Proteção de periferia de laje

1.395 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.395
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proteção de periferia de laje

  1. 1. Desenvolvimento de Sistema de Proteção Coletiva Contra Quedas para Indústria da Construção Civil Núcleo de Segurança e Saúde no Trabalho – SESI/BA Departamento de Construção e Estruturas – EP/UFBA
  2. 2. Em 2003 o SESI DR/Ba realizou um diagnóstico do setor da Construção Civil na Bahia para apresentar os principais problemas reconhecidos como pertinentes e basear uma nova forma de atendimento, que foi denominada de Programa Setorial de SST da Construção Civil, que busca contribuir para a redução da ocorrência de acidentes de trabalho e de doenças ocupacionais no setor. Diagnóstico
  3. 3. Segurança e Saúde do Trabalho SESI Bahia Mobilização social Projeto de Prevenção de Quedas na Indústria da Construção Civil Projeto pedagógico de SST Projeto de Sensibilização e Treinamento Feira de Saúde (com área de saúde da UFBA) Consultoria Implantação de Sistema de gestão em SST nos moldes da OHSAS 18001 Serviços PSST, Programa de SST da Construção Civil Inovação Sistemas de Proteção Coletiva contra Quedas
  4. 4. Soluções Técnicas: Desenvolvimento de Projeto de Sistema de Proteção Coletiva Contra Quedas para Indústria da Construção Civil Objetivo geral • Desenvolver projeto de sistema de proteção coletiva contra quedas para a industria da construção civil na Bahia. Objetivos específicos • Possibilitar que as empresas cumpram NR 18; • Criar critérios para aquisição ou locação dessas proteções; • Diminuir custos , facilitar o trabalho de instalação e manutenção, não gerando risco nesta atividade; • Garantir que a proteção resistirá a todos os esforços solicitados pela obra.
  5. 5. Métodos • Levantamento das soluções usuais aplicadas nas construções em Salvador • Reuniões para troca de informações de soluções usuais em outros centros urbanos do país e em outros países • Entrevistas com operários e gerentes de obra para avaliar os aspectos que induzem redução de produtividade e riscos de acidentes
  6. 6. Métodos • Avaliação das soluções usuais em canteiro foram pela equipe multidisciplinar composta por especialistas em segurança do trabalho, análise estrutural, estruturas de madeira, estruturas de aço, gestão da construção e organização do canteiro • Foi possível propor soluções inovadoras nas quais são incorporados conceitos de modulação dos elementos e alterações dos sistemas de apoio de alguns elementos avaliados.
  7. 7. Elementos do sistema de proteção coletiva • Guarda-corpo • Fechamento de aberturas em lajes • Bandejas de periferia • Proteção de laje em execução Etapas • Tipologia, soluções em canteiro. • Avaliação das ações • Escolha das soluções para projeto • Concepção de alternativas • Projetos
  8. 8. Considerações gerais Segurança Estruturas provisórias, coeficientes de segurança reduzidos. Durabilidade: materiais Madeira e derivados: Evitar corte ou furos, proteger bordas cortadas, estoques protegidos do solo e da umidade. Aço: pintura, estoques afastados do solo e da umidade Funcionalidade Uso para segurança Custos indiretos da construção: montagem, remontagem, interferências com outros serviços simultâneos
  9. 9. Aberturas em Pisos Situações de risco Queda de objetos Queda de pessoas
  10. 10. Aberturas em pisos Espessura do compensado (mm) 12 15 18 21 Abertura máxima, b (cm) 65 85 100 115 a b 20 20 e<30cm Bordadalaje Pinosdeaço 20b 20a Ripas 5,2 x 1,2 cm e <50cm Borda da laje Com pinos metálicos Com ripas
  11. 11. Aberturas em pisos Ações previstas Circulação de pessoas e equipamentos leves Sobrecarga 250 da N/cm2 Cuidados Evitar estoques de materiais ou equipamentos Não é plataforma de trabalho Manter o compensado seco com drenagem adequada Bordas devem ser chanfradas a 45o Observar com atenção o sentido das fibras
  12. 12. Guarda-corpo • Materiais: Cordas, ripas, cabo de enxada, ferragem, telas plásticas • Falta de rigidez lateral e transversal • Deformabilidade excessiva
