SlideShare uma empresa Scribd logo
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
1
CPEA – Centro Paulista de Estudos
Agropecuários
Elaborado por Profa. Elaine
Apostila de
CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO E
CALAGEM
Aluno:_______________________________________
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
2
Curso:_____________________________________
1) CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CALAGEM
CTC x (V2 – V1)
NC = -----------------------
10 x PRNT
Onde:
NC = Necessidade de calagem em toneladas por hectare (ton./ha)
CTC = Capacidade de troca catiônica (análise de solo)
V1 = Valor atual de saturação por bases (análise de solo)
V2 = Valor desejado de saturação de bases (recomendação para a cultura)
PRNT = Poder relativo de neutralização total (dados na embalagem do
calcário). Quando o PRNT não é determinado, adota-se o valor médio de 67%
Exemplo: A análise de solo nos forneceu os seguintes valores:
CTC = 83 mmolc/dm e V = 23%. O calcário a ser usado tem PRNT = 76%. A
cultura a ser plantada será o milho cujo valor recomendado de saturação é
70%.
83 x ( 70 – 23) 83 x 47 3901
NC = ------------------- = ------------ = --------- = 5,1 aproximada/e 5 ton./ha
10 x 76 760 760
2) CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO
a) Adubos Simples
100 x QR
QA = -----------------
TN
Onde:
QA = Quantidade a aplicar
QR = Quantidade recomendada
TN = Teor de nutriente do adubo
Exemplo:
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
3
A recomendação para a adubação de Nitrogênio é 60 kg/ha. Se usarmos como
fonte de N o Sulfato de Amônio ( 20% de N) , a quantidade necessária será:
100 x 60 6000
QA = -------------- = ----------- = 300 kg/ha
20 20
b) Adubos Compostos
A x B
Q = -----------
C
Onde:
Q = Quilos de adubo a usar na mistura
A = Quilos de mistura a preparar
B = % do elemento na mistura
C = % do elemento no adubo
Exemplo:
Queremos preparar 1 tonelada de 2-12-6 usando os seguintes adubos:
- Sulfato de amônio com 20% de N
- Superfosfato com 20% de P2O5
- Cloreto de potássio com 50% de K2O
Para o nitrogênio:
A = 1000 kg ( quantidade desejada)
B = 2 ( deve ter 2% de N)
C = 20 ( porque o sulfato de amônio tem 20% de N)
Então:
1000 x 2
Q1 = ------------- = 100 kg de sulfato de amônio
20
Para o superfosfato:
1000 x 12
Q2 = --------------- = 600 kg de superfosfato
20
Para o potássio:
1000 x 6
Q3 = ------------ = 120 kg de cloreto de potássio
50
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
4
Portanto, para termos 1 tonelada de 2-12-6, basta misturar:
100 kg de sulfato de amônio
600 kg de superfosfato
120 kg de cloreto de potássio
Somando-se 100 + 600 + 120 = 820kg. Então para 1000 kg faltam 180kg de
enchimento que pode ser areia, talco, serragem, composto bem curtido, etc.
Um outro tipo de problema que pode ocorrer é aquele em que um ou vários
nutrientes vem de dois ou mais materiais. Vamos supor que se deseja uma
tonelada da mistura 5-10-6, devendo aparecer o N na proporção de 1% como
N orgânico e 4% como N nítrico (Salitre do Chile); o fósforo: 4% solúvel em
água, 3% solúvel em ácido cítrico e 3% solúvel em ácidos minerais. Dispomos
dos seguintes adubos: Torta de mamona com 5% de N orgânico, Salitre do
Chile com 15,5% de N nítrico, Super Triplo com 45% de P2O5 solúvel em
ácido cítrico e mais 14% solúvel em ácidos minerais e finalmente Cloreto de
Potássio com 60% de K20.
Para o nitrogênio orgânico, temos:
A = 1000; B = 1% e C = 5% então
1000 x 1
Q1 = ------------ = 200 kg de torta de mamona
5
Para o nitrogênio nítrico:
A = 1000; B = 4% e C = 15,5%, portanto:
1000 x 4
Q1 = ------------- = 259 kg de Salitre do Chile
15,5
Para o fósforo solúvel em água:
A= 1000; B = 4% e C = 45%, logo
1000 x 4
Q2 = -------------- = 89 kg de super triplo
45
Para o fósforo solúvel em ácido cítrico:
A = 1000; B= 3% e C = 14%, donde
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
5
1000 x 3
Q2 = ------------- = 215 kg de fosfato argeliano
14
O cálculo para o fósforo solúvel em ácidos minerais não será preciso, porque
seria incorporado com o fosfato argeliano.
Finalmente para o potássio teremos:
A = 1000; B = 6% e C = 60%, então:
1000 x 6
Q3 = --------------- = 100 kg de cloreto de potássio
60
Somando essas quantidades temos: 200 + 259 + 89 + 215 + 100 = 863. A
diferença para 1000 quilos seria 1000 – 863 = 137 kg de enchimento.
Vejamos agora um exemplo mais complicado ,ou seja, calcular a quantidade
de adubos necessários para uma tonelada de 2-16-8, sendo o N fornecido
metade (1%) em forma orgânica e metade (1%) na forma de salitre do Chile;
os adubos a usar são:
Torta de algodão com 6% de N, 3% de P2O5 e 2% de K2O;
Salitre do Chile com 16% de N;
Superfosfato com 40% de P2O5;
Cloreto de potássio com 60% de K2O.
Para o N da torta (orgânico):
1000 x 1
Q1 = ------------- = 167 kg de torta de algodão;
6
Para o N do Salitre do Chile (nítrico) temos:
1000 x 1
Q1 = ------------ = 63 kg de salitre do Chile
16
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
6
Antes de calcular a quantidade de super duplo lembramos que, como a torta
possui 3% de P2O5 na sua composição, incorporando os 167 kg de torta na
mistura estaremos levando também uma certa quantidade de fósforo. O
superfosfato, portanto, deverá concorrer com uma proporção menor que 16%.
Para saber qual a quantidade de super a incorporar, temos que usar a fórmula:
A x D – E x F
Q = -------------------
G
Onde:
Q = Quantidade de adubo a usar, que no exemplo é o super
A = Total da mistura, ou seja, 1000 kg
D = % de P2O5 na mistura = 16%
E = quantidade de outra fonte do elemento que no caso é o P2O5 e que
representa 167 kg da torta
F = % de P2O5 que não seja o super e no exemplo é dado pela torta, sendo
igual a 3% e
G = % de P2O5 no super = 40%
Substituindo as letras pelos valores, temos:
1000 x 16 – 167 x 3
Q = --------------------------- = 388 kg de superfosfato
40
Para o caso do potássio a situação é semelhante, porque a torta contém 2% de
K2O e então teremos:
A = 1000 D = % de K2O na mistura = 8% E = quantidade de torta = 167 kg
F = % de K2O na torta = 2% e G = % de K2O no cloreto de potássio = 60%
Logo temos:
1000 x 8 – 167 x 2
Q3 = -------------------------- = 128 kg de cloreto de potássio
60
Somando:
CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários
R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540
Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br
Visite nosso site : www.agrocursos.org.br
7
167 + 63 + 388 + 128 = 746 kg. O enchimento será de 1000 – 746 = 254 kg.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)Instalações rurais (Bem estar animal)
Instalações rurais (Bem estar animal)
 
