SlideShare uma empresa Scribd logo

NBR 11785 - Barra Antipanico

NBR 11785 - Barra Antipanico

1 de 8
Baixar para ler offline
Copyright © 1997,
ABNT–Associação Brasileira
de Normas Técnicas
Printed in Brazil/
Impresso no Brasil
Todos os direitos reservados
Sede:
Rio de Janeiro
Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar
CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680
Rio de Janeiro - RJ
Tel.: PABX (021) 210-3122
Fax: (021) 240-8249/532-2143
Endereço Telegráfico:
NORMATÉCNICA
ABNT-Associação
Brasileira de
Normas Técnicas
MAIO 1997
Barra antipânico - Requisitos
NBR 11785
Origem: Projeto NBR 11785:1996
CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio
CE-24:201.01 - Comissão de Estudo de Portas Corta-Fogo e Acessórios
NBR 11785 - Emergency exit devices - Requirements
Descriptor: Antipanic device
Esta Norma substitui a EB-2081:1990 (NBR 11785)
Válida a partir de 30.06.1997
8 páginasPalavras-chave: Antipânico. Barra antipânico.
Porta corta-fogo. Segurança
de todos os componentes e acessórios de uma barra
antipânico, de maneira que possam funcionar com efi-
ciência e segurança.
Esta Norma inclui o anexo A, de caráter normativo.
1 Objetivo
Esta Norma fixa as condições exigíveis na fabricação,
segurança e funcionamento de barras antipânico des-
tinadas a saídas de emergência.
2 Referências normativas
As normas relacionadas a seguir contêm disposições
que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições
para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor
no momento desta publicação. Como toda norma está
sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam
acordos com base nesta que verifiquem a conveniência
de se usarem as edições mais recentes das normas
citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas
em vigor em um dado momento.
NBR 8094:1983 - Material metálico revestido e não
revestido - Corrosão por exposição à névoa salina -
Método de ensaio
ASTM D 610:1989 - Test method for evaluating
degree of rusting on painted steel surfaces
ASTM D 1654:1992 - Test method for evaluating of
painted or coated specimens subjected to corrosive
environments
Sumário
Prefácio
1 Objetivo
2 Referências normativas
3 Definições
4 Requisitos gerais
5 Requisitos específicos
6 Inspeção
7 Aceitação e rejeição
ANEXO
A Figuras
Prefácio
A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é
o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Bra-
sileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Co-
mitês Brasileiros (CB) e dos Organismos de Normalização
Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Es-
tudo (CE), formadas por representantes dos setores envol-
vidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e
neutros (universidades, laboratórios e outros).
Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito
dos CB e ONS, circulam para Votação Nacional entre os
associados da ABNT e demais interessados.
Esta Norma, elaborada por técnicos e fabricantes inte-
grantes do CB-24, atualiza a norma anterior e incorpora
sistemas de acionamento que ainda não estavam nor-
malizados, objetivando a padronização e a qualidade
Cópia não autorizada
2 NBR 11785:1997
3 Definições
Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes
definições.
3.1 barra antipânico: Dispositivo de destravamento da
folha de uma porta, na posição fechada, acionado me-
diante pressão exercida no sentido de abertura, em uma
barra horizontal fixada na face da folha.
3.2 barra antipânico simples: Barra antipânico com uma
única barra acionadora, destinada à utilização em portas
com uma única folha, possuindo pelo menos um ponto
de travamento.
3.3 barra antipânico dupla: Barra antipânico destinada
à utilização em portas com duas folhas, com uma barra
acionadora em cada folha, possuindo em uma delas (a
que deve fechar em primeiro lugar) um ou dois pontos de
travamento (superior ou superior e inferior) e na outra (a
que se sobrepõe) pelo menos um ponto de travamento
(contra a primeira folha). O acionamento de qualquer uma
das barras deve abrir pelo menos a folha respectiva.
3.4 barra acionadora: Componente da barra antipânico,
fixado horizontalmente na face da folha, cujo acionamento,
em qualquer ponto de seu comprimento, libera a folha da
porta de sua posição de travamento, no sentido da aber-
tura. A barra pode ser de acionamento horizontal ou
radial.
NOTA - Os exemplos de barras acionadoras encontram-se nas
figuras A.1 e A.2.
3.5 selecionador de fechamento: Dispositivo destinado
a selecionar a seqüência de fechamento das folhas de
uma porta dupla, evitando sobreposição incorreta.
3.6 sistema de travamento: Componentes da barra
antipânico que mantêm a(s) folha(s) da porta na posição
fechada. Incluem fechaduras, trincos e cremonas, que
são obrigatoriamente liberados pelo acionamento da
barra antipânico.
3.7 alojador: Peça destinada a acomodar os compo-
nentes de travamento da barra antipânico, com a(s)
folha(s) na posição fechada.
4 Requisitos gerais
4.1 Tipos de barra antipânico
São dois os tipos de barra antipânico:
a) barra antipânico simples;
b) barra antipânico dupla.
NOTA - Os exemplos dos tipos acima encontram-se nas figu-
ras A.3 a A.6.
4.2 Generalidades
4.2.1 A barra antipânico deve ser o único meio existente
na porta para abri-la no sentido de fuga.
4.2.2 É vedada, no lado contrário ao sentido de fuga, a
utilização de qualquer dispositivo ou mecanismo de tra-
vamento ou trancamento da porta que interfira no fun-
cionamento normal da barra antipânico.
4.3 Materiais
4.3.1 Os materiais constituintes da barra antipânico devem
ser metálicos e não podem apresentar “Ponto de solidus”
inferior a 550°C. Quando destinados à utilização em portas
corta-fogo, devem atender aos requisitos da norma
específica.
4.3.2 O projeto deve prever o coeficiente de expansão
