DITADURAE MOVIMENTOS
SOCIAISNO BRASIL
Janaina Bilate
ESS/UNIRIO
Projeto: Cultura, Mídia e Direitos Humanos
MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS:
DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS
• Capital x Trabalho: lutas para assegurar os interesses das...
MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS:
DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS
• Reducionismo compreendermos apenas a ameaça de frear o ava...
MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS:
DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS
• Para Coutinho (2000), a ditadura-militar configura-se um d...
MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS:
DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS
•Neste cenário, há também que se considerar as propostas con...
LIBERDADE DE EXPRESSÃO X CENSURA:AS
LUTASPOR DEMOCRACIA
Podemme prender, podem me bater
Podematé deixar-me sem comer
Queeu...
• Marcelo Ridenti (2000) – nos aponta que grande parte dos intelectuais que
dirigiam a massa na perspectiva das possibilid...
• Celso Frederico - a classe operária face à ordem burguesa autoritária
encontrava-se desmobilizada e acuada.
• Foram os j...
• Na voz de Gianfrancesco Guarnieri, Vianninha, José Celso
Martinez Correa, José Renato, Augusto Boal, Chico Buarque, Mari...
• 1968 – o ano que não terminou (Zuenir Ventura) – destaca que as camadas da
população que estavam à frente do Movimento E...
O PARTIDOCOMUNISTABRASILEIRO –
DESTAQUEPARA A CULTURAE A LUTA
DEMOCRÁTICA
“ (…) Fato significativo é que, pela primeira ve...
AI – 5: 1968
• 1968 – movimentação política intensa por conta das manifestações artísticas e
do Movimento Estudantil. A pa...
Estudante Edson Luis
MOVIMENTOS PELA REDEMOCRATIZAÇ.ÃO
• Movimento Operário no ABCD Paulista – 1978 surge e difunde-se o novo
sindicalismo;
•19...
MOVIMENTOS PELA REDEMOCRATIZAÇ.ÃO
•1983 – greve dos petroleiros Brasil afora, logo apoiada por metalúrgicos do
ABCD;
•Cria...
QUE PAÍS É ESSE ? – LEGIÃO
Nas favelas, no senado
Sujeirapratodolado
Ninguémrespeita a Constituição
Mastodos acreditam no ...
REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS
COUTINHO, Carlos Nelson. Cultura e sociedade no Brasil. Belo Horizonte:
Oficina de Livros, 2000....
TESE DE DOUTORADO
BILATE MARTINS, Janaina. Teatro do Oprimido: a experiência de Santo
André/SP. Programa de Estudos Pós-Gr...
Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013
Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013
Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013
Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013
Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013

554 visualizações

Publicada em

Apresentação de Janaina Bilate no encontro sobre "Ditadura e Movimentos Sociais no Brasil", ocorrida no dia 03 de julho de 2013, promovida pela Universidade Federal do Estado do Rio de Janeiro - UNIRIO, no auditório do Centro de Ciências Exatas e Tecnologia - CCET.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
554
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
15
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
10
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Mesa Redonda Arquivo, Memória e Ditadura - Edição 2013

