SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 28
Baixar para ler offline
*RACIONALISMO X EMPIRISMO
*As transformações ocorridas a partir da modernidade levaram ao questionamento dos critérios e métodos para elaboração de um conhecimento verdadeiro. 
*As 02 principais correntes que surgiram foram o Empirismo e o Racionalismo. 
RACIONALISMO 
EMPIRISMO 
A principal forma de conhecimento é a razão. 
O conhecimento se origina nas experiências. 
A razão é inata, a priori. 
Não existem ideias inatas. 
A sensação é conhecimento a posteriori.
*O Racionalismo teve em Descartes seu principal expoente (o sujeito pensante com ideias inatas). 
*O Empirismo ganha forças na Inglaterra em meio à Revolução Gloriosa com ascensão da burguesia (valorização da experiência e do liberalismo político). 
*Teve como principais filósofos Bacon, Hobbes, Locke e Hume. 
*Em seguida, Kant irá descontruir essa dicotomia (Empirismo x Racionalismo) criando uma síntese entre as duas teorias.
O MÉTODO EXPERIMENTAL 
*FRANCIS BACON
*Considerado um dos primeiros filósofos modernos, contemporâneo a Descartes, tinha um pensamento diferente do francês, pois propunha o uso do método experimental (tentativa e erro) contra a especulação da metafísica. Contrário ao pensamento abstrato da escolástica, busca realizar uma filosofia experimental, voltada para o real. 
*“Saber é poder” -> os conhecimentos científicos são importantes instrumentos para controle da realidade. 
*Afirmava que a filosofia experimental influenciava diretamente nos avanços da sociedade, por trazia resultados objetivos para o homem. 
*Divide a ciência em 03 classes: 1º) a poesia ou ciência da imaginação; 2º) a história ou ciência da memória; 3º) a filosofia ou ciência da razão.
*A primeira forma de experiência é pela sucessão temporal, ou seja, a associação de ideias uma após a outra, criando uma antecipação intelectual (há necessidade de uma relação temporal). 
*(Colocar a mão na panela quente). 
*Também as associações podem ser feitas a partir de repetições de fenômenos (o nosso cotidiano é feito de dia e noite), ou ainda por proximidade ou contiguidade física, ou seja, se eu noto que um evento ocorre muito próximo a outro , posso dizer que há uma relação entre eles. Não há nenhum tipo de semelhança entre eles, mas há uma ligação (eu vejo um instrumento musical e uma pessoa que toca o instrumento musical). 
*Por estas três vias associativas os pensamentos ganham forma, mas estas associações ocorrem na medida em que posso experimentar as sensações
*Busca realizar a Instauratio Magna, pela qual visou criar um novo sistema de conhecimento. Essa reforma do conhecimento é justificada a partir da escolástica, pois segundo o autor, não trouxe nenhum conhecimento prático. 
*Novo Organum (1620) foi uma obra na qual ele fez uma crítica a Aristóteles e onde apresenta o método indutivo, bem como faz uma reflexão crítica com relação àquilo que pode comprometer o progresso do conhecimento (Teoria dos Ídolos). 
*Em seguida, lança mão de uma crítica a Aristóteles, que segundo ele, fez da experiência uma escrava para confirmar suas opiniões (método dedutivo). Para ele, o método dedutivo é falho.
*A razão estava em alta. Preocupado com a utilização dos meios científicos na vida prática, manifestava grande entusiasmo pelas conquistas técnicas de seu tempo, como por exemplo, a bússola, a pólvora e a imprensa. 
*Assim, o progresso traria o domínio da natureza e traria o avanço social.
*TEORIA DOS ÍDOLOS 
*São distrações que podem prejudicar o processo cientifico do método empírico e indutivo. 
*Se há uma distração, talvez você não chegue ao resultado esperado. 
*Para isso, era necessário se libertar do que ele denominou de ídolos, isto é, as falsas noções e maus hábitos mentais.
*Por isso, faz uma análise dos erros que possam barrar esse avanço. 
*Recebe esse nome para simbolizar aquilo que é uma distorção da realidade, compondo 04 categorias.
*1 – ÍDOLOS DA TRIBO 
*“O intelecto humano é igual a um espelho que reflete desigualmente os raios das coisas, e dessa forma, as distorce e corrompe.” 
*Afirma não ser possível confiar numa aptidão natural da razão em compreender o mundo, pois nem mesmo a razão é perfeita. 
*A razão não é capaz de conhecer tudo => o ser humano é limitado.
*2 – ÍDOLOS DA CAVERNA 
*“O espírito humano, tal como se acha disposto em cada um, é coisa variável, sujeita a múltiplas perturbações e, até certo ponto, sujeita ao acaso.” 
*Trata das dificuldades provenientes das inúmeras diferenças, sejam físicas ou intelectuais, normalmente encontradas entre os homens. A nossa subjetividade pode intervir negativamente na experiência. 
*É preciso deixar de lado a 