dos materiais constituintes, de modo que seja assegurado
o perfeito funcionamento dos dispositivos de abertura,
até a temperatura de 100°C.
4.3.3 Os materiais susceptíveis de corrosão galvânica
somente podem ser utilizados em contato direto entre si,
quando adequadamente protegidos.
4.3.4 Os materiais susceptíveis de sofrer corrosão nas
condições de trabalho também devem ser adequa-
damente protegidos, de acordo com o estabelecido em
4.4.1.
4.4 Acabamento
Todos os componentes aparentes da barra antipânico
devem apresentar acabamento liso e ser projetados de
forma que não prendam a roupa dos usuários e não lhes
ocasionem ferimentos.
4.4.1 Os componentes da barra antipânico devem
apresentar acabamentos que assegurem uma proteção
de tal ordem que resistam, no mínimo, a 120 h de ensaio
em névoa salina, conforme a NBR 8094.
4.4.1.1 É considerada reprovada a amostra que apresentar
falhas iguais ou superiores a 3,2 mm para cada lado das
incisões, conforme critério de classificação da
ASTM D 1654, e deterioração superficial superior ao grau
de oxidação 6 (áreas de oxidação superior ou igual a
1%), conforme classificação da ASTM D 610.
4.4.2 Quando a barra antipânico for equipada com maça-
neta no lado oposto, esta deve apresentar acabamento
liso, sem defeitos de qualquer natureza, e atender ao dis-
posto em 4.3.1 e 4.4.1.
4.5 Identificação
4.5.1 Deve estar marcada na barra antipânico, de forma
legível e indelével, a sigla ou marca do fabricante.
4.5.2 A barra de acionamento deve conter inscrita, de
maneira indelével e perfeitamente visível ao usuário, a
palavra “EMPURRE”, em letras de no mínimo 15 mm de
altura e 7,5 mm de largura. Esta marcação pode ser
substituída por uma placa, fixada à porta, a 1 500 mm do
piso, com dimensões mínimas de 200 mm x 100 mm, com
instruções gráficas indicativas do funcionamento.
Cópia não autorizada
NBR 11785:1997 3
4.6 Instruções para instalação
4.6.1 Os dispositivos antipânico, fabricados em confor-
midade com esta Norma, devem oferecer um alto nível
de segurança. As portas onde forem instalados os dis-
positivos devem possuir no mínimo três dobradiças, não
estar empenadas e com movimentação livre.
4.6.1.1 Ficam dispensadas das exigências de três do-
bradiças as portas cujo funcionamento se dá por con-
junto de pivô superior e inferior.
4.6.2 Todo dispositivo antipânico deve ser fornecido
acompanhado por instruções de instalação e manu-
tenção. As recomendações seguintes para manutenção
devem incluir, no mínimo, mensalmente:
- inspecionar e operar o dispositivo, assegurando
que todos os componentes estejam em condições
satisfatórias de funcionamento;
- seguir as instruções do fabricante quanto à lubri-
ficação, sempre que necessário;
- verificar se os alojadores estão desobstruídos;
- providenciar reaperto dos parafusos, se necessário.
4.6.3 A instalação deve ser efetuada com parafusos, guar-
nições e acessórios fornecidos pelo fabricante.
4.6.4 Qualquer substituição de peças somente pode ser
efetuada por pessoal habilitado e com peças originais de
fábrica.
4.7 Garantia
Os fabricantes devem fornecer:
a) garantia de cinco anos contra defeitos de fabri-
cação e corrosão, desde que tenham sido observa-
das as instruções do fabricante;
b) termos de garantia específicos para seu tipo de
produto, nos quais devem constar instruções para
transporte, estocagem, instalação e manutenção.
4.8 Certificação
Pelo fato de se tratar de equipamento de segurança, a
barra antipânico deve ser submetida a um Sistema de
Certificação com a presente Norma, emitido por órgão
competente.
5 Requisitos específicos
5.1 Projeto
5.1.1 A barra antipânico deve ser projetada de forma que
libere a porta no sentido de fuga, ao ser pressionada em
qualquer ponto de seu comprimento, ou ao ser movi-
mentada para baixo, conforme as figuras A.1 e A.2.
5.1.2 Para que o dispositivo de travamento da barra
antipânico seja liberado pelo lado oposto ao sentido de
fuga, pode ser previsto um acessório operado por maça-
neta, chave, controle remoto, botoeiras ou leitores de car-
tão magnético.
5.1.2.1 Os dispositivos de acesso pelo lado oposto ao
sentido de fuga devem ser fixados por sistemas próprios
que dificultem a sua remoção; no caso de uso de maça-
neta, esta deve ser mantida na posição horizontal.
5.1.2.2 O acionamento da maçaneta deve ser efetuado
por rotação para baixo; o plano de rotação é paralelo ao
plano da folha da porta.
5.1.3 O recolhimento dos trincos, quando do acionamento
da barra antipânico, não deve depender da ação de peças
cuja eventual falha impeça o funcionamento da barra
antipânico.
5.1.4 Todos os parafusos ou pinos utilizados na mon-
tagem da barra antipânico e de seus componentes e
acessórios devem ser fixados de modo que seja evitado
o seu deslocamento, acidental ou intencional, sem utili-
zação de ferramentas adequadas.
5.1.5 Na montagem ou fixação do sistema barra antipâ-
nico, deve ser assegurado que a perda ou falha de qual-
quer pino ou parafuso, ou de qualquer outra fixação, não
comprometa o funcionamento do sistema.
5.1.6 É obrigatória a utilização de placas de alojamento
(inferior e superior) e contrachapas nos alojamentos dos
trincos.
5.1.7 No caso de barras antipânico com travamento ver-
tical, devem ser previstas guias adequadas para reter os
trincos no plano vertical e evitar o seu encurvamento ou
flambagem.
5.1.8 No conjunto de barras antipânico para porta de duas
folhas, deve ser assegurado que o acionamento de qual-
quer das duas barras libere a folha correspondente no
sentido de fuga.
5.1.9 No caso de barras antipânico com travamento ver-
tical, deve ser previsto um dispositivo automático de re-
tenção do trinco inferior que o libere na posição final de
trancamento.
5.1.10 Os trincos da barra antipânico devem ser projetados
de modo que seja assegurado o encaixe automático
