Ética no marketing

1.613 visualizações

Publicada em

Aula sobre ética no marketing ministrada para a matéria de Processos Comerciais do curso de Eventos do PRONATEC UNICID.

Publicada em: Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.613
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Ética no marketing

  1. 1. O QUE É ÉTICA? Tradicionalmente é entendida como um estudo ou uma reflexão sobre os costumes ou sobre as ações humanas. Pode ser entendida também como a própria realização de um tipo de comportamento.
  2. 2. CONCEITO DE ÉTICA Estudo dos juízos de apreciação referentes à conduta humana suscetível de qualificação do ponto de vista do bem e do mal, seja relativamente a determinada sociedade, seja de modo absoluto.
  3. 3. DEFINIÇÃO DE ÉTICA Disciplina filosófica que tem por objeto de estudo os julgamentos de valor na medida em que estes se relacionam com a distinção entre o bem e o mal. A ética é a teoria ou ciência que estuda o comportamento moral dos homens em sociedade.
  4. 4. BEM BEM: tudo o que é bom, justo, agradável e conforme a moral. Aquilo que é “bem feito”. Qualidade atribuída a ações e a obras humanas que lhes confere um caráter moral. Esta qualidade se anuncia através de fatores subjetivos (o sentimento de aprovação, o sentimento de dever) que levam à busca e à definição de um fundamento que os possa explicar.
  5. 5. O bem é a finalidade da ética! Ética é a valorização e utilização, no dia-a-dia, da moral. BEM
  6. 6. MAL (do lat. malu) • 1. Aquilo que é nocivo, prejudicial, mau; aquilo que prejudica ou fere: Ex., Não deseje mal ao próximo; • 2. Aquilo que se opõe ao bem, à virtude, à probidade, à honra. • 3. Angústia, tormento, mágoa, sofrimento, aflição. • 4. Desgraça, infelicidade, infortúnio. • 5. Opinião desfavorável ou caluniosa: Ex.; O crítico disse mal do espetáculo; Vive a dizer mal dos outros. • 6. Inconveniente, desvantagem: Ex.; O mal é que só agora soube da notícia. • 7. Filos. Privação ou imperfeição; mal metafísico. • 8. Ét. O CONTRÁRIO DO BEM.
  7. 7. MAL (do lat. malu) 1. De modo mau, irregular, ou diferente do que devia ser: Ex.: Os negócios vão mal. 2. De modo imperfeito; erradamente, desacertadamente, incorretamente: Ex.: falar, escrever mal. 3. De maneira que não satisfaz o gosto ou vontade, ou a necessidade: Ex.: Jantou mal; Dormiu mal. 6. De maneira desfavorável ou ofensiva: Ex.: Falou mal de todos. 7. Pouco, escassamente: Ex.: verdades mal sabidas. 8. Contra a virtude, o bem, a justiça, o direito, a probidade, a moral, as boas normas: Ex.: julgar mal; pensar mal; portar-se mal. 9. Em desavença; em desacordo: Ex.: Vive mal com os homens por amor de Deus.
  8. 8. Estudo da Ética O estudo da Ética é dividido em dois campos: Problemas gerais e fundamentais como liberdade, consciência, bem, valor, lei, outros. Problemas específicos ou concretos como ética profissional, ética na política, ética sexual, ética matrimonial, bioética, etc.
  9. 9. MORAL Moral é o conjunto de normas e regras, baseado nos costume e nas tradições de cada sociedade, em um determinado tempo, segundo os preceitos socialmente estabelecidos pela própria sociedade ou por determinado grupo social – o que denota honestidade; correto Conjunto de regras de conduta consideradas como válidas, quer de modo absoluto para qualquer tempo ou lugar, quer para grupo ou pessoa determinada.
