SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 23
PADRE ANTONIO VIEIRA
SÉCULO XVII
Padre Antônio Vieira, grande orador
do século XVII, nome fundamental
no Barroco português e brasileiro.
Quem foi Antonio Vieira?
 Nasceu em Lisboa, no dia 6 de
Fevereiro de 1608 numa família
humilde. Foi para o Brasil com seis
anos de idade, fez os primeiros
estudos no Colégio dos Jesuítas
em Salvador. Ingressou na
Companhia de Jesus como noviço
em Maio de 1623 .
 Em 1625, fez os seus votos de
castidade, ordenando-se
sacerdote em 1634.
Quem foi Antonio Vieira?
 Após a Restauração da
Independência, em 1640, regressou
em 1641 a Lisboa, iniciando uma
carreira diplomática.
 Pretendendo obter para a Coroa a
ajuda financeira dos cristãos-novos,
entrou em conflito com a Inquisição,
mas acabou por conseguir que fosse
fundada a Companhia de Comércio
do Brasil.
Quem foi Antonio Vieira?
 Regressou ao Brasil em 1652 como
missionário no Maranhão e no Grão-
Pará, continuando a defesa da
liberdade dos índios.
 Em 1656, voltou para a Europa. Com
a morte de D. João IV, torna-se
confessor da Regente, D. Luísa de
Gusmão. Vieira perderá a influência
na corte, no reinado de D. Afonso VI,
em 1662
Quem foi Antonio Vieira?
 Entrou de novo em conflito com a
Inquisição que o acusou de heresia.
Em 1665 é preso pela Inquisição de
Coimbra e mantido sob custódia
devido às suas ideias messiânicas e à
defesa dos “cristãos novos”; Em 1667
foi condenado a internamento e
proibido de pregar, mas, seis meses
depois, a pena foi anulada, com a
regência de D. Pedro.
Quem foi Antonio Vieira?
 Em 1675, foi absolvido pela Inquisição
Decidiu voltar outra vez para o Brasil,
em 1681
 Acabou por morrer, já velho e doente,
a 18 de Julho de 1697, com 89 anos,
na cidade de Salvador, no Brasil .
 O Sermão da Sexagésima ensina-nos
a arte da oratória – a arte de falar ao
público e, acima de tudo, a arte de
persuadir.
Convencer relaciona-se ao
campo da razão, ao passo
que persuadir
diz respeito às emoções.
Um ser emocional e não
racional, cala mais fundo
a persuasão que o simples
convencimento
Parece claro, ao lermos o Sermão da
sexagésima, que Vieira quer muito mais que
convencer, ele quer persuadir seus ouvintes,
isto é, ele quer mudar a maneira como os
pregadores de sua época pregavam.
Característica importante dos
sermões de Vieira é sua constante
preocupação com os efeitos da
pregação na vida social.
Um instrumento de origem divina
voltado para a expansão do
cristianismo, para a correção dos
erros dos cristãos, para edificação de
uma sociedade efetivamente católica,
para a salvação eterna.
Atividade missionária no Brasil
Se admite a escravidão
(negra, especialmente) como
instrumento indispensável à
ocupação cristã das terras e
gentes brasileiras, não
deixa de criticar acerbamente
os excessos, pecaminosos,
de ganância, luxúria e
crueldade dos senhores e de
seus aliados.
Atividade missionária no Brasil
Os ataques de Vieira aos
senhores de escravos; a
cobrança de obediência às
determinações de Lisboa
quanto à liberdade
indígena, por parte de
governadores e capitães-
mor; a hostilidade de outras
ordens religiosas são
fatores determinantes para
a expulsão de Vieira e
outros jesuítas do Brasil.
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento por analogia consiste em
traçar comparações entre dois ou mais
elementos. Vieira vai, ao longo do sermão,
desenvolvendo diversas comparações com
passagens bíblicas e com fatos do seu entorno.
Este argumento torna mais concretas
as ideias defendidas pelo orador,
pois o público consegue visualizar e,
assim, compreender melhor, o objeto
do discurso;
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento por autoridade é utilizado
sempre que o autor traz para o seu texto
uma voz de autoridade. No caso do
Sermão, a principal autoridade são as
escrituras sagradas, citadas todo o tempo
pelo padre;
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento de princípio é usado quando
o padre apresenta verdades indiscutíveis,
como, por exemplo, quando ele afirma
que o problema dos sermões não poderia
jamais estar na palavra de Deus, uma vez
que Deus não falha nunca;
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento, por exemplo, abundantemente
usado ao longo do sermão, consiste em
citar nomes e fatos que reforçam as ideias
defendidas pelo orador/pregador.
O SERMÃO
 O Sermão da
Sexagésima é dividido
 em dez partes que
podem, por sua
 vez, ser encaixadas na
divisão canônica
 do texto
argumentativo/
dissertativo:
 introdução,
desenvolvimento e
conclusão
O SERMÃO
 Na parte que se pode
considerar como
introdução, Vieira
expõe o problema e se
posiciona a respeito
dele.
O padre abre o sermão falando
da dificuldade do semeador/
missionário (intertexto com a
fábula do semeador, da Bíblia)
que saiu do conforto e
segurança de sua terra para
pregar em terras distantes e
selvagens.
O SERMÃO  Vieira compara a
 semeadura do trigo com
a pregação da palavra
de Deus, que pode cair
entre as pedras, entre os
animais, ou os espinhos,
 mas que, ainda assim,
pode provocar
mudanças. Os espinhos
e as pedras representam
os homens mais difíceis
de converter e, para o
padre, estes é que mais
 precisam do esforço do
pregador.
O SERMÃO  Em sua conclusão, Vieira faz
um último alerta ao
pregador/orador: o risco de
dizer aquilo que ele julga ser
agradável ao público em vez
de dizer aquilo que precisa
 ser realmente dito. Algumas
verdades são duras, mas,
ainda assim, precisam ser
ditas.
 O orador não deve ter medo
de tocar em assuntos
polêmicos, entretanto deve
tomar o cuidado de não
entrar em debate com o
público, o que transformaria
a palestra em discussão.
O SERMÃO
 Vieira, de maneira tão criativa e poética, atribui
a culpa toda e exclusivamente ao pregador:
“por culpa nossa”, como ele mesmo afirma.
Levando em consideração o esquema que
construímos com base em suas analogias,
inferimos que isso se deve ao fato de que os
pregadores não estão mais convencendo seus
ouvintes da veracidade de sua doutrina, seja
por sua ilogicidade, seja por ser um discurso
vazio, hipócrita, resumindo no “Fazei o que eu
digo, mas não o que eu faço”.
REFERÊNCIAS
LUZ, Leandro Alves Tadeu. A ARTE DA ORATÓRIA NO SERMÃO DA
SEXAGÉSIMA: COMO O PADRE ANTôNIO VIEIRA NOS ENSINA A
FALAR EM PÚBLICO
MINISTÉRIO DA CULTURA. Sermões, Vieira.
http://www.infoescola.com/religiao/sermao-da-sexagesima/
 Slide organizado pela profª Ana Paula Carvalho
 Cândido Sales, Bahia
 Ano da Graça: 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
Karyn XP
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Helena Coutinho
 

