LED PLANET
Uma empresa que tem se preocupado em atender o mercado brasileiro, com soluções de iluminação que utilizam
tecn...
CERTIFICADO INTERNACIONAL DE QUALIDADE
Todos os nossos produtos possuem Certificados Internacionais de Qualidade inclusive...
Para o homem da pré-história o domínio do
fogo serviu-lhe para protegê-lo do gelo, e
defendê-los de animais, curar as feri...
TIPOS DE LÂMPADAS
TIPOS DE LÂMPADAS
Lâmpadas de Incandescência
- Incandescente (Bulbo)
- Halógena
Lâmpadas de Descarga
- Néon
- Vapor de Sód...
TIPOS DE LÂMPADAS
Incandescente Halógena Neon Sódio baixa
pressão
Sódio alta
pressão
Fluorescente
Mercúrio baixa
pressão
F...
TIPOS DE LÂMPADAS
Incandescente
É constituída por um filamento de tungsténio alojado no interior de um ampola de vidro pre...
Halógena
TIPOS DE LÂMPADAS
Como as lâmpadas de incandescência, as lâmpadas de halogêneo possuem um filamento que emite luz...
TIPOS DE LÂMPADAS
Neon
Os tubos de Neon utilizam vidro e possuem um gás rarefeito dentro da ampola com dois
eléctrodos nas...
TIPOS DE LÂMPADAS
Sódio baixa
pressão
Esta lâmpada é constituída por uma ampola, dentro da qual existe um tubo de
descarga...
TIPOS DE LÂMPADAS
Sódio alta
pressão
O Vapor de Sódio de alta pressão possibilita uma porção mais elevada de radiação
visí...
TIPOS DE LÂMPADAS
Fluorescente
Mercúrio baixa
pressão
A lâmpada fluorescente é uma fonte de baixa pressão de descarga de g...
TIPOS DE LÂMPADAS
Mercúrio alta
pressão
Esta lâmpada tem dentro do tubo de descarga vapor de mercúrio e argônio e quatro
e...
TIPOS DE LÂMPADAS
Lâmpada Mista
Como o próprio nome diz, são lâmpadas compostas de um filamento ligado em série com um
tub...
TIPOS DE LÂMPADAS
LED
O LED nada mais é que um diodo semicondutor que, quando energizado, emite luz visível.
O processo de...
TIPO DE BASE E SOQUETE
TIPO DE BASE E SOQUETE
CONCEITOS LUMINOTÉCNICOS
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Fluxo Luminosos
Símbolo: Φ
Unidade: Lúmen - LM
É chamado fluxo luminoso a radiação total emitida em...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Intensidade Luminosa
Símbolo: I
Unidade: Candela - cd
É a quantidade de luz que uma fonte emite por...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Eficiência Luminosa
É a relação entre o fluxo luminoso emitido e a energia
elétrica consumida (potê...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Durabilidade
É a vida útil da lâmpada, dado em horas e é definido pela
média aritmética do tempo de...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Índice de Reprodução de Cor (IRC)
O IRC é um índice utilizado para mensurar a qualidade de
reproduç...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Temperatura de Cor
Símbolo: K
Unidade: Kelvin
É a grandeza expressa em Kelvin que indica a aparênci...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Reflexão das Luminárias
As luminárias são aparelhos que além de fornecer a fixação das
lâmpadas, sã...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Reflexão das Luminárias
O LED não emite luz para todos os lados, como as lâmpadas
convencionais sem...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
Comparativo entre LED e Convencional
Fazendo um comparativo entre os dois sistemas, observando apen...
CONCEITO LUMINOTÉCNICO
IP – Índice de Proteção
O Índice de Proteção é
referente ao grau de
proteção da lâmpada sobre
objet...
CÁLCULO LUMINOTÉCNICO
CÁLCULO LUMINOTÉCNICO
Norma ABNT – NBR ISO 8995-1 Iluminação de ambientes de trabalho
A nova norma NBR ISO 8995-1 substitu...
CÁLCULO LUMINOTÉCNICO
Processo passo-a-passo do cálculo luminotécnico, realizado de forma manual.