destes nos alojadores, no ciclo de retorno da porta.
5.1.11 Os trincos para barra antipânico devem obedecer
às seguintes características:
a) ter funcionamento pivotante ou de correr;
b) ser cuneiformes, com largura mínima de 25 mm.
5.2 Dimensões
5.2.1 Os trincos devem ser dimensionados de modo que
seja permitido um recolhimento mínimo de 15 mm e um
encaixe mínimo de 10 mm nos alojadores. Quando em
posição de recolhimento, não devem oferecer qualquer
impedimento à livre movimentação da porta.
5.2.2 A superfície de contato para acionamento da barra
antipânico deve apresentar dimensões mínimas de
22 mm em seu eixo vertical.
Cópia não autorizada
4 NBR 11785:1997
5.2.3 A barra acionadora, quando em posição de repouso,
não deve se projetar mais de 100 mm em relação ao
plano da porta.
5.2.4 No fim do curso de acionamento da barra do tipo
radial, a distância entre a face da porta e a barra deve ser
de no mínimo 25 mm, com a finalidade de proteger a mão
do usuário.
5.2.5 A barra acionadora deve ser posicionada entre
900 mm e 1 100 mm acima do piso.
5.2.6 A empunhadura da maçaneta deve ter 100 mm de
comprimento, no mínimo, e uma única extremidade livre.
5.2.7 O afastamento da maçaneta em relação ao plano da
porta, no trecho da empunhadura, deve ser de 40 mm, no
mínimo.
5.2.8 A haste de interligação entre o sistema de aciona-
mento, do lado contrário ao sentido de fuga, e o meca-
nismo antipânico propriamente dito deve ser de aço, com
perfil adequado de encaixe.
5.2.9 O comprimento efetivo da barra de acionamento deve
ser no máximo 200 mm inferior à largura efetiva do vão
livre da porta, conforme a figura A.7. No caso de porta du-
pla, o comprimento efetivo das barras de acionamento
deve ser no máximo 380 mm inferior à largura efetiva do
vão livre das portas, conforme a figura A.8.
5.3 Funcionamento
5.3.1 A força necessária para operar a barra antipânico,
quando instalada conforme as instruções do fabricante,
não deve ser superior a 70 N, quando aplicada em qual-
quer ponto ao longo do comprimento da(s) barra(s) de
acionamento.
5.3.1.1 Para aplicação da força, a porta deve estar isenta
de pressões.
5.3.1.2 A força deve ser aplicada no sentido de fuga,
estando contida em um plano vertical perpendicular ao
plano da porta, em qualquer ângulo entre o plano hori-
zontal e 45° acima do plano horizontal; para as barras de
acionamento radial e para as barras de acionamento hori-
zontal, a força deve ser aplicada no sentido de fuga, em
um plano perpendicular ao plano da porta.
5.3.2 A força necessária para operar a barra antipânico,
quando instalada conforme as instruções do fabricante,
em portas em condições normais de utilização, não deve
ser superior a 200 N, estando a porta submetida a uma
força de 1 000 N, aplicada no lado oposto ao das dobra-
diças, no ponto mais próximo possível do trinco e dire-
cionada no sentido de fuga. A força de operação da barra
antipânico deve ser aplicada no sentido de fuga, nas
mesmas condições previstas em 5.3.1.2.
5.3.3 O tempo entre a aplicação de uma força de 70 N,
nas mesmas condições previstas em 5.3.1.1 e 5.3.1.2, e
o recolhimento total dos trincos do dispositivo antipânico
não deve ser superior a 2 s.
6 Inspeção
6.1 Ensaios
6.1.1 A barra, instalada segundo as instruções do fabri-
cante, em uma porta ou equipamento equivalente, deve
ser submetida ao ensaio de 100 000 ciclos completos de
operação, à razão de oito ciclos por minuto a dez ciclos
por minuto, lubrificando conforme orientação do fabri-
cante. O ensaio deve simular funcionamento normal do
dispositivo, durante a abertura e o fechamento da porta.
6.1.2 A barra, instalada segundo as instruções do fabri-
cante, deve ser submetida, no centro, a uma força vertical
de 1 000 N, dirigida para baixo. Em seguida, a barra deve
ser novamente submetida, por cinco vezes, às condições
de abertura previstas em 5.3.1, não podendo apresentar
qualquer alteração no funcionamento.
6.1.3 A barra, instalada segundo as instruções do fabri-
cante, deve ser submetida, no fim de seu curso normal de
funcionamento, no centro, com a porta travada, a uma
força de 1 000 N, aplicada perpendicularmente ao plano
da porta. Em seguida, a barra deve ser novamente
submetida, por cinco vezes, às condições de abertura
previstas em 5.3.1, não podendo apresentar qualquer al-
teração no funcionamento.
6.1.4 Os componentes metálicos ferrosos, tratados contra
a corrosão, devem ser submetidos ao ensaio de névoa
salina, conforme a NBR 8094 durante um mínimo de
120 h.
7 Aceitação e rejeição
As barras antipânico que atenderem a todos os requisitos
previstos nesta Norma devem ser aceitas; caso contrário,
devem ser rejeitadas.
/ANEXO A
Cópia não autorizada
CópiaimpressapeloSistemaCENWIN
C
NBR 11785:1997 5
Anexo A (normativo)
Figuras
NOTA - Estas figuras têm apenas o objetivo de servir como
diagrama representativo, não representando qualquer projeto
particular de barra antipânico.
FiguraA.1-Barraantipânicodeacionamentohorizontal
Cópia não autorizada
C
6NBR11785:1997
Figura A.2 - Barra antipânico de acionamento radial
Cópia não autorizada
CópiaimpressapeloSistemaCENWIN
CópiaimpressapeloSistemaCENWIN
NBR 11785:1997 7
a) Travamento horizontal b) Travamento vertical
Figura A.3 - Barra antipânico simples
a) Travamentos vertical e horizontal b) Travamento vertical
Figura A.4 - Barra antipânico dupla
a) Travamento horizontal b) Travamento vertical
Figura A.5 - Barra antipânico simples
Cópia não autorizada
CópiaimpressapeloSistemaCENWIN
CópiaimpressapeloSistema
8 NBR 11785:1997
a) Travamentos vertical e horizontal b) Travamento vertical
Figura A.6 - Barra antipânico dupla
B - A ≥ 200 mm
Figura A.7 - Barra antipânico simples - Comprimento efetivo de instalação
B - 2 A ≥ 380 mm
Figura A.8 - Barra antipânico dupla - Comprimento efetivo de instalação
Cópia não autorizada

