Andrew Feenberg: racionalizaçãodemocrática, poder e tecnologia.Ricardo T. Neder (org.)Universidade de Brasília2010http://p...
Andrew FeenbergCanada Research Chairem Filosofia daTecnologia.
Physis geralmente é traduzido como natureza -- ser que se cria asi mesmo (distinção entre essência e existência não é óbvi...
Nós os seres humanos não somos os mestres denatureza, mas trabalhamos com seus potenciaispara trazer à fruição um mundo si...
Tecnologia é humanamente controlada e neutra devalores – Iluminismo.tecnologia é simplesmente uma ferramenta ouinstrumento...
"Armas não matam as pessoas, as pessoas matamas pessoas".Trata a natureza como matérias-primas, não comoum mundo que emerg...
Tecnologia é autônoma e neutra.Força motriz da história é o avanço tecnológico.Molda a sociedade às exigências de eficiênc...
SubstantivismoTecnologia é carregada de valores e é autônoma(determinismo).Tecnologia como uma espécie de religião, que ex...
Teoria CríticaTecnologia é carregada de valores e humanamentecontrolada.Concorda com o instrumentalismo que a tecnologia é...
Teoria CríticaAvanço - as sociedades modernas devem todasobjetivar a eficiência nos domínios em que aplicam atecnologia, m...
Capítulo 2 – RacionalizaçãoSubversivaWeber definiu racionalização como o papel crescente docontrole da vida social, uma te...
Capítulo 2O desenvolvimento tecnológico não é unilinear, masse ramifica em muitas direções e poderiaalcançar níveis geralm...
Significado SocialOs objetos técnicos têm duas dimensõeshermenêuticas: chamo-as de significado social ehorizonte cultural....
Horizonte CulturalHorizonte cultural – limites dados para a açãohumana, perspectiva ideológica.O desenvolvimento tecnológi...
As Consequências da TecnologiaO estreito foco da tecnologia moderna satisfaz àsnecessidades de uma hegemonia particular; n...
ConclusãoO quê é novo na tecnologia moderna só pode serentendido quando oposto ao subterrâneo domundo técnico tradicional,...
ConclusãoO trabalho que usa rede de computadores deuorigem a uma entre muitas reações inovadorasdo público à tecnologia. O...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Slides feenberg 15 05 2013

575 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
575
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Slides feenberg 15 05 2013