CÁLCULO LUMINOTÉCNICO
Software de cálculo Luminotécnico
Cálculo Luminotécnico realizado com o auxilio do software Dialux. ...
VANTAGENS DO LED
VANTAGENS DO LED
Design Moderno
A tecnologia LED veio para substituir as atuais lâmpadas do
mercado e seus formatos, utili...
VANTAGENS DO LED
Resistência mecânica
Os LEDs são componentes de estado sólido, não possuem vidro
nem filamento, portanto ...
VANTAGENS DO LED
Redução de energia elétrica considerável
Os LEDs são conhecidos por sua baixa potência e sua grande
efici...
VANTAGENS DO LED
Baixa depreciação luminosa
Ao longo de sua vida útil, a perca de eficiência luminosa é muito
baixa compar...
VANTAGENS DO LED
Longo tempo de vida útil
Uma das grandes vantagens do LED é sua vida útil, que gira em
torno de 50.000 hs...
VANTAGENS DO LED
Comparativo de Economia
Pegando como exemplo uma Farmácia com a seguinte característica:
- Trabalha 24hs ...
Simulação de Economia
Com uma vida útil de 50.000hs,
dura 6 vezes mais que as fluorescente;
Usando 24hs, chega a 6 anos;
U...
LED Planet
Hoje o Led representa o que á de mais moderno em tecnologia de iluminação. A novidade é que agora essa
tecnolog...
Iluminação LED - Eficiência Energética
Iluminação LED - Eficiência Energética
Iluminação LED - Eficiência Energética
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Iluminação LED - Eficiência Energética

1.111 visualizações

Publicada em

Iluminação LED, Tipos de Lâmpadas, Conceitos Luminotécnicos, Sustentabilidade e Economia

Publicada em: Engenharia
0 comentários
6 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.111
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
6
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Iluminação LED - Eficiência Energética

  1. 1. LED PLANET Uma empresa que tem se preocupado em atender o mercado brasileiro, com soluções de iluminação que utilizam tecnologia de diodos emissores de luz (LED). Sustentabilidade, economia e compromisso social são itens muito relevantes para a LED Planet. Essa tecnologia LED é fundamental para a redução no consumo de energia elétrica no que se refere a iluminação. Além disso, todos os produtos LED Planet foram criteriosamente selecionados no mercado internacional, possuímos Certificados Internacionais de Qualidade exigidas no mercado europeu, os quais nos certificam com produtos cujos componentes não apresentam riscos ao ambiente. VISÃO A LED Planet almeja se tornar uma grande empresa de referência no fornecimento de produtos ambientalmente sustentáveis, inovadores e de alta tecnologia LED. MISSÃO Temos como missão contribuir significativamente com a melhoria da qualidade de vida da sociedade e do meio ambiente, promovendo o uso consciente dos recursos de energia por meio de inovações tecnológicas em iluminação com tecnologia LED. Assim, trabalhamos motivados e a favor do respeito pelas pessoas e pelo meio ambiente. VALORES Ética profissional Comprometimento com nossos clientes Qualidade e economia Tecnologia ecologicamente correta
  2. 2. CERTIFICADO INTERNACIONAL DE QUALIDADE Todos os nossos produtos possuem Certificados Internacionais de Qualidade inclusive as exigidas no mercado europeu. LED Planet. Sustentabilidade, economia e compromisso social.