Recomendados

Nbr 15219 2005 plano de emergência contra incêndio-requisitos (1)
Nbr 15219 2005   plano de emergência contra incêndio-requisitos (1)Nbr 15219 2005   plano de emergência contra incêndio-requisitos (1)
Nbr 15219 2005 plano de emergência contra incêndio-requisitos (1)Maryluce Coelho
 
Nbr 12962 inspecao manut. recarga de extintores (2)
Nbr 12962 inspecao manut. recarga de extintores (2)Nbr 12962 inspecao manut. recarga de extintores (2)
Nbr 12962 inspecao manut. recarga de extintores (2)cristiano Santos
 
Nbr16329 betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Nbr16329   betoneiras estacionárias - requisitos de segurançaNbr16329   betoneiras estacionárias - requisitos de segurança
Nbr16329 betoneiras estacionárias - requisitos de segurançaRodrigo Trevizan
 
Nbr 14712 elevadores eletricos - elevadores de carga monta-cargas e elevado...
Nbr 14712   elevadores eletricos - elevadores de carga monta-cargas e elevado...Nbr 14712   elevadores eletricos - elevadores de carga monta-cargas e elevado...
Nbr 14712 elevadores eletricos - elevadores de carga monta-cargas e elevado...Everton Retore Teixeira
 
Manual instrucoes-betoneira
Manual instrucoes-betoneiraManual instrucoes-betoneira
Manual instrucoes-betoneiraLeila Boroski
 

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipNbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipLaerte Bessa
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Erick Luiz Coutinho dos Santos
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999UNIFIA
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Lucila Soares
 
Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida  Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida gbozz832
 
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e CuidadosNBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e CuidadosIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Andaime - Normas e Ferramentas utilizadas
Andaime - Normas e Ferramentas utilizadasAndaime - Normas e Ferramentas utilizadas
Andaime - Normas e Ferramentas utilizadasFlávio Moura
 
Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12
Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12
Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12Eduardo Campos
 
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoFabiana Cunha Consultare
 
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cNBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cVicent Raphael
 
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOSTubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOSMário Sérgio Mello
 
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011giovani_goncalves
 
ABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdf
ABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdfABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdf
ABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdfWilliamNunes40
 
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frioNbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frioejfelix
 
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Paulo H Bueno
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosEverton Retore Teixeira
 

Mais procurados (20)

Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcipNbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
Nbr 17240-substituindo-nbr-9441 manutenção spcip
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
 
NBR 8160/1999
NBR 8160/1999NBR 8160/1999
NBR 8160/1999
 
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
Nbr 14627-equipamento-de-protecao-individual-trava-queda-guiado-em-linha-rigi...
 
Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida  Memória de cálculo de linha de vida
Memória de cálculo de linha de vida
 
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e CuidadosNBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
NBR 12.779 - Mangueiras de Incêndio - Inspeção, Manutenção e Cuidados
 
Andaime - Normas e Ferramentas utilizadas
Andaime - Normas e Ferramentas utilizadasAndaime - Normas e Ferramentas utilizadas
Andaime - Normas e Ferramentas utilizadas
 
Abnt nbr 17240 2010 completa
Abnt nbr 17240 2010 completaAbnt nbr 17240 2010 completa
Abnt nbr 17240 2010 completa
 
Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12
Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12
Soldagem dicas-de-seguranca-e-instrucoes-da-nr-12
 
Ata 9ª reunião
Ata 9ª reuniãoAta 9ª reunião
Ata 9ª reunião
 
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concretoNbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
Nbr 14827-2002-chumbadores-instalados-em-elementos-de-concreto
 
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo cNBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
NBR 16325- parte 2 - dispositivos de ancoragem tipo c
 
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOSTubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
Tubulações e Dutos - Estudante do curso INSPETOR DE EQUIPAMENTOS
 
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011Abnt   nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
Abnt nbr 14626 - 2010 corrigida 2011
 
ABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdf
ABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdfABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdf
ABNT NBR 15758-3_2009 (DRYWALL).pdf
 
Regras de ouro
Regras de ouroRegras de ouro
Regras de ouro
 
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frioNbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
Nbr 14762 dimensionamento de estruturas de aço perfis formados a frio
 
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
 
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscosNbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
Nbr iso-12100-sm-principios-gerais-de-projeto-apreciacao-e-reducao-de-riscos
 
Hidrantes 2011
Hidrantes 2011Hidrantes 2011
Hidrantes 2011
 

Destaque (11)

NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
NBR 9077 - Saídas de Emergência em EdificiosNBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
NBR 9077 - Saídas de Emergência em Edificios
 
Trabajo de risks mecanicos
Trabajo de risks mecanicosTrabajo de risks mecanicos
Trabajo de risks mecanicos
 
Social Media Alexis Casher
Social Media Alexis CasherSocial Media Alexis Casher
Social Media Alexis Casher
 
caso clinico de patologia
caso clinico de patologiacaso clinico de patologia
caso clinico de patologia
 
2 years minsk
2 years minsk2 years minsk
2 years minsk
 
Auditing minsk and reintegration
Auditing minsk and reintegrationAuditing minsk and reintegration
Auditing minsk and reintegration
 
Propuesta modelo completo e lerning adaptado para nativo digital
Propuesta modelo completo e lerning adaptado para nativo digitalPropuesta modelo completo e lerning adaptado para nativo digital
Propuesta modelo completo e lerning adaptado para nativo digital
 
Ответ МВД РФ
Ответ МВД РФОтвет МВД РФ
Ответ МВД РФ
 
5 клас урок 17 НОВА ПРОГРАМА
5 клас урок 17 НОВА ПРОГРАМА5 клас урок 17 НОВА ПРОГРАМА
5 клас урок 17 НОВА ПРОГРАМА
 
Método Gavilán
Método GavilánMétodo Gavilán
Método Gavilán
 
Annual Report (FY-2015-16) of Kuwer Industries Ltd.
Annual Report (FY-2015-16) of Kuwer Industries Ltd.Annual Report (FY-2015-16) of Kuwer Industries Ltd.
Annual Report (FY-2015-16) of Kuwer Industries Ltd.
 

