SlideShare uma empresa Scribd logo

PDF - Projeto de Pesquisa: MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE - PPT

PDF do projeto de pesquisa apresentado por Adson Wendel (adson_wendel@hotmail.com) relativo curso de Análise de Sistemas da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas – FACET - CESMAC.

1 de 15
Baixar para ler offline
1



     FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA – FEJAL
     CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ – CESMAC
   FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS – FACET




                  Adson Wendel Cirilo Ferreira




MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO
APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA
EMPRESA   ALAGOANA    DESENVOLVEDORA     DE
SOFTWARE




                         MACEIÓ/AL
                           2010
2



                      ADSON WENDEL CIRILO FERREIRA




MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO
APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA
EMPRESA   ALAGOANA    DESENVOLVEDORA     DE
SOFTWARE



                                           Projeto de Pesquisa apresentado relativo à 1ª nota
                                           formativa da disciplina de Trabalho de Conclusão
                                           de Curso, lecionada pelo professor Alexandre
                                           Paes, no 8º período do turno noturno do curso de
                                           Análise de Sistemas da Faculdade de Ciências
                                           Exatas e Tecnológicas – FACET.




Orientador: Prof. Esp. Mozart de Melo Alves Jr.




                                 MACEIÓ/AL
                                   2010
3




                                                            SUMÁRIO



1 TEMA ................................................................................................................. 4
   1.1 Apresentação e Delimitação do Tema ..............................................................................4
2 OBJETIVOS....................................................................................................... 5
   2.1 Geral .................................................................................................................................5
   2.2 Específicos ........................................................................................................................5
3 PROBLEMA E HIPÓTESE ............................................................................... 6
4 JUSTIFICATIVA ............................................................................................... 7
5 EMBASAMENTO TEÓRICO........................................................................... 9
6 METODOLOGIA DA PESQUISA ................................................................. 12
7 CRONOGRAMA ............................................................................................. 13
REFERÊNCIAS .................................................................................................. 14
4




1 TEMA



             Melhoria de processo de software brasileiro aplicado no nível de maturidade f em
uma empresa alagoana desenvolvedora de software.


             1.1       Apresentação e Delimitação do Tema


             MPS.BR, Melhoria de Processo do Software Brasileiro é um programa que avalia
qualidade e produtividade de software e serviços relacionados, com padrão e qualidade das
normais de desenvolvimento internacional como CMMI, baseado no ISO/IEC 12207 e
ISO/IEC 15504.
             Estes melhoramentos são direcionados a real condição do mercado brasileiro, para
o alcance das empresas de diferentes tamanhos, públicas e privadas, como maior atenção as
micros, pequenas e médias empresas, pois atendera as suas necessidades de negócio para que
possa ser reconhecida nacional e internacionalmente por um modelo de maturidade MPS.BR.
             Este trabalho tem como propósito de mostra a possibilidade tangível das empresas
de software de Alagoas a buscarem patamar de qualidade, planejamento, controle e ficarem
em um nível de organização aceita universalmente e seu produto aceito no mercado com
aprovação.
5




2 OBJETIVOS



            2.1 Geral

            O objetivo geral deste trabalho é mostrar como deve ser utiliza as normas e
padrões de projeto para melhoria de processos de qualidade de softwares e como foi aplicado
e certificado empresa de software alagoana no nível de maturidade F.




            2.2 Específicos


            Para alcançar o objetivo geral do projeto, foram estabelecidos os seguintes
objetivos específicos:


                   • Analisar o estado da arte dos Padrões de Certificações.
                         o ISO
                         o CMM
                                   CMMI
                         o MPSBR
                         o Quadro comparativo entre os modelos.
                   • Pontuar a implantação do MPSBR nível F na empresa alagoana KMF
                   • Analisar e estudar os requerimentos do guia de maturidade G e F.
6




3 PROBLEMA E HIPÓTESE



           3.1 PROBLEMA


            A dificuldade enfrentada pelas empresas de software Alagoanas, em acompanha
as mudanças que estão acontecendo nos ambientes de negócios, tem motivado-as a
procurarem a estabelecer uma estrutura organizacional, visando processos de produção,
produtos e serviços com padrão internacional de qualidade,
           Os padrões (ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504 e CMMI) mesmo nos seus níveis
mais baixos dos padrões CMMI (2 e 3), está fora do alcance da micro, pequena e média
empresa, especialmente no Brasil, devido ao seu custo elevado, como melhorar os processos
de uma empresa desenvolvedora de softwares se os padrões internacionais são muito caro e
complexo de implantar..


