DIVERSIDADE NO PENSAMENTO DE FRIEDRICH ENGELS:  materialismo e natureza José Arnaldo dos Santos Ribeiro Junior NEPS/UFMA J...
1.  Considerações Iniciais: materialismo e natureza <ul><li>Dicotomia materialismo – idealismo. </li></ul><ul><li>Idealism...
<ul><li>Materialismo: Epicuro (341 a.C - 270 a.C), Francis Bacon (1561-1626), René Descartes (1595-1650), Karl Marx (1818-...
<ul><li>A história que se fazia na Alemanha era uma história das idéias. </li></ul><ul><li>Influencia de Hegel e dos neo-h...
3 Discutindo um “materialismo ecológico” <ul><li>Diversidade do materialismo </li></ul><ul><li>É possível um materialismo ...
Tópico II: discussão da relação entre espírito e matéria <ul><li>Crítica da alienação via religião </li></ul><ul><li>Exclu...
<ul><li>Idade Média progressista (Engels, 1982) </li></ul><ul><li>Inconsistência e preconceito do materialismo:  “O filist...
Tópicos III e IV <ul><li>Tópico III: Tentativa de Feuerbach de completar a religião (ENGELS, 1982); Deus cristão reflexo i...
CONSIDERAÇÕES FINAIS: Hermenêutica de uma ecologia relacional <ul><li>Debate entre idealismo e materialismo; </li></ul><ul...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação diversidade no pensamento de friedrich engels

991 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Apresentação diversidade no pensamento de friedrich engels

  1. 1. DIVERSIDADE NO PENSAMENTO DE FRIEDRICH ENGELS: materialismo e natureza José Arnaldo dos Santos Ribeiro Junior NEPS/UFMA Juscinaldo Goes Almeida NEPS/UFMA Thiers Fabrício Santos Tiers NEPS/UFMA Orientador: Prof. Marcelo de Sousa Araújo DEHIS/UFMA/NEPS
  2. 2. 1. Considerações Iniciais: materialismo e natureza <ul><li>Dicotomia materialismo – idealismo. </li></ul><ul><li>Idealismo: George Berkeley (1685-1753), George W. F. Hegel (1770-1831). </li></ul><ul><li>Idealismo hegeliano: dialética idealista, realidade como manifestação do Espírito </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Materialismo: Epicuro (341 a.C - 270 a.C), Francis Bacon (1561-1626), René Descartes (1595-1650), Karl Marx (1818-1883) e Friedrich Engels (1820-1895). </li></ul><ul><li>Materialismo em Epicuro: perspectiva de análise antiteleológica </li></ul><ul><li>Francis Bacon: tentativa de escapar à metafísica e do domínio da filosofia aristotélica e da escolástica (POLITZER, 1986). </li></ul><ul><li>Descartes: embrião do materialismo francês; crítica ao pretenso monopólio da verdade pela igreja (POLITZER, 1986). </li></ul><ul><li>Objetivo: analisar as contribuições materialistas e ecológicas presentes no pensamento de Friedrich Engels (1820-1895) na obra Ludwig Feuerbach e o fim da filosofia clássica alemã . </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A história que se fazia na Alemanha era uma história das idéias. </li></ul><ul><li>Influencia de Hegel e dos neo-hegelianos. </li></ul><ul><li>Segundo Marx e Engels o objetivo desses filósofos era superar o sistema hegeliano a partir da dialética. </li></ul><ul><li>A filosofia alemã à época, salvo o materialismo mecanicista de Ludwig Feuerbach, é uma “filosofia que desce do céu a terra”. </li></ul><ul><li>Ludwig Feuerbach (1804-1872) exerceu profunda influência no pensamento de Karl Marx e Friedrich Engels, pois para ambos representava o elo entre a filosofia hegeliana (expoente do idealismo alemão) e o materialismo histórico. </li></ul><ul><li>Feuerbach ao atacar a religião, o cristianismo, ataca a essência do homem alienado teologicamente. </li></ul><ul><li>Crítica de Marx a Feuerbach. </li></ul>2. Nota preliminar à crítica da doutrina Feuerbachiana
  5. 5. 3 Discutindo um “materialismo ecológico” <ul><li>Diversidade do materialismo </li></ul><ul><li>É possível um materialismo ecológico? </li></ul><ul><li>Tópico I: crítica ao sistema de Hegel </li></ul><ul><li>Interpretação idealista da Natureza em Hegel (Engels, 1982) </li></ul><ul><li>Resolução da contradição: Feuerbach, A essência do cristianismo (1841) </li></ul>
  6. 6. Tópico II: discussão da relação entre espírito e matéria <ul><li>Crítica da alienação via religião </li></ul><ul><li>Exclusivismo epistemológico da ciência </li></ul><ul><li>Noção de idolatria: mecanismo de coerção social, de repressão ideológica, que ofusque o processo de alienação; Ex: Igreja, Estado, mercadoria </li></ul><ul><li>Desenvolvimento do materialismo: ciências naturais e da indústria </li></ul><ul><li>Teoria da Evolução (Darwin) e Revolução Agrícola entre 1830-1880 (Liebig) </li></ul>
  7. 7. <ul><li>Idade Média progressista (Engels, 1982) </li></ul><ul><li>Inconsistência e preconceito do materialismo: “O filisteu entende por materialismo o comer e o beber sem medida, a cobiça, o prazer da carne, a vida faustosa, a ânsia do dinheiro, a avareza, a sede do lucro e as especulações na bolsa; numa palavra, todos esses vícios infames que ele secretamente acalenta; e, por idealismo, a fé na virtude, no amor ao próximo e, em geral num “mundo melhor” (ENGELS, 1982: 186) </li></ul>
  8. 8. Tópicos III e IV <ul><li>Tópico III: Tentativa de Feuerbach de completar a religião (ENGELS, 1982); Deus cristão reflexo imaginário do próprio homem (FEUERBACH, 1841); </li></ul><ul><li>Tópico IV: oposição sistemática entre burguesia e proletariado; </li></ul><ul><li>Concepção ampla de economia em Engels e Marx: engloba não só o desenvolvimento das forças produtivas, mas também a dimensão política (enquanto luta pelo poder, imposição de limites) e a base natural (processos ecológicos); </li></ul><ul><li>Renascimento da Filosofia desde metade do século XV (ENGELS, 1982): uma nova cosmologia da natureza? </li></ul>
  9. 9. CONSIDERAÇÕES FINAIS: Hermenêutica de uma ecologia relacional <ul><li>Debate entre idealismo e materialismo; </li></ul><ul><li>Diferença de interpretação da natureza de um ponto de vista idealista e materialista; </li></ul><ul><li>Deficiência do materialismo pré-marxista; </li></ul><ul><li>Importância do materialismo de Feuerbach; </li></ul><ul><li>Materialismo evoluído de Marx e Engels; </li></ul><ul><li>Os dois lados do Iluminismo de Engels; </li></ul><ul><li>“ A Ecologia de Engels” </li></ul>

×