Mais procurados (20)

Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Farsa de Inês Pereira
Farsa de Inês PereiraFarsa de Inês Pereira
Farsa de Inês Pereira
 
Actos Ilocutórios
Actos IlocutóriosActos Ilocutórios
Actos Ilocutórios
 
Recursos Estilísticos
Recursos EstilísticosRecursos Estilísticos
Recursos Estilísticos
 
Textos de opinião
Textos de opiniãoTextos de opinião
Textos de opinião
 
Análise do canto ix
Análise do canto ixAnálise do canto ix
Análise do canto ix
 
Os Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estruturaOs Lusíadas - a estrutura
Os Lusíadas - a estrutura
 
A métrica e a rima
A métrica e a rimaA métrica e a rima
A métrica e a rima
 
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e MensagemIntertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
Intertextualidade entre Os Lusíadas e Mensagem
 
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
Os lusíadas - Canto I Estâncias 105 e 106
 
Esparsa ao desconcerto mundo
Esparsa  ao desconcerto mundoEsparsa  ao desconcerto mundo
Esparsa ao desconcerto mundo
 
Deixis
DeixisDeixis
Deixis
 
Erros meus, má fortuna, amor ardente
Erros  meus, má fortuna, amor ardenteErros  meus, má fortuna, amor ardente
Erros meus, má fortuna, amor ardente
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Valor aspetual
Valor aspetualValor aspetual
Valor aspetual
 
Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca Literatura trovadoresca
Literatura trovadoresca
 
