Normas iesa

293 visualizações

Publicada em

manual de normas de monografia

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
293
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Normas iesa

  1. 1. AULA MONOGRAFIA 05.08.2011 CALENDÁRIO PROGRAMA DE MONOGRAFIAS DIREITO 2011 04-03-2011 Conferência lista de orientadores e ajustes. 09-03-2011 Último prazo para protocolo do projeto (02 vias). 29-04-2011 Entrega do 1º cap. da monografia - 01 via para a Coordenação do Programa c/ assinatura do prof. Orientador . 17-06-2011 Entrega do 2º cap. da monografia - 01 via para a Coordenação do Programa c/assinatura do prof. orientador. 19-08-2011 Entrega do 3º cap. da monografia - 01 via para a Coordenação do Programa c/assinatura do prof. orientador. 19-08 a 09-09- 2011 Período para finalização – resumo, introdução, conclusão. 09-09 a 14-10- 2011 Prazo para protocolo da Monografia. Entrega de 04 vias e ficha de acompanhamento assinada pelo professor orientador. 16-09-2011 a 02-12-2011 Período de realização das bancas.
  2. 2. • O roteiro da monografia e a sua apresentação gráfica deverão estar em conformidade com as normas adotadas pelo IESA. • É obrigatória a revisão de português da versão final do TCC. • O corpo da monografia deverá conter no mínimo 30 e no máximo 80 páginas de texto escrito. • Constatado plágio em qualquer um dos capítulos o acadêmico estará automaticamente reprovado. • Cabe ao acadêmico entregar 04 cópias encadernadas da versão final da monografia à Coordenadoria, conforme calendário. • Não será aceito protocolo após o término do prazo final de entrega. • As cópias da monografia deverão estar devidamente visadas pelo orientador, instruídas da ficha de acompanhamento. • A avaliação da disciplina de Monografia I será feita pelo professor orientador com base no processo de escrita do Projeto, primeiro e segundo capítulos da monografia. • A avaliação da disciplina de Monografia II tem por base a versão final da monografia e a sua apresentação à banca examinadora.
  3. 3. Capítulo VI DA MONOGRAFIA Art. 16 - A monografia final para conclusão do curso, elaborada sob critérios técnico-científicos, não deve reproduzir meras transcrições, cópias ou colagens restritas à leitura de manuais e acervos de jurisprudência, mas representar e possibilitar ao aluno o exercício da crítica teórica, qualificando a formação do futuro profissional do Direito. § 1º - No seu conteúdo, a monografia deve refletir e representar, ainda, a vinculação direta do seu tema com a ciência jurídica e social, pela sua inserção nas áreas de conhecimento jurídico identificadas pelas disciplinas constantes do currículo pleno do curso. Art. 17 - A monografia deve ser elaborada, em sua estrutura formal, dentro dos critérios técnicos estabelecidos nas normas específicas sobre a matéria, não sendo admitida a apresentação pública de trabalho que não atenda às referidas normas. Art. 18 - O corpo do trabalho deve conter no mínimo 30 (trinta) e no máximo 80 (oitenta) páginas de texto escrito. § 1º - No cômputo do número de páginas da monografia, não devem ser incluídas páginas contendo ilustrações, tabelas, gráficos, anexos e similares, embora integrantes do trabalho monográfico. § 2º - Monografia que extrapole o limite de páginas previsto neste artigo será considerada em caráter excepcional e deve, para sua apresentação, ter aprovação antecipada do professor orientador. § 3º - As cópias da monografia devem conter a assinatura do aluno autor e do professor orientador. § 4º - As cópias da monografia devem ser entregues na Secretaria da Coordenadoria pelo seu autor, até a data estabelecida pela Coordenadoria no calendário anual, devendo o coordenador providenciar o seu imediato encaminhamento aos integrantes das bancas examinadoras, para os fins devidos. § 5º - As cópias da monografia, em número de 3 (três), referidas no art.13, inciso VII, terão a seguinte destinação: a - uma para o professor orientador;
  4. 4. b - uma para cada um dos demais integrantes da banca examinadora; § 6º após a apresentação, com as correções sugeridas pela banca, o aluno deverá entregar no prazo de 15 dias, uma cópia para a Coordenadoria que a encaminhará para acervo da Biblioteca.
