PrelúDio, Alda Lara

3.150 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

PrelúDio, Alda Lara

  1. 1. ES/3 D. Afonso Henriques<br />2009/2010<br />Literaturas de Língua Portuguesa<br />Alda Lara<br />
  2. 2. Angola<br />http://www.youtube.com/watch?v=iRD73FDNToI&feature=PlayList&p=723D75C4BC7AE99B&playnext=1&playnext_from=PL&index=14<br />
  3. 3. Literaturas da Língua Portuguesa<br />Este trabalho é realizado no âmbito da disciplina de Literaturas da Língua Portuguesa, onde iremos explorar, neste caso, a Literatura Angolana. <br />A poetisa que iremos abordar será Alda Lara, com o seu poema “Prelúdio”.<br />
  4. 4. Literatura Angolana<br />
  5. 5.
  6. 6. Literatura Angolana<br />A literatura em Angola nasceu em 1975.<br />Construiu-se a partir da negação contra o complexo sistema de contradições da sociedade colonizada. <br />Traz muitas vezes, também realismo nas suas imagens do preconceito, da dor causada pelos castigos corporais, do sofrimento pela morte dos entes queridos e da exclusão social. Porém, essas imagens, são revestidas pela beleza que frequentemente nos passam as grandes obras artísticas.<br />
  7. 7.  A palavra literária desempenhou em Angola um importante papel na superação do estatuto de colónia. <br />Presente nas campanhas libertadoras foi responsável por ecoar o grito de liberdade de uma nação por muito tempo silenciado, mas nunca esquecido. <br />Literatura Angolana<br />
  8. 8. Literatura Angolana<br />O angolano vive, por algum tempo, entre duas realidades, a sociedade colonial europeia e a sociedade africana; os seus escritos são, por isso, os resultados dessa tensão existente entre os dois mundos.      <br />
  9. 9. Literatura Angolana<br />Assim, com essa conturbada duplicidade, o escritor africano, à medida que se vai consciencializando, vai recorrendo aos seus ancestrais, à infância, em busca do eu, da sua geração, de maneira harmoniosa, na pátria mãe, Angola - África.<br />
  10. 10. Alda Lara<br />
  11. 11. <ul><li>Nome: Alda Ferreira Pires Barreto de Lara Albuquerque
  12. 12. Nascimento: Benguela, 9 de Junho de 1930
  13. 13. Falecimento:Cambambe, 30 de Janeiro de 1962
  14. 14. Era casada com o escritor Orlando Albuquerque
  15. 15. Muito nova veio para Lisboa onde concluiu o 7º ano do Liceu.
  16. 16. Frequentou as Faculdades de Medicina de Lisboa e Coimbra, licenciando-se por esta última.</li></ul>Alda Lara<br />
  17. 17. Em Lisboa esteve ligada a algumas das actividades da Casa dos Estudantes do Império.<br />Declamadora, chamou a atenção para os poetas africanos.<br />Depois da sua morte, a Câmara Municipal de Sá da Bandeira instituiu o Prémio Alda Lara para poesia. Orlando Albuquerque propôs-se editar-lhe postumamente toda a obra e nesse caminho reuniu e publicou um volume de poesias e um caderno de contos. Colaborou ainda em alguns jornais ou revistas, incluindo a Mensagem (CEI).<br />Alda Lara<br />
  18. 18. Prelúdio<br />
  19. 19. Prelúdio - definição<br />O prelúdio é o início. Anuncia o que está por vir. Tudo tem um princípio, precisa de uma introdução. Nenhuma obra nasce sem ser anunciada. Uma música, um filme, uma pintura, uma poesia, ou até mesmo um universo, nada disso foi criado sem um prelúdio...<br />
  20. 20. Pela estrada desce a noite <br />Mãe-Negra, desce com ela. <br />Nem buganvílias vermelhas, <br />nem vestidinhos de folhos, <br />nem brincadeiras de guizos <br />nas suas mãos apertadas...<br />Prelúdio<br />Só duas lágrimas grossas, <br />em duas faces cansadas. <br />Mãe-Negra tem voz de vento, <br />voz de silêncio batendo <br />nas folhas do cajueiro... <br />Tem voz de noite, descendo<br />de mansinho, pela estrada.<br />
  21. 21. Prelúdio<br />... Que é feito desses meninos <br />que gostava de embalar?<br />Que é feito desses meninos <br />que ela ajudou a criar? <br />Quem ouve agora as histórias <br />que costumava contar?... <br />Mãe-Negra não sabe nada. <br />Mas ai de quem sabe tudo, <br />como eu sei tudo, <br />Mãe-Negra... <br />
  22. 22. Prelúdio<br />É que os meninos cresceram, <br />e esqueceram <br />as histórias <br />que costumavas contar... <br />Muitos partiram pra longe, <br />quem sabe se hão-de voltar!... <br />Só tu ficaste esperando, <br />mãos cruzadas no regaços, <br />bem quieta bem calada… <br />É a tua a voz deste vento, <br />desta saudade descendo <br />de mansinho pela estrada... <br />
  23. 23. Tema<br />Os temas deste texto poético é o amor à pátria e a Terra-África.<br /><ul><li>“Pela estrada desce a noite/Mãe-Negra desce com ela.”
