SlideShare uma empresa Scribd logo
Filosofia
da Técnica


rodrigo@gonzatto.com
rodrigo gonzatto
gonzatto.com
“O que é a Filosofia da Tecnologia?”, 

FEENBERG,Andrew
“Artefatos tem política?”,
WINNER, Langdon
TECNOLOGIA
&
SOCIEDADE
ARTEFATOS
TECNOLÓGICOS
&
SERES
HUMANOS
influenciam nas
nossas ações?
não influenciam
as nossas ações?
ARTEFATOS
TECNOLÓGICOS
incorporam e
corporificam valores,
qualidades, ideais?
são neutros?
ARTEFATOS
TECNOLÓGICOS
"Se houvesse uma pessoa aqui
com uma arma na mão.
Te chamaria a atenção dependendo de quem fosse
ou pela própria arma?"
Carregados de
Valores?
“Armas não matam pessoas, 

as pessoas matam pessoas”
“A arma é só um ‘meio’, pois
as pessoas matariam de outras
formas.”
“Uma sociedade que produz
armas está criando a
possibilidade de matar
pessoas com armas”
“O funcionamento de uma
arma também indica e molda
seus usos”
Neutros?
- Onde, quando e por quem seu uso é
permitida, negada ou incentivada?
- Onde, quando e por quem sua produção
é permitida, negada ou incentivada?
Tem diferença saber que qualquer um pode
estar andando por aí com…
- Lanças, Cacetetes, Teasers elétricos
- Canivetes, Facas, Espadas
- Revólveres
- Metralhadoras, Granadas, Bazookas?
- Tem trava?
- Tem gatilho?
- Como recarrega
- É leve ou pesada?
- Encaixa em que mão?
- Quantos dedos são necessários?
- Que tipo de bala? Explode ou é de borracha?
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
A posição que diz que
a tecnologia é neutra
• Entende que um dispositivo técnico é simplesmente uma
concatenação de mecanismos causais
• Exemplo: Uma arma pode ser usada para o bem ou para
o mal... depende de quem usa. A faca serve pra cortar, mas
não diz se é pra comer… ou matar.
• Um software é só uma ferramenta. Uma rede social vai
ser boa ou má, útil ou inútil, dependendo de como você
utiliza.
• Contraponto:“As coisas não são feitas sem um propósito. A
criação e existência (permanência) de algo depende da
sociedade, assim como esta constrói quais seus usos são mais
frequentes e óbvios, e quais não.”
A posição que diz que
a tecnologia tem valores
• Os objetos não são compostos apenas de propriedades físicas
ou químicas: valores de uma sociedade estão materialmente
presentes nos artefatos tecnológicos.
• Exemplo: O que transforma o dinheiro... em dinheiro?
•A tecnologia incorpora e corporifica valores e ideais
• Será mesmo os objetos são utilizados de qualquer maneira? E a
propriedade intelectual,Termos de Uso, Contratos? > Os
artefatos indicam seus usos também.
•Contraponto: “Em última instância, é o uso de uma coisa que diz o
seu valor: melhor ou pior, bom ou mau.”
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
iPod incentiva socialização ou a
formação individual da
personalidade?
Valores sobrevivem à
tecnologia?
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
os usos e produções
são construções
sociais (coletivas)
uso e produção
são separados.
o uso é uma
escolha individualARTEFATOS
TECNOLÓGICOS
A tecnologia não é boa, 

A tecnologia não é boa, 

nem má...
A tecnologia não é boa, 

nem má...
tampouco é neutra!
(Pierre Levy)
A tecnologia
incorpora e
corporifica valores
e ideais
“Armas não matam pessoas, 

as pessoas matam pessoas”
“A arma é só um ‘meio’, pois
as pessoas matariam de outras
formas.”
“Uma sociedade que produz
armas está criando a
possibilidade de matar
pessoas com armas”
“O design de uma arma
indica e forma seus usos”
A tecnologia é
neutra
TECNOLOGIA
&
SOCIEDADE
DESENVOLVIMENTO
TECNOLÓGICOS
&
SERES
HUMANOS
A tecnologia
transforma a
sociedade
A sociedade
transforma a
tecnologia
DESENVOLVIMENTO
TECNOLÓGICO
Se a tecnologia é neutra,
estes artefatos não carregam valores?
Dependem exclusivamente do seu uso?
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
As pessoas
descobrem
as técnicas e
a tecnologia
As pessoas
criam
as técnicas e
tecnologia
DESENVOLVIMENTO
TECNOLÓGICO
é autônomo ao ser
humano?
é controlado pelos
seres humanos?
DESENVOLVIMENTO
TECNOLÓGICO
é linear e
progressivo
é múltiplo, diverso
não-acumulativo
DESENVOLVIMENTO
TECNOLÓGICO
• avanço e atraso
• desenvolvimento e subdesenvolvimento
• dependência, colonização, decolonização
O desenvolvimento tecnológico
é autônomo
• O próximo já está na tecnologia. 