  1. 1. DITADURAE MOVIMENTOS SOCIAISNO BRASIL Janaina Bilate ESS/UNIRIO Projeto: Cultura, Mídia e Direitos Humanos
  2. 2. MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS: DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS • Capital x Trabalho: lutas para assegurar os interesses das classes; •Fins da década de 1950 e início da década de 1060 – período histórico de grande mobilização em nível internacional: Guerras Coloniais em Angola, Guiné e Moçambique; Revolução Cubana; a conquista da independência no Vietnam; as lutas dirigidas por Martin Lutherking por direitos cívicos dos negros; Movimento de Mulheres; a queda do Regime Apartheid; os Movimentos Estudantis em nível internacional; • Estratégia do grande capital para frear a efervescência das lutas nos anos 60 - aliar-se ao autoritarismo militar contra a ameaça comunista, mormente na América Latina.
  3. 3. MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS: DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS • Reducionismo compreendermos apenas a ameaça de frear o avanço do imperialismo em escala internacional como único motivo da emergência de uma contra-revolução preventiva no Brasil (Netto ,1991). • Capital monopolista nacional – conciliador de modernidade e arcaísmo – reforçando privilégios de grupos restritos da população brasileira e buscando impedir que as classes subalternas participassem efetivamente dos processos políticos decisórios. • A correlação de forças pré-golpe de 64 sinalizava para uma possível reordenação do modo de produção capitalista em nível de lógica de acumulação, no sentido da incorporação de demandas das classes subalternas porinstâncias estatais, visto a direção do governo João Goulart. •Havia possibilidades objetivas gestadas já na década anterior, fruto da iminência de uma das crises do modelo capitalista e da mobilização de forças democráticas vinculadas, em especial, às classes subalternas.
  4. 4. MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS: DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS • Para Coutinho (2000), a ditadura-militar configura-se um decisivo fator para a não democratização da cultura em âmbito nacional, de cunho nacional-popular. • O regime ditatorial-militar foi protagonista na passagem do capitalismo brasileiro para a era dos monopólios de Estado. •Isto desencadeou rebatimentos diretos na direção dos meios de comunicação de massa, passando estes a serem dominados pelos monopólios. “A televisão é o caso mais evidente. Mas o fenômeno se manifesta também emoutras áreas, como agrande imprensa, o cinema, etc.” (2000: 33)
  5. 5. MOVIMENTOS CONTRA-HEGEMÔNICOS: DETERMINANTES SÓCIO HISTÓRICOS •Neste cenário, há também que se considerar as propostas contra- hegemônicas no âmbito da indústria editorial, da imprensa alternativae do teatro engajado. •Estes organismos propulsores de cultura contribuíram para a resistência democrática face ao regime, ampliando os espaços de vocalização de demandas da sociedade civil, podendo resultar posteriormente em formas diretas de controle democrático da organizaçãoda cultura. •Para tal, os intelectuais orgânicos contra-hegemônicos dos anos 60, articulados diretamente às classes subalternas, desempenharam papel central neste processo de luta contra a ditadura militar.
  6. 6. LIBERDADE DE EXPRESSÃO X CENSURA:AS LUTASPOR DEMOCRACIA Podemme prender, podem me bater Podematé deixar-me sem comer Queeunão mudo de opinião. Daquido morro eunão saio não, Daquido morroeunão saio não. Senão tem água, eu furoum poço Senão tem carne, eucomproum ossoe ponho na sopa Edeixo andar,deixo andar Falede mim quem quiserfalar Aquieu nãopagoaluguel Seeu morreramanhã, seu doutor Estoupertinhodo céu
  7. 7. • Marcelo Ridenti (2000) – nos aponta que grande parte dos intelectuais que dirigiam a massa na perspectiva das possibilidades emancipatórias e de igualdade socioeconômica provinham das camadas médias a altas. • O operariado participava desta fase da realidade brasileira como sujeitos passíveis de potencialização de sua consciência crítica e de vocalização de suas demandas a partir do contato com estes intelectuais e sua arte. • É no decorrer na organização do movimento operários de fins de 60 e início de 70 que se começa a grande pressão pela abertura democrática. •Todavia, no âmbito cultural, os intelectuais à frente dos movimentos contra- hegemônicos nos anos 60 eram em grande parte das camadas médias. •Somente a partir dos anos 80, no processo da democratização, com a criação do PT, da CUT, do MST, dos movimentos populares,essa situação começaria a mudar.
  8. 8. • Celso Frederico - a classe operária face à ordem burguesa autoritária encontrava-se desmobilizada e acuada. • Foram os jovens intelectuais da classe média letrada e politizada que fertilizaram o terreno para a emersão de uma estrutura de produção e reprodução de bens culturais, núcleos da resistência à ditadura militar. A efervescência artística do pré-64, expressa no cinema novo, na bossa-nova, nos Centros Populares de Cultura, desdobrou-se, após o golpe, num amplo movimento de resistência cultural contra os novos governantes, a censura e o chamado "terrorismo cultural". A contestação inicial do regime foi feita basicamente pela intelligentsia radicalizada, num momento dramático em que a classe operária encontrava-se desmobilizada e sofrendo uma repressão que os donos do poder não ousavam estender para a classe média intelectualizada. É este o contexto de onde surgirá o aguerrido movimento estudantil que, a partir de 1966, ocupou as principais cidades do país, desafiando a ditadura. (FREDERICO, 2004)
