O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

IAC tem nova técnica para combater bactéria da laranja

529 visualizações

Publicada em

Os pesquisadores do IAC, Alessandra Alves de Souza e Helvécio Della Coletta Filho, falaram sobre o estudo de uma substância química que combate a bactéria causadora da doença “amarelinho” em laranjas. Matérias sobre a pesquisa foi publicada no Diário Oficial, em 18 de fevereiro de 2016.

Publicada em: Alimentos
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

IAC tem nova técnica para combater bactéria da laranja

  1. 1. Diário Oficial Poder Executivo - Seção III – São Paulo, 126 (30) quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016 IAC tem nova técnica para combater bactéria da laranja Molécula orgânica é usada como medicamento para seres humanos, por isso não causa efeitos colaterais ao meio ambiente nem aos laranjais ão promissores os primeiros resulta- dos em campo da pesquisa do Instituto Agronômico de Campinas (IAC) de uma substância química que combate a temida bactéria Xy- lella fastidiosa, causadora da doença clorose variegada dos citros (CVC) ou o amarelinho em laranjas. O estudo é comandado pelos pesquisadores Alessandra Alves de Souza e Helvécio Della Coletta Filho, ambos da unida- de do IAC em Cordeirópolis, dedica- da exclusivamente à família das cítri- cas, como melhorias genéticas, erra- dicação e controle de doenças, novas variedades e outros trabalhos com essas frutas importantes na alimen- tação humana e como produto brasi- leiro de exportação. A praga atinge todas as varieda- des comerciais de citros. A bactéria aloja-se no xilema (tecido condutor da planta), obstruindo os vasos res- ponsáveis pelo transporte de água e nutrientes da raiz para a copa da árvore. O inseto vetor da Xylella fas- tidiosa são as chamadas cigarrinhas, responsáveis pela disseminação do amarelinho em todas as regiões citrí- colas do Brasil. Ao se alimentar no xilema de laranjeiras contaminadas, as cigarrinhas adquirem a bactéria e transmitem para as plantas sadias. Prejuízo certo – No pomar afetado pela CVC, os frutos ficam duros, pequenos e amadurecem precocemente, podendo perder até 75% de seu peso. A produção do pomar cai rapidamente e o produ- tor tem prejuízos enormes. Com o avanço da praga, os frutos ficam queimados e impróprios para a venda. A moléstia foi identificada por volta de 1987, em pomares do Triângulo Mineiro e norte e noroeste do Estado de São Paulo. Hoje, aparece em quase todas as áreas citrícolas do País em intensidades diferentes. No início da pesquisa, Alessandra que- ria encontrar uma substância que atingisse a bactéria sem contaminar o meio ambiente (solo, água, plantas, aplicador) e que tives- se um preço relativamente baixo para não inviabilizar economicamente a utilização. “Algo que pudesse ser usado por plantas e também por seres humanos”, lembra a pesquisadora. Foi assim que ela chegou à N-acetilcisteína (NAC), molécula orgâni- ca bastante conhecida, com propriedades antioxidantes e princípio ativo de alguns remédios, como aqueles usados em con- gestão nasal e rinite. A ação antibacteriana da acetilcisteína em seres humanos foi o motivo principal para que a pesquisadora utilizasse a substância em plantas. Alessandra explica que a NAC é um pó solúvel em água, facilmente encontrada no mercado farmacêutico. É diluída e colocada na terra com fertilizantes. Assim, o produto é absorvido pela raiz da planta e combate a bac- téria Xylella fastidiosa, deixando a árvore mais sadia “e até aumentando um pouco o tamanho dalaranja”.Apesquisadoracomeçousuasaná- lises em laboratório, no IAC, e agora está na fase de aplicação da molécula no campo. Cancro devastador – No entanto, ela faz questão de ressalvar que os estudos ainda têm muito a evoluir. “Mesmo assim, estamos felizes com os primeiros resulta- dos obtidos até agora.” O próximo passo é usar a mesma técnica para verificar se a NAC terá ação parecida com outra praga da laranja, a Xanthomonas citri, bactéria causadora do