Não há criação, há descoberta.
• Os seres humanos lidam com a tecnologia, mas eles
têm liberdade para decidir como ela será desenvolvida?
• Exemplos: “O progresso é inevitável.”;“Não tem como
fugir da informatização.”;“... certamente será o futuro.”
Humanamente Controlada
• Escolhemos a tecnologia que queremos.
Determinamos os próximo passo de evolução
conforme nossas intenções
• Exemplo: “Os professores são ‘resistentes’ a tecnologia”;
“... desenvolveram sua própria tecnologia”;“... não
conseguiram inserir a tecnologia no contexto...”
A Computação
é neutra… ou carrega valores?
Quem computa o quê, para quem? Quando e onde?
Segundo:
Camila Achutti, FISL15: Mulheres, Software Livre e Educação
http://pt.slideshare.net/camilaachutti/fisl15-mulheres-software-livre-e-educao
http://www.academia.edu/4537917/
O_processo_de_invisibilizacao_das_mulheres_na_informatica_e_na_producao_tecnologica_a_partir_do_exempl
_ENIAC_Girls
http://cefetpr.academia.edu/FabianeLima
Porque diminuiu, ao longo dos anos
a presença de mulheres na computação
Não pode ser a ideia de que
mulheres não conseguem programar…
Existem condições sociais
que orientam que o
desenvolvimento
tecnológico se dê
de uma maneira
e não de outra?
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Autônomo Humanamente
Controlado
“A internet mudou a
sociedade”
“A sociedade está
mudando por causa da
internet”
“A sociedade mudou
suas formas de
comunicação”
“A internet reflete as
mudanças da
sociedade”
A tecnologia 

transforma a sociedade,




A tecnologia 

transforma a sociedade,
&

a sociedade

transforma a tecnologia
o técnico é construído
socialmente
&

o social é tecnologicamente
construído


Tecnologia e Sociedade
se constituem mutuamente
(Estudos CTS, conceito de sócio-técnico)
Filosofia da Tecnologia
por Andrew Feenberg
Autônoma Humanamente Controlada
Neutra
Determinismo
tecnológico
Ex.: Teoria da modernização
(desenvolver tecnologia a partir do
modelos dos países centrais ou
então… atraso)
Instrumentalismo
Ex.: Crença liberal no progresso 

(não deve-se interferir no
desenvolvimento e oferta de tecnologias.
A tecnologia não é boa, nem ruim, tudo
depende dos seus usos)
Carregada de
Valores
Substantivismo
Meios e fins estão ligados

(utopias e distopias tecnológicas.A
tecnologia determina o ser humano.
Devemos resistir totalmente ou
abraçar de vez as tecnologias, negando-
as ou aceitando-as, pois seus valores
não mudam com o uso)
Teoria Crítica
Escolha de sistemas de meios e fins
alternativos
(existem vários desenvolvimentos
tecnológicos e os valores da tecnologia
são corporificados nas diversas formas de
produzir, mas também são criados
conforme os diferentes usos)
A tecnologia 

é ...
FEENBERG,Andrew. O que é a Filosofia daTecnologia?Tradução de Augustín Apaza. 

Conferência. 2003. Disponível em <http://www.sfu.ca/~andrewf/oquee.htm>
Autônoma Humanamente Controlada
Neutra
As novas tecnologias
afetam o ser humano
se bem utilizadas, levam
ao desenvolvimento
A tecnologia é
desenvolvida pelo ser
humano
mas são só ferramenta
para serem usadas
Carregada de
Valores
As tecnologias mudam o
ser humano
pois os valores que a
tecnologia afetam as
pessoas
A tecnologia está sempre
em construção social
mas a cada momento
reflete e refrata valores de
grupos sociais.
A tecnologia 

é ...
FEENBERG,Andrew. O que é a Filosofia daTecnologia?Tradução de Augustín Apaza. 

Conferência. 2003. Disponível em <http://www.sfu.ca/~andrewf/oquee.htm>
Autônoma Human. Controlada
Neutra Determinismo Instrumentalismo
Carregada de
Valores
Substantivismo Teoria Crítica
•Tecnologia não carrega valores e é controlada pelo Homem
• É a visão-padrão moderna: a tecnologia é uma
ferramenta, um instrumento da espécie humana com 

os quais satisfazemos nossas necessidades
• Frase marcante:“Com o incrível... você vai...”
• Exemplo: Publicidade; Marketing.
Instrumentalismo
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Bárbara Kruger
Autônoma Human. Controlada
Neutra Determinismo Instrumentalismo
Carregada de
Valores
Substantivismo Teoria Crítica
•Tecnologia não carrega valores e é autônoma.
• Devemos nos adaptar à tecnologia: o avanço tecnológico
é a força motriz da história que molda o homem e a
sociedade às exigências de um período/tempo/história.
• Frase marcante: “O advento da/do... eficiência e progresso...”
• Exemplos: Teoria progressista da Modernização;
Determinismo
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Autônoma Human. Controlada
Neutra Determinismo Instrumentalismo
Carregada
de Valores
Substantivismo Teoria Crítica
•Tecnologia carrega valores e é autônoma.
•Valores são uma substância, parte inerente a um artefato
• Usar uma tecnologia é escolher um valor, é assumir um
modo de vida (como o da eficiência). Uma tecnologia não
pode ser usada para diferentes propósitos por indivíduos 