           3.2 HIPÓTESE


            Com o modelo MPS.BR, solução brasileira para a melhoria de processo de
software que é até utilizada por países latino-americanos, as empresas de pequeno porte tem
uma possibilidades de poder atuar no mercado com certificação de qualidade, com o Grau de
Maturidade “F” aonde a organização tem que passar pelos tópicos de: Gerência de
Configuração, Gerência de Portfólio de Projetos, Garantia da Qualidade, Aquisição, Medição
e outros remanescentes do nível “G” que no nível “F” alguns são modificados.
            Com a principal solução para as empresas de Micro a Médio porte, já que a
diferença orçamentária para a aquisição da norma Internacional e muito superior a Brasileira,
e as transições de níveis de maturidade são, mas suáveis em comparação ao CMMI. Com
implantação do projeto MPS.Br, a organização ganhará visibilidade nacional e internacional,
terá uma cobrança maior na qualidades dos seus produtos e serviços por ela prestado.

Recomendados

Accao Geologica De Um Rio
Accao Geologica De Um RioAccao Geologica De Um Rio
Accao Geologica De Um RioNuno Correia
 
Geologia do Quaternário
Geologia do QuaternárioGeologia do Quaternário
Geologia do QuaternárioRuana Viana
 
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08
Aula 05 - Considerações projeto eta - tecnica tratamento 25.08Nelson Virgilio Carvalho Filho
 
Aula 1 introdução ao arc gis
Aula 1   introdução ao arc gisAula 1   introdução ao arc gis
Aula 1 introdução ao arc gisJean Michel
 
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...
Escalas para Medição de Atitudes - Com Exemplos Práticos Aplicados à Educação...Rosario Cação
 
Geo 13 ambientes sedimentares
Geo 13   ambientes sedimentaresGeo 13   ambientes sedimentares
Geo 13 ambientes sedimentaresNuno Correia
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Desenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasilianoDesenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasilianoguarim varao varao
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1Marcus Corradini
 
Manual de Geomorfologia - IBGE
Manual de Geomorfologia - IBGEManual de Geomorfologia - IBGE
Manual de Geomorfologia - IBGEGabriela Leal
 
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)Nuno Correia
 
Apresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de MestradoApresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de Mestradogiselle_trajano
 
V.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsoloV.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsoloRebeca Vale
 
Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Ronaldo Cesar
 
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...Marisa Ferreira
 
Princípios estratigráficos
Princípios estratigráficosPrincípios estratigráficos
Princípios estratigráficosCatir
 
Geo 6 FormaçãO De Rochas Sedimentares
Geo 6   FormaçãO De Rochas SedimentaresGeo 6   FormaçãO De Rochas Sedimentares
Geo 6 FormaçãO De Rochas SedimentaresNuno Correia
 
Geo 16 rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticas
Geo 16   rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticasGeo 16   rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticas
Geo 16 rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticasNuno Correia
 
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
Geo 18   classificação das rochas magmáticasGeo 18   classificação das rochas magmáticas
Geo 18 classificação das rochas magmáticasNuno Correia
 
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidadeNuno Correia
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaWendell Fabrício
 
Escoamento Superficial
Escoamento SuperficialEscoamento Superficial
Escoamento SuperficialHidrologia UFC
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades mineraisPublicaTUDO
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhasmarciotecsoma
 

Mais procurados (20)

Vulcanismo
VulcanismoVulcanismo
Vulcanismo
 
Desenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasilianoDesenvolvimento do ciclo brasiliano
Desenvolvimento do ciclo brasiliano
 
Identificando as rochas aula 1
Identificando as rochas   aula 1Identificando as rochas   aula 1
Identificando as rochas aula 1
 
Manual de Geomorfologia - IBGE
Manual de Geomorfologia - IBGEManual de Geomorfologia - IBGE
Manual de Geomorfologia - IBGE
 
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)Geo 9   formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
Geo 9 formação das rochas sedimentares (quimiogénicas)
 
Apresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de MestradoApresentação da Dissertação de Mestrado
Apresentação da Dissertação de Mestrado
 
V.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsoloV.1 Solo e subsolo
V.1 Solo e subsolo
 
Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03Aula de Hidrologia 03
Aula de Hidrologia 03
 
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
Exploração de minerais e de materiais de construção e ornamentais: Contaminaç...
 