Adubação eucalip
Adubação eucalipAdubação eucalip
Adubação eucalip
 
Apresentação pós colheita
Apresentação pós colheitaApresentação pós colheita
Apresentação pós colheita
 
Manejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhasManejo de plantas daninhas
Manejo de plantas daninhas
 
Apostila de silvicultura
Apostila de silviculturaApostila de silvicultura
Apostila de silvicultura
 
Banana cultura
Banana culturaBanana cultura
Banana cultura
 
Irrigação e drenagem
Irrigação e drenagemIrrigação e drenagem
Irrigação e drenagem
 
Manejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de PragasManejo Integrado de Pragas
Manejo Integrado de Pragas
 
Respiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetaisRespiração celular de vegetais
Respiração celular de vegetais
 
AGROECOLOGIA
AGROECOLOGIAAGROECOLOGIA
AGROECOLOGIA
 
Preparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e AplicaçãoPreparação do Solo e Aplicação
Preparação do Solo e Aplicação
 
Cultura do coqueiro
Cultura do coqueiroCultura do coqueiro
Cultura do coqueiro
 
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
Nutrição mineral de plantas_Fósforo (P)
 
Irrigação
IrrigaçãoIrrigação
Irrigação
 
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
Cultivo do tomate orgânico (Olericultura)
 
Trigo
TrigoTrigo
Trigo
 
Aves caipiras
Aves caipirasAves caipiras
Aves caipiras
 
Cálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagemCálculo da necessidade de calagem
Cálculo da necessidade de calagem
 
Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012Aula girassol 2-2012
Aula girassol 2-2012
 
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJAMORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
MORFOLOGIA E FENOLOGIA DA CULTURA DA SOJA
 

Mais de faccamp

Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosumCustos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosumfaccamp
 
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhasControle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhasfaccamp
 
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentaçãoBacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentaçãofaccamp
 
Amostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analiseAmostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analisefaccamp
 
Adubação orgânica de hortaliças e frutíferas
Adubação orgânica de hortaliças e frutíferasAdubação orgânica de hortaliças e frutíferas
Adubação orgânica de hortaliças e frutíferasfaccamp
 