  10. 10. MORAL E ÉTICA ANDAM DE MÃOS DADAS E SE CONFUNDEM... No centro da ética aparece o dever, ou obrigação moral, conduta correta. O estudo da ética se defronta com problemas de variação de costumes, de lugar para lugar. Ex.: Para os mulçumanos é honroso ter mais de uma esposa. Já os países católicos pregam a monogamia – casamento único.
  11. 11. Podemos Diferenciar Ética e Moral Ética Moral Permanente Temporal Princípio Deve ser vista de acordo com condutas específicas Universal Cultural Regra Como se aplica a regra Teoria Prática
  12. 12. Homem Corpo Material X Alma Espiritual Homem é composto de: 1 – Corpo material – está sujeito a paixões, instintos, ao acaso. 2 – Alma espiritual – deve desenvolver hábitos bons. A virtude se adquire com o hábito, com a prática... Quando adquirimos bons hábitos de forma consciente dificilmente alguém os tira de nós.
  13. 13. Assim, não basta sermos espontâneos, vivendo como se tudo fosse uma fatalidade, como se tudo fosse coisa do destino, pois assim Deus quer, pois ele é quem decide tudo... Desta forma um indivíduo não tem liberdade - não tem futuro ou presente - vive um eterno passado. Liberdade é poder pensar, chegar a conclusões e viver conforme as próprias convicções. Homem Corpo Material X Alma Espiritual
  14. 14. A LIBERDADE Falar de ética significa falar de liberdade. Liberdade para decidir entre o bem e o mal. Liberdade para decidir sobre o certo e o errado. Liberdade de conduta. Liberdade com responsabilidade.
  15. 15. A liberdade não pode ser apenas exterior, nem apenas interior. Ela se desenvolve na consciência e nas estruturas. A LIBERDADE
  16. 16. “A liberdade aumenta com a consciência que se tem dela.” (Hegel, 1770-1831) A ética se preocupa com a forma humana de resolver as contradições entre necessidade e possibilidade A LIBERDADE
  17. 17. Contradições A ética se preocupa com a forma humana de resolver as contradições entre: Necessidade e possibilidade; Tempo e eternidade; O individual e o social; O econômico e o moral; O corporal e o psíquico; O natural e o cultural; A inteligência e a vontade.
  18. 18. Consciência Moral É a faculdade de distinguir o bem do mal, de que resulta o sentimento do dever ou da interdição de se praticarem determinados atos, e a aprovação ou o remorso por tê-los praticado.
  19. 19. Acerte o Alvo! “É possível errar de várias maneiras [...], ao passo que só é possível acertar de uma maneira (também por esta razão é fácil errar e difícil acertar – fácil errar o alvo, e difícil acertar nele); também é por isso que o excesso e a falta são características da deficiência moral, e o meio-termo é uma característica da excelência moral.” Aristóteles, Ética a Nicómaco, pág. 42 (g.n.)
  20. 20. Seja curioso! Um bom mecânico pode ser um bom juiz para analisar um caso de mecânica, mas uma pessoa que tem conhecimento gerais pode ser um bom juiz sobre diversas coisas.
  21. 21. Nem sempre o que a nossa consciência nos diz está correto! Quando falamos de ética, nos perguntamos: - Podemos ser culpados de algo que fizemos ou se trata apenas um mal estar infundado? Matou a galinha do vizinho para comer, pois estava com muita fome... Porém, era a última... não dividiu. Um pai, prudente e sensato, fará de tudo para cuidar do filho, usando razão e experiência, faz de tudo para acertar. No entanto, por vezes, erra. Quais as consequências das nossas ações?
  22. 22. Virtude é a qualidade do que se conforma com o considerado correto e desejável numa sociedade As virtudes humanas proporcionam sempre um novo impulso para nos desenvolvermos como homens de bem. Mas, em qualquer caso, não é suficiente o desejo de possuir essas virtudes: é preciso aprender a praticá-las. Temos que exercitar habitualmente os atos correspondentes - atos de sinceridade, de equanimidade, de serenidade, de paciência, etc. Virtude!