Metadados: dados a respeito de dados
Metadados: dados a respeito de dadosMetadados: dados a respeito de dados
Metadados: dados a respeito de dados
 
Princípios estratigráficos
Princípios estratigráficosPrincípios estratigráficos
Princípios estratigráficos
 
Geo 6 FormaçãO De Rochas Sedimentares
Geo 6   FormaçãO De Rochas SedimentaresGeo 6   FormaçãO De Rochas Sedimentares
Geo 6 FormaçãO De Rochas Sedimentares
 
Geo 16 rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticas
Geo 16   rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticasGeo 16   rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticas
Geo 16 rochas magmáticas - classificação das rochas magmáticas
 
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
Geo 18   classificação das rochas magmáticasGeo 18   classificação das rochas magmáticas
Geo 18 classificação das rochas magmáticas
 
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11   unicelularidade e multicelularidadeBiologia 11   unicelularidade e multicelularidade
Biologia 11 unicelularidade e multicelularidade
 
Intemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologiaIntemperismo e sedimentologia
Intemperismo e sedimentologia
 
Escoamento Superficial
Escoamento SuperficialEscoamento Superficial
Escoamento Superficial
 
Internet das Coisas
Internet das CoisasInternet das Coisas
Internet das Coisas
 
Propriedades minerais
Propriedades mineraisPropriedades minerais
Propriedades minerais
 
Geologia estrutural Falhas
Geologia estrutural   FalhasGeologia estrutural   Falhas
Geologia estrutural Falhas
 

Semelhante a PDF - Projeto de Pesquisa: MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE - PPT

MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...
MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...
MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...Adson Wendel
 
PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR...
 PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR... PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR...
PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR...Adson Wendel
 
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...Adson Wendel
 
MPS.BR - Melhoria de Processos do Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processos do Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria de Processos do Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processos do Software BrasileiroAntônio Filho
 
MPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasMPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasGorio Eduardo
 
Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016
Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016
Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016Francisco Vasconcellos
 
Melhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroMelhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroingrid_fatec
 
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).pptApresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).pptDETUDOUMPOUCO42
 
Estagio modelo relatorio
Estagio modelo relatorioEstagio modelo relatorio
Estagio modelo relatoriorenannmaia13
 
Apresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrum
Apresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrumApresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrum
Apresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrumIsabella Fonseca
 
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL GPROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL Gjrnavarro
 
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaQualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaVinicius_Nunes
 
Mps-br gerencia de decisões
Mps-br gerencia de  decisõesMps-br gerencia de  decisões
Mps-br gerencia de decisõesdionilson lemos
 
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane FidelixCris Fidelix
 
Modelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação paraModelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação paraqualityquality
 
Modelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação paraModelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação paraqualityquality
 
O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...
O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...
O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...Rogério Batista
 
MPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software BrasileiroPaulo Henrique de Sousa
 

Semelhante a PDF - Projeto de Pesquisa: MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE - PPT (20)

MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...
MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...
MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F...
 
PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR...
 PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR... PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR...
PDF - MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATUR...
 
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O  MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
MAPEAMENTO ENTRE A METODOLOGIA ÁGIL FDD E O MODELO DE QUALIDADE MPS.BR NOS N...
 
MPS.BR - Melhoria de Processos do Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processos do Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria de Processos do Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria de Processos do Software Brasileiro
 
MPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições AprendidasMPS.BR Lições Aprendidas
MPS.BR Lições Aprendidas
 
Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016
Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016
Mps.br guia de_implementacao_parte_5_2016
 
Melhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiroMelhoria de processos do software brasileiro
Melhoria de processos do software brasileiro
 
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).pptApresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
Apresentação-07JUN10-MPS.BR-SBQS-2010 (1).ppt
 
Estagio modelo relatorio
Estagio modelo relatorioEstagio modelo relatorio
Estagio modelo relatorio
 
Apresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrum
Apresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrumApresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrum
Apresentacao gerenciamento projetos_mpsbr_scrum
 
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL GPROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
PROPOSTA DE ADAPTAÇÃO DAS PRÁTICAS DO SCRUM PARA O MPS.BR NIVEL G
 
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa CertificadaQualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
Qualidade de Software e normas ISO 15504, 12207, MPS.BR e Empresa Certificada
 
Cmmi traduzido em_portugues
Cmmi traduzido em_portuguesCmmi traduzido em_portugues
Cmmi traduzido em_portugues
 
Mps-br gerencia de decisões
Mps-br gerencia de  decisõesMps-br gerencia de  decisões
Mps-br gerencia de decisões
 
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix3 - Modelos de  Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
3 - Modelos de Processo de Software - Prof.ª Cristiane Fidelix
 
Modelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação paraModelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação para
 
Modelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação paraModelo de referência e método de avaliação para
Modelo de referência e método de avaliação para
 
O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...
O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...
O uso de frameworks em aplicações desktop baseadas na metodologia de desenvol...
 