Semelhante a NBR 11785 - Barra Antipanico (20)

N 2608
N 2608N 2608
N 2608
 
NBR 14628
NBR 14628 NBR 14628
NBR 14628
 
Manual abx micros 60 (em português)
Manual abx micros 60 (em português)Manual abx micros 60 (em português)
Manual abx micros 60 (em português)
 
Manual de manutenção e operação
Manual de manutenção e operaçãoManual de manutenção e operação
Manual de manutenção e operação
 
N 1596[1] ensaio com liquido penetrante
N 1596[1] ensaio com liquido penetranteN 1596[1] ensaio com liquido penetrante
N 1596[1] ensaio com liquido penetrante
 
Prospekt 2014 vakuumspanntechnik_pt
Prospekt 2014 vakuumspanntechnik_ptProspekt 2014 vakuumspanntechnik_pt
Prospekt 2014 vakuumspanntechnik_pt
 
Manual-Compressor.pdf
Manual-Compressor.pdfManual-Compressor.pdf
Manual-Compressor.pdf
 
Ntc63
Ntc63Ntc63
Ntc63
 
Manual autoclave rel[23433 1-2]
Manual autoclave rel[23433 1-2]Manual autoclave rel[23433 1-2]
Manual autoclave rel[23433 1-2]
 
Inspecao tanques aereos - normativa
Inspecao tanques aereos - normativaInspecao tanques aereos - normativa
Inspecao tanques aereos - normativa
 
Ntc47
Ntc47Ntc47
Ntc47
 
Nbr 15071 04 2004 - cones
Nbr 15071 04 2004 - conesNbr 15071 04 2004 - cones
Nbr 15071 04 2004 - cones
 
Manual assador frangos 1
Manual assador frangos 1Manual assador frangos 1
Manual assador frangos 1
 
document.onl_nbr-15837-2010.pdf
document.onl_nbr-15837-2010.pdfdocument.onl_nbr-15837-2010.pdf
document.onl_nbr-15837-2010.pdf
 
NBR14627
NBR14627   NBR14627
NBR14627
 
Smartcut75
Smartcut75Smartcut75
Smartcut75
 
Andaimeparte2
Andaimeparte2Andaimeparte2
Andaimeparte2
 
Nbriec60079 6 092009 exo
Nbriec60079 6 092009 exoNbriec60079 6 092009 exo
Nbriec60079 6 092009 exo
 
Nbr 7400
Nbr 7400Nbr 7400
Nbr 7400
 
Andaimeparte1
Andaimeparte1Andaimeparte1
Andaimeparte1
 

Mais de IZAIAS DE SOUZA AGUIAR

NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da QualidadeIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da QualidadeIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da QualidadeIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
Apostila 1 -  Liderança e Comunicação Apostila 1 -  Liderança e Comunicação
Apostila 1 - Liderança e Comunicação IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAPAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a IncêndioABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a IncêndioIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a IncêndioPAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a IncêndioIZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 

Mais de IZAIAS DE SOUZA AGUIAR (20)

NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
NBR 14277:2005 - Instalação e Equipamentos para Treinamento de Combate a Incê...
 
Modelo de Ata da CIPA
Modelo de Ata da CIPAModelo de Ata da CIPA
Modelo de Ata da CIPA
 
Manual da CIPA
Manual da CIPAManual da CIPA
Manual da CIPA
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 02
 
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
Apostila de Treinamento de Produtos Químicos - Módulo 01
 
HACCP - Setembro 2014
HACCP -  Setembro 2014HACCP -  Setembro 2014
HACCP - Setembro 2014
 
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 04 - Sistema de Gestão da Qualidade
 
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 02 - Sistema de Gestão da Qualidade
 
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da QualidadeAula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
Aula 01 - Sistema de Gestão da Qualidade
 
Apostila 3 - Gestão de Equipe
Apostila 3 - Gestão de EquipeApostila 3 - Gestão de Equipe
Apostila 3 - Gestão de Equipe
 
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
Apostila 1 -  Liderança e Comunicação Apostila 1 -  Liderança e Comunicação
Apostila 1 - Liderança e Comunicação
 
Apostila 2 - Gestão de Pessoas
Apostila 2 - Gestão de Pessoas Apostila 2 - Gestão de Pessoas
Apostila 2 - Gestão de Pessoas
 
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIAPAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
PAE - PLANO DE ATENDIMENTO EM EMERGÊNCIA
 
Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio Apostila Completa de Combate a Incêndio
Apostila Completa de Combate a Incêndio
 
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a IncêndioABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
ABNT/ NBR 12779 - Mangueiras de Combate a Incêndio
 
Alerta de HSE
Alerta de HSEAlerta de HSE
Alerta de HSE
 
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
Alerta de HSE - Trabalho em Altura NR 35
 
FOTO GERAL DO PAE
FOTO GERAL DO PAEFOTO GERAL DO PAE
FOTO GERAL DO PAE
 
PAE 13 - Pré Plano de Emergência
PAE 13 - Pré Plano de EmergênciaPAE 13 - Pré Plano de Emergência
PAE 13 - Pré Plano de Emergência
 
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a IncêndioPAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
PAE 12 - Sistema de Proteção e Combate a Incêndio
 

Último

Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...DL assessoria 29
 
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASILCenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASILCIFOR-ICRAF
 
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...elielsontz089
 
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...DL assessoria 29
 
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...DL assessoria 29
 
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas ModernasTeoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas ModernasPrimeAssessoriaAcadm3
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfAmiltonMaia
 

Último (7)

Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
Vários modelos foram propostos para estudar os determinantes sociais e a tram...
 
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASILCenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
Cenários de desmatamento para o Brasil Plataforma REDD BRASIL
 
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
Reciclagem na Prática_ Como Pequenas Mudanças Podem Fazer uma Grande Diferenç...
 
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
E-commerce ou comércio eletrônico, é um processo de compra e venda de produto...
 
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
Orientação nutricional pode ajudar portadoras da síndrome de Turner A partir ...
 
