6 17-1-pb

217 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
217
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

6 17-1-pb

  1. 1. 15 A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA DO HERÓI Rafhael Guimarães¹ Resumo O presente artigo visa realizar análise das diferentes etapas da iniciação maçônica no grau de Aprendiz Ma- çom do Rito Escocês Antigo e Aceito por meio da mitologia existente nos ciclos da jornada do herói, de for- ma a verificar a mitologia maçônica do primeiro grau com o conceito de monomito e compreender o ritual de iniciação do Rito Escocês como processo de evolução psicológica do iniciando. Palavras-chave: mitologia; iniciação; Maçonaria. Recebido: 02/05/2013 Aprovado: 10/06/2013 Abstract This article aims at analyzing the different stages of Masonic initiation in the Entered Apprentice degree of the Ancient and Accepted Scottish Rite through cycles of mythology exists in the hero's journey, in order to verify the mythology of the first masonic degree with the concept of monomyth and understand the initia- tion ritual of the Scottish Rite as a process of neophyte’s psychological evolution. Keywords: mythology; initiation; Freemasonry. ¹ Rafhael Guimarães é Mestre Maçom, membro da GLMEES, e Maçom do Real Arco, filiado ao SGCMRAB. Além de pertencer a ou- tras Ordens Iniciáticas, ministra cursos e palestras sobre Cabala, Astrologia e Tarô. FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  2. 2. 16 Introdução Este estudo tem por objetivo analisar as in- fluências arquetípicas e, consequentemente, mitoló- gicas sobre a iniciação maçônica no Rito Escocês Anti- go e Aceito, por intermédio da teoria conhecida por Jornada do Herói. Muitos talvez possam julgar os rituais maçôni- cos como obsoletos, sem sentido ou mesmo inúteis. Serão apontadas as evidências de que os rituais ma- çônicos e a mitologia que os estruturam têm forte efeito sobre o inconsciente de seus praticantes (JUNG, 2005). Há, sem dúvida, inúmeras diferenças entre as religiões e mitologias da humanidade, e todas essas, de uma forma ou de outra, podem ser encontradas em alguma medida, representadas nas alegorias ma- çônicas (MAXENCE, 2010). Ao contrário da escola freudiana, que afirma que os mitos estão profundamente enraizados den- tro de um complexo do inconsciente, para Jung, a origem atemporal dos mitos reside dentro de uma estrutura formal do inconsciente coletivo. Torna-se assim uma diferença considerável para Freud, que nunca reconheceu a autonomia congênita da mente e do inconsciente, enquanto que, para Jung havia uma dimensão coletiva inata e com autonomia ener- gética. As ideias apresentadas por Jung foram o em- basamento científico que o estudioso das Religiões e Mitologias Comparadas, Joseph Campbell, adotou para sustentar as similaridades existentes entre todas as religiões e mitologias da história. Tal conceito cha- mado anteriormente de “Monomito”² por Jaymes Joyce, foi esmiuçado por Campbell, que mostrou to- do o roteiro da manifestação arquetípica do herói, que se encontra presente na sociedade como um ar- quétipo do Inconsciente Coletivo (JUNG, 2005; JUNG, 2011a). Dessa forma, o presente estudo se embasará nos tra- balhos de Campbell e Jung, analisando e comparando a iniciação maçônica sob a luz da jornada do herói. Compreende-se a validade e relevância de tal aborda- gem pelo fato da literatura maçônica publicada no Brasil privilegiar as interpretações ritualísticas que seguem um raciocínio estrito ao entendimento cons- ciente de seus ensinamentos morais (ISMAIL, 2012), desconsiderando os efeitos psicológicos produzidos pela prática ritualística (JUNG, 2005). Depois do trabalho de psicanalistas que tanto utilizaram da mitologia para embasar seus argumen- tos, como Sigmund Freud, Carl G. Jung, Wilhelm