SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 22
Baixar para ler offline
Análise da associação entre tempo
de reação e tempo de movimento
em crianças
Thiago SINESIO
Márcio Mário VIEIRA
NECOM – Núcleo de Estudos em Comportamento
Motor
Uni-BH – Centro Universitário de Belo Horizonte
Introdução
Esporte
Capacidades à traços relativamente
permanentes e estáveis.
Habilidades à máxima certeza, menor tempo
possível e o menor dispêndio energético.
Capacidades
Nível de habilidade
(HIRTZ ,1971)
(MAGILL, 2000)
(SANTOS et al, 2003)
Capacidades e habilidades
—  Capacidades contribuem para bons
níveis de performance e rápido
aprendizado de habilidades motoras.
—  Habilidade do indivíduo depende das
capacidades, tarefas e experiências
motoras.
(CALVETE, 2005)
(SOUZA, ALMEIDA, 2006)
Tempo de reação (TR)
—  TR à capacidade de responder rápida e
objetiva a um estímulo.
—  Intervalo de tempo entre apresentação de
um estímulo e o início da resposta a ele.
(GRECO, BENDA, 1998)
(MAGILL, 2000)
TR
TR Simples
TR Escolha
TR Discriminação
Tempo de reação (TR)
—  O menor intervalo de TR é encontrado
em TR simples.
—  Tipos de estímulo e complexidade da
tarefa influenciam o TR.
(MACHADO-PINHEIRO et al, 1998)
(TEIXEIRA, 2006)
Relação complexidade / TR
—  Complexidade à número de
elementos de um movimento.
—  Quanto mais complexa a tarefa, maior
o TR.
(SOUZA, ALMEIDA, 2006; HENRY e ROGERS, 1960)
Tempo de reação (TR)
—  Quanto maior a musculatura a ser
controlada, maior o TR.
—  Movimento com o braço apresenta TR
20% maior quando comparado com
movimento de dedo.
(MYIAMOTO e MEIRA JR, 2004)
(HENRY e ROGERS, 1960)
Tempo de reação (TR)
—  Verifica-se a capacidade de percepção;
—  Atenção;
—  Velocidade de condução de estímulo;
—  Rapidez de programação de resposta.
(COLLARDEAU et al., 2001; POWELL et al., 1999)
Tempo de movimento (TM)
—  Capacidade de tempo entre o início e
o término de uma habilidade motora.
—  Avalia as habilidades motoras, maior
v e l o c i d a d e e q u a n t i d a d e d e
movimentos em determinado tempo.
(SAGE, 1977)
Correlação entre TR e TM
—  CHAGAS et al, (2005) não encontraram
correlação significativa.
—  MYIAMOTO e MEIRA JR (2004)
realizaram um teste de correlação com
atletas federados de atletismo e não
encontraram correlação significativa.
Correlação entre TR e TM
—  PHILLIPS e GLENCROSS (1985);
PIERSON e RASH (1960); MAGILL e
P O W E L L ( 1 9 7 5 ) e n c o n t r a r a m
correlação significativa entre TR e TM.
—  Devido a divergência de resultados
entre a correlação das capacidades TR
e TM e poucos estudos realizados
avaliando esta associação em uma
ú n i c a h a b i l i d a d e m o t o r a e
especialmente com crianças.
Objetivo
—  Verificar se há correlação entre TR e
TM em crianças.
Método e Materiais
—  Amostra
à 10 crianças ;
à Ambos os sexos;
à Inexperientes na tarefa;
à Idade entre 9 e 11 anos, média de
10,6 (± 0,8).
Foram seguidos os devidos cuidados éticos
na pesquisa com seres humanos como
determina o modelo de Helsinki.
Método e Materiais
Instrumento e tarefa
Transportar bolas de tênis da parte
inferior da plataforma para a parte
superior em uma ordem pré-determinada
na maior velocidade possível.
Delineamento e procedimento
experimental
—  Procedimentos foram informados
verbalmente;
—  Teste foi constituído de 15 tentativas.
Resultados
Geral (n=10) TR TM
537,54 (±77,29) 3629,77 (±280,24)
A tabela abaixo mostra os valores médios
geral dos indivíduos (n=10) e o desvio
padrão
Valores médios de tempo de reação (TR) e de movimento
(TM) em milissegundos (ms).
Para a análise estatística foi utilizado a correlação produto
momento de Pearson a qual detectou valor significativo para
a associação (r=0,65; p=0,04).
Discussão
—  Os resultados deste estudo mostram
uma correlação significativa entre TR e
TM.
—  MYIAMOTO e MEIRA JR (2004)
possivelmente não encontraram
correlação por se tratar de grupos
musculares diferentes e provavelmente
os membros inferiores eram mais
treinados.
Discussão
—  CHAGAS et al (2005) também não corroborou
com nossos resultados o principal argumento
para isso é que as habilidades utilizadas foram
distintas e assim necessitavam de programação
também distintas.
—  TR e TM são entendidos como capacidades
independentes à o principal fator que influencia
TM é a força muscular, já no TR são os
mecanismos centrais de processamento
antecedentes ao movimento.
(HENRY, 1960; 1961)
Discussão
—  MAGILL e POWELL (1975) avaliaram a
associação entre as duas capacidades a
partir de uma única habilidade motora e
encontraram correlações significativas.
—  PHILLIPS e GLENCROSS (1985);
PIERSON e RASH (1960) também
verificaram correlações significativas
entre TR e TM.
Discussão
—  A principal argumentação dos
resultados obtidos em nosso estudo
parte do ponto que foi utilizada uma
mesma habilidade motora para medir a
correlação entre TR e TM.
—  Outros autores fizeram testes a partir de
habilidades motoras diferentes, ou seja,
não utilizaram a mesma tarefa e não
encontraram correlação entre TR e TM.
(CHAGAS et al, 2005; MYIAMOTO e MEIRA JR, 2004)
Conclusão
—  Há uma correlação significativa entre
tempo de reação simples e tempo de
movimento em uma mesma habilidade
motora.
NECOM
Núcleo de Estudos em Comportamento Motor
Uni-BH – Centro Universitário de Belo
Horizonte

