SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 57
Baixar para ler offline
FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA




     Aula 02: Principais Artes de Pesca


Identificar os principais tipos e métodos de pesca realizados
no mundo pela classificação da FAO- ISSCFG;




                                      João Vicente Mendes Santana
ARTES DE PESCA

FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e
Alimentação
Código de Conduta para a Pesca Responsável
estabelece princípios e normas internacionais para a aplicação de práticas
responsáveis com vistas a assegurar a conservação e a gestão dos recursos vivos
aquáticos, respeitando o ecossistema e a biodiversidade.
Esse Código é voluntario, apesar de algumas partes estarem baseadas em normas
pertinentes do direito internacional, incluídas aquelas mostradas de maneira clara
na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 10 de dezembro de
1982.
A criação do Código de Pesca Responsável permitiu observar o interesse dos
pescadores, técnicos, armadores e empresários para conservar e utilizar
racionalmente os recursos pesqueiros.

sistematização das artes de pesca, agrupando-as em
elementos fundamentais de construção, com a finalidade de
implantar um sistema de ordenação pesqueira eficaz. (1990)
ARTES DE PESCA
Código de Conduta par a pesca sustentável

... 8.5. Seletividade
8.5.1 Os Estados deveriam exigir que artes, métodos e práticas de pesca
sejam, na medida do possível, suficientemente seletivos para minimizar os
desperdícios, as rejeições, as capturas de espécies objeto de pesca, tanto
espécies de peixe como de outras espécies, e os efeitos sobre as espécies
associadas ou dependentes e que a finalidade dos regulamentos
correspondentes não se desvirtuem por artifícios técnicos. Neste sentido, os
pescadores deveriam cooperar no desenvolvimento de artes e métodos de
pesca seletivos.
8.5.2 Com o objetivo de melhorar a seletividade, os Estados, ao elaborarem
as suas leis e regulamentos, deveriam ter em conta as diversas artes, métodos
e estratégias de pesca seletivas disponíveis pela indústria.
8.5.3 Os Estados e as instituições competentes deveriam colaborar no
desenvolvimento de metodologias uniformes para a investigação sobre a
seletividade das artes e métodos e estratégias de pesca.
ARTES DE PESCA

  CLASSIFICAÇÃO DA FAO- INTERNATIONAL STANDART STATISTICAL
  CLASSIFICATION OF FISHING GEAR (ISSCFG)

                    CATEGORIA                        ABREVIATURA   CÓDIGO

REDES DE CERCAR                                                    01.0.0

  Rede de cerco com retenida (carregadeira)              PS        01.1.0

   Rede de cerco com retenida operada por um navio       PS1       01.1.1

   Rede de cerco com retenida operada por dois
                                                         PS2       01.1.2
barcos

  Rede de cerco sem retenida (Lâmpara)                   LA        01.2.0

REDES ENVOLVENTES-ARRASTANTES                                      02.0.0

  Rede envolvente-arrastante de içar para a praia        SB        02.1.0

  Rede envovente-arrastante de içar para bordo           SV        02.2.0

   Rede de cerco dinamarquês                            SDN        02.2.1

   Rede de cerco escocês                                SSC        02.2.2

   Rede envolvente-arrastante de parelha                SPR        02.2.3
ARTES DE PESCA

CLASSIFICAÇÃO DA FAO- INTERNATIONAL STANDART STATISTICAL
CLASSIFICATION OF FISHING GEAR (ISSCFG)
                 CATEGORIA                  ABREVIATURA   CÓDIGO

REDES DE ARRASTAR                                         03.0.0
 Rede de arrasto pelo fundo                               03.1.0

  Rede de arrasto pelo fundo de vara           TBB        03.1.1

  Rede de arrasto pelo fundo com portas        OTB        03.1.2

  Rede de arrasto pelo fundo de parelha        PTB        03.1.3

  Rede de arrasto pelo fundo de lagostins      TBN        03.1.4

  Rede de arrasto pelo fundo de camarões       TBS        03.1.5

 Rede de arrasto pelágico                                 03.2.0
  Rede de arrasto pelágico com portas          OTM        03.2.1