  5. 5. ESTRUTURA DA MONOGRAFIA Estrutura Elementos PRÉ-TEXTUAIS Capa (obrigatório) Folha de rosto (obrigatório) Errata (opcional) Folha de aprovação (obrigatório) Dedicatória (opcional) Agradecimento(s) (opcional) Epígrafe (opcional) Resumo na língua vernácula (obrigatório) Sumário (obrigatório) TEXTUAIS Introdução Desenvolvimento Conclusão PÓS-TEXTUAIS Referências (obrigatório) Apêndice(s) (opcional) Anexo(s) (opcional)
  6. 6. FOLHA DE APROVAÇÃO A folha de aprovação deve conter os seguintes dados: A) Nome do autor do trabalho B) Título e subtítulo C) Natureza do trabalho D) Nome da instituição E) Nome do curso F) Nome dos componentes da banca examinadora
  7. 7. (MODELO FOLHA DE APROVAÇÃO) TATIANE ROCHA DA SILVA (5 cm borda) O DIREITO À IGUALDADE E O DIREITO À DIFERENÇA DAS PESSOAS COM DEFICIÊNCIA (14cm borda) Monografia de Conclusão de Curso de Graduação para a obtenção do título de bacharel em direito realizada no Instituto Cenecista de Ensino Superior de Santo Ângelo – IESA, curso de Direito. (18 cm borda) A banca avaliadora, abaixo assinada, aprova o Trabalho de Conclusão: ______________________________________ Professor Orientador: Doglas Cesar Lucas - IESA __________________________________________ Professor Examinador: Carlos Alberto Ely Fontela - IESA __________________________________________ Professor Examinador: José Lauri Bueno de Jesus – IESA Santo Ângelo, .... de ................. 2011
  8. 8. RESUMO: É a apresentação concisa do texto, destacando seus aspectos de maior relevância. Na elaboração do resumo devem ser considerados os seguintes aspectos: • expressar na primeira frase o tema tratado; • ressaltar o objetivo, o método, os resultados e as conclusões do trabalho; • apresentar um roteiro de desenvolvimento do tema; • deve ser redigido num único parágrafo, em entrelinhamento menor; • redigir com frases completas e não com seqüência de títulos; • evitar o uso de citações bibliográficas; • dar preferência ao uso da terceira pessoa e verbos na voz ativa; • conter, no máximo 500 palavras, espaçamento simples, tamanho da fonte 12; com parágrafo justificado, sem recuo.
  9. 9. RESUMO O estudo apresentado procura descrever o processo de trabalho do assistente social no âmbito do poder judiciário, especificamente nos processos judiciais de destituição do poder familiar. Trata-se de uma pesquisa científica realizada no Fórum Judicial da Comarca de Campo Grande e no Tribunal de Justiça do Estado do Mato Grosso do Sul, com base em pesquisa documental e na metodologia de análise de conteúdo. Por meio dela, contatou-se que o Serviço Social, como um saber e atuação especializados dentro da divisão sócio-técnica do trabalho, tem o seu espaço legitimado no Poder Judiciário, dando suporte às decisões judiciais. No entanto, as sua intervenção, ao atender prioritariamente a demanda institucional, contribui para as relações de dominação exercidas na sociedade capitalista burguesa, em detrimento do projeto ético-político profissional do Serviço Social. A análise de processos judiciais propiciou, ainda, o conhecimento dos trâmites judiciais e a constatação dos procedimentos que violaram direitos garantidos na legislação, que poderiam anular as sentenças judiciais.
  10. 10. RESUMO O presente trabalho trata sobre a filiação socioafetiva no direito brasileiro e a (im)possibilidade de sua desconstituição. Tem por objetivo investigar as possibilidades da desconstituição depois de construída uma relação socioafetiva se a ela sobrevier a alteração das condições fáticas que lhe deram nascimento. Para tanto, apresentou-se o contexto histórico da família e a relação com a filiação, analisando-se o paradigma da filiação biológica e socioafetiva. O método de estudo foi de pesquisa qualitativa e bibliográfica, buscando primordialmente analisar as fontes de pesquisa que versem sobre a filiação no direito brasileiro, como livros, artigos, teses, dissertações. Os resultados do estudo denotam que adotando a teoria de direitos da personalidade, tem-se que a mesma vem a fornecer os fundamentos necessários para se afirmar a impossibilidade de desconstituição da filiação socioafetiva.