e sociedades diferentes.
• Frases marcantes: “A tecnologia corrompe o homem”, 

“Todo mundo tem seu preço”,“...é o melhor”
• Exemplos: Utopias e Distopias tecnológicas
Substantivismo
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Autônoma Human. Controlada
Neutra Determinismo Instrumentalismo
Carregada
de Valores
Substantivismo Teoria Crítica
• Tecnologia carrega valores e é controlada pelo ser humano.
• Podemos escolher a tecnologia que queremos e as
relações sociais que delas emergirão. Meta-escolhas
determinam valores a serem incorporados.
•A“eficiência” não é o único valor, e não molda todas as
dimensões da tecnologia.
• Reconhecimento das consequências catastróficas de
certos desenvolvimentos tecnológicos, mas com
reconhecimento de que outros desenvolvimentos são
possíveis.
Teoria Crítica
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]
Propostas de Atividade sobre o tema
Em pequenos grupos.
Reunir exemplos de trechos de texto que falam sobre
tecnologias em revistas, jornais e portais (impressos ou
online) onde se apresentam cada uma das 4 formas de
compreender a tecnologia.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?
Aline Corso
 
Filosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razãoFilosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razão
Luanna Karolyne
 
Filosofia: Hannah Arendt
Filosofia: Hannah ArendtFilosofia: Hannah Arendt
Filosofia: Hannah Arendt
Jordan Medeiros
 
fenomenologia husserl
fenomenologia husserlfenomenologia husserl
fenomenologia husserl
Maria Luiza Trindade
 
TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...
TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...
TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...
tdc-globalcode
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
Alexandre Misturini
 
MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)
MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)
MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)
Rogério Marques Júnior
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Roney Gusmão
 
A tecnologia
A tecnologiaA tecnologia
A tecnologia
Pelo Siro
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
Over Lane
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Juliana Corvino de Araújo
 
Alienação e-trabalho
Alienação e-trabalhoAlienação e-trabalho
Alienação e-trabalho
Edirlene Fraga
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Turma Olímpica
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Elizeu Nascimento Silva
 
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedadeEfeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Lucas Campos
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
Professor Sypriano
 
Filosofia modulo i
Filosofia modulo iFilosofia modulo i
Filosofia modulo i
Rita de Cássia Freitas
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Rafael Oliveira
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
Bruno Carrasco
 
Filosofia.1º ano
Filosofia.1º anoFilosofia.1º ano
Filosofia.1º ano
Jorge Marcos Oliveira
 

Mais procurados (20)

O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?O que é cibercultura e ciberespaço?
O que é cibercultura e ciberespaço?
 
Filosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razãoFilosofia passagem do mito para a razão
Filosofia passagem do mito para a razão
 
Filosofia: Hannah Arendt
Filosofia: Hannah ArendtFilosofia: Hannah Arendt
Filosofia: Hannah Arendt
 
fenomenologia husserl
fenomenologia husserlfenomenologia husserl
fenomenologia husserl
 
TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...
TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...
TDC2018SP | Trilha IA - Health 4.0: Os Desafios da Inteligencia Artificial na...
 
Epistemologia
Epistemologia Epistemologia
Epistemologia
 
MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)
MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)
MEDIA E REPRESENTAÇÃO (Stuart Hall)
 
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da PsicologiaFundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
Fundamentos Históricos e Epistemológicos da Psicologia
 
A tecnologia
A tecnologiaA tecnologia
A tecnologia
 
éTica, moral e valores
éTica, moral e valoreséTica, moral e valores
éTica, moral e valores
 
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de  Frankfurt - Indústria CulturalEscola de  Frankfurt - Indústria Cultural
Escola de Frankfurt - Indústria Cultural
 
Alienação e-trabalho
Alienação e-trabalhoAlienação e-trabalho
Alienação e-trabalho
 
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude FilosóficaSlides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
Slides da aula de Filosofia (João Luís) sobre Atitude Filosófica
 
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
Aula 01   filosofia mito, natureza e razãoAula 01   filosofia mito, natureza e razão
Aula 01 filosofia mito, natureza e razão
 
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedadeEfeitos positivos e negativos da informática na sociedade
Efeitos positivos e negativos da informática na sociedade
 
O que é filosofia
O que é filosofiaO que é filosofia
O que é filosofia
 
Filosofia modulo i
Filosofia modulo iFilosofia modulo i
Filosofia modulo i
 
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia ContemporâneaAula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
Aula de Filosofia - Filosofia Contemporânea
 
Sócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e AristótelesSócrates, Platão e Aristóteles
Sócrates, Platão e Aristóteles
 
Filosofia.1º ano
Filosofia.1º anoFilosofia.1º ano
Filosofia.1º ano
 

Destaque

A Produtividade Da Escola Improdutiva
A Produtividade Da Escola ImprodutivaA Produtividade Da Escola Improdutiva
A Produtividade Da Escola Improdutiva
Garfielda
 
Apresenta..[1]
Apresenta..[1]Apresenta..[1]
Apresenta..[1]
Nuno Pereira
 
A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...
A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...
A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...
Marcirio Chaves
 
Ciência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o Ambiente
Ciência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o AmbienteCiência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o Ambiente
Ciência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o Ambiente
João Gouveia
 
Ambiente de Trabalho - Segurança e Internet
Ambiente de Trabalho - Segurança e InternetAmbiente de Trabalho - Segurança e Internet
Ambiente de Trabalho - Segurança e Internet
José Carlos de Araújo Almeida Filho
 
Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)
Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)
Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Interações opressivas (Design & Opressão)
Interações opressivas (Design & Opressão)Interações opressivas (Design & Opressão)
Interações opressivas (Design & Opressão)
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]
Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]
Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Trabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - TecnologiaTrabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - Tecnologia
coideias
 
1279021121 europa
1279021121 europa1279021121 europa
1279021121 europa
Pelo Siro
 
A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.
A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.
A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.
Valdir Junior
 
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologiaRiscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
António Morais
 
Localizar Em Países e Continentes
Localizar Em Países e ContinentesLocalizar Em Países e Continentes
Localizar Em Países e Continentes
isalex
 
Mercado de trabalho em tecnologia
Mercado de trabalho em tecnologiaMercado de trabalho em tecnologia
Mercado de trabalho em tecnologia
Aline Firmino Brito
 
Poderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaPoderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da ciencia
Jarimbaa
 
Ética e tecnologia
Ética e tecnologiaÉtica e tecnologia
Ética e tecnologia
kcbfo
 
mapas
mapasmapas
mapas
cplp
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
Renata Antunes
 
Mercado De Trabalho Em Tecnologia
Mercado De Trabalho Em TecnologiaMercado De Trabalho Em Tecnologia
Mercado De Trabalho Em Tecnologia
Gilberto Caldeira
 
Palestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc GestoresPalestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc Gestores
Renata Aquino
 

Destaque (20)

A Produtividade Da Escola Improdutiva
A Produtividade Da Escola ImprodutivaA Produtividade Da Escola Improdutiva
A Produtividade Da Escola Improdutiva
 
Apresenta..[1]
Apresenta..[1]Apresenta..[1]
Apresenta..[1]
 
A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...
A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...
A Identificação de Riscos Novos e Potencializados em Projetos de Tecnologia d...
 
Ciência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o Ambiente
Ciência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o AmbienteCiência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o Ambiente
Ciência e Tecnologia- Riscos Para o Individuo, a Comunidade e o Ambiente
 
Ambiente de Trabalho - Segurança e Internet
Ambiente de Trabalho - Segurança e InternetAmbiente de Trabalho - Segurança e Internet
Ambiente de Trabalho - Segurança e Internet
 
Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)
Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)
Projeto Entropia: MindGame e conversas entre Jogos e Interação (relatório)
 
Interações opressivas (Design & Opressão)
Interações opressivas (Design & Opressão)Interações opressivas (Design & Opressão)
Interações opressivas (Design & Opressão)
 
Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]
Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]
Apresentação sobre Álvaro Vieira Pinto [em inglês]
 
Trabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - TecnologiaTrabalho Sociologia - Tecnologia
Trabalho Sociologia - Tecnologia
 
1279021121 europa
1279021121 europa1279021121 europa
1279021121 europa
 
A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.
A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.
A tecnologia: Possibilidades e desafios para o meio ambiente natural.
 
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologiaRiscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
Riscos/Benefícios decorrentes da aplicação da tecnologia
 
Localizar Em Países e Continentes
Localizar Em Países e ContinentesLocalizar Em Países e Continentes
Localizar Em Países e Continentes
 
Mercado de trabalho em tecnologia
Mercado de trabalho em tecnologiaMercado de trabalho em tecnologia
Mercado de trabalho em tecnologia
 
Poderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da cienciaPoderes e riscos da ciencia
Poderes e riscos da ciencia
 
Ética e tecnologia
Ética e tecnologiaÉtica e tecnologia
Ética e tecnologia
 
mapas
mapasmapas
mapas
 
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
A ciência: o poder e os riscos (filosofia)
 
Mercado De Trabalho Em Tecnologia
Mercado De Trabalho Em TecnologiaMercado De Trabalho Em Tecnologia
Mercado De Trabalho Em Tecnologia
 
Palestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc GestoresPalestra Bette Prado Puc Gestores
Palestra Bette Prado Puc Gestores
 