  3. 3. Para o homem da pré-história o domínio do fogo serviu-lhe para protegê-lo do gelo, e defendê-los de animais, curar as feridas, melhorar a alimentação e a iluminar suas noites. A lâmpada fluorescente, criada por Nikola Tesla, é um tipo de lâmpada que foi introduzida no mercado consumidor em 1938. As lâmpadas fluorescentes possuem quatro componentes básicos: um tubo de vidro transparente, dois eletrodos (um em cada ponta), uma mistura de gases e um material que reveste internamente o tubo. Ao se energizar esse tipo de lâmpada, os eletrodos geram uma corrente elétrica que, ao passar através da mistura gasosa - argônio e vapor de mercúrio. As primeiras lâmpadas foram inventadas cerca de 70.000 aC. Estas lâmpadas eram feitas a partir de materiais encontrados naturalmente, tais como pedras, conchas, chifres e pedras, utilizando gorduras de origem animal ou vegetal como combustível. Em seguida vieram a Iluminação a Gás, Lâmpadas de Petróleo e Querosene até a lâmpada elétrica. Foi o inventor Thomas Edison que em 1879 comprou a patente e construiu a primeira lâmpada incandescente utilizando uma haste de carvão (carbono) muito fina que, aquecida até próximo ao ponto de fusão, passa a emitir luz. A haste era inserida numa ampola de vidro onde continha vácuo. LED (“Light Emitting Diode”- diodo emissor de luz) é um semicondutor que quando submetido a energia elétrica, emite radiação sob a forma de luz. O primeiro LED surgiu em 1962 e foi desenvolvido por um engenheiro da General Electric unicamente na cor vermelha. Através das pesquisas de Shuii Nakamura, foi desenvolvido o LED na cor azul que combinado com as três cores básicas – vermelho, verde e azul (RGB) obteve o branco. Com mais pesquisas, finalmente conseguiu-se criar o LED branco, que foi gerado na combinação do led AZUL com uma camada de fósforo.
  4. 4. TIPOS DE LÂMPADAS
  5. 5. TIPOS DE LÂMPADAS Lâmpadas de Incandescência - Incandescente (Bulbo) - Halógena Lâmpadas de Descarga - Néon - Vapor de Sódio (baixa e alta pressão) - Vapor de Mercúrio (baixa e alta pressão) - Iodos Metálicos Lâmpadas LED Lâmpadas Mista
  6. 6. TIPOS DE LÂMPADAS Incandescente Halógena Neon Sódio baixa pressão Sódio alta pressão Fluorescente Mercúrio baixa pressão Fluorescente Compacta Mercúrio alta pressão Lâmpada Mista LED
  7. 7. TIPOS DE LÂMPADAS Incandescente É constituída por um filamento de tungsténio alojado no interior de um ampola de vidro preenchida com gás inerte. Quando da passagem da corrente eléctrica pelo filamento, os eléctrons chocam com os átomos de tungsténio, liberando energia que se transforma em luz e calor. Temperatura do filamento: Superior a 2 000º C. Vida útil: Em média 1 000 horas de funcionamento. Índice de restituição de cor: Possui geralmente um IRC de100. Rendimento luminoso (lm/w): Têm o menor rendimento luminoso de todas as lâmpadas (cerca de 17 lm/W) Temperatura de cor: 2.700 K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Pode ser do tipo rosca ou baioneta. • Ampola ou bolbo, invólucro de vidro. • Gás inerte (azoto, árgon ou crípton). • Filamento de tungsténio.
  8. 8. Halógena TIPOS DE LÂMPADAS Como as lâmpadas de incandescência, as lâmpadas de halogêneo possuem um filamento que emite luz com a passagem da corrente eléctrica. Parte do filamento, que é constituído por átomos de tungsténio, evapora-se durante o processo. Já as lâmpadas de halógeno, são preenchidas com gases inertes e halogêneo (iodo, cloro, bromo) que capturam os átomos de tungsténio e os transportam de volta para o filamento. Temperatura do filamento: Abaixo de 1.400º C. Vida útil: De 2 000 á 4 000 hs Índice de restituição de cor: Possui geralmente um IRC de 100. Rendimento luminoso (lm/w): Aproximadamente 25 lm/W) Temperatura de cor: 3.200 K e 3.400K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Pode ser do tipo rosca ou baioneta. • Ampola ou bolbo, invólucro de vidro. • Gás inerte (iodo, cloro, bromo). • Filamento de tungsténio.