MPS.BR
MPS.BRMPS.BR
MPS.BR
 
MPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software BrasileiroMPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
MPS.BR - Melhoria do processo de Software Brasileiro
 

Último

ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docxATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
Gadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdf
Gadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdfGadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdf
Gadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdfRicardoLealPintoDaSi
 
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxMAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx2m Assessoria
 
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de softwareApresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de softwareAleatório .
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docx
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docxMAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docx
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx2m Assessoria
 
MAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
MAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docxMAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
MAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx2m Assessoria
 
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024Ismael Ash
 
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptxAula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptxHugoHoch2
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxjosecarlos413721
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxjosecarlos413721
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docxMAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx2m Assessoria
 
ATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docxATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx2m Assessoria
 
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdfUniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdfPatriciaAraujo658854
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxjosecarlos413721
 

Último (20)

ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docxATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
ATIVIDADE 1 - RH - TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 51-2024.docx
 
Gadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdf
Gadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdfGadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdf
Gadgets Inteligentes: Transformando o Modo como Vivemos .pdf
 
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docxMAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
MAPA - ESTATÍSTICA E PROBABILIDADE - 512024.docx
 
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docxMAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA  - 512024.docx
MAPA -INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - PERÍCIA, ARBITRAGEM E ATUÁRIA - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docxATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
ATIVIDADE 1- TEORIAS DA ADMINISTRAÇÃO - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ESTRUTURAS DAS DEMONSTRAÇÕES CONTÁBEIS - 512024.docx
 
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docxATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - CCONT - ADMINISTRAÇÃO FINANCEIRA E ORÇAMENTÁRIA - 512024.docx
 
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de softwareApresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
Apresentação bichinhos da TI: o que é esse arquiteto de software
 
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docx
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docxMAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docx
MAPA - CÁLCULO DIFERENCIAL E INTEGRAL II - 512024.docx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES  - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
MAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
MAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docxMAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
MAPA - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
 
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
Serviços para fazer deploy do seu Frontend - react ceara 8 meetup 2024
 
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptxAula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
Aula 01 - Desenvolvimento web - A internet.pptx
 
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxMAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
MAPA - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docxMAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
MAPA - INTRODUÇÃO À ENGENHARIA - 51-2024.docx
 
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docxMAPA   -   DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
MAPA - DESENHO TÉCNICO - 51-2024.docx
 
ATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docxATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - GCOM - TÉCNICAS DE NEGOCIAÇÃO E VENDAS - 512024.docx
 
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdfUniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
Uniagil - LACP - Lean Agile Coach Professional 2024.pdf
 
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docxATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
ATIVIDADE 1 - ADSIS - FUNDAMENTOS E ARQUITETURA DE COMPUTADORES - 512024.docx
 

PDF - Projeto de Pesquisa: MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE - PPT