  23. 23. Armandinho e a ética
  24. 24. Ética nos negócios Analisada em 3 níveis: pessoal, organizacional ou em termos macro. Pessoal - cada pessoa terá uma conduta de ética se suas ações forem certas, sua intenção correta e as circunstâncias boas. Organização - geralmente se norteia por princípios definidos por seus proprietários, acionistas e diretores. Os funcionários se apoiam nesse sistema de valores para tomar decisões no dia-a-dia. Macrofatores - tem forte influência na ética das organizações: o comportamento das empresas concorrentes, tendência de mercado, cumprimento da legislação etc.
  25. 25. A ética organizacional É o estudo racional filosófico predominante no processo de tomada de decisão dentro da empresa, e o grau em que isso é comunicado, compreendido, aplicado e reforçado na organização inteira. Estabelecer para os funcionários um código de ética Consciência bem formada costuma conduzir ao raciocínio ético.
  26. 26. 7 princípios para a ética nos negócios 1. Inspire confiança: Os clientes querem fazer negócios com empresas nas quais podem confiar. Quando a confiança está na cultura de uma companhia, é uma garantia de seu caráter, habilidades, forças e honestidade. 2. Mantenha uma mente aberta: Para a melhoria contínua de uma companhia, seu líder deve estar aberto a novas ideias. Ele deve sempre pedir a opinião e as ideias de seus clientes e de sua equipe para que a organização continue crescendo. 3. Cumpra com suas obrigações: Independente das circunstâncias, faça tudo em seu alcance para ganhar a confiança de seus clientes, especialmente se houve algum problema em um projeto ou negociação anterior. Recupere-se de negócios perdidos honrando todos os seus compromissos e obrigações.
  27. 27. 4. Tenha documentos claros: Avalie novamente todo o material da empresa, incluindo publicidade, folhetos e outros documentos externos de negócios, garantido que sejam claros, precisos e profissionais. Mais importante ainda, garanta que eles não levem a más interpretações. 5. Envolva-se com sua comunidade: Mantenha-se envolvido com assuntos e atividades relacionados a sua comunidade, mostrando que seu negócio contribui responsavelmente com a comunidade. 6. Tenha um bom controle contábil: Tenha um controle prático da contabilidade e dos registros da empresa, não somente como um meio de conhecer melhor o progresso de sua companhia, mas também como recurso para prever e evitar atividades “questionáveis”. 7. Seja respeitoso: Trate os outros com todo o respeito que merecem. Independente das diferenças, posições, títulos, idade ou outros tipos de distinções, sempre tenha uma postura profissional respeitosa e cordial.
  28. 28. Ética no marketing Das ferramentas usadas pelo marketing as que mais se evidenciam na falta de conduta ética nas suas aplicações são: - Propaganda; - Vendas; - Venda Pessoal; - Propagandas falsas que causam danos à sociedade que esta consumindo o produto; - No Brasil, as empresas varejistas utilizam em série, o clichê do produto mais barato, onde são dados descontos que muitas vezes são invisíveis, pois no fim paga-se o mesmo ou até mais pelo produto. Uma outra forma de estratégia, é anunciar uma série de produtos que muitas vezes não existem na hora da compra;
  29. 29. Nas atividades relacionadas com marketing, o profissional deverá: 1. Não utilizar qualquer forma de venda, promoção ou comunicação que possa induzir em erros seja por omissão de dados relevantes ou pela apresentação falsa ou distorcida de informações e dados. 2. Procurar certificar-se que os produtos e serviços que oferece ao mercado são adequados aos fins propostos, alertando sempre seus clientes, com clareza e nitidez, qualquer restrição que possa advir da utilização de tais produtos e serviços;
  30. 30. Fast Alpino
  31. 31. Fast Alpino
  32. 32. Gulosos
  33. 33. Gulosos Repararam como os granulados de chocolate são dispostos iguaizinhos em cada biscoito? Pois bem, a solução foi usar uma forma que imitasse o granulado, ao invés de colocar o granulado de chocolate que realmente caracteriza o famoso Brigadeiro.