  13. 13. Guarda-corpo perfil CX50x30 (metalon) 130 130 vista frontal rodape de madeira laje de concreto paracada5montantes rede de proteção ripadecontraventamento Manutenção Perfis metálicos com mossas ou deformações excessiva ou corrosão. Na madeira: fungos, bactérias ou insetos que altere a rigidez. Inspeções nos apoios dos elementos de sustentação: •barras ancoradas ao concreto •áreas de contato entre o aço e o concreto.
  14. 14. Guarda-corpo travessões em ripões de madeiras 5x5cm rodape de madeira perfil CX50x30 (metalon) 40 cunhas de madeiras 170 170 7038 14 perfil CX50x30 (metalon) vista lateral •Detalhamentos
  15. 15. Fechamento de abertura de elevadores 20 70 25 10 vista frontal vista lateral Parede laje • Não deve interferir com a montagem e instalação do elevador • Retirada fácil com jogo de encaixe. • Travamento com limitadores do jogo de encaixe, com chave se necessário. barra rosqueada Ø 10mm porcas e arruelas madeira 5x5cm, L=20cm 200 60
  16. 16. Bandejas Apara-Lixo Tipologia
  17. 17. Diagnóstico das soluções usuais: • Bandejas: Tábuas de pinho, compensados e OSB • Estruturas: Treliças metálicas ou vigas de madeira • Fixação: Barras de aço deixadas na concretagem Avaliação • Excesso de tempo e trabalho na montagem e desmontagem, e transporte • Riscos na montagem e desmontagem • Vida útil reduzida de compensados e madeiras serradas • Resistência e rigidez • Critérios para espaçamento entre apoios Bandejas Apara-Lixo
  18. 18. Ações consideradas •Ação dinâmica do vento; •Sobrecarga para manutenção; •Limpeza e pequeno acúmulo de detritos; •Peso próprio dos elementos estruturais Bandejas Apara-Lixo
  19. 19. 80 140 250 80 • Não deve ser usada como plataforma de trabalho ou apoio para andaimes; • Inspeção periódica com descarte ou recuperação de elementos danificados ou deteriorados; • Limpeza periódica; • Limite da altura do solo; • Manutenção, montagem, desmontagem ou resgates devem ser realizados nas regiões de apoios metálicos. Bandejas Apara-Lixo Restrições e advertências
  20. 20. Bandejas Apara-Lixo Inovação - Secundária • Compensado resinado 1100x2200x (15/18)mm; • Durabilidade: – Controle de recebimento – Disco da serra circular com fio; – Proteger as bordas e superfícies decorrentes de cortes ou furos. – Estocar afastado do solo e da umidade. 110 140 220 40 220 30 80 5045 45 15 40 Linha de corte do compensado
  21. 21. Bandejas Apara-Lixo Inovação - Secundária 40 220 30 40140 110 140 Ripas Esquema de montagem 80 140 12 52 Parafuso ArruelaRipa Compensado
  22. 22. Bandejas Apara-Lixo Inovação - Secundária Apoio para bandejas de tábuas de madeira Escoras metálicas 220 80 140 Cabo de aço porca e arruela soldada 50 12,5 compensado perfil de aço barra rosqueada 12,5mm espaçadores soldados 62,5 2 45 45 25 50 15 3030 30 3 espaçadores 4 parafusos 2 parafusos Parafusos e espaçadores
  23. 23. Proteção nas Lajes em Execução • Plataforma de trabalho na periferia da fôrma • Sistema independente das fôrmas e cimbramentos • Utiliza modulação das plataformas Sugestões: • Guarda-corpo com cimbramento e escoramento das vigas de borda
  24. 24. Proteção nas Lajes em Execução Detalhes do perfil dobrado, barras rosqueadas e espaçadores.Cotas em mm Plataforma em compensado de 18mm fixados com parafusos ao apoio.
  25. 25. Proteção nas Lajes em Execução
  26. 26. Em andamento • Simulação em maquete eletrônica • Aparelho de ajuste para os cabos • Apresentação e coleta de contribuições Inicio imediato • Avaliações em obras. – Estrutura, funcionalidade, durabilidade. • Parceiros? Pontos para pesquisas • Novos materiais Leves,duráveis,ambientalmente adequados, menor custo • Problemas de impacto mecânico • Sugestões? Continuidade
  27. 27. Conclusões É possível maior eficiência dos EPC contra quedas: Aumento da segurança estrutural Redução de custos diretos Redução de custos indiretos Desenvolvimento contínuo Fortalecer relações para desenvolvimento setorial UNIVERSIDADE Pesquisa e fomento EMPRESAS Setor da Construção SESI
  28. 28. • SESI – Lícia Maria Nascimento – Robério Costa e Silva – George Câmara • UFBA – Emerson A. M. Ferreira – Ricardo F. Carvalho – João Augusto L. Rocha – Vinicius Maia Oliveira • JDL Qualidade, produtividade e segurança do trabalho – José C. de A. Sampaio • PENGEC- Engenharia e Consultoria LTDA Créditos e Agradecimentos www.fieb.org.br lician@fieb.org.br

×