  9. 9. TIPOS DE LÂMPADAS Neon Os tubos de Neon utilizam vidro e possuem um gás rarefeito dentro da ampola com dois eléctrodos nas extremidades. Ao aplicar aos eléctrodos uma tensão suficientemente elevada, o tubo ilumina-se com uma cor que depende do gás utilizado. Temperatura: Não informado. Vida útil: Baixo, varia conforme a cor e o gás Índice de restituição de cor: Baixo, varia conforme a cor Rendimento luminoso (lm/w): Varia conforme a cor e o gás Temperatura de cor: Varia conforme a cor • Invólucro de vidro. • Gás inerte
  10. 10. TIPOS DE LÂMPADAS Sódio baixa pressão Esta lâmpada é constituída por uma ampola, dentro da qual existe um tubo de descarga com gás (neônio e argônio) e sódio depositado nas suas paredes. A ionização do gás desta lâmpada tem e ser feita com uma tensão relativamente elevada (superior à da rede), pelo que se utiliza para o seu arranque um transformador. Temperatura do filamento: Aproximado 280ºC Vida útil: 18.000hs Índice de restituição de cor: Baixo índice de reprodução , entre 20 e 40 Rendimento luminoso (lm/w): 115 ml/w Temperatura de cor: Somente cores Amarelo e Alaranjado • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Pode ser do tipo rosca ou baioneta. • Ampola ou bolbo, invólucro de vidro. • Gás inerte (néon ou árgon).
  11. 11. TIPOS DE LÂMPADAS Sódio alta pressão O Vapor de Sódio de alta pressão possibilita uma porção mais elevada de radiação visível do que o vapor de mercúrio. O tubo de descarga numa lâmpada de vapor de sódio de alta pressão contém um excesso de sódio, para dar condições de saturação do vapor quando a lâmpada funciona. Temperatura do filamento: Aproximado 700ºC Vida útil: 25.000hs Índice de restituição de cor: Razoável índice de reprodução, entre 40 e 60 Rendimento luminoso (lm/w): 120 ml/w Temperatura de cor: Entre 1.900K a 2.500K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Pode ser do tipo rosca ou baioneta. • Ampola ou bolbo, invólucro de vidro. • Gás inerte (néon ou árgon).
  12. 12. TIPOS DE LÂMPADAS Fluorescente Mercúrio baixa pressão A lâmpada fluorescente é uma fonte de baixa pressão de descarga de gás, no qual a luz é produzida predominantemente por pó fluorescente ativado pela energia ultravioleta gerada por um arco de mercúrio. Uma diferença entre vapor de mercúrio e lâmpadas fluorescentes é que as lâmpadas fluorescentes são revestidas no interior para aumentar a eficiência. Temperatura do filamento: Aproximado 110ºC Vida útil: 25.000hs tubulares e 8.000hs compactas Índice de restituição de cor: Bom índice de reprodução, entre 60 e 80 Rendimento luminoso (lm/w): 65 - 80 ml/w Temperatura de cor: Entre 2.700K a 4.000K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Base E 27 tipo rosca (para compacta) e base G rotativa para as tubulares. • Ampola, invólucro de vidro. • Gás inerte (Mercúrio e Fluorescente). Fluorescente Compacta
  13. 13. TIPOS DE LÂMPADAS Mercúrio alta pressão Esta lâmpada tem dentro do tubo de descarga vapor de mercúrio e argônio e quatro eléctrodos: dois principais e dois auxiliares. A luz desta lâmpada é caracterizada por falta de radiações vermelhas, tomando uma cor branco – azulada (este inconveniente pode ser melhorado com a junção em série de um filamento de tungsténio, originando a chamada lâmpada mista). Temperatura do filamento: Aproximado 240ºC Vida útil: 9.000hs Índice de restituição de cor: Regular índice de reprodução, entre 40 e 48 Rendimento luminoso (lm/w): 50 - 60 ml/w Temperatura de cor: Entre 5.000K a 6.500K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Pode ser do tipo rosca ou baioneta. • Ampola ou bolbo, invólucro de vidro. • Gás inerte (néon ou árgon).
  14. 14. TIPOS DE LÂMPADAS Lâmpada Mista Como o próprio nome diz, são lâmpadas compostas de um filamento ligado em série com um tubo de descarga. Funcionam em tensão de rede 230V, sem uso de reatância. O filamento de tungsténio vem também substituir o balastro na limitação da corrente em funcionamento normal. São, via de regra, alternativas de maior eficiência para substituição de lâmpadas de incandescência de altas potências. Temperatura do filamento: Aproximado 1.400ºC Vida útil: 9.000hs Índice de restituição de cor: Regular índice de reprodução, entre 60 e 63 Rendimento luminoso (lm/w): 22 ml/w Temperatura de cor: Entre 2.700K a 4.000K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Pode ser do tipo rosca ou baioneta. • Ampola ou bolbo, invólucro de vidro. • Gás inerte (misto).