Parcialidade.
*3 – ÍDOLOS DO FORO 
*“As palavras forçam o intelecto e o perturbam por completo. E os homens são assim, arrastados a inúmeras e inúteis controvérsias.” 
*É relação entre os homens e a comunicação que se dá através da linguagem, podendo surgir diversos significados para uma única coisa. Muitas indagações filosóficas se dão por conta da linguagem e não de questões autênticas de conteúdo. 
*A linguagem deve ser clara.
*4 – ÍDOLOS DO TEATRO 
*Aquelas ilusões advindas das doutrinas filosóficas, científicas e religiosas, que criam outros mundos porque não conseguem explicar este próprio. 
*Crítica aos filósofos, principalmente a Platão e Aristóteles.
*MÉTODO INDUTIVO 
*É a observação dos fenômenos por meio das experiências, tentando chegar a algo regular, constante. 
*Através dessa regularidade, pode-se chegar a conclusões generalizadas. 
*É preciso fazer experiências para compreender como a natureza funciona, para que possamos controlá-la a nosso favor. 
*Ideia de que os conhecimentos científicos são um instrumento prático de controle da realidade.
*O método indutivo é baseado na observação rigorosa dos fenômenos naturais, e deve seguir as seguintes etapas: 
*OBSERVAÇÃO da natureza para coletar informações. 
*ORGANIZAÇÃO RACIONAL dos dados coletados empiricamente. 
*OBSERVAR A REGULARIDADE. 
*FORMULAÇÃO DE HIPÓTESES para os fenômenos estudados. 
*EXPERIMENTAÇÕES repetidas e em novas situações. 
*LEIS GERAIS 
*“Aquele que inicia uma investigação com muita certeza, acaba cheio de dúvidas”.
*Thomas Hobbes
*Teve sua filosofia influenciada por Bacon e Galileu, abandonando as grandes pretensões metafísicas e investigando a essência das coisas. 
*A filosofia seria então a ciência dos corpos, que se dividem em corpos naturais (filosofia da natureza) e corpo artificial ou Estado (filosofia política). 
*Assim, a realidade pode ser compreendida a partir dos corpos e do movimento -> relação de causa e efeito (materialismo e mecanicismo). 
*Assim, os movimentos resultam necessa- 
riamente dos nexos causais que lhe dão 
Origem.
*John Locke
*“Quem não quiser se equivocar deve construir sua hipótese, derivada da experiência sensível sobre um fato, e não supor um fato devido a esta hipótese.” 
*Combateu o inatismo, defendendo que nossa mente é uma tábula rasa, um papel em branco sem nenhuma ideia previamente escrita. 
*As ideias que possuímos são adquiridas ao longo da vida, mediante o exercício da experiência sensorial e da nossa reflexão. 
*Experiência sensorial são criadas a partir do contato com o objeto do conhecimento. Por exemplo, a ideia de amarelo, quente, etc. 
*Reflexão depois, combinando as sensações por um processo de reflexão, a mente desenvolve outras ideias, que não poderiam ser obtidas somente com o contato com o mundo externo.
*David Hume Empirismo Lógico
*Raciocina sobre os limites da experiência, mudando a forma de fazer ciência. A força do hábito pode nos enganar. 
*O hábito não nos dá nenhuma garantia válida sobre o acontecimento das coisas. 
*Interpreta as ideias de Bacon de forma diferenciada: segundo Hume, o tempo, quanto maior for entre a análise e a experiência, menos nítido ele é. 
*As percepções particulares é que formam as ideias gerais (são ideias pessoais, o homem é baseado na subjetividade).
*Divide tudo o que conhecemos em IMPRESSÕES e IDEIAS (Investigação acerca do entendimento humano). 
*IMPRESSÕES: dados fornecidos pelos sentidos. 
*IDEIAS: são as representações mentais derivadas das impressões (memória, imaginação, etc.) 
*Logo, toda ideia é uma reapresentação de alguma impressão, que apresenta diferentes graus de fidelidade. 
*“O costume é, pois, o grande guia da vida humana. É o único princípio que torna útil nossa experiência e nos faz esperar, no futuro, uma série de eventos semelhantes àqueles que apareceram no passado”.
* 
*Para Hume, o fato de se partir de uma premissa particular para o geral, por maior que seja o número de percepções repetidas sobre o mesmo fato, não possui nenhum fundamento lógico. 
*É produto de uma crença e de um hábito, ou seja, repetidos acontecimentos nos levam a crer que estes irão ocorrer novamente. 
*Porém, nada pode garantir... 
*Assim, retoma o pensamento dedutivo, e cria a ideia do ceticismo teórico, pois segundo ele, o conhecimento científico se baseava em métodos não racionais, como crença e habito intelectual. 
*Portanto, todo cientista deve apresentar suas probabilidades e não certezas inquestionáveis.
*Relação entre ideias x Questões de fato 
*É uma dedução lógica Experiência 
*Não depende da existência concreta Não precisa demonstrar.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