Mais conteúdo relacionado

Destaque (10)

Coach 4 interpretacao deo conceito de feedback
Coach 4   interpretacao deo conceito de feedbackCoach 4   interpretacao deo conceito de feedback
Coach 4 interpretacao deo conceito de feedback
 
Velocidade de reação
Velocidade de reaçãoVelocidade de reação
Velocidade de reação
 
Direção defensiva
Direção defensivaDireção defensiva
Direção defensiva
 
Feedback e comunicação
Feedback e comunicaçãoFeedback e comunicação
Feedback e comunicação
 
Desenvolvimento motor e aprendizagem motora jun 2007
Desenvolvimento motor e aprendizagem motora jun 2007Desenvolvimento motor e aprendizagem motora jun 2007
Desenvolvimento motor e aprendizagem motora jun 2007
 
Direção defensiva - Primeira habilitação
Direção defensiva - Primeira habilitaçãoDireção defensiva - Primeira habilitação
Direção defensiva - Primeira habilitação
 
Desenvolvimento motor
Desenvolvimento motorDesenvolvimento motor
Desenvolvimento motor
 
A importância do feedback
A importância do feedbackA importância do feedback
A importância do feedback
 
Feedback - A arte de ouvir e falar
Feedback - A arte de ouvir e falarFeedback - A arte de ouvir e falar
Feedback - A arte de ouvir e falar
 
Feedback
FeedbackFeedback
Feedback
 

Mais de Thiago Sinésio

Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)
Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)
Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)
Thiago Sinésio
 

Mais de Thiago Sinésio (7)

Domain Name System (DNS)
Domain Name System (DNS)Domain Name System (DNS)
Domain Name System (DNS)
 
Treinamento de Feedback
Treinamento de FeedbackTreinamento de Feedback
Treinamento de Feedback
 
Análise sobre a utilização de frameworks em PHP: CakePHP, CodeIgniter e Zend
Análise sobre a utilização de frameworks em PHP: CakePHP, CodeIgniter e ZendAnálise sobre a utilização de frameworks em PHP: CakePHP, CodeIgniter e Zend
Análise sobre a utilização de frameworks em PHP: CakePHP, CodeIgniter e Zend
 
Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)
Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)
Metodologia Crystal Clear (Crystal Clear Methodologies)
 
Padrão de Projeto GoF Comportamental Mediator
Padrão de Projeto GoF Comportamental MediatorPadrão de Projeto GoF Comportamental Mediator
Padrão de Projeto GoF Comportamental Mediator
 
ANÁLISE DA DIVERGÊNCIA ENTRE A DEMONSTRAÇÃO E A INSTRUÇÃO VERBAL NA AQUISIÇÃO...
ANÁLISE DA DIVERGÊNCIA ENTRE A DEMONSTRAÇÃO E A INSTRUÇÃO VERBAL NA AQUISIÇÃO...ANÁLISE DA DIVERGÊNCIA ENTRE A DEMONSTRAÇÃO E A INSTRUÇÃO VERBAL NA AQUISIÇÃO...
ANÁLISE DA DIVERGÊNCIA ENTRE A DEMONSTRAÇÃO E A INSTRUÇÃO VERBAL NA AQUISIÇÃO...
 
Apresentação Crystal Clear
Apresentação Crystal ClearApresentação Crystal Clear
Apresentação Crystal Clear
 

Último

472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
GisellySobral
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
profbrunogeo95
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
aulasgege
 

Último (20)

transcrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de línguatranscrição fonética para aulas de língua
transcrição fonética para aulas de língua
 
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
472037515-Coelho-Nelly-Novaes-Literatura-Infantil-teoria-analise-e-didatica-p...
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptxSequência didática Carona 1º Encontro.pptx
Sequência didática Carona 1º Encontro.pptx
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptxEBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
EBPAL_Serta_Caminhos do Lixo final 9ºD (1).pptx
 
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande""Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
"Nós Propomos! Escola Secundária em Pedrógão Grande"
 
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptxAspectos históricos da educação dos surdos.pptx
Aspectos históricos da educação dos surdos.pptx
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
Acróstico - Maio Laranja
Acróstico  - Maio Laranja Acróstico  - Maio Laranja
Acróstico - Maio Laranja
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
1. Aula de sociologia - 1º Ano - Émile Durkheim.pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 

