Aspetos do relevo

3.189 visualizações

Publicada em

1 comentário
2 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.189
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
110
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
123
Comentários
1
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aspetos do relevo

  1. 1. Aspetos do relevo
  2. 2. Ao longo de milénios asuperfície da Terra foi-se alterando dandoorigem a diferentesformas de relevo.
  3. 3. As montanhas são elevações queapresentam grandes desníveis,vales profundos e cumes muito altose altitudes, geralmente, superiores a1000 metros. As colinas são elevações de altitude geralmente inferior a 400 metros, de formas arredondadas e fraco declive (inclinação).
  4. 4. Os planaltos são formas de relevo aplanadas e com altitudes superiores a 200 metros, são antigas montanhas que, ao longo dos tempos, foram desgastadas.As planícies são formas de relevoaplanadas e com altitudes inferioresa 200 metros. Estas extensões deterreno plano são quase semprecultivadas.
  5. 5. Os vales são a parte baixa, situadaentre montanhas, onde, em geral,corre um rio. As povoações, em regra,situam-se nos vales e planícies,porque são locais mais abrigados dosventos e o seu solo é mais produtivo(fértil). Um lago é uma depressão natural na superfície da Terra que contém permanentemente uma quantidade variável de água. Essa água pode ser proveniente da chuva, duma nascente local, de rios ou glaciares.
  6. 6. A uma elevação de terreno com mais de 400 m de altitude damos o nome de montanha. Quando as montanhas se ligam umas às outras formam as serras.Uma cordilheira é um conjunto deserras dispostas paralelamente. Ascordilheiras formam um grande sistemade montanhas reunidas. As cordilheirasmais famosas do mundo são a dosHimalaias, dos Andes, das Rochosas ea dos Alpes.
  7. 7. Serras de PortugalO relevo de Portugal évariado. No norte dePortugal Continental, orelevo é composto pormontanhas e planaltos. NoSul predominam as zonasbaixas, planícies eplanaltos. Nas regiões dosAçores e da Madeira orelevo é composto porzonas altas e quasesempre acidentado.
  8. 8. Serra Altitude (em metros) Estrela 1991 m Gerês 1507 m Marão 1415 mMontemuro 1328 m Sintra 520 mCaldeirão 550 m Arrábida 450 m
  9. 9. Serra da Estrela Serra do Gerês Pico do Areeiro – ilha da Madeira Pico – ilha dos Açores
  10. 10. Aspetos da costa
  11. 11. Arriba – costa alta e escarpada, onde alinha de costa se insere num relevo alto eas formações rochosas são maisresistentes. Praia - costa baixa e arenosa, onde a linha de costa se insere num relevo baixo ou as formações rochosas são menos resistentes.
  12. 12. Cabo - promontório ou penhascoque se projeta para o mar. Duna – é uma montanha de areia criada a partir da acção do vento.
  13. 13. Golfo – grande reentrância da costa de um continente ou ilha grande, geralmente semicircular ou de abertura larga.Baía – reentrância das costas marítimas elacustres, geralmente entre dois cabos,semicircular ou em forma de umcrescente, de dimensão menor que umgolfo.
  14. 14. Ilha – massa de terra de dimensõesmenores que as de um continente,totalmente rodeada de água. Península - é uma extensão de terra cercada de água por quase todos os lados, com exceção do pedaço de terra que a liga com a região maior, chamado istmo.
  15. 15. Ria – enseada comprida eestreita na costa marítima,provocada ou pelo levantamentoda Terra ou pelo levantamentodo nível do mar. Estuário – parte terminal ou foz de um rio onde o efeito das correntes e marés se faz sentir.
  16. 16. Delta – forma de acumulação fluvial junto à foz dos rios, que ocorre quando a velocidade de deposição dos sedimentos é superior à velocidade de erosão das correntes e marés. Tem em geral forma de leque.Fiorde – recorte costeiro estreito eprofundo, de margens alcantiladas esinuosas, derivado de um antigovale escavado e aprofundado porglaciares e invadido posteriormentepelas águas do mar.
  17. 17. Os riosDois terços da superfície da Terra são constituídos por água.Mas a água não é toda igual: a água do mar e dos oceanos é salgada e aágua dos rios e lagos é doce.Os rios são cursos de água naturais, compridos, mais ou menos caudalosos,que descem ao longo de um canal natural de um nível mais elevado paraoutro mais baixo, isto é, nascem no cimo de uma serra e correm até outro rioou até ao mar.
  18. 18. Uma nascente é o local onde se inicia um curso de água (rio, ribeira…) seja grande ou pequeno, que corre de montante para jusante. O leito do rio é o espaço que pode ser ocupado pelas águas. É responsável pela movimentação da água desde a nascente até a foz.Afluente é o nome dado aos rios e cursosde água menores que desaguam em riosprincipais. Ao ponto de junção entre um rio eum afluente é dado o nome de confluência.
  19. 19. Margem é um termo utilizado para designar o local onde a água se encontra com a terra. As margens de um rio são classificadas de "margem direita" e "margem esquerda", segundo o lado do rio em que se encontram, para quem se desloca no sentido da corrente.A foz de um curso de água é o local ondeum curso de água, como um rio, desaguaou desemboca num outro corpo de água.Sendo assim, um rio pode ter como foz umoutro rio, um lago, uma lagoa, o mar, etc. O mar é uma longa extensão de água salgada. A água do mar é transparente. Mas, quando se observa, ela parece azul, verde ou até cinzenta.
  20. 20. Rios em PortugalOs maiores rios de Portugal são o Tejo, oDouro e o Guadiana, todos eles nascidosem Espanha. Os maiores rios que nascemem Portugal são o Mondego e o Sado.Os cursos de água são um traço muitomarcante no norte do Continente.Durante o Inverno, os rios “sobem”, podendoocorrer cheias.No Verão, as precipitações diminuem e aevaporação aumenta: o caudal diminui tantomais quanto mais a sul se situam os rios,podendo ficar reduzidos a uma sucessão decharcos.
  21. 21. Os rios que marcam mais profundamente o território continental são todosinternacionais. O único “grande” rio que “corre”, exclusivamente, emPortugal é o Mondego (220 km de comprimento).Nas ilhas, devido à sua pequenez e ao seu relevo, os rios permanentessão curtos (ribeiras), por vezes com importantes quedas de água; os deregime breve têm, com muita frequência, registos torrenciais, de acordocom as chuvadas que fustigam os arquipélagos, principalmente no Outono.Rio Tejo Rio Douro Rio Mondego
  22. 22. ®DA - 2011/2012A-dos-Pretos

×