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente   resumo por ato e cenaUm auto de gil vicente   resumo por ato e cena
Um auto de gil vicente resumo por ato e cena
 
Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8Os Lusíadas Canto 8
Os Lusíadas Canto 8
 
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos CantosOs Lusíadas: sistematização dos Cantos
Os Lusíadas: sistematização dos Cantos
 
Oracoes subordinadas
Oracoes subordinadasOracoes subordinadas
Oracoes subordinadas
 

Destaque

Revisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barrocoRevisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barroco
ma.no.el.ne.ves
 
Faces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matosFaces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matos
ma.no.el.ne.ves
 
Texto autobiográfico
Texto autobiográficoTexto autobiográfico
Texto autobiográfico
Vanda Sousa
 
Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01
ma.no.el.ne.ves
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Vanda Sousa
 

Destaque (20)

Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)Sermão da sexagésima (slides)
Sermão da sexagésima (slides)
 
Sermão da sexagésima
Sermão da sexagésimaSermão da sexagésima
Sermão da sexagésima
 
Sermão da sexagésima padre antonio vieira
Sermão da sexagésima   padre antonio vieiraSermão da sexagésima   padre antonio vieira
Sermão da sexagésima padre antonio vieira
 
Revisando o barroco, 01
Revisando o barroco, 01Revisando o barroco, 01
Revisando o barroco, 01
 
Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Revisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barrocoRevisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barroco
 
Faces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matosFaces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matos
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Texto autobiográfico
Texto autobiográficoTexto autobiográfico
Texto autobiográfico
 
O humanismo em portugal
O humanismo em portugalO humanismo em portugal
O humanismo em portugal
 
Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
 
Literatura arcadismo
Literatura  arcadismoLiteratura  arcadismo
Literatura arcadismo
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Barroco no enem
Barroco no enemBarroco no enem
Barroco no enem
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Estrutura do sermão
Estrutura do sermãoEstrutura do sermão
Estrutura do sermão
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
 

Semelhante a Análise do Sermão da Sexagésima

Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Emerson Mathias
 
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerraAnálise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
carvalho-andreia
 
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves   a prosperidade a luz da bíbliaJosé gonçalves   a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
Ana Paula
 
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
mcj2013
 

Semelhante a Análise do Sermão da Sexagésima (20)

Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
 
A pregação de Padre António Vieira
A pregação de Padre António VieiraA pregação de Padre António Vieira
A pregação de Padre António Vieira
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
 
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerraAnálise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
 
Quem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António VieiraQuem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António Vieira
 
Livro aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
Livro   aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)Livro   aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
Livro aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
 
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves   a prosperidade a luz da bíbliaJosé gonçalves   a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
 
DANIEL CAMPOS
DANIEL CAMPOSDANIEL CAMPOS
DANIEL CAMPOS
 
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
 
capítulo VI - Padre Antonio Vieria
capítulo VI - Padre Antonio Vieriacapítulo VI - Padre Antonio Vieria
capítulo VI - Padre Antonio Vieria
 
Barroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptxBarroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptx
 
Liderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missionalLiderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missional
 
Psi evangelio
Psi evangelioPsi evangelio
Psi evangelio
 
Psicologia e envangelio
Psicologia e envangelioPsicologia e envangelio
Psicologia e envangelio
 
Comentário Bíblico de Romanos
Comentário Bíblico de RomanosComentário Bíblico de Romanos
Comentário Bíblico de Romanos
 
Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homiletica
 
Trabalho pronto erika
Trabalho pronto erikaTrabalho pronto erika
Trabalho pronto erika
 
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014Jornal aliança nº 179 setembro 2014
Jornal aliança nº 179 setembro 2014
 

Mais de Ana Castro

10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
Ana Castro
 
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
9. funções da linguagem   delimitar o texto literário9. funções da linguagem   delimitar o texto literário
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
Ana Castro
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
Ana Castro
 
Princípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos temposPrincípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos tempos
Ana Castro
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
Ana Castro
 
Concordância verbal sujeito simples
Concordância verbal   sujeito simplesConcordância verbal   sujeito simples
Concordância verbal sujeito simples
Ana Castro
 
Pronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativosPronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativos
Ana Castro
 

Mais de Ana Castro (20)

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Verbos
Verbos Verbos
Verbos
 
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIARANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Tenda dos Milagres -
Tenda dos Milagres -Tenda dos Milagres -
Tenda dos Milagres -
 
Identidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Identidade baiana: Mazelas sociais x TurismoIdentidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Identidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
 
Sertão da Bahia
Sertão da BahiaSertão da Bahia
Sertão da Bahia
 
10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
 
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
9. funções da linguagem   delimitar o texto literário9. funções da linguagem   delimitar o texto literário
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
 
Princípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos temposPrincípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos tempos
 
Competências básicas para o ensino de arte
Competências básicas para o ensino de arteCompetências básicas para o ensino de arte
Competências básicas para o ensino de arte
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Concordância verbal sujeito simples
Concordância verbal   sujeito simplesConcordância verbal   sujeito simples
Concordância verbal sujeito simples
 
Pronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativosPronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativos
 
Pronomes possessivos
Pronomes possessivosPronomes possessivos
Pronomes possessivos
 
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Romantismo versus realismo
Romantismo versus realismoRomantismo versus realismo
Romantismo versus realismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Último

Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
LindinhaSilva1
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
VALMIRARIBEIRO1
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na ÁfricaPeriodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
Periodo da escravidAo O Brasil tem seu corpo na América e sua alma na África
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-criançasLivro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
Livro infantil: A onda da raiva. pdf-crianças
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
4 ano atividade fonema e letra 08.03-1.pdf
 
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdfAparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
Aparatologia na estética - Cavitação, radiofrequência e lipolaser.pdf
 
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamenteDescrever e planear atividades imersivas estruturadamente
Descrever e planear atividades imersivas estruturadamente
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhosoO Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
O Reizinho Autista.pdf - livro maravilhoso
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.pptAs teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
As teorias de Lamarck e Darwin para alunos de 8ano.ppt
 
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
ATIVIDADE 1 - ENF - ENFERMAGEM BASEADA EM EVIDÊNCIAS - 52_2024
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 