  Rede de arrasto pelágico de parelha          PTM        03.2.2

  Rede de arrasto pelágico de camarões         TMS        03.2.3

 Redes de arrasto germinadas com portas        OTT        03.3.0
ARTES DE PESCA

  CLASSIFICAÇÃO DA FAO- INTERNATIONAL STANDART STATISTICAL
  CLASSIFICATION OF FISHING GEAR (ISSCFG)



                  CATEGORIA             ABREVIATURA   CÓDIGO


DRAGAS                                                04.0.0

 Draga rebocada por embarcação              DRB       04.1.0

 Draga de mão                               DRH       04.2.0

REDES DE SACADA                                       05.0.0

 Rede de sacada portátil                    LNP       05.1.0

 Rede de sacada operada de embarcação       LNB       05.2.0

 Rede de sacada operada de terra            LNS       05.3.0
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
ARTES DE PESCA




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES (cont.)




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES (cont.)




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES (cont.)




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES (cont.)




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES (cont.)




Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS
EMBARCAÇÕES PESQUEIRAS

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdfMÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdfKotomiUzumaki
 
Crustáceos slide
Crustáceos slideCrustáceos slide
Crustáceos slideMarianeSGS
 
Recifes de coral
Recifes de coralRecifes de coral
Recifes de coralwilliam7627
 
estações ecológicas
estações ecológicas estações ecológicas
estações ecológicas Karoline Ramos
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermosISJ
 
O planctôn marinho
O planctôn marinhoO planctôn marinho
O planctôn marinhoNASAL
 
Apresentação1 molusco
Apresentação1 moluscoApresentação1 molusco
Apresentação1 moluscovaldilene7
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaHenrique Soares
 
Tabela de vida
Tabela de vidaTabela de vida
Tabela de vidaunesp
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80Falcão Brasil
 
Acidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e RadiológicosAcidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e RadiológicosMagno Cavalheiro
 
Frei joao nov13 algas
Frei joao nov13 algasFrei joao nov13 algas
Frei joao nov13 algasBIBFJ
 

Mais procurados (20)

MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdfMÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
MÓDULO-19-E-20-ARTRÓPODES-22.08.16.pdf
 
Crustáceos slide
Crustáceos slideCrustáceos slide
Crustáceos slide
 
Artropodes
ArtropodesArtropodes
Artropodes
 
Recifes de coral
Recifes de coralRecifes de coral
Recifes de coral
 
Bope
BopeBope
Bope
 
estações ecológicas
estações ecológicas estações ecológicas
estações ecológicas
 
LogíStica Militar2
LogíStica Militar2LogíStica Militar2
LogíStica Militar2
 
7º ano cap 18 equinodermos
7º ano  cap 18 equinodermos7º ano  cap 18 equinodermos
7º ano cap 18 equinodermos
 
Estuários
EstuáriosEstuários
Estuários
 
O planctôn marinho
O planctôn marinhoO planctôn marinho
O planctôn marinho
 
Peixes e anfíbios(1)
Peixes e anfíbios(1)Peixes e anfíbios(1)
Peixes e anfíbios(1)
 
Apresentação1 molusco
Apresentação1 moluscoApresentação1 molusco
Apresentação1 molusco
 
Impactos causados pelas mineradoras
Impactos causados pelas mineradorasImpactos causados pelas mineradoras
Impactos causados pelas mineradoras
 
atividade-mitose-pdf
atividade-mitose-pdfatividade-mitose-pdf
atividade-mitose-pdf
 
Geomorfologia litorânea
Geomorfologia litorâneaGeomorfologia litorânea
Geomorfologia litorânea
 
Tabela de vida
Tabela de vidaTabela de vida
Tabela de vida
 
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo ChelicerataIntrodução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
Introdução ao filo Artropoda e subfilo Chelicerata
 
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80
INSTRUÇÕES PROVISÓRIAS SOBREVIVÊNCIA NA SELVA IP 21-80
 
Acidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e RadiológicosAcidentes Nucleares e Radiológicos
Acidentes Nucleares e Radiológicos
 
Frei joao nov13 algas
Frei joao nov13 algasFrei joao nov13 algas
Frei joao nov13 algas
 

Destaque

Artes Na Vida Escolar
Artes Na Vida EscolarArtes Na Vida Escolar
Artes Na Vida Escolarguestd2e60a
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalAndrea Dressler
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Ana Beatriz Cargnin
 