Adubação e correção do solo procedimentos a serem adotados em função dos re...
Adubação e correção do solo   procedimentos a serem adotados em função dos re...Adubação e correção do solo   procedimentos a serem adotados em função dos re...
Adubação e correção do solo procedimentos a serem adotados em função dos re...faccamp
 
Solomons volume 2 - 7ª edição
Solomons   volume 2 - 7ª ediçãoSolomons   volume 2 - 7ª edição
Solomons volume 2 - 7ª ediçãofaccamp
 
Solomons 7ª edição - volume 1
Solomons   7ª edição - volume 1Solomons   7ª edição - volume 1
Solomons 7ª edição - volume 1faccamp
 

Mais de faccamp (8)

Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosumCustos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
Custos de uma biofábrica de trichogramma pretiosum
 
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhasControle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
Controle biológico com coleoptera coccinellidae das cochonilhas
 
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentaçãoBacillus thuringiensis características gerais e fermentação
Bacillus thuringiensis características gerais e fermentação
 
Amostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analiseAmostragem de solo para analise
Amostragem de solo para analise
 
Adubação orgânica de hortaliças e frutíferas
Adubação orgânica de hortaliças e frutíferasAdubação orgânica de hortaliças e frutíferas
Adubação orgânica de hortaliças e frutíferas
 
Adubação e correção do solo procedimentos a serem adotados em função dos re...
Adubação e correção do solo   procedimentos a serem adotados em função dos re...Adubação e correção do solo   procedimentos a serem adotados em função dos re...
Adubação e correção do solo procedimentos a serem adotados em função dos re...
 
Solomons volume 2 - 7ª edição
Solomons   volume 2 - 7ª ediçãoSolomons   volume 2 - 7ª edição
Solomons volume 2 - 7ª edição
 
Solomons 7ª edição - volume 1
Solomons   7ª edição - volume 1Solomons   7ª edição - volume 1
Solomons 7ª edição - volume 1
 

