições na formação do Governo, sublinhando que é preciso "saber responder a estes sobressaltos com soluções positivas, o mais possível consensuais". "O que nós pedimos é a procura séria do bem comum, ninguém fica bem na fotografia quando o povo português fica pior", alertou, pedindo que a população fique "bem, olimpicamente bem". O secretário da CEP deixou votos de que "funcionem" os órgãos de soberania "eleitosdemocraticamente"emPortugal para encontrar "soluções justas, apropriadas para cada caso". O sacerdote elogiou os portugueses como "um povo realista" que "não espera varinhas mágicas que tragam soluções ótimas para todos, já" e tem consciência dequeasituaçãoemPortugalenaEuropa "é complexa". Paraoresponsável,esserealismotambém tem de levar a "não adiar, para não deixar correr as coisas". "Que isto seja apenas o degrau para subirmos mais alto na qualidade do serviço a prestar", apelou. O padre Manuel Morujão citou o Papa Francisco, que na segunda-feira, durante a visita à ilha italiana de Lampedusa, avisou para uma "globalização da indiferença", pedindo, pelo contrário, a "globalização da solidariedade". O responsável aludiu ainda ao bem comumcomoum"princípioirrenunciável da Doutrina Social da Igreja". "Pensemos em primeiríssimo e olímpico lugar no bem comum de toda a nação, isto é , do povo português, e só depois no meu partido, o meu grupo social, a classe que eu possa defender - talvez com toda a justiça-, ver que isso tem de ser sempre secundarizado", precisou. Segundo porta-voz da CEP, o organismo olhou para os problemas do país no sentido de procurar "respostas aos questionamentos do povo português". "Nósesperamosdequem está a governar- nos que seja modelo que estimule todos também a procurar soluções", acrescentou. O Papa apelou, na sua viagem apostólica a 8 de Julho de 2013, na ilha italiana de Lampedusa a uma maior atenção da comunidade internacional para o drama dos milhares de migrantes que tentam entrar na Europa e acabam por perder a sua vida no mar. Numa ilha com seis mil habitantes, a missa celebrada reuniu 10 mil pessoas, segundo indicações avançadas pela Rádio Vaticano, a Francisco condenou a indiferença do mundo, frente ao sofrimento dos outros. "Neste mundo da globalização, caímos na globalização da indiferença. Habituamo-nos ao sofrimento do outro, não nos diz respeito, não nos interessa, não é responsabilidade nossa", disse o Papa na homilia da missa a que presidiu no campo desportivo 'Arena', perante milhares de pessoas na ilha mediterrânica, situada a menos de 115 quilómetros da costa da Tunísia, porta da Europa para milhares de imigrantes africanos. "Senti que tinha de vir hoje aqui rezar, realizar um gesto de proximidade, mas também despertar as nossas consciências para que aquilo que aconteceu (mortes no mar) não se repita, que não se repita, por favor", declarou. "Peçamos ao Senhor a graça de chorar sobre a nossa indiferença, sobre a crueldade que há no mundo, em nós, também naqueles que no anonimato tomam decisões socioeconómicas que abrem o caminho a dramas como estes", observou. O Papa disse ter ficado chocado "há algumas semanas" com a notícia de um naufrágio nas costas de Lampedusa, "notícia que infelizmente se repetiu muitas vezes". "Quem chorou pela morte destes nossos irmãos e irmãs? Quem chorou por estas pessoas que estavam nos barcos? Pelas jovens mães que traziam as suas crianças? Por estes homens que desejavam alguma coisa para sustentar as suas famílias?", perguntou. No final da missa, o Papa rezou junto de uma imagem da Virgem Maria por todos os que "enfrentam os perigos do mar" e suas famílias, pedindo proteção para os migrantes e os que são "obrigados a fugir da sua terra, em busca de futuro e de esperança". A intervenção deixou palavras contra quem provoca "guerra, ódio, pobreza" e promove um "indigno comércio da vida humana". Francisco deixou ainda vários agradecimentos aos habitantes e ao pároco de Lampedusa, padre Stefano, pelo seu "exemplo de amor, exemplo de caridade" no acolhimento aos imigrantes, deixando votos de que o resto do mundo assuma a capacidade de "acolher os que procuram uma vida melhor". O Papa vai passar pela paróquia de São Gerlando, partindo depois para o aeroporto, após aproximadamente três horas e meia de visita à ilha italiana, onde Francisco chegou pouco depois das 09h00 locais (menos uma em Lisboa), seguindo de barco até ao porto local para lançar ao mar uma coroa de flores em memória dos que ali perderam a vida. Esta é a primeira viagem para fora de Roma de Francisco, eleito como sucessor de Bento XVI a 13 de março. Na sua conta da rede social Twitter, o Papa deixou uma mensagem dedicada a este acontecimento: "Rezemos para ter um coração que abrace os imigrantes. Deus julgar-nos-á com base no modo como tivermos tratado os mais necessitados". Papa contra globalização da "indiferença" Que a Jornada Mundial da Juventude no Brasil anime todos os jovens cristãos a tornarem-se discípulos e missionários do Evangelho, pede o Papa Francisco na Intenção Geral deste mês em que se realiza mais uma Jornada Mundial da Juventude, a decorrer no Brasil, entre os dias 23 e 28. Os inícios destas Jornadas remontam ao ano de1984,quandooPapaJoãoPauloIIconvidou os jovens de todo o mundo a participar no Jubileu Internacional da Juventude. Em 1986, o Papa institucionalizou estas Jornadas, convocandoaprimeirapara1987.Desdeentão, Dia mundial da Juventude todas têm sido importantes e muitos milhares de jovens nelas têm aprofundado a sua fé e descobertoasuavocaçãoevangelizadora. Se bem que todos somos evangelizadores pelo baptismo, podemos, na prática, esquecer este dever e estas Jornadas têm servido, entre outras coisas, para lembrar aos jovens este seu dever cristão,concretamentenosentidodeelesserem os evangelizadores dos outros jovens, como recordouoVaticanoII:"Elesmesmos [osjovens] devem ser os primeiros e imediatos apóstolos da juventude e exercer por si mesmos o apostolado entre eles" (AA, 12). 8 Junho/Julho 2013 Todos reconhecemos a importância cada vez maior da juventude, especialmente numa Europa cada vez mais envelhecida. Também a Igreja reconhece esta importância, como podemos verificar no mesmo número do documento que acabamos de citar: "Os jovens exercem na sociedade de hoje um influxo da maior importância". Sim, a Igreja espera muito dos jovens e estas Jornadas Mundiais são um sinal e um meio de a Igreja mostrar esta esperança que deposita nos jovens, no seu entusiasmo e empenho em serem instrumentos valiosos da evangelização na comunidade cristã. O Papa convida-nos a rezar pela próxima Jornada Mundial da Juventude e a intenção deste pedido é clara:que a Jornada anime os jovens a tornarem-se discípulos e missionários do Evangelho. O Papa pede também as nossas orações para que a Jornada seja uma oportunidade privilegiada para acolher o EspíritoSantoqueSeofereceatodososjovens cristãos e se intensifique o seu desejo de conhecer e amar mais a Cristo.

×