  15. 15. TIPOS DE LÂMPADAS LED O LED nada mais é que um diodo semicondutor que, quando energizado, emite luz visível. O processo de emissão de luz pela aplicação de uma fonte elétrica de energia é chamado eletroluminescência. Em qualquer junção P-N polarizada diretamente, dentro da estrutura, próximo a junção, ocorrem recombinações de lacunas e elétrons. Temperatura do LED Aproximado 50ºC Vida útil: 50.000hs Índice de restituição de cor: Bom índice de reprodução, maior que 80 Rendimento luminoso (lm/w): 80 ml/w Temperatura de cor: Entre 2.700K a 6.500K • Casquilho metálico, geralmente de latão. • Abrange todo o tipo de conector. • Estrutura em alumínio, invólucro de policarbonato.
  16. 16. TIPO DE BASE E SOQUETE
  17. 17. TIPO DE BASE E SOQUETE
  18. 18. CONCEITOS LUMINOTÉCNICOS
  19. 19. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Fluxo Luminosos Símbolo: Φ Unidade: Lúmen - LM É chamado fluxo luminoso a radiação total emitida em todas as direções por uma fonte luminosa ou fonte de luz que pode produzir estímulo visual. Estes comprimentos de onda estão compreendidos entre 380 a 780 nm. Sua unidade é o lumen (lm). É uma das unidades fundamentais em engenharia de iluminação, dada como a quantidade total de luz emitida por uma fonte, em sua tensão nominal de funcionamento. Iluminância Símbolo: E Unidade: LUX - lx É o fluxo luminoso que incide sobre uma superfície, é a quantidade de luz que está chegando em um ponto. Esta relação é dada entre a intensidade luminosa e o quadrado da distância (l/d²). O que é visível são as diferenças na reflexão da luz. A iluminância é também conhecida como níveis de iluminação.
  20. 20. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Intensidade Luminosa Símbolo: I Unidade: Candela - cd É a quantidade de luz que uma fonte emite por unidade de ângulo sólido (lúmen/esferorradiano) projetada em uma determinada direção. O valor está diretamente ligado à direção desta fonte de luz. A intensidade luminosa é expressa em candelas (cd) e, em algumas situações, em candelas/1000 lúmens. Luminância Símbolo: L Unidade: cd/m² É a intensidade luminosa de uma fonte de luz produzida ou refletida por uma superfície iluminada. Esta relação é dada entre candelas e metro quadrado da área aparente (cd/m²). A luminância depende tanto do nível de iluminação ou iluminância, quanto das características de reflexão das superfícies.
  21. 21. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Eficiência Luminosa É a relação entre o fluxo luminoso emitido e a energia elétrica consumida (potência). Compreende a relação entre fluxo luminoso (quantidade de luz emitida por segundo por uma fonte luminosa) e potência (grandeza que determina a quantidade de energia concedida por uma fonte a cada unidade de tempo) lúmens/watt. Quanto mais lúmens produzidos para cada watt consumido mais eficiente é a lâmpada. Esta relação pode ser comparada na figura ao lado. É útil para averiguarmos se um determinado tipo de lâmpada é mais ou menos eficiente do que outro.
  22. 22. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Durabilidade É a vida útil da lâmpada, dado em horas e é definido pela média aritmética do tempo de duração de cada lâmpada ensaiada. Comparadas com as lâmpadas incandescentes, as lâmpadas de descarga têm vida média muito mais longa. Ciclos de funcionamento mais curtos, partidas mais frequentes, encurtam a vida das lâmpadas de descarga e os ciclos de funcionamento mais longos, partidas menos frequentes, aumentam a vida.