  11. 11. RESUMO A crise de paradigma da ciência moderna e a abertura para novas tendências epistemológicas na área da pesquisa social é o tema proposto para esta discussão, evidenciando-se as suas implicações no campo da pesquisa acadêmica. A reflexão objetiva contribuir para a superação da tradição positivista ou essencialmente representacionista do conhecimento, e situar o objeto da pesquisa jurídica numa perspectiva de construção que se constitui das e nas práticas discursivas. A discussão apresentada leva a concluir que a abordagem qualitativa do objeto e uma postura investigativa hermenêutica despontam como alternativas na área da pesquisa social e jurídica, mais especificamente. Infere-se, ainda, com base no estudo realizado, que tal concepção de pesquisa articulada ao processo ensino-aprendizagem no ensino superior abre espaço para a interdisciplinaridade, para o diálogo e a escuta do outro (texto, fato, linguagem, cultura, objeto, tradição).No lugar da simples transmissão de conhecimento, novas redes de significações e a singularização do sujeito aprendente. O estudo foi realizado com base em pesquisa bibliográfica.
  12. 12. INTRODUÇÃO Título não enumerado, centralizado, a 8 cm da margem superior. Na introdução apresenta-se o tema contextualizado, o problema da pesquisa, o enunciado da hipótese, justificativa, o enfoque de cada capítulo, metodologia da pesquisa e informações bibliográficas. - intermináveis retrospectos históricos; - apresentação precipitada dos resultados; - discursos grandiloqüentes. Deve ser sintética e é a última parte a ser escrita do trabalho.
  13. 13. DESENVOLVIMENTO 1 SEÇÃO PRIMÁRIA – MAIÚSCULO E NEGRITO 1.1 SEÇÃO SECUNDÁRIA – SÓ MAIÚSCULO 1.1.1 Seção terciária – Minúsculo e negrito 1.1.1.1 Seção Quaternária – Minúsculo e normal 1.1.1.1.1 Seção quinária – Minúsculo e itálico Todos os títulos de seções devem manter o mesmo tamanho da letra utilizada no texto. Deixa-se uma linha em branco entre os títulos das seções e os textos anterior e posterior.
  14. 14. CONCLUSÃO Título não enumerado, centralizado, a 8 cm da margem superior. Na conclusão responde-se o problema da pesquisa. Resgata-se a questão-problema que desencadeou o estudo e apresenta-se em breve resumo dos capítulos para então oferecer a resposta à pergunta/problema. Devem ser evitadas citações na conclusão. São as inferências possíveis de fazer a partir do estudo realizado, podendo-se fazer sugestões de novas questões-problema.
  15. 15. REFERÊNCIAS Identificação das obras efetivamente citadas no texto, rigorosamente conforme NBR 6023-2002 – ABNT. Devem ser alinhadas à margem esquerda, digitadas em espaçamento simples e separadas entre si por uma linha em branco. APÊNDICES (OPCIONAL) Trata-se de um documento elaborado pelo autor do trabalho. Os apêndices são identificados por letras maiúsculas consecutivas, seguidas de um travessão e o respectivo título. Pode ser feito numa folha anterior, centralizando-se o título do apêndice na extensão da folha. Sua paginação é progressiva e deve dar seguimento à do trabalho.
  16. 16. ANEXOS (OPCIONAL) São suportes para fundamentação, comprovação, elucidação e ilustração do texto. São elementos não elaborados pelo autor. Sua paginação é progressiva e deve dar seguimento à do trabalho. A identificação dos anexos deve ser feita com letras maiúsculas e não com algarismos, seguida de travessão e título, centralizado na extensão da folha.
  17. 17. APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA À BANCA EXAMINADORA APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA - A monografia será apresentada pelo aluno perante banca examinadora, em sessão pública, em local, data e horário marcados e divulgados com antecedência. - A apresentação da monografia deverá ser feita oralmente, dentro de um prazo de 10 a 15 minutos, e, após a exposição, a banca examinadora disporá de no mínimo 15 minutos para fazer as argüições que julgar necessárias, dispondo o discente de idêntico tempo para responder os questionamentos. - Durante a apresentação oral da sua monografia, bem como para responder as argüições que lhe dirigir a Banca Examinadora, o aluno poderá valer-se do próprio texto da monografia, da bibliografia de que se serviu para embasa-la ou de anotações subsidiárias, se assim julgar necessário, sendo vedada, entretanto, a simples e direta leitura da monografia, o que representará a atribuição, pela banca, de nota final “zero” para defesa e apresentação da monografia. - Cada integrante da Banca Examinadora atribuirá ao examinado, fazendo uso da respectiva Planilha de Avaliação, uma nota inteira, graduada de zero a dez, no aspecto Monografia Escrita e apresentação e defesa oral. - Será considerado aprovado o aluno que atingir a nota final igual ou superior a 5 (cinco).