Semelhante a Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]

Slides feenberg 15 05 2013
Slides feenberg 15 05 2013Slides feenberg 15 05 2013
Slides feenberg 15 05 2013
Eduardo Junqueira
 
Frases 2016 - as minhas e uma coletânea de outros
Frases 2016 - as minhas e uma coletânea de outrosFrases 2016 - as minhas e uma coletânea de outros
Frases 2016 - as minhas e uma coletânea de outros
Carlos Nepomuceno (Nepô)
 
Muitos meios, muitas comunicações informação e comunicação
Muitos meios, muitas comunicações  informação e comunicaçãoMuitos meios, muitas comunicações  informação e comunicação
Muitos meios, muitas comunicações informação e comunicação
videoparatodos
 
A teoria crítica da tecnologia
A teoria crítica da tecnologiaA teoria crítica da tecnologia
A teoria crítica da tecnologia
Marina Polo
 
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includenteConstruindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Ricardo de Sampaio Dagnino
 
slide 01.ppt
slide 01.pptslide 01.ppt
slide 01.ppt
CleidianeCarvalhoPer
 
Atividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativas
Atividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativasAtividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativas
Atividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativas
milacintra
 
Jornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana Teixeira
Jornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana TeixeiraJornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana Teixeira
Jornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana Teixeira
Tattiana Teixeira
 
A tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhoresA tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhores
AparecidaRibeiro
 
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedadeFilosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
mtolentino1507
 
O que são tecnologias e porque elas são essenciais
O que são tecnologias e porque elas são essenciaisO que são tecnologias e porque elas são essenciais
O que são tecnologias e porque elas são essenciais
Guilmer Brito
 
Educação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptx
Educação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptxEducação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptx
Educação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptx
rafaelluisf
 
Fundamentos da ead aula presencial
Fundamentos da ead aula presencial Fundamentos da ead aula presencial
Fundamentos da ead aula presencial
vinivs
 
Formação slide 2
Formação slide 2Formação slide 2
Formação slide 2
Lusiane Carvalho da Silva
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
laizeoliveira10
 
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Sebastião Squirra
 
A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...
A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...
A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...
Elo Barilli
 
Tecnologia atv03
Tecnologia atv03Tecnologia atv03
Tecnologia atv03
aline totti
 
Avanços tecnológicos (1)
Avanços tecnológicos (1)Avanços tecnológicos (1)
Avanços tecnológicos (1)
Sheilakstew
 
Tecnologia, escolha e o sétimo reino
Tecnologia, escolha e o sétimo reinoTecnologia, escolha e o sétimo reino
Tecnologia, escolha e o sétimo reino
Daniel Guedes
 

Semelhante a Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg] (20)

Slides feenberg 15 05 2013
Slides feenberg 15 05 2013Slides feenberg 15 05 2013
Slides feenberg 15 05 2013
 
Frases 2016 - as minhas e uma coletânea de outros
Frases 2016 - as minhas e uma coletânea de outrosFrases 2016 - as minhas e uma coletânea de outros
Frases 2016 - as minhas e uma coletânea de outros
 
Muitos meios, muitas comunicações informação e comunicação
Muitos meios, muitas comunicações  informação e comunicaçãoMuitos meios, muitas comunicações  informação e comunicação
Muitos meios, muitas comunicações informação e comunicação
 
A teoria crítica da tecnologia
A teoria crítica da tecnologiaA teoria crítica da tecnologia
A teoria crítica da tecnologia
 
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includenteConstruindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
Construindo uma universidade sustentável, social e economicamente includente
 
slide 01.ppt
slide 01.pptslide 01.ppt
slide 01.ppt
 
Atividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativas
Atividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativasAtividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativas
Atividade 13 -Curso Tecnologias e midias educativas
 
Jornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana Teixeira
Jornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana TeixeiraJornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana Teixeira
Jornalismo Científico - Aula 03 - Profa. Tattiana Teixeira
 
A tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhoresA tecnologia nos faz melhores
A tecnologia nos faz melhores
 
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedadeFilosofia   2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
Filosofia 2º bimestre - 3ª série - tecnologia e sociedade
 
O que são tecnologias e porque elas são essenciais
O que são tecnologias e porque elas são essenciaisO que são tecnologias e porque elas são essenciais
O que são tecnologias e porque elas são essenciais
 
Educação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptx
Educação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptxEducação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptx
Educação e Tecnologias - Vani Moreira Kenski.pptx
 
Fundamentos da ead aula presencial
Fundamentos da ead aula presencial Fundamentos da ead aula presencial
Fundamentos da ead aula presencial
 
Formação slide 2
Formação slide 2Formação slide 2
Formação slide 2
 
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdfArtigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
Artigo texto sobre . tecnologia texto.pdf
 
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
Comunicação e tecnologias - tensões e possibilidades 2015
 
A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...
A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...
A tecnologia como construção social: uma reflexão crítica sobre o papel tecno...
 