Ste- kel, Otto Rank, e muitos outros, os quais desenvolve- ram teorias substancialmente fundamentadas de in- terpretações de mitos, faz-se necessário explorar tais conhecimentos, empregando-os numa melhor com- preensão dos rituais e, finalmente, da Maçonaria em si. Há, sem dúvida, inúmeras diferenças entre as religiões e mitologias da humanidade, e muitas des- sas estão de alguma forma presentes nas alegorias maçônicas (MAXENCE, 2010), seja de forma direta ou indireta. Conquanto, neste estudo em particular, se- rão discutidas as semelhanças que há nos rituais ma- çônicos, em especial no de Iniciação do Rito Escocês Antigo e Aceito, as demais mitologias do mundo. Nas palavras ad-referendum do erudito norte americano, Joseph Campbell (2007): A esperança que acalento é a de que um escla- recimento realizado em termos de compara- ção possa contribuir para a causa, talvez não tão perdida, das forças que atuam no mundo de hoje, em favor da unificação, não em nome de algum império político ou eclesiástico, mas com o objetivo de promover a mútua compre- ensão entre os seres humanos. Como nos di- zem os Vedas: "A verdade é uma só, mas os sábios falam dela sob muitos no- mes” (CAMPBELL, Herói de mil faces). GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... ² O termo “Monomito” é de autoria de James Joyce, da obra “Finnegans Wake”. FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  3. 3. 17 A Jornada Arquetípica do Herói na Mitologia Maçô- nica Jornada do herói X Iniciação Maçônica O intitulado “Herói” na análise psicológica da sua ma- nifestação, pode ser compreendido como um arqué- tipo dentro da psique coletiva (JUNG, 1978). Para re- forçar tal teoria, Campbell indica sua representação nas mais conhecidas culturas e religiões ao redor da terra (CAMPBELL, 2007). Também poderemos encon- trá-lo em ordens iniciáticas como a Maçonaria. Conforme o autor, o herói é encontrado es- sencialmente nas histórias de Atum, do Antigo Egito; de Marduk, dos Mistérios Sumerianos; de Apolo, Fe- bo, Héracles, Dionísio e Orfeu, da Mitologia Greco- Romana; de Krishna, da Religião Hinduísta; de Baldur, dos Mistérios Nórdicos; de Amaterasu, na religião Xintoísta; de Oxalá, Oxalufã, e Oxaguiã, das Religiões Afro-brasileiras; de Rei Arthur, Galahad e Persival, na história mitológica do Santo Graal; na verídica histó- ria de Jacques DeMolay, nos Cavaleiros Templários; em Christian Rosenkreuz, nas Núpcias Alquímicas da Tradição Rosa Cruz; em vários heróis cinematográfi- cos, como Luke Skywalker, Indiana Jones, James Bond, Superman, Harry Potter, Frodo Bolseiro e Ara- gorn; além de Jesus o Cristo, da Religião Cristã (DEL DEBBIO, 2008). Em todas estas histórias, encontram- se similaridades que podem ser compreendidas pelo conceito de Inconsciente Coletivo. Por fim, na Mitolo- gia Maçônica tem-se a lenda de Hiram Abiff, mito es- se exclusivo da Maçonaria (STAVISH, 2011). Embora a Mitologia Maçônica utilize do con- texto contido no Antigo Testamento, pouco se tem no mito de conteúdo especificamente bíblico, haja visto que o enredo principal é composto por mitos elaborados. Malgrado, muitos são os maçons que in- sistem em fundamentar a maçonaria na bíblia, ou, pior ainda, fundamentar a história pela Maçonaria (ISMAIL, 2012). O maior exemplo de elaboração míti- ca na Maçonaria é a de Hiram Abiff, o protagonista da lenda do grau de Mestre Maçom. Não há, logicamen- te, registros históricos de tais eventos, e interpretá- los no sentido literal é um erro crasso, pois mitos de- vem ser interpretados, como já dito, de forma simbó- lica e não literal (CAMPBELL, 2002; CAMPBELL, 2008). Conforme descreve Arthur E. Waite, em “A New Encyclopedia of Freemasonry”: A lenda do mestre construtor é a grande ale- goria maçônica. Sucede que essa história figu- rativa baseia-se