23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aulaEduardo Lopes
 

Destaque (8)

Aula de artes
Aula de artesAula de artes
Aula de artes
 
Artes Na Vida Escolar
Artes Na Vida EscolarArtes Na Vida Escolar
Artes Na Vida Escolar
 
Arte medieval paleocristao e bizantino 7o ano 2013
Arte medieval   paleocristao e bizantino 7o ano 2013Arte medieval   paleocristao e bizantino 7o ano 2013
Arte medieval paleocristao e bizantino 7o ano 2013
 
Aula de artes para o ensino médio
Aula de artes para o ensino médioAula de artes para o ensino médio
Aula de artes para o ensino médio
 
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte MedievalSugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
Sugestões de atividades práticas sobre Arte Medieval
 
Conteudos de artes 2013
Conteudos de artes 2013Conteudos de artes 2013
Conteudos de artes 2013
 
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
Plano de aula 1: Pinturas que Contam Histórias I: Arte Rupestre, Arte Egípcia...
 
23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula23416525 arte-planos-de-aula
23416525 arte-planos-de-aula
 

Mais de Filgueira Nogueira

Mais de Filgueira Nogueira (19)

34352
3435234352
34352
 
Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)Apostila de aulas práticas (1)
Apostila de aulas práticas (1)
 
Trabalho prática física
Trabalho   prática físicaTrabalho   prática física
Trabalho prática física
 
Trabalho prática física
Trabalho   prática físicaTrabalho   prática física
Trabalho prática física
 
Biblioteca 16421
Biblioteca 16421Biblioteca 16421
Biblioteca 16421
 
Biblioteca 2350
Biblioteca 2350Biblioteca 2350
Biblioteca 2350
 
Exercicios praticos-basico-de-internet
Exercicios praticos-basico-de-internetExercicios praticos-basico-de-internet
Exercicios praticos-basico-de-internet
 
Radio ifce
Radio ifceRadio ifce
Radio ifce
 
Exercicio de secretariado
Exercicio de secretariadoExercicio de secretariado
Exercicio de secretariado
 
Radio ifce
Radio ifceRadio ifce
Radio ifce
 
Receita do puff
Receita do puffReceita do puff
Receita do puff
 
Bioindicadores de qualidade ambiental ii
Bioindicadores de qualidade ambiental iiBioindicadores de qualidade ambiental ii
Bioindicadores de qualidade ambiental ii
 
Bioindicadores de qualidade ambiental iii
Bioindicadores de qualidade ambiental iiiBioindicadores de qualidade ambiental iii
Bioindicadores de qualidade ambiental iii
 
Bioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental vBioindicadores de qualidade ambiental v
Bioindicadores de qualidade ambiental v
 
2 aula qualidadeparamentros
2 aula qualidadeparamentros2 aula qualidadeparamentros
2 aula qualidadeparamentros
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixesBoas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
Boas praticas-de-manejo-na-alimentacao-de-peixes
 
32678 066
32678 06632678 066
32678 066
 
Bioindicadores de qualidade ambiental iv
Bioindicadores de qualidade ambiental ivBioindicadores de qualidade ambiental iv
Bioindicadores de qualidade ambiental iv
 