Análise do Sermão da Sexagésima

  • 2. Padre Antônio Vieira, grande orador do século XVII, nome fundamental no Barroco português e brasileiro.
  • 3. Quem foi Antonio Vieira?  Nasceu em Lisboa, no dia 6 de Fevereiro de 1608 numa família humilde. Foi para o Brasil com seis anos de idade, fez os primeiros estudos no Colégio dos Jesuítas em Salvador. Ingressou na Companhia de Jesus como noviço em Maio de 1623 .  Em 1625, fez os seus votos de castidade, ordenando-se sacerdote em 1634.
  • 4. Quem foi Antonio Vieira?  Após a Restauração da Independência, em 1640, regressou em 1641 a Lisboa, iniciando uma carreira diplomática.  Pretendendo obter para a Coroa a ajuda financeira dos cristãos-novos, entrou em conflito com a Inquisição, mas acabou por conseguir que fosse fundada a Companhia de Comércio do Brasil.
  • 5. Quem foi Antonio Vieira?  Regressou ao Brasil em 1652 como missionário no Maranhão e no Grão- Pará, continuando a defesa da liberdade dos índios.  Em 1656, voltou para a Europa. Com a morte de D. João IV, torna-se confessor da Regente, D. Luísa de Gusmão. Vieira perderá a influência na corte, no reinado de D. Afonso VI, em 1662
  • 6. Quem foi Antonio Vieira?  Entrou de novo em conflito com a Inquisição que o acusou de heresia. Em 1665 é preso pela Inquisição de Coimbra e mantido sob custódia devido às suas ideias messiânicas e à defesa dos “cristãos novos”; Em 1667 foi condenado a internamento e proibido de pregar, mas, seis meses depois, a pena foi anulada, com a regência de D. Pedro.
  • 7. Quem foi Antonio Vieira?  Em 1675, foi absolvido pela Inquisição Decidiu voltar outra vez para o Brasil, em 1681  Acabou por morrer, já velho e doente, a 18 de Julho de 1697, com 89 anos, na cidade de Salvador, no Brasil .
  • 8.  O Sermão da Sexagésima ensina-nos a arte da oratória – a arte de falar ao público e, acima de tudo, a arte de persuadir.
  • 9. Convencer relaciona-se ao campo da razão, ao passo que persuadir diz respeito às emoções.
  • 10. Um ser emocional e não racional, cala mais fundo a persuasão que o simples convencimento Parece claro, ao lermos o Sermão da sexagésima, que Vieira quer muito mais que convencer, ele quer persuadir seus ouvintes, isto é, ele quer mudar a maneira como os pregadores de sua época pregavam.
  • 11. Característica importante dos sermões de Vieira é sua constante preocupação com os efeitos da pregação na vida social. Um instrumento de origem divina voltado para a expansão do cristianismo, para a correção dos erros dos cristãos, para edificação de uma sociedade efetivamente católica, para a salvação eterna.
  • 12. Atividade missionária no Brasil Se admite a escravidão (negra, especialmente) como instrumento indispensável à ocupação cristã das terras e gentes brasileiras, não deixa de criticar acerbamente os excessos, pecaminosos, de ganância, luxúria e crueldade dos senhores e de seus aliados.
  • 13. Atividade missionária no Brasil Os ataques de Vieira aos senhores de escravos; a cobrança de obediência às determinações de Lisboa quanto à liberdade indígena, por parte de governadores e capitães- mor; a hostilidade de outras ordens religiosas são fatores determinantes para a expulsão de Vieira e outros jesuítas do Brasil.
  • 14. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento por analogia consiste em traçar comparações entre dois ou mais elementos. Vieira vai, ao longo do sermão, desenvolvendo diversas comparações com passagens bíblicas e com fatos do seu entorno. Este argumento torna mais concretas as ideias defendidas pelo orador, pois o público consegue visualizar e, assim, compreender melhor, o objeto do discurso;
  • 15. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento por autoridade é utilizado sempre que o autor traz para o seu texto uma voz de autoridade. No caso do Sermão, a principal autoridade são as escrituras sagradas, citadas todo o tempo pelo padre;
  • 16. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento de princípio é usado quando o padre apresenta verdades indiscutíveis, como, por exemplo, quando ele afirma que o problema dos sermões não poderia jamais estar na palavra de Deus, uma vez que Deus não falha nunca;
  • 17. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento, por exemplo, abundantemente usado ao longo do sermão, consiste em citar nomes e fatos que reforçam as ideias defendidas pelo orador/pregador.
  • 18. O SERMÃO  O Sermão da Sexagésima é dividido  em dez partes que podem, por sua  vez, ser encaixadas na divisão canônica  do texto argumentativo/ dissertativo:  introdução, desenvolvimento e conclusão
  • 19. O SERMÃO  Na parte que se pode considerar como introdução, Vieira expõe o problema e se posiciona a respeito dele. O padre abre o sermão falando da dificuldade do semeador/ missionário (intertexto com a fábula do semeador, da Bíblia) que saiu do conforto e segurança de sua terra para pregar em terras distantes e selvagens.
  • 20. O SERMÃO  Vieira compara a  semeadura do trigo com a pregação da palavra de Deus, que pode cair entre as pedras, entre os animais, ou os espinhos,  mas que, ainda assim, pode provocar mudanças. Os espinhos e as pedras representam os homens mais difíceis de converter e, para o padre, estes é que mais  precisam do esforço do pregador.
  • 21. O SERMÃO  Em sua conclusão, Vieira faz um último alerta ao pregador/orador: o risco de dizer aquilo que ele julga ser agradável ao público em vez de dizer aquilo que precisa  ser realmente dito. Algumas verdades são duras, mas, ainda assim, precisam ser ditas.  O orador não deve ter medo de tocar em assuntos polêmicos, entretanto deve tomar o cuidado de não entrar em debate com o público, o que transformaria a palestra em discussão.
  • 22. O SERMÃO  Vieira, de maneira tão criativa e poética, atribui a culpa toda e exclusivamente ao pregador: “por culpa nossa”, como ele mesmo afirma. Levando em consideração o esquema que construímos com base em suas analogias, inferimos que isso se deve ao fato de que os pregadores não estão mais convencendo seus ouvintes da veracidade de sua doutrina, seja por sua ilogicidade, seja por ser um discurso vazio, hipócrita, resumindo no “Fazei o que eu digo, mas não o que eu faço”.
  • 23. REFERÊNCIAS LUZ, Leandro Alves Tadeu. A ARTE DA ORATÓRIA NO SERMÃO DA SEXAGÉSIMA: COMO O PADRE ANTôNIO VIEIRA NOS ENSINA A FALAR EM PÚBLICO MINISTÉRIO DA CULTURA. Sermões, Vieira. http://www.infoescola.com/religiao/sermao-da-sexagesima/  Slide organizado pela profª Ana Paula Carvalho  Cândido Sales, Bahia  Ano da Graça: 2015