  • 1. 1 FUNDAÇÃO EDUCACIONAL JAYME DE ALTAVILA – FEJAL CENTRO DE ESTUDOS SUPERIORES DE MACEIÓ – CESMAC FACULDADE DE CIÊNCIAS EXATAS E TECNOLÓGICAS – FACET Adson Wendel Cirilo Ferreira MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE MACEIÓ/AL 2010
  • 2. 2 ADSON WENDEL CIRILO FERREIRA MELHORIA DE PROCESSO DE SOFTWARE BRASILEIRO APLICADO NO NÍVEL DE MATURIDADE F EM UMA EMPRESA ALAGOANA DESENVOLVEDORA DE SOFTWARE Projeto de Pesquisa apresentado relativo à 1ª nota formativa da disciplina de Trabalho de Conclusão de Curso, lecionada pelo professor Alexandre Paes, no 8º período do turno noturno do curso de Análise de Sistemas da Faculdade de Ciências Exatas e Tecnológicas – FACET. Orientador: Prof. Esp. Mozart de Melo Alves Jr. MACEIÓ/AL 2010
  • 3. 3 SUMÁRIO 1 TEMA ................................................................................................................. 4 1.1 Apresentação e Delimitação do Tema ..............................................................................4 2 OBJETIVOS....................................................................................................... 5 2.1 Geral .................................................................................................................................5 2.2 Específicos ........................................................................................................................5 3 PROBLEMA E HIPÓTESE ............................................................................... 6 4 JUSTIFICATIVA ............................................................................................... 7 5 EMBASAMENTO TEÓRICO........................................................................... 9 6 METODOLOGIA DA PESQUISA ................................................................. 12 7 CRONOGRAMA ............................................................................................. 13 REFERÊNCIAS .................................................................................................. 14
  • 4. 4 1 TEMA Melhoria de processo de software brasileiro aplicado no nível de maturidade f em uma empresa alagoana desenvolvedora de software. 1.1 Apresentação e Delimitação do Tema MPS.BR, Melhoria de Processo do Software Brasileiro é um programa que avalia qualidade e produtividade de software e serviços relacionados, com padrão e qualidade das normais de desenvolvimento internacional como CMMI, baseado no ISO/IEC 12207 e ISO/IEC 15504. Estes melhoramentos são direcionados a real condição do mercado brasileiro, para o alcance das empresas de diferentes tamanhos, públicas e privadas, como maior atenção as micros, pequenas e médias empresas, pois atendera as suas necessidades de negócio para que possa ser reconhecida nacional e internacionalmente por um modelo de maturidade MPS.BR. Este trabalho tem como propósito de mostra a possibilidade tangível das empresas de software de Alagoas a buscarem patamar de qualidade, planejamento, controle e ficarem em um nível de organização aceita universalmente e seu produto aceito no mercado com aprovação.
  • 5. 5 2 OBJETIVOS 2.1 Geral O objetivo geral deste trabalho é mostrar como deve ser utiliza as normas e padrões de projeto para melhoria de processos de qualidade de softwares e como foi aplicado e certificado empresa de software alagoana no nível de maturidade F. 2.2 Específicos Para alcançar o objetivo geral do projeto, foram estabelecidos os seguintes objetivos específicos: • Analisar o estado da arte dos Padrões de Certificações. o ISO o CMM CMMI o MPSBR o Quadro comparativo entre os modelos. • Pontuar a implantação do MPSBR nível F na empresa alagoana KMF • Analisar e estudar os requerimentos do guia de maturidade G e F.
  • 6. 6 3 PROBLEMA E HIPÓTESE 3.1 PROBLEMA A dificuldade enfrentada pelas empresas de software Alagoanas, em acompanha as mudanças que estão acontecendo nos ambientes de negócios, tem motivado-as a procurarem a estabelecer uma estrutura organizacional, visando processos de produção, produtos e serviços com padrão internacional de qualidade, Os padrões (ISO/IEC 12207, ISO/IEC 15504 e CMMI) mesmo nos seus níveis mais baixos dos padrões CMMI (2 e 3), está fora do alcance da micro, pequena e média empresa, especialmente no Brasil, devido ao seu custo elevado, como melhorar os processos de uma empresa desenvolvedora de softwares se os padrões internacionais são muito caro e complexo de implantar.. 3.2 HIPÓTESE Com o modelo MPS.BR, solução brasileira para a melhoria de processo de software que é até utilizada por países latino-americanos, as empresas de pequeno porte tem uma possibilidades de poder atuar no mercado com certificação de qualidade, com o Grau de Maturidade “F” aonde a organização tem que passar pelos tópicos de: Gerência de Configuração, Gerência de Portfólio de Projetos, Garantia da Qualidade, Aquisição, Medição e outros remanescentes do nível “G” que no nível “F” alguns são modificados. Com a principal solução para as empresas de Micro a Médio porte, já que a diferença orçamentária para a aquisição da norma Internacional e muito superior a Brasileira, e as transições de níveis de maturidade são, mas suáveis em comparação ao CMMI. Com implantação do projeto MPS.Br, a organização ganhará visibilidade nacional e internacional, terá uma cobrança maior na qualidades dos seus produtos e serviços por ela prestado.