Tecnologia atv03
Tecnologia atv03Tecnologia atv03
Tecnologia atv03
 
Avanços tecnológicos (1)
Avanços tecnológicos (1)Avanços tecnológicos (1)
Avanços tecnológicos (1)
 
Tecnologia, escolha e o sétimo reino
Tecnologia, escolha e o sétimo reinoTecnologia, escolha e o sétimo reino
Tecnologia, escolha e o sétimo reino
 

Mais de Rodrigo Freese Gonzatto

Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]
Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]
Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Porque "usuários" prospectam futuros?
Porque "usuários" prospectam futuros?Porque "usuários" prospectam futuros?
Porque "usuários" prospectam futuros?
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Usuários e designers: quem é quem no codesign?
Usuários e designers: quem é quem no codesign?Usuários e designers: quem é quem no codesign?
Usuários e designers: quem é quem no codesign?
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)
Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)
Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Brainstorming: técnicas e abordagens em grupos
Brainstorming: técnicas e abordagens em gruposBrainstorming: técnicas e abordagens em grupos
Brainstorming: técnicas e abordagens em grupos
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019
Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019
Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...
Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...
Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Diagrama de afinidades
Diagrama de afinidadesDiagrama de afinidades
Diagrama de afinidades
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...
Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...
Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...
Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...
Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...
Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...
Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Design de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projeto
Design de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projetoDesign de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projeto
Design de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projeto
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Interação, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pinto
Interação, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pintoInteração, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pinto
Interação, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pinto
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...
Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...
Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Projetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiro
Projetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiroProjetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiro
Projetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiro
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Projetando interações com vídeo
Projetando interações com vídeoProjetando interações com vídeo
Projetando interações com vídeo
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Música e Tecnologia
Música e TecnologiaMúsica e Tecnologia
Música e Tecnologia
Rodrigo Freese Gonzatto
 
Comida e Tecnologia
Comida e TecnologiaComida e Tecnologia
Comida e Tecnologia
Rodrigo Freese Gonzatto
 

Mais de Rodrigo Freese Gonzatto (20)

Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]
Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]
Consciência ingênua e crítica em Vieira Pinto e Paulo Freire [atualizado]
 
Porque "usuários" prospectam futuros?
Porque "usuários" prospectam futuros?Porque "usuários" prospectam futuros?
Porque "usuários" prospectam futuros?
 
Fluxogramas
FluxogramasFluxogramas
Fluxogramas
 
Usuários e designers: quem é quem no codesign?
Usuários e designers: quem é quem no codesign?Usuários e designers: quem é quem no codesign?
Usuários e designers: quem é quem no codesign?
 
Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)
Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)
Ler imagens (Gestalt e composição para Design de Interfaces)
 
Brainstorming: técnicas e abordagens em grupos
Brainstorming: técnicas e abordagens em gruposBrainstorming: técnicas e abordagens em grupos
Brainstorming: técnicas e abordagens em grupos
 
Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019
Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019
Guidelines - Design de apps (Apple iOS e Google Material Design) 2019
 
Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...
Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...
Paulo Freire em diálogo com Álvaro Vieira Pinto: a conscientização frente à q...
 
Diagrama de afinidades
Diagrama de afinidadesDiagrama de afinidades
Diagrama de afinidades
 
Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...
Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...
Produzir nossa própria existência: Reflexões para a produção em/sobre Álvaro ...
 
Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...
Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...
Desenvolvimento de coleção de REA sobre o conceito de amanualidade em Design ...
 
Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...
Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...
Usuários e Produção da Existência: contribuições de Álvaro Vieira Pinto e Pau...
 
Design de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projeto
Design de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projetoDesign de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projeto
Design de Moda e Design Digital: o corpo como fulcro do projeto
 
Interação, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pinto
Interação, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pintoInteração, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pinto
Interação, tecnologia e produção da existência em álvaro vieira pinto
 
Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...
Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...
Sobre o conceito de amanualidade em Simone de Beauvoir e Vieira Pinto a parti...
 
Projetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiro
Projetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiroProjetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiro
Projetando interações opressivas e libertárias com o corpo inteiro
 
Projetando interações com vídeo
Projetando interações com vídeoProjetando interações com vídeo
Projetando interações com vídeo
 
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
Conceito de Técnica e Tecnologia [em Álvaro Vieira Pinto]
 
Música e Tecnologia
Música e TecnologiaMúsica e Tecnologia
Música e Tecnologia
 
Comida e Tecnologia
Comida e TecnologiaComida e Tecnologia
Comida e Tecnologia
 

Filosofia da Técnica [Andrew Feenberg]