  1. 1. Andrew Feenberg: racionalizaçãodemocrática, poder e tecnologia.Ricardo T. Neder (org.)Universidade de Brasília2010http://pt.scribd.com/doc/61221945/Filosofia-Da-Tecnologia-Andrew-Feenberg
  2. 2. Andrew FeenbergCanada Research Chairem Filosofia daTecnologia.
  3. 3. Physis geralmente é traduzido como natureza -- ser que se cria asi mesmo (distinção entre essência e existência não é óbvia).Poiesis é a atividade prática de fazer – ideias tornam-se artefatos(clara distinção entre essência e existência).Techné significa o conhecimento ou a disciplina que se associacom uma forma de poiesis – origem das palavras modernaspara técnica e tecnologia nas línguas ocidentais.Technai indicam o "modo correto" de fazer coisas de maneiramuito forte e definida -- sentido imanente, absolutamenteobjetivo.1. O que é a filosofia da tecnologia? Origensgregas
  4. 4. Nós os seres humanos não somos os mestres denatureza, mas trabalhamos com seus potenciaispara trazer à fruição um mundo significativo.Nosso conhecimento deste mundo e nossa açãonele não são arbitrários, mas são, de algummodo, a realização do que se esconde nanatureza.Os gregos interpretam o ser como tal por meio doconceito de fabricacão técnica..̧1. O que é a filosofia da tecnologia? Origensgregas
  5. 5. Tecnologia é humanamente controlada e neutra devalores – Iluminismo.tecnologia é simplesmente uma ferramenta ouinstrumento com que a espécie humana satisfazsuas necessidades.Fé liberal no progresso.Despejem computadores nas escolas e a educaçãoirá melhorar!Instrumentalismo
  6. 6. "Armas não matam as pessoas, as pessoas matamas pessoas".Trata a natureza como matérias-primas, não comoum mundo que emerge de si mesmo.Está ali para ser controlado e usado sem qualquerpropósito interno.Instrumentalismo
  7. 7. Tecnologia é autônoma e neutra.Força motriz da história é o avanço tecnológico.Molda a sociedade às exigências de eficiência eprogresso.Nós é que devemos nos adaptar à tecnologia, comoexpressão mais significativa de nossa humanidade.Tirem os professores da escola, instalem computadorese a educação irá progredir.Determinismo
  8. 8. SubstantivismoTecnologia é carregada de valores e é autônoma(determinismo).Tecnologia como uma espécie de religião, que excluicertas formas de ser e de pensar em detrimento deoutras.A autonomia da tecnologia é ameaçadora e malévola.Computadores ajudam os alunos a raciocionar melhor eisso irá melhorar a educação.
  9. 9. Teoria CríticaTecnologia é carregada de valores e humanamentecontrolada.Concorda com o instrumentalismo que a tecnologia écontrolável em algum sentido, também concorda como substantivismo que a tecnologia está carregada devalores.O problema não está na tecnologia, mas no nossofracasso em inventar instituições apropriadas paraexercer o controle humano da tecnologia.Adequar a tecnologia, submetendo-a a um processomais democrático no design e no desenvolvimento.
  10. 10. Teoria CríticaAvanço - as sociedades modernas devem todasobjetivar a eficiência nos domínios em que aplicam atecnologia, mas afirmar que não podem efetivarnenhum outro valor significativo além de eficiência énegligenciar as diferenças óbvias entre eles.Esta tendência poderia continuar até o ponto de acidadania envolver o exercício do controle humanosobre a estrutura técnica de nossas vidas? Não nosresta senão a esperança, uma vez que as outrasalternativas parecem levar, com certeza, à destruição.
  11. 11. Capítulo 2 – RacionalizaçãoSubversivaWeber definiu racionalização como o papel crescente docontrole da vida social, uma tendência que conduzia aoque ele chamou de a “gaiola de ferro” da burocracia.Racionalização "subversiva" é, assim, uma contradição determos.Rejeição à dicotomia entre a hierarquia racional e o protestoirracional implícito na posição de Weber.Heidegger sobre “a questão da tecnologia” e a teoria de Ellulsobre "o fenômeno técnico"-- nós nos tornamos poucomais que objetos da técnica, incorporados em ummecanismo criado por nós mesmos.
  12. 12. Capítulo 2O desenvolvimento tecnológico não é unilinear, masse ramifica em muitas direções e poderiaalcançar níveis geralmente mais altos, ao longode mais de um caminho diferente.O desenvolvimento tecnológico não é determinantepara a sociedade, mas é sobredeterminado porfatores técnicos e sociais.
  13. 13. Significado SocialOs objetos técnicos têm duas dimensõeshermenêuticas: chamo-as de significado social ehorizonte cultural.O papel do significado social – caso das duas rodasda bicicleta – conflito de interpretações: eladeveria ser o brinquedo de um desportista ou ummeio de transporte?Teletel (frio) – Minitel (quente).
  14. 14. Horizonte CulturalHorizonte cultural – limites dados para a açãohumana, perspectiva ideológica.O desenvolvimento tecnológico é restringido,“naturalizado”, por normas culturais que seoriginam das economias, da ideologia, da religiãoe da tradição.Sociedade que democratizam o controle técnico e,de forma correspondente, o desenho tecnológico.
  15. 15. As Consequências da TecnologiaO estreito foco da tecnologia moderna satisfaz àsnecessidades de uma hegemonia particular; nãoé uma condição metafísica. Sob essa hegemonia,o desenho técnico é, de forma não-usual,descontextualizado e destrutivo. Tal hegemonia éo que deve ser considerado, não a tecnologia perse, quando apontamos que hoje os meiostécnicos formam uma crescente ameaça ao meioambiente em que vivemos. A hegemonia que seencarnou na própria tecnologia deve serquestionada na luta pela reforma tecnológica.
  16. 16. ConclusãoO quê é novo na tecnologia moderna só pode serentendido quando oposto ao subterrâneo domundo técnico tradicional, do qual sedesenvolveu.Mas o que significa democratizar a tecnologia? Oproblema não é primordialmente de direitoslegais, mas de iniciativa e participação.
  17. 17. ConclusãoO trabalho que usa rede de computadores deuorigem a uma entre muitas reações inovadorasdo público à tecnologia. Os indivíduos que foramincorporados em novos tipos de rede aprenderama resistir por meio da própria rede, com opropósito de influenciar os poderes que acontrolam. Não é uma competição por riqueza oupoder administrativo, mas uma luta parasubverter as práticas técnicas, os procedimentose os arranjos que estruturam a vida cotidiana.

×