A sociologia de Max Weber
A  sociologia de Max WeberA  sociologia de Max Weber
A sociologia de Max Weber
 
Aristóteles
AristótelesAristóteles
Aristóteles
 
Senso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científicoSenso comum e conhecimento científico
Senso comum e conhecimento científico
 
O empirismo de John Locke
O empirismo de John LockeO empirismo de John Locke
O empirismo de John Locke
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Max weber
Max weberMax weber
Max weber
 
Surgimento da Sociologia
Surgimento da SociologiaSurgimento da Sociologia
Surgimento da Sociologia
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Religião e Sociologia
Religião e SociologiaReligião e Sociologia
Religião e Sociologia
 
Introdução à filosofia
Introdução à filosofiaIntrodução à filosofia
Introdução à filosofia
 
Filosofia - helenistica
Filosofia - helenistica Filosofia - helenistica
Filosofia - helenistica
 
Filosofia
Filosofia Filosofia
Filosofia
 
Sócrates
SócratesSócrates
Sócrates
 
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: SofistasAula de filosofia antiga, tema: Sofistas
Aula de filosofia antiga, tema: Sofistas
 
Lógica filosófica
Lógica filosóficaLógica filosófica
Lógica filosófica
 
01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia01 - O que é Sociologia
01 - O que é Sociologia
 
Filosofia aristóteles
Filosofia   aristótelesFilosofia   aristóteles
Filosofia aristóteles
 
Introdução à Sociologia
Introdução à SociologiaIntrodução à Sociologia
Introdução à Sociologia
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Teorias do conhecimento
Teorias do conhecimentoTeorias do conhecimento
Teorias do conhecimento
 

Destaque

Destaque (20)

Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Os quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis BaconOs quatro ídolos de Francis Bacon
Os quatro ídolos de Francis Bacon
 
Francis bacon e o método empírico - Mini Seminário
Francis bacon e o método empírico -  Mini SeminárioFrancis bacon e o método empírico -  Mini Seminário
Francis bacon e o método empírico - Mini Seminário
 
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho EscolarEmpirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
Empirismo, Francis Bacon, Filosofia, Trabalho Escolar
 
PresentacióN De Francis BacóN
PresentacióN De Francis BacóNPresentacióN De Francis BacóN
PresentacióN De Francis BacóN
 
Racionalismo - Filosofia
Racionalismo - FilosofiaRacionalismo - Filosofia
Racionalismo - Filosofia
 