  24. 24. “que é feito desses meninos/que ela ajudou a criar?”</li></li></ul><li>Pela estrada desce a noite <br />Mãe-Negra, desce com ela. <br />Nem buganvílias vermelhas, <br />nem vestidinhos de folhos, <br />nem brincadeiras de guizos <br />nas suas mãos apertadas...<br />Só duas lágrimas grossas, <br />em duas faces cansadas. <br />Mãe-Negra tem voz de vento, <br />voz de silêncio batendo <br />nas folhas do cajueiro... <br />Tem voz de noite, descendo<br />de mansinho, pela estrada.<br />Descrição da Mãe-Negra<br />Assunto<br />
  25. 25. ... Que é feito desses meninos <br />que gostava de embalar?<br />Que é feito desses meninos <br />que ela ajudou a criar? <br />Quem ouve agora as histórias <br />que costumava contar?... <br />Mãe-Negra não sabe nada. <br />Mas ai de quem sabe tudo, <br />como eu sei tudo <br />Mãe-Negra... <br />Questiona-se sobre o porquê de a estarem a abandonar<br />Assunto<br />
  26. 26. É que os meninos cresceram, <br />e esqueceram <br />as histórias <br />que costumavas contar... <br />Muitos partiram pra longe, <br />quem sabe se hão-de voltar!... <br />Só tu ficaste esperando, <br />mãos cruzadas no regaços, <br />bem quieta bem calada… <br />É a tua a voz deste vento, <br />desta saudade descendo <br />de mansinho pela estrada... <br />Resposta às questões anteriormente feitas. O que é feito daqueles que partiram e a esperança que Mãe-Negra tem do seu regresso.<br />Assunto<br />
  27. 27. Mãe-Negra (“tu”)<br /><ul><li>Triste, melancólica, cansada (“só duas lágrimas grossas,/ em duas faces cansadas”)
  28. 28. “tem voz de vento”, “voz de silêncio”, “voz de noite”;
  29. 29. Tem esperança e saudade de voltar a ver quem criou (”Só tu ficaste esperando,/mãos cruzadas nos regaços,/bem quieta, bem calada.”)</li></li></ul><li>Recursos estilísticos<br />“Mãe-Negra desce com ela” <br /><ul><li>Personificação – atribui uma característica humana ao “tu”, a Mãe-Negra, para reforçar a ideia da terra África como um sitio com sentimentos reais</li></ul>“Nem buganvílias vermelhas,/ nem vestidinhos de folhos,/ nem brincadeiras de guizos “<br /><ul><li>Anáfora – reforça a ideia de abandono em relação à Mãe-Negra</li></ul>“Mãe-Negra tem voz de vento,/ voz de silêncio batendo/ nas folhas do cajueiro.../ Tem voz de noite, descendo/ de mansinho, pela estrada.”<br /><ul><li>Imagem personificada – conjunto de metáforas que atribuem características humanas a Mãe-Negra e demonstram o estado de espírito desta por a terem abandonado</li></li></ul><li>Recursos estilísticos<br />“... Que é feito desses meninos/ que gostava de embalar?/ Que é feito desses meninos/ que ela ajudou a criar?/ Quem ouve agora as histórias/ que costumava contar?... “<br /><ul><li>Interrogações retóricas – o eu poético questiona-se acerca do paradeiro daqueles que Mãe-Negracriou e que partiram</li></ul>“bem quieta, bem calada”<br /><ul><li>Reiteração – estado de espírito de Mãe-Negra ao ter sido abandonada por aqueles que criara e a forma como ela encara a saudade e esperança de um dia os voltar a ver</li></li></ul><li>Análise formal<br />Esta composição poética é constituída por nove estrofes irregulares (2, 4, 2, 5, 6, 4, 6, 3, 3)<br />Possui uma métrica irregular e livre e uma rima pobre. <br />
  30. 30. Reflexão<br />A disciplina de Línguas da Literatura Portuguesa, para além da bagagem literária que nos oferece, também nos dá a conhecer melhor outros países, outras culturas e a descobrir grandes obras literárias dos países de língua lusófona.<br />O primeiro país que nos deu a conhecer foi Angola com toda a sua cultura e uma das suas poetisas Alda Lara. <br />Os temas bem presentes neste poema dela que analisamos foram o amor à pátria e Terra-África, ou seja, Alda Lara faz uma exaltação do seu país, descrevendo-o na perfeição.<br />Esperemos que esta disciplinas nos continue a presentear com benéficas experiências e com a leitura e análise de grandes obras literárias.<br />
  31. 31. Questionário<br />
  32. 32. Qual o significado de prelúdio?<br />Conclusão<br />Epílogo<br />Introdução<br />
  33. 33. Quais os temas deste poema?<br />tempo ansioso e inconformismo<br />Terra-África e amor à pátria<br />fraternidade e solidariedade<br />
  34. 34. Quem é a Mãe-Natureza?<br />Terra-África, Angola<br />Uma escrava <br />Mãe do sujeito poético<br />
  35. 35. Qual o estado de espírito do “tu”?<br />Tristeza e melancolia<br />Esperança e alegria<br />Nervosismo e inconformismo<br />
  36. 36. Bibliografia<br /><ul><li>http://pt.shvoong.com/social-sciences/political-science/1874922-passado-presente-na-literatura-angolana/
  37. 37. http://www.revista.agulha.nom.br/1alara.html
  38. 38. http://poemasafricanos.blogspot.com/2008/09/alda-lara.html
  39. 39. http://opreludio.blogspot.com/</li></li></ul><li>Trabalho realizado por:<br />Paula Leal Nº12 12ºH<br />&<br />Vanda Teixeira Nº17 12ºH<br />

×