  • 7. 7 4 JUSTIFICATIVA O Ministério de Ciência e Tecnologia (MTC) divulgou uma pesquisa ainda em 2001 [MCT,2001], que relacionou indicadores de produtividades sistêmica para as micro, pequenas e médias empresas e a partir dos resultados, pode se constatar a real diferença de desempenho para as grandes organizações brasileiras. Os motivos para este largo intervalo de desenvoltura entre os portes das empresas é um conjunto de fatores, a escassez de recurso financeiro, uma quantidade de RH debilitado ou sem preparo para o cargo ocupado, e o dos mais importantes a imaturidades dos cargos de gerencia, que por sua fez deixa os processos/projetos da empresa com uma serie de problemas, atraso no tempo previsto de entrega, ou a implantação do software com erros de funcionamentos, retornando posteriormente para que seja feito correções no procedimento realizado com ineficácia e entre outras causas que acontece por falta de um planejamento, com isto pode comprometer sua competitividade no mercado e até a vida útil da empresa. O desenvolvimento do presente projeto pesquisa partiu do interesse de mostrar a uma solução, para as empresas de softwares com a utilização do projeto de Melhoramento de processo do Software Brasileiro (MPS.Br), projeto proposto em 2003 e coordenado pela Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro (SOFTEX) criado para suprir as necessidades de acordo com as carências brasileira. Assim seria retirado uma dependência ao modelo CMMI, ao qual o valor de aquisição alto e complexo na implementação em uma empresa, neste projeto internacional, poucas as empresas eram certificadas por este conjunto de fatores. O MPS.Br Totalmente compatível com o modelo de referência internacional CMMI (Capability Maturity Model Integration) , desenvolvido pelo SEI (Software Engineering Institute), conciliável as normais ISO/IEC 12207 e a ISO/IEC 15504 as quais tem como objetivo a traçar os passos a serem seguindo, de maneira eficiente e produtiva para a criação da estrutura dos processos e o ciclo de vida do Software. O comitê gestor do MPS e formada pela SOFTEX(Coordenadora), COPPE/UFRJ (coordenadora da ETM - Equipe Técnica do Modelo), RIOSOFT em Rio de Janeiro/RJ, CenPRA em Campinas/SP CESAR em Recife/PE e CELEPAR em Curitiba/PR, com o apoio financeiro do Ministério da Ciência e Tecnologia (MCT) através de recursos do Fundo
  • 8. 8 Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT), Financiadora de Estudos e Projetos (FINEP), Fundo Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (FNDCT) com fundo do VERDE-AMARELO , Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) e o suporte do Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) . De acordo com o relatório de avaliação contida na divulgação do dia 22 de janeiro de 2010 da SOFTEX existem hoje 205 empresas vigentes com certificadas do modelo de MPS.Br, divididas pelo Grau de maturidade, no nível A com seis empresas, no nível B não tem nenhuma empresa com esta graduação, no C com duas, D com uma, E com seis , F com 59 e para finalizar 131 com o grau de maturidade G, da qual quatro empresas de softwares Alagoana participa do seleto grupo, avaliadas no nível F do MPS.BR[SOFTEX, 2010]. Este projeto irá explanar a certificação da empresa alagoana KMF Análise e Desenvolvimento de Sistemas, que encontrar-se no seleto grupo das organizações que contem o certificado do modelo MPS.Br, e esta no grau de maturidade F, pois é uma das quatros organizações de Alagoas que utiliza o projeto brasileiro de melhoria de processo de Software, das quais no nordeste apenas sete empresas são certificadas[ASSESPRO, 2009]. Com os padrões instalados na organização, estabelece uma comunicação formal e uma documentação que assim possibilita um desempenho crescente da empresa, com a melhoria de processo proporciona conseqüentemente um grande salto na qualidade no desenvolvimento dos processos e dos produtos e serviços, possibilitando um domínio sobre o projeto/equipe e clientes.