num personagem mencionado nas sagradas escrituras, mas o pano de fundo histórico é acidental e não essencial, assim o importante é a alegoria e não um ponto histó- rico qualquer que esteja por trás dela” (1921, p.366-267) O Monomito Assim como a psique humana é dividida em três partes pela Psicologia Analítica, a Jornada do He- rói também o é, podendo ser classificada como: a) separação ou partida; b) iniciação ou provas e vitó- rias; e c) o retorno (CAMPBELL, 2007). Esse ternário constitui a base essencial do mito, bem como dos Ri- tuais de Passagem (VAN GUENNEP, 2011). No que concerne a Iniciação Maçônica, essa pode perfeita- mente ser enquadrada neste postulado, como o estu- do demonstrará abaixo. A teoria da Jornada do Herói teve por base a ideia do Monomito difundida por James Joyce, vindo a ser aperfeiçoada por Campbell pela associação com o conceito freudiano de forças do Inconsciente, al- cançando seu embasamento científico com a psicolo- gia analítica ou arquetípica de Jung, que propõe o conceito psicológico de Arquétipos e Inconsciente Coletivo. A estruturação dos Ritos de Passagem pelo antropólogo Arnold Van Guennep possibilitou a análi- se das diferentes fases da aventura do herói, bem como as diversas manifestações do mesmo, nas soci- edades tribais (VAN GUENNEP, 2011). Para tanto, será apresentada a constituição básica da Jornada do Herói, seus significados psicoló- gicos e antropológicos, que estão presentes em for- mas disfarçadas nos contos e mitos, além é claro, de exemplificar o contexto maçônico da mitologia, ideia central deste artigo. GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  4. 4. 18 Partida ou Separação: O chamado da aventura Eu o proponho, na devida forma, como um candidato apropriado para os mistérios da Maçonaria. Eu o recomendo, como digno de compartilhar privilégios da Fraternidade, e, em consequência de uma declaração de suas intenções, feita de forma voluntária e devida- mente atestada, eu acredito que ele seguirá estritamente em conformidade com as regras da Ordem (Illustrations of Masonry, PRESTON, 1867, p.26) A primeira tarefa do herói, no caso maçônico, o candidato à iniciação, consiste em retirar-se da ce- na mundana, do mundo comum, e iniciar uma jorna- da pelas regiões causais da psique (templo maçôni- co), onde residem efetivamente as dificuldades, para torná-las claras, conscientes e erradicá-las em favor de si mesmo (CAMPBELL, 2008). Normalmente um problema se apresenta diante do herói a fim de con- vocá-lo a cumprir sua missão, mas também poderá ocorrer um fator incisivo para o crescimento do he- rói, como curiosidade, sonhos ou desejos. Deste mo- do, conforme o procedimento maçônico padrão (PRESTON, 1867), o candidato é geralmente convida- do a iniciar na Sublime Ordem. O convite parte do chamado no meio maçônico de padrinho, o qual figu- ra a função de arauto. E na aceitação do convite resi- de o “chamado da aventura” (CAMPBELL, 2007), que, em outras palavras, é um sinal enviado pelo inconsci- ente. A recusa do chamado Sempre se tem, tanto na vida real como nos contos mitológicos, o triste caso do chamado que não obtém resposta, havendo, pois, o desvio da atenção para outros interesses. A recusa à convocação acaba por aprisionar o herói mitológico, seja pelo tédio, pelo trabalho duro ou pela ignorância. A recusa é uma ne- gação à atitude de renunciar àquilo que a pessoa considera interesse próprio, e tal recusa caracteriza- se, essencialmente, pela identificação da persona³ com seu ego´ o que acarretaria no conceito psicológi- co de Inflação (HALL; NORDBY, 2010). Como exemplo, pode-se citar o caso da espo- sa de Ló, que se tornou uma estátua de sal por ter olhado para trás, desobedecendo assim a instrução recebida. A forte emoção que dominou Ló tornar-se- ia uma “recusa