  9. 9. • Na voz de Gianfrancesco Guarnieri, Vianninha, José Celso Martinez Correa, José Renato, Augusto Boal, Chico Buarque, Maria Betânea, Caetano Veloso, entre tantos outros é que as classes subalternas viam-se expressas culturalmente. • Marco na penetração da realidade brasileira nas artes: Eles não usam black-tie, de Guarnieri alcançou repercussão de grande monta. • A ação dramática do texto era centrada no operariado que vivenciava uma greve. No decorrer da história, o conflito se foca entre pai e filho com posições divergentes quanto à adesão ao movimento operário que dirigira uma greve.
  10. 10. • 1968 – o ano que não terminou (Zuenir Ventura) – destaca que as camadas da população que estavam à frente do Movimento Estudantil, que tinha como pares os artistas de teatro, cinema, literatura e televisão eram filhos de políticos, de advogados, de professores universitários, escritores. • Freqüentavam os bares da esquerda da moda: Antonio´s, Degrau, Jangadeiros, Zeppelin, Pizzaiollo, Varanda, todos situadas na Zona Sul do Rio de Janeiro, e não acessível ao proletariado. E naqueles tempos, Ipanema e Leblon – regiões com pessoas de alto poder aquisitivo – tinham a fama de ser o lócus concentrador da intelectualidade brasileira no Rio de Janeiro. Naqueles tempos, o trecho entre Ipanema e começo do Leblon tinha a reputação de pedaço mais inteligente e boêmio do Brasil. Personagens mitológicos como Vinicius de Morais, Tom Jobim, Carlinhos Oliveira, Chico Buarque podiam ser encontrados ali com a mesma freqüência com que outros, mais folclóricos, ou estavam ali, ou nos Chopinics, quadrinhos que Jaguar publicava diariamente no JB. Eram tipos que o talento do cartunista transformou em protótipos da angústia existencial de uma geração – a fossa, como se dizia – ou da curtição – como ainda não se dizia: os Hugo (Bidet e Carvana),oPaulo Góes, o Paulo Garcez,a Márcia,a Duda.(VENTURA,1988:47).
  11. 11. O PARTIDOCOMUNISTABRASILEIRO – DESTAQUEPARA A CULTURAE A LUTA DEMOCRÁTICA “ (…) Fato significativo é que, pela primeira vez, o Partido Comunista do Brasil, legalizado, torna-se um partido de massas; (…) Os sindicatos operários, embora continuassem atrelados à tutela do Ministério do Trabalho, começam a ter um peso crescente não só nas lutas econômicas, mas inclusive na vida política nacional. Também as camadas médias buscam formas de organização independentes, nos partidos e fora dos partidos: escritores, advogados, jornalistas criam associações para a defesa de seus interesses e de seus ideais. Tudo isso amplia o campo da organização material da cultura; uma ampla e muitas vezes fecunda batalha das idéias começa a ter lugar entre nós. Há um acentuado empenho social da intelectualidade, um maior comprometimento com as causas populares e nacionais.” (COUTINHO, 2000: 30)
  12. 12. AI – 5: 1968 • 1968 – movimentação política intensa por conta das manifestações artísticas e do Movimento Estudantil. A participação política e as manifestações contra o regime ganhavam força principalmentenas universidades; • Congresso da Une no interior de São Paulo; •Na música - músicas que revelam questionamentos e denuncias acerca do Regime, e que trava uma batalha de idieias na disputa pelo retorno á democracia.E, contraditoriamente, as que o legitimavam; • Destaque para as músicas: Opinião, de 1964, Disparada, de 1966, Carcará, de 1966, Roda Viva, de 1967, Gente Humilde, de 1969, Pra não dizer que não falei de flores, 1968.;Tropicália, 1968;Geléia Geral, 1968 • No teatro, a I Fera Paulista de Opinião, realizada no e direcionada pelo grupo do Teatro de Arena, teve como tema norteador “Que pensa você do Brasil de hoje?”. Destaque Augusto Boal.
  13. 13. Estudante Edson Luis
  14. 14. MOVIMENTOS PELA REDEMOCRATIZAÇ.ÃO • Movimento Operário no ABCD Paulista – 1978 surge e difunde-se o novo sindicalismo; •1979 – Greves no ABCD paulista duramente reprimidas – o governo intervém em 3 sindicatos; •429 greves ao longo do ano; •UNE é recriada no Encontro Nacional dos Estudantes em Salvador; •Nova Lei Orgânica dos Partidos (fim do bipartidarismo); •1980 – repressão brutal às greves do ABCD; •46 atos terroristas de direita ao longo do ano; •Fundam-se PT, PDT, PMDB, PP, PTB, PDS; •Proibida a festa do jornal Voz da Unidade do PCB; •1981 – atentado ao Rio Centro; •Circo Voador é inaugurado no Arpoador; •1982– eleições para governadores; IV congresso do PCB;
  15. 15. MOVIMENTOS PELA REDEMOCRATIZAÇ.ÃO •1983 – greve dos petroleiros Brasil afora, logo apoiada por metalúrgicos do ABCD; •Criação da CUT; •Greve Geral com adesão sobretudo em São Paulo; •Milton Nascimento e Wagner Tiso lançam Coração de Estudante; •1984– campanha Diretas Já; •Oscar Niemeyerprojeta o Sambódromo; •Eleições indiretas, elegendo Tancredo Neves, que não assume e em 15/01/1985 Sarney,seu vice, o faz. •1985:iniciava-se a Nova República; •1988– Constituinte e votação da nova Constituição; •Queda da Censura, a 03/08/1988.
  16. 16. QUE PAÍS É ESSE ? – LEGIÃO Nas favelas, no senado Sujeirapratodolado Ninguémrespeita a Constituição Mastodos acreditam no futuro da nação Quepaís é esse ? Quepaís é esse ? Quepaís é esse ?
  17. 17. REFERÊNCIASBIBLIOGRÁFICAS COUTINHO, Carlos Nelson. Cultura e sociedade no Brasil. Belo Horizonte: Oficina de Livros, 2000. GRAMSCI, Antonio. Quaderni del Carcere. Edizione critica dell’Istituto Gramsci.Prima Edizione. Torino: Einaudi Editore, 1975. NETTO, José Paulo. Ditadura e Serviço Social: uma análise do Serviço Social no Brasilpós-64.São Paulo: Cortez, 1991.
  18. 18. TESE DE DOUTORADO BILATE MARTINS, Janaina. Teatro do Oprimido: a experiência de Santo André/SP. Programa de Estudos Pós-Graduados em Serviço Social. PUC/SP 2009. Email: janainabilate@hotmail.com

×