Aula III A psicologia hospitalar e a

7.492 visualizações

Publicada em

A escuta como forma de cuidado com a subjetividade.

0 comentários
7 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.492
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
238
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
303
Comentários
0
Gostaram
7
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Aula III A psicologia hospitalar e a

  1. 1. Aula III - A Psicologia Hospitalar e aEscuta como Forma de Cuidado com a Subjetividade Saber ouvir, Subjetividade e Humanização
  2. 2. Aula III - Conteúdo Tópico Conceito de Psicologia Hospitalar Aspectos Subjetivos do Adoecimento A Filosofia da Psicologia Hospitalar Cuidados Psicológicos no Hospital O Psicólogo no Hospital Saber Ouvir: O caminho da empatia Escuta e Humanização REFERÊNCIA BIBLIOGRÁFICA: “MANUAL DE PSICOLOGIA HOSPITALAR: O MAPA DA DOENÇA”, CAPÍTULO INTRODUTÓRIO, ALFREDO SIMONETTI, DISPONÍVEL NA INTERNET E NA XEROX SUGESTÃO CINEMATOGRÁFICA: DOCUMENTÁRIO “SOLITÁRIO ANÔNIMO”, DE JÚLIA DINIZ, DISPONÍVEL NO YOUTUBE
  3. 3.  A Psicologia Hospitalar é o campo de entendimento & tratamento dos aspectos psicológicos em torno do adoecimento.
  4. 4. Aspectos Psicológicos doAdoecimento: Aspectos Psicológicos é o nome que damos para as manifestações da subjetividade humana diante da doença, tais como sentimentos, desejos, a fala, os pensamentos e comportamentos, as fantasias e lembranças, as crenças, os sonhos , os conflitos, os estilos de vida e o estilo de adoecer. Estes aspectos estão por todas as partes, como um atmosfera a envolver a doença, como desencadeador do processo patogênico, como fator de manutenção do adoecimento, ou ainda, como consequência desse adoecimento. Neste sentido, toda doença é psicossomática, ou seja, envolve o corpo e a “alma”. “Psíquico”: Relativo à alma “Somático”: Relativo ao corpo
  5. 5. Aspectos Psicológicos doAdoecimento: O adoecimento se dá quando um sujeito carregado de subjetividade esbarra num “real”, de natureza patológica, denominado “doença”, presente em seu próprio corpo, produzindo uma infinidade de aspectos psicológicos que podem se evidenciar no paciente, na sua família, ou na própria equipe de profissionais. Hoje, tanto a medicina quanto a psicologia concordam que a doença é uma fenômeno bastante complexo, comportando várias dimensões: biológica, psicológica e cultural. A Psicologia Hospitalar enfatiza a parte psíquica, mas não diz que a outra parte não é importante. Pelo contrário, perguntará sempre qual a reação psíquica do sujeito diante desse “real” da doença, fazendo disso seu material de trabalho.
  6. 6. Aspectos Psicológicos doadoecimento: Perdas O adoecimento é antes de tudo uma situação de perdas: - perde-se saúde, - perde-se dinheiro, - perde-se autonomia, - perde-se tempo - perde-se, muitas vezes, a própria vida - perde-se a própria imagem ( no caso das doenças desfigurantes)
  7. 7. Aspectos Psicológicos doAdoecimento: Ganhos Um olhar mais atento mostra que o adoecimento algumas vezes envolve também alguns ganhos: - ganha-se a atenção das pessoas - ganha-se o cuidado das pessoas - ganha-se o direito de não trabalhar -ganha-se autocomiseração - ganha-se desculpas genuínas para explicar dificuldades existenciais, profiossonais e amorosas
  8. 8. Aspectos Psicológicos doAdoecimento:“Adoecer é como entrar em órbita. A doença é um evento que se instala de forma tão central na vida da pessoa que tudo mais perde importância, ou então passa a girar em torno dela, numa espécie de órbita que apresenta quatro posições principais: negação, revolta, depressão, enfrentamento”
  9. 9. A Filosofia da Psicologia Hospitalar: Aescuta como essência do fazer clínico: “Na Grécia antiga havia dois tipos de médicos, os que cuidavam dos cidadãos gregos e os que cuidavam dos escravos. Como os escravos eram oriundos de outras nações, não falavam o idioma grego, os médicos que cuidavam deles foram perdendo o hábito de conversar com esses pacientes. Não adiantaria mesmo, e, não sendo possível comunicação, apenas os examinavam e os medicavam. Já os médicos que cuidavam de seus compatriotas gregos costumavam conversar muito com eles, e, como para conversar com as pessoas doentes é preciso se inclinar um pouco sobre o leito, eles começaram a ser conhecidos como os médicos que se inclinavam, do grego, inclinare, e disso nasceu o termo atual “clínica”. Desde então, a atitude de escuta está associada à essência do fazer clinico, seja dos médicos, dos psicólogos ou dos enfermeiros.
  10. 10. A Filosofia da Psicologia Hospitalar:Humanização A Psicologia Hospitalar vem se desenvolvendo no âmbito de um novo paradigma epistemológico que busca uma visão mais ampla do ser humano e privilegia a articulação entre diferentes formas de conhecimento. A consequência clinica mais importante dessa visão é de que “em vez de doenças, existem doentes” (Perestello, 1989) Hoje em dia, o que mais se espera da medicina e da ciência, não é o desenvolvimento tecnológico, pois nesse campo, felizmente, estamos bem avançados. O que mais se quer é a humanização da medicina.