  • 9. 9 5 EMBASAMENTO TEÓRICO As empresas terão que se moldar com a realidade dos melhoramentos nos processos de software, para que possa tem um produto competitivo e não corra riscos de falência da organização, com a busca de padrões de projetos que utilizem para seus processos ou serviços. Deste momento em que a certificação traz a empresa uma visibilidade nacional e internacional podem atrair outras organizações a buscarem este feito. Pesquisas periódicas mostram a necessidade do melhoramento do produto de software no Brasil, que já vem na procura desde 1993. [...] enquanto o número de empresas com avaliação oficial CMM era 30. Considerando-se estas 30 empresas, verifica-se que na base da pirâmide encontram- se 24 empresas no nível 2 e cinco empresas no nível 3. No topo da pirâmide há uma empresa no nível e nenhuma no nível 5. Estes dados evidenciam que, para a melhoria dos processos de software no Brasil. (WEBER et alii, 2009, p3). O modelo norte americano de desenvolvimento de software (CMMI) desenvolvida pela SEI, segundo Pessôa (PESSÔA, 2005), “O desenvolvimento desse modelo foi financiado pelo departamento de defesa americano, com o objetivo de se estabelecer um padrão de qualidade para software desenvolvido para as forças armadas”. O modelo americano é um dos mais influenciadores da gestão de processos empregado mundialmente, utiliza cinco graus de maturidade, as quais aplicam as características estruturais e semânticas nos objetivos, gradativamente, com qualidade como deve se realizado. A norma internacional ISO/IEC 12207 e a sua evolução a ISO/IEC 15504 que suas metas é estabelecer um padrão de processos para a estrutura e ciclo de vida de software, que visa a sugerir uma rota segura paras as organizações terem um produto e serviço com qualidade. A ISO/IEC 12207 é a primeira norma internacional que descreve em detalhes os processos, atividades e tarefas que envolvem o fornecimento, desenvolvimento, operação e manutenção de produtos de software. A principal finalidade desta norma é servir de referência para os demais padrões que venham a surgir. Lançada em agosto de 1995, ela é citada em quase todos os trabalhos relacionados à engenharia de software desde então, inclusive àqueles relativos à qualidade (GUSMÃO; MOURA, 2010). No Brasil para a solução do melhoramento do processo de software, que possa ajudar em numero expressivo as micros, pequenas e médias empresas, é o projeto MPS.br.
  • 10. 10 O Projeto MPS Br visa a melhoria de processos de software em empresas brasileiras, a um custo acessível, especialmente na grande massa de micro, pequenas e médias empresas. Tem como objetivo principal definir e implementar o Modelo de Referência para melhoria de processo de software (MR MPS) em 120 empresas, até junho de 2006, com perspectiva de mais 160 empresas nos dois anos subseqüentes. O projeto tem como objetivos secundários disseminar, em diversos locais no país: a capacitação no uso do modelo (cursos de Introdução ao MR MPS e cursos e provas para Consultores de implementação e Avaliadores do modelo); o credenciamento de instituições implementadoras e/ou avaliadoras do modelo, especialmente instituições de ensino e centros tecnológicos; a implementação e avaliação do modelo com foco em grupos de empresas. (WEBER et alii, 2009, p3) Estudos comprovam a carência da excelência do software a no Brasil e assim a uma necessidade que empresa e governo, precisam fortalecer o mercado interno para que possa ter mais clientes e qualidade utilizando modelo de processo. Estudos sobre a qualidade de software brasileiro realizados pela SOFTEX mostram a necessidade de um esforço significativo das empresas e governo, no sentido de aumentar a maturidade dos processos de software. A partir dessa necessidade, surgiu o projeto MPS.BR - melhoria de processo do software.(PRIKLADNICKI, BECKER, YAMAGUTI, 2005, p 39). Certo medo sobrevoa as organizações em relação à utilização ou não de uma certificação, por receio que o retorno venha em longo prazo e não tenha retorno como seria esperado, por aqueles que adotarão um modelo de certificação ou uma norma ISO de projeto já fixado no mercado nacional e internacional. O retorno do investimento em melhoria de processo de software é difícil de ser mensurado. Mesmo organizações grandes e estabelecidas no mercado tendem a apresentar fortes resistências em implementar programas de melhoria de processo por falta de evidências tangíveis que comprovem a relação entre a qualidade de processo e a qualidade de produto. É comum que as iniciativas de melhoria comecem de forma pontual nas organizações para que seja possível obter visibilidade dos resultados obtidos com as melhorias antes que estas sejam largamente adotadas nas organizações. Esse fato é evidente nos resultados de estudos que mostram que uma questão crítica na implementação de melhoria de processo é convencer as empresas, principalmente as pequenas e médias, dos benefícios de negócio que podem ser alcançados com melhoria de processo de software. (RESENDE et alii, 2009, p 43) Desta forma as organizações não estabelecem uma visão de melhorias em todos os aspectos da empresas, adquire recursos com novos projetos e aumentando a carteira de clientes e possibilitando um numero maior de clientes proporcionando para a organização novos equipamentos de trabalho, estrutura, novos empregos para pessoas gabaritadas para a função que irar exercer.