do chamado”, pois poderia efetiva- mente ter rompido com a jornada. ⁵ A recusa do chamado na maioria das vezes é representada pelo medo em suas várias manifesta- ções. É dessa forma que, muitas vezes, ocorre a “recusa do chamado” na jornada maçônica. Se por algumas vezes o medo do desconhecido ou oculto impede candidatos de iniciar, outras vezes a própria cultura de certas sociedades trata de cumprir esta função. O auxílio sobrenatural Para aqueles que não recusam o chamado, o primeiro encontro da jornada do herói se dá com uma figura protetora, que fornece ao candidato aju- da para lhe proteger na jornada que estará prestes a deparar-se. As mitologias mais elevadas desenvolvem o papel na figura de uma espécie de guia ou de mestre. No mito grego esse guia é Hermes-Mercúrio, e no mito egípcio sua contraparte é Thoth. Nas tradições judaicas, Noé contou com uma pomba. Na mitologia cristã encontramos como guia o Espírito Santo GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... ³ Em grego significa “máscara”. ´ Na visão de Jung, Ego é o nome dado à organização da mente consciente, constituindo-se de percepções conscientes, de recor- dações, pensamentos e sentimentos. A menos que o Ego reconheça tais percepções elas não chegariam a nossa consciência. Tais reconhecimentos do Ego são estabelecidos pela função dominante de cada pessoa (sensibilidade, objetividade, etc.). Uma forte experiência pode forçar entrada pelo ego ocasionando graves consequências (traumas). O Ego passa a falsa ideia de que ele é, essencialmente, nossa inteira consciência, ou melhor, nossa Psique como um todo. (HALL; NORDBY, 2010) ⁵ Gênesis 19:26: “E a mulher de Ló olhou para trás e ficou convertida numa estátua de sal.” FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  5. 5. 19 (CAMPBELL, 2007). Na iniciação pelo Rito Escocês Antigo e Aceito da Maçonaria, fica evidente a figura de auxílio na jor- nada na função do oficial chamado de Experto, que conduz o iniciando por caminhos escabrosos, porém, oferecendo-lhe a devida proteção: “Eu serei o vosso guia, tendes confiança em mim, e nada receeis”. A função do Experto durante a iniciação é conduzir o candidato, que estando privado de certas faculdades, necessita inexoravelmente do amparo do guia. A passagem pelo primeiro limiar Tendo resistido ao medo, muitas das vezes personificado como medo de morte, simbolizado no Rito Escocês pela passagem pela câmara de reflexões, o herói segue em sua aventura até chegar ao conhe- cido na Jornada do Herói por “guardião do limi- ar" (CAMPBELL, 2008). Entende-se psicologicamente pelo limiar como a passagem do consciente para o inconsciente, onde se adentra a um mundo de fanta- sias e imagens, semelhantes aos sonhos. Ou seja, um mundo mítico. No âmbito mitológico, esse primeiro limiar é representado pela presença de um guardião e o mes- mo está associado, variavelmente, a um posto que pode ser uma porta, ponte ou lago, simbolizando o limiar. Isto posto, na Iniciação pelo Rito Escocês a passagem pelo primeiro limiar ocorre no momento em que o candidato é levado à porta do templo e re- cebido pelo Guarda do Templo, também chamado em algumas versões de rituais de Cobridor Externo. Após sua passagem, ou seja, após ser franqueado seu ingresso, o candidato passa a vivenciar uma nova e única experiência, simbolicamente sobrenatural. Provações e testes: O ventre da baleia A ideia de que a passagem pelo limiar é uma passagem para uma esfera de renascimento é simbo- lizada na imagem mundial do útero ou ventre da ba- leia. O herói é comumente jogado no desconhecido, dando a impressão de que morreu, ou, em alguns casos, é submetido a testes e provações, de forma que aprenda as regras deste novo mundo (CAMPBELL, 2007). Como exemplo pode-se citar alguns contos, como do Chapeuzinho Vermelho, no qual ela é engo- lida pelo lobo. Da mesma forma, todo o panteão gre- go, exceto Zeus, foi engolido pelo pai Cronos. Já na Bíblia e no Alcorão encontramos Jonas, que é engoli- do por um peixe e passa três dias e três noites em suas entranhas, e acaba saindo de lá vivo.