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - FilosofiaRacionalismo x Empirismo - Filosofia
Racionalismo x Empirismo - Filosofia
 
O racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesianoO racionalismo cartesiano
O racionalismo cartesiano
 
Francis Bacon
Francis BaconFrancis Bacon
Francis Bacon
 
Francis bacón
Francis bacónFrancis bacón
Francis bacón
 
Teoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de DescartesTeoria racionalista de Descartes
Teoria racionalista de Descartes
 
Francis bacon
Francis baconFrancis bacon
Francis bacon
 
O empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismoO empirismo e o racionalismo
O empirismo e o racionalismo
 
Empirismo
EmpirismoEmpirismo
Empirismo
 
Francis bacon - novum organum
Francis bacon - novum organumFrancis bacon - novum organum
Francis bacon - novum organum
 
Período Sistemático - novo
Período Sistemático - novoPeríodo Sistemático - novo
Período Sistemático - novo
 
René descartes
René descartesRené descartes
René descartes
 
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
O empirismo e o racionalismo (Doc.2)
 
As críticas a kuhn
As críticas a kuhnAs críticas a kuhn
As críticas a kuhn
 
René Descartes, Roger Bacon e John Locke
René Descartes, Roger Bacon e John LockeRené Descartes, Roger Bacon e John Locke
René Descartes, Roger Bacon e John Locke
 

Semelhante a Francis bacon

Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciRita Gonçalves
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Laguat
 
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mpTrabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mpalemisturini
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpalemisturini
 
Racionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tpRacionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tpalemisturini
 
Racionalismo brenda e júlia 22 mp
Racionalismo brenda e júlia 22 mpRacionalismo brenda e júlia 22 mp
Racionalismo brenda e júlia 22 mpalemisturini
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeFrancis Mary Rosa
 
Racionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mpRacionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mpalemisturini
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoPaulo Gama
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mpalemisturini
 
Iluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpIluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpalemisturini
 
perspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionaisperspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionaisthemis dovera
 
Francis-Bacon.pptx
Francis-Bacon.pptxFrancis-Bacon.pptx
Francis-Bacon.pptxjanainasimen
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)Patricia Amorim
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Rita Gonçalves
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iElizabete Dias
 

Semelhante a Francis bacon (20)

Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ciEstudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
Estudo dirigido (3) de ética e filosofia na ci
 
Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia Trabalho de Filosofia
Trabalho de Filosofia
 
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mpTrabalho de filosofia leonardo 21 mp
Trabalho de filosofia leonardo 21 mp
 
Epistemologia
EpistemologiaEpistemologia
Epistemologia
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo marlon 23 mp
 
Racionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tpRacionalismo lelícia 25 tp
Racionalismo lelícia 25 tp
 
Racionalismo brenda e júlia 22 mp
Racionalismo brenda e júlia 22 mpRacionalismo brenda e júlia 22 mp
Racionalismo brenda e júlia 22 mp
 
David hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidadeDavid hume e a critica à causalidade
David hume e a critica à causalidade
 
Racionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mpRacionalismo alessandra 21 mp
Racionalismo alessandra 21 mp
 
A teoria do conhecimento
A teoria do conhecimentoA teoria do conhecimento
A teoria do conhecimento
 
Racionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mpRacionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mp
Racionalismo, empirismo e iluminismo giorgia 23 mp
 
Iluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mpIluminismo (1) duda 22 mp
Iluminismo (1) duda 22 mp
 
Almost over
Almost overAlmost over
Almost over
 
perspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionaisperspectivas epidemiologicas tradicionais
perspectivas epidemiologicas tradicionais
 
Psicologia da educação.pptx
Psicologia da educação.pptxPsicologia da educação.pptx
Psicologia da educação.pptx
 
Empirismo 26 tp
Empirismo 26 tpEmpirismo 26 tp
Empirismo 26 tp
 
Francis-Bacon.pptx
Francis-Bacon.pptxFrancis-Bacon.pptx
Francis-Bacon.pptx
 
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)História da psicologia   todos os cursos - texto 1 (1)
História da psicologia todos os cursos - texto 1 (1)
 
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
Atividade 4 ética e filosofia na ci pdf.
 
Apostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador iApostila do projeto integrador i
Apostila do projeto integrador i
 

Mais de Juliana Corvino de Araújo (15)

Filosofia medieval
Filosofia medievalFilosofia medieval
Filosofia medieval
 
Karl marx
Karl marxKarl marx
Karl marx
 
Movimentos sociais
Movimentos sociaisMovimentos sociais
Movimentos sociais
 
Nietzsche
NietzscheNietzsche
Nietzsche
 
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul SartreFilosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
Filosofia contemporânea - Jean Paul Sartre
 
Iluminismo
IluminismoIluminismo
Iluminismo
 
Kant
KantKant
Kant
 
Descartes
DescartesDescartes
Descartes
 
Filosofia Renascentista
Filosofia  RenascentistaFilosofia  Renascentista
Filosofia Renascentista
 
Filosofia Medieval
Filosofia MedievalFilosofia Medieval
Filosofia Medieval
 
Modernidade
ModernidadeModernidade
Modernidade
 
Período helenístico
Período helenísticoPeríodo helenístico
Período helenístico
 
Período Sistemático
Período Sistemático Período Sistemático
Período Sistemático
 
Filosofia Socrática
Filosofia SocráticaFilosofia Socrática
Filosofia Socrática
 
Filósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticosFilósofos Pré socráticos
Filósofos Pré socráticos
 

Último

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasCassio Meira Jr.
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarIedaGoethe
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxfabiolalopesmartins1
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasCassio Meira Jr.
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfHenrique Pontes
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Mary Alvarenga
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 

Último (20)

Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades MotorasPrograma de Intervenção com Habilidades Motoras
Programa de Intervenção com Habilidades Motoras
 
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogarCaixa jogo da onça. para imprimir e jogar
Caixa jogo da onça. para imprimir e jogar
 
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptxA experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
A experiência amorosa e a reflexão sobre o Amor.pptx
 
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e EspecíficasHabilidades Motoras Básicas e Específicas
Habilidades Motoras Básicas e Específicas
 
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, Betel, Ordenança quanto à contribuição financeira, 2Tr24.pptx
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdfBRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
BRASIL - DOMÍNIOS MORFOCLIMÁTICOS - Fund 2.pdf
 
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
Grupo Tribalhista - Música Velha Infância (cruzadinha e caça palavras)
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA      -
XI OLIMPÍADAS DA LÍNGUA PORTUGUESA -
 