  • 11. 11 Segundo Softex (2009) afirma que “Alcançar a estabilidade e o crescimento contínuo para as organizações de software implica tanto na melhoria dos seus produtos de trabalho e serviços correlatos quanto dos processos de produção e distribuição de software”. Contudo o embasamento teórico abordará sobre a certificação de uma empresa alagoana denominada KMF, que adquiriu um feito inédito no estado, com a aprovação no processo de melhoria de software brasileiro, no nível F.
  • 12. 12 7 METODOLOGIA DA PESQUISA O início desse trabalho se dará com o estudo das bibliografias e links que abordam o tema: melhoria de processo de software brasileiro aplicado no nível de maturidade f em uma empresa alagoana desenvolvedora de software, com finalidade de ter-se uma base teórica para o desenvolvimento do trabalho e de uma aplicação. Serão marcadas reuniões com o orientador Professor Especialista Mozart de Melo Alves Júnior, professor do curso de Análise de Sistemas para acompanhamento da pesquisa e discussões do tema O desenvolvimento do trabalho se dará na busca de livros, entrevistas e dados catalogados pela Internet que tratam sobre o tema proposto possibilitando a construção do trabalho escrito e apresentação da pesquisa. A pesquisa se baseará nas seguintes etapas: Etapa I: Levantamento de Bibliografias para referencial teórico. Etapa II: Problematização e Delimitação do tema. Etapa III: Montagem e Defesa do Projeto de Pesquisa. Etapa IV: Coleta de dados teóricos da Pesquisa. Etapa V: Construção de capítulos. Etapa VI: Desenvolvimento da aplicação. Etapa VII: Revisão e Correção da Monografia. Etapa VIII: Entrega e Apresentação da Monografia.
  • 13. 13 8 CRONOGRAMA 2010/01 ATIVIDADES JAN FEV MAR ABR MAI JUN X Etapa I Etapa II X X X X X Etapa III X X Etapa IV Etapa V X X X Etapa VI X X Etapa VII X Etapa VIII X
  • 14. 14 REFERÊNCIAS ASSESPRO, Associação das Empresas Brasileiras de Software e Serviços e Serviços de Informática, Publicação da certificação da empresas de Alagoas, 2009. Disponível em <http://www.assespro-al.org.br/portal/index.php?option=com_letterman& task=view&id=84> Acessado em: 13 Mar. 2010 GUSMÃO, Cristine Gomes de; MOURA, Hermano Perrelli. Gerencia de Risco em Processos de Qualidade de Doftware: Uma análise Comparativa. P.6 Disponível em < http://www.cefetrn.br/~placido/disciplina/pgp/material/sbqs05_Gusmao.pdf> Acessado em: 19 de Mar 2010 MCT ,Ministério da Ciência e Tecnologia. Produtividade Sistêmica: Resultados da pesquisa 2001, 2001. Disponível em <http://www.mct.gov.br/index.php/content/view/ 4807.html.> Acessado em: 20 Jan. 2010. PÊSSOA, Marcelo Schneck de Paula. Modelo Integrado de Maturidade da Capacidade de Processo. Lavras: UFLA/FAEPE, 2005. Disponível em <http://www.ulbra- to.br/eventos/encoinfo/2009/Anais/Qualidade_de_Software.pdf> Acessado em: 17 de Mar 2010 PRIKLADNICKI , rafael. BECKER, carlos alberto. YAMAGUTI, Marcelo hideki. Uma Abordagem para a Realização de Diagnóstico Inicial em Empresas que Implementam o MPS.BR. In PROQUALITI, Qualidade na Produção de Software, 2005 Disponível em <http://www.proqualiti.org.br/revista/revista_ProQualiti_nov2005.pdf> Acessado em: 20 Jan. 2010. RESENDE, Denia Kuhn; GREGO, João Batista; PIMENTEL, Neide; GONÇALVES, Cleomar Aparecido; NEVES, Edson; VIEIRA, Junior; FERREIRA, Ariel Crezo; KRUEL, Fabricio; BATISTA, Paulo Roberto Júnior; CARDOSO, Olavo Terra Neto; CAVALCANTI, Walison; GODINHO, Henrique; MONTONI, Mariano; NUNES, Elaine; BARRETO, Andrea; REGINA, Ana; ROCHA, Cavalcanti da.Implementação do MPS.BR
  • 15. 15 Nível F e CMMI-DEV Nível 2 na Red & White IT Solutions. In WAMPS 2009-V Workshop Anual do MPS. 2009 Disponível em <http://www.softex.br/portal/softexweb/ UploadDocuments/Softex%20WAMPS%202009%20Web.pdf. > Acessado em: 14 de Mar 2010 SOFTEX, Associação para Promoção da Excelência do Software Brasileiro, Avaliações MPS Publicadas, 2010. Disponível em <http://www.softex.br/mpsbr/_avaliacoes/avaliacoes_ mpsbr_total.pdf >Acessado em: 14 Fev. 2010 SOFTEX, Sociedade para a Promoção da Excelência do Software Brasileiro, MPS.BR Melhoria de Processo do Software Brasileiro: Guia Geral versão 2009, 2009. Disponível em <http://www.softex.br/portal/mpsbr/_guias/guias/MPS. BR_Guia_Geral_2009.pdf> Acessado em: 14 de Mar 2010 WEBER, Kival C.; ROCHA, Ana Regina; ALVES, Ângela; AYALA, Arnaldo M.; GONÇALVES, Austregésilo; PARET, Benito; SALVIANO, Clênio; MACHADO, Cristina F.; SCALET, Danilo; PETIT, Djalma; ARAÚJO, Eratóstenes; BARROSO, Márcio Girão; OLIVEIRA, Kathia;OLIVEIRA, Luiz Carlos A.; AMARAL, Márcio P.; CAMPELO, Renata Endriss C.; MACIEL,Teresa. Modelo de Referência para Melhoria de Processo de Software: uma abordagem brasileira. Disponível em < http://pos.facom.ufu.br/~willian /uniube/eng_software/arteng2.pdf.> Acessado em: 20 Jan. 2010.