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas ModernasTeoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
Teoria Burocrática e sua Aplicação nas Empresas Modernas
 
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdfDimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
Dimensionamento de piquetes Comunicado-Tecnico-65.pdf
 

NBR 11785 - Barra Antipanico

  • 1. Copyright © 1997, ABNT–Associação Brasileira de Normas Técnicas Printed in Brazil/ Impresso no Brasil Todos os direitos reservados Sede: Rio de Janeiro Av. Treze de Maio, 13 - 28º andar CEP 20003-900 - Caixa Postal 1680 Rio de Janeiro - RJ Tel.: PABX (021) 210-3122 Fax: (021) 240-8249/532-2143 Endereço Telegráfico: NORMATÉCNICA ABNT-Associação Brasileira de Normas Técnicas MAIO 1997 Barra antipânico - Requisitos NBR 11785 Origem: Projeto NBR 11785:1996 CB-24 - Comitê Brasileiro de Segurança contra Incêndio CE-24:201.01 - Comissão de Estudo de Portas Corta-Fogo e Acessórios NBR 11785 - Emergency exit devices - Requirements Descriptor: Antipanic device Esta Norma substitui a EB-2081:1990 (NBR 11785) Válida a partir de 30.06.1997 8 páginasPalavras-chave: Antipânico. Barra antipânico. Porta corta-fogo. Segurança de todos os componentes e acessórios de uma barra antipânico, de maneira que possam funcionar com efi- ciência e segurança. Esta Norma inclui o anexo A, de caráter normativo. 1 Objetivo Esta Norma fixa as condições exigíveis na fabricação, segurança e funcionamento de barras antipânico des- tinadas a saídas de emergência. 2 Referências normativas As normas relacionadas a seguir contêm disposições que, ao serem citadas neste texto, constituem prescrições para esta Norma. As edições indicadas estavam em vigor no momento desta publicação. Como toda norma está sujeita a revisão, recomenda-se àqueles que realizam acordos com base nesta que verifiquem a conveniência de se usarem as edições mais recentes das normas citadas a seguir. A ABNT possui a informação das normas em vigor em um dado momento. NBR 8094:1983 - Material metálico revestido e não revestido - Corrosão por exposição à névoa salina - Método de ensaio ASTM D 610:1989 - Test method for evaluating degree of rusting on painted steel surfaces ASTM D 1654:1992 - Test method for evaluating of painted or coated specimens subjected to corrosive environments Sumário Prefácio 1 Objetivo 2 Referências normativas 3 Definições 4 Requisitos gerais 5 Requisitos específicos 6 Inspeção 7 Aceitação e rejeição ANEXO A Figuras Prefácio A ABNT - Associação Brasileira de Normas Técnicas - é o Fórum Nacional de Normalização. As Normas Bra- sileiras, cujo conteúdo é de responsabilidade dos Co- mitês Brasileiros (CB) e dos Organismos de Normalização Setorial (ONS), são elaboradas por Comissões de Es- tudo (CE), formadas por representantes dos setores envol- vidos, delas fazendo parte: produtores, consumidores e neutros (universidades, laboratórios e outros). Os Projetos de Norma Brasileira, elaborados no âmbito dos CB e ONS, circulam para Votação Nacional entre os associados da ABNT e demais interessados. Esta Norma, elaborada por técnicos e fabricantes inte- grantes do CB-24, atualiza a norma anterior e incorpora sistemas de acionamento que ainda não estavam nor- malizados, objetivando a padronização e a qualidade Cópia não autorizada
  • 2. 2 NBR 11785:1997 3 Definições Para os efeitos desta Norma, aplicam-se as seguintes definições. 3.1 barra antipânico: Dispositivo de destravamento da folha de uma porta, na posição fechada, acionado me- diante pressão exercida no sentido de abertura, em uma barra horizontal fixada na face da folha. 3.2 barra antipânico simples: Barra antipânico com uma única barra acionadora, destinada à utilização em portas com uma única folha, possuindo pelo menos um ponto de travamento. 3.3 barra antipânico dupla: Barra antipânico destinada à utilização em portas com duas folhas, com uma barra acionadora em cada folha, possuindo em uma delas (a que deve fechar em primeiro lugar) um ou dois pontos de travamento (superior ou superior e inferior) e na outra (a que se sobrepõe) pelo menos um ponto de travamento (contra a primeira folha). O acionamento de qualquer uma das barras deve abrir pelo menos a folha respectiva. 3.4 barra acionadora: Componente da barra antipânico, fixado horizontalmente na face da folha, cujo acionamento, em qualquer ponto de seu comprimento, libera a folha da porta de sua posição de travamento, no sentido da aber- tura. A barra pode ser de acionamento horizontal ou radial. NOTA - Os exemplos de barras acionadoras encontram-se nas figuras A.1 e A.2. 3.5 selecionador de fechamento: Dispositivo destinado a selecionar a seqüência de fechamento das folhas de uma porta dupla, evitando sobreposição incorreta. 3.6 sistema de travamento: Componentes da barra antipânico que mantêm a(s) folha(s) da porta na posição fechada. Incluem fechaduras, trincos e cremonas, que são obrigatoriamente liberados pelo acionamento da barra antipânico. 3.7 alojador: Peça destinada a acomodar os compo- nentes de travamento da barra antipânico, com a(s) folha(s) na posição fechada. 4 Requisitos gerais 4.1 Tipos de barra antipânico São dois os tipos de barra antipânico: a) barra antipânico simples; b) barra antipânico dupla. NOTA - Os exemplos dos tipos acima encontram-se nas figu- ras A.3 a A.6. 4.2 Generalidades 4.2.1 A barra antipânico deve ser o único meio existente na porta para abri-la no sentido de fuga. 4.2.2 É vedada, no lado contrário ao sentido de fuga, a utilização de qualquer dispositivo ou mecanismo de tra- vamento ou trancamento da porta que interfira no fun- cionamento normal da barra antipânico. 4.3 Materiais 4.3.1 Os materiais constituintes da barra antipânico devem ser metálicos e não podem apresentar “Ponto de solidus” inferior a 550°C. Quando destinados à utilização em portas corta-fogo, devem atender aos requisitos da norma específica. 