  18. 18. - O aluno que não cumprir as etapas necessárias ao planejamento, elaboração, redação e apresentação de seu trabalho, além da presença em 75% das aulas, reuniões e contatos marcados pelo professor orientador ou pelo coordenador, não será admitida a apresentação da monografia de conclusão de curso, devendo repetir, na forma de dependência, todo o processo. - Não há recuperação de nota atribuída à monografia, sendo a reprovação, nos casos em que houver, definitiva. - Se reprovado, fica a critério do aluno repetir ou não o mesmo tema de monografia, com o mesmo orientador, visando ao cumprimento dessa disciplina. - A reprovação implica o aluno cursar, no ano letivo seguinte, regularmente a disciplina de Monografia, na qualidade de dependente da mesma, para efeitos de conclusão de curso. Art. 19 - A banca examinadora é composta pelo professor orientador, que a preside, e por outros dois membros designados pela Coordenadoria, ad referendum do coordenador do curso de direito, por indicação ou não do orientador, dos quais pelo menos um deve ser integrante do corpo docente da Instituição. § 1º - Pode integrar a banca examinadora profissional de nível superior que exerça atividades afins com o tema da monografia, cabendo a indicação ao professor orientador, que deve informar, com a necessária antecedência o nome desse profissional à Coordenadoria, para os fins devidos. § 2º - Quando da designação da banca examinadora, poderá também ser indicado um membro suplente, encarregado de substituir qualquer dos titulares em caso de impedimento ou ausência. § 3º - A banca examinadora somente pode executar seus trabalhos quando presentes todos os seus membros. § 4º - Todos os professores integrantes do corpo docente podem e devem participar de banca examinadora, sempre que indicados pelo orientador ou
  19. 19. designados pela Coordenadoria, constituindo-se essa atividade dever inerente ao exercício da docência. § 5º - A data da apresentação oral de monografia será definida pela Coordenadoria, cabendo a esta providenciar oportunamente o estabelecimento de local e horário para as sessões de apresentação da monografia, dando conhecimento aos integrantes das bancas examinadoras, aos alunos e ao público em geral, pela fixação de comunicado oficial no quadro de avisos da Instituição. Capítulo VIII DA APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA Art. 20 - A monografia será apresentada pelo aluno perante banca examinadora, em sessão pública, em local, data e horário para tanto marcados e divulgados com antecedência. § 1º - A apresentação da monografia deverá ser feita oralmente, dentro de um tempo de 10 (dez) a 15 (quinze) minutos, e, após a exposição, cada componente da banca disporá de 05 (CINCO) minutos para fazer as arguições que julgar necessárias, dispondo o discente de idêntico tempo para responder a cada questionamento. § 2º - Durante a apresentação oral da sua monografia, bem como para responder as arguições que lhe dirigir a Banca Examinadora, o aluno poderá valer-se do próprio texto da monografia, da bibliografia de que se serviu para embasá-la ou de anotações subsidiárias, se assim julgar necessário, sendo vedada, entretanto, a simples e direta leitura da monografia, o que representará a atribuição, pela banca, de nota final “zero” para a apresentação da monografia. § 3º - Cada integrante da Banca Examinadora atribuirá ao examinando, fazendo uso da respectiva Planilha de Avaliação, nota múltipla de cinco, graduada de zero a dez, nos aspecto (I) Monografia Escrita e (II) Apresentação e Defesa Oral, observando os seguintes critérios, respectivamente: I - Monografia Escrita a - Adequação e qualidade do projeto de pesquisa apresentado;
  20. 20. b - pertinência do tema aos programas do curso e ao estado da arte da disciplina objeto da pesquisa; c - adequação, atualidade e qualidade da abordagem teórica desenvolvida; d - assimilação dos textos lidos e dos aspectos conceituais envolvidos na abordagem teórica; e - adequação e qualidade da aplicação dos conceitos teóricos ao(s) caso(s) específico(s) analisados(s) e/ou a correta correlação dos dados estatísticos levantados aos aspectos conceituais trabalhados na monografia; f - apresentação estruturada própria do trabalho monográfico; g - atendimento aos padrões de apresentação de trabalhos monográficos; h - nível de coesão e da estrutura lógica da exposição/argumentação presente no texto; i - atendimento às normas da gramática da língua padrão na