  • 2. “O que é a Filosofia da Tecnologia?”, 
 FEENBERG,Andrew “Artefatos tem política?”, WINNER, Langdon
  • 5. influenciam nas nossas ações? não influenciam as nossas ações? ARTEFATOS TECNOLÓGICOS
  • 6. incorporam e corporificam valores, qualidades, ideais? são neutros? ARTEFATOS TECNOLÓGICOS
  • 7. "Se houvesse uma pessoa aqui com uma arma na mão. Te chamaria a atenção dependendo de quem fosse ou pela própria arma?"
  • 8. Carregados de Valores? “Armas não matam pessoas, 
 as pessoas matam pessoas” “A arma é só um ‘meio’, pois as pessoas matariam de outras formas.” “Uma sociedade que produz armas está criando a possibilidade de matar pessoas com armas” “O funcionamento de uma arma também indica e molda seus usos” Neutros?
  • 9. - Onde, quando e por quem seu uso é permitida, negada ou incentivada? - Onde, quando e por quem sua produção é permitida, negada ou incentivada? Tem diferença saber que qualquer um pode estar andando por aí com… - Lanças, Cacetetes, Teasers elétricos - Canivetes, Facas, Espadas - Revólveres - Metralhadoras, Granadas, Bazookas?
  • 10. - Tem trava? - Tem gatilho? - Como recarrega - É leve ou pesada? - Encaixa em que mão? - Quantos dedos são necessários? - Que tipo de bala? Explode ou é de borracha?
  • 13. A posição que diz que a tecnologia é neutra • Entende que um dispositivo técnico é simplesmente uma concatenação de mecanismos causais • Exemplo: Uma arma pode ser usada para o bem ou para o mal... depende de quem usa. A faca serve pra cortar, mas não diz se é pra comer… ou matar. • Um software é só uma ferramenta. Uma rede social vai ser boa ou má, útil ou inútil, dependendo de como você utiliza. • Contraponto:“As coisas não são feitas sem um propósito. A criação e existência (permanência) de algo depende da sociedade, assim como esta constrói quais seus usos são mais frequentes e óbvios, e quais não.”
  • 14. A posição que diz que a tecnologia tem valores • Os objetos não são compostos apenas de propriedades físicas ou químicas: valores de uma sociedade estão materialmente presentes nos artefatos tecnológicos. • Exemplo: O que transforma o dinheiro... em dinheiro? •A tecnologia incorpora e corporifica valores e ideais • Será mesmo os objetos são utilizados de qualquer maneira? E a propriedade intelectual,Termos de Uso, Contratos? > Os artefatos indicam seus usos também. •Contraponto: “Em última instância, é o uso de uma coisa que diz o seu valor: melhor ou pior, bom ou mau.”
  • 18. iPod incentiva socialização ou a formação individual da personalidade?
  • 21. os usos e produções são construções sociais (coletivas) uso e produção são separados. o uso é uma escolha individualARTEFATOS TECNOLÓGICOS
  • 22. A tecnologia não é boa, 

  • 23. A tecnologia não é boa, 
 nem má...
  • 24. A tecnologia não é boa, 
 nem má... tampouco é neutra! (Pierre Levy)
  • 25. A tecnologia incorpora e corporifica valores e ideais “Armas não matam pessoas, 
 as pessoas matam pessoas” “A arma é só um ‘meio’, pois as pessoas matariam de outras formas.” “Uma sociedade que produz armas está criando a possibilidade de matar pessoas com armas” “O design de uma arma indica e forma seus usos” A tecnologia é neutra
  • 28. A tecnologia transforma a sociedade A sociedade transforma a tecnologia DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
  • 29. Se a tecnologia é neutra, estes artefatos não carregam valores? Dependem exclusivamente do seu uso?
  • 33. As pessoas descobrem as técnicas e a tecnologia As pessoas criam as técnicas e tecnologia DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
  • 34. é autônomo ao ser humano? é controlado pelos seres humanos? DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
  • 35. é linear e progressivo é múltiplo, diverso não-acumulativo DESENVOLVIMENTO TECNOLÓGICO
  • 36. • avanço e atraso • desenvolvimento e subdesenvolvimento • dependência, colonização, decolonização
  • 37. O desenvolvimento tecnológico é autônomo • O próximo já está na tecnologia. 
 Não há criação, há descoberta. • Os seres humanos lidam com a tecnologia, mas eles têm liberdade para decidir como ela será desenvolvida? • Exemplos: “O progresso é inevitável.”;“Não tem como fugir da informatização.”;“... certamente será o futuro.”
  • 38. Humanamente Controlada • Escolhemos a tecnologia que queremos. Determinamos os próximo passo de evolução conforme nossas intenções • Exemplo: “Os professores são ‘resistentes’ a tecnologia”; “... desenvolveram sua própria tecnologia”;“... não conseguiram inserir a tecnologia no contexto...”
  • 39. A Computação é neutra… ou carrega valores? Quem computa o quê, para quem? Quando e onde? Segundo: Camila Achutti, FISL15: Mulheres, Software Livre e Educação http://pt.slideshare.net/camilaachutti/fisl15-mulheres-software-livre-e-educao
  • 41. Existem condições sociais que orientam que o desenvolvimento tecnológico se dê de uma maneira e não de outra?
  • 43. Autônomo Humanamente Controlado “A internet mudou a sociedade” “A sociedade está mudando por causa da internet” “A sociedade mudou suas formas de comunicação” “A internet reflete as mudanças da sociedade”
  • 44. A tecnologia 
 transforma a sociedade, 
 

