SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 6
Baixar para ler offline
1
MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE LINHA
DE VIDA HORIZONTAL PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO EM
ALTURA
2
1 – OBJETIVO
O presente documento tem por objetivo apresentar o memorial de cálculo de um sistema de linha de
vida horizontal para a realização de trabalho em altura, bem como definir recomendações para a
instalação do sistema.
2 – METODOLOGIA
O trabalho seguiu as seguintes etapas:
1. Levantamento dos desenhos.
2. Cálculo dos cabos e acessórios.
3 – MEMÓRIA DE CÁLCULO
O dimensionamento da linha de vida segue as seguintes premissas:
1. Reduzir a consequência de uma queda ou até mesmo eliminar o risco.
2. Possibilitar o deslocamento seguro dos trabalhadores durante a montagem das lajes da
estrutura pré-fabricada.
Memorial de Cálculo
 Variáveis definidas: 

 Cabo de Aço ABNT 6x19 AACI, classe 2160 KN (220Kgf/mm2 – CIMAF) Ø = ½” (13mm) 
 Massa: 0,68 Kg/m 
 Flecha de mínima = 182,5 mm 

 Vão = 7.300mm 

 Cálculo da reação devido ao peso próprio do cabo: 
RC = m x L
2
8 x F
Onde RC é a reação devido ao peso do cabo, L é a distância entre os suportas que serão
montados os cabos, e F a flecha mínima em metros.
Então:
RC = 25 Kgf
 Cálculo da reação na horizontal: 
Rh = N x P x ϕ
2 x Tg ɸ
3
Onde Rh é a reação na horizontal, N é o número de pessoas que trabalharão simultaneamente na
linha de vida, P é o peso do colaborador somando seu EPI e ferramenta P 110 Kg, φ é o fator de
impacto φ = 2 e ɸ é o ângulo formado entre uma linha imaginária que passa pelos dois pontos de
apoio e a inclinação do cabo.
Então:
Rh = 2 x 110 x 2
2 x (0,182/3,65)
Rh = 4.412,1 Kgf
 Cálculo da tração no cabo: 
Tc = Rh + Rc
Tc = 4.437,1 Kgf
 Fator de segurança: 
Fs = Tr
Tc
Onde Tr é a tração de ruptura mínima e Tc é a tração no cabo.
Fs = 2,73
Fs = 2,73 ≥ 2 ⇒ Atende a norma OSHA 1926.502.
 Cálculo da deformação no cabo: 
Para calculara deformação, utilizamos a equação de deformação do catálogo da CIMAF
outubro/2000:
∆L = P x L
E x Am
Onde ∆L é a deformação elástica, P é a carga aplicada, L é o comprimento do cabo, E é o módulo
de elasticidade (11.000 Kg/mm²) e Am a área metálica.
Am = F x d
2
4
Onde, F é o fator de multiplicação que varia em função da construção do cabo de aço divulgado
pelo fabricante, d é o diâmetro nominal do cabo ou cordoalha em milímetros.
Tem‐ se então:
Am = 66,924 mm²
Substituindo na equação da deformação, tem-se:
∆L = 4.437,1 x 7.300 = 43,999 mm
11.000 x 66,924
ΔL = 44 mm
 Cálculo da Flecha máxima: 
Primeiramente, deve-se calcular o tamanho real do cabo na montagem considerando a flecha
mínima de 182,5 mm. Portanto:
Sin ɸ = Fmin
Lc/2
tg ɸ = 182,5
3650
ɸ= 2,86°
Portanto:
Lc = 7.316,06 mm
Quando o cabo de aço dimensionado acima e solicitado conforme os parâmetros utilizados para
os cálculos, seu comprimento final se altera, de forma que:
Lf = Lc + ∆L
Lf = 7.316,06 + 44
Lf = 7.360,06 mm
 Cálculo da flecha máxima. 
fmáx = √((Lf/2)² - (L/2)²)
fmáx = 469,2 mm
5
5 – CLIPAGEM DO CABO DE AÇO
A “clipagem” do cabo de aço será realizada com a base do grampo colocada no trecho mais
comprido do cabo (aquele que vai em direção ao outro olhal), conforme ilustração abaixo:
 N° mínimode grampos= 3 
6
6 – RECOMENDAÇÕES
Este projeto foi calculado levando em consideração 02 colaboradores trabalhando simultaneamente
na linha de vida, ou seja, torna-se proibido o trabalho com mais de 02 colaboradores conectados à
linha de vida simultaneamente. É importante que esta informação fique clara para todos os
colaboradores envolvidos na atividade.
No momento da montagem, deve-se conservar a flecha mínima de 182,5 mm, pois se solicitado, a
flecha atingirá um valor de 469,2 mm quando da queda dos 2 colaboradores simultaneamente.
Portanto é importante verificar a distância dos anteparos até a posição final que o cabo ficaria se
solicitado, uma vez que o cinto de segurança tem 2.400 mm de comprimento de talabarte, já
considerando a abertura do absorvedor de energia.
É importante também, não montar o cabo de aço com flecha menor que 182,5 mm por que assim é
aumentada a tração no cabo, podendo comprometer o projeto e a segurança dos colaboradores.
Nas permissões de trabalho deve ser contemplada a inspeção nos cabos guias e sua instalação.
O acesso ao local de instalação da linha de vida deve ser feito de maneira segura, atendendo aos
requisitos legais, especialmente a NR 35.
7 – REFERENCIAS.
Norma OSHAS – 1926.502 – Fall protection systems criteria and practices. – Occupation Safety
and Health Administration.
Cabos de aço - Catálogo CIMAF/2000
Manual técnico de cabos de aço – CIMAF/2009
NORMA ABNT NBR 6327/ 2004 – Cabos de aço para uso geral – Requisitos mínimos.
ELABORAÇÃO
Darcy Berlintes de Macedo Ribas Júnior
Eng. Mecânico
CREA PR-6431/D

