POR QUE ESTUDAR A MÍDIA? ROGER SILVERSTONE Comunidade ANGELO REIS EVANDRO ROCHA MARILIA BRAGA ROSA ANGÉLICA
FORMAÇÃO DA COMUNIDADE <ul><li>“ Comunidade: um lugar cálido, confortável e aconchegante. “Na comunidade podemos relaxar -...
<ul><li>Nesse mundo fragmentado fica cada vez mais difícil encontrar a segurança e sustentar uma vida social, já que de um...
<ul><li>A mídia  faz  comunidade das seguintes maneiras: </li></ul><ul><li>Expressão </li></ul><ul><ul><li>Papel da impren...
<ul><li>Refração </li></ul><ul><ul><li>Detecção de uma agenda política e social. </li></ul></ul><ul><ul><li>Inversão simbó...
<ul><li>Crítica </li></ul><ul><ul><li>Rádio comunitária </li></ul></ul><ul><ul><li>Internet Vozes alternativas que fornece...
<ul><li>Um exemplo da relação Comunidades virtuais X  mídia eletrônica (internet) no mundo corporativo: Comunidades Virtua...
<ul><li>Comunidades Virtuais de Prática </li></ul><ul><li>Definição: </li></ul><ul><li>Comunidades  virtuais de prática  s...
<ul><li>Qual o principal objetivo da comunidade  virtual  de prática? </li></ul><ul><li>Dar soluções para problemas cotidi...
 
<ul><li>Neste exemplo podemos perceber a mídia (internet) como um  um facilitador para as relações sociais  dentro das emp...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Por Que Estudar A MíDia Comunidade

1.909 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Turismo
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.909
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
36
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Por Que Estudar A MíDia Comunidade

  1. 1. POR QUE ESTUDAR A MÍDIA? ROGER SILVERSTONE Comunidade ANGELO REIS EVANDRO ROCHA MARILIA BRAGA ROSA ANGÉLICA
  2. 2. FORMAÇÃO DA COMUNIDADE <ul><li>“ Comunidade: um lugar cálido, confortável e aconchegante. “Na comunidade podemos relaxar - estamos seguros, não há perigos ocultos em cantos escuros. Todas as pessoas se entendem bem e são confiáveis. As discussões são amigáveis, pois todos estão tentando tornar o estar juntos ainda melhor e mais agradável.” (Zigmunt Bauman) </li></ul><ul><li>“ Partilhamos valores, idéias, interesses e crenças e nos identificamos com quem tem valores, interesses e crenças como os nossos... Precisamos restabelecer a certeza do pertencimento... </li></ul><ul><li>...Precisamos constantemente de que nos lembrem, nos reassegurem de que nosso sentimento de pertencimento e nosso envolvimento valem a pena” (Silverstone) </li></ul>
  3. 3. <ul><li>Nesse mundo fragmentado fica cada vez mais difícil encontrar a segurança e sustentar uma vida social, já que de um momento pra outro podemos mudar de uma tribo a outra, devido a rapidez e a quantidade de informações que nos chegam a cada minuto. </li></ul><ul><li>Neste momento devemos pensar na mídia como um facilitador para as relações sociais, abrindo um espaço simbólico compartilhado ou um entrave, à medida em que a efemeridade das informações e falta de fronteiras que distinguam uma comunidade da outra impossibilitam indivíduo de manter uma identidade? </li></ul><ul><li>Somos livres para sonhar e nesta liberdade talvez esteja a diferença fundamental entre “a comunidade imaginada e a realmente existente”, sendo que esta última exigiria uma total obediência a regras em troca da segurança e aconchego desejados, onde teríamos que abrir mão da nossa liberdade em prol da proteção que a comunidade oferece. </li></ul><ul><li>O problema que resulta desta situação de segurança desejada é que nos fechamos numa redoma onde inevitavelmente 2 problemas surgem: opressão e falta de autonomia. </li></ul>
  4. 4. <ul><li>A mídia faz comunidade das seguintes maneiras: </li></ul><ul><li>Expressão </li></ul><ul><ul><li>Papel da imprensa na criação de uma comunidade imaginada em escala nacional é um exemplo da maneira pela qual se poderia ver que a mídia exprime a comunidade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Rádio (ex: BBC) e TV - fornecendo matérias primas simbólicas com que a nação poderia construir uma identidade compartilhável. </li></ul></ul><ul><ul><li>Cola social que é a comunidade. </li></ul></ul><ul><ul><li>Fronteira lingüística e técnica . </li></ul></ul>
  5. 5. <ul><li>Refração </li></ul><ul><ul><li>Detecção de uma agenda política e social. </li></ul></ul><ul><ul><li>Inversão simbólica: Anthony Cohen “ as pessoas não só marcam uma fronteira entre sua comunidade e a dos outros, mas também invertem as normas de comportamentos e valores que “normalmente” marcam suas próprias fronteiras. Nesses rituais de inversão, comportam-se diferente e coletivamente, de maneiras que supostamente abominam ou que são normalmente proscritas. </li></ul></ul><ul><ul><li>Carnaval. O popular como lugar de contenção e de estímulo para a mudança social e cultural. </li></ul></ul><ul><li>Ritualização dos conflitos. Transgressão e afirmação de valores e crenças refletindo a comunidade </li></ul>
  6. 6. <ul><li>Crítica </li></ul><ul><ul><li>Rádio comunitária </li></ul></ul><ul><ul><li>Internet Vozes alternativas que fornecem o foco tanto para interesses específicos da comunidade quanto para o contrário e o subversivo, interferindo na comunidade nacional. </li></ul></ul>
  7. 7. <ul><li>Um exemplo da relação Comunidades virtuais X mídia eletrônica (internet) no mundo corporativo: Comunidades Virtuais de Prática </li></ul>
  8. 8. <ul><li>Comunidades Virtuais de Prática </li></ul><ul><li>Definição: </li></ul><ul><li>Comunidades virtuais de prática são grupos auto-organizados normalmente iniciados por profissionais que compartilham as mesmas práticas, interesses ou objetivos de trabalho. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Qual o principal objetivo da comunidade virtual de prática? </li></ul><ul><li>Dar soluções para problemas cotidianos </li></ul><ul><li>Transmitir as melhores práticas </li></ul><ul><li>Identificar especialistas </li></ul><ul><li>Estimular a colaboração entre especialistas </li></ul><ul><li>Desenvolver conhecimento novo </li></ul><ul><li>Aumentar o nível de conhecimento </li></ul><ul><li>Acelerar aprendizado </li></ul><ul><li>Transpor fronteiras organizacionais/geográficas </li></ul><ul><li>Criar sinergia entre divisões/grupos/unidades </li></ul>
  10. 11. <ul><li>Neste exemplo podemos perceber a mídia (internet) como um um facilitador para as relações sociais dentro das empresas, permitindo a colaboração transpondo barreiras geográficas. </li></ul><ul><li>Assim como a impressão, a rádiodifusão e outras mídias influenciaram e continuam influenciando a formação de comunidades, também a mídia eletrônica tem apresentado sua influência na formação de comunidades, como vimos neste exemplo de comunidades de práticas virtuais, mas também observamos em vários outros contextos como as várias comunidades de relacionamento, entre elas o orkut, presentes na internet </li></ul><ul><li>http://br.youtube.com/watch?v=6aLiTit9hD0 </li></ul><ul><li>http://br.youtube.com/watch ?v=gkCjyaXPnl4 </li></ul>

×