Cálculos para adubação e

  • 1. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 1 CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários Elaborado por Profa. Elaine Apostila de CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO E CALAGEM Aluno:_______________________________________
  • 2. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 2 Curso:_____________________________________ 1) CÁLCULO DA NECESSIDADE DE CALAGEM CTC x (V2 – V1) NC = ----------------------- 10 x PRNT Onde: NC = Necessidade de calagem em toneladas por hectare (ton./ha) CTC = Capacidade de troca catiônica (análise de solo) V1 = Valor atual de saturação por bases (análise de solo) V2 = Valor desejado de saturação de bases (recomendação para a cultura) PRNT = Poder relativo de neutralização total (dados na embalagem do calcário). Quando o PRNT não é determinado, adota-se o valor médio de 67% Exemplo: A análise de solo nos forneceu os seguintes valores: CTC = 83 mmolc/dm e V = 23%. O calcário a ser usado tem PRNT = 76%. A cultura a ser plantada será o milho cujo valor recomendado de saturação é 70%. 83 x ( 70 – 23) 83 x 47 3901 NC = ------------------- = ------------ = --------- = 5,1 aproximada/e 5 ton./ha 10 x 76 760 760 2) CÁLCULOS PARA ADUBAÇÃO a) Adubos Simples 100 x QR QA = ----------------- TN Onde: QA = Quantidade a aplicar QR = Quantidade recomendada TN = Teor de nutriente do adubo Exemplo:
  • 3. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 3 A recomendação para a adubação de Nitrogênio é 60 kg/ha. Se usarmos como fonte de N o Sulfato de Amônio ( 20% de N) , a quantidade necessária será: 100 x 60 6000 QA = -------------- = ----------- = 300 kg/ha 20 20 b) Adubos Compostos A x B Q = ----------- C Onde: Q = Quilos de adubo a usar na mistura A = Quilos de mistura a preparar B = % do elemento na mistura C = % do elemento no adubo Exemplo: Queremos preparar 1 tonelada de 2-12-6 usando os seguintes adubos: - Sulfato de amônio com 20% de N - Superfosfato com 20% de P2O5 - Cloreto de potássio com 50% de K2O Para o nitrogênio: A = 1000 kg ( quantidade desejada) B = 2 ( deve ter 2% de N) C = 20 ( porque o sulfato de amônio tem 20% de N) Então: 1000 x 2 Q1 = ------------- = 100 kg de sulfato de amônio 20 Para o superfosfato: 1000 x 12 Q2 = --------------- = 600 kg de superfosfato 20 Para o potássio: 1000 x 6 Q3 = ------------ = 120 kg de cloreto de potássio 50
  • 4. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 4 Portanto, para termos 1 tonelada de 2-12-6, basta misturar: 100 kg de sulfato de amônio 600 kg de superfosfato 120 kg de cloreto de potássio Somando-se 100 + 600 + 120 = 820kg. Então para 1000 kg faltam 180kg de enchimento que pode ser areia, talco, serragem, composto bem curtido, etc. Um outro tipo de problema que pode ocorrer é aquele em que um ou vários nutrientes vem de dois ou mais materiais. Vamos supor que se deseja uma tonelada da mistura 5-10-6, devendo aparecer o N na proporção de 1% como N orgânico e 4% como N nítrico (Salitre do Chile); o fósforo: 4% solúvel em água, 3% solúvel em ácido cítrico e 3% solúvel em ácidos minerais. Dispomos dos seguintes adubos: Torta de mamona com 5% de N orgânico, Salitre do Chile com 15,5% de N nítrico, Super Triplo com 45% de P2O5 solúvel em ácido cítrico e mais 14% solúvel em ácidos minerais e finalmente Cloreto de Potássio com 60% de K20. Para o nitrogênio orgânico, temos: A = 1000; B = 1% e C = 5% então 1000 x 1 Q1 = ------------ = 200 kg de torta de mamona 5 Para o nitrogênio nítrico: A = 1000; B = 4% e C = 15,5%, portanto: 1000 x 4 Q1 = ------------- = 259 kg de Salitre do Chile 15,5 Para o fósforo solúvel em água: A= 1000; B = 4% e C = 45%, logo 1000 x 4 Q2 = -------------- = 89 kg de super triplo 45 Para o fósforo solúvel em ácido cítrico: A = 1000; B= 3% e C = 14%, donde
  • 5. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 5 1000 x 3 Q2 = ------------- = 215 kg de fosfato argeliano 14 O cálculo para o fósforo solúvel em ácidos minerais não será preciso, porque seria incorporado com o fosfato argeliano. Finalmente para o potássio teremos: A = 1000; B = 6% e C = 60%, então: 1000 x 6 Q3 = --------------- = 100 kg de cloreto de potássio 60 Somando essas quantidades temos: 200 + 259 + 89 + 215 + 100 = 863. A diferença para 1000 quilos seria 1000 – 863 = 137 kg de enchimento. Vejamos agora um exemplo mais complicado ,ou seja, calcular a quantidade de adubos necessários para uma tonelada de 2-16-8, sendo o N fornecido metade (1%) em forma orgânica e metade (1%) na forma de salitre do Chile; os adubos a usar são: Torta de algodão com 6% de N, 3% de P2O5 e 2% de K2O; Salitre do Chile com 16% de N; Superfosfato com 40% de P2O5; Cloreto de potássio com 60% de K2O. Para o N da torta (orgânico): 1000 x 1 Q1 = ------------- = 167 kg de torta de algodão; 6 Para o N do Salitre do Chile (nítrico) temos: 1000 x 1 Q1 = ------------ = 63 kg de salitre do Chile 16
  • 6. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 6 Antes de calcular a quantidade de super duplo lembramos que, como a torta possui 3% de P2O5 na sua composição, incorporando os 167 kg de torta na mistura estaremos levando também uma certa quantidade de fósforo. O superfosfato, portanto, deverá concorrer com uma proporção menor que 16%. Para saber qual a quantidade de super a incorporar, temos que usar a fórmula: A x D – E x F Q = ------------------- G Onde: Q = Quantidade de adubo a usar, que no exemplo é o super A = Total da mistura, ou seja, 1000 kg D = % de P2O5 na mistura = 16% E = quantidade de outra fonte do elemento que no caso é o P2O5 e que representa 167 kg da torta F = % de P2O5 que não seja o super e no exemplo é dado pela torta, sendo igual a 3% e G = % de P2O5 no super = 40% Substituindo as letras pelos valores, temos: 1000 x 16 – 167 x 3 Q = --------------------------- = 388 kg de superfosfato 40 Para o caso do potássio a situação é semelhante, porque a torta contém 2% de K2O e então teremos: A = 1000 D = % de K2O na mistura = 8% E = quantidade de torta = 167 kg F = % de K2O na torta = 2% e G = % de K2O no cloreto de potássio = 60% Logo temos: 1000 x 8 – 167 x 2 Q3 = -------------------------- = 128 kg de cloreto de potássio 60 Somando:
  • 7. CPEA – Centro Paulista de Estudos Agropecuários R.Pindorama, nº 7 – Jd. Pindorama – Embu – CEP 06844-540 Tel : 42418503 – Email cpeasp@agrocursos.org.br Visite nosso site : www.agrocursos.org.br 7 167 + 63 + 388 + 128 = 746 kg. O enchimento será de 1000 – 746 = 254 kg.