4.3.2 O projeto deve prever o coeficiente de expansão dos materiais constituintes, de modo que seja assegurado o perfeito funcionamento dos dispositivos de abertura, até a temperatura de 100°C. 4.3.3 Os materiais susceptíveis de corrosão galvânica somente podem ser utilizados em contato direto entre si, quando adequadamente protegidos. 4.3.4 Os materiais susceptíveis de sofrer corrosão nas condições de trabalho também devem ser adequa- damente protegidos, de acordo com o estabelecido em 4.4.1. 4.4 Acabamento Todos os componentes aparentes da barra antipânico devem apresentar acabamento liso e ser projetados de forma que não prendam a roupa dos usuários e não lhes ocasionem ferimentos. 4.4.1 Os componentes da barra antipânico devem apresentar acabamentos que assegurem uma proteção de tal ordem que resistam, no mínimo, a 120 h de ensaio em névoa salina, conforme a NBR 8094. 4.4.1.1 É considerada reprovada a amostra que apresentar falhas iguais ou superiores a 3,2 mm para cada lado das incisões, conforme critério de classificação da ASTM D 1654, e deterioração superficial superior ao grau de oxidação 6 (áreas de oxidação superior ou igual a 1%), conforme classificação da ASTM D 610. 4.4.2 Quando a barra antipânico for equipada com maça- neta no lado oposto, esta deve apresentar acabamento liso, sem defeitos de qualquer natureza, e atender ao dis- posto em 4.3.1 e 4.4.1. 4.5 Identificação 4.5.1 Deve estar marcada na barra antipânico, de forma legível e indelével, a sigla ou marca do fabricante. 4.5.2 A barra de acionamento deve conter inscrita, de maneira indelével e perfeitamente visível ao usuário, a palavra “EMPURRE”, em letras de no mínimo 15 mm de altura e 7,5 mm de largura. Esta marcação pode ser substituída por uma placa, fixada à porta, a 1 500 mm do piso, com dimensões mínimas de 200 mm x 100 mm, com instruções gráficas indicativas do funcionamento. Cópia não autorizada
  • 3. NBR 11785:1997 3 4.6 Instruções para instalação 4.6.1 Os dispositivos antipânico, fabricados em confor- midade com esta Norma, devem oferecer um alto nível de segurança. As portas onde forem instalados os dis- positivos devem possuir no mínimo três dobradiças, não estar empenadas e com movimentação livre. 4.6.1.1 Ficam dispensadas das exigências de três do- bradiças as portas cujo funcionamento se dá por con- junto de pivô superior e inferior. 4.6.2 Todo dispositivo antipânico deve ser fornecido acompanhado por instruções de instalação e manu- tenção. As recomendações seguintes para manutenção devem incluir, no mínimo, mensalmente: - inspecionar e operar o dispositivo, assegurando que todos os componentes estejam em condições satisfatórias de funcionamento; - seguir as instruções do fabricante quanto à lubri- ficação, sempre que necessário; - verificar se os alojadores estão desobstruídos; - providenciar reaperto dos parafusos, se necessário. 4.6.3 A instalação deve ser efetuada com parafusos, guar- nições e acessórios fornecidos pelo fabricante. 4.6.4 Qualquer substituição de peças somente pode ser efetuada por pessoal habilitado e com peças originais de fábrica. 4.7 Garantia Os fabricantes devem fornecer: a) garantia de cinco anos contra defeitos de fabri- cação e corrosão, desde que tenham sido observa- das as instruções do fabricante; b) termos de garantia específicos para seu tipo de produto, nos quais devem constar instruções para transporte, estocagem, instalação e manutenção. 4.8 Certificação Pelo fato de se tratar de equipamento de segurança, a barra antipânico deve ser submetida a um Sistema de Certificação com a presente Norma, emitido por órgão competente. 5 Requisitos específicos 5.1 Projeto 5.1.1 A barra antipânico deve ser projetada de forma que libere a porta no sentido de fuga, ao ser pressionada em qualquer ponto de seu comprimento, ou ao ser movi- mentada para baixo, conforme as figuras A.1 e A.2. 5.1.2 Para que o dispositivo de travamento da barra antipânico seja liberado pelo lado oposto ao sentido de fuga, pode ser previsto um acessório operado por maça- neta, chave, controle remoto, botoeiras ou leitores de car- tão magnético. 5.1.2.1 Os dispositivos de acesso pelo lado oposto ao sentido de fuga devem ser fixados por sistemas próprios que dificultem a sua remoção; no caso de uso de maça- neta, esta deve ser mantida na posição horizontal. 5.1.2.2 O acionamento da maçaneta deve ser efetuado por rotação para baixo; o plano de rotação é paralelo ao plano da folha da porta. 5.1.3 O recolhimento dos trincos, quando do acionamento da barra antipânico, não deve depender da ação de peças cuja eventual falha impeça o funcionamento da barra antipânico. 5.1.4 Todos os parafusos ou pinos utilizados na mon- tagem da barra antipânico e de seus componentes e acessórios devem ser fixados de modo que seja evitado o seu deslocamento, acidental ou intencional, sem utili- zação de ferramentas adequadas. 5.1.5 Na montagem ou fixação do sistema barra antipâ- nico, deve ser assegurado que a perda ou falha de qual- quer pino ou parafuso, ou de qualquer outra fixação, não comprometa o funcionamento do sistema. 5.1.6 É obrigatória a utilização de placas de alojamento (inferior e superior) e contrachapas nos alojamentos dos trincos. 5.1.7 No caso de barras antipânico com travamento ver- tical, devem ser previstas guias adequadas para reter os trincos no plano vertical e evitar o seu encurvamento ou flambagem. 5.1.8 No conjunto de barras antipânico para porta de duas folhas, deve ser assegurado que o acionamento de qual- quer das duas barras libere a folha correspondente no sentido de fuga. 5.1.9 No caso de barras antipânico com travamento ver- tical, deve ser previsto um dispositivo automático de re- tenção do trinco inferior que o libere na posição final de trancamento. 5.1.10 Os trincos da barra antipânico devem ser projetados de modo que seja assegurado o encaixe automático destes nos alojadores, no ciclo de retorno da porta. 5.1.11 Os trincos para barra antipânico devem obedecer às seguintes características: a) ter funcionamento pivotante ou de correr; b) ser cuneiformes, com largura mínima de 25 mm. 5.2 Dimensões 5.2.1 Os trincos devem ser dimensionados de modo que seja permitido um recolhimento mínimo de 15 mm e um encaixe mínimo de 10 mm nos alojadores. Quando em posição de recolhimento, não devem oferecer qualquer impedimento à livre movimentação da porta. 5.2.2 A superfície de contato para acionamento da barra antipânico deve apresentar dimensões mínimas de 22 mm em seu eixo vertical. Cópia não autorizada