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Inspeção e substituição de cabos de aço
Inspeção e substituição de cabos de açoInspeção e substituição de cabos de aço
Inspeção e substituição de cabos de açoEymard Breda
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Lucila Soares
 
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011giovani_goncalves
 
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cNBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cVicent Raphael
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosEverton Retore Teixeira
 
Apresentação nr10
Apresentação nr10Apresentação nr10
Apresentação nr10foxtray
 
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26claudinei Nascimento
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quenteJose Fernandes
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IIClaudio Cesar Pontes ن
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxbreno90
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargasKarol Oliveira
 

Mais procurados (20)

Inspeção e substituição de cabos de aço
Inspeção e substituição de cabos de açoInspeção e substituição de cabos de aço
Inspeção e substituição de cabos de aço
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
 
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
 
Treinamento linha de vidas
Treinamento linha de vidasTreinamento linha de vidas
Treinamento linha de vidas
 
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cNBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
 
Içamento
IçamentoIçamento
Içamento
 
NBR 16325 - Linhas de vida
NBR 16325 - Linhas de vida NBR 16325 - Linhas de vida
NBR 16325 - Linhas de vida
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
 
Apresentação nr10
Apresentação nr10Apresentação nr10
Apresentação nr10
 
NBR 14628
NBR 14628 NBR 14628
NBR 14628
 
Nbr16325 1
Nbr16325 1Nbr16325 1
Nbr16325 1
 
Sistemas de ancoragem como planejar e implementar
Sistemas de ancoragem como planejar e implementarSistemas de ancoragem como planejar e implementar
Sistemas de ancoragem como planejar e implementar
 
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
Analise linha-de-vida-rev-01-2017-07-26
 
Apr trabalho em altura
Apr trabalho em alturaApr trabalho em altura
Apr trabalho em altura
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e IITrabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
Trabalho em Altura (NR-35) + Anexos I e II
 
Linha de-vida-oara-caminhões
Linha de-vida-oara-caminhõesLinha de-vida-oara-caminhões
Linha de-vida-oara-caminhões
 
Treinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptxTreinamento NR 12.pptx
Treinamento NR 12.pptx
 
Nr 20
Nr 20 Nr 20
Nr 20
 
Movimentação e içamento de cargas
 Movimentação e içamento de cargas Movimentação e içamento de cargas
Movimentação e içamento de cargas
 

Semelhante a Dimensionamento linha vida trabalho altura

Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdfEstudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdfGrgoriTroina
 
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabosMarcelo Moraes
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresAnderson Silva
 
Guia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdf
Guia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdfGuia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdf
Guia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdffern97
 
Vigas de concreto - programa para cálculo
Vigas de concreto - programa para cálculoVigas de concreto - programa para cálculo
Vigas de concreto - programa para cálculoTimóteo Rocha
 
Impedância de barramentos blindados lumière
Impedância de barramentos blindados   lumièreImpedância de barramentos blindados   lumière
Impedância de barramentos blindados lumièreMarcos Resal
 
Memorial descritivo spda_-_18
Memorial descritivo spda_-_18Memorial descritivo spda_-_18
Memorial descritivo spda_-_18Paulo H Bueno
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresJhon Oliveira
 