  11. 11. Psicologia Hospitalar e Humanização A contribuição mais importante da psicologia para a humanização do hospital é que ela abre espaço para a subjetividade do paciente. Lembrando que, embora o psicólogo seja um especialista na subjetividade humana, cuidar dos aspectos subjetivos do adoecimento do paciente não é uma tarefa exclusiva deste profissional. Sigmund Freud, por exemplo, costumava definir “cuidados psicológicos” como o cuidado que qualquer indivíduo presta ao outro a partir de sua simples presença como pessoa. Nesse sentido, para cuidar de uma pessoa, basta apenas ser outra pessoa.
  12. 12. Psicologia e Medicina: Um contraste No terreno da subjetividade, a relação entre Psicologia eMedicina é de uma antinomia radical: enquanto uma faz dasubjetividade o seu foco, a segunda, a medicina científica, exclui asubjetividade de seu campo epistêmico de uma forma sistemática,tendo como ideal uma suposta visão objetiva do adoecimento.Acaba por excluir a subjetividade tanto do paciente como domédico. O problema dessa visão objetiva, é que o excluído nateoria sempre retorna com toda a força na prática da clínicamédica: “onde assistimos, na relação concreta, médico-paciente,uma verdadeira enxurrada de emoções, sentimentos, fantasias edesejos – de ambos - que, por não terem amparo teórico, sãonegados e escamoteados, mas nem por isso deixam deinfluir”(Moretto, 2001). Agir como se não a subjetividade não existisse não a fazdesaparecer.
  13. 13. Psicologia e Humanização A Psicologia Hospitalar está interessada mesmo em dar voz à subjetividade do paciente, restituindo-lhe o lugar de sujeito que a medicina lhe afasta (Moretto, 2001).  É importante lembrar que a psicologia não estabelece uma meta ideal para o paciente alcançar, mas apenas aciona o processo de elaboração simbólica do adoecimento. Ela se propõe a ajudar o paciente a fazer o processo de elaboração simbólica do adoecimento. Ela se propõe a ajudar o paciente a fazer a travessia da experiência do adoecimento, mas não diz onde essa travessia vai dar, e não diz porque não pode, não diz porque não sabe. O destino do sintoma depende de muitas variáveis, do real biológico, do inconsciente, das circunstâncias, etc. O Psicólogo Hospitalar (ou outros profissionais cuidadores) devem participar dessa travessia como ouvintes privilegiados, não como guias.
  14. 14. O Valor da Escuta Há um aforismo hipocrático que diz: “curar sempre que possível, aliviar quase sempre, consolar sempre” A medicina tentou por muitos séculos esvaziar o paciente de sua subjetividade, e a psicologia se especializou em mergulhar nessa mesma subjetividade, acreditando que “mais fácil do que secar o mar, é aprender a navegar”. A Psicologia não se interessa pelo real da doença, disso se ocupam os médicos. A Psicologia se interessa pelo significado que o paciente confere à doença, pelo sentido e pelo impacto que essa doença traz à sua vida como um todo. Suprimidos os sintomas e eliminadas as causas da doença, ainda permanecem a angústia, o trauma, as desilusões os medos, as consequências reais e imaginárias, ou seja, as marcas da doença. Mesmo no trabalho bem sucedido de cura, muitas coisas ficam, resistem, tanto no curado como no doente. A P.H quer tratar dessas marcas.
  15. 15. Mas, o psicólogo só conversa? Sim, o psicólogo trabalha apenas com a palavra, mas, ocorre que a “conversa” oferecida pelo psicólogo não é um “só isso”, pelo contrário, é muito “mais que isso”, ela aponta para um “além disso” embutido nas palavras. Paciente e psicólogo conversam e essa tal conversa é a porta de entrada para um mundo de significados e sentidos. O que interessa o psicólogo não é a doença em si, mas a relação que o doente tem com seu sintoma, o que o paciente faz com a sua doença, o significado que ele confere, e a isso, só se chega pela linguagem, pelas palavras.  E, mesmo quando o paciente encontra-se impossibilitado de falar, existem signos não verbais com valor de palavra, como gestos, olhares, a escrita, e mesmo o silêncio. E quem não fala é falado.
  16. 16. Quem ouve o paciente? No hospital, geralmente, há muita gente querendo dizer ao paciente o que ele deve fazer, querendo estimulá-lo, aconselhá-lo, mas não há ninguém querendo escutá-lo. Ocorre que é muito angustiante ouvir o que uma pessoa doente tem a dizer, são temores, dores, revoltas, fantasias, expectativas que mobilizam muitas emoções no ouvinte. Diante disso, a maioria dos profissionais, a família e os amigos, por não suportarem ver o paciente angustiado, não conseguem lhes prestar esse serviço e querem logo apagar, negar, destruir, ou mesmo encobrir a angústia. Mas a angústia não se resolve, ela se dissolve em palavras.

×