  23. 23. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Índice de Reprodução de Cor (IRC) O IRC é um índice utilizado para mensurar a qualidade de reprodução de cores de um objeto sob a incidência de uma fonte de luz artificial, comparada a uma situação determinada por um estudo que seria de aproximadamente um dia claro de verão por volta do meio-dia. É a medida de correspondência entre a cor real de um objeto ou superfície e sua aparência diante de uma fonte de luz. A luz artificial deve permitir ao olho humano perceber as cores corretamente, ou o mais próximo possível da luz natural do dia. Quanto mais alto o índice, melhor a reprodução das cores. Lâmpadas com IRC de 100% apresentam as cores com total fidelidade e precisão.
  24. 24. CONCEITO LUMINOTÉCNICO
  25. 25. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Temperatura de Cor Símbolo: K Unidade: Kelvin É a grandeza expressa em Kelvin que indica a aparência de cor da luz. A luz ‘’quente’’, de aparência amarelada, tem baixa temperatura de cor (não superior a 3000K). A luz ‘’fria’’ de aparência azul violeta, tem temperatura de cor maior que 6000K. A luz branca natural emitida pelo sol em céu aberto ao meio-dia, tem temperatura de cor perto de 5800K.
  26. 26. CONCEITO LUMINOTÉCNICO
  27. 27. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Reflexão das Luminárias As luminárias são aparelhos que além de fornecer a fixação das lâmpadas, são as responsáveis por orientar ou concentrar o facho luminoso, difundir a luz, proteger as lâmpadas, reduzir o ofuscamento e proporcionar um bom efeito decorativo.
  28. 28. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Reflexão das Luminárias O LED não emite luz para todos os lados, como as lâmpadas convencionais sem seus refletores, contribuindo também para um melhor direcionamento do facho luminoso e menor perda de fluxo luminoso pelas reflexões internas do sistema ótico. Sendo assim, o LED concentra melhor a luz no facho do que, por exemplo, uma lâmpada halógena que ocasiona perca devido sua luminária refletir a luminosidade para seu próprio centro.
  29. 29. CONCEITO LUMINOTÉCNICO Comparativo entre LED e Convencional Fazendo um comparativo entre os dois sistemas, observando apenas seus ângulos voltados para a área de trabalho teremos a seguinte situação: 240° = 920 360° = 1380 240° = 960 360° = 1440 120° = 1050 360° = 3150 120° = 2185 360° = 6555 Incandescente 100W LED bulbo 12W Fluorescente 40W LED Tubular 19W
  30. 30. CONCEITO LUMINOTÉCNICO IP – Índice de Proteção O Índice de Proteção é referente ao grau de proteção da lâmpada sobre objetos sólidos e líquidos, a sua classificação é dada na seguinte forma; o primeiro numero é correspondente aos objetos sólidos, quanto maior o numero maior sua proteção; o segundo numero indica sua proteção a projeções de agua em seu corpo.
  31. 31. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO
  32. 32. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO Norma ABNT – NBR ISO 8995-1 Iluminação de ambientes de trabalho A nova norma NBR ISO 8995-1 substitui a ABNT NBR 5413 (Iluminância de interiores), revisada pela última vez em 1992, e a ABNT NBR 5382 (Iluminação de ambientes de trabalho), que havia sido inicialmente publicada em 1977 e que se encontrava sem atualização há 28 anos (desde 1985). A nova norma é direcionada para ambiente de trabalho interno, e todas as novas obras e reformas devem estar adequadas à determinação.
  33. 33. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO Processo passo-a-passo do cálculo luminotécnico, realizado de forma manual.
  34. 34. CÁLCULO LUMINOTÉCNICO Software de cálculo Luminotécnico Cálculo Luminotécnico realizado com o auxilio do software Dialux. O software realiza os cálculos com maior precisão, sendo baseado nas informações do DWG que é a extensão de arquivos de desenho em 2D e 3D nativa do software AutoCAD ou introduzindo de forma manual as informações, sendo necessário a verificação correta das informações, contendo as dimensões de largura, profundidade e alturas de instalação e localização das luminária em ambas as formas.
  35. 35. VANTAGENS DO LED
  36. 36. VANTAGENS DO LED Design Moderno A tecnologia LED veio para substituir as atuais lâmpadas do mercado e seus formatos, utilizando-se dos mesmos sistemas de conectores e plugs devido sua maleabilidade. O LED possui dimensões reduzidas e isto permite um design mais flexível das luminárias.