Francis bacon

  • 2. *As transformações ocorridas a partir da modernidade levaram ao questionamento dos critérios e métodos para elaboração de um conhecimento verdadeiro. *As 02 principais correntes que surgiram foram o Empirismo e o Racionalismo. RACIONALISMO EMPIRISMO A principal forma de conhecimento é a razão. O conhecimento se origina nas experiências. A razão é inata, a priori. Não existem ideias inatas. A sensação é conhecimento a posteriori.
  • 3. *O Racionalismo teve em Descartes seu principal expoente (o sujeito pensante com ideias inatas). *O Empirismo ganha forças na Inglaterra em meio à Revolução Gloriosa com ascensão da burguesia (valorização da experiência e do liberalismo político). *Teve como principais filósofos Bacon, Hobbes, Locke e Hume. *Em seguida, Kant irá descontruir essa dicotomia (Empirismo x Racionalismo) criando uma síntese entre as duas teorias.
  • 4.
  • 5.
  • 6. O MÉTODO EXPERIMENTAL *FRANCIS BACON
  • 7. *Considerado um dos primeiros filósofos modernos, contemporâneo a Descartes, tinha um pensamento diferente do francês, pois propunha o uso do método experimental (tentativa e erro) contra a especulação da metafísica. Contrário ao pensamento abstrato da escolástica, busca realizar uma filosofia experimental, voltada para o real. *“Saber é poder” -> os conhecimentos científicos são importantes instrumentos para controle da realidade. *Afirmava que a filosofia experimental influenciava diretamente nos avanços da sociedade, por trazia resultados objetivos para o homem. *Divide a ciência em 03 classes: 1º) a poesia ou ciência da imaginação; 2º) a história ou ciência da memória; 3º) a filosofia ou ciência da razão.
  • 8. *A primeira forma de experiência é pela sucessão temporal, ou seja, a associação de ideias uma após a outra, criando uma antecipação intelectual (há necessidade de uma relação temporal). *(Colocar a mão na panela quente). *Também as associações podem ser feitas a partir de repetições de fenômenos (o nosso cotidiano é feito de dia e noite), ou ainda por proximidade ou contiguidade física, ou seja, se eu noto que um evento ocorre muito próximo a outro , posso dizer que há uma relação entre eles. Não há nenhum tipo de semelhança entre eles, mas há uma ligação (eu vejo um instrumento musical e uma pessoa que toca o instrumento musical). *Por estas três vias associativas os pensamentos ganham forma, mas estas associações ocorrem na medida em que posso experimentar as sensações
  • 9. *Busca realizar a Instauratio Magna, pela qual visou criar um novo sistema de conhecimento. Essa reforma do conhecimento é justificada a partir da escolástica, pois segundo o autor, não trouxe nenhum conhecimento prático. *Novo Organum (1620) foi uma obra na qual ele fez uma crítica a Aristóteles e onde apresenta o método indutivo, bem como faz uma reflexão crítica com relação àquilo que pode comprometer o progresso do conhecimento (Teoria dos Ídolos). *Em seguida, lança mão de uma crítica a Aristóteles, que segundo ele, fez da experiência uma escrava para confirmar suas opiniões (método dedutivo). Para ele, o método dedutivo é falho.
  • 10. *A razão estava em alta. Preocupado com a utilização dos meios científicos na vida prática, manifestava grande entusiasmo pelas conquistas técnicas de seu tempo, como por exemplo, a bússola, a pólvora e a imprensa. *Assim, o progresso traria o domínio da natureza e traria o avanço social.
  • 11. *TEORIA DOS ÍDOLOS *São distrações que podem prejudicar o processo cientifico do método empírico e indutivo. *Se há uma distração, talvez você não chegue ao resultado esperado. *Para isso, era necessário se libertar do que ele denominou de ídolos, isto é, as falsas noções e maus hábitos mentais.
  • 12.
  • 13. *Por isso, faz uma análise dos erros que possam barrar esse avanço. *Recebe esse nome para simbolizar aquilo que é uma distorção da realidade, compondo 04 categorias.
  • 14. *1 – ÍDOLOS DA TRIBO *“O intelecto humano é igual a um espelho que reflete desigualmente os raios das coisas, e dessa forma, as distorce e corrompe.” *Afirma não ser possível confiar numa aptidão natural da razão em compreender o mundo, pois nem mesmo a razão é perfeita. *A razão não é capaz de conhecer tudo => o ser humano é limitado.
  • 15. *2 – ÍDOLOS DA CAVERNA *“O espírito humano, tal como se acha disposto em cada um, é coisa variável, sujeita a múltiplas perturbações e, até certo ponto, sujeita ao acaso.” *Trata das dificuldades provenientes das inúmeras diferenças, sejam físicas ou intelectuais, normalmente encontradas entre os homens. A nossa subjetividade pode intervir negativamente na experiência. *É preciso deixar de lado a Parcialidade.