⁶ Arnold Van Guennep (2011), salienta que a morte momentâ- nea ou aparente é tema principal das iniciações tri- bais. Na jornada maçônica o iniciando é colocado à prova por testes simbólicos, para que coloque a mos- tra sua coragem de forma a persistir na senda da vir- tude. Curioso que o ritual maçônico trata tais testes de forma a simbolicamente tentar afastar o candida- to de seu caminho, como, por exemplo, fazendo-o seguir por “caminhos escabrosos”. Provas e Vitórias: A Descida Tendo sido vitorioso nos primeiros testes e provas, ao cruzar por completo o limiar, o herói cami- nha por uma paisagem onírica povoada por formas curiosamente fluidas e ambíguas, na qual deve sobre- viver a uma sucessão de novas provas. O herói conti- nua a ser auxiliado, de forma indireta, por Guias e Mestres. Porém, aos poucos ele percebe que existe um poder benigno, presente em toda parte, que o sustenta em sua passagem sobre-humana (CAMPBELL, 2008). Um mito interessante sobre esse caminho de provas, e um dos mais antigos da história, é o registro sumeriano da descida ao mundo inferior pelos por- tais da metamorfose, pela deusa Inana. Tal mito era ritualisticamente praticado na antiguidade pelas GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... ⁶ Jonas 1:17: “O Senhor fez que ali se encontrasse um grande peixe para engolir Jonas, e este esteve três dias e três noites no ven- tre do peixe.” FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  6. 6. 20 Prostitutas Sagradas⁷ (VAN GUENNEP, 2011), que foi profanado e hoje é categorizado como striptease e conhecido como a “Dança dos Sete Véus”. Muitas mi- tologias retratam neste momento uma descida ao submundo, quando na verdade, tal descida retrata a descida aos domínios da psique (CAMPBELL, 2002). Essas novas provas, cada vez maiores em ní- veis, representam no processo iniciático maçônico a passagem pelos quatro elementos, onde o iniciando vivencia e supera, simbolicamente, os elementos. No passado, relatos indicam que os iniciandos de fato se colocavam à prova, seja de um incêndio, a nado, ou tempestade (LEVI, 2012). Provação difícil ou traumática: O encontro com a Deusa A aventura última, quando todas as barreiras foram vencidas, aparecerá como a experiência mais profunda e traumática do enredo mitológico. Nor- malmente é representado por uma morte efetiva e momentânea, ou mesmo por um renascimento mira- culoso (CAMPBELL, 2007). Em diversos ritos maçôni- cos e em diferentes graus encontramos encenações de todo o tipo para representar esta etapa, seja por mais provas iniciáticas ou por demonstrações fúne- bres, funestas e sombrias, de forma que, pela última vez, é dada a chance ao iniciando de desistir da senda da virtude, rendendo-se ao medo. . Sendo persistente, o iniciando compreende depois o sentido simbólico ou mesmo psicológico de suas provações e testes, e, no ápice da aventura, é apresentado diante da Deusa. Tal passagem costuma ser representada por um “Casamento Místico”, co- nhecido nos mitos por hierosgamos⁸. Em termos psicológicos tal casamento repre- senta a união-conhecimento com a Anima ou Ani- mus, contidos em contos da heroína. Esta união re- presenta o chamado “Casamento Alquímico” dos Al- quimistas, e retrata uma união indissolúvel entre o ouro e a prata, e, em outras palavras, o encontro do Cavaleiro com a Princesa, ou a descoberta do elixir da longa vida dos alquimistas (JUNG, 2012). A mulher representa, na linguagem pictórica da mitologia, a totalidade do que pode ser conheci- do, e o herói