Dimensionamento De Condutores
Dimensionamento De CondutoresDimensionamento De Condutores
Dimensionamento De CondutoresSantos de Castro
 
Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10 Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10 Cosmo Palasio
 

Semelhante a Dimensionamento linha vida trabalho altura (20)

Linha de vida rge
Linha de vida   rgeLinha de vida   rge
Linha de vida rge
 
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdfEstudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
Estudo_Cabo_de_Aco_Esticamento_RC2092KS_Rev_1.pdf
 
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
48294078 i3130003-calculo-tracao-dos-cabos
 
Rt 2001
Rt 2001Rt 2001
Rt 2001
 
Ctc m5 v3_t
Ctc m5 v3_tCtc m5 v3_t
Ctc m5 v3_t
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
 
Guia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdf
Guia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdfGuia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdf
Guia_de_Dimensionamento-Baixa_Tensao_Rev9 (1).pdf
 
Vigas de concreto - programa para cálculo
Vigas de concreto - programa para cálculoVigas de concreto - programa para cálculo
Vigas de concreto - programa para cálculo
 
Id 4005
Id 4005Id 4005
Id 4005
 
Impedância de barramentos blindados lumière
Impedância de barramentos blindados   lumièreImpedância de barramentos blindados   lumière
Impedância de barramentos blindados lumière
 
1 cabos energia
1 cabos energia1 cabos energia
1 cabos energia
 
Cabos energia dimensionamento_prysmian
Cabos energia dimensionamento_prysmianCabos energia dimensionamento_prysmian
Cabos energia dimensionamento_prysmian
 
1 cabos energia
1 cabos energia1 cabos energia
1 cabos energia
 
Memorial descritivo spda_-_18
Memorial descritivo spda_-_18Memorial descritivo spda_-_18
Memorial descritivo spda_-_18
 
curso de amarração.pptx
curso de amarração.pptxcurso de amarração.pptx
curso de amarração.pptx
 
Dimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutoresDimensionamento de condutores
Dimensionamento de condutores
 
Dimensio
DimensioDimensio
Dimensio
 
Dimensionamento De Condutores
Dimensionamento De CondutoresDimensionamento De Condutores
Dimensionamento De Condutores
 
Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10 Vestimentas conforme nr10
Vestimentas conforme nr10
 
Manual CabosBT
Manual CabosBTManual CabosBT
Manual CabosBT
 

Último

Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGuilhermeLucio9
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024Consultoria Acadêmica
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxAssimoIovahale
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxjuliocameloUFC
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxTherionAkkad2
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxConsultoria Acadêmica
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfMateusSerraRodrigues1
 

Último (7)

Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais PrivadosGestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
Gestão de obras e projetos - Associação Nacional de Hospitais Privados
 
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
AE03 - TEORIAS DA ADMINISTRACAO UNICESUMAR 51/2024
 
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptxPatrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
Patrimonio Edificado da Ilha de Moçambique.pptx
 
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptxResistencias dos materiais I - Tensao.pptx
Resistencias dos materiais I - Tensao.pptx
 
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptxBanco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
Banco Sul-Americano do Brasil -2023.pptx
 
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docxAE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
AE03 - VIBRACOES MECANICAS E ACUSTICAS.docx
 
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdfAulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
Aulas Práticas da Disciplina de Desenho Técnico Projetivo _ Passei Direto.pdf
 