  37. 37. VANTAGENS DO LED Resistência mecânica Os LEDs são componentes de estado sólido, não possuem vidro nem filamento, portanto são mais resistentes a impactos e vibrações do que as outras lâmpadas. Este fator possibilita que os LEDs sejam utilizados em instalações onde estarão sujeitos a vibrações e possam ser manuseados com mais facilidade. Não Emite IR e UV Os raios infravermelhos e ultravioletas não são visíveis a olho nu. Os IR são percebidos na forma de calor e os UV são responsáveis pelo desbotamento de cores e prejudiciais ao ser humano. Cada lâmpada emite diferentes quantidades desses raios. Dentre as lâmpadas em foco neste estudo, as incandescentes são as que mais emitem IR e as fluorescentes são as que mais emitem UV, apesar de ser em pequena quantidade. Já os LEDs não emitem IR nem UV, principal causador do câncer de pele, no seu facho luminoso, desestimulando a aproximação de insetos .
  38. 38. VANTAGENS DO LED Redução de energia elétrica considerável Os LEDs são conhecidos por sua baixa potência e sua grande eficiência luminosa. Este fator contribui para diminuição da bitola dos cabos, reduzindo os gastos com a instalação elétrica e consumo elétrico. Ambientalmente Sustentável Não agride o meio ambiente, por não possui substâncias tóxicas em seu componente e sua estrutura é composta, basicamente por, alumínio e policarbonato , tornando 98,5% de seu material reciclável. Fácil substituição - (retrofit) Hoje os LEDs já permitem o retrofit (processo de modernização de um equipamento) das luminárias, pois existem lâmpadas de LED com o mesmo formato e bocal das lâmpadas convencionais.
  39. 39. VANTAGENS DO LED Baixa depreciação luminosa Ao longo de sua vida útil, a perca de eficiência luminosa é muito baixa comparada com lâmpadas tradicionais. Não gera calor no ambiente O led trabalha com temperaturas baixas e utilizam–se de dissipadores de calor que não chegam a esquentar o ambiente, economizando também com custo do ar-condicionado, pois transforma 90% em luz visível e 10% em calor, o contrario ocorre com as incandescentes que transforma 10% em luz e 90% em calor ou com a fluorescente que transforma 40% em luz e 60 em calor. Dispensa o uso de reatores A tecnologia embarca no led necessita apenas da junção dos polos P – N (Positivo e Negativo) dispensando o uso de reator, que contribui para o aumento de consumo de energia em aproximadamente 15%.
  40. 40. VANTAGENS DO LED Longo tempo de vida útil Uma das grandes vantagens do LED é sua vida útil, que gira em torno de 50.000 hs , que mesmo com um valor maior que outras tecnologias , se paga em um curto período de tempo. Acende imediatamente - ignição instantânea Os LEDs possuem rápido acionamento e não são sensíveis a altos ciclos de acendimento como as lâmpadas fluorescentes. Resistente a uso severo São sensíveis ao calor, porém altamente eficazes em ambientes frios, diferentemente das fluorescentes que perdem em durabilidade se mantidas em locais de baixa temperatura.
  41. 41. VANTAGENS DO LED Comparativo de Economia Pegando como exemplo uma Farmácia com a seguinte característica: - Trabalha 24hs por dia; - Possui 50 unidades de fluorescente de 50W; - Possui ar-condicionado.
  42. 42. Simulação de Economia Com uma vida útil de 50.000hs, dura 6 vezes mais que as fluorescente; Usando 24hs, chega a 6 anos; Usando 8hs, chega a 17 anos. VANTAGENS DO LED
  43. 43. LED Planet Hoje o Led representa o que á de mais moderno em tecnologia de iluminação. A novidade é que agora essa tecnologia pode também substituir o conjunto de iluminação da sua casa, com inúmeras vantagens. As lâmpadas LED duram por décadas, economizam energia elétrica e dinheiro, não quebram, não queimam a mão e ajudam a gerar menos resíduos, já que são descartadas com menor frequência.

×