Aula 02 principais artes de pesca

  • 1. FUNDAMENTOS DA CIÊNCIA PESQUEIRA Aula 02: Principais Artes de Pesca Identificar os principais tipos e métodos de pesca realizados no mundo pela classificação da FAO- ISSCFG; João Vicente Mendes Santana
  • 2. ARTES DE PESCA FAO – Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação Código de Conduta para a Pesca Responsável estabelece princípios e normas internacionais para a aplicação de práticas responsáveis com vistas a assegurar a conservação e a gestão dos recursos vivos aquáticos, respeitando o ecossistema e a biodiversidade. Esse Código é voluntario, apesar de algumas partes estarem baseadas em normas pertinentes do direito internacional, incluídas aquelas mostradas de maneira clara na Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar, de 10 de dezembro de 1982. A criação do Código de Pesca Responsável permitiu observar o interesse dos pescadores, técnicos, armadores e empresários para conservar e utilizar racionalmente os recursos pesqueiros. sistematização das artes de pesca, agrupando-as em elementos fundamentais de construção, com a finalidade de implantar um sistema de ordenação pesqueira eficaz. (1990)
  • 3. ARTES DE PESCA Código de Conduta par a pesca sustentável ... 8.5. Seletividade 8.5.1 Os Estados deveriam exigir que artes, métodos e práticas de pesca sejam, na medida do possível, suficientemente seletivos para minimizar os desperdícios, as rejeições, as capturas de espécies objeto de pesca, tanto espécies de peixe como de outras espécies, e os efeitos sobre as espécies associadas ou dependentes e que a finalidade dos regulamentos correspondentes não se desvirtuem por artifícios técnicos. Neste sentido, os pescadores deveriam cooperar no desenvolvimento de artes e métodos de pesca seletivos. 8.5.2 Com o objetivo de melhorar a seletividade, os Estados, ao elaborarem as suas leis e regulamentos, deveriam ter em conta as diversas artes, métodos e estratégias de pesca seletivas disponíveis pela indústria. 8.5.3 Os Estados e as instituições competentes deveriam colaborar no desenvolvimento de metodologias uniformes para a investigação sobre a seletividade das artes e métodos e estratégias de pesca.
  • 4. ARTES DE PESCA CLASSIFICAÇÃO DA FAO- INTERNATIONAL STANDART STATISTICAL CLASSIFICATION OF FISHING GEAR (ISSCFG) CATEGORIA ABREVIATURA CÓDIGO REDES DE CERCAR 01.0.0 Rede de cerco com retenida (carregadeira) PS 01.1.0 Rede de cerco com retenida operada por um navio PS1 01.1.1 Rede de cerco com retenida operada por dois PS2 01.1.2 barcos Rede de cerco sem retenida (Lâmpara) LA 01.2.0 REDES ENVOLVENTES-ARRASTANTES 02.0.0 Rede envolvente-arrastante de içar para a praia SB 02.1.0 Rede envovente-arrastante de içar para bordo SV 02.2.0 Rede de cerco dinamarquês SDN 02.2.1 Rede de cerco escocês SSC 02.2.2 Rede envolvente-arrastante de parelha SPR 02.2.3
  • 5. ARTES DE PESCA CLASSIFICAÇÃO DA FAO- INTERNATIONAL STANDART STATISTICAL CLASSIFICATION OF FISHING GEAR (ISSCFG) CATEGORIA ABREVIATURA CÓDIGO REDES DE ARRASTAR 03.0.0 Rede de arrasto pelo fundo 03.1.0 Rede de arrasto pelo fundo de vara TBB 03.1.1 Rede de arrasto pelo fundo com portas OTB 03.1.2 Rede de arrasto pelo fundo de parelha PTB 03.1.3 Rede de arrasto pelo fundo de lagostins TBN 03.1.4 Rede de arrasto pelo fundo de camarões TBS 03.1.5 Rede de arrasto pelágico 03.2.0 Rede de arrasto pelágico com portas OTM 03.2.1 Rede de arrasto pelágico de parelha PTM 03.2.2 Rede de arrasto pelágico de camarões TMS 03.2.3 Redes de arrasto germinadas com portas OTT 03.3.0
  • 6. ARTES DE PESCA CLASSIFICAÇÃO DA FAO- INTERNATIONAL STANDART STATISTICAL CLASSIFICATION OF FISHING GEAR (ISSCFG) CATEGORIA ABREVIATURA CÓDIGO DRAGAS 04.0.0 Draga rebocada por embarcação DRB 04.1.0 Draga de mão DRH 04.2.0 REDES DE SACADA 05.0.0 Rede de sacada portátil LNP 05.1.0 Rede de sacada operada de embarcação LNB 05.2.0 Rede de sacada operada de terra LNS 05.3.0
  • 20. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 21. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 22. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 23. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 24. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 25. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 26. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 27. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 28. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 29. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 30. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 31. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 32. ARTES DE PESCA Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 33. EMBARCAÇÕES Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 34. EMBARCAÇÕES (cont.) Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 35. EMBARCAÇÕES (cont.) Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 36. EMBARCAÇÕES (cont.) Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 37. EMBARCAÇÕES (cont.) Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005
  • 38. EMBARCAÇÕES (cont.) Fonte: Boletim Estatístico da Pesca Marítima e Estuarina do Nordeste do Brasil - 2005