Dimensionamento linha vida trabalho altura

  • 1. 1 MEMORIAL DE CÁLCULO PARA DIMENSIONAMENTO DE LINHA DE VIDA HORIZONTAL PARA REALIZAÇÃO DE TRABALHO EM ALTURA
  • 2. 2 1 – OBJETIVO O presente documento tem por objetivo apresentar o memorial de cálculo de um sistema de linha de vida horizontal para a realização de trabalho em altura, bem como definir recomendações para a instalação do sistema. 2 – METODOLOGIA O trabalho seguiu as seguintes etapas: 1. Levantamento dos desenhos. 2. Cálculo dos cabos e acessórios. 3 – MEMÓRIA DE CÁLCULO O dimensionamento da linha de vida segue as seguintes premissas: 1. Reduzir a consequência de uma queda ou até mesmo eliminar o risco. 2. Possibilitar o deslocamento seguro dos trabalhadores durante a montagem das lajes da estrutura pré-fabricada. Memorial de Cálculo  Variáveis definidas:    Cabo de Aço ABNT 6x19 AACI, classe 2160 KN (220Kgf/mm2 – CIMAF) Ø = ½” (13mm)   Massa: 0,68 Kg/m   Flecha de mínima = 182,5 mm    Vão = 7.300mm    Cálculo da reação devido ao peso próprio do cabo:  RC = m x L 2 8 x F Onde RC é a reação devido ao peso do cabo, L é a distância entre os suportas que serão montados os cabos, e F a flecha mínima em metros. Então: RC = 25 Kgf  Cálculo da reação na horizontal:  Rh = N x P x ϕ 2 x Tg ɸ
  • 3. 3 Onde Rh é a reação na horizontal, N é o número de pessoas que trabalharão simultaneamente na linha de vida, P é o peso do colaborador somando seu EPI e ferramenta P 110 Kg, φ é o fator de impacto φ = 2 e ɸ é o ângulo formado entre uma linha imaginária que passa pelos dois pontos de apoio e a inclinação do cabo. Então: Rh = 2 x 110 x 2 2 x (0,182/3,65) Rh = 4.412,1 Kgf  Cálculo da tração no cabo:  Tc = Rh + Rc Tc = 4.437,1 Kgf  Fator de segurança:  Fs = Tr Tc Onde Tr é a tração de ruptura mínima e Tc é a tração no cabo. Fs = 2,73 Fs = 2,73 ≥ 2 ⇒ Atende a norma OSHA 1926.502.  Cálculo da deformação no cabo:  Para calculara deformação, utilizamos a equação de deformação do catálogo da CIMAF outubro/2000: ∆L = P x L E x Am Onde ∆L é a deformação elástica, P é a carga aplicada, L é o comprimento do cabo, E é o módulo de elasticidade (11.000 Kg/mm²) e Am a área metálica. Am = F x d 2
  • 4. 4 Onde, F é o fator de multiplicação que varia em função da construção do cabo de aço divulgado pelo fabricante, d é o diâmetro nominal do cabo ou cordoalha em milímetros. Tem‐ se então: Am = 66,924 mm² Substituindo na equação da deformação, tem-se: ∆L = 4.437,1 x 7.300 = 43,999 mm 11.000 x 66,924 ΔL = 44 mm  Cálculo da Flecha máxima:  Primeiramente, deve-se calcular o tamanho real do cabo na montagem considerando a flecha mínima de 182,5 mm. Portanto: Sin ɸ = Fmin Lc/2 tg ɸ = 182,5 3650 ɸ= 2,86° Portanto: Lc = 7.316,06 mm Quando o cabo de aço dimensionado acima e solicitado conforme os parâmetros utilizados para os cálculos, seu comprimento final se altera, de forma que: Lf = Lc + ∆L Lf = 7.316,06 + 44 Lf = 7.360,06 mm  Cálculo da flecha máxima.  fmáx = √((Lf/2)² - (L/2)²) fmáx = 469,2 mm
  • 5. 5 5 – CLIPAGEM DO CABO DE AÇO A “clipagem” do cabo de aço será realizada com a base do grampo colocada no trecho mais comprido do cabo (aquele que vai em direção ao outro olhal), conforme ilustração abaixo:  N° mínimode grampos= 3 
  • 6. 6 6 – RECOMENDAÇÕES Este projeto foi calculado levando em consideração 02 colaboradores trabalhando simultaneamente na linha de vida, ou seja, torna-se proibido o trabalho com mais de 02 colaboradores conectados à linha de vida simultaneamente. É importante que esta informação fique clara para todos os colaboradores envolvidos na atividade. No momento da montagem, deve-se conservar a flecha mínima de 182,5 mm, pois se solicitado, a flecha atingirá um valor de 469,2 mm quando da queda dos 2 colaboradores simultaneamente. Portanto é importante verificar a distância dos anteparos até a posição final que o cabo ficaria se solicitado, uma vez que o cinto de segurança tem 2.400 mm de comprimento de talabarte, já considerando a abertura do absorvedor de energia. É importante também, não montar o cabo de aço com flecha menor que 182,5 mm por que assim é aumentada a tração no cabo, podendo comprometer o projeto e a segurança dos colaboradores. Nas permissões de trabalho deve ser contemplada a inspeção nos cabos guias e sua instalação. O acesso ao local de instalação da linha de vida deve ser feito de maneira segura, atendendo aos requisitos legais, especialmente a NR 35. 7 – REFERENCIAS. Norma OSHAS – 1926.502 – Fall protection systems criteria and practices. – Occupation Safety and Health Administration. Cabos de aço - Catálogo CIMAF/2000 Manual técnico de cabos de aço – CIMAF/2009 NORMA ABNT NBR 6327/ 2004 – Cabos de aço para uso geral – Requisitos mínimos. ELABORAÇÃO Darcy Berlintes de Macedo Ribas Júnior Eng. Mecânico CREA PR-6431/D