  • 45. A tecnologia 
 transforma a sociedade, &
 a sociedade
 transforma a tecnologia
  • 46. o técnico é construído socialmente &
 o social é tecnologicamente construído
  • 47. 
 Tecnologia e Sociedade se constituem mutuamente (Estudos CTS, conceito de sócio-técnico)
  • 48. Filosofia da Tecnologia por Andrew Feenberg
  • 49. Autônoma Humanamente Controlada Neutra Determinismo tecnológico Ex.: Teoria da modernização (desenvolver tecnologia a partir do modelos dos países centrais ou então… atraso) Instrumentalismo Ex.: Crença liberal no progresso 
 (não deve-se interferir no desenvolvimento e oferta de tecnologias. A tecnologia não é boa, nem ruim, tudo depende dos seus usos) Carregada de Valores Substantivismo Meios e fins estão ligados
 (utopias e distopias tecnológicas.A tecnologia determina o ser humano. Devemos resistir totalmente ou abraçar de vez as tecnologias, negando- as ou aceitando-as, pois seus valores não mudam com o uso) Teoria Crítica Escolha de sistemas de meios e fins alternativos (existem vários desenvolvimentos tecnológicos e os valores da tecnologia são corporificados nas diversas formas de produzir, mas também são criados conforme os diferentes usos) A tecnologia 
 é ... FEENBERG,Andrew. O que é a Filosofia daTecnologia?Tradução de Augustín Apaza. 
 Conferência. 2003. Disponível em <http://www.sfu.ca/~andrewf/oquee.htm>
  • 50. Autônoma Humanamente Controlada Neutra As novas tecnologias afetam o ser humano se bem utilizadas, levam ao desenvolvimento A tecnologia é desenvolvida pelo ser humano mas são só ferramenta para serem usadas Carregada de Valores As tecnologias mudam o ser humano pois os valores que a tecnologia afetam as pessoas A tecnologia está sempre em construção social mas a cada momento reflete e refrata valores de grupos sociais. A tecnologia 
 é ... FEENBERG,Andrew. O que é a Filosofia daTecnologia?Tradução de Augustín Apaza. 
 Conferência. 2003. Disponível em <http://www.sfu.ca/~andrewf/oquee.htm>
  • 51. Autônoma Human. Controlada Neutra Determinismo Instrumentalismo Carregada de Valores Substantivismo Teoria Crítica •Tecnologia não carrega valores e é controlada pelo Homem • É a visão-padrão moderna: a tecnologia é uma ferramenta, um instrumento da espécie humana com 
 os quais satisfazemos nossas necessidades • Frase marcante:“Com o incrível... você vai...” • Exemplo: Publicidade; Marketing. Instrumentalismo
  • 55. Autônoma Human. Controlada Neutra Determinismo Instrumentalismo Carregada de Valores Substantivismo Teoria Crítica •Tecnologia não carrega valores e é autônoma. • Devemos nos adaptar à tecnologia: o avanço tecnológico é a força motriz da história que molda o homem e a sociedade às exigências de um período/tempo/história. • Frase marcante: “O advento da/do... eficiência e progresso...” • Exemplos: Teoria progressista da Modernização; Determinismo
  • 59. Autônoma Human. Controlada Neutra Determinismo Instrumentalismo Carregada de Valores Substantivismo Teoria Crítica •Tecnologia carrega valores e é autônoma. •Valores são uma substância, parte inerente a um artefato • Usar uma tecnologia é escolher um valor, é assumir um modo de vida (como o da eficiência). Uma tecnologia não pode ser usada para diferentes propósitos por indivíduos 
 e sociedades diferentes. • Frases marcantes: “A tecnologia corrompe o homem”, 
 “Todo mundo tem seu preço”,“...é o melhor” • Exemplos: Utopias e Distopias tecnológicas Substantivismo
  • 62. Autônoma Human. Controlada Neutra Determinismo Instrumentalismo Carregada de Valores Substantivismo Teoria Crítica • Tecnologia carrega valores e é controlada pelo ser humano. • Podemos escolher a tecnologia que queremos e as relações sociais que delas emergirão. Meta-escolhas determinam valores a serem incorporados. •A“eficiência” não é o único valor, e não molda todas as dimensões da tecnologia. • Reconhecimento das consequências catastróficas de certos desenvolvimentos tecnológicos, mas com reconhecimento de que outros desenvolvimentos são possíveis. Teoria Crítica
  • 65. Propostas de Atividade sobre o tema Em pequenos grupos. Reunir exemplos de trechos de texto que falam sobre tecnologias em revistas, jornais e portais (impressos ou online) onde se apresentam cada uma das 4 formas de compreender a tecnologia.