modalidade de linguagem escrita; j - atingimento do (s) objetivo (s) proposto (s) no projeto de pesquisa que orientou o desenvolvimento do trabalho monográfico. II - Apresentação e defesa oral a - Adequação e qualidade da apresentação ao tema estudado e aos objetivos a que se propunha a pesquisa desenvolvida; b - nível de segurança na exposição da fundamentação teórica do trabalho monográfico; c - nível de segurança na exposição e na correlação entre os dados estatísticos e o(s) caso(s) estudado(s) com a fundamentação teórica; d - demonstração da assimilação dos textos lidos para a execução da monografia; e - nível de qualidade da estruturação da exposição/argumentação inicial; f - capacidade de demonstração do atingimento dos objetivos propostos no projeto de pesquisa proposto; g - nível de capacidade de compreensão das questões levantadas pela Banca Examinadora; h - nível de qualidade e segurança nas respostas dadas às questões levantadas pela Banca Examinadora;
  21. 21. i - nível geral de coesão e da estrutura lógica presentes na apresentação e nas respostas às questões levantadas pela Banca Examinadora; j - atendimento às normas da gramática da língua padrão na modalidade de língua falada. § 4º - Ao final dos trabalhos da banca examinadora, cabe aos examinadores o registro da nota de cada aspecto na respectiva ficha de avaliação, procedimento após o qual o professor-orientador providenciará no estabelecimento da nota final do examinando, preenchendo a planilha-resumo, fazendo uso dos seguintes critérios e pesos: a - registrará nos campos MONOGRAFIA ESCRITA e APRESENTAÇÃO ORAL a média aritmética das notas atribuídas pelos Examinadores; b - aplicará o peso 1 (um) para o campo MONOGRAFIA ESCRITA e o peso 1 (1) para o campo APRESENTAÇÃO ORAL; c - calculará a nota final do Examinando, correspondente à média aritmética dos totais obtidos conforme “b”, registrando-a no espaço competente declarando, ainda, a aprovação ou reprovação do examinando. § 5º - Será considerando aprovado o aluno que atingir a nota final igual ou superior a 5,0 (cinco, zero). § 6º - Cabe aos demais professores integrantes da banca examinadora conferirem os registros e os cálculos, após o que os examinadores assinarão a Planilha-resumo, a qual terá o valor de Ata dos procedimentos ocorridos. § 7º - Concluído o processo avaliativo, a documentação resultante será entregue à Secretaria da Faculdade, a quem cabe a divulgação do resultado obtido pelos examinados. § 8º - Ao aluno que não cumprir as etapas necessárias ao planejamento, elaboração, redação e apresentação de seu trabalho, além da presença em 75% das aulas, reuniões e contatos marcados pelo professor orientador ou pelo coordenador, não será admitida a apresentação de monografia de conclusão de curso, devendo repetir, na forma de dependência, todo o processo. Art. 21 - Não há recuperação de nota atribuída à monografia, sendo a reprovação, nos casos em que houver, definitiva.
  22. 22. Parágrafo único - Se reprovado, fica a critério do aluno repetir ou não o mesmo tema de monografia, com o mesmo orientador, visando ao cumprimento dessa disciplina no ano letivo seguinte. Art. 22 - Ao aluno reprovado é vedado repetir a apresentação oral da mesma ou de nova monografia, por qualquer que seja o motivo ou alegação, dentro do mesmo ano letivo em que ocorreu a reprovação. Parágrafo único - A reprovação implica o aluno cumprir, no ano letivo seguinte, todas as exigências deste Regulamento, cursando regularmente a disciplina de Monografia, na qualidade de dependente da mesma, para efeitos de conclusão do curso.
  23. 23. ROTEIRO PARA A APRESENTAÇÃO DA MONOGRAFIA Cumprimentar a banca examinadora e o público presente ANUNCIAR: - O tema da pesquisa/ objeto da investigação - Problema/hipótese - Objetivo Geral - Justificativa - Plano de desenvolvimento (apenas fazer referência ao título de cada capítulo) - Método de pesquisa APRESENTAÇÃO DOS CAPÍTULOS Em relação a cada capítulo, apresentar o seu objetivo e os principais conceitos e idéias, dentro do quadro teórico da pesquisa. Não esquecer que todos os elementos devem ser apresentados numa seqüência lógica. CONSIDERAÇÕES FINAIS Retomar o problema respondendo-o objetivamente, fazendo as inferências que o estudo possibilita apresentar. Também acenar para a possibilidade de novas pesquisas na área, novas questões que a próprio trabalho realizado sugere. Agradecer e colocar-se à disposição para os questionamentos pela banca examinadora.

×