é aquele que a compreende. Segundo Jung, havendo o equilíbrio total na psique, atinge-se o si mesmo, ou seja, a totalidade do ser, torna-se consciente de todo o inconsciente (HALL; NORDBY, 2010). Na mitologia maçônica o iniciando, torna-se iniciado, havendo completado o processo que Jung chamou de processo de individuação (JUNG, 2012). Sobre o encontro com a Deusa - fim do primeiro ci- clo da Jornada Maçônica O casamento, união – o supracitado conheci- mento da Anima –, representa o domínio total da vi- da pelo herói. Na Mitologia Maçônica a mulher é o símbolo da Vida e o herói o seu conhecedor e mestre, ou, em outras palavras, a mulher é o templo e o herói seu sacerdote. Daí que muitas representações de templo em culturas antigas são em forma de uma mulher grávida dando a luz (MURPHY, 2007), bem como de sempre se ter sacerdotes, e nunca sacerdo- tisas. Assumindo o Templo Maçônico as caracterís- ticas e conceitos de Anima, conforme esclarecido, o iniciando, após ter superado todos os testes e prova- ções do processo iniciático da Maçonaria, recebe co- mo prêmio da jornada o encontro com a Anima, que nada mais é do que, a “Luz da Maçonaria”, passando este a enxergar e conhecer o Templo Maçônico e co- mungar de sua Egrégora. Ele ganha também a sua completa liberdade, ficando livre da corda e apren- dendo a sair e entrar na Loja na devida forma maçô- nica. O encontro ou união com a Anima também pode ser chamado de “Encontro com a Verdade”, pois a totalidade do ser e o completo conhecimento GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... ⁷ O termo Prostituta possuía outro significado diferente do que hoje é associado. Significava “aquelas que se prostram”, em refe- rência a Deusa a qual elas eram oferecidas e tornavam-se sacerdotisas. ⁸ Significa “Casamento Sagrado" e se refere à cópula de um deus ou homem com uma deusa ou mulher. FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  7. 7. 21 do inconsciente, além de libertar, proporciona ao he- rói um conhecimento novo e inexplicável. Os testes que o herói passou, preliminares de suas experiências e façanhas últimas, simbolizaram as crises de percepção por meio das quais sua consciên- cia foi amplificada e capacitada a enfrentar. Com isso, ele aprendeu que ele e sua Deusa, ou ainda, Anima, são um só, pois se casaram-uniram. Por derradeiro, seu destino é tornar-se o Mestre, que, variando de uma cultura para outra, pode ser um filósofo, ancião, líder político ou religioso, entre outros tipos. Já no caso maçônico, um Mestre Maçom, representante de Hiram Abiff. Desmistificando a mitologia, percebemos que o mistério do universo é retratado como Deus. Se pa- ra o religioso o infinito é o Deus, para o ateu ou ag- nóstico, o infinito é o Universo e suas infinitas mani- festações. O ego torna-se a figura do herói, por isso quando se encontra com Deus-Deusa, ou seja, seu próprio inconsciente, toma-se conhecimento de todo o universo ou infinito. O Eu Inconsciente em algumas passagens torna-se o velho sábio, que tudo sabe, e conhece as fraquezas e desejos reprimidos pelo o he- rói (JUNG, 2011). Depois deste primeiro ciclo da Aventura do Herói – ou Jornada Maçônica – o herói ainda é levado a cumprir outros deveres no universo. Da mesma for- ma, o Maçom é instruído da existência de outros graus a serem galgados, onde se encontra a continui- dade da Jornada Maçônica. Entretanto, dificilmente tem-se um final para a mitologia como um todo, pois, conforme a própria dialética aristotélica, em todo fim acha-se um novo início (CAMPBELL, 2007). Tendo o final de cada grau maçônico como um novo começo, pode-se compreender que, em outras palavras, tor- nar feliz a humanidade é um processo relativamente infinito. Conclusões a respeito de Mitologia e as razões deste estudo Em síntese, a mitologia