  • 16. *3 – ÍDOLOS DO FORO *“As palavras forçam o intelecto e o perturbam por completo. E os homens são assim, arrastados a inúmeras e inúteis controvérsias.” *É relação entre os homens e a comunicação que se dá através da linguagem, podendo surgir diversos significados para uma única coisa. Muitas indagações filosóficas se dão por conta da linguagem e não de questões autênticas de conteúdo. *A linguagem deve ser clara.
  • 17. *4 – ÍDOLOS DO TEATRO *Aquelas ilusões advindas das doutrinas filosóficas, científicas e religiosas, que criam outros mundos porque não conseguem explicar este próprio. *Crítica aos filósofos, principalmente a Platão e Aristóteles.
  • 18. *MÉTODO INDUTIVO *É a observação dos fenômenos por meio das experiências, tentando chegar a algo regular, constante. *Através dessa regularidade, pode-se chegar a conclusões generalizadas. *É preciso fazer experiências para compreender como a natureza funciona, para que possamos controlá-la a nosso favor. *Ideia de que os conhecimentos científicos são um instrumento prático de controle da realidade.
  • 19. *O método indutivo é baseado na observação rigorosa dos fenômenos naturais, e deve seguir as seguintes etapas: *OBSERVAÇÃO da natureza para coletar informações. *ORGANIZAÇÃO RACIONAL dos dados coletados empiricamente. *OBSERVAR A REGULARIDADE. *FORMULAÇÃO DE HIPÓTESES para os fenômenos estudados. *EXPERIMENTAÇÕES repetidas e em novas situações. *LEIS GERAIS *“Aquele que inicia uma investigação com muita certeza, acaba cheio de dúvidas”.
  • 21. *Teve sua filosofia influenciada por Bacon e Galileu, abandonando as grandes pretensões metafísicas e investigando a essência das coisas. *A filosofia seria então a ciência dos corpos, que se dividem em corpos naturais (filosofia da natureza) e corpo artificial ou Estado (filosofia política). *Assim, a realidade pode ser compreendida a partir dos corpos e do movimento -> relação de causa e efeito (materialismo e mecanicismo). *Assim, os movimentos resultam necessa- riamente dos nexos causais que lhe dão Origem.
  • 23. *“Quem não quiser se equivocar deve construir sua hipótese, derivada da experiência sensível sobre um fato, e não supor um fato devido a esta hipótese.” *Combateu o inatismo, defendendo que nossa mente é uma tábula rasa, um papel em branco sem nenhuma ideia previamente escrita. *As ideias que possuímos são adquiridas ao longo da vida, mediante o exercício da experiência sensorial e da nossa reflexão. *Experiência sensorial são criadas a partir do contato com o objeto do conhecimento. Por exemplo, a ideia de amarelo, quente, etc. *Reflexão depois, combinando as sensações por um processo de reflexão, a mente desenvolve outras ideias, que não poderiam ser obtidas somente com o contato com o mundo externo.
  • 25. *Raciocina sobre os limites da experiência, mudando a forma de fazer ciência. A força do hábito pode nos enganar. *O hábito não nos dá nenhuma garantia válida sobre o acontecimento das coisas. *Interpreta as ideias de Bacon de forma diferenciada: segundo Hume, o tempo, quanto maior for entre a análise e a experiência, menos nítido ele é. *As percepções particulares é que formam as ideias gerais (são ideias pessoais, o homem é baseado na subjetividade).
  • 26. *Divide tudo o que conhecemos em IMPRESSÕES e IDEIAS (Investigação acerca do entendimento humano). *IMPRESSÕES: dados fornecidos pelos sentidos. *IDEIAS: são as representações mentais derivadas das impressões (memória, imaginação, etc.) *Logo, toda ideia é uma reapresentação de alguma impressão, que apresenta diferentes graus de fidelidade. *“O costume é, pois, o grande guia da vida humana. É o único princípio que torna útil nossa experiência e nos faz esperar, no futuro, uma série de eventos semelhantes àqueles que apareceram no passado”.
  • 27. * *Para Hume, o fato de se partir de uma premissa particular para o geral, por maior que seja o número de percepções repetidas sobre o mesmo fato, não possui nenhum fundamento lógico. *É produto de uma crença e de um hábito, ou seja, repetidos acontecimentos nos levam a crer que estes irão ocorrer novamente. *Porém, nada pode garantir... *Assim, retoma o pensamento dedutivo, e cria a ideia do ceticismo teórico, pois segundo ele, o conhecimento científico se baseava em métodos não racionais, como crença e habito intelectual. *Portanto, todo cientista deve apresentar suas probabilidades e não certezas inquestionáveis.
  • 28. *Relação entre ideias x Questões de fato *É uma dedução lógica Experiência *Não depende da existência concreta Não precisa demonstrar.