  • 4. 4 NBR 11785:1997 5.2.3 A barra acionadora, quando em posição de repouso, não deve se projetar mais de 100 mm em relação ao plano da porta. 5.2.4 No fim do curso de acionamento da barra do tipo radial, a distância entre a face da porta e a barra deve ser de no mínimo 25 mm, com a finalidade de proteger a mão do usuário. 5.2.5 A barra acionadora deve ser posicionada entre 900 mm e 1 100 mm acima do piso. 5.2.6 A empunhadura da maçaneta deve ter 100 mm de comprimento, no mínimo, e uma única extremidade livre. 5.2.7 O afastamento da maçaneta em relação ao plano da porta, no trecho da empunhadura, deve ser de 40 mm, no mínimo. 5.2.8 A haste de interligação entre o sistema de aciona- mento, do lado contrário ao sentido de fuga, e o meca- nismo antipânico propriamente dito deve ser de aço, com perfil adequado de encaixe. 5.2.9 O comprimento efetivo da barra de acionamento deve ser no máximo 200 mm inferior à largura efetiva do vão livre da porta, conforme a figura A.7. No caso de porta du- pla, o comprimento efetivo das barras de acionamento deve ser no máximo 380 mm inferior à largura efetiva do vão livre das portas, conforme a figura A.8. 5.3 Funcionamento 5.3.1 A força necessária para operar a barra antipânico, quando instalada conforme as instruções do fabricante, não deve ser superior a 70 N, quando aplicada em qual- quer ponto ao longo do comprimento da(s) barra(s) de acionamento. 5.3.1.1 Para aplicação da força, a porta deve estar isenta de pressões. 5.3.1.2 A força deve ser aplicada no sentido de fuga, estando contida em um plano vertical perpendicular ao plano da porta, em qualquer ângulo entre o plano hori- zontal e 45° acima do plano horizontal; para as barras de acionamento radial e para as barras de acionamento hori- zontal, a força deve ser aplicada no sentido de fuga, em um plano perpendicular ao plano da porta. 5.3.2 A força necessária para operar a barra antipânico, quando instalada conforme as instruções do fabricante, em portas em condições normais de utilização, não deve ser superior a 200 N, estando a porta submetida a uma força de 1 000 N, aplicada no lado oposto ao das dobra- diças, no ponto mais próximo possível do trinco e dire- cionada no sentido de fuga. A força de operação da barra antipânico deve ser aplicada no sentido de fuga, nas mesmas condições previstas em 5.3.1.2. 5.3.3 O tempo entre a aplicação de uma força de 70 N, nas mesmas condições previstas em 5.3.1.1 e 5.3.1.2, e o recolhimento total dos trincos do dispositivo antipânico não deve ser superior a 2 s. 6 Inspeção 6.1 Ensaios 6.1.1 A barra, instalada segundo as instruções do fabri- cante, em uma porta ou equipamento equivalente, deve ser submetida ao ensaio de 100 000 ciclos completos de operação, à razão de oito ciclos por minuto a dez ciclos por minuto, lubrificando conforme orientação do fabri- cante. O ensaio deve simular funcionamento normal do dispositivo, durante a abertura e o fechamento da porta. 6.1.2 A barra, instalada segundo as instruções do fabri- cante, deve ser submetida, no centro, a uma força vertical de 1 000 N, dirigida para baixo. Em seguida, a barra deve ser novamente submetida, por cinco vezes, às condições de abertura previstas em 5.3.1, não podendo apresentar qualquer alteração no funcionamento. 6.1.3 A barra, instalada segundo as instruções do fabri- cante, deve ser submetida, no fim de seu curso normal de funcionamento, no centro, com a porta travada, a uma força de 1 000 N, aplicada perpendicularmente ao plano da porta. Em seguida, a barra deve ser novamente submetida, por cinco vezes, às condições de abertura previstas em 5.3.1, não podendo apresentar qualquer al- teração no funcionamento. 6.1.4 Os componentes metálicos ferrosos, tratados contra a corrosão, devem ser submetidos ao ensaio de névoa salina, conforme a NBR 8094 durante um mínimo de 120 h. 7 Aceitação e rejeição As barras antipânico que atenderem a todos os requisitos previstos nesta Norma devem ser aceitas; caso contrário, devem ser rejeitadas. /ANEXO A Cópia não autorizada
  • 5. CópiaimpressapeloSistemaCENWIN C NBR 11785:1997 5 Anexo A (normativo) Figuras NOTA - Estas figuras têm apenas o objetivo de servir como diagrama representativo, não representando qualquer projeto particular de barra antipânico. FiguraA.1-Barraantipânicodeacionamentohorizontal Cópia não autorizada
  • 6. C 6NBR11785:1997 Figura A.2 - Barra antipânico de acionamento radial Cópia não autorizada
  • 7. CópiaimpressapeloSistemaCENWIN CópiaimpressapeloSistemaCENWIN NBR 11785:1997 7 a) Travamento horizontal b) Travamento vertical Figura A.3 - Barra antipânico simples a) Travamentos vertical e horizontal b) Travamento vertical Figura A.4 - Barra antipânico dupla a) Travamento horizontal b) Travamento vertical Figura A.5 - Barra antipânico simples Cópia não autorizada
  • 8. CópiaimpressapeloSistemaCENWIN CópiaimpressapeloSistema 8 NBR 11785:1997 a) Travamentos vertical e horizontal b) Travamento vertical Figura A.6 - Barra antipânico dupla B - A ≥ 200 mm Figura A.7 - Barra antipânico simples - Comprimento efetivo de instalação B - 2 A ≥ 380 mm Figura A.8 - Barra antipânico dupla - Comprimento efetivo de instalação Cópia não autorizada