pode ser entendida, sob a ótica da Psicologia Junguiana, como um sonho grupal, sintomático dos impulsos arquetípicos exis- tentes no interior das camadas profundas da psique humana (JUNG, 1978). Já numa visão religiosa, a mi- tologia pode ser tida como a revelação de Deus aos seus filhos. Tanto a mitologia, como os seus símbolos, são metáforas reveladoras do destino do homem, e, nas diversas culturas são retratadas de diferentes formas (CAMPBELL, 2007). A ideia central da mitologia é de que a mesma funciona como uma ferramenta para promover e entender a evolução psicológica do indi- viduo, sendo essa a função principal do mito (CAMPBELL, 2008). Em termos de interpretação psicológica da mitologia, sempre vamos encontrar como chave es- sencial a questão “Inconsciente = Reino metafísico”. Em outras palavras, “Porque eis que o reino de Deus está dentro de vós”⁹. Assim, a análise para toda ques- tão mitológica, é o estudo da psique humana. Em várias sociedades e cultos primitivos, a prática religiosa consistia em vivenciar a Mitologia de forma direta, pois o mito o estaria influenciando de forma indireta no decorrer das cerimônias, por inter- médio do inconsciente. Assim, o crescimento e finali- dade da Mitologia acontece de forma particular em cada um, como uma semente que aos poucos iria se germinando (JUNG, 2005). A tradição maçônica con- serva esses costumes como forma de instrução aos seus membros, sendo, portanto, herdeira pedagógica dessas antigas culturas (BLAVATSKY, 2009). E ao estu- darmos a Maçonaria, seu ritual e simbologia, não po- demos desconsiderar ou descartar esse viés, sob o risco de abrirmos mão do real objetivo de nossos ri- tuais. Referências Bibliográficas BLAVATSKY, HELENA P. O ocultismo prático e as origens do ritual na Igreja e na Maçonaria. São Paulo: Pensamento, 2009. CAMPBELL, Joseph. Herói de mil faces. São Paulo: Editora Pensa- mento, 2007. GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... ⁹ Lucas 17:21. FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.
  8. 8. 22 CAMPBELL, Joseph. Isto és Tu. São Paulo: Landy Editora, 2002. CAMPBELL, Joseph. Mito e Transformação. São Paulo: Ed. Ágora, 2008. DEL DEBBIO, Marcelo. Enciclopédia de Mitologia. São Paulo: Daemon Editora, 2008. HALL, Calvin S.; NORDBY, Vernon J. Introdução à Psicologia Jun- guiana. São Paulo: Cultrix, 2010. ISMAIL, Kennyo. Desmistificando a Maçonaria. São Paulo: Uni- verso dos Livros, 2012. JUNG, Carl Gustav. Interpretação psicológica do Dogma da Trin- dade. Rio de Janeiro: Vozes, 2011 a. JUNG, Carl Gustav. O Homem e seus símbolos. Rio de Janeiro: Editora Nova Fronteira, 2005. JUNG, Carl Gustav. Os arquétipos e o inconsciente coletivo. Rio de Janeiro: Vozes, 2011b. JUNG, Carl Gustav. Psicologia do Inconsciente. Rio de Janeiro: Vozes, 1978. JUNG, Carl Gustav. Psicologia e alquimia. Rio de Janeiro: Vozes, 2012. JUNG, Carl Gustav. Psicologia e religião. Rio de Janeiro: Vozes, 2011c. JUNG, Carl Gustav. Símbolos e interpretação dos sonhos. Rio de Janeiro: Vozes, 2011d. LEVI, Eliphas. Dogma e Ritual da Alta Magia. 20ª Edição. São Paulo: Pensamento-Cultrix, 2012. MAXENCE, Jean-Luc. Jung é a aurora da Maçonaria. São Paulo: Madras, 2010. MURPHY, Tim Wallace. O código secreto das catedrais. São Pau- lo: Pensamento, 2007. PRESTON, William. Illustrations of Masonry. New York: Masonic Publishing and Manufacturing Co., 1867. STAVISH, Mark. As origens ocultas da Maçonaria. São Paulo: Pensamento, 2011. VAN GUENNEP, Arnold. Os Ritos de Passagem. Rio de Janeiro: Editora Vozes, 2011. WAITE, A. E., A New Encyclopaedia of Freemasonry, 2 vols. Lon- dres: William Rider and Son Limited, 1921. GUIMARÃES, Rafhael. A INICIAÇÃO MAÇÔNICA: UMA ANÁLISE DE SUA MITOLOGIA POR MEIO DA JORNADA... FinP | Rio de Janeiro, Vol. 1, n.1, p. 15-22, Mai/Ago, 2013.

×