cancro cítrico, doença tão devastadora que a única forma de controle é sacrificar a árvore para que o micro-orga- nismo não se dissemine pelo laranjal. Alessandra nota que o produtor rural também pode aplicá-la em pomares sa- dios para deixá-los mais vigorosos e resis- tentes à doença. “Trata-se de uma molé- cula que se degrada facilmente no ambien- te não é agressiva. O uso de defensivo é menor. É um produto amigo da natureza, com praticamente zero de impacto ambien- tal”, sustenta a pesquisadora. Depois de finalizados os estudos, talvez ainda neste ano Alessandra diz que o ideal seria a formação de uma empresa incuba- da dentro do IAC para fabricar o produto em escala comercial. Para tanto, lembra a pesquisadora, a incubada teria de ter apoio financeiro da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), por meio do programa Pesquisas Inovativas em Pequenas Empresas (Pipe). Otávio Nunes Imprensa Oficial do Estado Assessoria de Imprensa do IAC Grande produtor O Estado de São Paulo é o maior produtor nacional de cítricos, com pomar de quase 184 milhões de plantas, indicam dados da Secretaria de Agricultura e Abastecimento do Estado de São Paulo, com base nos relatórios das inspeções de doenças no fruto como greening (HLB) e can- cro cítrico, informados pelos pro- dutores no ano passado à Coordena- doria de Defesa Agropecuária, vin- culada à secretaria. Os maiores números de árvores estão nas regiões de Barretos (22,5 milhões), Araraquara (15,2 milhões), Mogi-Mirim (14,3 milhões), vindo a seguir os arredores de São João da Boa Vista, Bauru, Avaré e Botucatu. O Instituto de Economia Agrícola (IEA), também da secretaria, esti- mou na safra 2014/2015 cerca de 11,60 milhões de toneladas de laran- ja colhidas no Estado, quantidade pouco abaixo das 11,86 milhões de 2013/2014. S Os estudantes da Escola Técnica Es- tadual (Etec) José Martimiano da Silva, em Ribeirão Preto, criaram um sistema que trata a água usada na pia do banheiro a fim de reutilizá-la na descarga do vaso sanitá- rio. O mecanismo pode gerar economia de até 60% na conta de água de uma residência com quatro pessoas. No projeto dos alunos do curso técnico de edificações, Maristela Cristina Oliveira Guimarães, Felipe Gama Pereira e Enaldo Pereira dos Santos, a água da pia passa por um filtro e é tratada com cloro antes de ser reutilizada. O objetivo do trabalho é reduzir o uso de água potável no banheiro, onde são consumidos cerca de 80% dos recursos hídricos de uma casa. “A gente quer mostrar que não é preciso usar água potável para dar descarga. Se uma pessoa consome, em média, de 2 a 5 litros a cada vez que vai lavar as mãos, sempre terá água para o reúso. Como essa água será filtra- da e clorada, não terá cheiro”, diz Maristela. Sistema criado por alunos de Etec economiza água no banheiro Para implementar o sistema, é necessá- rio utilizar vaso sanitário com caixa acopla- da. O material para a instalação custa cerca de R$ 300. “Em cinco meses, a pessoa recu- pera o valor investido no equipamento com a economia na conta de água. Mas o ganho não é só financeiro, é ambiental também”, afirma a estudante. Fácil instalação – O projeto Sistema de Tratamento de Água Cinza de Baixo Custovenceua9ªediçãodaFeiraTecnológica do Centro Paula Souza (Feteps), em 2015, na categoriainfraestrutura.AprofessoraDenise Cristina Rosário Vieira, que orientou o tra- balho, explica que o sistema, além de econô- mico, é fácil de ser instalado em qualquer residência. “O banheiro só precisa ter vaso sanitário com caixa acoplada. “ Imprensa Oficial – Conteúdo Editorial Da Assessoria de Imprensa do Centro Paula Souza A substância, que pode ser aplicada por pulverização, combate a bactéria Xylella fastidiosa Trabalho de professores e alunos da Etec de Ribeirão Preto gera ganho financeiro e ambiental DIVULGAÇÃO GASTÃOGUEDES A IMPRENSA OFICIAL DO ESTADO SA garante a autenticidade deste documento quando visualizado diretamente no portal www.imprensaoficial.com.br quinta-feira, 18 de fevereiro de 2016 às 02:31:43.

×