  34. 34. Deveres para com a Sociedade Evitar qualquer tipo de agressão ou prejuízo ao meio ambiente do planeta e ao patrimônio cultural do país; e qualquer espécie de discriminação;
  35. 35. Deveres no exercício cotidiano na profissão Aceitar todas as responsabilidades inerentes à atividade profissional; Manter sigilo absoluto sobre qualquer informação que não seja de caráter público;
  36. 36. Ética na Administração do Preço Trapaça - Aproveitar-se da escassez do produto para cobrar valores exorbitantes Propaganda enganosa - Induzem o consumidor a pensar que a vantagem é maior do que ocorre na realidade. Injustiça - Aproveitar da necessidade urgente do produto ou serviço como em caso de emergência e cobrar valores exorbitantes.
  37. 37. Ética na venda pessoal O poder de persuasão do vendedor na venda pessoal é muito grande. É importante ressaltar informações sobre especificações e limitações do produto. Não fazer promessas de difícil cumprimento em termos de prazo, desempenho do produto ou assistência técnica.
  38. 38. O código de ética – Associação Brasileira de Empresas de Eventos Art.11 - No exercício das atividades, são vedadas expressamente às associadas: a) a propaganda enganosa consoante a conceituação legal ou conforme caracterizada pela Comissão de ética; b) a manutenção e imposição de contratos e cláusulas manifestamente potestativas ou leoninas; c) induzir em erro os clientes, não imprimindo clareza e transparência nas informações, em especial as relativas ao Contrato de Prestação de Serviços; d) manter e ofertar serviços e recursos humanos desqualificados tecnicamente; e) impor e exigir ônus ao cliente, n‹o previsto em contrato ou que sejam incompatíveis com a natureza do negócio com ele pactuado;
  39. 39. O código de ética – Associação Brasileira de Empresas de Eventos f) furtar-se, sem justa causa ou fora maior, ao cumprimento dos compromissos assumidos com o cliente; g) expor o cliente a situações vexatórias ou humilhantes desrespeitando seus direitos e valores ou mesmo induzindo-os à prática de ilícitos, situações essas caracterizadas a critério da Comissão de ética; h) divulgar dado falso ou que saiba incorreto ou mesmo estritamente confidencial sobre o cliente; i) deixar de observar toda e qualquer norma de conduta ética editada por organismos pertencentes ˆ categoria econômica e que sejam adotadas pela ABEOC, visando a preservação dos interesses dos clientes e do mercado.
  40. 40. Estudos de caso... Cláudio (Tony Ramos) é um publicitário bem sucedido, dono de sua própria agência, que é casado com Helena (Glória Pires), uma professora de música que cuida de um coral infantil. Acostumados com a rotina do dia-a-dia e do casamento de tantos anos, eles volta e meia têm uma discussão. Um dia eles têm uma briga maior do que o normal, que faz com que algo inexplicável aconteça: eles trocam de corpos. Apavorados, Cláudio e Helena tentam aparentar normalidade até que consigam reverter a situação. Porém para tanto eles terão que assumir por completo a vida do outro. Trecho 1: 39:00 - 40:00 Trecho 2: 1:23:00 – 1:25:40
  41. 41. Estudos de caso... Propaganda: Vai e Vem – 2015 Itaipava: 30”
  42. 42. E para finalizar, uma atividade! Essa peça foi temporariamente veiculada durante o Carnaval 2015 mas foi tirada de circulação em pouco tempo, sendo substituída por outras duas. A proposta: A sala deve se dividir em 2 grandes grupos. Um deve defender a propaganda, tentando entender o caráter real do conteúdo de promoção do produto. O outro grupo deve “acusar” a proposta, levantando os aspectos negativos da peça. A segunda etapa é a sala desenvolver uma nova proposta de frase.
  43. 43. E a substituição escolhida pela Skol:

×