Análise do Sermão da Sexagésima

928 visualizações

Publicada em

Análise do Sermão da Sexagésima (Obra do vestibular Uesb - 2015) , produzido para apresentação no projeto Universidade Para Todos

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
928
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
30
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise do Sermão da Sexagésima

  1. 1. PADRE ANTONIO VIEIRA SÉCULO XVII
  2. 2. Padre Antônio Vieira, grande orador do século XVII, nome fundamental no Barroco português e brasileiro.
  3. 3. Quem foi Antonio Vieira?  Nasceu em Lisboa, no dia 6 de Fevereiro de 1608 numa família humilde. Foi para o Brasil com seis anos de idade, fez os primeiros estudos no Colégio dos Jesuítas em Salvador. Ingressou na Companhia de Jesus como noviço em Maio de 1623 .  Em 1625, fez os seus votos de castidade, ordenando-se sacerdote em 1634.
  4. 4. Quem foi Antonio Vieira?  Após a Restauração da Independência, em 1640, regressou em 1641 a Lisboa, iniciando uma carreira diplomática.  Pretendendo obter para a Coroa a ajuda financeira dos cristãos-novos, entrou em conflito com a Inquisição, mas acabou por conseguir que fosse fundada a Companhia de Comércio do Brasil.
  5. 5. Quem foi Antonio Vieira?  Regressou ao Brasil em 1652 como missionário no Maranhão e no Grão- Pará, continuando a defesa da liberdade dos índios.  Em 1656, voltou para a Europa. Com a morte de D. João IV, torna-se confessor da Regente, D. Luísa de Gusmão. Vieira perderá a influência na corte, no reinado de D. Afonso VI, em 1662
  6. 6. Quem foi Antonio Vieira?  Entrou de novo em conflito com a Inquisição que o acusou de heresia. Em 1665 é preso pela Inquisição de Coimbra e mantido sob custódia devido às suas ideias messiânicas e à defesa dos “cristãos novos”; Em 1667 foi condenado a internamento e proibido de pregar, mas, seis meses depois, a pena foi anulada, com a regência de D. Pedro.
  7. 7. Quem foi Antonio Vieira?  Em 1675, foi absolvido pela Inquisição Decidiu voltar outra vez para o Brasil, em 1681  Acabou por morrer, já velho e doente, a 18 de Julho de 1697, com 89 anos, na cidade de Salvador, no Brasil .
  8. 8.  O Sermão da Sexagésima ensina-nos a arte da oratória – a arte de falar ao público e, acima de tudo, a arte de persuadir.
  9. 9. Convencer relaciona-se ao campo da razão, ao passo que persuadir diz respeito às emoções.
  10. 10. Um ser emocional e não racional, cala mais fundo a persuasão que o simples convencimento Parece claro, ao lermos o Sermão da sexagésima, que Vieira quer muito mais que convencer, ele quer persuadir seus ouvintes, isto é, ele quer mudar a maneira como os pregadores de sua época pregavam.
  11. 11. Característica importante dos sermões de Vieira é sua constante preocupação com os efeitos da pregação na vida social. Um instrumento de origem divina voltado para a expansão do cristianismo, para a correção dos erros dos cristãos, para edificação de uma sociedade efetivamente católica, para a salvação eterna.
  12. 12. Atividade missionária no Brasil Se admite a escravidão (negra, especialmente) como instrumento indispensável à ocupação cristã das terras e gentes brasileiras, não deixa de criticar acerbamente os excessos, pecaminosos, de ganância, luxúria e crueldade dos senhores e de seus aliados.
  13. 13. Atividade missionária no Brasil Os ataques de Vieira aos senhores de escravos; a cobrança de obediência às determinações de Lisboa quanto à liberdade indígena, por parte de governadores e capitães- mor; a hostilidade de outras ordens religiosas são fatores determinantes para a expulsão de Vieira e outros jesuítas do Brasil.
  14. 14. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento por analogia consiste em traçar comparações entre dois ou mais elementos. Vieira vai, ao longo do sermão, desenvolvendo diversas comparações com passagens bíblicas e com fatos do seu entorno. Este argumento torna mais concretas as ideias defendidas pelo orador, pois o público consegue visualizar e, assim, compreender melhor, o objeto do discurso;
  15. 15. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento por autoridade é utilizado sempre que o autor traz para o seu texto uma voz de autoridade. No caso do Sermão, a principal autoridade são as escrituras sagradas, citadas todo o tempo pelo padre;
  16. 16. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento de princípio é usado quando o padre apresenta verdades indiscutíveis, como, por exemplo, quando ele afirma que o problema dos sermões não poderia jamais estar na palavra de Deus, uma vez que Deus não falha nunca;
  17. 17. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento, por exemplo, abundantemente usado ao longo do sermão, consiste em citar nomes e fatos que reforçam as ideias defendidas pelo orador/pregador.
  18. 18. O SERMÃO  O Sermão da Sexagésima é dividido  em dez partes que podem, por sua  vez, ser encaixadas na divisão canônica  do texto argumentativo/ dissertativo:  introdução, desenvolvimento e conclusão
  19. 19. O SERMÃO  Na parte que se pode considerar como introdução, Vieira expõe o problema e se posiciona a respeito dele. O padre abre o sermão falando da dificuldade do semeador/ missionário (intertexto com a fábula do semeador, da Bíblia) que saiu do conforto e segurança de sua terra para pregar em terras distantes e selvagens.
  20. 20. O SERMÃO  Vieira compara a  semeadura do trigo com a pregação da palavra de Deus, que pode cair entre as pedras, entre os animais, ou os espinhos,  mas que, ainda assim, pode provocar mudanças. Os espinhos e as pedras representam os homens mais difíceis de converter e, para o padre, estes é que mais  precisam do esforço do pregador.
  21. 21. O SERMÃO  Em sua conclusão, Vieira faz um último alerta ao pregador/orador: o risco de dizer aquilo que ele julga ser agradável ao público em vez de dizer aquilo que precisa  ser realmente dito. Algumas verdades são duras, mas, ainda assim, precisam ser ditas.  O orador não deve ter medo de tocar em assuntos polêmicos, entretanto deve tomar o cuidado de não entrar em debate com o público, o que transformaria a palestra em discussão.
  22. 22. O SERMÃO  Vieira, de maneira tão criativa e poética, atribui a culpa toda e exclusivamente ao pregador: “por culpa nossa”, como ele mesmo afirma. Levando em consideração o esquema que construímos com base em suas analogias, inferimos que isso se deve ao fato de que os pregadores não estão mais convencendo seus ouvintes da veracidade de sua doutrina, seja por sua ilogicidade, seja por ser um discurso vazio, hipócrita, resumindo no “Fazei o que eu digo, mas não o que eu faço”.
  23. 23. REFERÊNCIAS LUZ, Leandro Alves Tadeu. A ARTE DA ORATÓRIA NO SERMÃO DA SEXAGÉSIMA: COMO O PADRE ANTôNIO VIEIRA NOS ENSINA A FALAR EM PÚBLICO MINISTÉRIO DA CULTURA. Sermões, Vieira. http://www.infoescola.com/religiao/sermao-da-sexagesima/  Slide organizado pela profª Ana Paula Carvalho  Cândido Sales, Bahia  Ano da Graça: 2015

×