Religião é caridade, só caridade. Nada mais que caridade. O que sobra são
crenças. E estas são mutáveis, em função do conh...
A mãe, observando que o ideal da filha só merecia louvores, deixava-a em
paz com as orações de cada dia. Meses correram so...
A jovem replicou, reverente: - Dize, Senhor! Estou pronta! Leva-me contigo,
sinto-me aflita para comparecer entre os que r...
Reflexão:
Em todas as religiões encontramos pessoas de boa vontade, demonstrando
sinceridade no propósito de elevação. Par...
O cristão tem no Mestre Jesus o exemplo, a verdade, o caminho e a própria
vida. Pessoas existem que passam a vida em etern...
Consideram-se legítimos seguidores do Mestre, mas deixam de praticar os
Seus ensinamentos. Alegando não fazerem o mal não ...
Faz o bem todo aquele que pauta seu caminho pela aplicação da lei de amor.
Faz o bem todo aquele que pratica a caridade. N...
A caridade em ação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A caridade em ação

191 visualizações

Publicada em

Mensagem espírita

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
191
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A caridade em ação

  1. 1. Religião é caridade, só caridade. Nada mais que caridade. O que sobra são crenças. E estas são mutáveis, em função do conhecimento, do entendimento e da percepção de cada um. Conta-se uma estória em que uma menina de tanto ouvir falar de Jesus tomara-se de paixão pelo paraíso. Acreditando ser ele um lugar tão belo, com anjos a executarem em suas harpas douradas lindas músicas, nutriu um desejo único: ser anjo para servir ao Cristo. Para isto fez-se humilde e crente, e mantinha-se em preces fervorosas, cercava-se de lindas gravuras e repetia: Senhor, quero servir-te! A menina abraçava-se à sua mãezinha e reafirmava o propósito de preparar-se para a companhia do divino amigo.
  2. 2. A mãe, observando que o ideal da filha só merecia louvores, deixava-a em paz com as orações de cada dia. Meses correram sobre meses, e a jovem prosseguia inalterável. Orando sempre, suplicava ao Senhor que a transformasse num anjo. Decorridos dois anos de rogativas, sonhou, certa noite, que era visitada pelo Mestre. Estendendo a mão compassiva, o Cristo falou-lhe: - Menina, ouvi tuas súplicas e venho ao teu encontro. Desejas realmente servir-me? - Sim, Senhor! Convencida de que o Salvador a conduziria naquele mesmo instante para o céu. - Ouve! Falou o Mestre, docemente.
  3. 3. A jovem replicou, reverente: - Dize, Senhor! Estou pronta! Leva-me contigo, sinto-me aflita para comparecer entre os que retêm a glória de servir-te no plano celestial. O Cristo sorriu. Bondoso, considerou: - Não, minha jovem. Nosso Pai não te colocou inutilmente na Terra. Temos enorme serviço neste mundo mesmo. Estimo tuas preces e teus pensamentos de amor, mas, preciso de alguém que me ajude a retirar o lixo e os detritos que se amontoam não longe de tua casa. Ali se concentra perigoso foco de moléstias, ameaçando trabalhadores, mães e crianças. Vai, minha filha! Ajuda-me a salvá-los da morte.
  4. 4. Reflexão: Em todas as religiões encontramos pessoas de boa vontade, demonstrando sinceridade no propósito de elevação. Para tanto, pautam suas vidas na retidão e na aplicação dos valores e dos costumes que aprenderam a seguir. A religião é uma necessidade na vida do homem. Pois, através dela, tenta se desapegar dos valores terrenos e religar-se ao Criador. O homem realmente religioso segue sua caminhada preocupado com a harmonia social, buscando entender a necessidade de amar e compreender seu semelhante. A religião, de certa forma, disciplina o homem, afastando-o das más tendências, seja porque já compreende ou, mesmo porque, teme as consequências de seus atos à luz daquilo que sua crença estabelece.
  5. 5. O cristão tem no Mestre Jesus o exemplo, a verdade, o caminho e a própria vida. Pessoas existem que passam a vida em eterna devoção. Não faltam com as obrigações religiosas. Chamam e clamam a presença do Mestre a guiar seus passos, e aguardam a oportunidade de elevarem-se aos céus, nimbadas de luz. Nessa busca, entretanto, existe muito equívoco da parte daqueles que, a pretexto de seguir Jesus, ausentam-se da vida de relação, como se temesse a mácula, num contágio com as experiências do mundo. Apesar de louvarem a Jesus e agradecerem a vida, não vivem na utilidade necessária ao soerguimento espiritual. Essas criaturas passam uma vida inteira sonhando ingressar no paraíso.
  6. 6. Consideram-se legítimos seguidores do Mestre, mas deixam de praticar os Seus ensinamentos. Alegando não fazerem o mal não conseguem fazer o bem, portando-se como árvore que não dá frutos. Os sacrifícios mais agradáveis a Deus e, por conseguinte, a Jesus, seu filho dileto, são aqueles provenientes do serviço, da doação, do desprendimento, do esquecimento de si mesmo nas relações com o mundo que nos cerca. Estar a serviço do Senhor é batalhar na seara do amor, do bem, em todas as suas formas. Faz o bem todo aquele que transforma suas ações em utilidade para o próximo, por mais singelas que possam ser essas ações. O bem nunca é medido pela intensidade da ação, mas, pelo desprendimento e sinceridade do propósito.
  7. 7. Faz o bem todo aquele que pauta seu caminho pela aplicação da lei de amor. Faz o bem todo aquele que pratica a caridade. Não só a caridade material mas, sobretudo, aquela que ampara, que edifica e sustenta a luta diária no sentido de construir uma vida melhor para todos, sem distinção de raça, de crença, de religião, ou de classe social. Muita Paz! Meu Blog: http://espiritual-espiritual.blogspot.com.br Com estudos comentados de O Livro dos Espíritos e de O Evangelho Segundo o Espiritismo. A Página Espiritismo para iniciantes está sendo reformatada e ilustrada.

×