Análise da associação entre tempo de reação e tempo de movimento em crianças

  • 1. Análise da associação entre tempo de reação e tempo de movimento em crianças Thiago SINESIO Márcio Mário VIEIRA NECOM – Núcleo de Estudos em Comportamento Motor Uni-BH – Centro Universitário de Belo Horizonte
  • 2. Introdução Esporte Capacidades à traços relativamente permanentes e estáveis. Habilidades à máxima certeza, menor tempo possível e o menor dispêndio energético. Capacidades Nível de habilidade (HIRTZ ,1971) (MAGILL, 2000) (SANTOS et al, 2003)
  • 3. Capacidades e habilidades —  Capacidades contribuem para bons níveis de performance e rápido aprendizado de habilidades motoras. —  Habilidade do indivíduo depende das capacidades, tarefas e experiências motoras. (CALVETE, 2005) (SOUZA, ALMEIDA, 2006)
  • 4. Tempo de reação (TR) —  TR à capacidade de responder rápida e objetiva a um estímulo. —  Intervalo de tempo entre apresentação de um estímulo e o início da resposta a ele. (GRECO, BENDA, 1998) (MAGILL, 2000) TR TR Simples TR Escolha TR Discriminação
  • 5. Tempo de reação (TR) —  O menor intervalo de TR é encontrado em TR simples. —  Tipos de estímulo e complexidade da tarefa influenciam o TR. (MACHADO-PINHEIRO et al, 1998) (TEIXEIRA, 2006)
  • 6. Relação complexidade / TR —  Complexidade à número de elementos de um movimento. —  Quanto mais complexa a tarefa, maior o TR. (SOUZA, ALMEIDA, 2006; HENRY e ROGERS, 1960)
  • 7. Tempo de reação (TR) —  Quanto maior a musculatura a ser controlada, maior o TR. —  Movimento com o braço apresenta TR 20% maior quando comparado com movimento de dedo. (MYIAMOTO e MEIRA JR, 2004) (HENRY e ROGERS, 1960)
  • 8. Tempo de reação (TR) —  Verifica-se a capacidade de percepção; —  Atenção; —  Velocidade de condução de estímulo; —  Rapidez de programação de resposta. (COLLARDEAU et al., 2001; POWELL et al., 1999)
  • 9. Tempo de movimento (TM) —  Capacidade de tempo entre o início e o término de uma habilidade motora. —  Avalia as habilidades motoras, maior v e l o c i d a d e e q u a n t i d a d e d e movimentos em determinado tempo. (SAGE, 1977)
  • 10. Correlação entre TR e TM —  CHAGAS et al, (2005) não encontraram correlação significativa. —  MYIAMOTO e MEIRA JR (2004) realizaram um teste de correlação com atletas federados de atletismo e não encontraram correlação significativa.
  • 11. Correlação entre TR e TM —  PHILLIPS e GLENCROSS (1985); PIERSON e RASH (1960); MAGILL e P O W E L L ( 1 9 7 5 ) e n c o n t r a r a m correlação significativa entre TR e TM. —  Devido a divergência de resultados entre a correlação das capacidades TR e TM e poucos estudos realizados avaliando esta associação em uma ú n i c a h a b i l i d a d e m o t o r a e especialmente com crianças.
  • 12. Objetivo —  Verificar se há correlação entre TR e TM em crianças.
  • 13. Método e Materiais —  Amostra à 10 crianças ; à Ambos os sexos; à Inexperientes na tarefa; à Idade entre 9 e 11 anos, média de 10,6 (± 0,8). Foram seguidos os devidos cuidados éticos na pesquisa com seres humanos como determina o modelo de Helsinki.
  • 14. Método e Materiais Instrumento e tarefa Transportar bolas de tênis da parte inferior da plataforma para a parte superior em uma ordem pré-determinada na maior velocidade possível.
  • 15. Delineamento e procedimento experimental —  Procedimentos foram informados verbalmente; —  Teste foi constituído de 15 tentativas.
  • 16. Resultados Geral (n=10) TR TM 537,54 (±77,29) 3629,77 (±280,24) A tabela abaixo mostra os valores médios geral dos indivíduos (n=10) e o desvio padrão Valores médios de tempo de reação (TR) e de movimento (TM) em milissegundos (ms). Para a análise estatística foi utilizado a correlação produto momento de Pearson a qual detectou valor significativo para a associação (r=0,65; p=0,04).
  • 17. Discussão —  Os resultados deste estudo mostram uma correlação significativa entre TR e TM. —  MYIAMOTO e MEIRA JR (2004) possivelmente não encontraram correlação por se tratar de grupos musculares diferentes e provavelmente os membros inferiores eram mais treinados.
  • 18. Discussão —  CHAGAS et al (2005) também não corroborou com nossos resultados o principal argumento para isso é que as habilidades utilizadas foram distintas e assim necessitavam de programação também distintas. —  TR e TM são entendidos como capacidades independentes à o principal fator que influencia TM é a força muscular, já no TR são os mecanismos centrais de processamento antecedentes ao movimento. (HENRY, 1960; 1961)
  • 19. Discussão —  MAGILL e POWELL (1975) avaliaram a associação entre as duas capacidades a partir de uma única habilidade motora e encontraram correlações significativas. —  PHILLIPS e GLENCROSS (1985); PIERSON e RASH (1960) também verificaram correlações significativas entre TR e TM.
  • 20. Discussão —  A principal argumentação dos resultados obtidos em nosso estudo parte do ponto que foi utilizada uma mesma habilidade motora para medir a correlação entre TR e TM. —  Outros autores fizeram testes a partir de habilidades motoras diferentes, ou seja, não utilizaram a mesma tarefa e não encontraram correlação entre TR e TM. (CHAGAS et al, 2005; MYIAMOTO e MEIRA JR, 2004)
  • 21. Conclusão —  Há uma correlação significativa entre tempo de reação simples e tempo de movimento em uma mesma habilidade motora.
  • 22. NECOM Núcleo de Estudos em Comportamento Motor Uni-BH – Centro Universitário de Belo Horizonte